A melhor definição para a Fiat Toro é um suve moderno com caçamba e aptidão para trafegar em condições de terreno difíceis por oferecer tração 4×4, mas sem esquecer que muitos compradores hoje optam pelo suves de tração em duas rodas apenas, no  caso as dianteiras. Suve de cinco lugares verdadeiros, com cinto de três pontos e apoio de cabeça para todos.

Seu porte é grande, 4.916 mm de comprimento, 1.844 mm de largura sem contar espelhos, 1.743 mm de altura e grande distância entre eixos, 2.990 mm.  Pesa, no caso da topo Volcano, 1.871 kg. A manobrabilidade está de acordo com seu porte, diâmetro mínimo de curva de 12,9 m, portanto está longe de ter vocação urbana. Seu elemento é mesmo a estrada, no caso do Brasil (cidades americanas há muitas décadas preveem veículos grandes).

fiat_toro_volcano_042

Para chegar à Toro, A FCA aplicou muita engenharia nela.  Ela deriva do suve Jeep Renegade, mas além do entre-eixos alongado em 420 mm, a suspensão traseira McPherson deu lugar a uma multibraço, capaz de lidar melhor com a carga útil de 1.000 kg, ante metade disso no Renegade. À suspensão traseira foram aplicadas molas de constante variável e auxílio de um corpo de poliuretano, mais outro entre o amortecedor e o suporte superior. Tudo, segundo a lógica o que diz a FCA, para tornar o veículo com o mesmo grau de conforto de marcha independente da carga a bordo. E como toda suspensão traseira multibraço, o posicionamento das rodas visa beneficiar o comportamento em curva, importante com toda essa carga a bordo.

20160216_133648

A suspensão traseira multibraço da Toro; freios traseiros são a tambor

Como o Jeep Renegade, a picape Toro é produzida na fábrica da FCA Latin America em Goiana (PE).

O desenho da Toro mostra as luzes de posição e de uso  diurno separada dos faróis principais, de efeito agradável, e a solução inusitada da tampa traseira da caçamba dividida e de abertura vertical, o que facilita o carregamento por se poder chegar próximo ao assoalho da caçamba de 829 litros, com estepe sob o veículo.  Um extensor de caçamba — que pode ser montado na fábrica —, aumenta esse volume em 405 litros.

20160216_150156

Tampa da caçamba dividida e de abertura vertical

Versões
São duas versões, Volcano e Freedom. A primeira custa R$ 116.500 é dotada do mesmo motor 2-litros turbo Multijet do Renegade, 170 cv 3.750 rpm e 35,7  m·kgf a 1.750 rpm, câmbio automático epicíclico  (ZF) de 9 marchas e tração 4×4 sob demanda.

A Freedom, como o nome ‘liberdade’ em inglês diz,  oferece opções de motorização, câmbio e tração.  E possível ter o mesmo motor diesel, com tração 4×2  ou 4×4,  câmbio manual de 6 marchas nos dois casos. Custam respectivamente R$ 93.900 e R$ 101,900. Mas a capacidade de carga da Freedom 1,8 flex  é de 650 kg somente.

E há a versão flex gasolina-álcool com motor E.torQ EVO 1,8-L (1,75-L, mais corretamente) (com injeção de gasolina para partida a frio) de 135/139 cv a 5.750 e 18,8/19,3 m·kgf a 3.750 rpm, que evoluiu com coletor de admissão de dois roteiros e bomba de óleo de vazão variável, que desenvolvia 130/132 cv a 5.250 rpm e 18,6/19,1 m·kgf à mesma rotação (considerar sempre números com gasolina e álcool).  Neste versão a tração é apenas 4×2 com câmbio automático de 6 marchas (Aisin). É a Toro de menor preço, R$ 76.500.

Há também uma série especial chamada 1,8 Opening Edition, por R$ 84.500, com um pacote de equipamentos.

Como andam

Claro, a Freedom diesel 4×2 é mais rápida, com aceleração 0-100 km/h em 9,5 s e velocidade máxima de 190 km/h.  Se for a 4×4, é igual à 4×4 no 0-a-100 km/h  9,5 s, mas a máxima é de 188 km/h. A diferença de peso entre as duas é pequena,  29 kg (1779 x 1,708 kg). Com pneus 225/70R16, a v/1000 em 6ª é 39,3 km/h, 120 km/h com motor a 2.500 rpm. A velocidade máxima certamente é em 5ª, 3.050 rpm. O corte de  rotação é a 5.000 rpm.

