A Volkswagen brasileira parece estar mesmo apostando no Jetta e acaba de revitalizar o modelo. A novidade é ter substituído o motor 2-litros de aspiração natural de 120 cv e colocado em seu lugar o bem conhecido 1,4 TSI do Golf/Golf Variant, além de acrescentar uma versão de entrada , a Trendline disponível com câmbio manual e automático epicíclico (Aisin), ambos de seis marchas. Mas a Comfortline, agora a intermediária, passa a só ter esse câmbio automático. Nada muda na topo Highline, que permanece com o 2-litros turbo de injeção direta e 211 cv e câmbio DSG de seis marchas e embreagens em banho de óleo.

Preços:

Trendline 1,4 manual de seis marchas R$ 78,230
Trendline 1,4 automático de seis marchas   R$ 83.640
Comfortline 1,4 (só automático de seis marchas) R$ 89.750
Highline 2,0 (só DSG de seis marchas) R$ 103.990

Vendas começam em fevereiro.

O sedã médio-compacto, do segmento M1 na Europa — já não tão compacto com seus 4.659 mm de comprimento e entre-eixos de 2.651 mm— começou a ser trazido do México em março de 2011.  Havia acabado de ser redesenhado (seu desenho era de 2004), trazia duas motorizações.

Uma, 2-litros turbo de injeção direta, duplo comando e 16 válvulas, 200 cv e 28,5 m·kgf, câmbio DSG 6-marchas. Outra, de mesma cilindrada, mesmos diâmetro dos cilindros e curso dos pistões, porém de aspiração natural, só um comando e duas válvulas por cilindro, de 120 cv e 18,4 m·kgf, câmbio manual de cinco marchas ou automático epicicíclico de seis.

Uma diferença importante entre os dois estava na suspensão traseira: multibraço no Highline e eixo de torção, no Comfortline. Mas em meados de 2013, como ano-modelo 2014, o Comfortline passou a multibraço atrás também. E no início de 2015 começou a produção do Jetta na Fábrica Anchieta em regime importado semidesmontado (SKD).

Esse dois ingredientes, motor de 120 cv e suspensão traseira por eixo de torção, embora não impedisse a versão de prestar um bom serviço, atendia bem a uma boa parcela de consumidores. No teste com o de câmbio manual escrevi: “Não é nenhum expoente em desempenho mas também não é lento, como mostram os números divulgados pela fábrica: 0 a 100 km/h em 10 segundos e velocidade máxima de 202 km/h, isso abastecido com álcool. É desempenho para ninguém ficar envergonhado ou se sentir inferiorizado. Nada disso.”

Mas o fato é o que mercado nunca acolheu o Comfortline. Inclusive, muitos achavam que o motor era o AP-2000 devido ao visual parecido e à cilindrada igual, com idênticos diâmetro dos cilindros e curso dos pistões, só que não era o mesmo motor “de Santana”, que era o EA-827, enquanto o do Jetta era o EA-113, de 1992 na Alemanha.

Agora com o 1,4 TSI de 150 cv (mais 10 cv que o Golf), mas com o mesmo torque de 25,5 m·kgf, o desempenho melhorou bastante. Não pela maior potência, como também pelo torque 36% maior e a uma rotação bem mais baixa, 1.500 contra a 4.000 rpm, levá-la ser produzida em nível palpável bem cedo, em giro baixo. A aceleração de 0 a 100 km/h, que era feita em 10 segundos ( com álcool), agora é em 8,6 s com gasolina; a velocidade mudou pouco, de 202 km/h para 203 km/h, embora aquela fosse com álcool no tanque (todos dados da VW).

Anda melhor que antes? Certamente. No percurso de teste oferecido pela VW ontem, da fábrica até o restaurante Frango Assado no final da rodovia Ayrton Senna, deu para perceber como acelera melhor e como nas curva de alta (sim, dá para fazer) a superioridade da suspensão traseira multibraço se manifesta. Eu tinha dois colegas comigo, o Fernando Calmon e o Eduardo Sodré, da Folha de S. Paulo, velho amigo.

O câmbio automático  é responsivo, tem modo S e troca as marchas com suavidade, Não tem aceleração interina nas reduções e passa para a marcha seguinte a 6.250rom em qualquer modo. A 125 km/h indicados o motor está a 2.100 rpm.

