O NAIAS, Salão de Detroit, de 2016, fez marca curiosa: apesar do mercado  americano ter tido recuperação formidável — de retração absoluta em 2008 para recordes de venda em 2015 —, a mostra organizada pelos revendedores de Michigan teve ausência e falta de atrações de Bentley e Mini, marcas da Volkswagen e da BMW, e Land Rover. Dentre os maiores destaques, poucos serão importados ao mercado nacional.

Mercedes Classe E 2017 – (Foto acima) Segue a linha estética aplicada aos irmãos de linha C e S, e as novas formas e largo conteúdo eletrônico — descrito pela Coluna passada — o rotulam como semiautônomo. Mantém a motorização 2,0 turbo. No Brasil até o final do semestre. Razões diversas, gostaríamos de fazer como a Mercedes: pular e esquecer 2016.

Ford Fusion – Dificuldade para a Ford foi modificá-lo, melhorar aparência, confortos, e manter preços e liderança no segmento, onde supera Honda Accord e Toyota Camry. A versão Sport, motor L-4, 2,3 litros, 330 cv, emprega tração nas quatro rodas, caixa automática com seis marchas, suspensão continuamente monitorada para rodar confortável, controlador automático de velocidade, detector de pedestres, e ParkAssist para vagas perpendiculares. Acima, Platinum, com revestimento em couro, rodas liga-leve, 19” e grade personalizadora.

Versão híbrida desenvolveu software para melhorar eficiência. Produzido no México, é importado sem pagar impostos de importação. Primeiro semestre.

Foto Legenda 02 coluna 0416 - Ford Fusion

Ford Fusion (foto divulgação)

Lincoln Continental 2017 – Apresentado para ocupar espaço no mercado e fazer promessas em suprir a lacuna aberta pela marca ao retirar a geração anterior de produção. Foi o último Ford com chassis e tração traseira e liderava o mercado de frotas com motorista.

Novo modelo emprega motor V-6, 3 litros, dois turbos e 410 cv, inesperadas regulagens motor/transmissão/suspensão/freios para opcional condução esportiva. Tração frontal ou nas 4 rodas. Mais detalhes durante o ano, lançamento em 2017 para comemorar 100 anos da marca.

Foto Legenda 03 coluna 0416 - Lincoln Continental

Lincoln Continental (foto divulgação)

Honda Civic – Nova geração, apuro em estilo e aerodinâmica. Em importância supera simples substituição no meio do ano, pois será o primeiro produto Honda a receber novo motor, reduzido a 1,5 litro, e com turbo. Reduz peso, aumenta potência e torque, reduz consumo e emissões.

Foto Legenda 04 coluna 0416 - Honda Civic

Honda Civic (foto divulgação)

Chrysler Pacifica – Reinvenção da mini van de vida fugaz há uma década. Carro novo sobre a plataforma do sedã Chrysler 200. Mimos de uso familiar como aspirador de pó — famílias mal educadas tem grande aptidão a colecionar detritos —, e as boas ideias Chrysler para arranjo com os bancos. Primeira híbrida do setor, com dois motores elétricos. Não híbridos com motor V-6, 3,7 litros, 290 cv. Importação possível.

Foto Legenda 05 coluna 0416 - Chrysler Pacifica

Chrysler Pacifica

Chevrolet Cruze – Imagem anteriormente divulgada pela GM argentina — e exibida pela Coluna — em providências de finalização pela GM do vizinho país. Além do produto, de base e projeto coreanos, introduzirá a novidade de família de motores 1,4 litro, 16V, turbo. Virá em versões sedã e hatch.

BMW M2 – Foi mostrado em outubro e apareceu em Detroit em versão final. Ganhou trato de equipamentos como os largos pneus e adjutórios para manter no chão a carroceria pequena e leve escondendo suspensão por alumínio ultraleve, e motor L-6, 3 litros, dois turbos, produzindo 370 cv. Será importado.

Foto Legenda 06 coluna 0416 - BMW M2

BMW M2 (foto BMW)

Force 1 V-10 – Bicho novo no cenário americano de veículos esportivos, soma de competências entre Henrik Fisker,designer dos elétricos com seu nome, Ben Keating, competidor e fanático por Dodge Viper, e Robert Lutz, prolífico executivo ex-Ford, ex-Chrysler, ex-GM.

