Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas FOX TRACK, MAIS UM VW DE TRÊS CILINDROS – Autoentusiastas

O Fox foi o primeiro VW com motor de três cilindros, o BlueMotion lançado em julho de 2013. Agora é a vez do Fox Track, com a mesma motorização EA211, mas com algumas diferenças, como a direção ser eletroassistida em vez eletroidráulica e ter pneus e rodas de medidas diferentes, 195/55R15H em vez de 175/70R14T e 6Jx15 no lugar de 5Jx14. O peso subiu de 993 para 1.084 kg e há diferenças dimensionais como mais 45 mm no comprimento, 6 mm na largura, 7 mm na altura e 2 mm no entreeixos. Com as mudanças, o coeficiente de arrasto aerodinâmico (Cx)  subiu de 0,33 para 0,36 e a área frontal, de 2,16 para 2,18 m². O resultado só poderia ser redução de desempenho e aumento do consumo.

 

A aceleração 0-100 km/h passou de 13,5/13,2 s para 14,4/14,7 s e a velocidade máxima, de 166/167 para 158/159 km/h (gasolina/álcool). Consumo, cidade/estrada de 12,7/14,4 km/l para 12,2/13,4 km/l com gasolina e de 8,8/9,9 km/l, com álcool, consumos esses oficiais Inmetro/PBE.

 

DSC03743

São números piores, certamente, mas não são sentidos no uso normal do dia a dia. O carro como um todo é agradável de dirigir em todos os sentidos e, claro, houve ganho de comportamento em curva, ficou mais rápido, os pneus fazem toda a diferença. Mas a largura ocasionou ligeiro aumento do diâmetro mínimo de curva, que passou de 10,8 para 10,9 m. O que ficou melhor, entretanto, foi a relação de direção ter passado de 15,8:1 para 14,8:1, embora o número de voltas do volante, entre batentes, tenha permanecido igual, 2,9 voltas, em razão do menor ângulo de esterço que levou ao maior diâmetro mínimo de curva. Mas ficou muito melhor de dirigir.

 

DSC03741

Destaque para o rodar, controlado e isolado dos maus pisos, com controle correto pelos amortecedores e molas com constantes adequadas. É bem confortável em marcha. O ambiente interno é agradável exceto pela inexplicável falta da faixa degradê no pára-brisa, e o dirigir é prazeroso com o quadro de instrumentos “Wolfsburg” à frente e um comando de câmbio que é referência. Elogio também para os bancos dianteiros.

 

DSC03747

Na estrada, é silencioso internamente, mesmo que o motor gire a 4.000 rpm a 120 km/h, denotando bom isolamento acústico, mesmo que que não haja manta fonoabsorvente no capô. O mérito é também do motor de três cilindros. A velocidade máxima é atingida em 5ª ou 4ª, rotações correspondentes de 5.300 e 6.700 rpm (o corte é a 6.800 rpm).

O preço do Fox Track é R$ 45.390 e ele vem dotado, de série, de ar-condicionado, faróis e luz traseira de neblina, repetidoras de setas nos espelhos, lanternas traseiras escurecidas, estrado de teto, pára-sóis com iluminação, ajuste de altura e distância do volante, acionamento elétrico dos vidros dianteiros um-toque, chave-canivete, sistema de áudio Media que integra rádio, Bluetooth, leitor de MP3 e entradas para USB, Aux-in e SD-card.

 

DSC03748

Os opcionais, cujos preços ainda não foram informados, compreendem acionamento elétrico dos vidros traseiros, ajuste elétrico dos espelhos, sensores de estacionamento traseiro e dianteiro, sensores de chuva e crepuscular, volante multifuncional com comandos de áudio e do sistema de informação I-System, espelho interno fotocrômico e luz de conversão estática nos faróis de neblina. Há, ainda, o Composition Touch (ver adiante).

O Fox Track tem nove opções de cores: três sólidas (branco Cristal, vermelho Tornado e preto Ninja), cinco metálicas (prata Sargas, prata Tungstênio, cinza Platinum (o carro do teste), azul Night e vermelho Ópera) e uma perolizada (preto Mystic).

