Ontem o Ae recebeu uma informação à imprensa (press release) que nos deixou perplexos. Foi distribuído pela Printer Press Comunicação Corporativa, a assessoria de imprensa da Tenneco, uma das maiores fabricantes e fornecedoras de sistemas de controle de emissões, de amortecedores e de componentes para suspensão do mundo, com sede em Lake Forest, no estado do Illinois, nos EUA, com filial no Brasil.

Por que a perplexidade do AUTOentusiastas? Leia a transcrição da peça de informação da Tenneco:

“Padronização da velocidade em São Paulo ajuda a preservar o carro

Novo limite padronizado em 50 km/h diminui o impacto da suspensão e aumenta a vida útil do carro

A redução da velocidade em algumas das principais vias da cidade de São Paulo tem dividido opiniões em relação às vantagens e desvantagens de trafegar em até 50 km/h. Criada com o objetivo de prevenir novos casos de acidentes com vítimas fatais, o fato é que a exigência ajuda a preservar o bom estado do veículo, aumentando sua vida útil. Segundo informações da fabricante mundial de amortecedores, Monroe, o novo limite diminui o trabalho da suspensão.

O coordenador de Treinamento Técnico da empresa, Juliano Caretta, explica que a regra atual provoca a diminuição da intensidade de absorção dos choques e vibrações. “O impacto de passar em um buraco ou lombada a 50 km/h é menor do que a 70km/h, o que prolonga a durabilidade da suspensão”, informa Caretta. “Em baixa velocidade também haverá uma parada mais curta e um trabalho um pouco mais suave dos componentes do freio”.

De acordo com o especialista, a redução da velocidade também promove a diminuição do consumo de combustível. Porém, é importante salientar que congestionamentos, a pressão dos pneus, a rotação do motor, as constantes trocas de marcha, o uso do ar condicionado e, até mesmo, rodar com as janelas abertas diminuem essa economia.

Outras ações como revisar o veículo periodicamente, seguindo as instruções da fabricante, abastecer com combustível de qualidade e instalar peças com o selo do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), também ajudam na conservação do veículo e segurança do motorista e passageiros.”

 

Como fica patente, a irracionalidade, o abuso de poder e o desrespeito à população automobilista de São Paulo por parte do prefeito de São Paulo, o petista Fernando Haddad, e do secretário municipal de Transportes e chefe da CET, o também petista Jilmar Tatto,  conseguiram infectar a mente da administração superior da Tenneco, o que o Ae considera lamentável.

Como também lamenta uma empresa desse porte e importância no cenário automobilístico mundial se prestar ao papel ridículo  de endossar a condenável medida do prefeito e do secretário municipal de Transportes e presidente de CET, que vai de encontro aos legítimos interesses dos proprietários e motoristas de veículos automotores, ou seja, da população brasileira em geral e da paulistana, em particular, para aproveitar o fato e dar mensagem publicitária travestida de “conselhos”.

Bob Sharp
Editor-chefe
AUTOentusiastas

 

(73 visualizações, 1 hoje)