Fábrica nova, VLF Automotive, perto da Chrysler em Auburn Hills, MI, dois lugares, todo em compósito de fibra de carbono, suspensão ativa para dirigibilidade e segurança ante o motor V-10, 8,4 litros, 750 cv, o mais potente entre aspirados, rodas em liga leve, pneus Pirelli PZero, freios Brembo. 0 a 100 km/h circa 3s, velocidade final em 350 km/h.

Interior em couro e alcântara costurados à mão, e coisas curiosas como porta-garrafa de Champagne — pelo visto não será vendido no mercado escandinavo…. Produção em abril, entregas a partir de setembro. 50 unidades da série inicial, e compradores automaticamente inscritos em duas corridas anuais.

Preço? US$ 268.500. A interessados, www.vlfautomotive.com

Empresa também fará o Destino V-8.

Foto Legenda 07 coluna 0416 - force-1-v10-detroit-1

Force 1, V 10 (foto divulgação)

Depois do Dieselgate, o Renaultgate?

Você acha possível fiscais do Ibama e do Ministério do Meio Ambiente adentrar em planta da Petrobrás, mandado na mão, para aferir se produtos poluem acima da regra oficial? Nem pensar. Há anos a petroleira desrespeitou determinações, acordos, mantinha em produção o diesel S 500, veneno a nós e ao meio ambiente. Governo federal nunca se importou em fazê-la cumprir.

Entretanto na França o interesse público é superior ao poder do acionista maior. Semana passada, na França, autoridades e polícia foram a escritórios e fábricas Renault buscando algum método, sistema, peça ou aparato eletrônico para burlar o controle das emissões. Missão contra possível versão francesa do Dieselgate, invenção da Volkswagen alemã para seus motores diesel, poluindo acima das regras americanas.

Impacto grande, repercussão idem, fez cair o valor de suas ações e da concorrente PSA, e o fato de um executivo de proa ter vendido, em dezembro, 750 mil euros em ações da empresa, deixou a impressão de saber ou antever problemas e perda de valor nestes papéis.

Governo francês, maior acionista, com 20% da empresa, emitiu nota sobre o aqui apropriadamente chamado Renaultgate dizendo não ter relação com o da VW, nem se descobriram dispositivos para falsear os testes de emissões com os modernos motores 1,6 bi turbo diesel — serão aplicados pela Renault no picape Alaskan a ser feito no Brasil em 2018. Como o leitor da Coluna soube em primeira mão, é picape tripartite, agregando Nissan e Mercedes no projeto. Quando lançado, há dois anos, tal motor reduziu consumo e emissões em 25% relativamente a um motor 2,0.

Questão

Ante o Dieselgate, o governo francês implantou grupo técnico independente, a Comissão Royal, para aferir veículos e certificar operação quanto às emissões. Primeiros resultados favoráveis à Renault mas, em paralelo, a Direção Geral de Concorrência, Consumo e Controle de Fraudes, resolveu também investigar.

Marca é uma das três melhor classificadas em esforços para reduzir poluição.

Porém

Com aferição oficial Renault faz recall de 18.800 Captur — SUV médio a ser feito no Brasil —, com motor diesel de 111 cv, por conta de emissões maiores sob temperaturas fora do protocolo dos testes, e ofereceu software de atualização a 700 mil diesel em carros da marca. Tipo prevenção. Em valores perdeu 3.3B de euros – 3,6B de dólares, aproximados R$ 15B.

Outras

Ford, Mercedes e PSA também tem auditados veículos leves com motores diesel. Peugeots 208 e 508 foram testados pelo órgão francês de ecologia, atestando-os conforme regulamentos e valores. PSA emprega sistema de tratamento “BlueHDi” entre o coletor de descarga e o filtro de partículas, eliminando até 90% dos óxidos de nitrogênio, poluente dos diesel.

 

RODA-A-RODA

De volta – Picapes Jeep voltarão ao mercado. Crescendo em produção e lucros, marca, parte da FCA, fará sobre plataforma do Jeep Wrangler — como o original ao fim da década de ’40.

Aqui – No Brasil foi feito nas décadas de ’60 — montado na fábrica da Willys no mesmo Pernambuco —, e metade de ’70. Foi picape Jeep, picape Willys e F-75. Na releitura, intensivo uso de alumínio. Apresentação Salão de Detroit, 2017.

