Nenhum previsor do futuro intuiu a mudança das relações de consumo baseada no determinismo de apenas um homem, o americano Ralph Nader, 81 (foto acima). Sempre advogado dos consumidores, deu base à grande mudança nas relações de consumo a partir de exigências de segurança.

Se seu carro tem cintos de segurança, suspensões seguras, almofadas de ar, ABS e outros itens de segurança, agradeça ao Nader.

Postura de cidadão, sua primeira ação questionando sua Harvard School of Law do por quê de uso do inseticida DDT em suas árvores, seu trabalho evoluiu, expandiu-se, deu frutos em ramos diferentes como mudanças em veículos, tratamento de água, carnes, pesticidas. As ações de Nader permearam mundo a fora. No tema da Coluna, comparados os níveis de segurança dos veículos do final dos anos ’60 e os atuais, incluindo os brasileiros, é de se reverenciar o filho de libaneses e sua vida dedicada à cidadania.

Reverso

Curiosamente, quem construiu o pedestal para a fama foi a poderosa General Motors. Era dela o Chevrolet Corvair, ponto de vista da marca para combater o Fusca nos EUA. Nader fez artigo no jornal de Harvard mostrando a insegurança do Chevrolet Corvair por sua suspensão traseira — como no Fusca —, ao fazer o semieixo mudar o ângulo de contato da roda com o chão por buracos, inclinação das curvas, freadas fortes. Comportamento fazia perder estabilidade, com risco de capotagem, danos materiais, ferimentos, mortes.

Um editor propôs-lhe escrever um livro — Unsafe at any speed, algo como inseguro em qualquer velocidade —, e a GM, embotada por magnitude, embriagada por empáfia, mostrou como as grandes corporações não sabem tratar de crises e surpresas externas. Em vez de corrigir o produto, mandou investigar a vida privada de Nader, violência inimaginada nos conceitos de liberdade individual nos EUA. A divulgação do mal feito transformou o desconhecido Nader em sucesso, e seu livro em Best Seller não-ficção, superando Truman Capote e seu “A Sangue Frio”.

 

unsafe2

Respeitasse o oponente, analisasse seu perfil de filho de imigrantes da frutífera Zahle, no vale do rio Bekah, Líbano, saberia, mais honesto, mais barato, menos danoso, corrigir a característica do Corvair – como fez no ano seguinte, quando a imagem do carro estava borrada. Desprezou o denodo dos imigrantes bem sucedidos — seu pai fugira da diáspora que matara mais de um milhão de pessoas e espalhara armênios, turcos, sírios e libaneses mundo afora. Trabalhara na Maxwell, fábrica de automóveis depois Chrysler, juntara dinheiro, fora ao Líbano, casara-se com a professora Rose e voltando aos EUA montou o básico dos imigrantes: café/restaurante/empório.

Ali se debatiam temas de cidadania, influenciando a carreira do autor, focada, cheia de graus, laudas universitárias, e o diploma de Harvard sempre grande aval de qualidade individual.

A indução pela GM transformou-o em formador de advogados do contribuinte e, no setor, fez criar a National Highway Traffic Safety Administration, agência de segurança veicular dos EUA, e de similares e regulamentos mundo a fora e, no varejo, freios melhores, e direções colapsíveis, frentes e grades frontais mais limpas, e adornos não agressivos, como estrela da Mercedes e da estatueta da Rolls-Royce com molas para permitir flexão — Jaguar não conseguiu e suprimiu o felino do capô de seus produtos.

Nader processou a GM, ganhou, à época, num acordo, US$ 425 mil — valor de 200 Chevrolets Corvair Monza, o mais caro da lista — e não mudou de vida, aplicando-os no projeto de difundir cidadania. James Roche, presidente da GM, então a maior do mundo, foi renunciado.

Uma das conseqüências de seu trabalho é a redução de mortes no trânsito. Pela regra americana de mortes x 100 mil milhas – 160 mil km rodados, o número de 1964 era 5. Em 2014, caiu para 1.

No âmbito das curiosidades, países árabes não produzem veículos — exceto Turquia — mas dois descendentes traçam a linha de mudança desenho e projeto dos veículos. Antes de Nader, outro de nome parecido, o egípcio coronel Gamal Abdel Nasser, ao bloquear o Canal de Suez no inverno europeu de 1957, fez mudar a morfologia em nome da redução de consumo. Nader evoluiu no tema: instrumentou a defesa do consumidor, em todas as áreas.

 

Foto Legenda 01 coluna 5015 Ilustração

Ilustração do ângulo de inclinação da suspensão traseira do Corvair antes e depois da modificação

 

RODA-A-RODA

 

Land Rover – Encerrando neste ano a produção do jipe Defender, evolução do mítico produto com a imagem de Land Rover, empresa resolveu reeditá-lo. Encomendou estudos e tem três pontos já definidos: voltará em 2019; com cinco versões; nos EUA, onde o Defender não era vendido desde 1997. Pretensiosa, quer vender 100 mil unidades/ano. Neste venderá 10 mil…

Dieselgate – Segundo fonte, holding Volkswagen pode vender algumas de suas 12 marcas diferentes para fazer caixa às demandas dos negócios e das confusões das emissões poluentes. Na relação citam a MAN, de caminhões. Caso nacional inclui a VW de caminhões e ônibus, e automóveis especiais.

E? – Diretor da filial local da MAN não acredita na possibilidade, ante a recente ajustada legal da área de transportes MAN, VWCO e Scania. Mas não descarta a possibilidade de a MAN Diesel Turbo, especializada em grandes motores — para geradores monumentais, navios etc, não atuante no Brasil — seja opção.

Mais – Caminho de transferir marcas de prestígio, parece ínvio, de pouca liquidez vender a Bugatti, e caro fazê-lo com a Lamborghini, agora em projeto de duplicar a produção. Ambos negócios a compradores muito personalistas.

Argentinidad Colecionadores argentinos de automóveis antigos fizeram carreata Auto Presidencial Argentino, partir de Luján, cidade histórica, berço da resistência ao invasor inglês. Abriu-a com Ramblers Ambassador, sedãs então lá produzidos e anteriormente destinados ao transporte presidencial.

Razão – Fundo nacionalista: querem que Mauricio Macri, empossado ontem na Presidência da República, abra mão dos importados Audi e use carro argentino.

Opções – No vizinho país se produzem alguns exemplares com plataformas B: Citroën C4, Peugeot 408, Ford Focus — mais votado em pesquisa —, Renault Fluence. Correndo por fora Toyota SW4, Mercedes Vito. Macri é do ramo, tendo dirigido a Sevel, fabricante de Peugeots e Chevrolets.

 

Foto Legenda 03 coluna 5015 Rambler Ambassador

Rambler Ambassador, argentino, ex-carro de presidente

Situação – Lembra um dos meus editores, o atento Fábio Amorim, de Alagoas: A Pátria está metida no gosto da cobiça e da rudeza, de uma austera, apagada e vil tristeza – Luis de Camões 

2 – Não sei quem ganhará o embate que se trava entre o Executivo e o Legislativo, com o Judiciário se contorcendo. Sei quem perderá com a simples mudança de seis por meia dúzia, de PT por seu aliado PMDB: Nós. Teremos perdido a oportunidade de recomeçar o país.

Gasolina – Wall Street Journal previu despencada no preço da gasolina. Hoje, na média americana, US$ 2,02 por galão, 3,785 litros, a grosso modo em torno de R$ 2/litro. Previsão é queda pela metade.

Aqui – Nossa gasolina é calculada como se fosse comprada aos árabes, desprezando custos locais, como não fôssemos produtores. Espera-se a manutenção do critério com baixa de preço ao consumidor.

Série – Fiat apresenta edição especial do Novo Uno e Novo Palio: Blue Edition. Retoques externos e internos, rodas em liga leve, detalhes azuis em faixas, parte da grade, iluminação do painel, costura no couro do volante, maçanetas internas, e mais amplo leque de itens. Cores externas em branco, prata e preto.

Vantagem – Cálculo entre agregação dos itens e preço há vantagem média de 27,5%. Novo Uno Sporting a R$ 46.550 e Novo Palio Sporting por R$ 55.140.

Personalização – Môpar, como pronunciam, área de equipamentos da Fiat Chrysler Jeep, lançou programa especial: cliente escolhe acessórios para seu veículo novo, e tal agregação é feita na fábrica. É uma garantia total de serviço e qualidade, diz Norberto Klein, diretor da área.

Goiana – Vale para os FCA feitos na nova fábrica norte-pernambucana, como os Jeeps Renegade, sucesso em vendas, e os picapes Toro, em produção mas com vendas em fevereiro. Depois, Betim, MG. Nos EUA opera em nove fábricas à média mensal de 20 mil unidades.

