Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas HONDA REVISA O INÍCIO DE OPERAÇÕES EM ITIRAPINA – Autoentusiastas

A Honda Automóveis do Brasil comunica que revisou os planos para o início das operações de sua segunda fábrica de automóveis no País, localizada na cidade de Itirapina (SP). A nova data será definida de acordo com a evolução do mercado.

Em 2015, devido à estratégia de renovação da linha e entrada em um novo segmento, com o HR-V, a marca obteve crescimento expressivo. Porém, a empresa mantém-se alerta diante das dificuldades atuais do segmento automotivo e, para 2016, a expectativa é manter o mesmo nível de volume deste ano, o que poderá ser suprido pela fábrica de Sumaré (SP).

A Honda esclarece que os investimentos previstos para o projeto de Itirapina estão mantidos e seguem sendo realizados rigorosamente de acordo com o cronograma estabelecido. A unidade estará pronta para iniciar a produção em massa assim que houver melhor previsibilidade do mercado. A marca também reafirma a manutenção dos investimentos na renovação e atualização de sua linha de produtos, trazendo aos clientes brasileiros produtos que atendam cada vez melhor suas expectativas.

A Honda reitera seu compromisso com o Brasil e sua crença no potencial do País e comunicará tão logo tenha novas informações.

Ae/BS

Fonte: Divulgação Honda Automóveis do Brasil



Sobre o Autor

Autoentusiastas

Guiado por valores como seriedade, diversidade, emoção e respeito aos leitores, desde 2008 o Autoentusiastas tem a missão de evoluir e se consolidar como um dos melhores sites sobre carros do Brasil. Seja bem-vindo! Pratique autoentusiasmo.

  • Diego

    Melhor esperar lançar o Civic (e aumentar as vendas) para só então inaugurar Itirapina…
    Do que iniciar a produção e ter que dar férias coletivas por baixa demanda de mercado…

    • Domingos

      Estou louco pelas ofertas do Civic antigo, que do jeito que a coisa anda pode ser o último sem excessos de tecnologia.

      Eta, se fazem os manuais a 50 e poucos… Passo a faca!

      • Elizandro Rarvor

        Honda com desconto? Vai sonhando.

  • Ilbirs

    Vamos levar em conta os seguintes fatores:

    1) Provavelmente esse adiamento (e digo adiamento porque a coisa já deve estar adiantada demais para ser deixada de lado) deve ser daqueles momentos em que o fabricante está pensando em como inserir essa fábrica no contexto atual;

    2) A favor dessa fábrica há o fato de ela trabalhar com apenas uma plataforma (Fit e derivados) e dar a oportunidade de a Honda ficar mais tranquila em relação à demanda pelo HR-V, que sabemos na prática ter feito a marca de refém de seu sucesso. Como sabemos, o Renegade vem se aproximando bem em vendas a cada vez que uma nova concessionária da Jeep abre e pode, dependendo da situação, ultrapassar o SUV não só pelo aumento da disponbilidade geográfica como também o fato de a fábrica da FCA em Goiana estar bem distante de sua capacidade máxima (250 mil unidades, com ampliação prevista para 350 mil);

    3) O novo Civic vem por aí e sendo sua plataforma uma “MQB da Honda”, pode significar uma maior variedade de veículos. Vou achar razoável que a marca possa querer entrar no segmento de hatches médios-pequenos, uma vez que a nova geração do modelo que inaugurou a unidade de Sumaré passa a ter a mesma base para os dois tipos de carroceria, que também são praticamente iguais até as portas traseiras. Logo, estamos falando da possibilidade do atendimento a uma demanda reprimida que pode interessar ao fabricante, mas que na prática pode gerar mais problemas para a fábrica;

    4) Porém, o problema para Itirapina ir adiante está no fato de sua capacidade instalada ser a mesma de Sumaré: 120 mil unidades anuais. Essa situação tornaria insuficiente que a demanda pelo HR-V por si só ocupasse muito dessa capacidade, ainda que voltasse a permitir maiores volumes de Fit e City, mas ainda assim insuficientes para chegar a uma situação de “escassez controlada” como a unidade pernambucana da FCA indica que irá chegar em breve, em que há capacidade ociosa mas ela não se torna problema, mas sim solução que facilita a lida com flutuações normais de vendas internas e exportações;

    5) Como ficaria a operação brasileira com 240 mil unidades/ano de capacidade, mas que não parece ter tanta bala na agulha para chegar a isso? Que se pergunte para os japoneses. Se Sumaré ficar só com a “MQB da Honda”, haveria margem para que se nacionalizasse também algum outro futuro modelo a ser feito sobre essa base (que também irá abrigar as próximas gerações de Accord e CR-V, além de outros modelos na faixa de tamanho), mas ainda assim também ficamos com o tal fantasma de ainda haver muita capacidade ociosa.

    • Junior Tada

      Posso estar MUITO enganado mas o fator novidade pode já estar passando e o HR-V pode cair daqui pra frente. O carro é bom mas é muito caro (+ ágio em boa parte de rede), assim como toda a linha Honda no Brasil e faltam coisas simples como sensor de estacionamento traseiro. Esse sucesso todo foi carência de concorrentes melhores (o mercado era disputado por Ecosport e Duster). Agora com a entrada do Renegade e futuramente Hyundai, Toyota, etc, eu no lugar da Honda também adiaria uma nova fábrica ainda mais com o mercado caindo quase 40%. O mercado de hatch médios está “derretendo”, acho que nenhuma grande fabricante vai investir nesse tipo de carro pelo menos no curto/médio prazo. Logo, como eu DUVIDO que a Honda irá reduzir o preço dos carros é ir empurrando com a barriga o que tem, atualizar o Civic, quem sabe os motores do Fit/City e esperar alguma melhora. Com sorte ela apenas deixa de perder, o que hoje já é lucro.

  • Daniel S. de Araujo

    Isso se chama efeito Dilma-Cunha!