Picapes originalmente foram criadas para serem veículos de trabalho, comerciais leves. Mas uma olhada nas ofertas disponíveis hoje nos mostra claramente que este objetivo inicial, embora ainda válido, já ficou em segundo plano. Já há algum tempo vêm tomando a missão de carro de passeio, mesmo que a capacidade para trabalhar ainda exista.

Mas não é para menos. Picapes são veículos versáteis, que se prestam a um sem-fim de utilizações. Também podem ser configuradas de várias maneiras, sendo freqüentemente disponíveis em várias motorizações, cabines, transmissões…num mundo onde os carros tem cada vez menos variações possíveis, personalizar o seu veículo como acontece nas picapes é algo muito interessante.

Os americanos já perceberam isso há muito tempo, e com isso colocaram suas enormes picapes full-size (leia-se enormemente grandes) no topo dos gráficos de venda. Faz muito tempo o carro mais vendido do mundo é a picape Ford, seguida de perto pelas Chevrolet/GMC. Na verdade, por mais que digam o contrário, o gosto dos americanos por carros enormes com motor V-8 nunca morreu, apenas migrou dos automóveis para as picapes.

Os EUA são realmente uma pátria de picapes, mas em muitos outros lugares elas são populares, na Ásia principalmente, se bem que em tamanho menor. No Brasil, temos picapes pequenas derivadas de automóveis, e que são até hoje bem populares. Os australianos tem suas utes — eles abreviam tudo, ute é abreviação de utility, utilitário), também derivadas de automóveis, mas com tração traseira e maiores.

 

Pampa

Ford Pampa

Por causa desta imensa variedade, esta é uma lista difícil de fazer. Picapes já foram um pouco de tudo, de jipe a carro de luxo, de besta de carga até, pasmem, super-esportivo. Tentei colocar um pouquinho de tudo, mas muito ficou de fora. O leitor, é claro, pode mencionar nos comentários as minhas mais fragorosas omissões.

Em ordem cronológica:

1) Ford modelo A pickup (1929)

 

Ford modelo A pick-up (hemmings.com)

A Ford modelo T pode ter vindo primeiro, mas a picape americana como conhecemos hoje começou aqui. Por ser tão bela quanto o carro, acabou sendo usada também como veículo de passeio, levando os produtos da fazenda ao mercado durante a semana, e a família à igreja no domingo. Ainda hoje, 85 anos depois, se constroem hot rods com base nela, principalmente na interessantíssima versão conversível.

 

2) Chevrolet Cameo Carrier (1955)

 

Chevrolet Cameo Carrier

Chevrolet Cameo Carrier

O estilo das picapes Chevrolet para 1955 já era bem diferente: com pára-brisa panorâmico curvo, cabine maior, pára-lamas e capôs emulando os automóveis da marca e um interior bem desenhado, marcou uma mudança de foco. A indústria começava a olhar as picapes não apenas como veículos comerciais, mas também um veículo de passeio. Era realmente muito bonita, e um passo adiante do que se tinha então. Aqui no Brasil, recebeu o apelido de “Martha Rocha”, a baiana Miss Brasil 1954, então referência nacional de beleza, e de que se diz ter perdido o título de Miss Universo por ter umas polegadas a mais na parte de sua anatomia preferida por nós.

Mas o principal expoente desta intenção da Chevrolet foi a versão Cameo Carrier. Efetivamente a primeira picape de luxo (tudo é relativo; o luxo de 1955 é hoje definitivamente espartano), esta picape foi um fracasso de vendas, principalmente pelo seu alto preço de venda, mas é extremamente influente.

 

1955-chevy-cameo-carrier-rear

Chevrolet Cameo Carrier

Idéia do então jovem designer Chuck Jordan, o design era a principal diferença: querendo continuar as linhas da cabine sem interrupção até o fim do veículo, criou a caçamba moderna, sem os pára-lamas destacados. As laterais eram em plástico reforçado com fibra de vidro, montados por cima da caçamba, e por este motivo o preço acabou alto. Além disso, oferecia o novo V-8 de bloco pequeno como opcional, câmbio automático, e tinha estofados e cromados então nunca vistos na categoria. Foi um fracasso comercial, mas a partir de 1958 foi substituída por uma caçamba similar em aço estampado, bem mais barata, chamada de Fleetside. Logo, caçambas como essa, sem pára-lamas aparentes, se tornaram padrão na indústria.