20160216_110221

A Freedom 1,8 que dirigi

A Volcano, com eu disse, pesa 1.871 kg, e isso se reflete no 0 a 100 km/h em 10 s, uma pequena diferença. A velocidade máxima repete a da Freedom de mesmo motor e tração 4×4, 188 km/h. A grande diferença é o câmbio de 9 marchas, em que a v/1000 em 9ª é de nada menos que 63,8 km/h, o que representa 120 km/h a 1.880 rpm. Provavelmente atinja a velocidade máxima em 7ª, a 4.350 rpm.

A Freedom 1,8-L tem desempenho mediano e quem a comprar sabe que não terá nem de perto do desempenho das diesel, e seria bem-vindo um câmbio manual. A FCA, embora afirme que o público comprador desse tipo de veículo prefira o automático, acenou que possível que venha um versão manual posteriormente. Mas mesmo com sai hoje dá para usar sem problema.

Só foram divulgados dedos de consumo da Freedom com motor 1,8-L, dados Inmetro/PBE, que é de 8,3 e 10,5 km/l, cidade e estrada, com gasolina e 5,8 e 7,4 km/l com álcool.

O rodar é agradável, nos poucos pisos irregulares encontrados na região o contato com o solo é perfeito e ela ataca as  curvas com precisão e desenvoltura. É mais um grande acerto sob responsabilidade do engenheiro italiano  Claudio Demaria, diretor de engenharia da FCA Latin America.

A posição  de dirigir é de automóvel, com pouca altura do banco em relação ao assoalho, os instrumentos têm boa legibilidade praticamente “Wolfsburg”, embora o conta-giros fique  à direita —  e falta a faixa degradê no para-brisa!

O único senão da dirigibilidade é na Freedom diesel, em que a carga do pedal de embreagem é bem alta e sua progressividade é pequena, o que vai requerer adaptação pelo motorista. A operação do câmbio manual (a cabo) é muito precisa.

A habitabilidade é boa, com espaço razoável para os ocupantes do banco traseiro, que não encontram um túnel central tão alto.

20160216_145653

“Eu atrás de mim”, espaço razoável no banco traseiro; o vidro das portas traseiras baixam completamente

A marca Fiat está entrando num segmento até agora inexplorado, apesar de dominar absoluta o mercado de picapes derivadas de automóveis, com a Strada. A rede de concessionárias se verá diante de igual quadro de quando a Volkswagen lançou a Amarok.

A FCA tem planos ambiciosos para a Toro, espera chegar a 50.000 unidades por ano. E a concorrência é forte, há a Renault Oroch.

BS

 

Os detalhes das versões

FREEDOM 1,8

Itens de série

.Abertura elétrica bocal de abastecimento
. Alertas de limite de velocidade e manutenção programada
.Apoia-pé para o motorista
.Apoios de cabeça dianteiros com regulagem de altura
.Apoios de cabeça traseiros (3) rebaixados e com regulagem de altura
.Ar-condicionado
.ASR (Controle de Tração)
.Banco do motorista com regulagem de altura
.Bolsa porta-objetos e porta-copo na lateral traseira
.Bolsa porta-objetos nas portas
.Câmbio automático de 6 marchas
.Chave canivete com telecomando para abertura e fechamento das portas
.Cintos de segurança dianteiros retráteis de 3 pontos com regulagem de altura
.Cintos de segurança laterais traseiros retráteis de 3 pontos
.Computador de bordo (distância, consumo médio, consumo instantâneo, autonomia).
Conta-giros
.Controlador e limitador de velocidade.
.Direção assistida elétrica
.Drive by Wire (Controle eletrônico da aceleração)
.ESC (Controle Eletrônico de Estabilidade)
.Estepe tamanho normal
.Espelho no para-sol lado motorista e passageiro
.Follow me home
.Gancho universal para fixação cadeira criança (Isofix)
.Ganchos para amarração de carga na caçamba
.Hodômetro digital (total e parcial)
.Hill Holder
.Kit aerodinâmico
.Lanterna traseira a LED
.Lanterna traseira de neblina
.Limpador e lavador do para-brisa com intermitência
.Luz de leitura
.Para-choque traseiro com soleira cromada
.Porta-escadas
.Porta-óculos
.Porta-luvas iluminado
.Quadro de instrumentos 3,5″ com relógio digital, calendário e indicador de temperatura externa multifuncional em TFT
.Rádio Connect (RDS, entrada USB/AUX, viva voz Bluetooth e função Audio Streaming)
.Retrovisores externos com luzes indicadoras de direção integradas
.Revestimento de caçamba
.Rodas de aço estampado 16”
.Sensor de estacionamento traseiro
.Suspensão traseira multibraço
.Tampa traseira dupla com abertura elétrica
.Tomada 12V
.Travas elétricas (rravamento automático a 20 km/h, indicador de portas abertas, luz interna com temporizador e tampa do combustível)
.Vidros climatizados verdes
.Vidros elétricos dianteiros e traseiros com one touch e antiesmagamento lado motorista
.Volante com regulagem de altura e profundidade
.Volante EAS – Energy Absorbing System
.Volante com comandos de áudio e fone

