Chinesa Zotye aparentemente fincou pé no Brasil. Após adquirir a TAC, fabricante dos jipes Stark no Ceará, acertou-se com o governo de Goiás e assinou termo de implantação em Goianésia, a 170 km de distância de Goiânia e 200 km de Brasília. Instalação seria em Colatina, ES, ou Sobral, CE, e Carlos Eduardo Barbosa, diretor, justificou mudança: governo de Goiás foi mais rápido.

A ideia é implantar fábrica (foto de abertura) em terreno de 120 mil m², com 28 mil m² cobertos, acreditando iniciar operações em 2018. Junto, outra fábrica das partes para os modelos elétricos. Até lá, alugar grandes galpões para iniciar o processo de montagem CKD, formando veículos a partir da importação de conjuntos desmontados. Projeto para 2018, em instalações próprias, é de quantidade próxima a 20 mil/ano, com sonhos de exportação à América Latina — mas é coisa lenta, exigindo atingir o percentual de 60% em peças Mercosul.

Processo assemelhado ao prometido pelo empresário Sergio Habib para viabilizar a tormentosa JAC: rompida a sociedade com os chineses, tocar o negócio sozinho e, enquanto constrói, aluga instalações para montar veículos trazidos em partes da China.

Mescla

Foto Legenda 02 coluna 1816 - Z 100  ZOTYE, OUTRA MARCA GOIANA Foto Legenda 02 coluna 1816 Z 100

Zotye Z100 (foto divulgação Zotye)

Segundo Cadu Barbosa os primeiros produtos serão o compacto Z100, em versões com motor por combustão interna, tricilíndrico 1,0, e elétrico. Junto, utilitário esportivo T600, com motor 1,5-litro e turbo. Concorrentes indicam preços de R$ 35 mil para o compacto com motor Otto; R$ 40 mil tração elétrica; e de R$ 50 mil pelo utilitário esportivo.

Foto Legenda 03 coluna 1816 - T600  ZOTYE, OUTRA MARCA GOIANA Foto Legenda 03 coluna 1816 T600

Zotye T600 (divulgação Zotye)

Paralelamente, definição sobre a TAC, de produção suspensa para mudanças no jipe Stark, aplicação de sistema ABS nos freios e alterações visuais marcando modelia e a nova controladora acionária. É indefinida a permanência em Sobral, ou a transferência para Goianésia. A TAC — Tecnologia Automotiva Catarinense — iniciou em Santa Catarina, mudou-se para o Ceará e, indo para Goiás, corre o risco de alterar o nome para TAG.

Se a Zotye efetivamente se implantar em Goiás, será a quarta marca no estado. Hoje há Mitsubishi e Suzuki em Catalão, e Caoa/Hyundai em Anápolis. Outras duas outras marcas chinesas, dizem, irão para Hidrolândia, próxima à capital, e para Luziânia, a 50 km de Brasília.

 

Megale preside Anfavea

Engenheiro mecânico, mineiro, maneiroso, experiente em fabricantes de várias nacionalidades e diretor de assuntos governamentais da Volkswagen, Antônio Megale sentar-se-á por três anos na cadeira de presidente da Associação e do Sindicato dos Fabricantes de Veículos Automotores — Anfavea e Sinfavea, respectivamente.

A habilidade de tato em mesclar o raciocínio cartesiano de engenheiro com o conduzir o relacionamento da marca junto ao diversificado público governamental, será muito exigida. A atividade de fazer e vender veículos é, ao lado da extinção de empregos, e da disparada da dívida pública, a de maiores perdas. Experiência importante, momento desafiante, em instigar, sugerir, participar das propostas para deter queda de vendas e de emprego, em abrir novos mercados estrangeiros, fomentar o crescimento. No Brasil a indústria automobilística é a face econômica.

Mineiramente modesto, Megale simplifica a principal agenda da Anfavea: garantir com o governo um mínimo de previsibilidade para o setor.

Luiz Moan Yabiku Jr., economista, antecessor, houve-se bem no período de crise para a qual se espera deter a queda e estabilizar números.

 

Aqui, o Kicks

Lançamento da Nissan, baseado na plataforma comum empregada para March e Versa, foi fotografado no Rio de Janeiro para campanha de lançamento. À imprensa será mostrado estaticamente próximo dia 2.

Modelo empregado é mexicano, trazido para cumprir compromissos atrelados ao patrocínio dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, quando disponibilizará enorme frota à organização, e aproveitar a intensa exposição para obter massiva divulgação.

Produção local atrasou, e por isto além das unidades trazidas para a apresentação, primeira série será de Kicks importados do México. Até o final do ano há expectativa de acertos com os fornecedores locais.

Versão superior, na foto, motor 1,6 litro, 110/111 cv e câmbio CVT — automático por polias variáveis.

Nissan Kicks  ZOTYE, OUTRA MARCA GOIANA Nissan Kicks

Nissan Kicks em paisagem carioca (foto autoblog.com.ar)

 

RODA-A-RODA

Petróleo – Caça aos automotores como entes poluidores e o surgimento de veículos híbridos e elétricos, instaram Shell a reagir por seu Carro Conceito.

Time – Focou aerodinâmica e baixo atrito no motor, comandado por Gordon Murray, ex-projetista da McLaren e Osamu Goto, ex-engenheiro chefe da equipe Honda em Fórmula 1. Pesa 540 kg, leva três pessoas — motorista à frente, dois atrás —, e a frente bascula. Parece a evolução do Isetta feito pela Romi no Brasil entre 1956 e 1961.

Recorde – Motor 3-cilindros, 660 cm³, cravou 47,2 km/l a 70 km/h de média. Não entrará em produção, servindo para mostrar o desenvolvimento de tecnologia de construção e lubrificantes para motores com ignição por centelha.

Foto Legenda 05 -coluna 1816 - Carro Conceito Shell  ZOTYE, OUTRA MARCA GOIANA Foto Legenda 05 coluna 1816 Carro Conceito ShellCarro Conceito Shell (divulgação Shell)

Mais uma – Matriz japonesa Mitsubishi Motors Corporation admitiu ter manipulado dados de consumo de seus produtos. Coisa antiga, multas novas.

Ocasião – No grupo operação automóveis é pequena, e o problema e seus custos podem pavimentar o caminho para ligar-se à interessada FCA – Fiat e Chrysler. Última tentativa, com a Ford, foi rechaçada.

Dieselgate – Parte da solução das emissões poluentes de seus motores diesel acima das normas legais, Volkswagen anunciou disposição de comprar quase meio milhão de unidades circulando nos EUA.

Mais – Integra acordo em tribunal da Califórnia. Donos pretendendo ficar com os carros, te-los-ão corrigidos nas regras de emissões. Acordo inclui recursos

para pesquisas em tecnologia automobilística. Marca informou, projeta custos no processo de adequação às normas legais, até agora, 18,2B de euros.

Embalo – Na questão, governo alemão determinou a VW, Opel, Audi, Porsche e Mercedes-Benz façam recall para 630 mil veículos para conferir e consertar eventuais emissões acima do padrão. BMW foi excetuada.

Autoridade – Enrique Alemañy, presidente da Ford Argentina, tomou posse na presidência da Adefa, associação dos fabricantes de veículos no vizinho país.

Conta própria – Confirmou queda do mercado interno e não ver perspectivas para recuperação do Brasil, estimando nossa produção 2016 em 2,2M de veículos. Discurso bolivariano, mesmo de Da. Dilma, Da. Kirchner e do Sr Maduro: problemas internos têm causas externas.

Sine die – Jaguar Land Rover adiou inauguração de instalações industriais em Itaiaia, RJ, antes prevista para estes dias. Rótulo oficial, compatibilizar agendas. Na prática não sabem a quem do governo federal convidar.

Cruze – Vestido para confundir, unidade do Cruze, próximo lançamento da GM, circula em São Caetano do Sul, SP, sede da GM. Será lançado de 3 a 5 de maio na Argentina, onde produzido. Depois, Brasil, mercado maior.

