Da Automotive News
Por David Sedgwick

Não faz muito tempo, os câmbios de dupla embreagem — com a sua economia de combustível superior e trocas de marcha-relâmpago — foram amplamente vistos como a próxima grande coisa.

Os fabricantes de automóveis estavam contando com essas caixas de câmbio para reduzir o consumo de combustível de 6 a 10%, sem comprometer o desempenho.
Não mais.

Depois que a Volkswagen introduziu o câmbio de dupla embreagem em 2003, várias fabricantes contendoras no mercado de massa seguiram o exemplo, apenas para ter problemas de qualidade e queixas dos consumidores.

Ford Motor Co. e Honda Motor Co. sofreram uma enxurrada de reclamações após a introdução de câmbios de dupla embreagem no Ford Focus, Ford Fiesta e Acura TLX. E a Fiat Chrysler Automobiles — que havia planejado produzir 700 mil desses câmbios por ano nos EUA — cancelou seus planos de longo prazo para a América do Norte.

A revista Consumer Reports e a consultoria JD Power têm relatado um forte aumento do número de queixas sobre câmbios defeituosos à medida que fabricantes de automóveis foram lançando câmbios de dupla embreagem, CVTs e caixas automáticas de oito e nove marchas.

“No passado, câmbios eram algo com que você poderia contar, mas isso já não é verdade”, disse Jake Fisher, diretor de testes de automóveis da Consumer Reports ‘. “Estamos vendo grandes problemas que vão deixar as pessoas paradas nos acostamentos das estradas.”

Câmbios de dupla embreagem são caixas de câmbio gêmeas ligadas por um par de embreagens. Uma caixa de câmbio lida com as primeira, terceira e quinta marchas, enquanto a outra abrange a segunda, quarta e sexta marchas.

Com uma embreagem de marchas ímpares e outra para marchas pares, a caixa pode pré-selecionar a próxima marcha que o motorista provavelmente usará e, assim, permite trocas de marchas mais rápidas do que nas caixas manuais.

E uma vez que a caixa de dupla embreagem não necessita de conversor de torque, é mais eficiente do que uma caixa automática.

Fabricantes de supercarros McLaren, Lamborghini, Ferrari e Porsche, todos adotam caixas de dupla embreagem, cujas trocas rápidas tornaram as caixas manuais obsoletas. E em 2003, o Volkswagen Golf foi o primeiro modelo de grande volume de vendas a ter câmbio desse tipo. Depois que a Volkswagen lançou a “Direct Shift Gearbox” para a sua marca homônima e para a Audi, a tecnologia parecia pronta para o mercado de massa.

Em 2007, a Chrysler anunciou planos para construir uma fábrica de US$ 530 milhões em Indiana que iria produzir até 700.000 câmbios Getrag AG por ano.
Um ano depois, a Ford anunciou planos para construir uma fábrica de US$ 500 milhões em Irapuato, México, em uma joint venture com a Getrag. Em 2010, a fábrica começou a produzir o câmbios de dupla embreagem para os Fords Focus e Fiesta.

Mas a Chrysler e a Ford tiveram problemas. Em 2008, a Chrysler saiu da sua joint venture com a Getrag depois que ela rejeitou as condições de financiamento do fornecedor para o ferramental da fábrica. Nesse mesmo ano, a joint venture entrou com pedido de recuperação judicial. Atualmente, apenas três modelos da FCA — Dodge Dart, Fiat 500L e Alfa Romeo 4C — saem com câmbios de dupla embreagem feitos pela Fiat na Itália. E estratégia de motores e transmissões da empresa revelou em maio passado que as caixas de dupla embreagem são uma tecnologia promissora na Ásia — mas não a América do Norte.

Nos EUA, FCA está apostando em caixas automáticas de oito e nove marchas, disse Jeff Lux, vice-presidente para motores e transmissões da FCA norte-americana.

Os câmbios automáticos convencionais “continuam a evoluir em termos de eficiência,” disse Lux disse, “assim não há muito ânimo [na Fiat Chrysler] para pensar entre melhor dirigibilidade e consumir menos combustível.”

Marcas de desempenho como Ferrari e Alfa Romeo vão continuar a usar caixas de dupla embreagem, Lux disse, mas não há muito apetite para a sua utilização em modelos de mercado de massa.

Problemas da Ford

Enquanto isso, a Ford introduziu caixas de marchas de dupla embreagem no Ford Fiesta 2011, seguido pelo Focus. Mas as queixas dos proprietários dos carros cresceram rapidamente. A caixa funcionava bem em velocidades de estrada, mas dava trancos ou parava de funcionar na cidade, diziam os proprietários descontentes.

Em 1º de janeiro de 2011, Ford emitiu um boletim de serviço técnico para os concessionários dizendo que a caixa PowerShift do Fiesta poderia sofrer “uma perda de potência, hesitação, aceleração súbita ou falta de resposta do acelerador durante a condução.”

A fabricante emitiu uma variedade de correções, incluindo software e hardware. Ainda recentemente, em fevereiro, a Ford emitiu um “programa de satisfação do cliente” para reparar o módulo de controle de transmissão.

