Temporada da Stock Car termina com novo campeão e equipes se organizando para dialogar com promotor e construtor da categoria. Carlos Col foi contratado para comandar a Abesc, a Associação Brasileira das Equipes de Stock Car.

Os custos sempre crescentes de manter uma estrutura de competição são o maior problema para um chefe de equipe que quer o melhor para o seu time; igualmente, a falta de união entre os líderes da categoria de profissionais igualmente é o maior obstáculo para que todos acelerem na mesma direção e contribuam para que o circo fique mais forte e coeso. no final da temporada de 2015, uma negociação iniciada há três meses e até agora um segredo guardado quase sob sete chaves pode mudar essa situação: as 17 escuderias que compõem o grid da Stock Car contrataram ninguém menos que Carlos Col para cuidar dos seus interesses junto à Time 4 Fun — a promotora  da categoria —, e aos principais fornecedores, leia-se JL e Pirelli. Col é o principal executivo da Abesc, a Associação Brasileira das Equipes de Stock Car.

 

Carlos Col: volta a Stock Car, agora como representante das equipes (foto Carros e Corridas)

Carlos Col: volta a Stock Car, agora como representante das equipes (foto Carros e Corridas)

Col foi campeão da extinta classe B da Stock e posteriormente assumiu o papel de líder da categoria, na qual foi o agente que a consolidou como a mais importante do país. Após longos anos à frente do projeto ele decidiu reestruturar sua carreira profissional e preparou um sucessor, Maurício Slaviero, para seu lugar. “Há três anos eu vendi a Vicar para a Time 4 Fun e me afastei do negócio, mas me senti moralmente obrigado a aceitar um pedido pelos 17 chefes de equipe da Stock para desenvolver um trabalho focado na saúde e na longevidade dessas equipes, algo muito importante em épocas como a de hoje”, explica o líder da Abesc com seu conhecido falar pausado e a famosa voz grave.

 

Mesma direção: todos os chefes de equipes foram buscar Col (foto T4F/Fabio Davini)

Mesma direção: todos os chefes de equipes foram buscar Col (foto T4F/Fabio Davini)

A negociação começou em meados de setembro e o acordo foi firmado um mês depois, decisão que trouxe benefícios imediatos para o belo trabalho do Instituto Ingo Hoffmann: os honorários que seriam pagos a Col são creditados diretamente na conta dessa entidade, que dá apoio a famílias cujos filhos pequenos vão fazer tratamento de câncer em Campinas.

Se isso aumenta o conforto de gente que passa por dificuldades e precisa de apoio, o trabalho de Col causou um impacto inverso junto à Time 4 Fun e aos principais fornecedores da categoria. “Algo normal quando se mexe na zona de conforto das pessoas”, explica o empresário que hoje tem negócios nos ramos imobiliários e da construção civil. Há indícios de que as primeiras reuniões com os dois outros pilares da categoria — promotor e fornecedores —, foram tensas. Col comenta que “isso era esperado, pois ninguém estava a par dos nossos propósitos e da nossa disposição de somar. Mas consegui fazê-los ver que miro na saúde da categoria e com isso essa resistência foi vencida.”

 

andreas

Andreas Mattheis: a idéia é somar e não combater (foto T4F/Fabio Davini)

Andreas Mattheis, um dos líderes para a criação da Abesc e do movimento pela contratação de Col explica que “a nossa ideia é somar, não combater, queremos trabalhar ao lado e proativamente com o sistema”. O ex-piloto e líder de algumas das principais equipes da Stock Car descarta também que as equipes estariam visando assumir o controle da categoria em função de suposto interesse da Time 4 Fun em encerrar seu departamento voltado para o automobilismo.

Col endossa as palavras de Mattheis e diz não ter “informação ou indícios de que possa haver essa descontinuidade, portanto considero essa chance remota.” O que não é remoto é o seu trabalho: ontem (segunda, 14), ele passou o dia em São Paulo conversando com os chefes de equipe e patrocinadores explicando alguns pontos do seu plano de trabalho que será focado em duas áreas: a relação custo-benefício entre as equipes e os fornecedores e a reestruturação tributária entre patrocinadores e escuderias. Além disso, ele quer fazer um trabalho de fidelização entre equipes e patrocinadores. “Chega de ficar só reclamando, quem sabe possamos trabalhar juntos e somar”.

 

Marcos Gomes campeão

 

Marcos Gomes: 30 anos, 8 temporadas, primeiro título e muita emoção (Foto T4F/Fernanda Freixos)

Marcos Gomes: 30 anos, 8 temporadas, primeiro título e muita emoção (Foto T4F/Fernanda Freixos)

Mesmo sem marcar pontos na última etapa, disputada domingo, em Interlagos, o paulista de Ribeirão Preto Marcos Gomes garantiu o título de campeão da Stock Car em 2015. O vencedor da prova foi o sorocabano Átila Abreu, que se despediu com autoridade de sua equipe atual, a Mobil: no ano que vem ele substituirá o paraibano Valdeno Brito e fará dupla com Ricardo Zonta (PR) na equipe Shell, uma das três comandadas por Andreas Mattheis. O calendário de 2016 terá novamente 16 etapas, a primeira delas em Curitiba (16 de março) e a prova inaugural do Circuito dos Cristais em Curvelo (MG), dia  20 de novembro. Interlagos recebe duas etapas: a Corrida do Milhão (11/9) e a prova final (11/9).

WG

A coluna “Conversa de pista” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.
(127 visualizações, 1 hoje)