Torci para que chovesse, pois o carro, um Comfortline, estava com pneus Dunlop Sport Maxx, que aprecio no molhado, mas só pegamos leve e breve garoa.

Como ocorria com ouros Jettas, percebe-se ser um carro bem projetado e  construído, sem faltas nem excessos — aliás, continua faltando a faixa degradê no para-brisa. Tudo parece bem pensado, feito para bajular o motorista e os que eventualmente o acompanhem. Os bancos, o volante de direção de 370 mm de diâmetro, os materiais de maneira geral, o estofamento. A precisão da direção de assistência elétrica, o rádio que dispensa se precisar o manual para sintonizar uma emissora, os instrumento de leitura Wolfsburg ( nessa caso não precisa colocar entre aspas por motivos evidentes).

No banco traseiro as pernas ficam à vontade, quem se senta atrás em direito a usufruir do ar-condicionado. O porta-malas leva 510 litros e a carga útil chega a 585 kg.

 

As três versões

Trendline – câmbio manual ou automático epicíclico, ambos de seis marchas; traz o volante mundial da VW, bancos em tecido preto, direção com assistência elétrica, ar-condicionado automático com saída para o banco traseiro, rodas de alumínio desenho “Sedona” com pneus 205/55R16, sensores de estacionamento traseiro e dianteiro, alarme com comando remoto, volante com ajuste nos dois planos e sistema de infotenimento “Composition Touch”.

Comfortline – câmbio automático epicíclico somente; todos  os itens da Trendline mais volante revestido de couro com borboletas de câmbio, comandos do computador de bordo, de áudio e telefonia, rodas de alumínio desenho “Atlanta’ de 16”, controlador de velocidade de cruzeiro e sistema de infotenimento “Composition Media”.

Como opcionais, teto solar e o pacote Exclusive, que inclui o sistema de infotenimento “Discover Media”, acendimento de faróis ao deixar/aproximar-se do veículo,  rodas de desenho “Queensland” de 17″ com pneus 225/45R17, destravamento de portas por aproximação e acionamento do motor de partida por botão (chave presencial), e ar-condicionado de duas zonas, além de outros.

Highline – Além do motor EA-888 2-litros turbo e do câmbio DSG (0-100 km/h em 7,2 s e velocidade máxima de 241 km/h), teto solar panorâmico e os pacotes opcionais de equipamentos Executive e Premium. O Execuive inclui bancos de couro Vienna, preto ou bege, e aquecimento do dianteiros),  sensores de chuva e crepuscular, espelho interno fotocrômico, espelhos externos rebatíveis, porta-revistas nos encostos dos bancos dianteiros e o acendimento de faróis ao deixar/aproximar-se do veículo.

O pacote Premium traz todos os itens do Executive, mais o sistema de infotenimento”Discover Media” com GPS, comando de voz, destravamento de portas por aproximação e acionamento do motor de partida por botão (chave presencial), faróis bixenônio e ajuste elétrico do banco do motorista.

Os preços desses pacotes ainda não foram informados.

O Trendline e o Comfortline vêm com bolsas infláveis frontais e laterais, e o Highline com esses mais cortina. As três versões trazem dois conjuntos de engates Isofix e de retenção superior para bancos infantis

Independente da versão, o novo Jetta traz controle de estabilidade e tração permanentes, bloqueio do diferencial pelo freio (a tração é dianteira) com função de vetorização de torque , e assistente de partida em rampa e auxílio à frenagem.

Avaliações mais completas à medida que formos tendo os carros.

BS

 

