A Ford anunciou oficialmente os dados de desempenho do novo Focus RS global, que terá uma potência de 355 cv, mais de 10% acima da estimada inicialmente. Equipado com uma versão especial do motor 2,3-litros EcoBoost, o esportivo conta com o respeitável torque de 48,3 m·kgf. O modelo começa a ser produzido no final do ano e já é um sucesso antecipado em mercados como o Reino Unido, onde as encomendas somam 1.500 unidades.

Disponível apenas com câmbio manual de seis marchas, o novo Focus RS terá tração integral, controle dinâmico de torque, rodas de 19 polegadas, freios dianteiros a disco ventilados de Ø 350 mm, defletor traseiro, faróis bixenônio e bancos Recaro.

A sua notável potência é obtida com um novo turbo de dupla voluta e baixa inércia, que garante maior fluxo de ar em todas as faixas de rotação, com pressão relativa de 1,6 bar. Ele traz também um interresfriador para aumentar a densidade do ar admitido e coletor de admissão de baixa restrição. O sistema de escapamento de alto desempenho inclui uma válvula controlada eletronicamente para otimizar a contrapressão.

Os cilindros consistem de camisas de aço de extrema resistência e a junta do cabeçote é especial, de alta capacidade térmica. Para reforçar o arrefecimento, o radiador também é maior que o usado em outros modelos do Focus.

Outra novidade é o sistema stall recovery, quando numa morrida inadvertida do motor ele pode ser religado bastando apertar o pedal da embreagem. O pico de potência é a 6.000 rpm, com corte a 6.800 rpm, mas o motor é muito potente também nas faixas intermediárias. O Focus RS faz parte dos mais de 12 carros de alto desempenho que a Ford planeja lançar no mercado mundial até 2020, inaugurando uma nova era da Ford Performance.

Ae/BS

Foto: divulgação


Error, group does not exist! Check your syntax! (ID: 7)
  • Domingos

    Essa onda de hot-hatches exagerados já deu. A Ford em especial quer conquistar esse mercado, onde Golf e agora o Mégane reinam, e fica a cada ano aumentando potência.

    Ok, interessante, mas começa a ir para números exorbitantes e fugir da proposta de ser algo ainda razoavelmente simples – ao menos no mercado europeu.

    No fim o Fiesta acaba parecendo melhor hot-hatch que o Focus.

    • Thiago Teixeira

      Natural briga do melhor determinado pelo mais forte.

      • Domingos

        Bom, mas aí começa-se a perder o conceito e apelar. O preço vai avançando lentamente também, até uma hora que os mais “forçados” na verdade entram em outra categoria…

        Se começar a empatar com carros de mais alto calibre em preço e potência, a briga está perdida.

        Essas versões deveriam se reservar a séries especiais, como tinha o Golf R por exemplo.

        • Fabio Toledo

          Entendo que o RS seja uma série especial, para brigar com o GTI o ST já é mais que suficiente. Não entendi o “já deu”… Nem lançaram o carro e já tem 1500 unidades encomendadas, então por que não? Muitos não querem luxo, querem esportividade!

    • dncmotors

      Gostei do seu pensamento… Já refleti sobre isso. Potência sem equilíbrio dinâmico não é nada.

  • TDA

    Previsão de vir ao Brasil?

    • Daniel Pessoa

      Infelizmente, a Ford não traz sequer Focus e Fiesta ST, e deixou as versões 2.0 do Focus só com câmbio automático. Nem traz Mustang. Ou seja: investimento 0 em esportividade por aqui.

      E como o grande Bob Sharp escreveu, não tem flex nem automático…sem chances de fazer sucesso aqui.

  • TDA
    Impossível. Não tem versão automática e nem flex…Acorde!

    • Thiago Teixeira

      Li na internet que a o motivo de não trazer esses carros de maior desempenho é justamente a elevada adição de álcool na gasolina. A Ford confirmou exportar o Mustang v8 para a Argentina e Chile, mas para o brasil (com ”b” mesmo) esbarra nessa questão.

  • Leonardo

    Coisa linda esse Focus!

  • Lucas

    Carro perfeito para esse novo acessório disponibilizado pela Ford hoje: http://www.wired.com/2015/10/ford-flux-capacitor/