 

DSC03749

Infotenimento em alta

Mas é no infotenimento que o Fox Track se destaca, claramente atendendo ao consumidor mais jovem. O modelo estréia o novo sistema de infotenimento Composition Touch, oferecido como opcional por preço mais acessível, para espelhamento de telefone celular (smartphone) Android pela plataforma MirrorLink. O sistema Composition Touch tem tela colorida sensível ao toque (touchscreen) de 5 polegadas, rádio, leitor de CD e arquivos MP3, Bluetooth e entradas USB, Aux-in e para SD-card.

Esse novo aparelho complementa a oferta de recursos de infotenimenot da família Fox, que já conta com o “Discover Media” — traz tela de 6,33″, navegador e permite espelhamento das plataformas Android Auto e Apple Carplay por meio do Volkswagen App-Connect. A atualização da base de mapas do sistema Discover Media é periódica e gratuita.

No visual, este Fox traz características próprias como a grade dianteira com friso pintado em cor “Siberian” e o pára-choque com faróis de neblina integrados. Os faróis têm acabamento que mistura máscara negra com detalhes cromados,

Na lateral, os destaques são o estrado de teto, as molduras inferiores e nas caixas de rodas e o logotipo “Track” nas portas traseiras. As maçanetas das portas e os retrovisores são pretos. Na traseira, o pára-choque traz um adesivo preto na região da placa. Destaque também para o defletor na cor preta na parte superior da tampa do porta-malas.

O interior traz a mesma ambientação e tecidos do Fox Comfortline, mas opcionalmente pode ainda ser equipado com o revestimento interno do teto e colunas escurecido.

Ficou bem agradável esse Fox Track.

BS

FICHA TÉCNICA FOX TRACK
MOTOR
Instalação Dianteiro, transversal
Material do bloco/cabeçote Alumínio
Configuração / N° de cilindros Em linha / 3
Diâmetro x curso 74,5 x 76,4 mm
Cilindrada 999 cm³
Aspiração Atmosférica
Taxa de compressão 11,5:1
Potência máxima 75 cv (G), 82 cv (A), a 6.250:rpm
Torque máximo 9,7 m·kgf (G), 10,4 m·kgf (A), de 3.000 a 3.800 rpm
N° de válvulas por cilindro Quatro
N° de comandos de válvulas /localização/acionamento 2 / cabeçote /correia dentada
Formação de mistura Injeção eletrônica multiponto no duto
Gerenciamento do motor Bosch ME 17.5.24
ALIMENTAÇÃO
Combustível Gasolina e/ou álcool
TRANSMISSÃO
Câmbio / rodas motrizes Transeixo manual / dianteiras
N° de marchas 5 à frente e uma à ré
Relações de transmissão 1ª. 3,769:1; 2ª. 2,095:1; 3ª. 1,281:1; 4ª.0,927:1; 5ª. 0,740:1; ré 3,182:1
Relação do diferencial 4,929:1
FREIOS
De serviço Hidráulico, duplo circuito em diagonal, servoassistido, ABS
Dianteiros Disco ventilado Ø 256 mm
Traseiros Tambor Ø 200 mm
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson com subchassi, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora de 19 mm Ø
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo Pinhão e cremalheira, assistência elétrica
Diâmetro mínimo de curva 10,9 m
Relação de direção 14,8:1
N° de voltas entre batentes 2,9
RODAS E PNEUS
Rodas e pneus Alumínio 6Jx14, 195/55R15H
PESOS
Em ordem de marcha 1.084 kg
Carga máxima 396 kg
Carga máxima rebocável sem/com freio 200/200 kg
DIMENSÕES EXTERNAS
Comprimento 3.868 mm
Largura com / sem espelhos 1.663/1.904 mm
Altura 1.552 mm
Distância entre eixos 2.467 mm
Bitola dianteira/traseira 1.432 / 1.426 mm
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx) 0,364
Área frontal 2,18 m²
Cx x A 0,794 m²
CAPACIDADES (L)
Porta-malas conforme (VDA) 270 litros
Tanque de combustível 50 litros
DESEMPENHO
Velocidade máxima 158 (G) / 159 (A) km/h
Aceleração 0-100 km/h 14,4 s (G) / 14,7 s (A)
Aceleração 0-1.000 m 35,2 s (G) / 35 s (A)
Retomada 80-120 km/h, 5ª 23,8 s (G) / 19,5 s (A)
CÁLCULOS DE CÂMBIO
Velocidade por 1.000 rpm em 5ª 29,9 km/h
Rotação a 120 km/h em 5ª 4.000 rpm
Rotação à velocidade máxima. 5ª/4ª 5.300/6.700 rpm


Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

  • Lemming®

    Para variar…como todos os “lançamentos” atuais…carro piorado (eficiência) e somente uma central MM nova…
    Podiam pelo menos ter colocado o motor do up! TSi…

  • Roberto Alvarenga

    Não consigo gostar desses carros “levantados”. Apesar dessa versão Track ser mais recheada de equipamentos, se eu fosse levar um Fox 1 litro 3 cilindros pra casa, levaria o Bluemotion.

  • David

    Nossa 120 km/h 4.000, rotação a velocidade máxima 5400 rpm. É um carro para rodar na cidade só, na estrada é um tormento e até perigoso.

    • David
      Eu gostaria de saber, e creio que os leitores também, qual o tormento e qual o perigo de andar com o carro na estrada.

      • David

        Falta de fôlego para ultrapassagens e “seguir o fluxo”?

        • David
          É altamente recomendável você fazer um curso de reciclagem de direção.

          • David

            Relaxa, Bob eu dirijo bem(até demais)… Apenas não arrisco a pegar um carro 1,0 e colocar na estrada. 😉

          • David
            Vê-se…

          • lightness RS

            Não sabe usar o câmbio então, nenhum carro 1.0, até os antigos, tem problemas na estrada.

          • Rodrigo Sanvido

            Rsrsrs…
            Quem dirige bem dirige qualquer carro.
            Tem muito motorista de carros mais potentes que só atrapalham o trânsito. Y

          • Lucas

            Concordo. Estou passando uns dias com um Ford Ka 1,0 (Rocam) ano 2009 e é a mesma coisa, até um pouco acima das 4000 rpm em 120 km/h. Carrinho que não faz nem um pouco feio na estrada. Liso e sossegado. Acompanha 120~130 numa boa. Lógico, o câmbio podia ser um pouquinho mais longo, pois motor pra isso ele tem, mas mesmo assim não está mal.

          • Bruno Passos

            Lucas, concordo com você. Sinceramente eu não consigo, de imediato, citar um veículo atual que tenha uma relação peso/potência tão desfavorável que torne seu uso em estrada impraticável. E esses 1,0 l atuais, se não entregam o desempenho que eu aprecio nas serras em que dirijo frequentemente, também não podem ser chamados de lentos, possuem desempenho digno de alguns 1,6 l do passado. Sei que muitos vão citar o fato de não possuírem a mesma curva de torque que os antigos 1.600 cm3, mas câmbio existe pra se colocar o motor na melhor faixa de potência, é só saber usar!

          • João Guilherme Tuhu

            Estou agora com um Fiat E-Torq, do qual reclamam muito sobre a falta de torque em baixa. É só se acostumar e manter o motor entre 3 e 4 mil. E anda muito bem.

          • Roberto Alvarenga

            Digo isso aos detratores da Renegade 1,8 E-Torq e sou xingado. É só saber tocar o carro de acordo com o que o motor entrega, que ele anda. Não é um desempenho exuberante, claro, mas é bem adequado.

          • Leônidas Salazar

            Dirigir o Renegade certamente é bem tranquilo e confortável, não é todo carro de 1400 kg que anda a 120 km/h com apenas 2350 rpm no conta-giros.

            https://youtu.be/jr0hCRNQfiQ?t=154

          • Roberto Alvarenga

            Muitos amigos meus têm “rpmfobia”… bate 2.000 rpm, já sobem marcha… aí reclamam dos carros, dizem que falta potência…

        • João Guilherme Tuhu

          Usei diversos 1.0 para trabalhar em viagens durante uns 12 anos. Eles só ficam ruins mesmo se carregados e em subidas de serras. De resto, deixa o tacômetro subir…

    • lightness RS

      Perigoso??!?!?!?!