FICHA TÉCNICA VW NOVO JETTA TRENDLINE 1,4 TSI
ManualAutomático
MOTOR
TipoEA211, 4 cilindros em linha, turbocompressor com interrestriador, duplo comando, correia dentada, quatro válvulas por cilindro, variador de fase na admissão e escapamento
InstalaçãoDianteiro, transversal
Material do bloco/cabeçoteAlumínio
N° de cilindros/configuração4 / em linha
Diâmetro x curso74,5 x 80 mm
Cilindrada1.395 cm³
AspiraçãoForçada por turbocompressor
Taxa de compressão10:1
Potência máxima150 cv a 5.000 rpm
Torque máximo25,5 m·kgf a 1.500 rpm
N° de válvulas por cilindro4
N° de comando de válvulas/localização2 / cabeçote
Formação de misturaInjeção direta
ALIMENTAÇÃO
CombustívelGasolina E20/27, 95 octanas RON
TRANSMISSÃO
Rodas motrizesDianteiras
CâmbioManualAutomático epicíclico
N° de marchas6 à frente e uma à ré
Relações das marchas1ª 3,778:1; 2ª 2,118:1; 3ª 1,360:1; 4ª 1,029:1; 5ª 0,857:1; 6ª 0,733:1; ré 3,600:11ª 4,409:1; 2ª 2,508:1; 3ª 1,556:1; 4ª 1,142:1; 5ª 0,851:1; 6ª 0,672:1; ré 3,185
Relações de diferencial3,647:13,233:1
FREIOS
De serviçoABS, distribuição eletrônica das forças de frenagem
DianteiroA disco ventilado de Ø 280 mm
TraseiroA disco de Ø 272 mm
SUSPENSÃO
DianteiraIndependente, McPherson, braço em L inferior, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
TraseiraIndependente, multibraço, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
DIREÇÃO
TipoPinhão e cremalheira com assistência elétrica variável Servotronic
Relação de direção14,96:1
Nº de voltas entre batentes3
Diâmetro mínimo de curva11,1 m
RODAS E PNEUS
RodasAlumínio, 6,5Jx16 (opc. 7Jx17)
Pneus205/55R16V (opc. 225/45R17)
PESOS
Em ordem de marcha1.285 kg1298 kg
CARROCERIA
TipoMonobloco em aço, sedã de 4 portas, 5 lugares, subchassi dianteiro e traseiro
DIMENSÕES EXTERNAS
Comprimento4.659 mm
Largura com/sem espelhos2,020/1.778 mm
Altura1.473 mm
Distância entre eixos2.651 mm
Bitola dianteira/traseira1.535/1.538 mm
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx)0,28
Área frontal (A)2,19 m²
Área frontal corrigida (Cx x A)0,644 m²
CAPACIDADES
Porta-malas510 litros
Tanque de combustível55 litros
DESEMPENHO
Velocidade máxima203 km/h
Aceleração 0-100 km/h8,6 s
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL INMETRO/PBEV
Cidade11,3 km/l10,4 km/l
Estrada13,9 km/l13,8 km/l
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 6ª43,3 km/h53,3 km/h
Rotação do motor a 120 km/h em 6ª2.770 rpm2.250 rpm
Rotação do motor à vel. máxima em 5ª5.500 rpm4,800 rpm

Obs: Esta ficha técnica atende também o novo Jetta Comfortline, considere apenas os dados referentes ao câmbio automático.

(Atualizado em 29/01/16 às 22h35, nova redação do primeiro parágrafo, correção de informação referente ao Comfortline)

Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas

  • TDA

    Decisão super acertada da VW em inserir esse motor no Jetta, aparentemente deu nova vida ao carro. Versões e pacotes de equipamentos sem muitas complicações para os compradores. Agora sim o Jetta me parece uma ótima opção para o segmento, apesar de eu não poder e nem precisar de um veículo desse rsrs.
    E o melhor de tudo, motor exclusivamente movido a gasolina. Como diz o Bob, “Garanta o seu antes que venha a versão flex”.

    Bob, apenas uma correção na velocidade máxima de 203km/h, está digitado 303km/h (bem que queria que fosse rsrs)

    • TDA
      obrigado pelo aviso do erro no texto, já foi corrigido.

  • Lorenzo Frigerio

    Olha o Jetta do Mr. Car aí:

  • Já acertado, obrigado.

  • Obrigado, já acertamos o texto.

  • Obrigado. Já acertamos o texto.

  • Obrigado. Já corrigimos o texto. Erro de digitação.

  • Claro que não! O dedo escorregou do dois para o três. Já acertamos.

  • Corrigido. Obrigado.

  • Obrigado. Já corrigimos o texto.

  • Ok! Obrigado. Já acertamos.

  • Isso mesmo! Obrigado.

  • Kar Yo

    Poderia ter um pacote de opcionais com todos airbags ou ser de série como no Golf.

  • Obrigado, já acertamos.

  • ochateador,
    achei pouco mesmo… (rsrs). Já foi corrigido, obrigado.

  • RMC,
    Já foi corrigido. Que mancada!