Nota: a Freedom diesel tem alguns itens mais, como iluminação da caçamba, protetor de cárter

Itens opcionais

. Teto solar elétrico
. Roda liga Leve 16″; Kit parafusos antifurto das rodas (um por roda)
. Bancos revestidos parcialmente em couro
. Barras longitudinais no teto
. Pintura metálica
Kit Pleasure 1 – Faróis de neblina; .Retrovisores externos elétricos com memoria ( Tilt down /rebatimento / luz de conforto); Capota Marítima.
Kit Pleasure 2 – Apoia braço traseiro; Kit High Tech (Sensor de chuva, Sensor crepuscular, Retrovisor interno eletrocrômico); Kit externo (Grade frontal com cromado + Maçanetas e retrovisores externos pintados); Porta objetos passageiro; Apoia-braço central traseiro; Para-sol Iluminado; 2ª Tomada 12V; 2ª entrada USB; Brake Light; Iluminação de caçamba; Alarme.
kit Safety – Side bags dianteiros; Window bags; Knee bag (Air bag de joelho motorista);TPMS (Sensor de pressão dos pneus); Bancos revestidos parcialmente em couro.
Kit Techno 1 – Ar condicionado dual zone; Câmera de ré traseira; Volante em couro com alavanca de seleção das marchas tipo borboleta; Voice recogniton; Central Multimidia Uconnect Touch NAV 5”; 6 Alto Falantes; Tapete em carpete.

 

CORES SÓLIDAS

– Branco Ambiente
– Vermelho Colorado
– Preto Shadow

CORES METÁLICAS

– Prata Melfi
– Vermelho Tribal
– Marron Horizon
– Preto Carbon
– Verde Botanic

 

VOLCANO 2,0

Itens de série

Abertura elétrica bocal de abastecimento
.Alarme
. Alertas de limite de velocidade e manutenção programada
.Apoia-braço central traseiro com porta-copos
.Apoia-pé para o motorista
.Apoios de cabeça dianteiros com regulagem de altura
.Apoios de cabeça traseiros (3) rebaixados e com regulagem de altura
.Ar-condicionado dual zone
.ASR (Controle de Tração)
.Banco do motorista com regulagem de altura
.Banco do passageiro rebatível e porta-objeto
.Barras longitudinais no teto
.Bolsa porta-objetos e porta-copo na lateral traseira
.Bolsa porta-objetos nas portas
.Câmbio automático de 9 velocidades
.Câmera de ré
.Central Multimidia Uconnect Touch NAV 5” (comandos de voz, com porta USB, viva voz Bluetooth e função áudio Streaming)
.Chave canivete com telecomando para abertura e fechamento das portas
.Cintos de segurança dianteiros retráteis de 3 pontos com regulagem de altura
.Cintos de segurança laterais traseiros retráteis de 3 pontos
.Computador de Bordo (distância, consumo médio, consumo instantâneo, autonomia)
.Console central com porta-objetos refrigerado e porta-copos
.Conta-giros
.Controlador e limitador de velocidade.
.Direção assistida elétrica
.Drive by Wire (Controle eletrônico da aceleração)
.ESC (Controle Eletrônico de Estabilidade)
.Espelho no para-sol lado motorista e passageiro iluminado
.Faróis de neblina com sistema Cornering
.Faróis com sistema DRL
.Follow me home
.Gancho universal para fixação cadeira criança (Isofix)
.Ganchos para amarração de carga na caçamba
.Grade frontal com cromado
.Hodômetro digital (total e parcial)
.Hill Holder
.Hill Descent Control
.Iluminação de caçamba

