Depois de andar no JAC T5 por ocasião do seu lançamento, com as impressões publicadas no no AE no final de fevereiro (há bastante informação ali), fiquei com um durante oito dias, em que se confirmou tudo o que eu havia observado. Quem aprecia ou deseja passar para um SUV/crossover tem nesse chinês uma boa oportunidade de ter na garagem um carro espaçoso e de excelentes características dinâmicas, desde que não se importe em ter pedal de embreagem e precise trocar marchas manualmente (ou não se sinta rebaixado na escala social por isso). Mas está prevista a chegada de um automático (CVT) mais para o final do ano.

O preço da versão de entrada, chamada Pack 1, se mantém em R$ 59.990, mas nesse ínterim os das outras duas sofreu aumento, a intermediária Pack 2 passando de R$ 64.990 para R$ 66.690 (2,61% mais) e a Pack 3, a topo, de R$ 68.990 para R$ 70.690 (2,46%).

JAC T5 04

A versão inicial tem custo-benefício dos mais atraentes, pois traz ar-condicionado automático com leitura digital da temperatura, cintos dianteiros com pré-tensionador, vidros, travas e retrovisores elétricos, alarme periférico, monitor da pressão dos pneus, engates Isofix para dois bancos infantis, sensor de estacionamento, abertura interna do porta-malas e da portinhola do bocal do tanque, computador de bordo, ajuste elétrico do facho e acendimento automático dos faróis, banco traseiro bipartido e banco do motorista com ajuste de altura, também para a ancoragem dos cintos dianteiros.

JAC T5 13

JAC T5, “ocidentalizado”

A intermediária acrescenta rodas de alumínio, faróis e luz traseira de neblina, luzes de uso diurno em fileira de LEDs, estrado de teto, assistente de partida em rampa e controle de estabilidade e tração (desligável).

À versão de topo se somam bancos revestidos de couro, kit multimídia com mirror link em tela tátil de 8” e câmera de ré.

O motor de 1.499 cm³ é flexível em combustível, desenvolve notáveis 125 cv com gasolina e 127 cv com álcool e empurra — na verdade puxa, a tração é dianteira — o veículo de apenas 1.210 kg com facilidade. O consumo padrão Inmetro/PBE é de 9,6/12,2 km/l cidade/estrada com gasolina e 6,8/8,2 km/l, idem, com álcool. Mas andando normalmente na cidade, com álcool, observei consumo ao redor de 8 km/l, e na estrada a 120 km/h reais com ar-condicionado ligado, sempre próximo de 10 km/l. Portanto, o T5 não vai deixar ninguém mais pobre por gastar com combustível. O tanque é que poderia ter uns 10 litros mais de capacidade; 45 litros é pouco.

20160226_160434

O principal responsável pela festa é o motor projetado pela AVL austríaca, mas fabricado pelo JAC na China (tampa plástica decorativa retirada para a foto)

Para quem tem certo interesse por automóvel dá satisfação de ter e dirigir um veículo com quatro freios a disco de modulação correta e um comportamento em curva de primeira grandeza, resultado de uma calibração perfeita da suspensão dianteira McPherson com subchassi e da traseira por eixo de torção. isso aliado à uma posição dirigir perfeita e pedais bem-arranjados até para quem gosta de fazer um punta-tacco. O único senão é precisar alcançar o botão do computador de bordo entre os dois instrumentos principais passando a mão por dentro do volante.

JAC T5 15

Perfil moderno e agradável à vista

É reconfortante saber que em caso de furo de pneu há um estepe pronto para ser colocado e se poder prosseguir viagem sem limitações de velocidade ou de estabilidade e, melhor, que há lugar para guardar a roda com pneu furado eventualmente suja, cada vez mais raro em tempo de estepes temporários (sou totalmente favorável ao “estepe à moda antiga”, nota-se).

Vale notar que mesmo não tendo um entre-eixos enorme — apenas 2.560 mm — o espaço interno até para quem está no banco traseiro que conta com três cintos de três pontos e três apoios de cabeça, é muito bom,  “atrás de mim” sento-me bem.

JAC T5 25

Bom espaço atrás do “meu” banco

Chama a atenção a grande distância da cabeça ao teto nos cinco lugares, evidência de que mesmo sendo um veículo relativamente alto (1.625 mm) o centro da gravidade é baixo, contribuindo bastante para o notável comportamento em curva. Apesar do ar-condicionado  que mais parece um freezer de tão eficiente (a falta de saídas para trás nem chega a fazer falta), quem vai atrás tem a liberdade de baixar completamente o vidro da sua janela.

O interior é bem-decorado e chama a atenção a elegância dos puxadores de porta, os quatro iguais e em cor prata. Há a indispensável faixa degradê no para-brisa, o útil porta-óculos no teto e a providencial luz sinalização das portas dianteiras quando abertas.

