Anda repercute a decisão da Volkswagen brasileira de alterar a especificação do Golf fabricado aqui no sentido de passar a suspensão traseira de multibraço a eixo de torção no Highline e Comfortline, de adotar câmbio automático epicíclico em vez do robotizado de duas embreagens nestas versões e, só na Comfortline, aplicar o motor EA-211 1,6-litro, de aspiração atmosférica no lugar do 1,4-litro TSI.

Essa foi e tem sido a grande crítica, pela redução de potência e torque, atribuindo-lhe desempenho insuficiente.  Embora eu acreditasse que a versão nada tivesse de ruim, o AE solicitou à fábrica um carro para teste, de câmbio automático, e solicitando que fosse abastecido com gasolina. O objetivo era ter nas mãos a combinação mais de desfavorável teoricamente.

O Golf nacional continua Golf  O POLÊMICO GOLF MSI 1,6, NO USO VW Golf MSI 2016 20 1

O Golf nacional continua Golf

O resultado após rodar uma semana com o Golf 1,6 MSI Comfortline com todos os opcionais, ou seja, os pacotes Comfort  e Elegance, mais o opcional isolado teto solar panorâmico elétrico, que tudo somado fica em R$ 99.160 — 24% sobre o preço-base de R$ 79.990 — é que se trata de um Golf em sua essência, um carro que transmite sensação de solidez e de construção esmerada, e com um desempenho que satisfaz plenamente.

O motor, como eu e outros editores já dissemos, é brilhante não em potência absoluta, afinal com gasolina são apenas 110 cv a 5.750 rpm e 15,8 m·kgf a 4.000 rpm (gasolina), mas no seu trabalho geral de propulsionar um carro que pesa 1.244 kg e tem Cx 0, 318. Isso quer dizer que se locomove muito bem na cidade, mesmo com as subidas de São Paulo (800 metros acima do nível do mar, portanto 8% menos de potência). O motor não tem injeção de gasolina para partida a frio quando abastecido com álcool com a adoção do sistema E-Flex.

O moderno EA-211 1,6-litro instalado no Golf nacional  O POLÊMICO GOLF MSI 1,6, NO USO VW Golf MSI 2016 15 1

O moderno EA211 1,6-litro instalado no Golf nacional

Na estrada, um carro que atinge velocidade de 179 km/h (álcool, 184 km/h), dá para viajar tranquilamente, ultrapassar, arrancar com vigor dos pedágios e cruzar a 120 km/h verdadeiros com o motor a 2.600 rpm. A aceleração 0-100 km/h informada é feita em 12,3 segundos (manual, 10,9 s) e a retomada 80-120 km/h é sem drama em função da redução automática ao acelerar a fundo. Ou seja, nada de desempenho decepcionante para a grande maioria dos usuário.

E consumindo pouco. Ontem fui a Indaiatuba e rodando a 129 km/h indicados utilizando o controle de cruzeiro (tem limitador também), o computador de bordo mostrou entre 14,9 e 15,2 km/l — com ar-condicionado ligado o tempo todo e de vez em quando com o teto solar apenas inclinado, pois como o leitor sabe, sou fumante.

Vale mencionar que quando o controle de cruzeiro está acionado a velocidade é mantida mediante redução para quinta ou quarta, e não com aumento de carga pelo acelerador. Acredito que com câmbio manual (carga em vez de rotação) esse consumo possa ser menor.  Isso vou ver no teste com a versão de câmbio manual de cinco marchas.

O consumo oficial, Inmetro/PBE, é de 10 km/l cidade é 12,6 km/l, estrada. Considerando que a atual metodologia aplica correção de 29% no ciclo rodoviário, isso corresponderia a 17,7 km/l pelo padrão antigo. Portanto, os números que obtive são realistas, mas com a ressalve de carros de teste da Volkswagen são abastecidos com a gasolina-padrão de 22% de álcool (E22). Com E25 ou E27 pode haver pequena piora de consumo.  Coisas de um patropi abençoado por Deus e bonito por natureza…

O câmbio Aisin AQ160 tem funcionamento perfeito, com trocas rápidas (não tão quanto o DSG, é claro), boas respostas no kickdown e mesmo sem acelerar a fundo, operação manual correta pela alavanca (sobe marcha para frente) ou pelas borboletas. tem modo S e há indicação da marcha em uso no painel tanto em D quando em S.  No modo manual ocorre troca ascendente automática a 6.250 rpm. A programação geral do câmbio é das melhores.

O comportamento dinâmico é Golf sem tirar nem pôr. Mesmo com eixo de torção, o que eu já previa. Em momento algum se percebe qualquer tipo de imprecisão. Os pneus são até um tanto exagerados para a potência e peso, 225/45R17 (opcionais, o padrão é 205/55R16), mas na hora da curva ajudam. O senão fica para a carga elevada dos amortecedores,  podia ser um pouco menor para proporcionar mais conforto no pavoroso piso de São Paulo. Numa comparação simplória, a sensação que se tem é a de estar num Audi com ajuste de suspensão (Audi Select Drive) e ela estiver no modo Sport. Mas, novamente, ao se andar rápido essa alta carga paga dividendos.

A direção e freios são superlativos, à Golf.  A direção de assistência elétrica é rápida, relação de 13,6:1, 2,8 voltas entre batentes, e o diâmetro mínimo de curva de 10,9 metros passa a impressão de ser menor. A modulação dos freios (quatro discos) é admirável, no ponto certo.

O ambiente interno diz qual é a marca do carro que se está dirigindo, o mesmo para a posição de dirigir, com destaque para os bancos que abraçam o corpo. O quadro de instrumentos só poderia ser o admirável “Wolfsburg” e tem o detalhe de ser permanentemente iluminado enquanto houver luz diurna, escurecendo o fundo ao cair a noite, só os ponteiros visíveis — hora de ligar luzes. Ou então deixar o interruptor dos faróis em automático e não se preocupar com isso.

Uma curiosidade é haver luzes de uso diurno por meio dos faróis altos, mas com outra lâmpada e bem mais fraca, como era no tempo antes das fileiras de LEDs. Acendem-se ao ligar o motor, mantendo as luzes traseira desligadas, uma boa solução. Há também as luzes de curva estáticas pelo farol de neblina e a útil luz traseira para esse fim.

Luz diurna  O POLÊMICO GOLF MSI 1,6, NO USO VW Golf MSI 2016 19

Luz diurna

Caro? Claro, como tudo no Brasil, especialmente automóveis. Mas em compensação a dotação de itens de segurança e comodidade enche os olhos. Neste Comfortline são de série set bolsas infláveis, controle de estabilidade e tração (desligável, apesar de não ser do tipo “intruso”), controle eletrônico do diferencial com vetorização por torque, sistema de frenagem automática após uma colisão (como bater numa defensa metálica, por exemplo, evitando que o carro continue desgovernado), monitor de pressão de pneus por comparação, ajuste de altura do facho dos faróis, câmera de ré, ar-condicionado de duas zonas com saída para o banco traseiro, dois conjuntos de engates Isofix com fixação superior dos bancos infantis, assistente de parida em rampa, enfim, todos itens cada vez mais desejados.

Mesmo o Comfortline básico vem com sistema de infotenimento “Composition Media” com tela tátil de 6,5″. No carro testado, portando no preço,  é o sistema “Discover Media” que inclui navegador, sensor de aproximação e navegador. Portanto, não é exagero dizer que “vale o custa” esse Golf “fraco”, mesmo para autoentusiastas, nos quais eu obviamente me incluo.  Deve ser lembrado que quem fizer questão de mais desempenho pode partir para o Highline turbo de 150 cv ou o GTI de 220 cv, embora a vida a bordo seja a mesma nos três.

VW Golf MSI 2016 01  O POLÊMICO GOLF MSI 1,6, NO USO VW Golf MSI 2016 01

Bronca mesmo só a falta da faixa degradê no para-brisa. Indo a Indaiatuba ontem cedo pequei um trecho da marginal do Tietê, rumo leste, e o sol de frente incomodou. Quem na Volkswagen decidiu não pôr a faixa foi xingado…

BS

Vídeo:

Galeria de fotos:

 

FICHA TÉCNICA VW GOLF COMFORTLINE 1,6 MSI
MOTOR
DesignaçãoEA-211 R4 1,6
InstalaçãoDianteiro, transversal
Material do bloco/cabeçoteAlumínio
N° de cilindros/configuraçãoQuatro/em linha
AspiraçãoAtmosférica
Diâmetro x curso76,5 x 86,9 mm
Cilindrada1.596 cm³
Taxa de compressão11,5:1
Potência máxima110 cv (G)/120 cv (A) a 5.750 rpm
Torque máximo15,8 (G), 16,8 (A) a 4.000 rpm
Corte de rotaçãoIndefinido, câmbio automático
N° de válvulas por cilindroQuatro, atuação indireta por alavanca-dedo roletada
N° de comandos de válvulasDois, no cabeçote, correia dentada, variador de fase na admissão em 50º
Formação de misturaInjeção no duto
Gerenciamento do motorSimos 15
CombustívelGasolina e/ou álcool
TRANSMISSÃO
CâmbioTranseixo dianteiro de 6 marchas automáticas à frente e ré, epicíclico, tração dianteira
Relações das marchas1ª 4,670:1; 2ª 2,530:1; 3ª 1,556:1; 4ª 1,130:1; 5ª 0,859:1; 6ª 0,686:1; ré 3,185:1
Relações da diferencial3,683:1
SUSPENSÃO
DianteiraIndependente, McPherson, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
TraseiraEixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
TipoPinhão e cremalheira, assistência elétrica indexada à velocidade
Diâmetro mín. de curva10,9 m
Relação de direção13,6:1
N° de voltas entre batentes2,8
FREIOS
De serviçoHidráulico, duplo-circuito em diagonal, servoassistido a vácuo
DianteirosDisco ventilado de Ø 288 mm
TraseirosDisco de Ø 272 mm
ControleABS, EBD e assistência à frenagem
RODAS E PNEUS
RodasAlumínio 7Jx17
Pneus225/45R17W
Marca e tipo no carro testadoBridgestone Turanza ER300
EstepeAço, 205/55R16, Hankook Ventus Prime²
PESOS
Em ordem de marcha1.244 kg
Carga máxima526 kg
CONSTRUÇÃO
TipoMonobloco em aço, hatchback 4-portas, 5 lugares, subchassi dianteiro
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx)0,318
Área frontal2,20 m²
Área frontal corrigida0,700 m²
DIMENSÕES EXTERNAS
Comprimento4.255 mm
Largura sem/com espelhos1.799 / 2.027 mm
Altura1.468 mm
Distância entre eixos2.630 mm
Bitola dianteira/traseira1.539/1.510 mm
CAPACIDADES
Porta-malas313 L
Tanque de combustível51 L
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h12,3 s (G)/11,6
Velocidade máxima179 km/h (G)/184 km/h (A)
CONSUMO (INMETRO/PBE))
Cidade10 km/l (G)/6,8 km/l (A)
Estrada12,6 km/l (G)/8,9 km/l
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 6ª45,9 km/h
Rotação em 6ªª a 120 km/h2.600 rpm
Rotação em vel. máxima, 5ª4.900 rpm

Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas

  • Ezequiel Campos

    O pessoal mete o pau no Golf falando desse motor 1.6, mas se esquece que o focus também tem versões 1.6… Além do mais, esse MSI não veio para substituir o 1.4T.

    • Gabrownx

      Na busca por melhorias nós não podemos comparar com o pior. O Focus tem 1.6 mas ainda sim tem suspensão independente e desde o seu lançamento a possuía. A questão do Golf é que ele foi tomando surra e com o tempo perdeu os seus itens diferenciais (vide freio de estacionamento eletrônico, DSG, etc). Ele não era um concorrente direto do Focus, era um carro nitidamente superior.

    • RED883

      Ezequiel, se for considerar que pelo antigo valor do 1.4T você somente consegue comprar, agora, o 1.6 aspirado, eu afirmo que veio a substituir o confortline 1.4T sim. Para comprar o Golf com a mesma motorização que era oferecida no confortline mexicano o comprador terá partir para um Highline, que, ainda que privado de sistemas importantes e mais caros, desembolsará um bom valor a mais.
      Não acho que esteja ruim, mas ficou comum, e por um carro comum esperava um preço menor.

      • Ezequiel Campos

        De fato a VW deu um tiro no pé ao colocar o preço tão elevado, mas tirando em conta esse fator, creio que seja um bom carro para o dia a dia na cidade….

  • Luciano Gonzalez

    É difícil agradar à todos… Tinha a DSG, reclamavam do barulho metálico transmitido, culpa de nossas ruas horrendas… Mudam para a Tiptronic (que é mais barata, simples, de mais fácil manutenção e silenciosa), reclamam também… Claro que eu prefiro a DSG mas a Tiptronic ainda é melhor ou igual às automáticas da concorrência.
    Falam mau do desempenho mas em teste comparativo de uma revista com o Focus 1.6 (que tem 15cv a mais), o Golf foi mais rápido partindo da imobilidade e andou pouca coisa atrás nas retomadas…
    Fica difícil assim…

  • natan ravel

    O que falei antes e continuarei falando é que me estranha a Volkswagen preferir a adoção desse 1.6 16v , ora o carro teria um belíssimo desconto de IPVA se enquadrando na faixa dos 1.0 (caso adotasse o 1.0 12v TSI como uma versão Bluemotion) o que me leva a crer que o motor 1.0 TSI do up tenha um custo muito superior a esses 6 mil reais que o Golf ganharia de desconto no preço final. Agradaria mais o consumidor pois todas as versões seriam TSI (e nós sabemos que é mais fácil para o consumidor decidir aumentar a potência ou não depois da compra com um carro turbo de fábrica do que em um aspirado com torque equivalente)

    • Gustavo73

      Acho que você se referia ao IPI e não IPVA. E fira isso o 1.0TSi teria um desempenho melhor de cara por ter mais torque e estar presente em rotações mais baixas.

    • Fat Jack

      Honestamente pelo que a versão de entrada custa, e pelo status que o nome Golf pretende transmitir, e não tenha dúvidas de que este é um dos seus principais atrativos, uma versão 1,0l seria considerada a maior heresia possível por um admirador da marca.

      • Também acho isso. Masmo que o resultado final ainda fosse um pouco melhor que o 1.6.

  • Fat Jack

    As críticas na minha opinião não são diretamente ao carro e sim ao seu preço e a classe de status (portanto de poder) que o carro quer transmitir, digo isto pois mesmo antes da avaliação já acreditava ser um bom carro, capaz de trazer uma boa dose de satisfação ao seu proprietário (agora atestado pelo Bob), mas a meu ver é um carro que custa muito mais do que se poderia esperar dele depois de tantas simplificações (cujo propósito obviamente tão somente a redução de custos).

  • Guedes,
    nenhum carro se resume a motor e desempenho.

    • CCN1410

      Sobre o desempenho, eu não tenho interesse em carros velozes, mas minhas compras sempre são pautadas em carros com boa retomada de velocidade. No aspecto geral essa questão é elogiável, boa ou regular – Isso pela categoria do carro.

  • Daniel S. de Araujo

    Eu tinha certeza que o Golf MSi viria bem resolvido. A Volkswagen não apostaria o nome “Golf” num produto mal resolvido.

    Quanto ao eixo de torção traseiro, a maioria reclama sem ao menos experimentar o carro e saber. Porque o jornalista do periódico A, B, ou C falou que é um retrocesso, etc. etc. etc. acaba virando “dogma”. Já dirigi muito carro com com eixo de torção, de comportamento irretocável.

  • Hemi Enthusiast

    Se o mercado vai engolir essa redução de custo do motor 1.6 aspirado assim como cambio e suspensão mais simples por módicos 99 mil (sears mode on), quem sou eu para criticar?

    Eu cansei de entender.

    • Gustavo73

      99 com os opcionais, duvido que essa versão venda.

  • Sandro

    O seu faz muito barulho? Olha, o meu é perfeito em tudo, não tenho do que reclamar. Devo ter tido sorte na compra.

  • Lemming®

    Acho que o que andam reclamando não é nem de ter sido depenado e a mudança do motor e sim a mesma versão importada com o motor 1.4 TSi estar sendo vendida pelo mesmo preço ou mais barata (enquanto existir no estoque). Conseqüentemente esta versão está “absurdamente” mais cara…
    E quem quiser “subir” de nível para o TSi tem de se preparar para o “assalto”.

    • CorsarioViajante

      Lembrando que em todos eles ainda tem que colocar um pacote de opcionais caro para ter por exemplo um básico controle de cruzeiro.

      • Lemming®

        E pior ainda se quiser ver por este lado “é um Golf”!! Nada mais que um hatch quase ou mais caro que Audi A3, BMW série 1xx e por aí vai…
        Chegamos ao ponto de importado ser mais barato que nacional, hatch custar mais que sedã de luxo e suv ou picape custar mais que uma casa ou apartamento.
        Surreal…

        • Lemming,
          por aí vê a desordem fiscal-financeira em que estamos e não vejo saída à frente. E essa desordem não é de hoje,. Meu pai comprou um Fusca montado no Brasil em 1955 por Cr$ 323 mil e quando foi lançado o nacional em 1859 o preço era quase Cr$ 600 mil.

          • CorsarioViajante

            Hehehe acho que o nacional foi lançado 100 anos depois hein! rs

          • CCN1410

            1959.

        • Gustavo73

          Acho que você não viu os valores do Série 1 ultimamente.

  • Luis Felipe Parca Lopes

    Para mim, o Golf possui seu grande defeito e sua grande virtude em uma palavra: paixão! Nossas expectativas sobre o carro nos fazem viajar entre extremos, dificultam uma avaliação imparcial do contexto proporcionado pelo carro. Ainda mais depois de andar no 1.4 e no 2.0, ambos turbo.
    Ficamos muitos anos sem renovação (mesmo reconhecendo que o modelo anterior ainda dava caldo) e, quando a VW resolve “atualizar” esse ícone, faz uma revolução. Criamos muitas expectativas com o alemão – muita tecnologia e preço justo (na época). Depois veio o mexicano, com poucas mudanças (para pior) e aumento substancial de preço. Agora, o tupiniquim, com mais concessões e mais aumento.
    Concordo com o Bob que o motor é bom (para o menores da linha VW, chegam a ser ótimos), mas, depois de testar os motores turbo, sinto dizer: 1.6 não dá (falo isso com emoção, com paixão)! Sentir a patada no peito logo acima da marcha lenta é algo indescritível.
    Obrigado pelo relato, Bob! Apesar do bom motor, continua sendo um Golf!

    • bow

      Falou tudo! O Golf quando chegou fez revolução em termos de equipamentos e tecnologia, não tinha concorrente que chegasse ao seu nível. Quando veio o mexicano beleza também, perdeu algumas coisas mas nada importante. A grande questão é que a VW elevou as expectativas do consumidor em relação ao Golf porém agora retrocedeu bastante, não é um carro ruim porém, se equivale a outros da categoria, nada mais de excepcional como era. A grande polêmica é resultante que tivemos preço justo e um ótimo carro, hoje um bom carro a um preço não tão interessante como antes.

  • Renato,
    absolutamente, não há nenhuma justificativa técnica, muito menos de curto, que é irrisório. É decisão burra mesmo.

    • Renan V.

      Acho que nem decidiram nada, esqueceram desse item há muito tempo.

    • Gustavo73

      Algo doido, já que tive um Gol Cli 95 e um Gol TSi 97, e ambos tinham a faixa.

      • Andre Mondino

        Meu pai teve um Fiat Oggi CS 1985 que tinha a faixa degradê. Vai entender…

      • CorsarioViajante

        Meu Polo 2009 tem a faixa.

        • Corsário,
          claro, é questão de bom senso.

    • CCN1410

      Não acho legal, mas não é o fim do mundo. Pode-se muito bem colocar uma faixa de película. Ah! E só lá, hehehe…

  • Paulo Júnior

    Parabéns pela análise, sempre precisa, Bob.
    Carro não se resume em desempenho, mas mesmo assim, creio que o desempenho deste Golf é bastante satisfatório para a grande maioria das pessoas, e outra coisa é que ainda existe o 1.4TSI e GTI para quem busca desempenho.
    Muitas pessoas criticam que “X” carro não vale isso, ou “Y” é melhor compra. Penso que, em primeiro lugar, boa compra é o carro que agrada o comprador. Quase todos os carros vendidos hoje são excelentes, e somos privilegiados de podermos escolher aquilo que mais nos agrada. Por 80.000 vc pode levar um Golf 1.6 automático (não completíssimo, mas bem recheado) ou um Focus manual, ou um Cruze automático, etc. Todos têm qualidades e pouquíssimas críticas. É bobagem falar que um Golf hoje não vale a pena por “usar motor de Gol”. Vale lembrar que este “motor de Gol” é um EA211 e possui quase todas as tecnologias de ponta que se pode ter.
    Outra coisa quanto ao preço, é que estamos diante de uma das piores crises que já vivemos neste país. Apesar de eu ser relativamente novo, quem viveu sabe que não estou errado. E pra piorar temos, para mim, o pior governo dos ultimos anos no Brasil, com essa corja PeTralha destruindo nosso país como nenhum outro governante conseguiu, e obviamente as montadoras também são vítimas disto. Quando a VW importava o Golf da Alemanha, o Dolar estava a cerca de R$2,00, hoje está a R$4,00, temos que lembrar isto. E para piorar enquanto o PT continuar no poder continuaremos a ver os preços dispararem.
    Abraços.

  • DPSF,
    nada mudou nisso, revisões e troca de óleo do motor a cada 10.000 km ou 6 meses, prevalecendo o que antes ocorrer. Uma pena.

  • Davi Reis,
    a v/1000 do manual em 5ª é 37,4 km/h, portanto 120 km/h > 3.200 4pm. Boa rotação para um manual, meu Escort 1,8 GLX Zetec era exatamente igual.

    • Davi Reis

      Poxa, que decepção saber disso. Nada de errado com a relação, de fato, mas tinha ficado empolgado com a informação (erradíssima) da revista. Pelo visto testaram um automático e falaram que era manual mesmo…

  • Juvenal Jorge

    Christian Govastki,
    como diz um amigo meu: compre o mais bonito.
    Nota-se pelos números de venda que o Focus atrai mais desejos e olhares.

  • Pedro Guerra

    Bob

    Parabéns por mais uma matéria excelente.
    Gosto muito do Golf, mas só dirigi o 1,4 TSI DSG.
    Acredito que continue sendo um excelente carro, mesmo sem a suspensão independente e o cambio DSG.
    O problema é saber que ano que vem já sai o Golf 8 lá fora,,,,e dai vamos ter novamente, num futuro próximo, uma reestilização nacional, quem sabe um Golf 7,5… o que será uma pena.
    Abraços!

  • CorsarioViajante

    Moral da história: não ficou ruim, mas antes era melhor. E mais barato.
    Lógico que em comparação com o Focus SE Plus 1.6 o golf 1.6 está mais equipado.
    Mas o duro é o gigante, imenso, intransponível abismo de preço que criaram para a versão 1.4 TSI. O salto ficou muito grande e a diferença de percepção do produto também: por mias que não seja um motor ruim não tem o mesmo gosto de novidade, eficiência e tecnologia que tem o 1.4 TSI. É pena porque, mesmo sendo bom, tem gosto de “volta ao passado”.

    • TSI

      Sinto falta do 1.0 TSI (de preferência com 115 cv como na europa) que alem de melhor desempenho e consumo levaria o Golf a pagar menor alíquota de IPI!
      Tenho o 1.4, mas o 1.0 seria fantástico também!

    • vidgal

      Também acho que a VW poderia deixar na versão comfortline a opção do motor 1.4TSI,pois seria a opção mais acessível para se ter esse motor sem pular para versões mais caras…

  • CorsarioViajante

    Falou tudo MFF. Para o consumidor a sensação foi de “downgrade”, não que o MSI seja ruim mas o 1.4 TSI era brilhante perto dele. E essa sensação também se estendeu ao carro, que antes parecia ter tudo de mais moderno e interessante, e agora passa sensação de “vender gato por lebre”.

  • CorsarioViajante

    Nessas horas que vc pensa em quantas fraldas trocou, quantas noites sem dormir, e tem vontade de jogar tudo para o alto! rs

  • CorsarioViajante

    Lembrando que o 1.4 TSI é fabricado no Brasil.

  • O que acontece dentro de um fabricante não dá para saber. Mas o que acontece ou está acontecendo no país é fácil de se ver. Os carros importados, pagos em dólar, euro ou outra moeda, normalmente tem um colchão, o chamado hedge cambial, que funciona como um seguro para oscilações cambiais. Por esse motivo, mesmo com o real flutuando, desvalorizando, em ralação a moedas estrangeiras, os preços dos carros importados são mantidos por algum tempo. As vezes suficiente para o real voltar a valorizar. Por isso o preço dos importados não varia diretamente com as oscilações das moedas. Certamente a VW usou desse artifício, e também de uma boa negociação com o país de origem para redução de custo (preço pago pela VW no carro fabricado em outro país) para evitar uma disparada de preços do Golf e outros importados no Brasil, e assim tentar manter o plano de vendas. Mas mesmo assim o ano passado foi dificílimo e o mercado caiu perto de 30%. Para evitar quedas maiores muitos descontos foram necessários. Assim os preços do Golf importado além de não sofrerem o impacto cambial, ainda tinham descontos na ponta, na concessionária. Muito infelizmente para a VW e outros fabricantes, o projeto do Golf nacional coincidiu com essa crise toda. E mesmo com as reduções de custo, todos os componentes importados *ainda são muitos) já estão com o dólar alto e ainda há o investimento na atualização fábrica. Assim estamos comparando o Golf importado com uma base de custos antiga e descontos na rede com o carro nacional com custos atualizados. Obviamente temos a impressão que estamos levando menos por mais. Na prática é o que aconteceu, mas o Golf importado, se tivesse seu custo atualizado, certamente custaria no mínimo de 10% a 15 a mais, o que traria uma enorme vantagem para o nacional. mas muitas publicações insistem em martelar a questão do preço apenas, sem a análise da conjuntura. Eu ainda lembro que o Golf nacional gera empregos, ou ajuda a preservar empregos aqui, no nosso país, que com problemas ou não, é onde vivemos. Por isso, no AE, evitamos entrar na onda de martelar que está tudo caro,. Infelizmente é condição atual do nosso mercado. Achei que esse complemento é pertinente somado a alguns comentários inteligentes que já li por aqui. Quanto ao carro, eu andei nele junto com o Bob, e acho que existe uma classe de consumidores que gostará muito dele. Mas depois de tanta crítica eu temo que seu sucesso comercial seja limitado, pois a maioria das pessoas é papagaio e propagar uma crítica é bem mais interessante que propagar um elogio.

    • TSI

      Temos que lembrar tbm PK que hoje, em conversão direta, temos carros com preços compatíveis com os europeus, algo talvez nunca visto. O grande problema é que com esta desvalorização brusca de nossa moeda (mesmo que tenha havido pequena valorização do euro ou dolar) ficamos mais pobres, empobrecemos na visão mundial. É uma pena, mas não é uma conta a ser cobrada das montadoras e sim do nosso governo, ou desgoverno, como achar melhor!

    • Achuba Nanoia

      Perfeita colocação. Não diminui a dor das duras palavras, mas a verdade é sempre preferível!

  • Kar Yo

    Gosto muito da suspensão traseira independente, pois oferece um conforto de marcha melhor. Agora para as curvas duvido que um dia eu chegue nesse limite. Andando em velocidades compatíveis com a via a diferença é imperceptível. Bob, a dureza excessiva talvez seja por causa do perfil mais baixo da roda 17. O conjunto 205/55 R16 me parece o mínimo para andar no Brasil. Gostaria que viesse o conjunto 195/65 R15 (acho) disponível lá fora. A ficha técnica tem dois erros. O estepe é 205/55 e não 206) e, o consumo em estrada com etanol deve estar errado, pois 6,9 km/L seria assustador.

    • Kar Yo,
      se você disser que o conforto de marcha com suspensão independente é maior do que com eixo rígido, concordo, mas maior em relação ao eixo de torção, não, pois nesse tipo de eixo uma roda nunca acompanha fielmente a outra, tanto que tecnicamente falando é uma suspensão semi-independente. Suspensão traseira independente não é sinônimo de conforto, de rodagem veja o Escort XR3 e o Fiat 147/Uno. A dureza de rodagem que citei é mesmo da carga dos amortecedores, tenha certeza disso. Largura de pneus, você está certo, mas o mercado brasileiro pede pneus largos. E o consumo em estrada com álcool é 8,9 km/l, não 6,9. Digitei errado e não vi.

      • Kar Yo

        Valeu pela resposta, Bob! Quanto ao conforto da suspensão independente pode ser que o conjunto mola/amortecedor sejam os maiores reponsáveis, pois eu falava de sedãs mais pacatos como o vectra 98 e atualmente Mondeo 2005. Falar de esportivo (XR3) e subcompacto (147/Uno) foi forçar barra…! kkkkk!

  • Davi Reis

    Até reli a revista (a Quatro Rodas desse mês), e realmente soltaram que a 120, em 5ª marcha, o carro segue a 2600rpm. Porém, na ficha técnica, colocaram que a 100 a rotação é de… 2600rpm!

    • CorsarioViajante

      Alguém comeu bola! rs

  • Marcos Noel

    Sinceramente, pode ser um bom carro, mas definitivamente não vale 100 mil. Antes um Jetta TSI 1.4 Comfortline por 10 mil a menos (automático de seis marchas) R$ 89.750. Se estiver disposto a pagar um pouco mais, ainda leva o Highline 2,0 (DSG de seis marchas) por R$ 103.990, com aquele motor e câmbio fantásticos

  • João Guilherme Tuhu

    Pra mim continua uma belíssima compra. Mas poderia ter uma versão digamos, ‘Trend’, mais em conta, sem alguns mimos citados. Acho melhor gastar um pouquinho mais e comprar um Jetta TSI. Mas, concorrente por concorrente, acho o Focus 1.6 de entrada melhor compra do que este Golf.

  • CorsarioViajante

    O Focus de 70.000 é pelado de dar dó, o Focus com equipamentos mais próximos do Golf é o SE PLUS de 75.000.

  • Gustavo 73 ,
    esse é o preço do manual sem opcionais e é R$ 74.590.

  • Renan V.
    gosto não se discute…

  • TSI,
    desliga-liga só no Highline. Todos os números de desempenho são fornecidos pelas fabricantes. Estamos providenciando equipamento para medir 0-100 km/h, 0-400 m e retomada 80-120 km/h.

    • CorsarioViajante

      Puxa, mais um item importante perdido, o desliga-liga ou start-stop. Uma pena, era mais um dos diferenciais do carro.

      • Gustavo73

        Não perdeu já que os TSi mantém o sistema. O motor 1.6 não existia.

      • Andre Mondino

        No uso, confesso que o desliga-liga é um pouco inconveniente em algumas situações. No trânsito anda-e-pára de 10 km do trabalho até minha casa, se eu o deixar ligado, o motor vai dar umas 100 partidas durante o percurso. Isso é chato. No calor, o interior do carro começa a esquentar porque o A/C pára de funcionar. Isso é chato também. Ao entrar na garagem do trabalho ou de casa, após a primeira freada para manobrar o carro, o motor desliga. E, dependendo das condições das manobras para estacionar, ele entende que o carro está em marcha e desliga o motor assim que você frear novamente. Para evitar essas “chateações” você tem que sempre desligar o start-stop nessas e algumas outras situações.

        • CorsarioViajante

          Pois é, depende do uso. Eu aqui em Campinas, que paro mais em semáforos e não pego tanto “anda e para”, acredito que traria bastante economia.

    • Fórmula Finesse

      Um acréscimo importante esse equipamento de medição, o Autoentusiastas avança um grande passo se passar a medir o desempenho dos carros avaliados.

    • TSI

      Muito obrigado Bob.
      Havia esquecido de comentar, mas sempre é hora.
      A reportagem ficou muito boa e elucidativa, uma aula e tanto para os pseudo entusiastas que vemos em outros sites/blogs que não fazem nada além de criticar, muitas vezes de forma pouco ou nada verdadeira, mas que contribuem para que a evolução chegue por aqui.
      Grande abraço..

    • TSI

      Quis dizer não chegue.

  • lucasfs

    procurando golfs desta geração usados…

  • CorsarioViajante

    Zero km? Não né…

  • Marco

    Sobre o desempenho, para ter uma idéia melhor: Anda menos, igual ou mais que um Focus 1.6 do modelo atual?

    Se for igual, é um desempenho aceitável. Duro é custar quase duas casas de 50 mil do Silvio Santos.

    • Gustavo73

      Desempenho parecido ao Focus 1.6SR plus e valor também.

  • CorsarioViajante

    Para ter o ar digital e os bancos tem um “pacotinho” de opcionais por quase R$4.000… Dureza.

    • Gustavo73

      Pior, ele está agregado aos dois pacotes mais caros. Por mim essa versão de entrada só teria como opção o câmbio AT e esse Comfort. Nada além, mas também teríamos ainda uma Comfortline 1.4 TSI, e na verdade uma Bluemotion 1.0 TSI. Essa CoMfortline 1.6 custaria uns 72 mil, a 1.4 uns 75 manual e a Highline uns 85 com o pacote Elegance de série.

  • Boa!

  • Sergio dos Reis Filho,
    é por isso que posso dirigir falando ao celular sem nenhum perigo: presto mais atenção na condução do que à conversa… (rsrsrs) Desculpe essa inversão.

  • Danilo, acho que você não conhece bem o AE. Lamentamos sua percepção.

  • Christian Bernert,
    certo, mas lembre-se da brutal elevação do custo da energia elétrica e do dólar nesse período.

  • Diogo,
    analisando por esse lado você tem razão. Só que Focus não é Golf.

  • Paulo Júnior,
    muitos não acreditam que a melhor marca de automóvel é zero-km…

  • ‘Márcio Santos,
    correto, mas há quem não queira saber de carro da concorrência, ora…

  • Roberto Neves,
    claro, isso se chama respeito ao consumidor e denota inteligência.

  • Marcio Santos,
    presumo que você não leu matéria toda.

  • Bruno, onde você leu que o preço é justo? Esse termo não foi usado nenhuma vez. Eu expliquei os fatores que levaram a essa situação infeliz.

    • Bruno

      Paulo, me referi ao seu comentário em relação a imparcialidade referente aos preços que esta implícita no seu comentário, da mesma forma que sua explicação e o próprio texto do Bob deixam implícito a defesa em relação a situação do carro, o que envolve o preço cobrado. Você e nem mesmo o Bob afirmaram com essas palavras, por isso da vírgula depois que menciono você, mas fica subentendido no que foi escrito até agora por ambos.
      E na minha opinião, independente do cenário atual e dos atributos do carro, o preço é injusto.

      • OK! Mas qual preço é justo? se custasse 5.000 a menos seria justo? Qual o critério para definir preço justo?
        Eu evito um pouco discutir preços nesse ambiente difícil que estamos enfrentando. Praticamente tudo está muito caro.
        Como eu expliquei esse carro veio numa hora imprópria. Veja que não estou defendendo o posicionamento de preços dele. Apenas acho que o preço está definido, e o que fará a VW mudar, caso seja possível, é o resultado de vendas. Mas corre-se o risco, de se as vendas não forem boas e não houver margem para reposicionamento de preços, do carro sair de linha. Isso é o mercado regulando as coisas. Mas antes disso começam os descontos.

  • Danilo Teixeira,
    achou mesmo isso? Você me dá pena.

  • Acho que nós autoentusiastas até fazemos essa comparação. Mas quando pergunto para uma pessoa comum, ou quando sou consultado, sempre há carros de segmentos completamente diferentes. Algo como Golf, HR-V ou Duster? O preço dos concorrentes diretos é um importante balizador sem dúvida. Porém tradicionalmente os preços de tabela da VW são mais caros que os concorrentes. Mas o fato é que estamos em uma situação difícil com o preço de tudo no Brasil bem acima daquilo que podemos pagar. Infelizmente.

    • CorsarioViajante

      É fato, tudo está caro, mas tem coisas puxando o patamar de preços para cima. O Golf MSI para mim não está puxando o patamar para cima – quem puxou foi o TSI que saltou quase 20.000 reais!

  • CorsarioViajante

    Bem colocado. Mas vale a pena ver que os pacotes de “opcionais” da VW são de doer – por exemplo 4.000 para um simples a/c digital e banco de couro.

    • Isso é fato. Com isso acabam forçando o consumidor a ir para a versão acima, ou ficar com o carro sem opcionais (o que não acredito muito). Eu particularmente não gosto de opcionais. Prefiro versões fixas pois facilita muito a vida das pessoas. Concordo apenas com opcionais muito caros como teto-solar panorâmico e faróis de xenon. Mas mesmo assim acho que uma versão top de linha com tudo resolveria.

    • Gustavo73

      Nessa versão os bancos em couro deveriam ser os sintéticos não os Vienna com aquecimento.

    • Fórmula Finesse

      A Volks têm veleidades de Ferrari às vezes…

  • Christian Bernert,
    conferi no site da VW e preço é esse mesmo, 99,160, com pintura metálica prata Tungstênio, a do carro testado. Essa recuperação da enegia das frenagens é apenas um esquema elétrico relacionado ao alternador, em que ele gera menos no acionamento pelo motor (menos corrente de campo) e mais quando o motor não está acelerado e o carro está dissipando energia (velocidade( lentamente. Numa situação ém que motorista precisa de toda potência o alternador é desligado temporariamente (corta-se a corrente de campo). Mas o sistema monitora permamentemente a tensão da bateria, se ela cair então o alternador gera normalmente pelo motor.

  • Gustavo73

    O câmbio nem tanto já que o preço caui, de 7 mil no DSG para 5 mil no Tip.

  • Gustavo73

    Pra mim o problema é que a troca do motor e da suspensão no Confortline não seguiu de uma queda de preços equivalente. Se tivéssemos uma queda de 5/6 mil ao invés de 2 mil estaria bem melhor.

  • Gustavo73

    Mas que mantivessem a opção 1.4 tsi na versão Confortline.

  • Gustavo73

    Negativo exite o Focus SE pkus 1.6 por 76 mil o Golf custa 74.

  • Gustavo73

    Poderíamos ter as duas opções.

  • Gustavo73

    Negativo o Golf tem ESP/TC controle eletrônico do diferencial e vetorial do torque de série, além freio pós colisão, monitoramento dos pneus, e CMM. O Focus ganha nos arc ondicionado, rodas 17″ e bancos em couro. O teste da QR mostra o desempenho naquele dia e naquelas condições. Em tempo o Focus também tem 5 marchas.

  • Gustavo73

    Focus SE plus por oitenta mil na tabela? Por 76 custa o SE plus 1.6 manual…

  • Gustavo73

    Não é preguiça de pensar, é tentar fugir do 74 1.6 pacote completo de segurança contra 76 erm o pacote completo mas com alguns equipamentos a mais. Já que muitos sempre pedem carros mais seguros ficaria difícil a crítica. Já tem gente contestando os números de testes mas só do Focus na QR.

  • Gustavo73

    Paga os mesmos impostos já que os carros produzidos no México tem a mesma taxação dos produzidos no Mercosul e Brasil.

  • Renato Mendes Afonso

    Qual hatch médio que se consegue comprar por 60 mil no Brasil?

    • Gustavo73

      Que compacto com alista de equipamentos do Golf se consegue por 60 mil?

  • Carlos A.

    Achei bem interessante o conjunto em si, agora com relação a questão da suspensão com uma calibração voltada mais para um modo esportivo, será que se equipado com rodas aro 16 ( desse carro são 17 polegadas) haveria alguma melhora nesse comportamento ficando um pouco mais macio? Estou imaginando no aro 16 um perfil mais ‘alto’ dos pneus.

  • Fat Jack,
    Eu te entendo. Mas o prazer de dirigir um Golf, pelo esmero e capricho do interior, pelo perfeito isolamento acústico, pelo equilíbrio dinâmico, pela preocupação e consistência na suavidade de todos os comandos, é bem alto. Há pessoas que se satisfazem com isso e não estão preocupadas com que as ultrapassa. Mas há sim pessoas que nunca ultrapassam ninguém, mas reclamam de carros mais comedidos. O ser humano é muito complexo. Tem gente que faz questão de carro zero. Tem gente que prefere desempenho e prefere até compra carro usado já com preço reduzido. Tem gente que pode ir pata o Jetta como alguns estão sugerindo, mas tem gente que não gosta de sedãs. Particularmente eu acho que o mercado desse MSI pode ser um pouco limitado, mas tenho convicção que ele pode agradar a alguns consumidores que prezam pela qualidade do conjunto. Claro que a questão dos preços prejudica toda essa avaliação. Por isso tento excluir essa variável e focar no carro em si e nas condições presentes.

  • Lipe Godoy,
    a cor do carro testado é prata Tungstênio. E agradeço suas palavras.

  • Fórmula Finesse

    Sim, também acho o Jetta 1.4 um negócio bem melhor, mas não precisamos pintar o Golf como uma carroça também – aposto que ele continua ótimo para guiar.

  • Fórmula Finesse

    E todos manuais – rsrsrsr!

    • TwinSpark

      Claro. Uma das vantagens de se morar no interior é não precisar enfrentar congestionamento e ser escravo de AT

  • Vidgal,
    é viável, claro, mas é o tipo do trabalho que precisa ser feito pela fábrica em conjunto com o fornecedor de amortecedores. A alteração seria pequena, apenas reduzir ligeiramente a carga de compressão nas altas velocidades de funcionamento do amortecedor.

  • CCn1410,
    isso, trilhos. A resposta de direção é notável. Os bancos são perfeitos. E, sim, a saída do ar-condicionado para o banco traseiro é em todas as versões.

    • CCN1410

      Bob e Paulo,
      Obrigado por responder.

  • Anda em trilhos! E a saídas são de série em todas as versões. É um pouco durinho como o Bob menciona. Mas é gostoso de andar.

    • sigma7777777

      Durinho? Então cairei fora dele mesmo. Pelo visto continuarei no segmento de sedans médios, sendo que queria um Golf confortável.

  • Desse jeito não precisa ser cortado. Agora eu te pergunto: você trabalha ou tem um negócio próprio, certo? Deve receber um salário, certo? Faria isso apenas em troca das despesas que tem para trabalhar, como transporte e alimentação? Abrindo mão do restante do seu trabalho?

  • Geovane Paulo Hoelscher

    Achei o carro excelente! Também adorei a avaliação do nosso querido Bob!

    Mas pagar R$ 80 mil, aí não dá! Por este valor dá para comprar um Focus SE com tudo o que falta no Golf, ou seja, suspensão traseira multilink e câmbio de dupla embreagem. Lembrando que o câmbio Powershift evoluiu e foi sanado de seus defeitos.

    O Focus ainda tem um motor bem mais potente e por R$ 20 mil a mais da prá levar prá casa o Titanium Plus, super equipado.

  • Davi Reis

    Acho que talvez eu saiba onde você achou essa diferença. Ao contrário da versão anterior, onde se escolhia apenas um pacote entre os três, agora pode se escolher um deles ou dois deles, dependendo da combinação. Foi um detalhe que deixei passar de cara. Não me lembro se também é assim no caso do Highline, porém.

    • Christian Bernert

      Davi Reis,
      Correto, é isso mesmo. Tem que escolher o pacote Comfort (bancos com revestimento em couro e ar climatronic) e o Exclusive simultaneamente. Mas o configurador bloqueia a seleção do pacote Elegance por conflito com o pacote Exclusive. É meio estranho mesmo, fui levado a crer inicialmente que teria que optar por apenas um dos três pacotes sendo que o seguinte seria sempre o anterior e mais alguma coisa.
      Obrigado Bob pela explicação do sistema de recuperação de energia.

  • Ricardo

    Bom ler a opinião de quem entende. E melhor ainda saber que o Golf continua com fabricação esmerada e repleto de itens de segurança que outros carros nem tem. E pro dia-a-dia, se você não preza por desempenho, é uma grande compra. Na minha opinião e pro meu uso, melhor que um SUV qualquer da moda.

  • Bruno,
    pode explicar para quem é o problema de canibalismo senão para a Volkswagen? Alguém é obrigado a comprar qualquer carro? Se o comprador achou caro, que não compre, é tão simples isso! Quem quiser comprar um Golf sabe de antemão que vai pagar alto e pronto.

    • Bruno

      Bob, não insinuei que seria problema de mais ninguém, acho bem óbvio que será problema só da volkswagen, por isso não imaginei que precisaria explicar isso a você ou outro alguém. E canibalismo, desse tipo ainda, é muito prejudicial, pois são carros diferentes, com propostas e nichos diferentes, e não um Santana novo canibalizando o Voyage, que mesmo assim é prejudicial só que “menos”.
      Sim, claro que o livre arbítrio é simples, mas isso não impede de discutirmos os fatos aqui, afinal é para isso que serve uma seção de comentários certo?
      E não só pra isso, mas para informar também, por que é lendo a matéria e os comentários que muitas pessoas formam suas opiniões e escolhas, e mal não fará qualquer um que ler aqui perceber que há uma gama de escolhas melhores, dentro da própria volks inclusive.

  • WSR

    Meu irmão teve um Golf 1,6 2002 e o carro era maravilhosamente bom de curva, além de muito confortável. O carro foi comprado rebaixado, cerca de 3cm, mas posteriormente “originalizado” e continuou bom de curva, só que mais macio. Foi vendido e deixou saudades. 🙁

  • Obrigado por apontar! Já corrigimos.

  • Leônidas Salazar

    [Na estrada, um carro que atinge velocidade de 179 km/h (álcool, 184 km/h)]
    Não que precise, mas com certeza vai muito além, a velocidade máxima de ficha técnica é sempre muito menor do que a velocidade que é atingida na prática, mesmo corrigindo o velocímetro.
    Este carro no vídeo abaixo, tem declarado 192 km/h de velocidade máxima.
    https://www.youtube.com/watch?v=mGhEXxclEYs
    Este outro, a ficha técnica declara 181 km/h.
    https://www.youtube.com/watch?v=Qt1J4TVnrLg
    Este aqui, diz que chega a 190 km/h.
    https://www.youtube.com/watch?v=8EjmhLjgykI
    Nos carros da Volkswagen não é diferente.
    O Golf 1.4 TSi, passa muito dos declarados 212 km/h.

  • KzR

    A versão 1,6 é um pacote bem coerente de desempenho (e consumo) satisfatório, ótima dinâmica, estrutura e acabamento excelentes. A caixa de 6 marchas manual poderia ter sido incluída.
    Contudo, subjetivamente, a Highline perdeu um pouco do brilho de outrora. O pivô das controvérsias, a suspensão traseira a eixo de torção, sequer é mencionada nas fichas técnicas do site da VW. Um fato bem estranho.

  • WSR

    Tirando o revestimento de couro dos bancos e a cor prata, o carro serviria perfeitamente para mim, rs. Estou tentando imaginar como deve ser bom andar neste carro… em sexta marcha, baixas RPM, em alguma bela auto-estrada… na Europa! Infelizmente não é carro para os rascunhos de rodovias que temos no ES, já privatizadas mas ainda excessivamente horrorosas, mal planejadas e perigosas (considerando-se a qualidade do motorista brasileiro).

  • sigma7777777

    Pensei que a suspensão mais alta traria conforto e o resultado é o contrário? Que decepção! Se o piso em SP é ruim, já imaginaram a situação no interior nordestino? Pelo visto terei que descartar a compra do Golf.

    • CorsarioViajante

      Eu chuto que grande parte destas chatices de suspensão é culpa do conjunto roda / pneu. Não consigo entender qual o trauma em oferecer roda 15″ com bastante borracha.

      • Leônidas Salazar

        É o público alvo, que não gosta.

  • Ricardo,
    sim.

  • Andre Mondino

    Exatamente! Para os “especialistas/críticos” de plantão, um carro é ou uma nave estilo “Star Wars” ou uma carroça sarnenta baseado em apenas e tão somente 3 coisas: potência máxima (dane-se como e quando essa potência se manifesta), tempo de 0-100 (como se todos esses “especialistas” fossem pilotos profissionais de teste extraindo sempre, é claro, o melhor tempo a cada farol vermelho que fica verde e subindo com as duas patinhas no freio quando se aproxima do radar de 50 Km/h) e velocidade máxima (os deslocamentos diário de carro são sempre em pistas ovais com o carro a pelo menos 95% da sua velocidade máxima em 99% do tempo).