.Iluminação interna com efeito night design
.Kit ferramenta
.Lanterna traseira a LED
.Lanterna traseira de neblina
.Limpador e lavador do para-brisas com intermitência
.Luz de leitura
.Maçanetas externas cromadas e retrovisores externos pintados
.Para-choque traseiro com soleira cromada
.Para-sol iluminado
.Porta-escadas
.Porta-óculos
.Porta-luvas iluminado
.Protetor de cárter
.Quadro de instrumentos com display 7” colorido com relógio digital, calendário e indicador de temperatura externa multifuncional
.Rádio Connect (RDS, entrada USB/AUX, viva-voz Bluetooth e função áudio Streaming)
.Retrovisores externos elétricos com memória (Tilt down/rebatimento/luz de conforto) e com luzes indicadoras de direção integradas
.Revestimento de caçamba
.Rodas de aço estampado 17” + pneus de uso misto
.Sensor de estacionamento traseiro
.Sistema 4WD (4×4)
.Skid Plate integrado ao para-choque dianteiro
.Soleira metálica
.Suspensão traseira multibraço
.Tampa traseira dupla com abertura elétrica
.Terceira luz de freio
.Tomada 12 V
.Travas elétricas (Travamento automático a 20 km/h, indicador de portas abertas, luz interna com temporizador e tampa do combustível)
.Vidros climatizados verdes
.Vidros elétricos dianteiros e traseiros com one touch e antiesmagamento lado motorista
.Volante com regulagem de altura e profundidade
.Volante EAS – Energy Absorbing System
.Volante em couro com comandos de áudio e fone.
.2ª Tomada 12V; 2ª entrada USB
.6 Alto falantes

 

Itens opcionais

. Teto solar elétrico
. Bancos revestidos parcialmente em couro
. Pintura metálica
kit Safe – Side bags dianteiros; Window bags; Knee bag (Air bag de joelho motorista);TPMS (Sensor de pressão dos pneus); Bancos revestidos parcialmente em couro; Banco motorista com regulagem elétrica (assento em 8 posições).
Kit Techno 3 – Kit Hight Tech (sensor de chuva, sensor crepuscular, retrovisor interno eletrocrômico); Keyless entry’n’go; Partida remota; Voice recogniton; Volante com alavanca de seleção das marchas tipo borboleta; Capota marítima.

Cores sólidas  

– Branco Ambiente
– Vermelho Colorado
– Preto Shadow

Cores metálicas     

– Prata Melfi
– Vermelho Tribal
– Marron Horizon
– Preto Carbon
– Verde Botanic

 

 



Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas

  • Thiago

    A carga útil, por força da legislação, não seria de 1.000 kg em todos os modelos equipados com motor diesel e 650 kg apenas no motor flex?

  • Leônidas Salazar

    Car and Driver testou o consumo da versão Volcano, conseguiu 13,5 km/l na cidade, e 19,9 km/l na rodovia.

  • vidgal

    Bob, o que eu não gostei na Toro, foi esse alto diâmetro de giro de praticamente (13m).Se você comparar com a L200 Triton que tem o melhor diâmetro de giro da categoria ( 11,8m) apesar de ser mais longa uns 20cm,fica mais fácil e pratica para manobras no uso em grandes centros, estacionamentos ,garagens…
    Já que essa pick-up, é geralmente usada mais na cidade, por que a Fiat não diminuiu essas medidas… se isso for uma possibilidade, sem ter que alterar muito o sistema de direção , é claro!

    • vidgal,
      concordo plenamente. Diâmetro mínimo de curva pequeno é um dote que aprecio.

  • Carlos A.

    Parabéns a Fiat pelo lançamento! Espero que seja um sucesso, pois parece ter muita qualidade.

