A Hyundai apresentou seu primeiro veículo desenvolvido com exclusividade para propulsão híbrida, o Ioniq.

Por enquanto apenas híbrido, com motor da família Kappa de 1,6 litro e motor elétrico, trabalhando com câmbio dupla-embreagem de seis marchas, posteriormente terá versão puramente elétrica. Com carroceria em aço e alumínio, segue as diretrizes básicas dos concorrentes já existentes, como Toyota Prius, Chevrolet Volt e Honda Insight, mas com novidades desenvolvidas pela Hyundai.

Inicialmente apenas para a Coreia do Sul, como é seguro proceder, mas depois para muitos outros mercados, com boa probabilidade de chegar ao Brasil.

Tudo de mais eficiente foi incluído no modelo, como sistema de ar-condicionado que consome pouca energia, pneus de baixa resistência à rolagem, e um sistema computadorizado que prevê o uso mais eficiente de energia de acordo com a rota programada no sistema de navegação e as condições de trânsito no caminha. Isso evita que as baterias percam toda a carga e o carro tenha que andar apenas com o motor a combustão. A autonomia ainda não foi divulgada.

Há vários materiais alternativos , de fonte renováveis e reciclados, além daqueles que também permitem reciclagem, sendo um exemplo os painéis de acabamento de porta, feitos em plástico reciclado, pó de madeira e pó de pedras vulcânicas, a novidade aqui. Segundo a Hyundai, o peso é 20% menor nessa peça do que uma feita em matérias-primas tradicionais.

Como não poderia deixar de ser, tem todos acessórios eletrônicos de veículos modernos, como compatibilidade com smartphones e carga indutiva sem fio para estes, funcionando nos sistemas Apple CarPlay e Android Auto. Há também aviso de saída de faixa de rolamento, frenagem autônoma de emergência e aviso de ponto cego.

A potência do Ioniq é de 104 cv no motor a combustão, subindo para 139 cv quando o elétrico funciona junto, podendo chegar a 120 km/h.

JJ