Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas HONDA APRESENTA O ACCORD 2016 – Autoentusiastas

A Honda apresentou 5ª feira passada, em São Paulo, o novo Accord 2016, o de 9ª geração. O modelo passou por alterações no desenho que deixaram o visual moderno e imponente, além de trazer novas tecnologias e acabamento aprimorado. O modelo, importado dos Estados Unidos, será disponível na versão EX, dotada do motor i-VTEC 3,5-litros V-6 de 280 cv e câmbio automático Hondamatic de seis marchas, agora com borboletas. Seu preço ainda está por ser definido e evidentemente não é um carro de grande volume, estando previstas 120 unidades por ano.

A frente foi redesenhada e as linhas são marcantes com a nova grade cromada, além do conjunto ótico inédito com faróis e luzes de neblina exclusivamente em LED. O visual lateral foi realçado pelas novas rodas aro 18” com pneus 235/45R18. A traseira também passou por mudanças, incluindo pára-choque, lanternas em LED e, principalmente, defletor na tampa do porta-malas.

 

Honda Accord 2016

No interior, as principais novidades são as sapatas de pedais esportivas em alumínio; o acabamento com revestimento na cor preta e detalhes que têm aspecto de madeira; o novo acabamento no painel de instrumentos; a central multimídia com navegador integrado; e o encosto do banco traseiro dividido 60/40.

Outra tecnologia incorporada ao novo modelo é o sistema de partida a distância com acionamento pela chave. Esse dispositivo oferece mais conforto aos ocupantes, pois o ar-condicionado automático de duas zonas é acionado ao ligar o motor do veículo, permitindo que a cabine seja climatizada antecipadamente, aquecendo ou resfriando o ambiente interno até atingir 22 °C.

 

O Accord 2016 traz revestimento dos bancos que combina couro e partes específicas em material sintético de alta qualidade, e detalhes com aspecto de madeira no painel e nas portas. O volante de direção tem ajuste de altura e distância e comandos do sistema de áudio e do controle de cruzeiro; bancos dianteiros contam com ajuste elétrico.

 

Comando do controlador automático de velocidade ao alcance do polegar direito

O modelo traz uma central multimídia com tela tátil de 7” desenvolvida para oferecer mais conectividade ao usuário. Essa unidade possui software avançado, incluindo GPS integrado com informações de trânsito por meio de radiofreqüência (sem necessidade de conexão com smartphones), inicialmente nas capitais São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e Curitiba. O sistema possibilita conexão Wi-Fi com o uso de browser para acesso à internet (com veículo parado), além da conexão Bluetooth para realização de chamadas e reprodução de áudio, compatível com Apple CarPlay e Android Auto – é possível acessar informações e funções de smartphones e tablets diretamente na tela do veículo, por espelhamento.

Outra novidade no Accord é a disponibilidade de uma entrada HDMI, que permite a reprodução de áudio, vídeo e imagens em alta definição por meio de dispositivos como notebooks e câmeras digitais. Existem, ainda, duas entradas USB para MP3, pen drive e iPod/iPhone/iPad, além do DVD player e uma entrada auxiliar. O conjunto é complementado por um sistema de áudio premium com alto-falantes nas quatro portas, dois tweeters na dianteira e um subwoofer na traseira.

Para auxiliar o motorista em manobras, além dos sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, a reprodução de imagem da câmera de ré oferece três modos de visão (normal, com campo ampliado e de cima para baixo), incluindo a função de guia dinâmica, na qual a linha de orientação acompanha o giro do volante.

Outra novidade na linha 2016 é a função de rebatimento elétrico dos retrovisores externos. Do lado direito, o retrovisor tem, ainda, dispositivo que monitora o ponto cego por meio de uma câmera localizada abaixo do espelho e mostra as imagens no display i-MID, possibilitando uma melhor visão da faixa de rodagem do lado direito do veículo.

O forte do Accord é o espaço interno, graças ao entreixos de 2.775 mm. As dimensões externas são 4.910/1.850/1.475 mm (comprimento/largura/altura) e o veículo pesa 1.632 kg (o capô passou a ser de alumínio); o porta-malas é de 461 litros e o tanque de combustível, de bons 65 litros. O espaço para os passageiros do banco traseiro é notável.

 

Que espaço!

Comando do controlador automático de velocidade ao alcance do polegar direito

Como itens de comodidade, além do sistema de partida a distância pela chave, o Accord 2016 traz abertura da porta do motorista por aproximação, sensores crepuscular e de chuva e teto solar elétrico, além do pára-brisa com faixa degradê.

