Competição no mercado de automóveis novos lista marcas a fazer fusão, acordos, ou ser assimiladas, ou desaparecer. Daí ser surpresa, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, sem tradição no ramo, surgir novos fábrica e projeto.

Não é montadora de veículos ocidentais, mas pioneira fábrica com projeto, construção, e aplicação adequada às demandas e exigências de selecionado público local. Produção quase completa, do desenho à construção de partes, estrutura e carroceria. Surpresa e incoerência? Nada surpreende por aqueles lados, de vontades turbinadas por petrodólares — apesar da queda do valor do óleo.

Não se imagine um buggy árabe, mas muito mais, um veículo dimensionado aos esforços para tipo competições em circuito de areia, às exigências de desgaste físico dos pilotos, e a capacidade de ser utilizado fora de circuitos. Daí o poderoso ar-condicionado, e o projeto na linha de encontro entre o conforto e o uso em corridas. A Zarooq Motors o descreve com humor: desenho com toque italiano; construção com toque alemão; mecânica com toque dos EUA.

Construção pela Campos Racing, que já andou pela Fórmula 1, com enorme conhecimento sobre carros de corridas, e pretensões dubaianas: marca perene, sinônimo de todo terreno, performance em competição. Projeto comercial se assenta em duas bases sólidas: um circuito oficial para corridas em areia, para competições e para turistas interessados em alugar o Zarooq e rodar. É o Dubai Off-Road Racing Track, circuito em areia. Nele, campeonato com a série inicial, para divulgar o primeiro automóvel projetado e construído nos Emirados Árabes Unidos, e após fazer versão a uso quase normal, misto em habilidades para andar no deserto e fora dele. Ao momento divulga o caderno de exigências do projeto para filtrar fornecedores. Não deve ser barato, nem de produção intensiva.

Como é

Aparência intimidante por Anthony Jannarelly, desenvolvedor para a Lykan e para a W Motors. Chassis pronto com motor colocado, moldes de carroceria em usinagem, apresentação por protótipos operacionais ao final de fevereiro 2016. Previsão anterior era janeiro.

Comprimento 4.200 mm; largura 2.084 mm; entreeixos 2.820mm, bitolas 2.160/2.100 mm; ângulo de entrada 45º; saída 53º; altura livre 315 mm; peso 1.000~1.050 kg; velocidade final 200 km/h.

Mais

Motor 3.498 cm³; V6, entre 400 e 500 cv; entreeixos traseiro; chassi em tubos de aço S355; suspensão off- road; rodas, pneus, amortecedores, de competição. Preço não divulgado. Mais? Mídias sociais #zarooq #sandracer #?????

Zarooq, aos não iniciados, é a mais rápida das serpentes do deserto.

Algumas coisas a mais sobre o Fiat Toro

Ao lançar o picape Toro, Fiat quer ampliar seu portfólio, vendas e participação no mercado. Corre para revigorar produtos atuais, desenvolver versões, e criar novos, arrostando a difícil missão de manter a liderança de vendas, onde está há 13 anos.

O Toro é o primeiro desdobramento Fiat da plataforma Small Wide, criada para nova geração de produtos, iniciada pelo bem-sucedido Jeep Renegade. Ainda no primeiro semestre, o ora dito Mobi, carro de entrada, substituto do Mille. Logo após, próximo produto Jeep, sintetizando as atuais linhas Compass e Patriot.

O Toro fará parte do novo segmento inaugurado pela Renault com o Duster Oroch, mediando entre os picapes pequenos, como o líder Fiat Strada, e o degrau superior, dos picapes grandes, para onde migraram Chevrolet S10, Toyota Hilux, Mitsubishi L200, Ford Ranger …

Além da posição mercadológica, o Toro é diferenciado pelas linhas, pela preocupação aerodinâmica, pela composição plástica mais próxima de automóveis que de caminhões.

Mais

Coluna obteve com fonte da FCA dados adicionais. Em comparação ao Oroch, com motorizações 1,6 e 2,0, caixa manual de 5 e 6 marchas, o leque de versões tem mais amplitude em motores, transmissões, tração e decoração.

Novidade maior é aplicar motor não disponível no Renegade vendido no mercado nacional — ele também é produzido em Melfi, Itália, e dali exportado ao mundo. É o engenho de quatro cilindros, 2,4 litros, 190 cv — o utilizado no Freemont com câmbio automático de seis marchas. Outros grupos de motor-transmissão serão os já conhecidos no Renegade: diesel, 2,0 e 170 cv com câmbio de nove marchas; flex 1,8, 139 cv, e câmbio Dualogic, robotizado, seis marchas. Tração nas 4 rodas e marcha reduzida, opção nos diesel.

 

Foto Legenda 02 coluna 0316 - Fiat Toro  ZAROOQ, NASCE O PRIMEIRO CARRO ÁRABE Foto Legenda 02 coluna 0316 Fiat Toro

Fiat Toro

No resto se equivalem, apesar do comprimento, quase 4,90 m, da maior altura do solo, 21 cm nos flex e 22 cm nos Diesel. Carga útil, respectivos 650 kg e 1.000 kg. 

Quanto?

 Versão Motor       Transmissão   Preço  R$ 
Freedom1,8Dualogic 5 marchas75.000
Opening Edition1,8                 “81.000
Diesel 4×22,0Manual, 6 marchas91.000
Diesel 4×42,0                 “99.000
Volcano Diesel2,0Automática 9 marchas113.000*

* Volcano Diesel com tratamento de automóvel, pintura perolizada, rodas em liga leve, revestimento em couro. Marco no Toro, a tampa traseira da caçamba é bipartida verticalmente e permite um acessório Mopar para estendê-la.

 

Com tecnologia Mercedes empacota novo Classe E

Mostrado no Salão de Detroit, ora em curso, o novo Mercedes Classe E, mais rentável série da marca, é maior, conceitos estéticos vistos nos Classes C e S, muita tecnologia.

Produto não decepcionou: maior ante versão anterior, com ditames aerodinâmicos mandando esticar o capô, inclinar o para brisas e recuar o teto,

Obteve Cx 0,23, medida de resistência ao ar, marca excelente para sedã.

Além da sugestão de dinamismo, a 10ª. geração novo Classe E vem empacotada por tecnologia com foco preciso: manter clientes e atrair outros tentados por Audi A6 e BMW Série 5, líderes de vendas. Ao novo Classe E aplicam o carimbo de Semiautônomo por conta do pacote de auxílios eletrônicos como o Assistente de Mudança de Faixa — dois segundos após o motorista acionar a seta, um conjunto de radar e câmera movem a direção se a faixa estiver desocupada; Piloto Remoto de Estacionamento — pelo celular faz o Classe E entrar e sair de garagens e vagas. Foi truque em BMW num filme da série 007 e ano passado agregado à Série 7 da marca concorrente; V2X — por celular troca informações com outros carros rodando à frente, podendo receber informações da estrada, de pistas geladas a carros enguiçados no acostamento.

No interior maior espaço, em especial para o banco traseiro, o conceito de Inteligência Aerodinâmica inclui duas telas — uma à frente do motorista, substituindo os instrumentos e outra ao centro do painel, 20 cm, botões sensíveis a toque no volante.

Motorização a gasolina conhecido motor L-4, 184 cv e 30,6 m·kgf de torque.

Versão híbrida com potência combinada de 280 cv, câmbio 9G Tronic – automático de 9 marchas. Novo diesel 2,0 não virá ao Brasil. Aqui à venda fim do 1º. semestre.

 

Foto Legenda 03 coluna 0316 - Mercedes Classe E 2016  ZAROOQ, NASCE O PRIMEIRO CARRO ÁRABE Foto Legenda 03 coluna 0316 Mercedes Classe E 2016

Mercedes Classe E 2016, aerodinâmica e confortos eletrônicos; presidente-executivo da Daimler AG, Dieter Zetsche, apresentou-o

 

 Na Bahia, novo autódromo

Leitores da Coluna sabiam das ações da jornalista Selma Moraes, presidente da Federação de Automobilismo da Bahia, para implantar um autódromo em seu estado. Município de São Francisco do Conde, a pouca distância de Salvador e acesso por terra, mar e ar, bancou o investimento com vistas a se tornar base para o aproveitamento do potencial econômico gerado pela atividade das corridas. Prefeito Evandro Almeida mostrou visão pouco usual.

O Autódromo Internacional da Bahia foi inaugurado passado fim de semana, com provas de sua especialidade: corridas em pista de terra, com 1.700m de extensão, 14 m de largura e de motocross. A área total de 850.000 m² permite muita expansão.

Próximos passos, construção de pistas de kart, de asfalto. Vitória da visão, garra e determinação da jornalista Moraes, exemplo a ser seguido.

 

corridabahia  ZAROOQ, NASCE O PRIMEIRO CARRO ÁRABE corridabahia

Autódromo na Bahia começa com circuito de terra

 

RODA-A-RODA

Nada a ver – Apesar de pequena queda de vendas, causada pelo Dieselgate, a questão das emissões superiores às normas dos EUA, outras empresas VW cresceram: Porsche vendeu 225 mil unidades, recorde de produção, com liderança dos SUVs Macan e Cayenne. Maior mercado, China.

Mais – Em crescente ascensão Audi vendeu 1,8M, superando em 20%, 300 mil unidades os planos para 2015. Nos EUA, maior mercado, e no Brasil, dos menores, cresceu.

Mais – Audi inicia importar o A1 Sportback, 4 portas em versão mais potente: novo motor 1,8 TFSI faz 192 cv, levando-o aos 100 km/h em 6,9s, a R$ 125 mil. Opção com motor 1,4 e 125 cv por R$ 107 mil. Câmbio robotizado dupla-embreagem, com 7 marchas. Pacote é concorrente de MINI.

Questão – Coisa secular, invenções e criações são registradas para impedir cópias por concorrentes. Com o software Ford SmartDeviceLink, ocorre o contrário: a companhia incentiva concorrentes a adotá-lo. O sistema coleta, conecta e controla aplicações de SmartPhones a partir dos veículos.

Facilidades – O Smart…. é software de fonte aberta contendo a plataforma Sync@AppLink, provendo aos clientes acessar as aplicações favoritas através de comando por voz. Conceito é, quanto maior o número de usuários, mais rápido será o desenvolvimento de aplicações.

Cruze – GM argentina divulgou foto final do modelo Cruze a ser feito lá em versões hatch e sedã, e exportado ao Brasil. Linhas e motor novos, 1,4 litro + turbo = 155 cv. O Cruze é originalmente coreano, onde a GM comprou a Daewoo, e não foi feito no Brasil por conta do não entendimento com o sindicato dos metalúrgicos de São José dos Campos, SP.

Mais um – Início de fevereiro BMW apresentará ao mercado brasileiro seu modelo X1. Importado, é um SAV da base de entrada da marca.

Atraso – VW postergou a apresentação do Gol Trend. Será em março. Como a Coluna informou, ênfase em atualização de confortos de conectividade.

De novo – Enquanto não vem o modelo novo, mudança é para criar atrativos. Para marcá-lo, mudanças estéticas nos faróis, para choques, disposição no painel. Na mecânica, emprego do motor 1,0 de três cilindros.

Marco – Apesar da retração do mercado, vendas do Jeep Renegade em dezembro foram façanha: 6.976 unidades – 300 sobre o então líder Ford EcoSport, dezembro de 2012, último mês antes da indústria nacional declinar.

Veraz – À apresentação do Renegade no Salão do Automóvel, Sérgio Ferreira, diretor-geral da marca, asseverou, seria líder de mercado. Pareceu falaz, mas fechado 2015, na relação entre volume e meses de venda, lidera.

Exemplo – Allison, maior fabricante mundial de transmissões nomeou David Graziosi presidente. Exemplo para a administração brasileira com 39 ministérios e 20 mil (!) funções para assessores indicados sem maiores exigências.

Tudo eu – Grazioni acumulará com as funções de: 1 – Diretor Financeiro; 2 – Supervisor de Operações; 3 – Compras; 4 – Qualidade e Confiabilidade; 5 -Assuntos Legais/Corporativos; 6 – Comunicações/Auditoria Interna; 7 – Recursos Humanos, Informações e Serviços; além de 8 – Tesouraria.

Cafezinho e água, imagina-se, a cargo da sra. Mary Smith.

Ajuda – 3M desenvolveu nova fita crepe para os serviços em pintura de veículos. Ganhos de tecnologia em maior capacidade de contorno nas peças, isolamento nas beiradas e a vantagem de não deixar resíduos quando submetida à elevada temperatura nas oficinas com estufa para pintura.

Antigos, 2 – O Pebble Beach Concours d’Elegance, 3º. domingo de agosto, mais entojado dos encontros mundiais de automóveis antigos, aula de como fazer, em grande expansão, apesar do crescendo no preço dos ingressos.

Mais – Antes com estacionamento contido ou nas estradas em seu entorno, em Carmel, Califórnia, o desmesurado movimento de público fez utilizar os campos de golfe do hotel The Lodge, onde se abriga, e atingindo a insuportabilidade. Uma foto aérea interpretaria a massa humana como alguma passeata pró ou contra os automóveis antigos, meras manchas em seu meio.

E mais – Para frear excesso de visitantes, organizadores resolveram aumentar custo do ingresso. De US$ 100 vem galgando números e para 2016 tenta conter visitantes sem perder faturamento. Ingressos agora incluindo estacionamento no green subiram a US$ 325 — uns R$ 1.300 —, e para dar tempo a juízes e jornalistas observar os automóveis, abrirá das 10h30 às 17h00.

Clássico, já! – Melhor rótulo para distinguir um automóvel é tê-lo como Clássico. Por entendimento mundial tal classificação é restrita aos de projeto e construção superiores, melhores materiais e distinção por luxo ou performance.

Poucos – Seleção muito restrita, no Brasil, apesar da liberalidade no uso da palavra, apenas dois veículos são assim classificados: o Willys Itamaraty Executivo — a limusine —, e o Brasinca 4200GT e seu sucessor Uirapuru.

Mercedes – O último Clássico pós-guerra é o Mercedes SE, cupê ou conversível produzido do início de 1960 a 1971, motores entre L-6 2,2-litros e V-8 3,5-litros, no Brasil apelidado Charuto. Agora surgiu outro candidato: o SLS AMG. Preparação AMG, GT com portas asa de gaivota — abrindo para cima, como no inspirador 300 SL.

Mudança – Para o Brasil foram importadas umas 80 unidades entre 2010 e 2012. Com todos os ônus, incluindo o inexplicável imposto de importação a 35%, e IPI e ICMS em cascata. A primeira, em Brasília, por R$ 800 mil e os últimos exemplares a R$ 450 mil.

 

Foto Legenda 05 coluna 03169 - Mercedes SLS AMG  ZAROOQ, NASCE O PRIMEIRO CARRO ÁRABE Foto Legenda 05 coluna 03169 Mercedes SLS AMG

Mercedes SLS AMG, futuro clássico

De volta – Porém mercado alemão iniciou demandar por eles, enxergando qualidades não vistas quando disponíveis, pagando entre US$ 150 mil e US$ 180 mil, superior ao custo quando 0-km.

Negócio – Com a desvalorização do real, o valor no Brasil, US$ 110 mil por unidade usualmente pouco rodada, levou agência em São Paulo a exportar quatro exemplares e tem encomenda de 20. Comercialmente é situação insólita e em termos de antigomobilismo, o início do caminho para ser considerado Clássico.

RN

rnasser@autoentusistas.com.br
A coluna “De carro por aí” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

 

 

Sobre o Autor

Roberto Nasser
Coluna: De carro por aí

Um dos mais antigos jornalistas de veículos brasileiros, dono de uma perspicácia incomum para enveredar pelos bastidores da indústria automobilística, além de ser advogado. Uma de suas realizações mais importantes é o Museu Nacional do Automóvel, em Brasília, verdadeiro centro de cultura automobilística.

Publicações Relacionadas

  • Thiago Teixeira2

    O Oroch e o Toro inauguram esse segmento de picapes tamanho entre P e M só na configuração, de cabine dupla. O antigo Peugeot 504, de carga e a primeira Ranger importada(de 94) com caçamba em dois tamanhos disponíveis e simples ou estendida tinham tamanho similar aos dessas atuais.

  • Eduardo Mrack

    No aguardo da nova fita crepe 3M, que promete fixação sem resíduos e maior contornabilidade em superfícies curvas.

    • Leo-RJ

      Somos dois, Eduardo! Não vi nada sobre essa nova fita da 3M no respectivo site.

  • Ilbirs

    Uma notícia interessante em tempos de Dieselgate: a PSA conseguiu certificado Euro 6 para seus motores HDi. Creio eu que vá ganhar umas vendas na Europa e outros lugares, vendas que irão ajudar a melhorar o caixa do grupo ainda mais em um tempo em que outros fabricantes dizem que não vão conseguir cumprir essa norma com seus motores movidos àquele petroderivado pesado que por aqui normalmente estaria em veículos mais pesados.

    PS: é preciso fazer uma correção em relação à oferta de transmissões na Fiat Toro. O motor 1.8 vai ser conciliado a uma transmissão automática de seis marchas, a mesma do Renegade.

  • Luis Felipe Carreira

    Toro vem que vem. Parece que a FIAT colocou o dualogic de série nos etorq 1,8L para essa picape, eles devem estar mais seguros quanto à durabilidade do produto robotizado que vendem. O Linea absolute, salvo engano, sai com esse câmbio também. Melhor ainda vai ser uma opção de tamanho quase médio com motor diesel com 6MT ou 9AT e suspensão independente não encontrada nas picapes médias — só a nova Frontier, ainda por chegar, que a tem.

  • Danilo Grespan

    Tive oportunidade de entrar num SLS desses nessa semana que se passou, e o carro realmente é incrível. A posição de dirigir, se colocando quase que para trás da metade de carro, deve ser algo muito bom. Sobre o Dualogic, eu teria grande receio… espero que a Fiat tenha resolvido os problemas que teve no passado, principalmente os “delays” entre trocas que aconteciam as vezes. Imaginem isso em um carro pesado, com até 1 t de carga?