A Citroën do Brasil lança em junho seu compacto premium C3 com a nova motorização PureTech, seguindo a estratégia de motores menores e mais eficientes iniciada no sedã C4 Lounge. Mais econômico e com menor emissão de CO2, o novo motor 1,2-litro flex de três cilindros chega nas versões Origine, Attraction e Tendance em substituição ao motor TU4M 1,5-litro flex de quatro cilindros. O modelo tem preço a partir de R$ 46.490 (com frete incluído).

Dotado de tecnologias de última geração como o sistema de partida a frio com aquecimento nos injetores de combustível que elimina o reservatório de gasolina, bomba elétrica e tubulação para partidas a frio, o motor PureTech de 1.199 cm³ conta com duplo comando de válvulas com variador de fase na admissão e escapamento, sistema de arrefecimento dividido, bomba de óleo de vazão variável, coletor de escapamento integrado ao cabeçote, entre outros avanços, resultando no motor de menor consumo entre os existentes no mercado. Em comparação com o motor TU4M anterior, o PureTech proporciona uma redução de consumo de combustível de até 32% em trânsito urbano e permite ao modelo até 16,6 km/l na estrada, com gasolina, fazendo jus à classificação “AAA” no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular.

O C3 ganhou agilidade no trânsito urbano graças à  ampla disponibilidade de potência e torque em baixas rotações do novo motor, que desenvolve 82 cv e 12,3 m·kgf a, respectivamente, 5.750 e 2.750 rpm, números que sobem para 90 cv e 13 m·kgf com álcool às mesmas rotações.  Trata-se de um modelo que conquistará pela economia no dia a dia na cidade, mas que surpreenderá pelo comportamento dinâmico e desempenho na estrada.

Com mais de 327 mil unidades comercializadas desde seu lançamento em agosto de 2012, o Citroën C3 com o novo motor reitera sua vocação premium por meio de sua ampla lista de conteúdos, incluindo a avançada Central Multimídia com tela tátil de 7 polegadas (com diversas tecnologias de conectividade, como o Mirror Link, o Car Play e o Link MyCitroën), o inovador para-brisa Zenith, as luzes diurnas de LED, a moderna direção eletroassistida, o conjunto mecânico confiável e voltado para o conforto, entre outros equipamentos.

Além dos três anos de garantia contratual, o Citroën C3 PureTech 1,2-l Flex conta também com o competitivo Plano de Revisão a R$ 1 Por Dia, com revisões de 10.000, 20.000 e 30.000 km a preços fixos de R$ 365.

5a70ac8a-8d75-436f-a017-4ef111ef4898

JJ

(141 visualizações, 1 hoje)


  • marcus lahoz

    Juvenal uma pergunta: todos os carros já não tem a bomba de óleo com variação?!?! Lembro da época em que eu tinha medidor de pressão no carro e variava conforme a rotação.

    De qualquer forma este lançamento mostra que a PSA quer melhorar no Brasil, e eu acho que esta fazendo da forma certa.

    • CorsarioViajante

      Concordo, PSA vem se esforçando. Este novo motor parece ser ótimo, o Aircross tem preços sedutores, o 2008 tem um pacote invejável… O que ainda segura muito a marca a meu ver é o atendimento e pós-venda. Por exemplo, já contei mas conto de novo, fui conhecer o Aircross que tinha uma versão que cabia no meu bolso e seria interessante. Mas fomos tratados de forma tão arrogante e pretensiosa que acabamos indo embora. Para coroar, o vendedor passou o preço com um “pequeno ágio” de R$10.000 frente ao preço do site. O mesmo ocorreu com o 2008. No nosso caso, que procurávamos versões básicas do carro, foi nítido o desinteresse e menosprezo. Daí não tem jeito, acabamos comprando outro carro.

      • Lemming®

        Sem contar que não lançam o bendito com um câmbio automático de verdade.
        Viesse esse novo motor com um automático corretamente alinhado com o motor (como provou o Etios com suas 4 marchas) iria nadar de braçada.
        Do jeito que está morre na praia, de novo.

        • marcus lahoz

          Não entendi a queixa ao câmbio… No 208 o AT4, renominado de AT8 funciona muito bem, eu gosto bastante.

          • Lemming®

            #sqn. Minha cunhada tem e detesta. Funciona mal e porcamente. Não troca marcha quando deve ou segura demais.
            Pela avaliação do Etios (4 marchas que funcionam como deveriam) o que entendo é que a PUG errou e erra feio na programação do seu câmbio.
            Se sua experiência com ele é positiva OK.

  • FOC

    Eu não entendi o que faz o C3 ser premium.
    Pelo texto, se o motor do Onix fosse moderno ele seria premium, se o KA tivesse tela de 7 pol. seria premium. Dinamicamente ele é muito melhor que KA/Onix. Será?
    Eu não entendo porque o C3/208 não podem ter preços de KA/Onix.
    O volume de vendas não diz para fábrica que tem algo errado com a política de preços?