 

Faixa degradê, como deve ser

Desempenho

A Honda, lamentável e incompreensivelmente, continua a não informar desempenho. Duvido que tenha sido ordem de Soichiro Honda… Mas pode-se esperar aceleração de 0 a 100 km/h em algo próximo de 7 segundos altos e velocidade máxima em torno de 240 km/h. Consumo, nenhum número, ainda nem consta do site que dá todos os consumos, o http://pbeveicular.petrobras.com.br/TabelaConsumo.aspx. Mas a Honda disse que o Accord obteve classificação A na classe e na geral.

A versão EX do Accord 2016 continua dotada do eficiente motor i-VTEC V-6 de 3,5-litros (3.471 cm³, 89 x 93 mm) e 24 válvulas. O comando de admissão  tem fase variável e o afamado sistema VTEC faz variar o levantamento e a duração de válvulas abertas, ocorrendo a mudança de comportamento do motor a 4.800 rpm. Este é aliado ao câmbio automático de seis marchas, que agora traz borboletas. O motorista pode configurar a condução de acordo com o seu estilo, escolhendo entre o modo “D” (Drive), que privilegia o conforto e rodagem tranqüila, ou o modo “S” (Sport).

 

Interior elegante divulgação)

O motor desenvolve 280 cv de potência a 6.200 rpm e 34,6 m·kgf de torque a 4.900 rpm, e inclui a tecnologia de Administração de Cilindro Variável (VCM, a sigla em inglês) que pode desativar três cilindros do motor, conforme a necessidade, para economia de combustível. Durante grande parte da condução urbana em velocidades mais baixas, a VCM permite que o motor com apenas metade do número de cilindros e, quando é preciso mais força, todos são acionados, numa transição imperceptível. segundo a Honda.

Para proporcionar ainda mais conforto e melhor dirigibilidade, o Accord traz diversos recursos que tornam o sedã uma referência no segmento de luxo. O motor possui um coxins eletroidráulicos ativos do subchassi dianteiro, desenvolvidos para reduzir significativamente as vibrações.

Outra exclusividade do modelo é o ANC e o  ACS (Active Noise Control e Active Sound Control), um dispositivo que capta ruídos e vibrações na cabine por meio de um microfone e, através do sistema de alto-falantes, emite ondas sonoras contrárias que anulam ruídos. O sistema de áudio não precisa estar ligado.

O conjunto de suspensão teve componentes aperfeiçoados, como os amortecedores de alto desempenho, e a direção eletroassistida recebeu nova programação, para mais leveza em manobras e carga precisa em velocidades mais altas.

O Accord possui controle de tração e estabilidade e sistema de direção adaptativo que interpreta o movimento do motorista, enrijecendo o esterçamento quando o motorista executa correção inapropriada se o carro começar ao sair da trajetória em uma curva. O modelo é equipado também com assistente de partida em rampa.

Os freios são a disco nas quatro rodas, discos de 293 mm de diâmetro na dianteira e 282 mm na traseira. A suspensão dianteira é McPherson e a traseira, multibraço; tração, dianteira.

O pacote de segurança também inclui seis bolsas infláveis, sendo frontais de duplo estágio e os laterais dianteiros com provisão que reduz o risco de força excessiva de abertura das bolsas, e de cortina.

O Honda Accord tem três anos de garantia, sem limite de quilometragem, e estará disponível nas concessionárias a partir de janeiro de 2016, nas cores White Orchid (perolizada), Platinum Silver (metálica) e Crystal Black (perolizada). Trocas de óleo e revisões a cada 10.000 km ou 1 ano, prevalecendo o que ocorrer primeiro.

Faremos um teste “no uso” assim que possível.

BS

Galeria (fotos de divulgação)

Nota: galeria acrescentada em 20/12/15 às 22h15.


Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

  • Wilson Nobre

    Caro Bob

    Penso que essas frases tem ligação:
    “Mas a Honda disse que o Accord obteve classificação A na classe e na geral.”
    “Durante grande parte da condução urbana em velocidades mais baixas, a VCM permite que o motor com apenas metade do número de cilindros e, quando é preciso mais força, todos são acionados, numa transição imperceptível. segundo a Honda.”
    Quais dos seis cilindros são desativados? E como isso ocorre?
    Abç
    Wilson

    • Wilson Nobre,
      Os cilindros desativados são os da bancada direita. Na desativação de cilindros as válvulas de admissão e escapamento ficam
      fechadas. Portanto, os cilindros não admitem e nem comprimem ar. Além de
      cessar o atrito forte dos ressaltos do comando de válvulas e a força
      para vencer as molas de válvulas. O desligamento das válvulas é feito
      pelos tuchos mediante controle do fluxo de óleo neles pelo módulo
      eletrônico do sistema de desativação.

  • Marcelo

    Sempre foi um belo automovel !
    Bob, com este entre-eixos ele perdeu agilidade ?

    • Marcelo,
      A apresentação foi estática, não o dirigi. Mas há carros com entreeixos maior, como o Hyundai Azera, com 2.845 mm e nem por isso mostram qualquer dificuldade em termos de agilidade. É claro que quanto menor o entreeixos, mais ágil é o veículo. Mas veja o Porsche 911, que começou com 2.272 mm, hoje está com 2.450 mm e continua agradável e ágil.

      • Domingos

        Bob, 2,4 de entre-eixos ainda assim é uma medida bem reduzida. De qualquer forma hoje isso se tornou secundário, até a adoção de pneus maiores acaba privilegiando muitas vezes justamente entre-eixos maiores do que os menores.

        Acho que os únicos a manterem a receita bem tradicional (peso mínimo, balanços mínimos, entre-eixos pequeno) é a Lotus.

  • Sua velocidade máxima limitada eletronicamente é atingida em 4ª marcha, bem abaixo do limite de corte do motor. No modo automático, as marchas são trocadas a 6.500 rpm, mas trocando manualmente, pode-se elevar o giro até o corte de 7.000 rpm.

    Velocidade máxima de cada marcha:

    1- 75km/h a 7000rpm
    2- 120km/h a 7000rpm
    3- 170km/h a 7000rpm
    4- 215km/h a 5.500rpm (limitado eletronicamente).
    5- 215km/h a 4.200rpm (limitado eletronicamente).

    • Mineirim

      Obrigado, Pisca. Faltou a 6ª marcha apenas.

  • Domingos

    Já existia nos Lexus ao menos.

    • Ricardo

      Lembrando que a divisão de luxo da Honda é a Acura, então estas tecnologias (no ambito da Honda) chega primeiro nos “primos” afortunados.

      • Domingos

        Sim, apesar que fica a dúvida se o Accord da geração passada, que estreou o uso desse motor (era então novo) na Honda, já não tinha esse sistema de coxins para amenizar as vibrações do sistema VCM.

        Seria uma matéria interessante também. Coxins são pouco falados, mas fazem toda a diferença em carros onde se quer máximo conforto.

  • VeeDub
  • Impressão minha ou ele está um tanto quanto parecido com o novo Corolla? Ou será que o novo Corolla é que está igual a ele?

  • Uba

    Aguardando o Fusion remodelado, para um bom comparativo.

  • Ricardo

    Realmente uma nave!! Explica muito o porquê que de ser um dos carros mais vendidos nos EUA.

  • Marcelo
    Não é.

  • Domingos

    Sou capaz de apostar que cativam mais e que são de fato melhores que um Ferrari típico. Terão uma vaga no coração de qualquer entusiasta verdadeiro, acredito.

  • Domingos

    É perfeitamente possível, já que a patente aparentemente não vale mais e existem livros bastante completos sobre cada detalhe de como fazer um igual às especificações originais.

    O mercado de réplicas nacionais perde uma boa oportunidade, já que está tudo pronto, explicado e possível de usar sem ter que pagar nada. E assim sai um produto perfeito, não só uma casca parecida com a original mas com vários problemas de dirigibilidade.

  • Domingos

    Não faço idéia se os antigos são bons, provavelmente sim, por isso e pela perfeição na execução do conceito acho que os melhores são os Elise mesmo.

    Mas adoraria tirar a dúvida sobre cada um deles!

  • Jáder Bezerra

    Baita carro. Aliás, uma ótima opção de usado na faixa dos 50 mil reais, accord 3.5…pouco usado, carro geralmente bem cuidado, mecânica robusta.

  • Vitor Correia

    Um carro perfeito para famílias mais abonadas

  • Nelson C

    Só me incomoda a pintura no painel externo de encaixe do retrovisor. Dá um ar de erro de carro retocado no tio da esquina hehehe.