Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas PNEUS PIRELLI PARA PORSCHES CLÁSSICOS – Autoentusiastas

Quem tem carros antigos, velhinhos ou apenas fora de moda sabe que trocar os pneus muitas vezes não é tarefa das mais simples. As medidas mais comerciais muitas vezes não são as mesmas originais do carro.

Num mundo atual em que rodas de 17 polegadas de diâmetro estão se tornando quase um padrão, há cada vez menos opções de 13, 14 ou 15, medidas normais até mesmo em esportivos de algumas décadas atrás.

Agora a Porsche e a Pirelli se uniram para relançar uma variedade de modelos nessas medidas, com as atualizações necessárias, cobrindo vários modelos de 1959 a 2005. Com isso, há 161 novas recomendações de pneus para os 356, 911, 914, Boxster, 924, 928, 944 e 968. Em outras palavras, não é por falta de pneu que um Porsche irá ficar na garagem.

Os pneus recebem a letra N na certificação, significando que atendem os padrões de validação da Porsche, que incluiu testes do campeão mundial de rali Walter Röhrl. Ele foi chamado a participar do trabalho, oferecendo importantes orientações no que pode ser chamado redesenvolvimento dos pneus.

Esse termo tem toda veracidade, já que a construção mecânica, materiais e processos de fabricação não são mais do tempo em que os carros eram novos, mas evoluíram muito, e essa vantagem passa aos pneus para os antigos.

É uma novidade que brinda os entusiastas da marca Porsche com muito respeito, e coloca a Pirelli em uma situação de valorização da marca.

Que outras sigam o exemplo — especialmente a filial brasileira da Pirelli, que deixou na mão dezenas  (ou centenas) de milhares de proprietários de Chevrolet Corsa e Celta, e Ford Ka, ao simplesmente deixar de fabricar o pneu de medida 145/80R13. Quem quiser que se vire colocando o 165/70R13, que por ser mais largo leva a maior consumo de combustível e torna a direção mais pesada. “O problema não é nosso”, deve ter sido o pensamento de algum executivo da Pirelli…

JJ

Sobre o Autor

Juvenal Jorge
Editor Associado

Juvenal Jorge, ou JJ, como é chamado, é integrante do AE desde sua criação em 2008 e em 2016 passou a ser Editor Associado. É engenheiro automobilístico formado pela FEI, com mestrado em engenharia automobilística pela USP e pós-graduação em administração de negócios pela ESAN. Atuou como engenheiro e coordenador de projetos em várias empresas multinacionais. No AE é muito conhecido pelas matérias sobre aviões, que também são sua paixão, além de testes de veículos e edição de notícias diárias.

  • Cláudio P

    Ótima iniciativa, mas receio que por aqui não acontecerá nada semelhante. Pirelli e demais fábricas de pneus deixaram na mão também donos de Passat até 82 com rodas originais de tala 4,5 polegadas, que usavam pneus 155/80R13. A medida alternativa 165/70R13 não se adapta tão bem a essa tala, ficando melhor nas rodas de 5 polegadas do Passat TS e modelos pós 82, que saiam de fábrica com pneus 175/70R13.

  • Mr. Car

    Mais uma grande ajuda para facilitar a vida de quem tem um “vehinho”. No primeiro mundo, claro, para variar. E já que se falou em pneus, e especificamente em Pirelli, como apaixonado por publicidade faz tempo que ando atrás de um jingle de comercial de TV, onde a marca apresentava sua nova linha de pneus para 1978. Só me lembro que começava assim: “Roda, roda, roda, uma rodada “prá” frente, a Pirelli lança os novos pneus”. Depois havia uma parte em que citavam os modelos, entre eles o Tornado Alfa, e Tornado Beta. Alguém se lembra disto? Se lembra do jingle inteiro? Tenho procurado no maior museu de áudio e vídeo do mundo, o glorioso “Youtube”, mas até agora, nada. Em compensação, já achei isto. Alguém se lembrava? Uma mini-série estrelada por Rock Hudson e a linda Lee Remick, exibida na Rede Globo, também em 1978, e que no Brasil foi chamada de “Automóvel” (o título em inglês era Wheels). Se não me engano, na época li em algum lugar que era inspirada na vida de Lee Iacocca.

    • Aldo Jr.

      Mr. Car:

      Se a memória não falha, a partir de onde você lembra prosseguia assim:

      “Radial CN 15, radial CN 36, Tornado Alpha, Tornado Beta, GTI 70, são os novos pneus.
      Roda, roda, roda, é Pirelli que anda, no melhor da roda, é a nova geração de pneus.
      Pirelli é mais pneu!”

      Acho que era isso! Pior que tempos depois desse comercial, passei a usar os CN-36 nos Opala de corrida. Não sei se é o saudosismo, mas como aquele pneu era bom!
      Espero ter ajudado. Abraços;

  • Gustavo, irresponsabilidade total da Pirelli. Já não é a Pirelli que conheci.