  • Thiago Gallo,
    Acredita, só? Pode ter certeza!, Obrigado, já foi corrigido. Já pensou se fosse uma revista impressa? (rsrs).

  • EJ,
    boa, essa do N2O! Faz muita falta não se poder aferir velocidade máxima, e o problema é onde fazer isso. Nos anos 1980/90 cansamos de testar velocidade máxima na Rio–Santos num retão de 5 km depois de Bertioga sentido Rio, era perfeito, nível do mar. Mas veio o progresso, a estrada virou avenida e ficou crivada de lombadas, uma pena. Depois usamos a pista circular do campo de provas da GM, em Indaiatuba, medimos muito lá, mas com superelevação de 30% na faixa externa começa a ser preciso esterçar acima de 170 kmh, daí vem o arrasto de pneus e a velocidade máxima não é a que o carro pode alcançar. Sonho mesmo é usar a pista de Nardò, na Itália, de 12 km (a da GM, 4,3 km), hoje da Porsche, ou então a de Ehra-Lessien, na Alemanha, da Volkswagen: duas retas de 10 km unidas por curvões com superelevação. Mas adianto e aos leitores que estamos nos preparando para medir -0-100 km/h e 0-400 m.

    • ochateador

      Na bandeirantes não é possível fazer algumas medições (após os pedágios ou trechos específicos) ?

    • kravmaga

      Seria bom usar uma pista de aviões. São retas por trechos longos e sem nada em volta.

  • Lesemi,
    O certo é 203 km/h, já foi corrigido. Obrigado!

  • Fabio,
    O Comfortline nunca teve câmbio de duas embreagens, sempre foi esse automático de seis marchas. Uma “pequena” embaralhada na minha cabeça em tempo de Golfs & Jettas…. Já corrigi o primeiro parágrafo, veja lá. E a velocidade máxima também. minhas desculpas pelo erro, extensivas aos leitores.

  • Alex, obrigado. Hoje tivemos problemas com a moderação e todos os comentários se acumularam. Teríamos feito a correção logo no primeiro comentário sobre a velocidade o que teria evitado todos os outros. Mas como vários leitores nos alertaram na expectativa da correção do deslize, não sabendo que outros leitores já haviam nos alertado, resolvemos liberar todos os comentários para que soubessem que recebemos e ficamos gratos pelos alertas.

  • Gustavo73,
    a mudança de torção para multibraço no Jetta pode ter ocorrido quando você diz, mas preciso confirmar. Sobre o variador de fase, essa iiformação nunca consta das fichas técnicas VW, têm que ser “arrancada a forceps” do pessoal de engenharia nos eventos, no lançamento da Golf Variant perguntei sobre isso de novo, e a resposta foi só admissão. Vou verificar também.

  • Rafael Kleber,
    Isso, como no Golf 10:1.

  • Paulo Junior,
    são duas “escolas” de câmbio automático, o robotizado de duas embreagens surgiu com a proposta de automático para trocas rápidas, conseguiu o objetivo, mas os fabricantes de automáticas epicíclicos partiram para o contra-ataque, desenvolveram os seus. Hoje, para quem dirige, exceto em situação de pista, praticamente não há diferença. O PowerShift, por exemplo, foi calibrado para o motorista americano e não tem as mesmas trocas secas dos DSG, S tronic, PDK etc. Quando a Fiat lançou o 500 mexicano para os EUA utilizou câmbio epicíclico. Aisin por questão de preferência do motorista americano. A GM está com um automático “comum” no Corvette e garante não haver diferença em tempo de troca.

  • André Mondino,
    Sim, a mesma.

  • Gustavo73,
    O Trendline também é disponível automático, mas não tem controle de cruzeiro nem como opcional, p que é lamentável dada a sua utilidade.