Mas o principal responsável pelo dirigir e andar agradável do JAC T5 é mesmo seu moderno motor. Bloco e cabeçote de alumínio, duplo comando de válvulas de acionamento por corrente, variador de fase no comando de admissão, quatro válvulas por cilindro. Entrega potência de 125/127 cv a 6.000 rpm e torque de 15,5/15,7 m·kgf a 4.000 rpm, mas é de uma elasticidade admirável mesmo com o pico de torque a essa rotação. Ao chegar a 3.500~4.000 rpm vem uma superacordada e o motor berra com vigor até o corte limpo a 6.250 rpm (poderia chegar a 6.500 rpm sem problema), perfeito para quem aprecia um bom motor de aspiração atmosférica. Para quem não, roda-se perfeitamente a 2.000~2.500 rpm. E não há sistema de injeção de gasolina para partidas a frio quando com álcool e sob baixas temperaturas.

JAC T5 07

Estilo o JAC T5 tem para dar e vender, mas as duas saídas de escapamento decorativas bem que poderiam ser funcionais

A velocidade máxima de 194 km/h e a aceleração 0-100 km/h em 10,8 segundos, conforma a JAC informa (certamente com álcool no tanque), são plenamente adequados. A sexta marcha é de caráter sobremarcha e a 120 km/h reais o motor está a apenas 2.900 rpm. A velocidade máxima é atingida em quinta.

O elogiado comportamento em curva não é exagero.  A maneira como as ataca e se mantém equilibrado ao longo delas faz esquecer que se trata de um utilitário. É o ponto alto do T5 e não foi preciso sacrificar (muito) o conforto de rodagem.

Estão reunidos neste chinês os ingredientes para alegrar seu comprador. Da sensação de ter pago valor justo à garantia de seis anos com troca de óleo do motor e revisões a cada ano ou 10.000 km.

Uma explicação: a foto de abertura diante do Vickers Viscount em Araçariguama e outras mostram vidros escurecidos da coluna central para trás. Isso não é de série, mas aplicado pela JAC no Brasil em todos os carros vendidos, inclusive na frota de teste, e em todos os vidros menos para-brisa. Sabedor a quem este T5 seria destinado, o competente gerente de imprensa da JAC, Eduardo Pincigher, providenciou a remoção dos “sacos de lixo” laterais dianteiros sabendo que aprovo a solução europeia de só o motorista precisar de visibilidade total. Obrigado, Edu!

BS

 

Vídeo, depois mais fotos, em seguida ficha técnica

 

 

FICHA TÉCNICA JAC T5 Pack 3
MOTOR
Tipo Quatro cilindros em linha, transversal, bloco e cabeçote de alumínio, duplo comando de válvulas, corrente, variador da fase na admissão,  16V, flex
Diâmetro x curso 75 x 84,8 mm
Cilindrada 1.499cm³
Formação de mistura Injeção no duto
Potência 125 cv (G), 127 cv (A); a 6.000 rpm
Torque 15,5 m·kgf (G), 15,7 m·kgf (A); a 4.000 rpm
Corte de rotação 6.250 rpm (limpo)
Taxa de compressão 10,5:1
TRANSMISSÃO
Câmbio Transeixo manual de seis marchas, tração dianteira
Relações das marchas 1ª 3,769:1; 2ª 2,053:1; 3ª 1,393:1; 4ª 1,031:1; 5ª 0,778:1 6ª 0,681; Ré 3.583:1
Relação do diferencial 4,056:1
v/1000 (km/h) 1ª 7,6; 2ª 13,8; 3ª 20,5; 4ª 27,6; 5ª 36,6; 6ª 41,9
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora, em subchassi
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizador integrada ao eixo
DIREÇÃO
Tpo Caixa de pinhão e cremalheira, assistência elétrica indexada à velocidade
Diâmetro mínimo de curva n.d.
FREIOS
Dianteiros A disco ventilado
Traseiros A disco
Controle ABS, EBD e auxílio à frenagem
RODAS E PNEUS
Rodas Alumínio, 6Jx16
Pneus 205/55R16V, inclusive estepe
CONSTRUÇÃO
Tipo Monobloco em aço, suve/crossover, 4 portas, 5 lugares
AERODINÂMICA
Coeficiente aerodinâmico n.d
Área frontal 2,28 m² (calculada)
DIMENSÕES
Comprimento 4.325 mm
Largura 1.756 mm
Altura 1.625 mm
Distância entre eixos 2.560 mm
Bitola dianteira/traseira 1.480/1.475 mm
Distância mínima do solo n.d.
PESO
Em ordem de marcha 1.210 kg
Carga útil n.d
DESEMPENHO (COM GASOLINA OU ÁLCOOL)
Velocidade máxima 194 km/h
Aceleração 0-100 km/h 10,8 s
CAPACIDADES
Tanque de combustível 45 litros
Porta-malas 600 litros
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 6ª 41,9 km/h
Rotação a 120 km/h em 6ª 2.900 rpm
Rotação à vel. máx. em 5ª 5.300 rpm

 

 



Error, group does not exist! Check your syntax! (ID: 7)

Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas

  • Piolho

    Toda vez que (censurado).

