Da Automotive News Europe

O brasileiro Carlos Ghosn, presidente-executivo da Renault e da Aliança Renault-Nissan, disse que os responsáveis pelas leis de emissões precisam determinar novas regras para verificar níveis  de poluentes, após o caso dos veículos movidos a diesel da Volkswagen mostrar diferenças entre as análises de laboratório e os veículos que rodam nas ruas.

Ghosn fez essa afirmação após ser noticiado que o governo francês está investigando veículos da Renault, além de chamar a atenção para o fato de que não há normas de emissões para o mundo real, o de veículos rodando nas ruas.

O problema dos carros diesel do grupo Volkswagen, que abrange cerca de 11 milhões de unidades,  provocou inúmeras investigações sobre várias marcas, principalmente nos Estados Unidos e Europa, e  estão em curso.

Com as ações da Renault sob pressão devido aos acontecimentos, Ghosn afirmou que não há enganações e e que todas as normas estão sendo respeitadas, mesmo após o fabricante chamar 15.800 unidades do Captur para ajustes no sistema de filtragem de gases e oferecer uma melhoria em software de gerenciamento de motor em 700.000 unidades de outros modelos do grupo.

O executivo também disse que a Renault planeja uma presença muito maior no Irã, após três anos parada, agora com uma rede maior de parceiros locais, já que a empresa retorna ao país após os embargos comerciais cessarem. Foram 514 milhões de euros que afetaram negativamente os resultados do grupo.

JJ

(80 visualizações, 1 hoje)