  • Roberto Mazza

    Não ligo a mínima pra “dar passagem”. Tá cheio de louco por aí, e muitos deles em carros básicos.

  • Marco Antonio

    Bob e PK excelente a avaliação como sempre; vou deixar a minha opinião a respeito do Golf, tenho um Golf de 100 cavalos, câmbio manual e eixo de torção na traseira, e afirmo não há nada de errado, anda muito bem tanto na cidade e estrada ultrapassa com segurança, curvas são feitas com perfeição, mesmo abusando um pouco, os pneus “cantam” um pouco mas sem sustos, consumo acho excelente, então eu compraria este MSI tranquilo, e quanto ao preço e desempenho não discuto porque existe outras versões para quem pode pagar e ter desempenho de esportivo.

    Golf é Golf e ponto final!

    Abraço a todos.

    Marco Antonio

    • RED883

      Experimenta um 1.4t e depois vc me diz o que escolheria se o turbo tivesse o mesmo preço, ou fosse até mais barato.
      Aí reside a bronca.

  • Bruno,
    tudo o que você diz mostra a sua visão completamente distorcida da realidade e do bom senso. Lamentável. Vai comprar e achou ruim? Não compre. Agora, atacar o nada é que não faz sentido. Recomendo dirigir esta versão antes de atirar pedras.

  • Leônidas Salazar,
    todas as fabricantes medem velocidade máxima nos campos de provas. A GM tem o seu, em Indaiatuba, as demais fazem os testes no exterior. A Volkswagen do Brasil leva os carros para o campo de provas de Ehra-Leissen, na Alemanha, com duas retas planas de 10 quilômetros.

  • Cláudio P

    Eu gostei muito do carro e a versão de entrada com câmbio manual estaria de bom tamanho para meu perfil, mas sem querer entrar na polêmica dos preços, analisando a concorrência ele estaria no meio do caminho entre Focus e Cruze, por exemplo, o que confirma que está tudo caro demais, mesmo, e não é só um problema do Golf. No entanto acho que a VW poderia melhorar isso, por um pouco menos ele ficaria competitivo com o Focus e esse deveria ser o alvo da VW. Aliás, adoro os dois carros, mas essa geração do Golf me encantou pelas qualidades que demonstra.

  • Matheus,
    para o verdadeiro entusiasta potência e velocidade são dados irrelevantes. O que importa é saber extrair o automóvel o melhor desempenho possível quando se quer andar rápido. Essa é a minha visão, mas pode haver outras, as pessoas são diferentes. Embora eu goste de ver um motor produzir potência, eu prefiro vê-lo produzindo-a por meio de mais caga nesse caso específico do controlador de velocidade. Tenho certeza de que quando dirigir esse mesmo modelo com câmbio manual ele manterá a mesma velocidade programada em quinta (e última) marcha. Portanto, indo para o final da sua manifestação, o entusiasmo existirá mesmo para os que comprem essa versão do Golf.

    • Fabricio d

      Em relação a extrair em máximo o desempenho, me lembrei do Cerato 1.6 2014 AT que tive, que também foi criticado por “especialistas” em relação ao desempenho, nas estradas de pista simples observo que muitos andam colado no veículo da frente(caminhão principalmente), perdendo o espaço de aceleração (além de frenagem é claro), por várias vezes com o Cerato “manco” eu tive que tirar o pé nas ultrapassagens, mesmo o carro da frente sendo mais potente.

  • Alexander NotTheKing,
    o quë? A pessoa pensa em Golf em você sugere que compre um Fox só por causa do motor? Já vi muito absurdo aqui nos comentários, mas este está com a taça. E a sua bola de cristal disse que o MSE vai desvalorizar… tem cada uma!

  • WSR

    Se o carro não encaixava no seu padrão de tamanho (no caso dos bancos) e ergonomia, qual o motivo de ter insistido na compra?

  • Israel Belloti Nicori,
    Não adianta reclamar aqui. Reclame com a Gorda.

  • Roberto Alvarenga,
    você fala como se o Golf com motor 1,4 TSI não existisse mais. Tem e e com câmbio manual também. Foi-se a suspensão traseira muiltibraço (só ficou no GTI), mas nas velocidades brasileiras a de eixo de torção dá e sobra. Duvido quem prove que não.

  • Rodrigo Agostinho,
    não tenho conhecimento de problemas com o DSG a não ser pelo que ouço falar. Inclusive, nos DSG que dirigi nunca ouvi o tal chocalho ao trafegar sobre piso ruim, que só parece ser ouvido por quem é “caça-barulho”. Sinceramente, acho que você não devia se preocupar com isso. Todavia, sou de opinião que a melhor marca de carro é a ZQ — zero-quiômetro.

  • RED883,
    você entendeu errado. Eu disse que embora a suspensão traseira multibraço seja superior, e é, o eixo de torção tem a vantagem de não precisar de alinhamento de rodas. Se você não acha isso bom, eu acho, principalmente porque é difícil encontrar serviços de alinhamento confiáveis Brasil afora. Não é questão de preço,, mas de uma coisa a menos com que se preocupar. Quanto à condução mais precisa e prazerosa no dia a dia , você está completamente enganado. Não faz a menor diferença no dia a dia, só faz na hora de contar para o vizinho ou para o colega de trabalho que o carro tem suspensão traseira independente multibráco.

  • Fernando Knapp,
    gastar tempo e recursos? É só mandar o desenho pronto que está num computador, por transferência de arquivo, para o fornecedor de eixo de torção. Não há nada mais fácil e rápido.

  • Fernando Knapp,
    os preços relativos no Brasil estão completamente malucos. Nunca pensei que viveria isso de novo depois da entrada do real 22 anos atrás. Mas “eles”, com sua incomPeTência, conseguiram.

  • Gustavo73

    Dólar a abaixo de 2 reais e com promoção no IPI. Hoje um Fiesta Titanium custa 70 mil

  • Monitore os preços. Todos vão subir, se é que já não subiram.

    • Cadu

      Ok , PK, não discordo disto. Mas veja o quanto o Golf perdeu em equipamentos e desempenho além da subida de preços. Este é o ponto. Baratearam os custos, nacionalizaram, tiraram equipamentos e ainda subiram o preço além das correções econômicas

  • Sim, o mesmo.

  • Real Power,
    acredite, é assim. No projeto do assoalho os dois tipos de suspensão são previstos. Cobrança de serviço entre matriz e filial não existe, só em caso de proprietária e controlada, por exemplo, General Motors Company e Adam Opel AG,

  • marcus,
    dirija esse Golf e depois vote. Se fosse aplicado motor do 3-cilindros turbo ter-se-ia menos potência (110/120 cv contra 101/105 cv, mesmo torque com álcool e 1 m·kgf menos com gasolina). Não teria sentido.

    • Derek

      Seria mais barato e seria mais econômico. E se a VW seguir a receita europeia, este motor 1.0 sairia com 115 cv aqui. Já fazem isto na Europa e creio ser uma questão de tempo fazerem aqui.

    • Leônidas Salazar

      O camarada esquece que estamos no Brasil, a maioria das pessoas que compram Golf tem o pensamento conservador, jamais trocariam o motor 1.6 aspirado pelo motor 1.0 turbo, e outro problema, é o motor 1.0 turbo não trabalhar com o câmbio Tiptronic, aí esta versão seria exclusivamente manual, e com certeza venderia bem pouco, mesmo sendo mais em conta.

  • Ronar Raposo,
    e só na admissão mesmo e já foi corrigido. Obrigado!

    • Ronan Raposo

      Não faz ideia da honra que tenho em ter tido essa nano cooperação num texto escrito por alguém de brilhante história no automobilismo =D

  • Ze Brasileiro

    Acho que deveríamos refletir..O comfortline turbo (“básico”) custava R$ 83.000,00 até novembro de 2015 – em dezembro foram dados descontos de R$ 10.000,00. ERA CARO? NÃO!!! Motor turbo (última palavra em engenharia), câmbio DSG (última palavra), carroceria em aço boro (peso total do carro em apenas 1200kg). Toda essa tecnologia TEM UM PREÇO e a VW, com toda a certeza, perdeu dinheiro ao vender um golf tão recheado no Brasil. Hoje, real 4×1 em relação ao dólar, o ajuste era mais do que necessário e não adianta chorar.

    • Hemi Enthusiast

      O principal fator se uma moeda está valorizada ou não é o custo de vida de suas principais cidades.
      Hoje São Paulo e Rio de Janeiro tem uns dos custos mais baixos do mundo. O dólar está supervalorizado.

  • CorsarioViajante

    Concordo com sua linha de raciocínio. Hoje é difícil achar um “carro ruim”, e certamente não é o caso deste Golf ser ‘ruim”, mas não dá para negar que a própria VW já oferecia coisa melhor e foi piorando, aumentando de forma desproporcional o abismo para o 1.4 TSI — que por sinal agora é fabricado aqui.

  • CorsarioViajante

    Ficou difícil de entender até onde ele quer chegar.

  • CorsarioViajante

    Não, porque a MQB já prevê eixo de torção, inclusive presente nas versões de entrada do Golf europeu.

  • CorsarioViajante

    Sei lá, se for pnsar assim vamos voltar ao carburador e vidro de manivela. Eu acho um recurso bem bacana que tem até no Fiat Uno (!!!).

  • CorsarioViajante

    Nossa não tem tipo pior que o guloso do “não dou passagem para carro mais barato que o meu”. Não entendo como alguém ainda pensa isso!

    • Fat Jack

      Nem eu meu caro Corsário…, nem eu…

  • CorsarioViajante

    Comprar 100% à vista e sem dar carro na troca é bem difícil. Com certeza é um carro que caberia bem no meu perfil, pois é esse mesmo, usar vários anos (meu atual já está comigo há seis anos, por exemplo.). Mas não cabe no bolso nem em sonho.

  • CorsarioViajante

    Mas o Golf TSI MANUAL custa 92.000, se for o automático que em teoria brigaria com o Titanium já fica em 97.000… E ainda tem que colocar os pacotes de opcionais da VW. Ficou difícil comprar este Golf.

  • Kevin “Schãoantz!” (F.Lopes)

    Rodrigo, DSG é muito confiável, trabalhei 03 anos numa fornecedora da VW e atuava diretamente com concessionários de todo país e a rede não reclamava dos carros nem internamente, só elogios. Precisa ver se esta turma que afirma ter tido problemas não colocou multimídias baratas e outras porcarias eletrônicas do mercado paralelo que causam interferências no sistema CAN BUS, gerando todo tipo de “poltergaist” eletrônico que pode ferrar a parte mecânica.
    Se eu teria um carro com DSG? Minha resposta: se tudo der certo meu próximo carro será um Jetta TSI 2.0 , se não vai ser um Jetta TSI 1.4 mesmo. Saúde paz…

  • CorsarioViajante

    É, esta prática cansativa, chata e velha de ter que ficar chorando e pedindo desconto para gerente fantasma.

  • WSR

    Aplausos! 🙂

  • Renan V.

    O jeito é colocar parafusos codificados nas rodas e, em carros com estepe externo, nele também. Mas isso não é um problema só no Brasil, é só pesquisar no google “Bentley stolen wheels” ou “Nissan GT-R stolen wheels”, acontece no mundo todo, mas só aqui roubam os estepes…

    • iCardeX

      Todos os Golfs já vem de fábrica com o parafuso de segredo, inclusive o MSi. O bizarro é a roda sobressalente R!, no caso do MSi, ter o desenho e o fabricante diferentes do restante do conjunto.

      Em tempo: esses pneus Ventus Prime2 são incríveis.

  • Gustavo73

    Potência não significa mais moderno. Em termos de desempenho o Golf está no mesmo nível do Focus. Concordo que a VW nos mostrou o céu, e depois aterrisamos inclusive vom certa força. O problema na minha opinião não é o Confortline 1.6 e sim não termos mais o 1.4. E a queda de valores não acompanhou a.suspensão e motor mais simples. A queda foi pequena, ao invés de 2 deveria ser 5.

    • Cadu

      Foi exatamente o que eu falei!
      E quando eu falei do motor, não apenas me referi a potência, e sim, eficiência…

  • braulio

    Não entendo o motivo das críticas, como se todo carro no Brasil fosse barato e agora a VW tivesse inventado de tentar vender menos por mais.
    Até porque não é menos: O EA 211 é um motor de última geração, o desempenho não apenas não é insuficiente como excede muito o que se pode realmente usar de um carro em condições normais, com consumo contido e manutenção facilitada. As suspensões “arroz com feijão” não podem ser chamadas de ruins. Mesmo porque uma esmagadora maioria de carros usa o mesmo esquema, que o próprio Golf ajudou a consagrar, diga-se de passagem. Estranho foi ele ter abandonado algo que funcionava bem em troca de algo mais elaborado e que não representa vantagem significativa para quase nenhum cliente.
    A falta da faixa degradê é um problema, mas, embora até veículos populares possuam a dita-cuja, também nunca ouvi uma pessoa dizer que ela foi decisiva na escolha do carro. Em linhas gerais, e descontando esse deslize, até que o Golf parece um bom produto. Não compraria, mesmo que miraculosamente deixasse de ser pobre, mas isso não faz dele algo ruim.

  • Leônidas Salazar

    Se o cidadão faz questão absoluta de ter um Golf TSi, ele não se importará de comprar um semi-novo. Ou se puder, investiria os dez mil a mais, o que causaria frustração, seria não adquirir o carro que tanto deseja.

  • Cesar,
    é exatamente isso, seu City perdeu 48% de potência, estava com 59,8 cv em vez de 115 cv. Nos câmbios CVT a faixa das marchas (spread) costuma ser maior que nos outros câmbios, o que lhe dá mais condições de ter uma “primeira” mais reduzida, pode estar aí a diferença. Você esteve nessa altitude sem máscara de oxigênio? A altitude máxima recomendável sem oxigênio é 3.000 m. pois a partir daí o risco de hipóxia é grande.

  • Gustavo73

    O MSI ficou mais barato, mas infelizmente não o suficiente.

  • vidgal,
    não mudaria nada neste caso.

  • “Scãiantz!”,
    qualquer que seja a seção ou o perfil dos pneus, o aspecto que comentei da carga do amortecedor nas altas velocidades de compressão não muda. A medida escolhida pela VW confere comportamento irretocávelao Golf 1.6 e ao mesmo tempo atende aos desejos do consumidor brasileiro. Não vejo nada errado com os pneus 225/45R17, aliás os mesmos do Jetta e neste essa questão do amortecedor não existe. / O emprego do eixo de torção no lugar da suspensão multibraço não tem a ver com robustez, mas com custo e complexidade do sistema e sua operação de montagem, fora que é indiferente um ou outro tipo de suspensão traseira na determinação da medida das rodas e pneus.

  • Lemming®

    Estava pensando nisso. Os PeTralhas conseguiram inventar a máquina do tempo! Voltamos aos anos pré real…

  • Derek

    Perfeito, exatamente o que penso.

  • TDA

    Dúvida, nessa versão esse carro tem abertura interna/elétrica do porta-malas e tampa do tanque de combustível de série? Procurei no texto do AE e no site da VW e não consegui encontrar.

    • TDA,
      a fechadura é elétrica mas não tem comando interno, só a distância pela chave. A portinhola do bocal de abastecimento é manual, e se tranca junto com as portas de passageiros e de carga.

  • Leônidas Salazar,
    eixo de torção só desalinha se houve impacto.

  • Derek

    Uma pena este carro ter tomado o posto (em razão do preço) do bom e justo 1.4 tsi.

    O pessoal de outro blog famoso, que tende a elogiar tudo da vw, fez criticas sobre o desempenho deste 1.6. O vídeo deste blog deixa bem claro a sensação de desempenho sofrível e frustração para quem esta acostumado com a motorização tsi.

    • Derek,
      então “o outro blog” famoso não merece essa fama toda. Quem compre o Golf 1.6 MSI tem direito a todas as sensações, menos frustração. É muita alienação achar que com 20 cv menos (30 cv agora) o carro vá andar perto ou igual. Carro não é só motor e desempenho absoluto não é tudo. E quando eu dirigir o de câmbio manual vou gostar mais ainda. Gomo gostei do Audi RS 3 de 367 cv que dirigi anteontem. Cada carro é um carro.

  • Leônidas Salazar

    Concordo, o Tiptronic poderia aposentar o ASG(i-motion).

  • Hemi Enthusiast,
    essa característica vem de bem antes do nascimento da indústria automobilística, ocorreu precisamente no dia 22 de abril de 1500.

  • Arno Moura Cavalcanti,
    você está atribuindo comportamento de eixo traseiro igual em caso de eixo rígido ou de torção. Um não tem nada a ver com o outro, inclusive o do Mustang ainda tem o diferencial. Na situação que você aventou não faz a menor diferença, pois o eixo de torção não é um eixo rígido, existe alguma independência entre as rodas. A grande vantagem da suspensão multibraço é sua geometria poder ser finamente acertada para que as rodas traseiras assumam a melhor posição possível quando o carro rola na curva, mas esse efeito só aparece nas curvas de raio grande feitas em velocidades próximas de 200 km/h. Em velocidades menores não há praticamente diferença de comportamento. Foi para isso que a suspensão traseira multibraço foi criada e foi o garantiu a sobrevida ao Porsche 911 que conhecemos, um carro que já tem 53 anos de vida. Em 1993 ele ganhou uma notável suspensão traseira multibraço que anulou completamente o efeito do “motor de popa”, o boxer de seis cilindros na extremidade traseira. Essa suspensão não objetivou o carro ser melhor em piso ondulado. Para isso a suspensão anterior de braço arrastado era suficiente.

  • Dieki

    Bob, você conhece toda a linha VW e seus bons motores. Acho que se o motor TSI de um litro fosse instalado no lugar do MSI (como ocorre na Europa), não haveria se não ganho de desempenho e economia, pelo menos a preservação da imagem de produto de alta tecnologia (não que ela tenha se perdido, mas ficou aquela coisa de produto jabuticaba)?

    • Dieki,
      não acho que valeria a pena, seria um motor menos potente e com mesmo torque. O motor EA-211 é uma nova família de motores VW, de alta tecnologia, só que o 1,6 não é turbo.

  • Christian Bernert

    Cesar, fiquei curioso. Pela altitude parece que você cruzou pelo Paso Água Negra, que fica mais ao norte correto?

    • Cesar

      Cruzei por Paso de Jama, bem mais ao norte, na fronteira com a Bolívia, indo a San Pedro de Atacama, Chile, nosso destino. A altitude máxima na estrada, de acordo com o GPS, foi de 4830m. Pode-se ir ao Observatório ALMA, a 5.300m, mas é preciso autorização especial, numa viagem em grupo, com guia e acompanhamento médico.

  • Ulysses Bueno

    Com todo respeito a matéria (muito bem produzida por sinal), o valor do carro com motor de Fox não é atrativo. Estava querendo adquirir um (saindo do Corolla), mas acho que o Focus será mais bem vindo. Comprador de Golf não quer motorzinho. Não evoluir é uma pena (ou regredir no caso). Parabéns a VW que matou o Golf. As vendas comprovarão isso…

  • Paulo Eduardo Bandeira de Mell

    Acho muito engraçado essa atitude (ou paixão?) de ser um auto entusiasta. Cada carro tem seu DNA e no caso do Golf, mesmo com motor de menor potência e adaptações para o nosso mundo, manteve suas principais características voltadas para uma ótima dirigibilidade. A partir do momento que a gente não liga para o detalhe e se adapta e ele, tudo fica perfeito. Odiava dirigir o Uno evo da minha mulher. Achava barulhento demais para um auto tirado desde zero de uma concessionária. Hoje tenho outros olhos pra ele. Admiro tanto quanto minha Zafira: usada, silenciosa, estabanada e molenga para dirigir. Hoje acredito que até um Jac ou um Lifan seriam ótimos veículos para ter ou passear. Agora, falar mal de um carro só porque diminuíram sua potência e modificaram sua suspensão… Povo…esse carro não foi fabricado para autódromo. Menos críticas e curtam mais.

  • CL RJ

    Red, eu tenho um Focus mk 2 2013, dos últimos. É muito bom, mas eu acho que o carro é muito dianteiro em curvas mais animadas. Nada preocupante, pois a correção se dá quase instantaneamente, basta aliviar o acelerador, mas gostaria que fosse menos.

  • José Cristófalo,
    o Santana não tinha suspensão (traseira) mais dura que a do Vectra 2. E não vai me dizer que a suspensão traseira do Citroën C4 Lounge é dura… Pare com esses argumentos tolos, a suspensão multibraço só aparece em condições extremas de alta velocidade em curvas de raio grande.

    • José Cristófalo

      O Santana era muito mole. Devem ser comparados carros de predicados compatíveis. O Vectra com a mesma carga de molas e amortecedores seria ainda mais confortável e continuaria mais estável que o Santana.

      O Brasil é um país que apresenta condições extremas.

      • José Cristófalo,
        Santana, mole? Você não conhece ou não conheceu o carro, ao contrário de mim.

        • Battousayx

          Meu pai teve Santana por 10 anos. O carro é mole e a carroceria inclina em curvas. Tive um santana 2.000 por 4 anos. É o suficiente para saber.
          Abraço.

  • José Cristófalo,
    você descobriu a pólvora ao dizer que a solução de eixo de torção é por motivos de custo, algo que ninguém sabia…

  • José Cristófalo,
    procedimento de alinhamento de eixo de torção? Pode dizer como é feito? Eu não sei e gostaria de aprender.

  • Vidgal,
    se você tem dificuldade de imprimir uma “condução mais entusiasmada” no 1,6 MSI manual, é recomendável você fazer um curso de pilotagem.

  • José Cristófafo,
    é, realmente, quem andar de Golf com suspensão traseira de eixo de torção corro sério risco…

  • José Cistófalo,
    é, depois que a barra estabilizadora traseira do Focus foi eliminada (não lembro de que ano) o carro ficou realmente muito confortável…

    • José Cristófalo

      Foi em 2006 nas versões básicas, por motivo de custo. Endureceram molas e amortecedores para o carro não perder a costumeira estabilidade.

      Uma típica invencionice num projeto de suspensão perfeito onde nada deveria ter sido mexido, mas o jeitinho para economizar pouca coisa acabou predominando.

      • João Cristófalo,
        isso mesmo, 2006.

  • vidgal,
    aí é uma questão de posicionamento diante do que é entusiasmo. Quem o considera como função de dotes de desempenho, aceleração etc, não vai gostar do 1,6 automático mesmo. Não é o meu caso e de muitos, em que se olha o veículo como um todo. Andei forte na estradinha e o carro vai muito bem. Agora, dizer que com carro cheio, bagagem etc o carro será deficiente, nada a ver. Qualquer carro perde desempenho quando o motor recebe mais carga, por exemplo, ter de acionar o compressor do ar-condicionado. Nunca me esqueço de uma viagem que fiz (Rio-São Paulo-Rio) com um Porsche 911 Carrera em 1973, carro novo, como o desempenho caía com o ar-condicionado ligado. Acredito que a VW tenha visto espaço para um Golf com essas especificações. O fato é que se o carro me desagradasse eu teria dito isso no texto, e me agradou. É um motor moderno e câmbio idem.

  • Gustavo73,
    certamente andaria um pouco mais e consumiria um pouco menos, mas o preço seria um pouco maior. Para a grande massa de motoristas a diferença é imperceptível. Você já dirigiu o 1,6 MSI?

  • José Cristófalo,
    ah, bom, isso não é alinhamento, que é uma operação de regulagem. E mesmo numa suspensão traseira independente, qualquer que seja o tipo, só se alinha onde houver previsão de ajuste. Senão é trocar componentes.

  • José Cristófalo,
    que grande risco…

  • CÁSSIO

    um belo e muito bem acabado este Golf mas acho que uma injeção direta traria melhores resultados no consumo e desempenho , parabéns a matéria ficou muito bacana .

    • Cassio,
      agradeço suas palavras. Claro que haveria ganho com injeção direta, mas é bem mais cara.

  • CorsarioViajante

    E leve rápido, antes que a VW perceba isso também e aumente o preço dela. Ah se eu pudesse… Que carro!

  • kravmaga

    Ainda tem o novo Jetta 1.4 TSI que, se por um lado perde um pouco em acabamento e alguns itens, leva um motor 1.4 TSI, maior porta-malas, maior espaço no banco traseiro, suspensão traseira independente e por um preço um pouco menor do que esse Golf 1.6 MSI.