    • Está pensando que vai se mostrar aqui, bobalhão? Pois se enganou.

  • Gustavo, não posso dar tal opinião por não se tratar de comparativo.

  • Diney

    Que grata surpresa, estão evoluindo. Bob, senti falta das fotos sob o carro, no demais, excelente avaliação.

  • Fernando

    Ótima avaliação Bob!

    Acho bastante interessante tanto a massa ser bastante reduzida para o porte, quanto o motor oferecer um bom desempenho(e faz imaginar como deve ficar brilhante em um carro ainda mais leve), e isso junto não ser algo de consumo tão elevado. Mas precisam fazer caber um tanque maior, para os que forem usar álcool será uma importante melhora.

    Gostei do detalhe da luz na porta, vidro traseiro que desce até o fim, do ótimo acerto de suspensão, porta-óculos…

    Assim como na época da chegada dos J3, espero que tenha sucesso dentro de seu mercado.

  • Lemming®

    Evolução interessante. Com o CVT deve vender bem mais.
    Para mim poderia melhorar esse painel com menos cor, mais simples e sem esse prata.

  • Leister, não sei o nome do acertador de chassi da JAC, tudo o que sei é ele ser um japonês de 70 anos. Outros nomes citados foram o inglês Richard Parry-Jones, da Ford inglesa (já aposentado), e o italiano Claudio Demaria, da FCA Latin America (antes Fiat Automóveis).

  • Marco de Yparraguirre

    Muito interessante o T5, pra quem gosta desse tipo de carro. Caro Bob, uma curiosidade. Qual a distancia de Araçariguama para o centro de São Paulo?

    • Marco, 56 quilômetros, mas a partir do Marco Zero, na praça da Sé. Deixando a marginal do Pinheiros e pegando a rodovia Castello Branco, uns 10 quilômetros menos.

  • Robson, escrevi que o tanque era muito pequeno, não leu? Que deveria ter capacidade pelo menos 10 litros maior.

    • robson santos

      Claro que li, Bob, quis só enfatizar um ponto que para mim é decepcionante num veículo deste porte.

  • Fat Jack

    Me impressionei com os comentários sobre a dirigibilidade e a capacidade de fazê-lo deslanchar com o motor 1,5l, por sinal, acho esse motor muito interessante pelo rendimento que oferece e a economia que proporciona, se tiver uma boa durabilidade (como me parece que os 1,4l têm) é um baita motorzinho!
    Inicialmente achei que ele seria motorizado pelo mesmo 20,l dos J6.
    Outro item que ma agrada bastante é a opção de uma última marcha longa, reduzindo tanto consumo quanto ruídos…
    Eu realmente lamento muito a situação que a JAC enfrenta no Brasil, entre outras coisas porque eles se mostraram bastante atenciosos com algumas críticas de estilo interior e exterior dos J3 e fizeram o possível para as correções serem realizadas com agilidade. Se a situação comercial da JAC fosse melhor (entenda-se vendesse mais barateando e aumentando custo das peças) seriam excelentes opções, para o panorama geral, pareceu-me um ótimo custo/benefício. Fiquei também bem feliz ao ver itens como o controle do reostato de iluminação do painel (item absolutamente em extinção lamentavelmente) e o controle de altura dos faróis com 6 opções!
    Parabéns a equipe, mais um vídeo e a avaliação soberbos!

  • Joe

    Parece realmente uma opção bem interessante, considerando o preço. Bem equipado, bem desenhado (ainda acho o estilo de alguns detalhes meio exagerado, por exemplo a grade e a máscara dos instrumentos) e com mecânica pelo relato empolgante especialmente sendo 1.5. Me chamou a atenção o tamanho do cofre x tamanho e posicionamento do motor, lá atrás, parecendo bem próximo do painel do carro. Dá a impressão que daria para reduzir muito o balanço dianteiro, ou colocar um motor bem maior.

  • Carlos Garcia

    Olá Bob, impecável esse test drive! Mostrou as impressões do carro no uso, depois apresentou a motorização e suas características, por fim detalhes do interior do carro. Deu até vontade de fazer um test drive em um T5. Parabéns! Sou fã dos seus vídeos.

    • Carlos Garcia, obrigado pelo comentário. O T5 CVT encontra-se rodando no teste de 30 dias com o Roberto Agresti.