    • Gustavo73

      E pelo visto não é a única empresa que não é o que já foi por essas bandas.

      • Daniel Jesus de Lima

        Vai na Casa Fernandes de Pneus – Revendedor Oficial Pirelli – que eles conseguem. Vá à unidade Campo Belo – Procure o vendedor Milton, tem um atendimento ótimo!

        • Gustavo73

          Obrigado pela dica.

          • Gustavo, agradeço também, o Celta da minha filha está precisando de pneus.

  • Vinicius, isso mesmo, Uno também.

  • Carlos A., isso de parar fazer uma determinada medida é de uma irresponsabilidade inominável. O responsável por isso tem que ter uma cabeça realmente doente para tomar uma decisão dessas. Cara que não sabe que é seu pai.

    • Carlos A.

      Caro Bob Sharp, concordo plenamente! Pior que parece ‘normal’ não ter mais e pronto! Acho que o problema é a cadeia toda, os comerciantes também tem culpa, pois querem “empurrar” no caso o 165/70R13 no lugar dos 145 e 155.

  • Mineirim

    … e eu fui pra Michelin. Toda hora tinha bolha nalgum pneu Pirelli. Já estou no terceiro jogo de Michelin e todos terminam íntegros, mesmo passando nas mesmas buraqueiras diárias e, às vezes, fazendo rali involuntário. rsrs

    • Ilbirs

      A Michelin está mandando bem. Troquei os pneus recentemente por quatro Energy XM2. A minha surpresa foi ver que para essa família de pneus, que inclusive é do tipo “verde”, há medidas para carros mais antigos, como Opala (195/70 R 14), tanto com a tal vantagem do menor atrito como os tais lances de ombros mais fortes e índices de velocidade superiores aos dos originais desses carros mais antigos.

  • Davi, caso do Fusca, medida correta 155/80R15, mas a medida não existe mais. Dois milhões de Fuscas e 10.000 DKW-Vemag Belcar/Vemaguet ainda rodam. Os idiotas estão desprezando um mercado desses.

  • Davi, se não me engano, 185/70SR13.

  • Eduardo, esse ainda existe, 165/80R15S.

  • Gustavo, arriscado, com dois milhões de Fuscas em circulação?

  • Gustavo73

    Se não me engano são as que o Bob falou.

    • Davi Reis

      Gustavo e Bob, se me permitem a dica, encontrei essa medida nos catálogos da Dunlop e Continental. SP Touring e ContiEcoContact 3, respectivamente.

  • Fernando, todos imbecis completos. Doentes, acometidos de holeritite, doença que faz o idiota pensar só no dele no fim do mês e mais nada.

    • Gustavo73

      Se essa”doença” já me incomoda em alguns funcionários públicos, me deixa louco em quem trabalha na iniciativa privada.

  • Gustavo, pois é, inacreditável a burrice desse pessoal. Depois ficam choramigando que há crise…

  • Mr. Car

    E não é que apareceu um que se lembra, he, he? Sempre bom fazer alguém “ganhar o dia”.
    Abraço.

  • Ilbirs

    A Michelin tem 195/70R14 para a linha Opala no modelo Energy XM2. Esse pneu é superior àqueles que estávamos acostumados para o modelo (que saiu de fábrica com pneus de índice de velocidade S, de até 180 km/h): tem índice de velocidade maior, é do tipo “verde” e tem todos os benefícios de um pneu moderno, o que só melhora em um carro antigo, ainda mais se considerarmos o quão invulneráveis são as rodas aro 14 de um Opala a mordidas de guia e buracos graças aos ombros altos. Imagine agora esses ombros sendo mais resistentes por serem de um pneu moderno que também tem medidas pensadas para carros mais modernos e pneus de ombros mais baixos.

  • Cláudio P

    No Passat era mesmo comum trocar os 155/80R13 pelos 175/70R13, que equipavam os TS. A grande verdade é que o Passat ficava mais vistoso, mas as pessoas justificavam a mudança com argumentos relacionados a estabilidade e outros. Porém, para essa mudança dar certo, era praticamente obrigatória a troca das rodas tala 4,5 polegadas do LS pelas 5 polegadas dos TS e LSE. Isso até 82, pois de 83 em diante todos os Passat já vinham com pneus 175/70R13 e rodas de tala 5 polegadas, exceto a partir de 84 o GTS Pointer 1.8 com 185/60R14 e rodas 6 x 14 polegadas.

  • Carlos A., mandei hoje o link da notícia para a assessoria de imprensa da Pirelli.

  • Thiago, isso é absolutamente ridículo ou mesmo criminoso.

  • Carlos Eduardo

    Tive experiência com os Goodyear Excellence também, vieram originais no meu Fox, concordo plenamente, horríveis na chuva, depois de 36 mil km suportando eles escolhi a dedo um jogo de Bridgestone Potenza, foi da água para o vinho, no seco e no molhado.

  • Milton Evaristo

    Eu acredito que o sumiço de determinadas medidas é culpa do consumidor, conforme expliquei acima. A fábrica não vai manter uma linha para atender 3 ou 4.