  • Francisco Assis Neves

    Gostei deste Toro, embora ainda não tenha condições de ter uma.
    Bob, você tem alguma informação se haverá versão Cabine Simples ou Estendida? Creio que uma versão a diesel CE, cor verde com kits Mopar deverá ficar incrível!!!

    • Francisco Assis Neves,
      esse pessoal de fábrica nada responde quando perguntado sobre essas questões, por isso faz tempo que parei de perguntar. Minha sensação é que devem ficar só na cabine dupla.

  • Guilherme Keimi Goto,
    continuaria a haver marcha demais do mesmo jeito…

  • Arruda

    Também acho 9 marchas um exagero. Se não me engano o Renegade 4×4 arranca em segunda no uso normal. A primeira só é usada no papel de “reduzida”. A Toro segue o mesmo padrão?

    • Arruda,
      sim, a primeira é bem reduzida, arranca em segunda.

  • WSR,
    no Brasil o Inmetro usa a norma NBR 7024, por sua vez a mesma da EPA americana, que é a norma FTP-75 (Federal Test Procedure). Num ciclo de direção rodoviária simulado sobre rolo dinamométrico. Esse “percurso”é de 16,45 km, dura 765 segundos, a velocidade média é de 77,7 km/h e a máxima, 97 km/h. Ao resultado é aplicada correção de 29% para aproximá-lo do mundo real (nos EUA, 22%).

  • Danilo Grespan,
    isso é calculado e independe do tipo de construção, se separada ou monobloco. A Ford Courier levava 700 kg.

  • V_T_G,
    correto, mas sempre levando em conta as necessidades do motor, sua curva de potência etc.

    • V_T_G

      Com certeza. Neste caso, acredito que a não adoção deste moderno câmbio na versão 1,8-L é por conta da segmentação de mercado. Acharam/pesquisaram/descobriram que quem compra a versão de entrada não estaria disposto a pagar pelo câmbio 9-marchas.

  • Davi Reis,
    é apenas questão de custos do sistema e de desenvolvimento, não há motivo técnico.

    • Davi Reis

      Entendo. Uma economia muito, muito boba.

  • Mike Castro,
    também ouvi falar disso, mas tenho impressão que falaram da picape Honda Ridgeline, que tem o recurso. No caso da Toro não está previsto nada nesse sentido.

  • Mike Castro,
    você não está enganado, era essa a carga útil da Kombi, e com suspensão traseira independente por braço arrastado.

  • Fórmula Finesse

    O carro será um sucesso, seguramente – visual inspirado, acabamento esmerado, um certo “status” pelas dimensões generosas. O motor pouco inspirado (para a massa) pode ser contornado com o uso da caixa em modo sequencial, certamente não deixará ninguém “normal” muito decepcionado.

  • Fórmula Finesse

    Excelente exposição!

  • Leônidas Salazar

    Esta é uma recomendação do fabricante para sobrar algum desempenho, não é uma proibição, se numa eventualidade precisar exceder este peso, é certo que o carro leva sem problemas, a Kombi 1.6 com apenas 55 cv e 11 kgf.m de torque carregava uma tonelada se precisasse, a Toro 1.8 tem 139 cv e 19,3 kgf.m de torque, é certeza que também carrega, e obviamente com um desempenho melhor do que a Kombi.

  • Lemming,
    discordo totalmente do fato e dos seus termos. Não dá trabalho nenhum e hoje a gasolina tem 50 ppm de enxofre, não envelhece tão rapidamente quanto antes, leva mais de um ano para começar a ficar sem as frações leves. E no carro sem injeção de gasolina sob frio intenso é preciso esperar um tempo para as lanças aquecedoras aquecerem o álcool.

    • Daniel S. de Araujo

      Concordo Bob. Sempre tive carros com tanquinho e apenas uma Saveiro me deu problema de quebra de um pequeno T plástico, que ficou quebrado muito tempo e eu só descobri por conta do cheiro de gasolina na primeira partida.

      Aliás sobre isso, já vi muito carro que passou anos sem o tanquinho e a única dificuldade era uma partida mais longa em climas de temperatura acima de 5 graus.

      • CorsarioViajante

        No meu Polo também aconteceu isso, como só usava gasolina esta peça furou. Consertei, mas na segunda vez que aconteceu desisti, afinal só uso gasolina praticamente. Acho o tanquinho um dos negócios mais idiotas e irritantes de todos os tempos.

