Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas TORO, A BOA FÓRMULA – Autoentusiastas

Fiat apresentou o decantado Toro, seu picape quase grande, cabine dupla, variadas versões: motores 1,8 flex e 2,0 diesel; câmbios automáticos de 6 e 9 marchas, manual 6 marchas. Misturou suspensão e trato de automóvel com caçamba grande, colheu picape confortável.

Carga varia por versão, entre 650 kg e 1.000 kg, caçamba ampla, com insólitas tampas duplas, ampliada opcionalmente por bandas articuladas em novas tampas formando plataforma resistente a 150 kg de carga. Parece cuidado à missão traçada pela FCA: ser líder como seu picape pequeno, o Strada, e vender nada fáceis 4.000 unidades/mês. Ante números de 2015, é para superar o líder Chevrolet S10, circa 2.800 mensais.

Como é

É bonito, imponente, marcante em estilo, cumprindo o desiderato do projeto, ser um automóvel em deslocamento e, demandado, responder com valentia, capacidade de carga e ótimo comportamento permitido pelo conjunto de suspensões independentes – McPherson frontal e multibraço na traseira. A direção com assistência elétrica ajuda, sem roubar potência dos motores, o conhecido 1,8 E.torQ agora EVO com cabeçote revisto no Renegade, coletor de admissão variável, variador de fase para as válvulas de admissão, e curioso adjutório, sistema de válvulas no coletor de admissão, conduzindo o fluxo de mistura combustível por dutos longos se demanda por torque, ou por caminho curto por potência. Arranjo melhora a operação, com 80% de torque às 2.000 rpm. Com gasálcool faz 135 cv como potência plena, e 18,8 m·kgf de torque. A álcool, respectivos 139 cv e 19,3 m·kgf — dosagem usual a motores 2,0, pouco vista em mileoitos. Diesel, de produção própria, quatro cilindros, turbo, intercooler, 170 cv de potência e 35,7 m·kgf de torque. No caso, na versão Freedom, caixa automática ou manual de 6 marchas, 4×2 ou 4×4 — carro de trabalho, e na de topo, a Volcano, com caixa automática de 9 marchas, 4×4, automóvel de agroboy. Não tem caixa redutora, mas bloqueio eletrônico na primeira das 9 marchas do câmbio.

Dentro, cinco lugares verdadeiros. Painel com partes do Renegade, confortos elétricos, eletrônicos, plásticos com junções corretas e contato amigável.

Em comprimento medeia entre o Renault Oroch, por alguns visto como concorrente, e os picapes antes médios e agora grandes — Chevrolet S10, Toyota Hilux, Ford Ranger, Mitsubishi, Nissan … Está em categoria por ela batizada de SUP – Sport Utility Pick-Up, e a combinação quer fazer adequado ao slogan criado para o produto, Infinitas Possibilidades.

Caminho

Projeto brasileiro, postura corajosa. Feito na fábrica de Goiana, PE, mais moderna do grupo FCA no mundo, divide plataforma criada por Claudio Demaria, engenheiro- chefe no Brasil, dita Small Wide com o pioneiro Renegade e o futuro Compass — leia notícia própria. Tração dianteira — nos diesel com caixa automática de 9 marchas há tração total.

É nacional com veleidades de comércio exterior, buscando atingir Mercosul, América Latina e México.

No caminho do projeto, como a Coluna então noticiou, para melhorar a tração frontal, o eixo traseiro foi deslocado para trás, sendo pioneiro picape a entrar na atual moda automobilística mundial, os corners, rodas nas extremidades. Tal solução dinâmica trouxe resultados de conforto. Com ampla distância entre eixos de 2,99 cm, os espaços internos geram conforto incomparável ante outros picapes cabine dupla. Diz a FCA, não há diferença de comportamento entre caçamba vazia e carga total. Peter Fassbender, designer-mor da empresa no Brasil, conseguiu harmonia estilística no projeto, com linhas penetrantes e assinatura luminosa atrevidas para um picape.

Dentro

Um jovem engenheiro expunha os cuidados com a formulação do interior, dos confortos ao tato, da ergonomia. Dentre as peças sobre uma grade, uns envelopinhos de Perfex chamaram-me atenção, ouvindo ser novo tipo de absorvedor de barulhos, substituindo as mantas betuminadas. Perguntei se não oneraria custos, e ouvi, a FCA não limitou o projeto. Curiosidade em dias de economiza até em número de fios da rosca de parafusos.