  • Antônio do Sul,
    permita-me, discordar.. O Corolla nada tem de insípido. Pode ser dirigido rápido como qualquer outro carro. É mais um daqueles casos de “dizem que…”

    • Antônio do Sul

      Não andei em tantos carros quanto você, Bob, mas andei em vários, de marcas diferentes, e hoje, tenho a impressão de que geralmente os Ford e os Volks têm um algo a mais que falta aos outros e que basta uma volta na quadra para se sentir. Não sei definir precisamente o que é, mas parece ser um ajuste fino diferenciado (ou o meu gosto pessoal, quem sabe) que só a engenharia dessas duas marcas têm conseguido fazer. Não é que os outros não possam ser dirigidos rapidamente, é mais uma sensação de interação carro-motorista que lhes falta. O Etios e o Punto, por exemplo, são carros que eu acho que têm isso, ainda que não pertençam àquela dupla de fabricantes, assim como o Fox, o finado Polo, o Gol e o Ka, por exemplo. Já o HB20, que conheço bem, não cogito como opção de compra. Está longe de ser ruim: anda muito bem, é estável e econômico, é assistido por um bom serviço de pós-vendas, mas gosto mais dos concorrentes que citei, que oferecem um algo a mais que não aparece nas fichas técnicas. O mesmo se dá em relação ao Corolla e aos seus concorrentes.

  • Fat Jack,
    Só o 2.0 TSI tem e continua a ter o câmbio DSG. O Comfortline sempre teve o automático epicíclico de 6 marchas. Eu é que errei no primeiro parágrafo, mas já foi corrigido.

    • Fat Jack

      Você tem razão, e eu me expressei mal, me referia ao fato do Golf quando equipado com essa motorização vem com o DSG e era esperado que ele o acompanhasse no Jetta também.

      • Daniel S. de Araujo

        O problema é que os cambios de dupla embreagem de discos secos são ruidosos em algumas situações e desagrada a muitas pessoas. Assim, os epiciclicos comuns (que em nada ficam a dever dos automatizados de dupla embreagem) acabam sendo ainda a melhor solução.

      • Gustavo73

        Nos.EUA o Jetta 1.4 usa a Tiptronic.

  • Welyton,
    o 2-litros é EA888 mesmo.

  • Welyton,
    terá também, esqueci de mencionar.

  • Rodrigo,
    Correto, o Comfortline nunca teve DSG, confundi ao escrever, mas o primeiro parágrafo já foi corrigido. Sobre o 1,4 “inflex” do Jetta, este é de plataforma diferente do Golf (PQ35 e não MQB), de modo que do ponto de vista da fábrica não é só tirar um motor e colocar outro. Esse Jetta é exatamente o que é vendido nos EUA.

  • Fabio Ueda,
    sim, estava errado no primeiro parágrafo, já foi corrigido, bem como a velocidade máxima. Obrigado.

  • Rodrigo Carvalho

    O 1.4 com correia dentada não desce! Melhor pegar o 2.0 TSI.

  • Alex Ctba

    Mr. Car, acredito que muitos que possuem esses esportivos, não tem “bolas” para “pilotar” a mais de 200 km/h, mas querem ostentar que possuem uma super máquina. Infelizmente o mundo caiu nessa mediocridade de aparências.

  • Uba,
    A informação oficial é quatro para o Trendline/Comfortline e seis, para o Highline.

  • Carlos Oliveira,
    nada de madeira ou imiitação no painel.

  • Welyton,
    EA-888 também.

  • kravmaga

    Também tenho um 2,0 TSI e hoje por acaso peguei na estrada um Golf 1,4 TSI na minha frente. Era um trecho de serra e o Golf andou muito bem. Não ultrapasse porque era trecho proibido e porque não havia necessidade. Estávamos andando bem.

  • Pero Lourenço,
    Antigo, pode ser, jurássico, não. O motor é de 1992.

  • kravmaga

    Tem certeza ? Em maio de 2015 fiz test drive em um C4L THP e me pediram 90 mil reais. Era a versão mais top e não sei se há outra mais barata hoje.

  • kravmaga

    Realmente faz falta sim, ainda mais para os “tiozao”, como eu, que não costumam dirigir de óculos escuros como a garotada.

  • kravmaga

    Fusion ?!

  • AlexandreZamariolli

    Mesmo com a nossa gasolina batizada, crismada e que fez primeira comunhão, um motor monocombustível sempre terá rendimento superior ao de outro feito para suportar a variação de octanagem de um rabo-de-galo entre 27 e 100% de álcool.

  • AlexandreZamariolli

    Falando em cores, a VW está devendo uma melhorada na paleta do Jetta. Apenas seis cores – que, na prática, acabam sendo cinco (preto liso ou perolizado, branco, prata, cinza e esse azul). O Azul Night e o Vermelho Opera cairiam muito bem nele.

