O futuro que parece pertencer ao carro que dirige sem motorista ganhou mais um reforço de 20 grandes fabricantes. Para 1º de setembro de 2022 eles pretendem que nos Estados Unidos seus produtos tenham sistemas de freios autônomo, eliminando a necessidade do motorista para essa ação,  evitando acidentes.

A frenagem autônoma não é novidade absoluta, já que algumas marcas, como BMW, Mercedes e Volvo já a têm em seus carros mais caros, mas agora o passo é maior.

Audi, BMW, FCA (Fiat Chrysler), Ford, General Motors, Honda, Hyundai, Jaguar, Kia, Land Rover, Maserati, Mazda, Mercedes-Benz, Mitsubishi, Nissan, Porsche, Subaru, Tesla, Toyota, Volkswagen e Volvo, afirmam que o desenvolvimento a ritmo atual tornará possível essa realidade, e vão ao encontro dos desejos das seguradoras e do  Insurance Institute for Highway Safety (IIHS), que prevê uma diminuição de 9.000 acidentes e 4.000 pessoas feridas por lá a cada ano.

Com o equipamento, os preços de seguros devem ser reduzidos, e serão mais caros para modelos de marcas que não contarem com o sistema.

JJ



Error, group does not exist! Check your syntax! (ID: 7)
  • Aqui chega em 2050. Se chegar…

    • Alexander, NotTheKing

      E em São Paulo, melhor deixar desativado.

      • Mr. Car

        No Rio também. Esta seria a atitude que eu tomaria. Aliás, já tomei. O meliante deu um salto ninja e conseguiu se safar, he, he! Morro de remorso se atropelar um cachorro mesmo involuntariamente (nunca aconteceu, felizmente), mas por vagabundo, não derramo uma lágrima. Se pular na frente do meu carro tentando me parar, vai virar pino de boliche.

  • Mr. Car

    Em 33 anos de CNH, prestando atenção no trânsito como deve ser, ao invés de ficar “olhando para ontem” ou pensando na morte da bezerra, nunca enchi a traseira de ninguém. Isso vai servir é para neguinho ficar teclando o smartphone, lendo jornal etc, quando deveria estar olhando para frente, prestando atenção ao que faz. Dispenso. Como já disse, carro meu, dirijo eu. Se o sujeito não é nem capaz de se concentrar no fluxo do trânsito, e precisa de um carro que freie por ele, melhor nem ter carro. Esta obsessão (impossível, por sinal), por zerar eventos indesejáveis, está tornando diversas atividades um porre.

  • Gustavo73,
    como assim, Dacia e Skoda? São marcas da Renault e da Volkswagen, respectivamente.

    • Gustavo73

      Eu sei Bob. O que eu quis dizer é que fica difícil na minha opinião as chinesas entrarem no mercado europeu cobrando menos que essas duas e atender a regulamentação europeia principalmente no quesito segurança. Me lembra o caso da Qoros, marca chinesa com participação de israelenses e engenheiros alemães. Que uns 3 anos atrás surpreendeu ao obter 5 estrelas na Euro NCAP mas que tinha preços próximos aos de Audi, mesmo sendo feito na China. Isso é tinha qualidades mas o preço não ajudou. Com as exigências aumentando é possível os chineses venderem um carro mais barato que a VW por exemplo, mas abaixo de um valor de um Skoda (a ponto do consumidor pensar na troca) acho mais difícil.

  • Gustavo73

    Olha, acho que esse sistema não reconhece pedestres.

    • Alexander, NotTheKing

      reconhece sim, não há diferença entre um pedestre e uma moto por exemplo, ou seja, o programador teria que ensinar o sistema a desconsiderar um pedestre? Qual o sentido disso?

      Objeto é objeto, se alguém estiver parado ali o sistema reconhece e tenta parar.

      • Gustavo73

        Nenhum dos testes mostrando a frenagem de emergência mostra algo diferente de uma simulação de um carro. Como na foto de abertura da matéria. O sistema para.pedestres é mais sofisticado pois precisa diferenciar se o pedestre está na rua ou na calçada por exemplo. Na Europa até o up! tem a opção do sistema de frenagem de emergência uma variação do ACC da VW por exemplo.

        • Alexander, NotTheKing

          Credo, que bela porcaria então, se tiver um policial no meio da estrada gesticulando para pararem devido a um acidente por exemplo e o caboclo estiver dando uma olhadinha no fakebook, foi-se o policial, vira pastel.

  • iBoost,
    isso é muito pessoal. Já usei bastante nos carros de teste e acho chato o carro tomar a iniciativa de levantar o pé do acelerador ou mesmo frear.

  • Alexander, NotTheKing

    basta comprar um carro antigo, ponto final, daqui 20 anos, você compra um GT-R, não precisa comprar um carro zero.

    Vocês ficam com estes mimimi de prazer ao dirigir, mas dirigem o que atualmente? Na boa, quantas pessoas aqui terão algum carro com freio automático nos próximos 5 anos? E me explica como isso poderia tirar o “prazer de dirigir” ?

    Sempre haverá carros antigos para seu “prazer ao dirigir”.

    Cara, faz o seguinte, se inscreve em um curso de pilotagem da AMG ou da M Sport, depois volta aqui com este papinho furado de prazer de dirigir.

    Dirige uma BMW M3 ou M4, ou uma Mercedes C63 S AMG, depois me diga se foi chato?

    No final das contas, sempre dá para desativar estes negócios, dá até para fazer um ecochato BMW i8 virar um V8itão bruto.

  • Mr. Car

    Se você (ou qualquer outro) encher minha traseira, pagando o prejuízo, já está de bom tamanho, he, he!

  • Mr. Car

    O Bob já “respostou”, he, he!
    Abraço.

  • Percival Camargo

    Li recentemente uma excelente matéria do Andre Dantas de 24/julho/2013 “As falsas sensações de risco e segurança”, foi publicada em duas partes mas foi anunciado que haveria uma terceira parte, Talvez o André pudesse nos presentear com uma atualização falando inclusive do ISA Intelligent Speed Assist que deverá se tornar padrão em breve na Europa.
    Essa discussão é antiga, segurança muitas vezes anda na contramão do prazer…
    Abraço a todos do AE pelo nível!
    Percival
    Araraquara