Antes de passar ao assunto propriamente dito, somos 11 milhões de habitantes no município de São Paulo e a frota paulistana é de 7 milhões de veículos. Portanto, dividindo 11 por 7 chegamos ao resultado de 1,6 habitante por veículo. Portanto, vale a afirmação do título, ser contra o automóvel é ser contra a população e não contra “as zelite”, como os petistas adoram falar.

Acho que o cicloativistas pensam que são o centro do universo, tal qual Aristóteles (384 a.C–322 a.C) achava que a Terra era o centro e em torno dela todos os astros giravam, o astro-rei inclusive.

Acho não, tenho certeza, depois de assistir anteontem (9/out) ao Jornal Hoje, da TV Globo, matéria sobre a cartilha do ciclista mandada publicar pelo mesmo cara que quando Ministro da Educação (?) autorizou livro escolar que diz ser correto dizer “Nós pega o peixe”.

A foto acima foi extraída do trecho da reportagem em que a jornalista Veruska Donato sai andando de bicicleta com Daniel Guth, diretor de uma tal Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo. O que se vê nessa reportagem é um flagrante desrespeito a quem por direito utiliza uma via pública aberta ao tráfego, no caso o motorista do BMW da foto acima, e, mostrando desconhecimento do Código de Trânsito Brasileiro em seu Art. 58, o “diretor”  bloqueia a via pedalando l-e-n-t-a-m-e-n-t-e  ao lado da bicicleta da jornalista. E quando esta, consciente de estar atrapalhando o trânsito,  avisa-lhe que estão buzinando atrás, ele responde, debochadamente, “dê um tchauzinho”.

Diz o referido artigo:

Art. 58. Nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento, ou quando não for possível a utilização destes, nos bordos da pista de rolamento, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via, com preferência sobre os veículos automotores.

Há outro artigo no Capítulo XV – Das Infrações, aplicável a todos os veículos, que diz:

Art. 188. Transitar ao lado de outro veículo, interrompendo ou perturbando o trânsito — infração média, R$ 85,13.

Pois a jornalista disse em alto e bom som que bicicleta deve ocupar o lugar de um carro. Acredite o leitor seu quiser. Estaria esse conceito na cartilha do “Nós anda de bicicreta”?

 

Jornal Hoje 2

A jornalista Veruska Donato e Daniel Guth

Quem não assistiu à reportagem pode fazê-lo clicando aqui e ver essas barbaridades que comento.

Que fique bem claro: o AUTOentusiastas não é contra a bicicleta, é contra os exageros e abusos que se cometem em nome deste veículo, como as ciclofaixas que transfiguraram a cidade (e outras país afora), atrapalhou a vida da população e a atividade de serviços e comercial, com resultado prático zero. E é contra ativistas como esse Daniel Guth, que provavelmente sonhe em ver São Paulo se transformar uma Amsterdã.

Mas, como se diz, não tem nada não, 2016 vem aí. A população paulistana não vai cair na esparrela do partido vermelho e de número azíago desta vez.

BS

(59 visualizações, 1 hoje)


Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas