Picape Renault Duster Oroch, segmento novo, nem médio, nem pequeno

O Duster Oroch não é apenas mais um picape concorrente em segmento expansionista — 900% entre 2010 e 2014, vendendo 450 mil unidades, e no período as cabine-duplas expandiram vendas em 50%. Na América Latina, mercado visado, em 2014 venderam-se 1,2M de unidades. É ferramenta para cumprir meta e dever: conquistar 8% do mercado brasileiro — hoje tem 7,5% — e chegar aos 10% cobrados por Carlos Ghosn, o presidente mundial.

É boa fórmula, liderada pela Renault, e logo seguida pela Fiat. Ambas apostam num picape intermediário entre os pequenos, derivados de automóveis com estrutura monobloco, e os médios, construídos sobre chassis com longarinas. A posição é tão invulgar quanto boa, pois com clientela para uso em serviço; serão ponto de ascensão para os desejosos em bom espaço interno; e de descenso prático aos donos dos trambolhosos picapes médio com cabine dupla e SUVs desmesurados, incômodos no trânsito, irritantes na procura para vagas.

No caso do Oroch — a pronúncia é oroque —, nome de tribo russa com 300 membros…, o fato de utilizar a sólida plataforma do Duster, reforçada na parte de carga, garante duas características importantes aos clientes: bom espaço interno, e caçamba como um grande porta-malas.

Ao lançamento a conformação é em cabine dupla, motorização 1,6 litro e 110/115 cv, gasálcool e álcool, câmbio manual de 5 marchas, e 2,0, 143/148 cv importados, assim como o câmbio manual de 6 marchas. Automático e tração nas 4 rodas virão em 2016. Porta característica de relevo, a suspensão independente nas 4 rodas, com molas helicoidais, oferecendo grande estabilidade e insuspeitado conforto de rolagem — implementando pelo aumento de 15,5 cm na distância entre eixos – 2,89 m. O Oroch não é um Duster com teto seccionado.

As características do mercado exigiram abandonar o projeto do picape Dacia, de origem romena — lá um Duster cortado —, e em cabine simples. Daí usar o conhecimento do Tecnocentre, a área de desenvolvimento na França, e do escritório da Renault Design America Latina, criando produto para as características continentais, com destaque ao desenho e aos arremates, atendendo a demandas de público variado. Amplo público: desde a senhora apreciadora da posição superior de conduzir e das largas portas traseiras para entra-e-sai de meninos, hábil para andar no trânsito da cidade e conseguir estacionar em vagas de shoppings, quanto atender aos estancieros argentino, uruguaio, ao fazendeiro brasileiro, cansados de direção pesada, dos sacolejos e de corrigir o curso de seu picape grande. Inclui clientela jovem, e quem nele vê dois veículos num só. Para cargas compridas há um extensor para a caçamba, permitindo, por exemplo, carregar moto em posição transversal. É amplo o leque de clientes, e a diferença está em ter rodagem de automóvel e capacidade de carga de um picape pequeno. Neste setor, o peso permitido é de 650 kg, entre passageiros e carga. Apesar de o perfil do usuário de picapes deste porte nunca os utilizar para trabalho, a caçamba é revestida por berço plástico, e há ganchos para ancorar eventual carga. Para público divergente entre as capacidades do veículo e seu uso, confortos interativos, conectividade, incluindo versão atualizada do Media Nav, sensor de ré, controlador automático de velocidade e computador de bordo.

O Oroch será disponível para test-drive nos revendedores a partir de outubro, e preços vão de R$ 62.290 para a versão de entrada, Expression 1,6, a R$ 72.490 pela versão de topo, Dynamique 2,0.

Fumaças do Dieselgate

O problema da Volkswagen com as emissões poluentes de seus motores Diesel apenas começam seu nublado caminho. Similares recentes, como descombinação entre pneus Firestone e Fords Explorer, o nunca explicado caso dos tapetes Toyota, ou a economia porca nos interruptores de ignição dos Chevrolet serão economicamente residuais.

De objetivo a empresa, como a Coluna antecipou, pinçou Matthias Mueller da presidência da Porsche, elevando-o à holding VW AG, e aplicou medidas como garantir os veículos; prometer sanar os problemas com rapidez.