Todos os Toro são bem compostos, incluindo direção assistida elétrica, rádio com Bluetooth e entrada USB, computador de bordo, ar-condicionado, sensor de estacionamento, controlador automático de velocidade, conjunto elétrico (travas, vidros, espelhos), lanterna de neblina. Em segurança, apoios de cabeça e cintos de segurança de três pontos a todos os passageiros, engates Isofix para bancos de crianças, controles de tração e estabilidade, auxiliar de partida em rampa.

Fora

A caçamba, incorporada à cabine em construção monobloco, absorve 820 litros. Com as portas traseiras abertas e as bandas baixadas, a capacidade aumenta 450 litros. Sistema prático, permite manusear a carga sem dobrar-se para vencer a tradicional tampa. 20,5 cm livres do solo.

Não endosso capacidades tipo consumo, velocidade máxima, habilidades da tração total. Curiosamente o test-drive foi contido, corrido, sem ocasião para sentir a diferença de comportamento com ou sem carga ou a tração 4×4.

fiat_toro_volcano_042

Painel de automóvel (fofo divulgação FCA)

fiat_toro_volcano_038

Inovação na tampa traseira, dividida e de movimento de abertura horizontal (foto divulgação FCA)

Quanto custa

Versão Motor câmbio tração R$
Freedom 1.8 flex auto 6V 4×2 76.500
Opening Edition 1.8 flex auto 6V 4×2 84.400
Freedom 2.0 diesel manual 6V 4×2 93.900
Freedom 2.0 diesel manual 6V 4×4 101.900
Volcano 2.0 diesel auto 9V 4×4 116.500

Produto novo, criou núcleo especializado em cada revenda, tabelou revisões – a 10 mil km para motores Otto e a 20 mil km nos Diesel -, e pode incluir seu custo na tabela de financiamento.

Entusiasmado, Norberto Klein, diretor da Mopar — leia Môpar —, área de peças e acessórios, montou operação na fábrica para atender à colocação de acessórios demandados à hora do cliente conformar o carro de acordo com seu gosto.

 

Innova, o Toyota com 7 lugares

Toyota Argentina terá terceiro produto em 2017, o Innova, minivan com três fileiras de bancos e sete lugares. Lançado dia 2 na Indonésia, confirmado por Daniel Herrero, presidente da Toyota no vizinho país, ao bom sítio Autoblog.

Parece, recente lançamento do Vito Mercedes-Benz, ocupando espaço livre no mercado sul-americano, cutucou a empresa, apesar de estar no limite da capacidade industrial e em mudanças internas para aumentá-la.

Fácil construí-lo pois baseado em chassis e mecânica do picape Hilux e do SUV SW4 construídos pela Toyota em Zárate, beiradas de Buenos Aires. Para o Brasil, cliente maior da operação argentina, motor diesel substituído pelo L4 ciclo Otto, 2,7, antiga opção dos picapes Hilux, atualmente não disponível.

Luiz Carlos Andrade Jr, VP da Toyota do Brasil, contraria a declaração de seu colega argentino, e diz não ter planos concretos.

Foto Legenda 04 coluna 0816 - Toyota Innova

Toyota Innova (foto autoblog)

Compass, o nome do Projeto 551

Compass será o nome do Jeep ora chamado Projeto 551. Está em final desenvolvimento e testes. Será o terceiro produto da fábrica da FCA em Goiana, PE, ao lado do pioneiro Jeep Renegade, e do picape Fiat Toro em início de produção, trinca sobre a plataforma básica batizada de Small Wide.

O Compass será da família Jeep, segundo degrau na escala de produtos, sem concorrer com o Renegade, veículo de entrada nesta marca, pois maior, com decoração e conteúdo superiores.

Projeto e definição de mercado traçados fora do Brasil, pois a pretensão ultrapassa fronteiras nacionais, mas cruzar fronteiras substituindo dois produtos Jeep, o Compass e o Patriot. Outubro, Salão do Automóvel, vendas em 2017.

Audi RS 3 Sportback cara de hatch, andar de GT

É, dentre automóveis médios, o de comportamento mais marcante: 0 a 100 km/h em 4,3 s; 60 km/h a 100 km/h em 4ª marcha em apenas 4,1s. Poderoso foguete é o Audi RS 3 Sportback, e custa praticamente dois sedãs A3, com R$ 291 mil escritos em sua etiqueta.

Em ano difícil, intensa disputa com as colegas alemãs, Audi traz o RS Sportback como referência. Quatro portas, traseira em hatch, invejável conteúdo tecnológico: motor 5-cilindros, 2,5-L, pouco imagináveis 367 cv, válvulas com abertura variável, até 1,3 bar de pressão no turbo, injeção direta de gasálcool, câmbio robotizado de 7 marchas, tração total para conviver com tal cavalaria, mecânica apta a suportar demandas por rendimento. Preciosismos como flaps no coletor de admissão para entrada turbulenta na câmara de combustão, nos tubos de escapamento para gerar rugido esportivo, e montagem manual. Bancos em couro, laterais das portas em Alcantara, fibra de carbono. Poucas unidades.

Foto Legenda 05 coluna 0816 - Sportback RS3

Audi RS 3 Sportback:. cara de hatch,comportamento de GT (foto divulgação Audi AG)

 

RODA-A-RODA

Volta – Queda de vendas experimentada pela Volkswagen, resultante da descoberta de emissões poluentes por seus motores acima da barreira legal, parou e iniciou retomar crescimento. Na China cresceram 15% em janeiro, e em suas 12 marcas, 3,7% — 847.800 vendas. Maiores quedas, Brasil e Rússia.

Moda – Onda mundial, os SUV, utilitários esportivos, e os SAV, de atividades esportivas, atraem marcas luxuosas e esportivas, distantes deste segmento — Lincoln, Cadillac, Mercedes, Bentley, Porsche. Rolls-Royce testa o seu, Maserati prepara lançamento, e Ferrari teve negada qualquer iniciativa.

Mais ou menos – Sergio Marchionne, chefe da FCA, sob cuja ampla sombra está a Ferrari, descartou possibilidade. Porém, para o Salão de Genebra, março, marca de Modena prepara trapizonga estético-mecânica tipo meio caminho.

FF – É uma ex-berlinettaacupezada estirada para abrigar quatro passageiros, tração total e movimento direcional nas rodas traseiras para facilitar uso em baixa aderência – como o SUV Audi Q7. Motor exclusivo Ferrari, V-12. Faz 680 cv a 8.000 rpm, 0 a 100 km/h em 3,2 s, final em 335 km/h. Pesado, 1.800 kg.

Caminho – Por classificação inglesa tem morfologia de  Shooting Brake, station wagon, e batizado GTC4Lusso. Pelo visto, faltando dois anos e meio para vencer o contrato de Marchionne com a FCA, já se trata do pós-fim.

Foto Legenda 06 coluna 0816 - Ferrari GTC4Lusso

Ferrari GTC4Lusso – pré-SUV? (foto divulgação Ferrari)

Mercedes – Com projeto de incluir picape à sua relação de produtos, como leitor da Coluna soube por antecipação, Mercedes, Renault e Nissan fizeram acordo. Farão picape sobre base Nissan, em instalações Renault na Argentina.

Sondagem – Nova no pedaço, para sentir o mercado, Mercedes moldou protótipo à mão e o levou secretamente a fórum de design na Austrália, um dos melhores e mais exigentes consumidores de picape. Mas o segredo vazou pelos entusiasmados convidados, com direito a desenho.

Individualização – No projeto tripartite a estrutura será igual, com carroceria idêntica para aliançadas Nissan e Renault. Porém Mercedes quer linhas exclusivas e conformação aparentemente seguindo a experiência da Mitsubishi no Brasil — diesel, tração nas quatro rodas, cabines estendida e dupla.

Diferenças – Motor Nissan diesel 2,3 litros e 122 cv, todavia com intervenções Mercedes via AMG, 188 cv. Versões sugeridas, de entrada, simplória, tipo franciscano vivendo em Esparta; e topo como AMG. No mercado em 2018.

Foto Legenda 07 coluna 0816 - Picape Mercedes

Picape Mercedes, desenho vazado de fórum australiano

Mico – Por razão insondável marcas investem para obter a láurea de mais vendida. Se isto ocorre no mundo inteiro, nos EUA o negócio pega fogo, em especial entre as marcas ditas Premium, BMW, Lexus, Mercedes. Fim de 2015 BMW surpreendeu e surgiu com a mais vendida. Superou Lexus por 1.400 unidades e Mercedes por 3.000.

Gato – Algum norte-americano traduziu frase do humorista Millor Fernandes, e achou que havia um rabo escondido com o gato de fora. Logo apareceu a mágica. Em dezembro a BMW pagou a cada revendedor US$ 1.750 para comprar as unidades cedidas para servir aos clientes com carros na oficina.

Manobra – Soluções do gênero são usuais, inclusive no Brasil, nos dezembros fabricantes forçam trocas de frotas das locadoras com enormes descontos, para escriturar vendas. Mas nos EUA e com tal coragem, foi mal vista.

De volta – Com direito a apresentação no Col de Turini, no circuito do Rallye de Monte Carlo, Mônaco, onde construiu sólida base com vitórias, o Alpine teve volta anunciada por Carlos Ghosn, número 1 da Renault e Nissan.

Re edição – Apresentou o protótipo Vision buscando identidade visual com o modelo 110 da então pequena marca francesa. Poucos dados, plataforma e carroceria leves, como na fórmula original, e motor turbo, quatro cilindros, capaz de ir de 0 a 100 km/h em menos de 4,5 s.

Presença – Vision é efeito demonstração e futuro Alpine em desenvolvimento pela área de competições da Renault. Quer ter equipe própria e divulgar o produto em corridas. Será construído em Dieppe, berço da Alpine. Salão de Paris, setembro, vendas em 2017, concorrente do Porsche 718, o Boxster

Foto Legenda 08 coluna 0816 - Vision

Vision, protótipo Alpine: o mito voltará

Polêmica – Dr Helmut Marko — tratamento porquanto ex-juiz de direito —, ex-piloto de Fórmula 1, recordista em Le Mans, e hoje conselheiro da Red Bull, fez declaração provocativa:pilotos de Fórmula 1 ganham demais.

Razão – Os de ponta como Lewis Hamilton, Fernando Alonso, Sebastian Vettel, algumas dezenas de milhões de dólares anuais. Para Marko duas razões: hoje os riscos de acidentes sérios são muito reduzidos; e, a tecnologia aplicada exige cada vez menos dos pilotos, com decrescente influência nos resultados.

Contra – Nikki Lauda, ex-piloto de Formula 1, hoje líder da área de corridas da Mercedes, também austríaco e filho de banqueiro, contrapõe: não ganham muito relativamente ao montante de recursos envolvido na categoria…

História – Colecionadores de veículos Auto Union DKW construídos no Brasil pela Vemag S.A., querem comemorar os 60 anos da assinatura da Resolução Geia 001 autorizando empresa a produzi-los.

Festa – Festa será no dia 30 de julho, data do documento oficial, na rua Vemag, São Paulo, em frente a portão remanescente do prédio original onde operou a empresa. Por ele passaram quase 120 mil veículos da marca.

Gente – Hasan Allgayer, engenheiro com mestrado e MBA, mudança. OOOO Deixa a área de vendas da Shell na Costa Oeste dos EUA e assume VP de lubrificantes Shell para Brasil e Argentina. OOOO

 

Mercedes 60

Mercedes-Benz inicia comemorar 60 anos de operação no Brasil. História rica, pioneirismos como a fabricação de motores e ônibus — o então revolucionário monobloco —, fábricas em São Bernardo do Campo, Campinas, onde produziu ônibus, e Juiz de Fora, MG, para o Classe A e hoje se aplica aos caminhões.

Fabricante foi a terceira indústria de automóveis a se fixar em São Bernardo do Campo, então lugar de fazendas, cerâmicas e algumas pequenas indústrias de móveis. Na prática era a primeira marca, pois as demais, Brasmotor e Varam, eram representantes autorizados a fazer montagem. Antes do governo JK, tendo na indústria automobilística um dos espelhos de seu sucesso, vazou o primeiro motor diesel no país, e logo após, com a legislação baixada para organizar o setor e atrair investidores, foi um dos projetos aprovados pelo Geia, grupo encarregado de analisar propostas de nacionalização de produtos.

Quem estuda e se interessa pela história da indústria automobilística no Brasil sabe, a vinda da Mercedes representou muito mais relativamente à dezena de marcas aqui se implantando naquela época. Era tempo de empresas com problemas buscando solução em mercados virgens, e Ford, Chevrolet e International, aqui desde o início do século, eram apenas grandes agregadoras de peças importadas. A Mercedes, então com mais de meio século e profundas marcas no caminho, representou a vinda de marca sólida, em atividade industrial em espectro sem similar no país àquela época.

Foto Legenda 09 coluna 0816 - Mercedes 60 anos

Mercedes 60

RN

rnasser@autoentusiastas.com.br
A coluna “De carro por aí” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

Sobre o Autor

Roberto Nasser
Coluna: De carro por aí

Um dos mais antigos jornalistas de veículos brasileiros, dono de uma perspicácia incomum para enveredar pelos bastidores da indústria automobilística, além de ser advogado. Uma de suas realizações mais importantes é o Museu Nacional do Automóvel, em Brasília, verdadeiro centro de cultura automobilística.

  • João Guilherme Tuhu

    Adoro a estilística de Roberto Nasser. É a valorização do vernáculo e a sintaxe além do trivial.

    • Cristiano Reis

      Não me apetece muito, mas sempre leio e releio até entender.

  • Claudio Abreu

    Absurdo que uma das melhores colunas sobre automobilismo tenha tão poucos admiradores. Talvez pela escrita, pérola, que exija um pouco mais de atenção que o usual? Ou pela quantidade de informações, precisas e muito bem respaldadas, que acabe por nos deixar sem o que dizer? Duvido. Pior pra quem não curte, Nasser.

    • Claudio Abreu, suponho que a afirmação é baseada na quantidade de comentários, certo? Talvez seja um termômetro que engane. Eu, por exemplo, gosto muito desta coluna, na sexta feira já fico ansioso para ler, mas muitas vezes não comento. Acredito que muitos leitores deixam de comentar também, por vários motivos, até por falta de hábito. Abraços!

  • Leônidas Salazar,
    a moderação prévia não é o problema, mas os participantes que se excedem no que escrevem, ofendem outros leitores, ofendem fabricantes, denigrem marcas de automóveis, batem na tecla do lucro e escrevem sem o menor cuidado com a ortografia e a acentuação, além usarem linguagem “telegráfica”, como só porque é internet isso vale, na linha do escrever certo dá um trabalho danado… Fora que tenho, com outros moderadores, de substituir palavras banidas no AE como ‘montadora’, automotivo(a), multilink etc. Embora esse procedimento possa parecer abuso, intromissão, em verdade é respeito ao leitor, pois todos têm o direito de ler textos escritos corretamente e isso inclui a leitura dos comentários.

  • Real Power,
    esse Audi RS 3 é mesmo sensacional. Andei no anterior de “apenas” 340 cv durante um rali de regularidade do Jan Balder e fiz matéria a respeito, http://www.autoentusiastasclassic.com.br/2012/01/pequena-maravilha.html. Recentemente dirigi o novo, uma matéria para a revista TOP Magazine, da mesma editora da revista TOP Carros, e assim que for publicada vou escrever outra, mais no estilo do AE. Tenho que esperar por uma questão de ética.

  • Leônidas Salazar,
    esse aspecto existe realmente, mas procuramos ser o mais rápidos possível na moderação por entendermos que os leitores têm pressa de ver seu comentário publicado, nada mais natural.

  • Giovani Nicoletti

    Leio sempre os artigos do Roberto Nasser. Excelente forma de escrita e informações idem.

  • BlueGopher

    Faz tempo eu não via tanta criatividade junta num carro nacional como a que há na picape Fiat Toro.
    Concepção muito interessante, desde seu tamanho e estilo até detalhes como o da tampa traseira multiuso.
    Parabéns à inspirada equipe que trabalhou neste projeto.

    Oroch e Toro atacam o mercado com a mesma tática das legiões romanas, como uma cunha, abrindo uma perigosa brecha entre os “inimigos”, grandes e pequenos.

  • Mendes,
    é claro que daria, mas enquanto eu não lesse o comentário ficaria com os problemas apontados visíveis. É bastante comum eu detectar algo fora do padrão depois de publicado, quando então eu faço as correções a posteriori.

  • Mauro Eidt

    Ótima coluna, no mar de obviedades e informações rasas da internet de hoje em dia. Nem preciso mencionar o português irretocável, tambem no mar da mediocridade do nosso idioma assassinado com o “internetês”. As pessoas andam muito preguiçosas para tudo, inclusive falar corretamente a língua portuguesa.