  • Alexandre,
    comportamento não tem nada a ver com comportamento. É questão de estrutura do monobloso e suspensão. Plataforma é assunto interno, de produção, comunalidade etc.

  • Mauro Luiz,
    a lista de equipamentos não fala em airbag de joelhos.

  • Davi Reis e eitores,
    essa matéria foi atípica no sentido de ter sido escrita a toque de caixa, pois eu queria tê-la publicada no máximo no dia seguinte ao do lançamento, mas na manhã do dia da publicação precisei sair cedo para atender outro lançamento, o Audi Q7, fora o binômio dormir tarde-acordar cedo, terrível. Para complicar, o PK também teve que ir com AK ao Box 54 para fazer um vídeo com um clássico (surpresa, aguarde). Nesses momentos de ter de escrever rápido não pode fazer as consultas como desejável, daí a citação errada do ano de introdução da suspensão traseira multibraço, da versão Trendline e da fantástica velocidade máxima….

    • Davi Reis

      Opa, falou em clássico do Box 54, fico ansioso pra ver! Imagine Bob, deslizes acontecem. Agradeço pela atenção.

  • Daniel S. de Araujo

    E o Gol e o Fox não podem ter peças boas? O conjunto é fino, nonito e para quem gosta de ficar apertando painel, ele é emborrachado.

  • Daniel S. de Araujo

    Tá, faz diferença mas da maneira que falam parece que o Jetta com velho conhecido 2L se comporta igual os 1L da década de 1990. Não é verdade. Ele anda até muito bem e se quer saber, melhor que os 2L de 140/150cv com câmbio automático de 4 velocidades onde em 4 o carro não embala e em terceira, o motor dá giro demais e não deslancha.

  • Daniel S. de Araujo

    Bom, se o Corolla é insípido como explicar o sucesso do carro? De algumas pessoas terem 2, 3 Corollas seguidos (conheco um cara que teve 7)?

    • Antônio do Sul

      Para o gosto da maioria, pode ser muito bom, e realmente creio que o seja, mas eu não o consideraria como opção de compra, o que também não desabona o carro. Questão de gosto pessoal. E nem sempre o melhor produto é o mais vendido. Você mesmo, versado no assunto, preferiu o Jetta ao Corolla. Dentro do que priorizo e das minhas necessidades, acho que existem concorrentes mais interessantes, como Focus, Jetta e também o Fluence.

  • Daniel,
    A primeira frase para mim é a Frase do Ano!

  • Fat Jack

    Eu acho é que o 2.0 não chega, o 1.4T eu não duvido nem um pouco…

  • Mauro Luz,
    de fato; já corrigi, obrigado.

  • Gustavo73
    A suspensão multibraço foi adotada com a mudança de ano-modelo 2013 para 2014 no meio do ano. E o 1,4 TSI tem, sim, variador na admissão e no escapamento, com variação contínua de 50º e 40º em relação ao virabrequim, respectivamente.

    • Gustavo73

      Obrigado pela atenção Bob.

  • Luciano Gonzalez

    Alexandre, sim tem mais rigidez e é mais leve… Mas devemos lembrar q que o acerto de suspensões é diferente, no Jetta, algo mais macio…
    Abraço!

  • edrmp

    Daniel,

    Quando teremos um “No Uso”? 😀

  • Gustavo,
    está errado, foi uma confusão minha com o Passat realmente. Agradeço o alerta, será corrigido em seguida.

  • Alexandre Augusto,
    nunca senti tranquinho algum. A caixas variam, não saberia lhe responder de pronto.

  • Peter,
    Aqui no AE preferimos bancos revestidos de tecido, mas entendemos que há quem goste de couro, seu caso. Se você faz questão desse material, não há escapatória, será necessário recorrer a um aplicador externo. Só fique atento à questão das bolsas infláveis laterais, que saem do encosto do banco e precisam de caminho livre para isso no caso de inflação.

  • Fat Jack

    Mesmo assim, o TSI chegar a 203 km/h ok, o 2.0 chegar a 202 km/h eu acho muitíssimo difícil!

  • marcio pessoa de faria neto

    É exatamente isso aí! o EA-113 é um excelente motor dentro de sua proposta, e o fato de ter sido superado tecnologicamente não o diminui. É na hora da oficina que sua vantagem sobre os mais modernos aparece para muitos!.