    Eu acho que a VW errou no preço e na composição de itens nesse Golf 1.6 MSI. Se era para fazer uma versão de entrada do Golf com preço mais baixo, deveriam economizar algumas coisas de série nessa versão para baratear.

    • andre

      Onde eu assino pra te elever presidente do mundo?

  • Félix,
    o básico, de 79.990, teria a mesma avaliação. Nós mesmos, aqui no AE, já testamos muitos carros que não eram topo de linha, em alguns casos por escolha.

  • Luiz Otávio Rujner Guimarães

    Prezados Gustavo73 e CorsárioViajante, concordo com os argumentos, mas a comparação proposta foi de que o modelo, independente da “tecnologia” e das inúmeras qualidades, entrega pouco frente ao custo. Mesmo que os fans queiram exaltar as peculiaridades do modelo, poderíamos citar outros carros dessa categoria, além do Focus, dotados de monoblocos modernos e carregados de “tecnologia” como o Peugeot 308 com motor turbo 1.6 a partir de R$ 84K e o caro Hyundai i30, que na sua versão mais cara custa R$ 105K, mas vem mais recheado e com mais motor que o VW, porém gosto é gosto. O título da matéria, a propósito, foi bastante coerente, aliás, a VW tem além do polêmico Golf 1.6, um irmão menor, o Fox Track 1.0, que em sua versão completa sai por R$ 54K, com motor aspirado. Vale?

    • Gustavo73

      O Golf 1.6 parte de 75mil, qual é o preço e equipamentos dos concorrentes nessa faixa? Não imagino ninguém pagando 99 no 1.6 completo se pode levar por 97 o 1.4Tsi Automático. Assim como não vejo ninguém pagando o preço do Highline completo ao invés de levar GTi. Isso só pra ficar.no Golf. Eu prefiro o Golf de 75 doque o Focus de 76 por ter mais itens de segurança e ter o mesmo desempenho. O Focus fica mais interessante nas versões 2.0,mas veja que interessante. Focus SE plus 1.6 manual 76 mil, Focus SE plus 2.0 Powershift 83 mil. A Ford cobra 6 mil pelo seu DCT, isso é se tivéssemos ainda a opção do Powershift no 1.6 ele custaria 82 ou se tivéssemos o 2.0 manual 77. Então, o 1.6 está caro ou o 2.0 está barato? .Imaginar que só existe a versão mais cara de um modelo e só usá-la nos comparativos de preço é que me chama a atenção.

      • Luiz Otávio Rujner Guimarães

        Com relação ao Focus, os preços realmente são contraditórios. É isso aí. Abraços.

      • CorsarioViajante

        É isso aí. Mas faltou muito uma “ponte” entre o Golf 1.6 e o 1.4 TSI

  • CorsarioViajante

    É verdade!

  • Caco,
    de modo algum, o vidgal não sabe o que está dizendo. O efeito de acelerar ao máximo para ultrapassar com câmbio automático ou robotizado é exatamente o mesmo, tanto faz câmbio do tipo usado no Golf 1,6 MSI, quanto o do 1,4 TSI. Apenas este último, por ter motor mais potente, acelera mais rápido, mas nem por isso é mais seguro. A segurança numa ultrapassagem depende exclusivamente do julgamento das distâncias envolvidas pelo motorista levando em consideração a capacidade de aceleração do veículo que está dirigindo. Se o cálculo dessa distância for errado, o risco de colisão é o mesmo para um Porsche 911 Turbo e para um carro com motor de 1 litro. Acho engraçado e curiosa essa malhação do desempenho desse Golf 1,6, que acelera e anda mais que o Passat TS, carro que todos elogiavam pelo desempenho.

  • Gustavo73,
    não existe o 2,0 TSI? Se a VW queria ficar no 1,4 é porque ela quis, dentro do programa de produtos dela. Se ela quiser faz um 1.5, 1.6, 1.7, 1,8, 1,9.

  • Vidgal,
    os tempos mudam, mas o tempo e as grandezas são eternos. A referência com com o Passat TS valerá sempre, mesmo que isso seja uma verdade dura. A sua predição de desempenho em serra e com carro carregado carece de todo fundamento. Acho que sei avaliar um carro.

  • Zoran Borut,
    você está completamente enganado no seu raciocínio, desculpe. Está acompanhado o rebanho. Dirija o carro, depois analise-o.

  • Cadu

    Bom, eu tenho um DSG e ela é tão suave quanto qualquer automático
    E mais ágil e econômico
    Quando andar num entenderá!

  • Thiago Amador,
    não pegamos leve demais. Sabe por quê? Porque entendemos do assunto e temos elevado nível de direção, só isso. Nossa visão não é de jornalista-sensacionalista-pseudoentendedor que, entre outros vícios, vive enfiando o dedo no painel para ver se é duro ou macio ou se encontra alguma rebarba. Sugiro que você pare de agir como mais um “testador de internet” e dirija o carro para depois dizer o que achou.

  • Piero Lourenço,
    supor é errado. Recomendo que dirija o carro e analise a dotação de equipamentos.

  • Quando se tem um carro com desempenho fraco essa é a única opção. Isso não é defeito do carro, é a condição dele, sabida na hora da compra. Um bom motorista deve obrigatoriamente conhecer os limites de seu carro e respeitá-los. Quem compra um carro como esse citado deve ter suas razões. Nem com um carro potente eu recomendaria alguém ultrapassar uma carreta a 140 km/h. Seria uma insanidade.

  • FocusMan,
    pode ser que a VW tenha considerado que para o Golf de entrada um motor de aspiração atmosférica seja mais atraente para os mais conservadores, como você disse, bem como para o mercado de locação de veículos. Se dependesse de minha decisão eu teria feito o que a VW fez. Ficaria com o “seis”, não com o “meia-dúzia”. As pessoas, de uma maneira geral, parecem esquecer que o 1,6 MSI é motor novo, família EA-211, e tentam denegrir a imagem dessa versão por meio de jogo (sujo) de palavras como “Golf com motor de Fox”. A esses a concorrência agradece.

  • Battousayx,
    quanta bobagem…parece-se com o seu comentário que foi barrado. Para de bater nessa tecla, mude para outra!

    • Battousayx

      Bob, fique com sua opinião que eu fico com a minha, assim os 2 vencem ok?
      Abraço.

  • Daniel S. de Araujo

    Uma pena que a maioria dos comentários sobre o Golf 1,6L MSI carecem dos mais básicos fundamentos! Comentários, em sua grande maioria, pobres de fundamento, pobres de conhecimento técnico e de análise critica.

    -> O Golf MSI tem relação peso/potência mais favorável que o antigo Golf Mk4,5 com EA111 de 104cv. Afinal a diferença de peso entre eles não chega a 50kg
    -> Golf com motor de Fox é risivel. O EA211 é um belo motor, e nada mais natural que uma familia de carros empregue o “motor de Fox”. Aliás é tão ridiculo esse termo, análogo a falar “Bravo com motor de Strada” ou “Focus com motor de New Fiesta”.
    -> Eixo de torção é um conjunto leve, compacto e simples. Dizer que houve retrocesso ou atirar pedras nesta opção mecânica é desconhecer totalmente automóvel. Belissimos automóveis empregam com sucesso o eixo de torção, alguns até maiores (como o Corolla e o HR-V) e tem comportamento irrepreeensível.
    -> Transmissão epiciclica AISIN é um espetáculo em termos de desempenho, com bloqueio do conversor a partir da 2º marcha. Eu acho mais desejavel que as DCT´s/DSG.
    -> Preço: É um assunto que eu não discuto. Quem decide preço é o departamento de Marketing de um fabricante. Ao consumidor cabe comprar ou não comprar.

  • Cadu

    Nunca notei aspereza, nem trancos. Pra mim é absolutamente igual a um epicíclico no modo drive.

  • Rodrigo,
    isso com 101/104 cv e 15,4/15,6 m·kgf…

    • Rodrigo

      Bob,

      Não necessariamente. Na Europa o Golf 1.0 TSI BlueMotion rende 115 cv e 20,5 kgfm com gasolina. Levando em conta que aqui temos esse motor flex e o cofre do motor maior (maior fluxo de admissão), não seria difícil para a VW deixá-lo com 116 cv na nossa gasolina e 120 cv com etanol ou até mais. Potência similar a do motor MSI mas com torque bastante superior.
      E sabemos que boa parte do prazer ao dirigir vem de bom torque em baixa, para dirigir na cidade (que me parece ser o foco dessa versão) seria o bicho!

      Parece-me que a Ford está indo por esse caminho e em breve equipará seus modelos com o consagrado 1,.0 EcoBoost no Brasil. Fiesta e EcoSport devem estrear o novo motor, mas há fortes chances dele entrar também no Focus, no lugar do 1,6 Sigma.

      Abs.,

      • Rodrigo,
        se você ainda não teve oportunidade de experimentar o motor EA-211 1,6, em qualquer modelo, faça-o, e verá como é elástico.

        • Daniel S. de Araujo

          Verdade! É um belissimo motor. Boa potência disponivel em baixas rotações e ao mesmo tempo cresce até as 5750 rpm sem ficar amarrado ou com a sensação de estar forçando.

  • CorsarioViajante

    VWB é assim mesmo, ótimos produtos, péssimo atendimento.

  • CorsarioViajante

    Ninguém vai reclamar porque ninguém espera muita coisa de um Chevy Cruze…. rs

  • CorsarioViajante

    Sua interpretação está redondamente errada.

  • José Cristófalo,
    o Golf GTI turbo de 2007 tinha no desempenho seu ponto fraco por acaso? E você pode explicar em que o comportamento do Honda HR-V deixa a desejar?

  • Roberto Alvarenga,
    o Golf Comforllne anterior não era melhor, era mais rápido.

  • R/T,
    Estamos para pegar o 1,6 MSI manual. Sobre a pergunta, a resposta é custo.

    • R/T

      Hrato pela resposta, no aguardo do teste.

      Será interessante, minha curiosidade sobre este 1,6 é gigante, pois com o 1.4 Turbo já tenho experiência, mexicano e alemão, hatch e station, são brilhantes, definem o que é um carro-referência na categoria, principalmente o manual. Com gasolina boa, é perfeito.

      Se não conseguir um dos 1.4 Turbo “originais” que ainda restam em estoque, minha idea é de adquirir um destes 1,6 nacionais, do catálogo mais básico, mais puro possível, por isso a ansiedade por este teste.

  • Gustavo73,
    que coisa maravilhosa, fantástica, o Focus 2016 poder vir com bolsa inflável de cortina….

  • Roberto, Não existe e não existiria mais 1,4 TSI por 75.000 após a atualização de preços em virtude da alta do dólar e inflação. O preço do 1,4 importado era insustentável e com certeza seria atualizado para um preço acima do nacional. Por circunstâncias a VW foi infeliz de juntar uma atualização de preços com o ajuste de produto deixando assim uma situação difícil de ser entendida quando se olha produto antigo a preço antigo com produto novo a preço novo. Talvez agora você possa entender. Ou continuar insistindo em comparar o que existe com o que não existe mais.

    • R/T

      Antes da passagem do ano ainda se encontravam unidades 15/15 por 75 k do Comfortline com pack Elegance ou Highline manual básico, catálogo de entrada. Quem comprou garantiu um excelente negócio, estou acostumado a andar num deles constantemente e é sem duvidas o melhor hatch médio hoje no mercado, irrepreensível

      A ver se os 1.4 Turbo Flex não vão sofrer da “sina” que ataca todo motor “convertido” como rolou em 2006 com os 1.6 16V PSA, em 2007 com os 1.8 16V Honda, e outros tantos, que ficaram mais lentos e passaram a beber mais …

      Que a VW tenha feito um bom trabalho de engenharia e adequação, pois a gente sabe que estes 1,4 Turbo em sua formação original são brilhantes, este que uso, as vezes faz 16,5 a 120 km/h e a station de um amigo também, consome a mesma coisa

  • Wesley

    Tenho um Comfortline 2015 com DSG e nunca ouvi tal barulho ( já o tenho há cerca de 2 anos). Não são todos os DSG que têm tal barulho.

  • Vidgal,
    Você fala como se o AE tivesse dito que 1.6 MSI anda igual ao 1.4 TSI e acha que está descobrindo a pólvora com a sua “revelação”…

  • Vidgal,
    muito…. lamentável.