  • Lorenzo Frigerio

    Off-topic: já deve fazer pelo menos um ano que alguém aqui se referiu à máfia dos postos de gasolina de Brasília. O sonho acabou:
    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/11/1710316-motorista-do-df-gastou-r-1-bi-a-mais-por-ano-com-cartel-da-gasolina-diz-pf.shtml

    • ochateador

      Eita….

  • Mr. Car

    Gosto do Fox, mas tal como no up!, só me interessaria uma versão TSI, ou então a 1,6, que o pequeno VW não tem. Em tempo: detesto escrever up! com minúscula. Acho que vou passar a escrever como deveria ser escrito. Pode isso, Bob? He, he, he!
    Abraço.

  • Diogo José Coelho

    Mais uma jabuticaba. Pneus excessivamente largos para esse motor. E pensar que os populares dos anos 90 usavam, no máximo, pneus 165… Só prejudica o desempenho e o consumo.

    Esses pneus 195/55R15 são de medida semelhante ao do meu New Fiesta 1.5.

    • Roberto Alvarenga

      Mais um ponto a favor do Fox Bluemotion…

    • Fred

      Só que os populares dos anos 90 tinham motores 1.0 de 9kgfm de torque e 55cv de potência, e pesavam 900kg, né…

  • Lucas

    Eu gostaria de ver esse motor no Voyage.

  • Gabrownx

    Deprimente! Principalmente hoje que a Citroen lançou o novo Aircross com um preço muito mais competitivo e com até alguns itens a mais que esse Fox Treck. São propostas diferentes e essa é a pior parte visto que o francês possui uma mecânica mais potente, é maior e com um projeto mais novo.

  • Elizandro
    Em todos os carros 1-L atuais, exceto o up! TSI, o motor gira a 4.000 rpm a 120 km/h. Não tem problema algum. São motores suaves devido à baixa cilindrada e não há nenhum berro incômodo, tampouco danos ao motor.

    • Paulo Roberto de Miguel

      Meu Honda Fit 1.4 também fica perto das 4000 rpm… uma pena. Tem motor para uma quinta bastante longa.

      • Leônidas Salazar

        Quando se trata de overdrive, o Jeep Renegade é uma referência, inclusive nas versões 1.8 flex, a 120 km/h o carro estar com apenas 2350 rpm, e nas versões 2.0 turbo diesel a 120 km/h o conta-giros marca incríveis 1500 rpm. Mas o motor do Fit além de ser menor e mais fraco, ainda é um típico motor japonês girador, que só fica esperto a partir dos 4000 rpm.

    • Uba

      O Ka 3 cilindros enesse sentido se sai melhor com rotação de 3.700 rpm a 120 km/h.

  • Gustavo73

    O 1.0 e cilindros está em todos os Fox agora. E ele.é mais cara e menos equipado que essa versão apresentada. Pelo menos na tabela. O Fox é o carro de trabalho hojr na VWB e segundo pesquisa da 4R 72‰ dos Fox vendidos são 1.6. E o 16v deveria já deveria estar em todos os Fox.

  • braulio

    Se atinge a máxima em quarta, porque não deixar a quinta mais longa? Nem é uma questão de incomodar, mas de lógica: Menos rotação, menor consumo, menos inversões de movimento, menos atrito, maior durabilidade…
    Se mudar os pneus de 175 para 195 produziu uma melhora notável na estabilidade do carro de 80 cv, então ele realmente precisa de pneus 215 ou mais largos, por uma questão de margem de segurança. Uma pena. Aprecio as qualidades de pneus mais estreitos, e sempre acreditei que para uso normal eles eram melhores, e lembro que carros como o Ford Ka de primeira geração eram devoradores de curvas com pneus 165/70/13. Há algo de estranho nos carros atuais para precisar de tanta borracha no chão.

    • CorsarioViajante

      Eu chutaria que é culpa da altura cada vez maior.

      • Roberto Alvarenga

        O povo gosta dum carro “altinho”. Aí pra melhorar a estabilidade tem que alargar os pneus. Uma pena.

        Nosso mercado rejeita carros mais baixos e com câmbio manual. Tristeza.

      • Roberto Neves

        Eu chuto que é uma questão estética: se puser pneus finos o povo não compra. Em outras palavras: pneuzão largo está na moda.

  • Davi Reis

    O tanto que eu ri dessa não foi brincadeira viu (risos)…

  • Davi Reis

    Não só potência, mas todo o resto. Costumo sempre comentar com meu pai dos barbeiros que estacionam mal, matam vagas por aí ou saem batendo nas coisas. Se hoje é assim, com direções hidráulicas e elétricas levíssimas e carros bem compactos, como viviam antigamente, em tempos de Opala e Maverick?

    • Gustavo73

      Mesmo com direção assistida. Já imaginou alguns estacionando um Landau sem sensores de estacionamento apitando?

      • Davi Reis

        O que teria de gente simplesmente largando o carro no meio do caminho… Mais do que já tem hoje. Tenho um vizinho que dirige uma C180 e mesmo o carro cabendo inteiro na maioria das vagas (e até sobrando em algumas), o cidadão trata sempre de deixar toda a parte dianteira, a partir da roda, pra fora da vaga. Tenho outra vizinha que faz o mesmo, mas em um Polo! Isso sem falar de outra que sempre para torta na vaga e inclusive me fez o grande favor de bater em mim de frente e quebrar o para-choque. Se é assim na garagem, imagine na rua, que tragédia são. Já perdi a conta de quantas vezes já reclamei com esses asnos motorizados

  • Lemming®

    Pode até ser “adequado” ao gosto mas não deixa de ser uma versão piorada por quem vê mais que roda e central MM.

  • Paulo Roberto de Miguel

    Muitos carros são assim, infelizmente. Tive um Fiesta 1998 com 5ª bastante longa, um 4+E. Que delícia na estrada, apesar do motor Endura 1.0 ser bastante fraco.

  • CorsarioViajante

    Hehehe mas realmente incomoda como, apesar do aumento de vendas dos WP, ainda não se importam com compatibilidade.

  • CorsarioViajante

    Exato, não entendo qual a dificuldade das pessoas entenderem os limites do carro e dirigirem de acordo.
    Quando bati meu carro fiquei um bom tempo com um Uno 1.0, muito fracalhão, resultado: na estrada fique na direita, vá devagar, na dúvida não ultrapasse, chegue cinco minutos depois…

  • WSR

    Gostei do carro. A frente dele é lindíssima. Eu apenas adicionaria lanternas traseiras fumês, para fechar o conjunto.

    Bob, na ficha técnica consta 6Jx14 para as rodas ao invés de 6Jx15. 🙂

  • EJ

    Já viajei muito de Corsa EFI de 50cv, só cambiando adequadamente, subia serras moderadas com 3, 4 pessoas. Tive Palio Fiasa de 61cv e que vivia carregado, realmente é mais uma questão de respeitar os limites do carro e saber trabalhar as marchas. Obviamente esses carros perdem bastante velocidade em subidas acentuadas (ainda mais hoje em dia que ninguém mais pode embalar em descida para compensar na subida pela profusão de radares manuais ou fixos), mas nada que faça a pessoa se desesperar.

  • Bruno Bertha

    O Celta é um ótimo carrinho, mas o escalonamento de marchas estraga ele. A mesma coisa é para o Classic: para atingir 100 km/h, precisa por 4ª marcha. Aliás, Bob, vale incluir na pauta uma avaliação do Classic após todos esses anos, ele tem seus méritos. Abraços.

    • Paulo Roberto de Miguel

      Eu acho que usam a mesma caixa de câmbio Celta e Classic. A família Corsa B de onde esses dois vêm tinha caixas muito boas até 1996 ou 1997. Sei disso porque tive 2 Corsas na sequência. Um 96 e um 98. O câmbio do 96 era muito melhor.

  • Bruno Bertha

    Esse motor vibra mesmo. A primeira vez que entrei num uno destes, ao pegar carona com um amigo, notei o painel vibrando muito na marcha lenta, até comentei com ele que deveria verificar se não tinha nenhum coxim do motor estourado. “É assim desde novo”, respondeu.

    • VeeDub

      Bruno, é incrível mesmo como vibra. O do meu pai vibra tanto que o espelho retrovisor direito parece que vai cair; para rodar uns dias com ele fiz uma gambiarra, colocando um palito na base do espelho.
      No modelo mais recente, deram uma melhorada neste aspecto, colocando coxins mais grossos.