E agora a questão está na justiça. Em 2012, o escritório de advocacia sediado em Los Angeles, Capstone Partners APC, entrou com o primeiro dos três processos em uma vara distrital dos Estados Unidos em nome de proprietários que afirmam seus veículos sofreram avarias repetidas.

Ações da empresa no Distrito Central da Califórnia querem o status de ação coletiva.

Contatado na semana passada, o advogado da Capstone Tarek Zohdy recusou-se a indicar o número esperado de queixosos para aderir à ação. O porta-voz da Ford Paul Seredynski também não quis comentar.

Mas, a julgar pelas queixas à Administração Nacional de Segurança de Tráfego Rodoviário (NHTSA), parece possível que o número de requerentes possa passar de centenas ou mesmo milhares. Ao longo dos últimos quatro anos ou mais, SaferCar.gov da NHTSA registrou cerca de 500 reclamações sobre o câmbio da Ford, de acordo com a contagem da Capstone.

Inúmeras atualizações de software e hardware melhoraram bastante o desempenho da PowerShift, diz o gerente de engenharia da Ford Chris Kwasniewicz.

Mas, ao contrário dos consumidores europeus, a maioria dos motoristas norte-americanos não têm dirigido carros de câmbio manual, não estão acostumados às mudanças de marchas mais abruptas das caixas de dupla de embreagem.

Em 2011 “descobrimos que os clientes norte-americanos não ainda estavam realmente prontos para esta aplicação”, disse Kwasniewicz. “Clientes europeus compreenderam a trepidação ao arrancar. Eles estavam acostumados com isso. Eles cresceram com manuais e estavam acostumados a eles.”

A Ford pediu então aos concessionários que explicassem aos compradores as características da PowerShift, disse ele. A sua mensagem: “Não dê importância a isso. O funcionamento vai ser um pouco diferente e ela vai proporcionar a economia de combustível que você deseja…”

Os vendedores da concessionária Village Ford em Dearborn, Michigan., seguiram o conselho da empresa na íntegra, disse Bob Wheat, gerente de vendas da concessionária.

“Se os clientes estão preparados para isso e entendem, eles não têm problemas”, disse Wheat. “As pessoas que não têm dirigido com câmbio manual esperam que o carro seja suave como seda, por isso temos de definir o nível de expectativa correto.”

Enquanto a Ford é o alvo da ação da Capstone, não é a única fabricante que tem sofrido com problemas de dupla embreagem. A Honda Motor lançou uma caixa de dupla embreagem de oito marchas no Acura TLX sedã 2015, seguido pelo sedã compacto ILX.

Para garantir um desempenho mais suave em baixas velocidades, A Honda adicionou um conversor de torque, mas as reclamações continuaram mesmo assim. A SaferCar.gov já registrou 38 relatos de motoristas que disseram que seus veículos hesitaram, aceleraram bruscamente ou tinham trocas bruscas em baixas velocidades.

Gary Robinson, chefe de produtos da Acura EUA, disse à Automotive News que a Honda fez uma atualização de software para melhorar o desempenho da caixa em baixas velocidades. “Fizemos algumas boas melhorias, a maioria de software”, disse Robinson. “Eu diria que é bem normal com uma nova peça de tecnologia. Estamos continuamente melhorando-o.”

Outros problemas de transmissão

Enquanto problemas de dupla embreagem da Honda Ford e têm atraído a atenção, outros tipos de câmbio também têm experimentado problemas iniciais.

Problemas de transmissão variados estão aparecendo em pesquisas anuais de qualidade da JD Power. De acordo com o mais recente estudo de qualidade inicial (IQS) da empresa de pesquisa, problemas de transmissão são agora a sétima queixa mais freqüente dos consumidores.

Problema de transmissão se classificou 10º em 2013 e oitavo em 2014. Já em 2009, as transmissões não foram um problema Top 10 no IQS.

Por muitos anos, caixas automáticas convencionais com quatro, cinco ou seis marchas geraram muito poucas queixas, disse Renée Stephens, vice-presidente de qualidade de automóveis dos EUA para JD Power. A indústria automobilística “ficou realmente boa no que faz”, disse ela.

Mas as novas transmissões de todos os tipos têm-se revelado difícil de calibrar, ela disse:. “O principal problema é a hesitação e trocas de marchas em momentos inadequados, particularmente em baixas velocidades. Se os motoristas apertarem o acelerador e o carro não acelerar, então a caixa não está atendendo às suas expectativas “.

Então, irão as caixas de dupla embreagem cavar um nicho nos EUA? Este ano, as fabricantes deverão vender 603.000 caixas de dupla embreagem nos Estados Unidos — cerca de 3,5% do total das vendas de veículos leves dos Estados Unidos, de acordo com uma previsão da IHS Automotive.

Em 2020, as vendas de veículos de dupla embreagem devem subir para 885 mil, ou 5% do total das vendas de veículos leves. Desse modo, a IHS Automotive espera que o nicho desse câmbio nos EUA vá se expandir — mas só um pouco.

Câmbios de dupla embreagem “têm levado surra dos consumidores”, disse o pesquisador da IHS David Petrovski.

“Se as pessoas não estão acostumadas com ele, acham que algo está errado.”

AE/BS

 

 

(1.909 visualizações, 1 hoje)