 

3) Chevrolet El Camino SS 454 (1970)

Uma picape pode ser também um clássico muscle car americano. A El Camino, nascida em 1959 como uma versão picape do Chevrolet Impala (para competir com a pioneira Ford Ranchero), nesta época era versão picape do médio Chevelle, e herdava dele as versões e motorizações.

 

EL CAMINO

Chevelle SS 454

Assim, um dos mais fantásticos muscle cars desta era, o Chevelle SS 454, teve também uma versão picape. E como não podia deixar de ser, a sua mais marcante característica é o V-8 debaixo do capô.

Chamado de LS6, o motor deste carro é um monstro. Ninguém sabe a sua potência real, o único consenso é que deve ser bem maior que os 450 hp (SAE bruta) declarados. O V-8 de bloco grande MkIV (chamado também de “porco-espinho”, ou semi-hemi devido aos ângulos diferentes entre suas válvulas) deslocava 7,4 litros, taxa de compressão de 11,25:1, válvulas de maior diâmetro, pistões especiais forjados, e um enorme Holley de corpo quádruplo. Fazia o carro original, saído da concessionária, fazer o quarto de milha na casa dos 13 segundos, o que é impressionante até hoje.

Chevy muscle

Chevy muscle

4) Mazda REPU (Rotary Engined Pick-Up, 1974)

A japonesa Mazda planejava, no fim dos anos 1960, amarrar todo seu futuro no motor rotativo criado pelo Dr. Felix Wankel para a NSU. Foi a única empresa que conseguiu uma durabilidade decente, e caminhava para colocar o motor em toda sua linha. Mas chegaram os anos 1970, e com eles a legislação de emissão de poluentes, que junto com a primeira crise do petróleo praticamente matou este motor.

 

Mazda REPU

Mazda REPU

A principal prova das intenções da Mazda é esta picape, vendida nos EUA de 1974 a 1977. O Wankel sempre foi um motor mais ligado aos carros esporte, produzindo sua alta potência específica em rotações altas, e portanto, inadequado para um veículo de carga.

O que a Mazda acabou fazendo foi criar a primeira picape esportiva. O motor era decididamente nervoso: o famoso 13B, um bi-rotor alimentado por um carburador de corpo quádruplo, e 111 cv (SAE líquida). Na leve e pequena picape Mazda, era um veículo decididamente rápido: recentemente uma revista testou uma e conseguiu fazer o 0-96,5 km/h em apenas 8,6 segundos, o que, para uma picape compacta dos anos 1970 é quase inacreditável.

Poucas foram vendidas, e se provou um beco sem saída. Mas, definitivamente, é uma das picapes mais legais de todos os tempos!

 

5) Dodge Lil’Red Express (1978)

Sem catalisador ou qualquer sistema antipoluição a não ser a baixa taxa de compressão, usava a versão de polícia do V-8 360 (5,9 litros) de bloco pequeno, aqui nosso velho conhecido na versão 318 (5,2 litros), em nossos Dodges nacionais. Com carburador quádruplo (Carter Thermo-Quad), oferecia 225 cv (SAE líquida).

Era o carro mais veloz dos EUA de zero a 100 milhas por hora (160 km/h) segundo a revista Car & Driver, o que mostra como as coisas andavam mal com os carros naquela época. Nos anos 1970, os amantes do carro americano tradicional lentamente se moviam para as caminhonetes, já que elas continuavam a oferecer a maioria das coisas que gostavam em seus carros: tamanho, vasto torque, e uma infinidade de opções de configurações.

Em 1978, a maioria dos muscle cars americanos tinha perdido sua potência ou morrido, fruto das legislações antipoluição e da subida dos preços dos seguros de carros deste tipo. Usando um veículo de carga como base, a Chrysler conseguiu burlar o sistema e criar um novo tipo de muscle car.

