Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas SOLUÇÃO RÁPIDA PARA TAMPÕES DESNIVELADOS – Autoentusiastas

Todo mundo que dirige já sentiu o dissabor de passar com seu veículo por cima de um tampão desnivelado, desses circulares de ferro fundido que servem de acesso a galerias subterrâneas — os poços de visita — seja de esgoto, elétricas, telefone, gás ou mistas.

Quando temos sorte, a empresa que faz o serviço de recapeamento de uma via pode acertar a altura com o asfalto, eliminando o degrau entre a borda do tampão e a pista, mas um desnível sempre ocorre. Normalmente, fica mesmo uma depressão criminosa, daquelas de estragar pneu ou coisa mais cara, ou no mínimo causar desconforto aos ocupantes.

 

O pedaço de madeira é apenas para se ver o desnível (O Globo)

.

ipva

Essa foto tem alguns anos, é hilária. Note o tampão afundando

Essa falta de qualidade nos reparos das vias é patente em muitos lugares do Brasil, e sempre que saio de São Paulo fico de olho para saber onde se consegue ser pior do que aqui. Raramente se encontra asfalto tratado com carinho, de qualidade, com reparos feitos com capricho. O normal é que a rua seja tratada com desleixo, o que só deixa uma cidade mais feia e inóspita do que o necessário.

No caso de motocicletas, esses tampões com degraus e depressões ao redor podem causar quedas com conseqüências graves. Muitos motociclistas já caíram devido a esse problema, ou pelo menos levaram um belo susto. Pior ainda se estiver próximo de outros veículos, principalmente os mais pesados.  Para as bicicletas, mesma dificuldade, já que pelo baixo peso e ausência de suspensão na maioria delas as imperfeições são mais severas, jogando para cima o veículo com facilidade.

Na foto abaixo uma tentativa de nivelar o tampão, a aplicação de asfalto na forma de um cone bem aberto, para evitar degraus. Com pouco tempo e tráfego pesado, tem pouca durabilidade.

 

Imagem1

Essas tampas  estão por toda parte, e nós muitas vezes não entendemos por que precisam estar no meio da rua, onde mais atrapalham. Sendo a localização destas função do projeto das galerias subterrâneas, e por isso mesmo um problema maior que não pode ser solucionado de forma rápida, é ótimo que já exista uma solução robusta, de qualidade e fácil aplicação para consertar os desníveis e fazer a vida mais suave.

Incomodado com a situação comum e desagradável, o engenheiro Ciro Amaral Faria, de Belo Horizonte, MG, sócio da empresa Artefacil, pensou e criou um sistema simples que ele chama de alteamento de tampões. Trabalhando há 19 anos com soluções para galerias de esgoto e seus acessos, além de projetos para cabeamento subterrâneo, o sistema é patenteado por Ciro,  e a empresa Artefacil  Consultoria e Produtos Hidrosanitários é a detentora da patente.

Invenção simples

Como todas as grandes invenções, esta também é simples. Trata-se de dois anéis de ferro fundido que são colocados como calços, para que a tampa fique nivelada com o asfalto. Dependendo da altura do recapeamento, ou seja, a espessura da camada de asfalto que será colocada, o anel pode ser único, com a função dupla de apoiar no telar original e servir de apoio para a tampa. Isso acontece quando a espessura do recapeamento for maior que a espessura da tampa. O telar é a borda da abertura da galeria, que tem construção em metal, para estabilidade de forma da entrada da galeria e para evitar que a tampa saia do lugar no caso de danos ao asfalto que está ao redor.

 

Imagem6

Imagem3

 

 

Imagem4

A aplicação dos anéis é um trabalho que pode  ser feito em duas ocasiões. Quando se faz o recapeamento de uma via em extensão, ou se for determinado apenas eliminar a depressão ao redor do tampão. Para esse último caso, uma área ao redor desta deve ter o asfalto removido, os anéis fixados sobre o telar e  posteriormente ser colocada nova camada de asfalto ao redor, já com o tampão no mesmo nível do leito carroçável.

