A Volvo mostrou humildade ao reconhecer que seu filme institucional postado no YouTube e reproduzido nesta coluna ontem apresentava realmente argumentos exagerados e até desrespeitosos. O filme foi retirado do ar (narrado em inglês com legendas em português) e como YouTube tem alcance mundial, pode significar que houve também reações negativas em outros países.

volvo

Era com o leitor via a imagem do vídeo pronto para rodar, mas hoje o que aparece é a imagem da abertura

A ideia parecia bem intencionada e a produção era muito bonita, falando sobre o futuro com mais segurança e menos poluição. Do meio para o final é que descambou numa crítica generalizada a quem produz carros muitos potentes e insinuava que nenhuma marca se preocupa tanto com a segurança como a Volvo. Sobrou até para os que gostam ou assistem corridas de automobilismo em citação indireta na narração.

Este colunista trocou várias mensagens com a assessoria de imprensa no Brasil, mas como o filme era uma ação institucional da Suécia nada podia ser feito.

É bom não esquecer do velho ditado: “Quem exagera na argumentação, perde a discussão”.

FC

A coluna “Alta roda” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.


  • Lorenzo Frigerio

    Não é à toa que a Volvo é sempre alvo de chacota nas comédias americanas…

  • marcus lahoz

    A Volvo fabrica ótimos caminhões, mas automóveis….

    • Mr. Car

      Minha versão desta frase ficaria assim: “A Volvo fabrica ótimos caminhões, mas automóveis também”. He, he!

      • marcus lahoz

        Quinze anos atrás eu concordaria, mas depois da venda para a Ford e agora para os chineses; perdeu completamente aquela qualidade que tinha.

  • Mr. Car

    Ainda bem. Aquele institucional deve ter sido uma bola fora “como nunca antes vista na história da publicidade daquele país”, he, he!

    • Mr. Car,
      horripilante, carro é vilão, isso dito por uma fabricante é o máximo da hipocrisia – ou demência.

      • Trajano

        Suécia, a capital do estupro na Europa e em todo ocidente devido ao politicamente correto junto com Helsinki.

        Deixou-se matar pela vaidade do parecer bonzinho sobre todas as coisas, até da verdade, e inclusive durante a crise de 2008 preferiu perder a marca Volvo aos chineses que manter um de seus maiores marcos e indústrias mais produtivas, afinal carro é coisa de gente atrasada.

        Acho que em 2020 eles vão estar bem mais preocupados em não virarem uma nação de terceiro mundo violenta e insustentável do que com esse assunto.

        • Matheus P. Neves

          Trajano, a Suecia possui sim a segunda maior taxa de estupro, graças claro a como os registros são registrados, separadamente, assim como pense onde há maior probabilidade de se registrar a ocorrência, em um dos países mais desenvolvidos do mundo mais que França ou Japão por exemplo, ou na África do Sul?

  • Julio Bomfim

    Infelizmente parece que o vídeo original ainda está disponível: https://youtu.be/vqlaV1SAqGE
    Desta vez não concordo com a Volvo… foi bola fora.

    • João Carlos

      Infelizmente não vi o vídeo da primeira vez. Concorde-se ou não com o conteúdo, um vídeo ser retirado aqui (ou de nossa língua legendada), e ser mantido lá fora, é sinal de que alguma coisa errada está acontecendo comosco. O medo dos dirigentes da marca local, em não receber crítica negativa, reflete o principal medo dos brasileiros hoje. Isso é reflexo de sermos o povo que mais “vive” nas redes sociais, do que a vida real.

  • Claudio Abreu

    Funciona mesmo; me emocionei bastante.

  • Alexandre Garcia

    Isso aí só me fez lembrar daquela outra marmota do what would Jesus drive… quem lembra?

  • marcus lahoz

    Sim, distintas. Na verdade a Volvo foi esperta, vendeu a divisão de automóveis pegou a grana e comprou a Scania.

    • Diogo

      Não mesmo. A Scania pertence ao grupo VW, junto com a MAN. A Volvo comprou a Renault Trucks e a Mack com o dinheiro da divisão de automóveis. O caminhão VM vendido no Brasil, inclusive, é um Renault Midlum.

  • Alexandre, concordo plenamente.