Administrativamente separou as marcas por grupo; criou diretoria para os negócios no continente norte-americano. Para lá deslocou Winfried Vahland, presidente da Seat, fabricante dos VW espanhóis, abrindo espaço à promoção de Luca de Meo, 48, ex-diretor de vendas da Audi. O presidente da VW of America foi mantido mas sob novo chefe direto. De surpresas, demissão de Christian Klinger da poderosa direção de vendas da marca VW. Bom para o Brasil. De longe fazia o comando comercial da nossa VW, enviando diretores fugazes ou fora de sintonia, causando enorme e onerosa perda de mercado.

Contra Klinger se insurgiram Thomas Schmall, ex-presidente, e David Powels, Em situação incômoda ficou Ulrich Hackenberg, espécie de professor Pardal do grupo. Visto como conhecedor do problema dos Diesel, não foi demitido, mas afastado de funções, junto com seu sucessor, Wolfgang Hatz, então o chefe.

Futuro

No discurso de posse, Mueller prometeu todos os esforços para desenvolver e implementar atos de compliance, o relacionamento público-institucional, de máxima transparência, e cobrar conclusões corretas para a situação, resgatar a confiança pública. Internamente agrupou marcas: carros esporte e motores entre eixos: Porsche, Bentley e Bugatti. Lamborghini, apesar de seu motor entre eixos, e as motos Ducati, formam grupo com a Audi, acionista de ambas.

Marca VW, por produtos congêneres, está com Seat e Šköda.Terá quatro chefes regionais, para conter o egocentrismo antes tolerado, mas agora criticado pelo poderoso Conselho Supervisor.

Para entender

A EPA, poderosa agência americana de proteção ao meio ambiente declarou, motores Diesel VW emitiam poluentes em medidas superiores ao limite máximo. Explicou, quando submetidos à avaliação, identificavam o protocolo, e se auto-regulavam para se enquadrar nos parâmetros legais.

Volume de vendas nos EUA é grande e, no total mundial, incluindo VW, Audi, Seat e Škoda, supera 11 milhões de unidades, e a desfeita pública provocou a saída de Martin Winterkorn no passo mais elevado de sua carreira — extensão do contrato como executivo-chefe, e posse no Conselho Supervisor.

A origem do problema estaria em 2007, quando concluiu-se, nova geração de Motores diesel não se enquadraria nos padrões de emissões da EPA, exigindo gastos de 300 euros/unidade para solução petroquímica, o uso de uréia para lavar os gases — o Arla32 utilizado por alguns caminhões —, e a VW desistiu. Era época da assunção do ora demissionário Winterkorn, e um de seus projetos era ampliar presença no mercado dos EUA, com poucas vendas pela Volkswagen. Definiu-se concorrer em raia própria, longe de Toyota e Honda, com os sedãs a diesel, não disponível nos sedãs orientais lá produzidos.

Uma das teorias do início do desrespeito legal, situação nublada ao público, ligam Winterkorn a Hackenberg, um querendo, e o outro sabendo conduzir o problema das emissões. O futuro dirá a realidade.

Tamanho do prejuízo é imensurável, e a VW AG separou metade do lucro presumido, 6,5B de euros para despesas nos EUA. Com o susto, semana passada as ações da empresa caíram para 22,4B euros, metade de seu valor. O varejo começa com 11 milhões de veículos necessitando substituir um chip ora inexistente; prolonga-se com o governo dos EUA querendo receber a renúncia fiscal superior a US$ 1.000/unidade diesel; e também a multa por poluição.

Idem para outros países. Há, ainda, o varejo do varejo, com revendedores VW nos EUA proibidos de vender os automóveis diesel em estoque —, buscando ressarcimento; e inquantificada reação dos consumidores. Após aplicar o chip obediente à legislação, proprietários verão cair a disposição de seus veículos pela redução da potência. Ficarão com eles? Irão devolvê-los? Vendê-los-ão indo acionar a VW pela diferença perdida? Institucionalmente, a agência Dow Jones, premiando a VW como líder em sustentabilidade, cassou a láurea.

Outros lados há: promotores do estado da Baixa Saxônia, antes acusando Martin Winterkorn, recuaram, dizendo ter uma investigação no início e sem base concreta para acusar quem quer que seja. Projeções indicam queda econômica entre 1% e 1,5% na República Checa e na Hungria. Na primeira opera a grande fábrica da Škoda. Na outra, produz e exporta os motores VW Diesel. E, por registrar, a holding Porsche SE, maior acionista da VW AG, aproveitou ocasião, a recente ruptura com a Suzuki, a queda do valor das ações, e adquiriu o 1,5% detidas pela pequena nipônica na maior das alemãs. Negócio aumenta o mando da Porsche SE, com 52,2% da VW AG.