      • Davi Reis

        Melhorou muito, mas muito mesmo nos 1,4 novos. Ainda não pode ser chamado de suave e nem ser considerado um exemplo, mas já está mais aceitável. Isso, pelo menos enquanto o carro é novo. Mas os pré-Evo eram simplesmente lastimáveis nisso, o carro simplesmente morria acima dos 3000 giros: passar disso só trazia uma quantidade absurda de vibrações e o giro do motor crescia bem lentamente até o corte.

    • Daniel Mietto

      Em defesa do Fire 1.4, fiz recentemente a troca do coxim esquerdo meu e escolhi um de marca paralela, e me arrependi. O original, mesmo estourado, passava menos vibração na cabine do que o novo paralelo. E quando os componentes esquenta, a borracha que é feita o coxim ‘amolece’ e o mesmo para de passar vibrações para a cabine, coisa que no original não fazia. Mas sobre o motor vibrar em altas rotações confere.

  • Roberto Alvarenga

    Já dirigi tanto o CrossFox como o Sandero Stepway, e não gostei. O Fox e o Sandero “normais” são bem melhores de guiar. O carro fica mais no chão, agarra melhor nas curvas. Certamente os anos gastos em desenvolvimento de geometrias de suspensão para estes modelos não previam a possibilidade de erguê-la (e nem de rebaixá-la, como alguns entusiastas do tunning fazem). Daí, em sua configuração padrão, o comportamento ser melhor.

    • João Guilherme Tuhu

      Tive um Stepway K4M por uns dois anos. Após 130/140 por hora, parece que vc bateu numa parede. E rola a carroceria, principalmente em curvas abertas, de pé cravado…

  • Luiz Otávio Rujner Guimarães

    Pode ser três cilindros, mas merece um motor turbo.

    • pkorn

      Concordo! um turbo nesse motor no Fox o transformaria numa bela escolha, ágil e compacto.

  • Milton Evaristo

    2600 rpm para 120 km/h não dá para se manter nem no plano com pé no fundo. Tem de ser pelo menos 3500 rpm para estes 1-litro aspirados, com velocidade máxima em quarta, um 4+E.

  • Leônidas Salazar

    O imotion do Up! não é o mesmo do Fox, o câmbio automatizado do Up! é fabricado pela ZF, neste câmbio os atuadores trabalham com a caixa MQ100 que é mais compacta do que a MQ200, justamente porque a MQ200 mais os atuadores não cabem no compartimento do motor do Up!
    O automatizado do Fox é fabricado pela Magnetti Marelli, e neste câmbio os atuadores trabalham com a caixa MQ200, e como o nome sugere, suporta até 20 kgf.m de torque.

  • Leônidas Salazar

    Esse é um carro que eu teria fácil, devido a excelente ergonomia para pessoas de alta estatura.

  • Iotti

    Esse problema da bucha é crônico nos VW.

  • Fat Jack

    Aventureiro 1,0 (claro, com esses valores de potência e torque) para mim não poderia ser um contrassenso maior.

  • Ricoy
    O AE não faz testes comparativos e por conseguinte não dá esse tipo de opinião.

  • Nnoitra

    Recomendo um teste-drive longo nos dois modelos.
    https://www.youtube.com/watch?v=21z6l3JkNys

  • CÁSSIO

    Este motor da VW de 3 cilindros todo de alumínio deve ter um peso bem reduzido, me fez lembrar de outro motor que não tem nada a ver com este. Falo do motor do Alfa Romeo, aqueles enormes motores de 6 cilindros todinho neste material. Quando percebi que era todo em alumínio me perguntei como naquela época eles tinham tecnologia para produzir um motor como este. Fiquei impressionado com aquela usina de força. Abraço a todos.

  • Lucas Henrique

    Quem compra carro de motor 1-litro tem que gostar do giro do motor. Prefiro-os porque com 4 mil giros estou no limite da rodovia; já em outros carros 4 mil giros representa 180 km/h. muitos acidentes podem ser evitados. Para quem gosta de barulho mesmo coloca um difusor de escape e fecho.
    Gol 1,0 MPI, 82 cv dinamômetro.
    https://uploads.disquscdn.com/images/5add9575540d683e09baccda230a718d42b181bb38701fa339df61bf9e6bf448.png