A empresa  Artefacil  também fabrica anéis em ângulo, para casos de ruas desniveladas ou de telares que se moveram da posição original, deixando o tampão inclinado.

 

inclinado

Imagem5

Há algumas medidas variadas disponíveis, para que o nivelamento chegue o mais próximo possível da camada de asfalto nova, relocando assim o tampão à melhor condição.

No vídeo anexo, uma mostra do reparo sendo efetuado, bastante ilustrativo do trabalho rápido e eficiente.

Sem dúvida uma solução prática que deveria ser adotada em qualquer cidade, para diminuir os estragos causados aos veículos.  Façamos nossas preces de autoentusiastas.

 

Link do site da Artefacil aqui.

Imagens: Artefacil, exceto onde indicado

JJ

Sobre o Autor

Juvenal Jorge
Editor Associado

Juvenal Jorge, ou JJ, como é chamado, é integrante do AE desde sua criação em 2008 e em 2016 passou a ser Editor Associado. É engenheiro automobilístico formado pela FEI, com mestrado em engenharia automobilística pela USP e pós-graduação em administração de negócios pela ESAN. Atuou como engenheiro e coordenador de projetos em várias empresas multinacionais. No AE é muito conhecido pelas matérias sobre aviões, que também são sua paixão, além de testes de veículos e edição de notícias diárias.

  • Rodolfo Feijó

    Eu sempre esquecia de uma tampa dessas da Sabesp na Rua Tamandaré e caia nela… um belo dia o carro começou a estalar a suspensão… fui ver tinha quebrado a mola.

    Tive que trocar as 4 molas porque senão o carro ia ficar com a frente mais alta que a traseira.

  • Totiy Coutinho

    Em São Paulo há uma nova modalidade criminosa, além do já antigo crime de furto de cabos elétricos de tuneis, essas tampas , descritas na postagem também estão sendo furtadas e no caso da cia.de telefonia VIVO (ex-Telefonica) essas tampas estão sendo substituídas por outras confeccionadas em plástico, enfim o perigo anda à solta principalmente para motociclistas .

  • Fat Jack

    Próximo de casa eles fizeram algo que eu nunca tinha visto preencheram com asfalto sobre os tampões (?!?)…, é possível ver onde eles estão pois vê-se o contorno externo.
    Como eles vão fazer pra removê-los em caso de necessidade já são outros 500…

  • Que idéia brilhante! Simples de fazer, como nunca ninguém pensou nisso antes?
    Parabéns aos criadores.

    E tomara que os governantes vejam isso.

    Realmente esses desníveis causam problemas sim. No texto cita as bicicletas sem suspensão, fica aqui um adendo: Mesmo bicicletas com supensão sofrem com essas aberrações. Minha “bike” tem 12cm de curso nas suspensões, e mesmo assim eu sofro.

  • Caio Azevedo

    Acho que alguém hackeou o site

    • ochateador

      Em cima das 6 imagens está escrito “sponsored” = propaganda.

      • Caio Azevedo

        Eu sei, haha. Mas suspeitei pelo tipo de propaganda.

    • CorsarioViajante

      É anúncio.

  • Uber

    Hoje em dia, a única diferença entre rua de terra e rua asfaltada no Brasil é que esta não vira lama na chuva…

  • Lucas Mendanha

    No Espírito Santo usam um conjunto pré-moldado em concreto com a tampa já instalada. O grande problema é que o asfalto em volta do concreto sempre cede e deixa as quinas vivas à mostra.

    Quando desmontei o pneu 195/50 R15 (com protetor de borda) do meu Fiesta verifiquei várias marcas de corte na lateral devido aos choques que dava quando não podia desviar deles..

    Achei essa foto do bueiro instalado numa sua sem calçamento, mas é o mesmo utilizado nas vias asfaltadas

    http://2.bp.blogspot.com/-UKLDEJF_GIM/TnVsvUHJIJI/AAAAAAAAAAY/e2hX0wtoOxk/s1600/Bueiro+aberto+com+lixo.jpg

  • Mingo

    Placas de 50 km/h a R$ 900,00 cada o Haddares compra de montão, mas esses anéis entram para a lista de “supérfluos” da Prefeitura de São Paulo…

  • Lemming®

    Muito interessante e bem simples mesmo.
    Falta é vergonha na cara e vontade das empresas responsáveis trabalharem direito.

  • Lucas Sant’Ana

    Não só os tampões são colocados de mau jeito, aqui em recife colocam asfalto em cima de placas de concreto ao invés de refazer a placa inteira como é o certo e mesmo quando consertam o asfalto o serviço é muito porco, ao meu ver os consertos deveriam ser no padrão “martelinho de ouro”

  • Luciano

    Juvenal, aqui em Campinas a prefeitura está fazendo o nivelamento das tampas em vários pontos da cidade.

  • Rafael Malheiros Ribeiro

    Já tinha visto algo semelhante a esta solução antes na internet, mas acho que era em outro país, não me recordo. Difícil mesmo é “tapar os buracos” que o Estado vem provocando em outras esferas, não nas vias pavimentadas propriamente ditas apenas…

  • CorsarioViajante

    Sei lá, não sou da área, mas é tão difícil nivelar da forma correta? ACho que estes desníveis vem pela mania de ir colocando asfalto sobre asfalto, deixando as ruas completamente “corcundas” e em muitos casos mais altas que as calçadas no seu meio.

    • Uber

      Não querendo ser chato, mas fiquei um pouco encucado com isso. Ele conseguiu patentear essa ideia por que, em outro país, ninguém pensou nisso antes ou por que não há necessidade?
      Também acho que, se o recapeamento fosse bem feito, não ocorreria esse problema e não haveria necessidade dessa invenção.
      E como faz com as guias? Passo em ruas da minha cidade que o asfalto ficou tão alto que as sarjetas parecem valas…

  • joao

    Pelo visto existe solução para tudo. Oremos para que isso atinja nossa incompetência, preguiça e vontade de roubar. Amém!

  • Claudio Abreu

    Ótima reportagem. Genial a solução. Mas impossível não pensar que muito da engenharia brasileira (a primazia de certos inventos) se deve exclusivamente às (muitas) porcas circunstâncias desse nosso país, que praticamente nos obrigam à reinvenção das coisas – em que outro lugar do mundo haveria um ”problema de nivelamento de tampas de bueiro”?

  • marcus lahoz

    Ótima idéia.

  • Leandro Pianta

    Muito legal ! Parabéns ao criador !

  • Lucas Garcia

    Uma réplica do que se faz na Europa, já vi outro vídeo de lá, bem mais complexo e sem ‘gambiarra’, mas antes isso do que as rampas ou crateras criadas pelos PV’.

  • Ilbirs

    OFF TOPIC, MAS TAMBÉM COM ALGUMA INOVAÇÃO EMBUTIDA

    Viram este estudo da Yokohama em que acrescentaram aqueles defletores que carinhosamente chamo de “trapaça aerodinâmica” no ombro dos pneus?

    http://www.yrc.co.jp/release/thumb/2015101514tr002_2.jpg

    O fabricante divulgou uma imagem simulada de como é o fluxo de ar nas caixas de roda com um pneu convencional:

    http://www.yrc.co.jp/release/low/2015101514tr002_4.jpg

    E como fica com as trapaças aerodinâmicas:

    http://www.yrc.co.jp/release/low/2015101514tr002_5.jpg

    Acho uma solução interessante e, dependendo do quanto consiga cortar de consumo de combustível, pode se tornar mais interessante do que aqueles pneus de baixo atrito justamente por não comprometer a aderência. Como parece ser algo simples de incorporar aos pneus, poderia também beneficiar veículos mais antigos, uma vez que é basicamente mudar o formato dos ombros, algo que sempre tem de ser projetado do zero quando se está fazendo um pneu.
    Vamos também nos perguntar quanto de ruído essa tecnologia consegue cortar, ainda mais se considerarmos o tanto que pneus por vezes costumam contar muito no ruído geral do carro, ainda que aqui o que se corte é o ruído do vento e não do arrasto da banda no piso.

    • Lorenzo Frigerio

      Estarei enganado, ou ficou praticamente igual? Para que serve isso, se todos os carros vendidos no Brasil têm a roda rebaixada em relação à caixa?

      • Ilbirs

        Aqui é o pneu servindo para desviar vento por meio de defletores que já vêm moldados no ombro. Seria algo para ganhar uns pentelhésimos de Cx em uma região que costuma ter turbulência elevada por si só. Por isso que também falei da possibilidade de benefícios retroativos, uma vez que se houver um pneu desse em medida que sirva para carros já existentes, estes também teriam ligeiro benefício aerodinâmico com aquilo que calça suas rodas.

  • TDA

    Primeiramente parabéns ao inventor, realmente simples e muito útil. Eu não sou engenheiro e nem conheço bem todas as esferas envolvidas no processo, então já peço desculpas antecipadas se estiver dizendo besteira… Inicialmente, acho que o problema não são as tampas estarem em níveis diferentes do asfalto recapeado, mas o contrário. Até onde eu sei a maneira mais correta para se consertar uma via asfaltada deveria ser retirar a camada de asfalto ruim, nivelar a base que na maioria das vias é formada por calçamento e por fim refazer a manta asfáltica toda nova, ficando dessa forma na mesma altura do asfalto anterior e sem necessidade de nivelar a altura das tampas. No caso do recapeamento é apenas passado uma nova camada de asfalto sobreposto ao antigo o que vai aumentar a altura da via. Aqui na minha cidade existem várias vias onde são mais altas do que as calçadas de tanto se sobrepor camadas de asfalto. Sem contar que com o tempo o asfalto ou vai afundando ou largando/desmanchando gerando novos buracos.

    Mas, isso é o certo e quase nunca é feito dessa forma por diversos motivos. Outra coisa é a responsabilidade de nivelar as tampas. Dependendo de cada galeria a responsabilidade ou é da companhia de água e esgoto ou é da companhia de telefonia ou é da companhia elétrica ou da companhia de gás, etc.. E por muitas vezes quando questionadas essa companhias começam o joguinho de empurra, dizendo que não foram avisadas sobre o recapeamento ou que fizeram errado ou qualquer outra coisa…

    • Cristiano

      Na minha infância tinha uma avenida aqui na cidade que por toda sua extensão, nas 2 mãos, o asfalto tinha um ressalto de +- 20 cm beirando o meio fio, era bizarro, ficou assim por anos

    • WSR

      Esta foto é a cara do Brasil, rs.

  • RoadV8Runner

    Incrível ninguém ter pensado nisso antes, pois quando eu tinha meus 15 anos, essa idéia de criar uma espécie de “colar” para compensar a maior altura da rua recapeada já havia me passado pela cabeça. Imaginava que alguém já estivesse produzindo esse componente há tempos, mas não se usava com freqüência por estas terrinhas tortas por puro desleixo.

  • Uber

    Também já vi ruas assim!
    E como se faz nesse caso? Vamos altear a calçada?
    Para mim, o que está errado é a camada de asfalto.

  • Lorenzo Frigerio

    Em alguns lugares, elevam o bueiro com concreto, mas provavelmente deve haver um assento de metal, do contrário o concreto quebraria.

  • César

    Tenho um scooter com rodas de 10 polegadas. Imagine-se a cena!
    Quanto à solução para nivelamento das tampas, acredito que seja temporária. Trabalhei por algum tempo desenhando projetos de poços de visita deste tipo e considero que tenho algumas noções. No caso de reacapeamento, certamente que ocorre o aumento da espessura do pavimento e o tampão permanece no nivel original. Em muitos casos, porém, como o mostrado na foto do “IPVA”, a impressão que me dá é que o afundamento é causado por recalque do poço como um todo (apesar de demorar para aparecer o desnível no asfalto ao redor da caixa de concreto).

  • Lucas dos Santos

    Sim, essa seria a maneira correta de reparar o pavimento. Sou totalmente contra a “Operação tapa-buraco” que fazem em diversas ruas de minha cidade.

    Os remendos geralmente ficam mais altos que o nível do asfalto, fazendo com que as imperfeições persistam, gerando trepidação e desconforto ao rodar. Em outras palavras, transformam uma imperfeição de “baixo relevo” em uma de “alto relevo”.

    Como a base do remendo é diferente da base do restante do asfalto, esse remendo acaba cedendo em poucos dias e acaba tomando a forma do buraco, ficando praticamente como estava antes.

    Com isso dinheiro público é desperdiçado em um paliativo, que precisará ser refeito em breve ao invés de se adotar uma solução definitiva.

    Quanto a recapear apenas jogando outra camada de asfalto por cima é o mesmo que mudar o piso cerâmico de uma casa apenas colocando o novo por cima do antigo. Dá menos trabalho, é mais rápido, mas o resultado fica aquém do ideal.

    • lightness RS

      ….

  • Pablo N

    Acho que seu computador esta com adware…

  • Ricardo Linares

    Outro detalhe é que parece que essas tampas estão sempre na direção de onde você tem que passar com as rodas, considerando que esteja posicionado corretamente na via. Dirigir em São Paulo, cuidadosamente, em relação a pedestres que andam pelo meio da rua e seu carro, para não ser arrebentado em buracos, é uma verdadeira arte.

  • Paulo César_PCB

    Em pleno século 21, métodos “primitivos” de recapeamento , inclusive desta nova forma de evitar o desnível. Mesmo sendo uma idéia melhor gera muito tempo de preparação e métodos antiquados, na base da picareta para preparação prévia do nivelamento.

    Como é feito mundo afora? Nos países mais desenvolvidos, naturalmente.

    Será que é assim? Um trabalhando e dez olhando porque tem que esperar um passo/etapa de preparação? Imaginem uma avenida de pistas de três faixas com canteiro central e 5 quilômetros de extensão. Levaria uma eternidade para terminar neste método.

  • vstrabello

    Isso quando não levam a tampa embora, mesmo impacto dos incautos que acabam roubando cobre das linhas telefônicas para vender em ferros velhos por aí. Braaaasiiil-sil-sil-sil-sil!!!! Bem bolado a invenção do anel e sensacional a foto que mostra para vai o nosso IPVA. Ainda mais, sobre isso, seria legal fazer igual um cara fez lá em UK: http://i100.independent.co.uk/article/this-man-is-painting-penises-on-potholes-so-the-council-has-to-take-action–ekSuZ63mg.

  • Cadu

    Eu nunca entendi porque não as fazem nas faixas divisórias das pistas ou no MEIO da faixa de rolamento, onde as rodas geralmente não passam…

  • Rodrigo Bruschi

    Sua conclusão está correta, o recapeamento deve ser realizado de acordo com greide da via, mas em nosso terra brasilis, o conhecimento técnico é miserável e não existe fiscalização. Assim a contratada não realiza de forma certa a fresagem do asfalto, de forma a retirar a camada antiga oxidada e degradada, simplesmente fazem uma raspagem superficial de 1 ou 2 cm, muito mais barato pois economizam material abrasivo das frescas, transporte do material retirado que é muito menor…. E aí aplicam uma camada grosseira de asfalto, sempre fora de especificação em termos de temperatura, curvatura, cobrem todas as tampas (sem avisar as concessionárias de serviços públicos) e para finalizar não refazem as sinalizações horizontais. É triste mas é a realidade, menus amigos.