Surpresa – GM deu passo positivo em relação aos veículos elétricos. Mostrou o Bolt EV, arquitetura para uso familiar e 320 km de autonomia, grande conquista sobre um dos pontos fracos de suas tentativas.

Mais – Na confusão em que a Volkswagen se meteu com motores diesel emitindo acima das normas, já enfrenta 450 ações movida por proprietários e sem-número por entidades de governo e estado.

Em casa – Agora, escritório de advocacia anunciou reunir centenas de acionistas nos EUA e Inglaterra para acioná-la judicialmente na Alemanha sob outro aspecto. Não é perda com produto, mas compensação por queda do valor das ações, causada ante redução de vendas e lucros.

551 – FCA acelera para energizar os projetos do X1H, carrinho para ser degrau de entrada da marca, abaixo do Uno, e a projetados R$ 29 mil, e no 551, SUV para substituir atuais Compass e Patriot. Será apresentado em junho, sem nome definido. O 551, no Salão de Nova York, 3.abril.

Como é – 551 é baseado na multiajustável plataforma Small Wide, mesma de Renegade e Toro, medidas superiores em conforto, refinamento interno, em relação ao Renegade. Motores 2,4, 190 cv, a gasolina, e 2,0, 170 cv, diesel.

Mercado – Novidade na questão, Pernambuco exportará para os EUA, pois a retração local criou ociosidade industrial e ocasião para o Brasil fornecer o ainda pagão 551. Lá, em 2015, produtos a ser substituídos, venderam 250 mil unidades, capacidade da fábrica em Goiana, PE.

Negócio – BMW atualizou o sedã Série 3 produzido no Brasil, e acelerou os preços. Versão de entrada, 2,0 litro, turbo, 184 cv, subiu de R$ 140 mil para R$ 163 mil. Na sequência, 328i, mesmo motor produzindo 245 cv, a R$ 208 mil.

… II – Mercedes anuncia últimas unidades do Classe C 2015/2016, a R$ 147.900. Estoque antigo. Acabando, aumento entre 6 e 10% nos preços.

Rápida – Com a suspensão do embargo econômico ao Irã, enquanto alguns projetam eventuais negócios, alemães agem: Audi trata para ter representação no país; parte de caminhões da Daimler já assinou carta de intenções para joint venture com a Khodro Diesel e o Mammut Group.  BMW estuda.

Negócio – FedEx, poderosa de entregas rápidas, assumirá este braço da concorrente TNT. Comissão Europeia já concordou. Finalização durante o ano. E racionalização e sinergias, com óbvios cortes entre mão de obra e ativos.

Comportamento – Curioso o manifesto pró-réus por advogados criminalistas contra os processos aplicados pela Polícia Federal e sob o juiz Sérgio Moro. Vago, sem indicações precisas, deixou no ar rótulo repelido pela sociedade — bandido bom é bandido solto. Tênue linha separa o exercício de defesa ao direito dos acusados, e a defesa dos manifestamente culpados, pode empurrar tais advogados para lugar ao lado dos bandidos, como inimigos da sociedade.

Menos um – Findou-se o Autódromo Internacional de Curitiba, nas beiradas rurais de São José dos Pinhais. Expansão do município levou donos a incorporar condomínio residencial e empresarial. Circuito apenas a eventos privados.

Antigos – Para quem gosta de história bem contada e de veículos antigos, mandatório ler a de Nicolau, 88 e sua Vemaguet, 51. Aqui.

RN

[email protected]
A coluna “De carro por aí é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.


Error, group does not exist! Check your syntax! (ID: 7)
  • Mr. Car

    Eu tenho de parar com esta mania de visitar sites de carros estrangeiros. Ô frustração!!! Como diz o Ed Motta, “se eu fosse americano minha vida não seria assim”. Assim como? Andando de Logan e sonhando com um Lincoln Continental, he, he! Que “barca” maravilhosa!!!

  • VeeDub

    “modernos motores 1,6 bi turbo diesel — serão aplicados pela Renault no picape Alaskan a ser feito no Brasil em 2018.”

    Corrigindo
    A picape Alaskan será produzida na ARGENTINA e utilizará motor diesel Bi turbo de 2,3 L