Foto Legenda 06 coluna 1816 - Cruze  ZOTYE, OUTRA MARCA GOIANA Foto Legenda 06 coluna 1816 Cruze

Cruze visto em S. Caetano do Sul (foto Gilberto Gardesani)

Disputa – Última semana do mês com briga afiada entre Hyundai e GM para ter o carro mais vendido no mercado. Pré-feriado HB20 liderava com 6.500 unidades, 5% sobre GM Onix.

Negócio – FCA, de Fiat, Chrysler e Jeep, através de sua marca de peças Mopar distribuirá óleos lubrificantes Shell. Terão marca diversa: MaxPro.

Festa – DAF, de caminhões, festeja milésima unidade, o XF105, na fábrica de Ponta Grossa, Pr. Velocidade reduzida, montagem começou em 2013. Não é chinesa, mas original da Holanda e ora controlada dos EUA pela Paccar, detentora das marcas Kenworth e Peterbilt.

Caminhos – BMW de motos trata com delicadeza construção de fábrica própria na Zona Franca de Manaus. Assunto surgiu no EICMA, o salão da moto em Milão. Hoje as BMW locais são montadas pela empreendedora Dafra, junto a italianas Ducati e MV Agusta, holandesa KTM.

Nome – Anúncio não é da marca, mas da Suframa, Superintendência da Zona Franca. Não adota nome mundial BMW Motorrad, mas curioso e extenso BMW Manufacturing Indústria de Motos da Amazônia Ltda; aplicará R$ 28,5M para 185 empregos. Valor indica números contidos em área, processos e produção.

Sem cão … – Mercado interno despencando, marcas nacionais atiram-se às exportações. Irã é novo e potente mercado, apto a absorver 140 mil automóveis, 17 mil ônibus e 35 mil caminhões.

Leque – No mundo há espaço a peculiares veículos nacionais, como o picape Toro. Fiat estuda enviá-lo aos EUA — tão logo haja capacidade de produção.

Com gato – Passo mais atrevido e sólido é da MAN Caminhões: montar filiais ou fazer acordos extra fronteiras para exportá-los em partes, montando-os nos mercados de destino. Articula com Marrocos, Argélia, Nigéria, Quênia e Irã.

BMW – Como informou Coluna passada, BMW vendeu 10.000 unidades de seu modelo X1 para os EUA. Supre demanda e incapacidade produtiva alemã. Valor US$ x R$ também ajudou. Segue o caminho de Voyage, Mercedes Classe A, Golf. Há uma década não se vendiam automóveis brasileiros aos EUA.

Amenidades – Mercedes-Benz revelou conceito de lancha, a Arrow 460 Granturismo. DNA de automóvel na proporção de volumes, no nome, Silver Arrow of The Seas, para lembrar os Flechas de Prata, vitoriosos carros das corridas pré-II Guerra, na cor prateada, para-brisa e vidros laterais baixam.

Como – 46 pés de comprimento — 14 m —, monomotor, 960 cv de potência, confortos para 10 passageiros — com menos carga pode cruzar a 46 nós, uns 85 km/h!

Legenda 06: Arrow 460. Mercedes chega ao mar (divulgação MB)

Autódromo – Deputado Distrital Júlio César (PRB) realizou audiência pública buscando solução para reativar o Autódromo de Brasília, com obras paradas por decisão do Tribunal de Contas do DF. No encontro, Carlos Leal, diretor da Terracap, estatal dona da área, anunciou ter R$ 12M para concluir a pista.

Recomeço – Ideia é completar circuito e reativar arquibancadas. Para funcionar ainda este ano, boxes e sanitários em tendas. Parlamentar crê ser o primeiro passo para reativá-lo. Esporte em Brasília não é o futebol do estádio inexplicável em existência, volumetria e custos, mas corridas de automóveis.

Fama – Leitor Luiz Felipe Figueiredo, aparentemente incontido Democrata, foi atrás do Oldsmobile Cutlass Ciera 1986 ex-Hillary Clinton, noticiado pela Coluna, à venda. Não cumpriu intento. Leilão no eBay, com 145 lances atingiu inimaginados US$ 60.100 – uns R$ 216.116.