  • Roberto, a crise se agravou ao longo do ano e os preços foram represados até o seu limite. Golf 1,4 a esse preço apenas com descontos pesados, chamados incentivos de vendas, da VW e da rede de concessionários.

  • Roberto Alvarenga,
    não tem nada de desonesto em atribuir à presidente oo caos econômico em formação. Mesma escola dos imbecis Hugo Chávez e Nícolas Maduro, da Venezuela.

  • José Cristófalo,
    você e outros estão choramingando sem motivo em relação ao Comforline e Highline não terem mais suspensão traseira multibraço. O próprio 1,0 TSI BlueMotion em eixo de torção atrás. Parem com essa bobagem!

    • José Cristófalo

      Ninguém choramingaria se custasse o esperado, não passando da cifra dos 60 mil para a versão 1.6 e mantendo a TSI entre 70 e 80 mil.

      Na verdade acho muita choramingação por um erro básico não dos comentaristas mas sim da Volkswagen.

      Os dispostos a pagar qualquer preço por um carro estão ficando cada vez mais raros com o fim do crédito.

  • José Cristófalo,
    isso é tão infantilmente simples de resolver! Achou caro? Não compre! Ninguém é obrigado a comprar coisa alguma.

    • José Cristófalo

      Sr. Bob, claro. Por 50 mil esse seria meu carro, com o câmbio de 5 marchas mesmo. Por 72 continuará no pátio da VW. É o que o mercado também fará.

      Cumprimentos.

  • Mineirim,
    estamos procurando uma maneira de corrigir isso, mas está difícil.

  • Andre Mondino

    Se esse Golf 1,6 MSI tivesse sido batizado de Trendline e a VW tivesse mantido o motor 1,4 TSI no Comfortline, boa parte de toda essa indignação das pessoas não existiria. Na minha opinião, uma suposta versão Trendline um pouco menos equipada, com menos pacotes caros de opcionais teria sido uma opção válida.

  • Gustavo73,
    é o que digo há décadas, o Brasil tem uma maldição energética. É rolo atrás de rolo desde que me entendo por gente.

  • Daniel S. de Araujo

    Depois desse comentário tosco me nego a responder e argumentar. É a fábula do pombo enxadristra

    • José Cristófalo

      Não é o comentário a ser tosco. São os adjetivos exagerados. Qualquer veículo ser adjetivado de irrepreensível, ainda com destaque aos que passam longe disso, mostra uma vontade mais de defender o indefensável que falar sobre automóveis.

  • José Cristófalo

    Fiesta é outro carro extremamente caro. Uma queda de 30% em impostos com certeza cobre custos maiores, como no caso da mudança de Alemanha para México.

    E a nacionalização cobriria a maior parte do aumento do dólar. É compreensível a VW ter que ter uma versão de entrada, além de ter que aumentar preços. Tudo está mais caro.

    Porém 50% frente a todas as reduções de custo que teve por país de origem, suspensão e itens de série é exagerado. Especialmente porque a versão de entrada não diminuiu nada o preço.

    O Série 1 sofreu o mesmo aumento da ordem de 50%, mas continua vindo da Alemanha e igual como sempre.

  • José Cristófalo

    Pois é, parece que passamos do céu à terra mesmo. O preço antigo era bom, o preço novo é bem ruim.

    A verdade é que o carro tinha um desconto até começar a ganhar volume de vendas. Agora que tem e que a VW quer mais vendas, voltou aos patamares tradicionais da marca.

    Que é bom ninguém duvida. Por 70 a 90 mil, no entanto, existem dezenas de bons carros.

  • Gustavo73,
    de fato álcool aí no Rio não tem sentido usar. Aliás, maldição energética brasileira nº 1 se chama álcool; a nº2, o carro flex; e a nº 3, ter sido adotado o índice antidetonante em vez octanas RON.

  • José Cristófalo

    Faça uma curva lenta com o tal “SUV” e re-avalie a classificação de irrepreensível.

    O Civic Si custava o mesmo que o GTI de 2007, sendo 10 anos mais novo e vendendo várias vezes mais. Não se justificava.

    • Davi Reis

      Lenta? Serve rápida, a 120, e com inclinação? Pois já fiz umas dessas com o HR-V… Vai sobre trilhos.

  • Cadu

    E a Suspensão multilink e o câmbio dsg, e o motor Turbo, que proporciona tanto desempenho quanto consumo contido
    Sem falar que o preço disparou APESAR dessa depenação toda!

    • Davi Reis

      Todos são aspectos de desempenho, ao meu ver. Acho que o Comfortline MSI veio com uma ótima proposta, mas acho também que a VW poderia ofercer a versão Comfortline TSI pra todos que querem o motor, mas não querem saltar pra Highline. E sobre o preço, fica muito difícil comparar com o que era praticado em outros tempos, por causa do nosso desgoverno e da disparada do dólar. Prefiro comparar com seus concorrentes, e nesse caso, essa versão está em cima do Focus, o principal concorrente (e hoje, talvez o único com bala na agulha pra peitar o Golf).

      • Cadu

        Um motor mais eficiente não significa apenas mais potência e desempenho
        É mais segurança e mais economia, nesse caso! Mais tecnologia, mais modernidade.

        De fato, há questões econômicas fortes nesses dois anos, mas o Focus não perdeu equipamentos, se formos manter a comparação sugerida

        • Davi Reis

          Tirando a turbina, cilindrada e comando variável também no escapamento, os dois motores são praticamente idênticos, inclusive no refinamento de fabricação. É uma família moderna em todas as configurações. Mais segurança, talvez, depende muito do motorista. Tenho um carro de 120 cavalos, mas não acho que um carro de 70 me deixaria mais inseguro, longe disso. As condições apenas mudam, e as exigências também. Sobre o Focus: bem, é um pouco difícil perder o que ele nunca teve. A suspensão multi-link está lá, e isso é ótimo, esse capricho agrada, mas o Golf ainda é bem mais equipado. O preço do Focus também foi reajustado, e claro que continuará sendo.

          • Cadu

            Davi, tirando a turbina, cilindrada, o comando variável no escapamento, o cãmbio dsg te sobra um aspirado como outro qualquer hoje em dia. Sem nenhuma novidade. Com taxa dinâmica baixa, gereciamento de injeção mais simples, com miolo mais pesado em metais menos nobres. Um popular 1.6 hoje tem arquitetura básica igual.
            E sinceramente, conceder exceções como as que você fez é conformismo, pra dizer o mínimo.

            Um médio é um carro mais familiar, mais caro, que deveria ter mais refinamento tecnológico (é o que se espera) com maior capacidade de carga e potencial para viajar mais confortavelmente. Viajar num carro desse porte com um motor menor é nitidamente mais inseguro ou mais monótono, depende de como você dirige. De qualquer forma será menos por mai$

            A comparação com o Ford, obviamente, não foi com “o que ele nunca teve”, mas com não ter perdido as qualidades que o fazem rivalizar com os médios do mesmo segmento. O problema do Golf foi exatamente perder o que ele tinha de melhor!

          • Cadu,
            exagero total o que você está dizendo. Está dando uma de maria-vai-com-as-outras. Só. Dirija o carro.

  • é proíbido pela minha inteligência pagar 74 mil nesse Foxzão. melhor pegar um fox highline que é mais barato.

    • Guedes,
      perfeito, mas assim você não terá o Golf,, vai andar de Fox. Muito esperto…

      • Entendo Bob, mas continuo não achando uma boa compra. Vamos ver o que as vendas irão dizer.

    • Davi Reis

      O que esse carro tem de Fox além do motor? Eu tenho um Fox Highline e te garanto que nada, nada mesmo além disso.

  • vidgal

    Bob, eu queria saber tecnicamente o porquê desse bloqueio na elevação do giro:
    Se você reparar no vídeo, a rotação da uma ”segurada” em 4000rpm quando entra a 3ª marcha.
    Eu tenho reparado isso em todos os teste de aceleração com esse 1.6 MSI aut.
    Teria um jeito de evitar?

    • vidgal,
      é apenas o conversor de torque bloqueando, problema nenhum. O giro cai esse tanto mesmo. Aliás, você comentou antes que Paulo colocou a alavanca no no modo S (ou manual, não lembro agora), mas não faz nenhum diferença na aceleração máxima, a marcha superior é passada quando o motor chega a 6.250 rpm.

      • vidgal

        Entendi Bob!
        Eu fiquei cismado, porque eu só senti essa ”grudada” no giro na passagem da 3ª marcha acelerando forte, como se estivesse fazendo uma medição do tempo no 0 a100.
        Quando eu fiz um curto teste drive nesse Golf, eu senti isso, mas achei que fosse daquela unidade, pois o camarada da concessionária que foi comigo, não tinha uma explicação para o fato.
        Depois de analisar vários vídeos de aceleração do Golf 1.6 MSI, reparei que era uma característica comum a todos.

  • Cadu

    Davi, você argumenta tomando o discurso por partes
    Não foi só a suspensão multibraço. Não foi só o motor TSI. Não foi só o autohold e o freio elétricos. Não foi só o câmbio tiptronic. Não foi apenas o aumento de preço surreal, acima da inflação…
    Entende? Foi toda a conjuntura.

    • Cadu,
      é, parece que o Golf nessa configuração não presta…Acorde, Cadu.

  • Cadu,
    e nem é obrigado a comprá-lo….O Golf nacional mudou, claro, mas não piorou, continua a ser um Golf verdadeiro. Há determinados tipos de clientes que preferem essa configuração e a VW nada mais fez que atendê-los. De novo, você fala como se o carro tivesse ficado horroroso.

  • Filipo,
    biela de 140 mm, r/l 0,31.

    • Filipo

      Muitíssimo agradecido!
      Abraço.

  • Silvio Filho

    Concordo com o colega. Minha esposa teimou que queria um Honda HR-V. Fiz o test-drive com ela. Achei o carro horrível. Dirigibilidade péssima, motor subdimensionado. A suspensão é claramente inadequada, traseira pula muito e é bem ruim de curvas. Motor fraco, carro lento. Para fazer ultrapassagens ou pegar rampas de acesso em estradas, era um “Deus-nos-acuda”. Imaginei com o carro cheio de malas. Acabei desistindo da compra e adiando a troca. No começo desse ano, acabei comprando um Audi Q3 1.4 Turbo TFSI para ela. Nem preciso dizer o quanto me agradece todos os dias! Não dá nem para comparar. Eu, como ex-dono de Golf GTI (180 cv), depois um Jetta TSI e agora um Audi A3 Sportback, sei bem o quanto são diferentes um HR-V e um Q3.

  • Luís Felipe Carreira,
    nem todos os epicíclicos, poucos até. Um que me lembro foi o do BMW Gran Coupé, câmbio ZF. Tanto o a diesel quanto o a gasolina.

  • Davi Reis

    São muitos carros. O Golf manual, pelo preço de tabela, custa cerca de 76 mil, é uma faixa onde médios de versões diferentes se misturam bastante. Mas sei que existe Focus e 308 com essa motorização, não me recordo de quais outros.

  • Danilo, há dois tipos de comprador de automóvel, o que compra pelo preço e o que o faz pelo veículo em si. Simples.

  • Carlinho Caixeta

    Oi Jr, gostando muito. Carro extremamente seguro e com ótimo desempenho. Não tem nada de manco , anda muito bem. Confirmo tudo que o AE citou. Econômico e acabamento diferenciado. Nenhum ponto negativo.

  • Fernando Santos

    E com relação ao consumo, tás conseguindo quanto?
    Agradeço desde já pela resposta.

  • Fernando Santos

    Obrigado! Aqui perto tem uma concessionária vendendo um automático com pacote Elegance por 74.500. Estou bem tentado. São 12.000 de desconto.

  • Marcelo Martins

    Comprei um básico, Comfortline, ótimo carro, excelente segurança, motor na medida para quem anda dentro dos limites, extremamente econômico.

  • Marcelo Martins

    Biturbo, boa noite,
    $71.500, metálico, câmbio manual, modelo 2016.
    Ótimo carro, muito satisfeito, ótima dirigibilidade.
    Na estrada, andando tranquilo faz mais de 17 por litro; a média desde que peguei é 14,8 km/l
    Se tiver alguma outra dúvida, mande.