Síntese – Corre solta a capacidade de rotular veículos e criar classificações. Mais recentes, Subaru chama o Outback de CrosSuv, mistura de um com outro. Renault ao apresentar o picape Oroch disse ter criado nova classe, a Sport Utility Pick Up. Fiat, preparando lançamento do picape Toro, nestes dias repetiu a classificação, requerendo criação de tal rótulo.

Evolução – Fila anda e São Paulo terá área expositiva à altura. O São Paulo Expo, o antigo Espaço Imigrantes, reformado. Boa notícia, tem ar-condicionado! Dois pavilhões, 90 mil m² de área, centro de convenções com 10 mil m², 4.500 vagas cobertas. Maior novidade do Salão do Automóvel 2016 será falta de suor.

Festa – Grupo de amigos formou o AUTOentusiastas, que virou blog e hoje evoluiu: é o mais denso e sólido portal para aficionados em automóveis, com os leitores de ótima base de conhecimento e instigação pelo tema. Ao atingir 500 mil acessos mensais, resolveu fazer festa para integrar editores e leitores.

Box 54 – Foi nesta garagem elegante, à margem da Rodovia Castello Branco, SP. Quase 200 participantes, viva integração, muita conversa, entrosamento, satisfação de parte a parte, com automóvel e experiências automobilísticas perpassando o ambiente. Grande festa. Renault e Hella fizeram pequeno apoio.

Leilão – Marco nos leilões de veículos antigos nos EUA, o Arizona Auction Week, em Scottsdale, uma semana de correr do martelo e mais de 1.000 unidades vendidas, inicia informar veículos à venda.

Muitos – Ilhas de Porsches em modelos raros, tipo 356 Carrera 2 GS Coupé, BMW 3.0 CSI, Mercedes 300 SL Roadster, Alfas, Lamborghinis, Ferraris, Maserati, e o ex-patinho feio, o Fiat Otto Vu, 8V, em rara carroceria Zagato Elaborata, uma entre cinco unidades produzidas.

Mito – O Otto Vu era mágico em formulação, construção quase artesanal por um braço da Fiat, carrocerias por vários fornecedores, motor primoroso – V-8, 2.000 cm³ e à época valorosos 127 cv. Era brutalmente estável e fazia viagens a 200 km/h, coisa pouco imaginável ao início dos anos ’50. Tal engenho quase veio para o Brasil. Acabou com 114 unidades construídas. Era muito avançado para a época. Desprezado, agora reapareceu como raridade a ser preservada.

 

Foto Legenda 04 Fiat coluna 5015 fiat otto vu.

Fiat Otto Vu, carroceria Zagato

Gente – Arturo Piñero, 49, executivo, transferência. OOOO Da presidência da BMW no Brasil para a filial de varejo da marca nos EUA. OOOO É um dos presidentes executivos deixando o negócio, como a Coluna anunciou edição passada. OOOO Helder Boavida, português, 50, presidente da BMW México, no lugar. Fevereiro. OOOO Dr. Boavida vem com primeiro desafio: retomar a posição perdida pela BMW. Era líder de mercado, fez fábrica, caiu para terceiraOOOO Terá que esquecer o sobrenome e trabalhar muito. OOOO Terry Hill, 54, inglês, presidente da operação latinoamericana da Land Rover Jaguar, mudança. OOOO Deixa a companhia onde está há 30 anos e tocará novo negócio na China. OOOO Marcondes Viana, 69, jornalista, festa: 50 anos de coluna de automóveis – e outras. OOOO Sua revista CHIC, em primeira década, comemorará o feito.OOOO Francisco Javier Garcia-Sanz, espanhol, 58, diretor na matriz VW, desafio. 0000 Supervisor do Dieselgate, a questão da híper emissão de poluentes pelos motores diesel da marca. 0000

 

Dando exemplo, a Cooperárvore da Fiat

Quando Iracema Salgado, presidente da Cooperárvore, cooperativa de moda sustentável, parte do programa social Árvore da Vida — desenvolvido pela Fiat Chrysler Automobiles (FCA) em Betim (MG) —, recebeu o prêmio Mulheres Notáveis, como empreendedorismo social, pelo Conselho da Mulher Empreendedora da Associação Comercial e Empresariam de Minas, eventuais e remotas dúvidas sobre a efetividade do programa se dissiparam.

A Cooperárvore surgiu em decorrência do trabalho de investimento nos residentes no Jardim Teresópolis, bairro de baixa renda e altos problemas surgido em frente à imponente fabricante. Em 2004, Marco Antônio Lage, diretor corporativo da Fiat, resolveu concentrar os projetos sociais em algo com princípio, meio e fim. E que não se resumisse a ajudar pontual e fugazmente, mas apoio, referência, corrigir o curso, oferecer perspectivas de futuro, convivência familiar, em especial motivando os jovens a trabalho, tirando-os do risco de vender o breve futuro ao tráfico de drogas.

Projeto vencedor ao ter influenciado mais de 20 mil pessoas, viu na formação da cooperativa forma de associar as residentes em torno de trabalho e renda com moda, a partir de aparas de cintos de segurança e tecidos automobilísticos.

Premiada Iracema Pereira Costa Salgado é exemplo vivo. Foi aluna de corte e costura da primeira turma do programa Árvore da Vida, em 2004. Dois anos depois participou da formação da Cooperárvore, e em 2007 retomou um curso supletivo, e fez outros: relações humanas, cooperativismo, informática, empreendedorismo, oferecidos em parceria com o Sebrae. Em seu desenvolvimento em 2011 foi uma das cooperadas escolhidas a ir e expor os produtos da Cooperárvore no encontro para amizade entre os povos, em Rimini, Itália. Seu exemplo foi fundamental para a formação de seus três filhos, participando de oficinas, cursos e aprendizagem industrial. Interessantemente, apesar da breve existência, o Árvore da Vida atinge a segunda geração.

Nova linha de acessórios de moda e decoração, a Vista-se de Flores, é feita artesanalmente por pessoas da comunidade do Jardim Teresópolis, em Betim (MG). Em sua existência já vender 233 mil peças, como bolsas, malas, mochilas, almofadas, bandejas de pipoca, entre outros, e preços de R$ 8 a R$ 95. Comprar? www.cooperarvore.com.br  e tel (31) 3591-5896

 

Foto Legenda 05 coluna 5015 Iracema

D. Iracema cooperada, presidente, exemplo

RN

[email protected]
A coluna “De carro por aí” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.
(70 visualizações, 1 hoje)


  • Renato Texeira

    Esta notícia do chamado “dieselgate” me lembrou de uma publicação em um conhecido blog sobre carros (que tem fama de exagerar nas qualidades dos veículos da VW), onde dão a entender que os custos relacionados a este escândalo seriam mínimos. Nessas horas se vê quem é imparcial ou não…

    Com relação ao preço da gasolina, acredito que no Rio Grande do Sul está em uma situação pior que a média nacional, já que o governo do estado alega estar falido e está tentando de todas as formas aumentar os impostos estaduais. Agora cada vez que tenho que abastecer o carro é uma peregrinação em busca de gasolina boa e e barata.

    • Totiy Coutinho

      O custo maior é com a imagem da marca , nos EUA tem muito poucos carros a diesel.
      Essa história cada dia me cheira mais estranha, uma vez que os preços das ações da VW desabaram e “alguém” esta comprando essas ações na Alemanha, quando esse “alguém” mostrar o rosto os pontos estarão unidos e poderemos identificar o desenho .

  • Daniel S. de Araujo

    Com todo respeito, vejo Nader muito mais como um “showman” tipo Celso Russomano do que alguém preocupado com a segurança. Ele fez um livro, a GM não engoliu e Nader se aproveitou disso e construiu carreira (no mesmo estilo da a sua versão brasileira, anos depois).

    Essa paranóia criada por Nader contudo provocou um enorme revés na industria. Em 1986 por exemplo, os fabricantes de pequenos aviões passaram a ser responsáveis pelo produto por toda sua vida útil (depois, limitaram a 20 anos). Isso destruiu com a aviação de pequeno porte, provocou um enorme aumento de custos das aeronaves, motores e peças e tudo isso porque até erros de pilotagem estavam abusivamente colocados como “vício do produto”.

    Enquanto isso Nader se aproveitou da fama e entrou para a política tentando por diversas vezes, a presidencia dos Estados Unidos.

  • Dieki

    Concordo com o @danielshimomoto:disqus, esse Nader pode até ter criado o movimento pró-segurança, mas o fez de maneira totalmente atabalhoada. Digamos que ele seja o pai do processo movido pela família Walker contra a Porsche, onde a marca alemã é acusada de produzir um superesportivo inseguro (mesmo que ele tenha sido usado com pneus vencidos).

  • badanha bad

    Nós perderemos em “recomeçar” o país? Espera-se que vá baixar o preço da gasolina local?
    Com o respeito da palavra, o amigo parece ser muito ingênuo, pouco vivido e desinformado sobre política e economia. De fato, PT por PMDB é 6 por meia-dúzia. Mas o processo é constitucional e necessário como resposta a absurdos de ilegalidade cometidos. Quanto à gasolina, a lógica seria baixar o preço. Mas V.Sa. já viu isso ocorrer na prática? Nem eu!

  • RoadV8Runner

    A GM foi de uma estupidez ímpar ao tentar desacreditar o Ralph Nader ao invés de demonstrar que o Corvair era tão inseguro quanto qualquer outro carro americano da mesma época. E por que esse cidadão não resolveu atacar o Fusca, que ainda era vendido por lá e possuía uma suspensão traseira de mesmo conceito? De minha parte, não tenho nada a agradecer a esse advogado, pois carros mais seguros viriam de uma forma ou de outra, sem que houvesse tamanho estardalhaço e auto-divulgação. Embora os carros tenham se tornado mais seguros, depois da “era Nader” instaurou-se uma indústria de processos nos EUA que perdura até hoje, a ponto de pessoas estarem deixando de escolher a carreira médica por conta dos riscos de sofrerem um processo por qualquer motivo que seja, basta o paciente se sentir lesado de alguma maneira, que o processo é aberto… Ou então o que aconteceu (vários) anos atrás com dois alunos de ensino médio nos EUA: alunos totalmente relapsos, foram reprovados por pura displicência nos estudos. Porém, a forma como o professor deu a notícia aos dois mancebos foi considerada incorreta, o que poderia levar os dois alunos a sofrerem algum tipo de trauma. Resultado: o professor teve que se retratar publicamente (!) e ainda pagar uma indenização de mais de 10 mil dólares para cada marmanjo. Se estivesse no lugar desse professor, eu rasgaria meu diploma e iria fazer outra coisa da vida…

    • Macro

      Coincidentemente estava a pesquisar sobre Corvairs hoje antes de ler esta matéria e segundo um comentário do YouTube (fonte completamente confiável, rs) o livro foi a respeito da GM por ele ter sido contratado para cuidar de processos relativos ao Corvair que já estava tendo vários problemas no âmbito legal por causa da sua estabilidade. O que ele aprendeu sobre Corvairs no trabalho dele teria sido o que o motivou a escrever o livro especificamente sobre este carro.

      Novamente, Isso veio de um mero comentário no YouTube, é preciso pesquisar pra confirmar se é verdade mas pelo menos a explicação soa plausível.

  • WSR

    Não nego que a importância do Nader, mas tão ou mais importante que a simples oferta de veículos seguros é a formação de bons motoristas. Se o motorista souber as limitações do veículo e condições do local em que está dirigindo (condições da pista, climáticas, etc) e for uma pessoa plenamente consciente e responsável, o risco de acidente diminui mais que tendo um despreparado (e irresponsável) ao volante de um 5 estrelas nos testes de segurança. Tristes exemplos não faltam, infelizmente.

  • m.n.a.

    concordo….na minhão opinião, troca por qualquer fezes menos PT….

  • Daniel S. de Araujo

    Apesar dos semi eixos oscilantes apresentarem caracteristicas indesejáveis, elas não eram acentuadas nos VW a ar como era no Corvair.

    • Mineirim

      Daniel,
      Nunca dirigi o Corvair, mas os VW a ar eram bem inseguros nas curvas. Quando comecei a guiar, adorava fazer curva fechada com
      Fusca ou Brasília só pra sentir a derrapada, mesmo em baixa velocidade.

      • Daniel S. de Araujo

        Isso é em decorrência dos pneus. Poe um jogo de radiais que essa tendência desaparece. Tivemos Fusca 1996 Itamar e derrapar com ele não era tão fácil quanto se supõe.

  • Jorge

    A Venezuela se tornou o que é hoje por causa de um golpe, o mesmo que estão querendo fazer no Brasil. A destruição da democracia abre espaços para radicalismos como o ocorrido por lá.
    Quanto ao preço da gasolina, por que ninguém reclamou ano passado, quando o preço no mercado interno era muito inferior ao valor da commodity?
    E mais, o preço do barril é apenas uma das variáveis no valor final, temos o fator do dólar que impacta bastante no preço e os impostos altíssimos.