Foto Legenda 07 coluna 1816 - Oldsmobile  ZOTYE, OUTRA MARCA GOIANA Foto Legenda 07 coluna 1816 Oldsmobile

Oldsmobile ex-Hillary, pedigree dá valor (eBay)

Gente – Evaristo Nascimento, empresário, passou. OOOO Era a cara das mostras e salões pela Alcântara Machado. OOOO Pós controle da Reed Exhibitions, abriu empresa própria e realizava o Salão dos VUC. OOOO Soma de complicações de saúde. OOOOWolfgang Nänle, VP de Operações Mercedes Brasil, aposentadoria. OOOO Cuidou da produção de ônibus na AL e recentemente organizou a fabricação de caminhões em São Bernardo, SP e Juiz de Fora, MG. OOOO Substituto Carlos Santiago, engenheiro ex-Fiat e ex-Ford, atual diretor de produção da marca no Brasil. OOOO Luiz Moan Yabiku Jr., 62, economista, deixou a presidência da Anfavea, associação dos fabricantes de veículos automotores. OOOO E aposentou-se como diretor da General Motors. OOOO

 

No Brasil, Toyota começou em 1952

Marca líder no mundo, operação sul-americana com liderança em produtos, a Toyota tem história diferenciada no Brasil. Não recebeu visita de prospectores brasileiros em 1952, em périplo para atrair fabricantes de veículos, nem apelos do Geia, em 1956 para se instalar no Brasil.

Apresentou seus produtos em grande esforço de renascimento e abertura internacional ao início dos anos 1950, fazendo périplo mundial, um show em navio. No Brasil atraiu atenções do patrício Itiro Nisitani nomeando-o representante, importando caminhões em partes para montá-los. Entre os chassis transformados em caminhões e ônibus, maior atenção para o picape FLX, com cabine avançada. Nisitani montou aproximadamente 800 unidades, instigando a matriz a prospectar o mercado nacional.

Três representantes de uma certa Toyota Motor Company Koromo — era a cidade-sede e se incorporara à razão social — procuraram o governador mineiro Juscelino Kubitschek. Estava ao final de gestão, preparando-se à campanha que o levou à Presidência da República em 1956. JK se entusiasmou com o interesse e ofereceu área no polo industrial da vizinha Contagem. Por razões desconhecidas a oferta não prosperou.

Voltaram, táteis, em 1958, e adquiriram a MBA/Rover, com projeto aprovado para produzir jipes Land Rover. Era pequena linha de montagem no bairro paulistano do Ipiranga, de onde saíram poucas centenas de unidades. Adquirir as facilidades acelerou planos de fincar pé no país como primeira filial internacional, e deu base para instalação de usina em São Bernardo do Campo, SP para a montagem dos jipes e picapes Land Cruiser, logo em seguida adotando motor Mercedes-Benz e o nome Bandeirante.

Foto Legenda 08 coluna 1816 - caminhões Toyota  ZOTYE, OUTRA MARCA GOIANA Foto Legenda 08 coluna 1816 caminh  es Toyota

Primeiros caminhões Toyota montados no Brasil, 1952 (divulgação TdB)

RN

A coluna “De carro por aí” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

Sobre o Autor

Roberto Nasser
Coluna: De carro por aí

Um dos mais antigos jornalistas de veículos brasileiros, dono de uma perspicácia incomum para enveredar pelos bastidores da indústria automobilística, além de ser advogado. Uma de suas realizações mais importantes é o Museu Nacional do Automóvel, em Brasília, verdadeiro centro de cultura automobilística.

Publicações Relacionadas

  • Lemming®

    Essa Zotye faz como todo chinês…
    Requentando o Fiesta antigo com esse Z100 e copiando descaradamente o Tiguan com esse SUV/SAV…

  • Mr. Car

    Adoraria ter um Cutlass Ciera 1986, ainda mais um como este ex-Hillary, azul com um maravilhoso interior monocromático também azul, mas não pagaria sessenta mil verdinhas por este especificamente, apesar da fama da dona, he, he! Quanto vale um sem dono-celebridade no histórico? US$ 1.000,00?