    • Milton, acho que tem um pouquinho mais que três ou quatro carros, não acha?

      • Milton Evaristo

        Forma de expressão para dizer a minoria. A maioria na primeira oportunidade muda a medida do pneu, seja por estética, preço, estabilidade etc. O Fit com pneus 185/55R16 existe desde 2008 e continua no atual. Reparo quando vou à concessionária que o segundo jogo dos carros é tudo 195/55R16. O mesmo pode valer para dois milhões de Fuscas e 10.000 DKW-Vemag Belcar/Vemaguet: o consumidor migrou para outra medida. Ou é mais um caso de Tostines rsrs

        • Milton, saiba os primeiros traços no projeto de um automóvel são uma linha representando a distância entre eixos e dois círculos representando do diâmetro das rodas completas (roda + pneu). Esses dois círculos não se alteram por toda a vida ou geração do modelo. É por isso que à medida que aumenta a seção transversal de um pneu é necessário diminuir o perfil para esses círculos se mantenham inalterados. E não só por questão de visual: a geometria de direção é calculada para o diâmetro da roda completa. Este pode variar no máximo, estourando, já forçando barra, 2%. No caso dos Fuscas e DKW-Vemag não houve migração. No manual do Fusca, que saía com diagonais 5.60-15, a indicação para pneu radial era 155SR15, que era amplamente usado (Pirelli Cinturato CF67). Mas a Pirelli tirou esse medida de produção e passou a oferecer o 165SR15, 2,6% maior, inapropriado. Eu só percebi isso quando o Fusca “Itamar” foi lançado em 1993, que veio com 165SR15 e não 155SR15. Na época eu estava na Autoesporte e questionei a VW, que então me disse “ter sido o jeito”para usar pneu radial por não existir mais o 155SR15. Em tempo: essa era a notação dos pneus radiais até o perfil começar a diminuir nos anos 1970, seção transversal e diâmetro da roda, 155-15, pois o perfil só era 80 (altura do flanco 80% da seção transversal). Com perfil 70 a notação 155SR15, por exemplo, passou a 155/80R15S.

  • Roberto, consumo aumentará um pouco, nada significativo. Mas a estabilidade certamente será bem maior.

    • Roberto Eduardo Santonini Ceco

      Obrigado, Bob.

  • Ilbirs

    Sobre Goodyear, estou me surpreendendo com essa. Saí de quatro GPS3, os da frente trocados por desgaste e os de trás por tempo, e sempre achei esses pneus excelentes na chuva, permitindo manter velocidades na estrada como se o chão estivesse seco (110 km/h o tempo todo e sem sinal de aquaplanagem). Só começou a haver alguma aquaplanagem quando os da frente ficaram mais desgastados, mas ainda assim algo bastante previsível e lidável. Estranhei isso sobre os Excellence, ainda que não possa falar nada sobre esses pneus por não os conhecer e só ter mesmo o seu depoimento e o do @disqus_ilg6pbnCdn:disqus para saber de algo.

  • Ilbirs

    Eu tenho tido boa experiência com o quarteto de XM2 que entrou no lugar dos quatro GPS3 que estavam anteriormente e foram substituídos (os da frente por desgaste, os de trás por tempo): rodam silenciosos, agarram bem no piso (mesmo sendo pneus “verdes” e usados em veículo que não foi projetado originalmente para esse tipo de “calçado”), vão bem na chuva (por ora só podendo falar de cidade, pois ainda não dirigi em estrada para saber se tão capazes quanto os GPS3 de ignorar a existência de água no piso e rodar a 110 km/h como se estivesse seco), além da tal impressão de filtrarem bem o tranco ao passar pelos muitos buracos paulistanos. De brinde, ganhei índice de velocidade maior, aqui dentro da política da Michelin de fazer essa série inclusive com medidas para carros mais antigos (como Opala e Caravan e seus 195/70 R 14, que passam a ser H, para 210 km/h, como outros dessa família de pneus, em vez do índice original S, que vai até 180 km/h) já tendo esse benefício e o fato de serem pneus modernos aplicados em carros descontinuados há um belo tempo (vou crer que a linha Opala com eles calçados vá inclusive se portar na chuva melhor do que aquilo que teríamos com os pneus originais, sendo questões pluviométricas especialmente sensíveis para os modelos em questão).

  • Milton, seria mais 1,69%, pode usar. Mas haveria um ganho de aderância tão pequeno que não vale a pena.

  • Matuck, é melhor quando se quer ou se precisa melhorar comportamento, o que não é o caso de muitos, já que os carros originalmente com 145/80R13 nada deixam a desejar. Se passar para o 165/70R13 haverá algum peso a mais no volante para carros sem assistência de direção e, sendo leves, maior tendência à aquaplanagem. Meu irmão rodou 245.000 km com o Mille Electronic 1993 dele sem nenhum problema de estabilidade.

  • Matuck, concordo, a seguradora agiu de maneira irresponsável.