  • Lemming,
    não sei se há luz-espia, embora seja provável que tenha.

  • Rodolfo,
    você chama motor de bloco, como os jornalistas automobilísticos novatos escrevem??? E a primeira que vejo essa barbaridade aqui no AE. O que você anda lendo? O bloco é um componente do motor!

    • Rodolfo

      Realmente, Bob!
      Momento de desatenção. 😛

  • João Lock,
    fica cada vez mais difícil categorizar, a Hilux é de uma categoria acima, mas ela e o Toro acabam competindo entre si.

  • Rodolfo,
    a rigidez torcional da Toro é 20.800 Nm/º, enquanto a da Strada 3-portas é 14.000 Nm/º.

  • Leônidas Salazar,
    hoje a indústria está partindo para esses super-aços tanto para rigidez torcional quanto para a da célula de sobrevivência.

  • Leônidas Salazar,
    bem lembrado. Foi o mesmo queima-etapa da Boeing, que não acreditou na transição do motor a pistão para o turbo-hélice e partiu direto para o motor a reação.

    • Rubergil Jr

      Acho que o Leônidas matou a charada, Bob, e teu exemplo da Boeing foi perfeito.

      Mesmo que o motor E.torQ 1,8 seja bom (dirigi um Doblòcarregado e achei bastante satisfatório), acho que ele vai ter uma recepção baixa no mercado e deve ser substituído em breve.

      Talvez por uma linha nova de motores, será que a Fiat fabricará no Brasil o novo Tipo pra substituir Bravo/Linea e usará esta nova linha? O tempo dirá. Aí não faz sentido mesmo gastar pra colocar o pré-aquecimento.

  • Lucas,
    lembre-se que a capacidade de carga é a de passageiros + carga, não da caçamba apenas.

  • Rubergil Jr,,
    trabalho, abrir um capô? Isso pode ser deixado para o frentista, não acha? Tudo, tirar a tampa do reservatório, colocar a gasolina, e fechar tudo. E se a tampa é difícil de ser desatarraxada é porque o torque de aperto foi excessivo. Fora que é um trabalho para de vez em quando. Se você só acompanhar não precisará lavar a mão, correto? E você se engana completamente ao dizer que esse motor tem vida curta. Dirija o carro primeiro.

  • lightness RS,
    esse tipo de coisa, para saber ao certo, só vendo o manual.

  • Leônidas Salazar

    Pode ter certeza que esse consumo vai melhorar muito, quando você tiver pouco mais de 8 mil km, estará fazendo 12,5 km/l na cidade e 16,5 km/l na rodovia, esta melhora de consumo é apenas por causa do amaciamento dos anéis de segmento, você também notará uma melhora significativa no desempenho.

    • Rodolfo

      Abasteci o carro agora mesmo (sempre diesel S-10), e zerei todos os medidores (instantâneo, Trip A e B) e fiz o percurso usual. O resultado: 11,7 km/L.
      14,3 km rodados em 39 minutos. Faltou apenas a informação da velocidade média, que não encontrei nos mostradores. :S

      Ar-condicionado desligado, duas pessoas, andando normalmente — sem pisar fundo, mas sem se arrastar pelas ruas.
      Peço desculpas pela pobre fotografia.

  • Gustavo73,
    o 1,6 MSI não tem injeção de gasolina para partidas a frio quando abastecido apenas com álcool.

    • Gustavo73

      Então ele tem o pré-aquecimento? Engano meu então Bob, obrigado pela correção.

  • Davi Reis,
    eu não disse que é ideal, mas que não é nenhum terror, pelas razões apontadas. E mangueiras não se ressecam por o sistema não ser usado. O sistema da Honda devia-se exclusivamente a consumir a gasolina para que não ficasse velha, uma necessidade que não existe mais.

  • Eduardo Edu

    Quando os marqueteiros da FIAT perceberem que o consumidor comum considera este tanquinho algo ultrapassado, prejudicando a abordagem inicial ao produto, estes convencerão os executivos da marca à autorizarem os engenheiros desenvolverem um sistema mais moderno. Uma pena que seja desse jeito.

  • Beta Romeo,
    termo horroroso e impróprio, por isso mesmo é banido aqui no AE, juntamente com montadora, automotivo(a), multilink, bloco como sinônimo de motor etc.