Esta série especial era marcante também pela decoração externa: vendida apenas em vermelho, rodas largas, com escapamentos cromados que pareciam saídos de um Kenworth, e apliques de madeira. Meio cafona visto de hoje, mas uma das mais carismáticas picapes já criadas e mais um passo na direção de tornar as picapes o substituto natural do carro grande americano.

 

6) Ford Pampa (1982)

Para mim, até hoje a mais bem pensada picape pequena nacional. Entreeixos aumentado, feixes de mola e eixo rígido atrás, caçamba grande, e ainda assim bem legal de andar em estradas sinuosas. Além disso, contou com versão 4×4 interessantíssima (com dois tanques de combustível), e até motores 1,8 litro VW. A mais legal desta espécie, criada por nós, brasileiros.

 

Ford Pampa

7) Land Rover Defender 110 pickup (1982)

A versão picape do tradicional jipe Land Rover está aqui porque tenho uma tara danada por uma branquinha que um dono de ferro-velho tem aqui perto de casa. Existe pouca coisa tão espartana e básica quanto um Land Rover, mas talvez por isto mesmo seja genial.

Uma picape para ir a qualquer lugar, um jipe de carga. Como a picape Jeep da Willys, como a Dodge Power Wagon de 1946, um veículo quase agrícola, militar, mas por isso mesmo de uma utilidade imensa. Pode não ser rápido nem confortável, mas é uma inquebrável mula de carga que não pára nunca.

 

Land Rover Defender -vert

 

8) Dodge Dakota Shelby / Dodge Dakota Conversível (1989)

 

Dakota conversível

Dakota conversível

A Chrysler lançou a Dakota como uma picape “média” em 1986, categoria supostamente inventada por ela mesmo, posicionada entre a picape “pequena” Mitsubishi (que vendia como Ram 50, na verdade o antecessor direto de nossas L200), e as grandes Ram.

Em 1989, a Dodge tentava ir mais além no conceito de picape como carro para diversão, e não de carga, por mais que a enorme caçamba fosse uma óbvia negação deste conceito. A Dakota Shelby era uma esportiva que usava o nosso conhecido Dodge V8 318 (5,2 litros), com 177 cv (SAE líquida) e suspensão avalizada pelo conhecido piloto e construtor Carroll Shelby, única picape que recebeu seu nome.

 

Dakota Shelby 1989

Dakota Shelby 1989

Mas mais interessante ainda foi a versão conversível: baseada na cabine simples, fazia lembrar as antigas Ford modelo T e A, mas desta vez era direcionada a um público totalmente diferente. Apesar de interessantíssima, foi um fracasso, e a última vez que vimos um bicho do gênero, infelizmente.

 

9) GMC Syclone (1991)

Juntando um motor desenvolvido para um Corvette que nunca existiu, o câmbio automático do Corvette, o sistema de tração nas 4 rodas permanente das picapes GM, regulagem de suspensão, pneus, rodas e freios para carro esporte, a GM criou uma das mais ilógicas e ao mesmo tempo, mais legais picapes de todos os tempos.

 

GMC Syclone

GMC Syclone

Talvez a mais interessante picape esportiva de todas, acelerava como um Ferrari contemporâneo, e carregava 227 kg de carga apenas. Seu V-6 a 90° de 4,3 litros turbo provavelmente produzia muito além dos 284 cv (SAE líquida) declarados, e era decididamente um carro sério. Talvez o melhor carro esporte com caçamba já criado.

 

10) Ford F150 SVT Raptor (2010)

Uma grande idéia da Ford, e de grande sucesso. Uma picape fora-de-estrada, mas para andar rápido fora da estrada. Nada de subir morros devagarzinho no meio da mata, esta picape é calcada nas competições de deserto, é para rodar rápido em terreno acidentado. Para andar em dunas, para tirar as 4 rodas do chão. Obviamente, um balde de diversão.

MAO

Esta matéria foi publicada originalmente no blog AUTOentusiastas em 19/06/2014, antes dos lançamentos recentes.
AE Classic – as matérias da categoria AE Classic são reedições de matérias publicadas entre 2008 e 2014, quando o AE ainda era um blog. Vamos aos poucos reeditar as principais delas. Se você tem uma matéria preferida que não está disponível no novo site, por favor deixe um comentário.

 

(2.465 visualizações, 1 hoje)