O ponto realmente alto da picape Fiat Toro é a suspensão muito macia para um veículo de 1 tonelada de carga útil, aliada um comportamento em curva admirável e a uma estabilidade direcional perfeita. Por isso, ela presta muito bem para todo tipo de uso, sendo as rodovias o seu habitat.  Destaque também para o desempenho proporcionado pelo motor Diesel 2-litros turbo de 170 cv a 3.750 rpm e 35,7 m·kgf a 1.750 rpm que ronrona a 2.500 rpm a 120 km/h.

A Freedom a diesel só vem com câmbio manual de 6 marchas e a testada é de tração dianteira, havendo também a 4×4. Em estradas como a Rodovia dos Bandeirantes e Anhanguera, sem subidas íngremes, não há necessidade de reduzir marcha. Ela segue impassível, desprezando os aclives. Assim segue e quando vai ver, já chegamos.

Painel de bom gosto e de comandos intuitivos

Painel de bom gosto e de comandos intuitivos (foto: Nina Keller)

Os bancos são bons, em especial os dianteiros. O traseiro acomoda bem dois adultos, com encosto confortável e suficiente espaço para as pernas, mas um terceiro adulto ficará desconfortável se viajar sentado no meio. Os vidros das janelas traseiras baixam totalmente. O ar-condicionado automático satisfaz todos os ocupantes, mesmo não havendo saídas de ar para os de trás.

A caçamba é gigante. Ao descarregar o que três mulheres acharam essencial para um fim de semana, me veio a expressão exata do que são 820 litros de bagagem: é um mundaréu de coisas. Ainda bem que a Fiat não mandou uma Toro com o opcional extensor de caçamba, que aumentaria em 405 litros, que seria imediatamente preenchido por elas com mais meio mundaréu. Mas com o extensor pode-se levar uma moto.

Desde fragilidades a trator pá carregadeira ela leva em seus 820 litros de caçamba

Desde fragilidades a pá carregadeira,  ela leva muita coisa  sua caçamba de 820 litros

A posição de guiar é das melhores. Diferentemente de todos os outros modelos Fiat modernos que já dirigi, o volante da Toro pode ser posicionado na altura ideal para mim. Todos os outros Fiat, mesmo colocando-o na posição mais baixa, ele fica alto demais para o meu gosto. Espero que a ergonomia da Toro vire o novo padrão da marca.

O trambulador do câmbio de comando é a cabo e os engates são  suaves, leves e precisos. Uns dirão que tem curso longo. Eu gostei como é, e muito, troca-se marchas com as pontas dos dedos. O canal de 5ª para a 6ª é perfeito. A alavanca vai direto, sem que tenda a engatar a 4ª.

O posicionamento dos pedais é perfeito, o punta-tacco sai naturalmente. O pedal do acelerador é progressivo, bom de dosar, assim a modulação de freio — discos ventilados de 305 mm de diâmetro na dianteira e tambores, de 295 mm — é perfeita. Mas a embreagem exige certo esforço no pedal. Tem carga um pouco alta e acoplamento um tanto abrupto. Isso, aliado ao fato do motor ser fraco quando em giro bem baixo, entre marcha-lenta e 1.500 rpm, levou a nos primeiros quilômetros o motor morrer em algumas saídas. Mas não é nada que logo com que se acostume. Basta acelerar um pouco mais e dar uma leve patinagem da embreagem. Já a partir das 1.500 rpm o motor acorda de imediato e dele vem uma força de arrancar toco do mato. Com câmbio automático ZF de 9 marchas, tal qual o da Toro Volcano, que usa o mesmo mesmo motor, isso, é claro, não acontece.

Perfeita ergonomia. Diferentemente dos outros Fiat, o volante da Toro desce até o ideal

Perfeita ergonomia: diferentemente dos outros Fiat, o volante da Toro desce até o meu ideal

Faz o 0 a 100 km/h em 9,5 segundos e atinge 190 km/h, segundo a Fiat. O consumo ficou ao redor de 10,5 km/l na cidade e 14,5 km/l na estrada. Com um tanque de 60 litros a autonomia é tranquilizadora. Já com motor flex, imagino que nem tanto. Na estrada, como disse, a 120 km/h e em 6ª marcha, o giro está em 2.500 rpm. Motor até que silencioso para um a diesel, e bem isolado. De fora ele não é tão silencioso, sinal que foi mesmo bem isolado do interior. O corte vem a 5.000 rpm, rotação elevada para um Diesel.

A Toro não é um exemplo de desempenho e nem pretende ser, mas o que agrada, e muito, é a sua retomada. Na estrada, uma acelerada mais funda, em qualquer marcha, resulta em ganho consistente de velocidade. Muito boa para ultrapassagens seguras. Em estrada boa e com trânsito livre é bom ficar atento ao velocímetro, pois uma distração leva a velocidades acima dos 120 km/h permitidos. E isso levando em conta que o velocímetro desta Toro estava muito mal calibrado. Marcava 120 km/h quando na realidade estava a 100 km/h, um erro exagerado.

Motor diesel potente e bem isolado

Motor diesel potente e bem isolado

Nenhuma das picapes grandes de cabine dupla que dirigi — Hilux, Amarok, Frontier, por exemplo — é tão boa na estrada quanto a Toro. Elas cresceram, como é normal acontecer com todos os modelos de picapes e automóveis, e com isso elas abriram uma brecha entre elas e as pequenas, como a Strada e Saveiro. Esse vácuo foi inteligentemente preenchido pela Renault Oroch e agora pela Fiat Toro, com a tremenda vantagem da construção destas duas serem de monobloco e não carroceria sobre chassi, como as grandes.

A maior rigidez torcional é logo percebida, que resulta numa melhor dirigibilidade. Dirigi-las não é como dirigir uma picape, mas como um suve, ou seja, está mais para automóvel que para caminhão. Quem antes, mesmo precisando, não cogitava em ter uma picape de cabine dupla por não gostar de dirigir picapes, agora pode começar a fazê-lo.

Suspensão independente garante robustez, boa estabilidade e maciez

Suspensão traseira independente garante boa estabilidade e maciez e nesse caso não é menos robusta do que a por eixo rígido.

A grande diferença é nas estradas esburacadas de terra. Tanto a Oroch quanto a Toro são bem mais macias que as grandes, sendo a Toro ainda mais que a Oroch. Nada de incômodos solavancos e nada de eixo traseiro quicando. Isso se deve a que estas usam suspensão independente na traseira, enquanto as grandes usam pesados eixos rígidos. E falando em 4×4, as versões de tração nas quatro rodas dessas duas, por terem o diferencial suspenso, deixam maior vão livre, o que ajuda a evitar que encravem em facões de terra/lama. A Toro tem 206 mm de altura livre do solo e em estradas de terra é preciso cuidar para não se andar rápido demais, tal a suavidade da suspensão. E ela consegue ser assim sem ser macia demais. Ela é rápida, de reações imediatas.

A Fiat vem conseguindo juntar características de suspensão que antes pareciam antagônicas: maciez, rapidez, comportamento em curvas, estabilidade direcional, grande altura do solo. E o note-se que esta Freedom estava com pneus de uso misto. Imagino-a com bons pneus de asfalto, ficaria ainda melhor em tudo, e só perderia um pouco de aderência na terra.

Atrás tem bom espaço e conforto para dois adultos

Atrás há bom espaço e conforto para dois adultos

Na terra ela apresentou certa dificuldade para tracionar em subidas mais íngremes. Isso já era esperado, já que, por tracionar só na dianteira, na subida sua massa se desloca para a traseira e alivia a dianteira. Com carga na caçamba isso na certa se agrava. Portanto, se o destino da picape for pegar estradas de terra em região montanhosa, é recomendável que se gaste um pouco mais e compre logo a versão 4×4. Aí não tem erro.

Amplo curso da suspensão traseira

Amplo curso da suspensão traseira

A versão testada, a Freedom 2.0 Diesel, tem preço sugerido de R$ 95.332.

AK

 

FICHA TÉCNICA FIAT TORO FREEDOM DIESEL 4X2
MOTOR
Tipo 2.0 Multijet turbodiesel 16V, duplo comando de válvulas
Cilindrada 1.956 cm³
Diâmetro e curso 83,0 x 90,4 mm
Taxa de compressão 16,5:1
Potência máxima 170 cv a 3.750 rpm
Torque máximo 35,7 m·kgf a 1.750 rpm
Rotação de corte 5.000 rpm
Formação de mistura Injeção direta Multijet II, sequencial
TRANSMISSÃO
Câmbio Transeixo manual de 6 marchas mais ré, tração dianteira
Relações da marchas 1ª 4,154:1; 2ª 2,118:1; 3ª 1,361:1; 4ª 0,978:1 5ª 0,756:1; 6ª 0,622;1 Ré 4,000:1
Relação de diferencial 4,438:1
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson. braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora; subchassi
Traseira Independente, multibraço, mola helicoidal de constante variável,amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
DIREÇÃO Pinhão e cremalheira, assistência elétrica indexada à velocidade
Diâmetro mínimo de curva 12,9 m
FREIOS
Dianteiros A disco ventilado de Ø 305 mm
Traseiros Tambor de 295 mm de diâmetro
Controle ABS, EBD e assistência em rampa
RODAS E PNEUS
Rodas 6,5Jx17 em liga leve
Pneus 225/65R17
CARROCERIA Monobloco em aço estampado
CAPACIDADES
Caçamba 820 litros
Tanque de combustível 60 litros
PESOS
Em ordem de marcha 1.779 kg
Carga útil 1.000 kg
DIMENSÕES
Comprimento 4.915 mm
Largura sem espelhos 1.844 mm
Altura 1.680 mm
Distância entre eixos 2.990 mm
Bitola dianteira/traseira 1.547/1.575
Distância mínima do solo 206 mm
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h 9,5 s
Velocidade máxima 190 km/h
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL (computador de bordo)
Cidade 10 km/l
Estrada 14 km/l
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 6ª 48,1 km/h
Rotação a 120 km/h em 6ª 2.500 rpm
Rotação à vel. máxima em 5ª 4.800 rpm
(2.393 visualizações, 1 hoje)