  • jr

    O Bravo tem luz-espia do tanquinho.

  • CorsarioViajante

    Tanquinho… Em um lançamento. Em pleno 2016. Tem coisas que para mim não dá.

  • CorsarioViajante

    Pode ler mais um aqui, eu tive exatamente este problema. Praticamente só usava gasolina e com o tempo e a gasolina parada um dia o tanquinho vazou tudo, ficou uma poça de gasolina na garagem da minha sogra. É até perigoso.

  • CorsarioViajante

    E aí vemos também a preguiça e comodismo da VW, que já tinha o sistema pronto lá atrás com este Polo e continua sonegando esta conveniência ao motorista.

    • Davi Reis

      No caso do EA-111, também acho que já deviam oferecer desde a época, pois oportunidade foi o que não faltou (o Polo E-Flex apareceu em 2009). Mas agora, em vias de ser aposentado, duvido que ganhe o tanquinho. Os outros motores já o abandonaram.

  • Paulo Júnior

    Olá Bob.
    Tenho algumas dúvidas, algumas meio idiotas claro, mas lá vai.
    O câmbio AISIN é o mesmo utilizado no Golf e Jetta?
    Li, nem lembro onde, que o câmbio ZF de 9 marchas utilizado nela e no Renegade, possui uma primeira marcha tão curta que ela praticamente arranca de segunda, e só utiliza a primeira em determinadas situações, por não ter uma reduzida propriamente dita.
    Abraços.

    • Prado Júnior,
      é isso mesmo, a arrancada normal é em segunda. Isso é mais comum do que se pensa. O Porsche Cayenne é assim, por exemplo. O Agrale Marruá tem câmbio de cinco marchas sem reduzida, papel que cabe à 1ª e à ré. Arranca-se normalmente em 2ª. Quando o Candango DKW-Vemag/DKW Munga virou VW Iltis na Alemanha trocaram o câmbio de 4 marchas +reduzida por um de cinco com primeira e ré bem curtas. Outro é o Renault Duster 4×4.

  • braulio

    4916mm é considerado “médio-pequena” atualmente. Fui conferir umas revistas velhas e a S10 ao ser lançada tinha 4888mm, a Ranger, 4792mm e, apesar de ambas serem declaradas “médias”, tinham pouca diferença de tamanho para as “grandes” D20 e F1000 (a S10 era até um pouco maior, já que as grandes mediam, respectivamente, 4830mm e 4856mm.
    Embora seja uma tendência mundial, não deixa de ser estranho, cada vez menos ruas sendo abertas, vagas de garagem cada vez menores, e carros tão maiores que hoje uma picape de cinco metros não possa nem ser considerada média…
    Quanto ao produto, até entendo as razões para que a Fiat tenha feito desse jeito, mas realmente, não imagino como pode ficar bom carregar a caçamba e deixar as rodas dianteiras tracionando. Talvez a limitação de 650 Kg, menos que uma Strada, seja justamente por isso.
    O entreeixos, as suspensões, a tampa da caçamba bipartida, o comprimento e a capacidade de ser um 4X4 me fizeram pensar em como seria bom ter essas características numa ambulância. Quem sabe, num futuro a Fiat aparece com uma versão furgão disso aí para aposentar a Freemont. Já seria um caminho…

  • Ilbirs

    Você está correto, uma vez que a Toro tem muitas analogias construtivas com o Doblò de segunda geração. Deixo imagens da versão chassi-cabine para que se veja mais facilmente isso:

    http://fiat.cw/pics/DobloCargo/cabinatoPianale_Zoom02.jpg

    http://www.fiatprofessional.pt/pt/CMSPT/PublishingImages/imagesUpload/Modelli/Doblo_Cargo/Panoramica/Gamma_e_capacita_di_carico/cabinatoPianale_Zoom06.jpg

    http://www.fiatprofessional.it/it/CMSIT/PublishingImages/imagesUpload/Modelli/Doblo_Cargo/Panoramica/Gamma_e_capacita_di_carico/cargo-pianalebig2.jpg