    • CorsarioViajante

      Esta é uma questão espinhosa para a própria PSA. Um tempo atrás fizeram um “novo alinhamento global”, onde a Peugeot seria a marca premium e a Citröen a marca “de briga”. Na prática, C3 acaba sempre sendo mais barato que versões correspondentes do 208, e Aircross chega com preços mais tentadores que o 2008 por exemplo. Mas para mim também ainda não ficou claro se esta estratégia está sendo suficiente frente aos demais do mercado, e os baixos números de venda parecem confirmar que ainda não está rolando.

      • Kar Yo

        Lembrando que não dá para confirmar o sucesso de uma estratégia baseada no volume de vendas, pois o foco principal seria o retorno financeiro.

    • Diogo

      O que se entende como premium, no Brasil, é o alinhamento do produto em relação ao similar europeu. Por isso, se classifica modelos como Fit, 208 e Fiesta como premium enquanto Ka, Onix e Etios são compactos “comuns”. Quem começou com essa onda foi a Volkswagen no lançamento do Polo. Era uma maneira de diferenciar ele do Gol. Aí as outras foram na mesma onda: Punto X Palio, Corsa C x Celta…

    • Roberto Alvarenga

      Creio que isso seja uma dotação antiga dos carros franceses, que tradicionalmente vinham bem equipados de série, com itens únicos em sua faixa de preço (como exemplos, podemos citar a suspensão hidropneumática do Citroën Xantia, os comandos de voz do Renault Laguna, o computador de bordo dos Peugeot 206, o painel digital do Xsara Picasso, o teto solar e o câmbio automático do C3, os comandos satélite do rádio do Clio, e assim por diante). Hoje, a concorrência se nivelou à oferta de equipamentos dos franceses. Não sei se não dá para continuar usando esse rótulo de premium no caso específico do C3 – talvez ainda se justifique pela qualidade dos materiais usados no acabamento do carro e pela acentuada vocação para o conforto que o carro demonstra, bem mais pronunciada que nos seus concorrentes.

      • Mr. Car

        Acho que é mais ou menos por aí. Há muito tempo que não entro em um C3, mas que me lembre, comparando com um Ka ou Onix, que andei vendo mais recentemente, era nítida a superioridade do francês em relação aos materiais, isso sem falar em itens de série.

  • Posso estar enganado, mas esse motor desenvolve 84 cv com gasolina, não?

  • Lucas Sant’Ana

    Quer um carro econômico? Pegue o classic atual e bote o câmbio do primeiro corsa wind 4+E, fará mais de 20km/l na estrada.

  • Eduardo Sérgio

    Boa notícia essa nova motorização aplicada pelo grupo PSA no Brasil. Tenho Citroen C3 1,5 e estou satisfeito com o carro. É econômico para meu modo de uso, com o computador de bordo informando rendimento de cerca de 19km/l (gasolina), em velocidades mantidas em torno de 90km/h.
    Gostaria que junto com essa nova versão 1,2-L viesse um trambulador de câmbio com engates mais agradáveis de se operar.

  • Leonardo Mendes

    Não demora muito e vão achar alguma coisa para depreciar o carro.
    A má vontade do brasileiro com os produtos PSA — em que pese as “cabeçadas” do passado — é impressionante.

  • Matheus, o 208 1,2 está sendo testado, já foi feito o vídeo. Será publicado nos próximos dias. Aguarde. O 208 GT está pautado, certamente.

    • Leonardo Mendes

      Aguardando ansiosamente pelo teste do 208 1,2.

  • CorsarioViajante

    É complicado dizer ou generalizar, talvez o mesmo vendedor atenda bem outra pessoa, ou talvez outra pessoa não esteja procurando a versão básica ou não ligue de pagar ágio. São muitas variáveis. Para mim nunca deu certo.

  • Lucas Sant’Ana

    Comentarista, dá pra por sim um câmbio mais longo em um Classic atual, o primeiro corsa wind tinha um 4+E e aguentava na reta, colocando esse mesmo câmbio no Classic ele aguenta também, é mais potente, por que não aguentaria? E apesar de o pico de torque ser em rotação alta, coforme já comentado aqui no AE, não significa que em baixas rotações é baixo, é um bom motor o 1.0 VHCE

  • Lemming®

    O 1.2 puretech que só tem o automatizado na Europa. Aqui deveriam lançar com um novo já que o AT4/AT8 funciona mal pelos relatos.

  • Frederico, haverá matéria a respeito, sem nenhuma dúvida, mas primeiro preciso ver a Resolução do Contran a respeito, que ainda não saiu. Opinião já temos: é a mais completa e racional imbecilidade.