Foi iniciada a produção do novo Focus RS na fábrica da Saarlouis, na Alemanha. É o primeiro Focus com tração nas quatro rodas, deixando de ser apenas um tração-dianteira. Desde o fim da produção do Escort RS Cosworth não havia um RS com tração integral.

O motor 2,3 EcoBoost desenvolve 350 cv, possibilitando aceleração de 0 a 100 km/h em 4,7 segundos, o mais rápido com a grife Rally Sport da Ford em todos os tempos.

O sistema de transmissão tem controles para utilizar o Drift Mode, que permite derrapagens controladas, como as que nos acostumamos a ver em vídeos de competições desse tipo, ou nas deliciosas maluquices do americano Ken Block. Tem também controle de largada, para melhor aproveitamento da potência quando se parte com aceleração total.

Culminando com o início da produção do Ford GT para o final de 2016, a Ford continuará aumentando o número de carros esportivos vendidos na Europa. Em 2015, esse segmento teve 62% de ampliação de suas vendas para a marca. Deverá terminar 2016 com 41.000 unidades nessa faixa, onde ela tem também o Fiesta ST, O Focus ST, o Mustang e o Ford GT que ainda não foi lançado, mas que correrá em junho em Le Mans.

O Focus RS gerou interesse enorme desde que a Ford o anunciou, com mais de um quarto de milhão de pessoas fazendo a configuração de um carro no site da Ford Performance, e 3.100 pedidos firmados de compra, a maioria deles de atuais proprietários de outros RS anteriores. Depois de março, o Focus RS começa a ser vendido também nos Estados Unidos.

“Este será um ano realmente memorável para os carros esportivos da Ford, com um nível de desempenho sem precedentes e tecnologias sofisticadas de motorização e chassi”, diz Joe Bakaj, vice-presidente de Desenvolvimento de Produto da Ford Europa. “

JJ



Error, group does not exist! Check your syntax! (ID: 7)

Sobre o Autor

Juvenal Jorge
Editor Associado

Juvenal Jorge, ou JJ, como é chamado, é integrante do AE desde sua criação em 2008 e em 2016 passou a ser Editor Associado. É engenheiro automobilístico formado pela FEI, com mestrado em engenharia automobilística pela USP e pós-graduação em administração de negócios pela ESAN. Atuou como engenheiro e coordenador de projetos em várias empresas multinacionais. No AE é muito conhecido pelas matérias sobre aviões, que também são sua paixão, além de testes de veículos e edição de notícias diárias.

Publicações Relacionadas

  • RoadV8Runner

    Pô, Juvenal, isso não se faz… Para um fã do modelo como eu, como é que eu fico agora sabendo que lá fora existe um Focus de 350 cv e qual faz o 0-100 km/h em ínfimos 4,7 segundos?! Rsss… Caramba, isso é aceleração de superesportivo! Eu já me contentaria com um Focus ST, câmbio manual de 6 marchas e suspensão em altura dos modelos europeus, coisa facílima da Dona Ford Brasil fazer…

  • Matheus Ulisses P.

    Assino embaixo seu comentário!

  • Daniel Pessoa

    Tenho um 2,0 manual da geração anterior, e só não penso em trocar por outro Focus mais novo por não existir a configuração citada por você.

    Acho um absurdo um carro que se vende como “para quem entende de carros”, com uma base relativamente grande de fãs, não dispor do 2,0 manual, que, acredito, teria vendas proporcionalmente razoáveis .

  • RoadV8Runner

    Esse vídeo mostra o que eu temia: o câmbio mata o carro… Me decepcionei com a velocidade máxima de 170 km/h reais, pois meu Focus 2002 1,8-litro chega a 165 km/h reais na freada da curva do lago (no S do Senna não consegui ver, pois em geral não acerto bem uma das pernas do S, aí o Tico e Teco têm muito trabalho a fazer para manter a barata na pista…) Em compensação, no tempo de volta, meu melhor tempo é 2’27”, contra os 2’13” do novo Focus.