    Também temos a suspensão traseira desse Doblò, basicamente a mesma da Toro:

    http://st.motortrend.com/uploads/sites/5/2014/06/2015-Ram-ProMaster-City-Bi-Link-rear-suspension.jpg

    http://www.fiatprofessional.com/com/CMSEN/PublishingImages/imagesUpload/Modelli/Doblo_Cargo/Panoramica/Economicita/Bi-Link_Zoom.jpg

    http://fleetowner.com/site-files/fleetowner.com/files/gallery_images/City17.JPG?1418730744

    http://www.autoentusiastas.com.br/ae/wp-content/uploads/2016/02/20160216_133648.jpg

    Sendo ambos os veículos derivados da plataforma SUSW/B-Wide, também temos basicamente os mesmos cofres de motor, como se pode ver pela posição dos elementos e o formato assimétrico da parede corta-fogo (ainda que na Toro haja um aplique sobre a linha superior de lata que tem o tal desenho característico):

    http://image.trucktrend.com/f/157876733+w+h+q+re0+cr1+ar0+st0/engine.jpg

    http://cdn.motorshow.com.br/wp-content/uploads/sites/2/2016/02/fiat-toro-diesel-volcano-dv-5_1600x1168.jpg

    Um novo Doblò de segunda geração nas versões que tem na Europa acabaria tendo a vantagem de atender a diversos usos, tanto de carga quanto de passageiros, podendo aí tanto ser um veículo para uma família como também de uso para transportes profissionais diversos (executivos, por exemplo):

    http://www.fiatprofessional.pt/pt/CMSPT/PublishingImages/imagesUpload/Modelli/Doblo_Cargo/KV/KV_DobloCargo_05.jpg

    http://www.vanlocator.co.uk/van-sales/wp-content/uploads/2012/02/vauxhall-combo-dimensions-l1h1.jpg

    http://www.the-blueprints.com/modules/vectordrawings/preview-wm/2015_fiat_doblo_lwb_combi_maxi.jpg

    https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/2f/2012_Fiat_Dobl%C3%B2_Cargo_XL_105_Multijet_Halmstad.jpg

    http://www.plattsvancentre.com/images/vansales/FIATVANS2015-DobloCombi-001.jpg

    https://img-new.cgtrader.com/items/132182/fiat_doblo_highroof_maxi_263_2015_3d_model_3ds_fbx_c4d_lwo_lw_lws_ma_mb_obj_hrc_xsi_max_e6e17e8f-4f97-4672-b389-e29dd801a2e4.jpg

    São tantas as variedades possíveis que não é à toa que se olharmos para o plano de cinco anos da Fiat Professional não há a previsão de que a Scudo seja substituída, uma vez que boa parte de seus usos são absorvíveis pelo Doblò de segunda geração.

  • Smartfix McGard

    Olá Bob, parabéns pelos seus posts.
    Me chamo Bruno e trabalho com a Linha de antifurto de rodas McGard.

    Abaixo mando os links de notícias e fatos referentes ao furto de rodas e estepe. Nos últimos anos tornou-se tão frequente esse tipo de crime, que as fabricantes já colocam como item de acessório (Ex. nova Fiat Toro). Apresento também a tecnologia disponível para evitar esse tipo de ocorrência.

    Caso tenham interesse disponibilizamos abaixo os links do nosso site/blog para sua apreciação. Assim como fizemos com a reportagem da Autoesporte de fevereiro, me coloco a disposição caso necessitem de maiores informações ou até mesmo os produtos para testar.

    http://smartfix.com.br/noticias/trava-antienxaqueca-teste-de-produto-revista-autoesporte-fev2016-pag-26/

    http://smartfix.com.br/noticias/roubo-de-estepe-saiba-porque-e-como-proteger-seu-carro/

    http://smartfix.com.br/noticias/o-que-fazer-se-voce-encontrar-seu-carro-sem-as-rodas/

    http://smartfix.com.br/noticias/antifurto-para-rodas-como-fazer-a-melhor-escolha/

    http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/09/motoristas-relatam-furtos-de-rodas-de-carros-em-sao-paulo.html

    http://smartfix.com.br/como-instalar-antifurto-mcgard/

    Att
    Bruno
    http://smartfix.com.br/

    • Bruno,
      normalmente esse tipo de “comentário” não é publicado no AE, mas nesse caso, por ser de interesse geral, está autorizei a publicação, pode ser útil para quem precisa se defender desses ladrões.