Como se imagina, desdobramentos difíceis de listar e de projetar o prejuízo, mas sem dúvidas grande, o maior já enfrentado pela empresa em seus 78 anos de vida.

 

Autoclásica, grande festa do antigomobilismo no Mercosul

Na América do Sul não há encontro de veículos de coleção tão rico quanto o  Autoclásica, Buenos Aires, 9 a 12 de outubro. Automóveis, carros de corrida, motocicletas, motores antigos, desfiles em trajes de época — no dia 10, sábado —, corridas entre expositores, e neste ano atração especial, o Junior Prix, corridinha de carrinhos infantis de época, para crianças entre 4 e 6 anos — um fino investimento para conquista de futuros colecionadores.

Expansão do evento ampliou horário de funcionamento, agora de 9h00 às 18h30, e rediagramar o espaço interno no Hipódromo de San Isidro, beiradas de Buenos Aires.

Feira de Peças, lá chamada Autojumble, dividida entre automóveis e motos, e a ala de Motojumble conta com atrações idênticas, incluindo venda de motos e veículos antigos, bancas de peças, acessórios, literatura. É um dos pontos fortes do evento — consome um dia para percorrer. Organizado pelo Club de Automóviles Clásicos da República Argentina, sua décima-quinta exitosa edição reunirá 900 veículos clássicos e históricos.

É aula em organização, e má constatação de como os vizinhos preservaram seu bom acervo automobilístico transformando-o em história, o que não ocorreu aqui. A exposição é uma festa de clubes.

Topo do evento, premiação por categorias pelo padrão internacional da Fiva, entidade reguladora do setor, incluindo glória suprema, almejada por todos os expositores: ser escolhido o Best of Show. Domingo, 11, 14h00.Entrada 120 pesos — entre R$ 40 e 50, dependendo do câmbio, oficial ou Blue, paralelo institucionalizado. Melhor acesso é por trem suburbano, partindo da estação Retiro. San Isidro fica 45 minutos de Buenos Aires.Este ano as marcas homenageadas serão Bugatti, Ferrari, Citroën por seu modelo DS e Peugeot pelo 403, primeiro da marca fabricado na Argentina.

 

Foto Legenda 02  coluna 4015 - autoclasica  RENAULT DUSTER OROCH, PICAPE, OUTRO NÍVEL Foto Legenda 02 coluna 4015 autoclasica

Cartaz da Autoclásica, para quem gosta ou quer aprender

 

RODA-A-RODA

Elétrico – Dongfeng Renault Automotive Company, joint venture entre sino-francesa, anunciou produzir carros elétricos, baseados sobre a plataforma do Fluence Z.E. Venderá apenas no mercado chinês.

E? – Pode parecer curioso, pois a Dongfeng é sócia de outra francesa, a PSA, reunindo Peugeot e Citroën. Mas em negócios não há fidelidade de marcas.

Lista – Citroën informa, abriu reservas para o novo C4 Picasso importado. Tem design forte e bem marcado, com dedicação ao espaço interno, poltronas com apoio de pés e massageador, tela com 30 cm, motor 1,6 THP, turbo, câmbio de seis marchas. R$ 110.900.

Fim – Para instalar fábrica na Argentina e fazer sólida base na América do Sul, Nissan Corporation comprou a Nissan Argentina S.A, a Nasa, desde 2012 sua representante. Iniciará fazer picapes nas instalações da aliançada Renault.

Do ramo – Operador da marca na Argentina era Manuel Antelo. Faz a logística fluvial de muitas marcas de automóveis e, no tema, antes foi o dono da Ciadea, representante Renault, tendo passado a representação à representada.

Situação – Redução de vendas no mercado de carros 0-km instou Hyundai a mudar estética e mecânica de seu HB20 — e aumentar preço. Retocou lanternas e pára-choques, e motores melhoraram rendimento — reduziu consumo 6,5% no 1,6, levando-o à classificação A no Programa Brasileiro de Etiquetagem no Inmetro. Câmbios mudaram. Manual e automático de seis marchas.

… 2 – Hyundai segue o mercado, aumentando conteúdo dos carros e seus preços. Assim, desde a versão básica Comfort, há vidros e travas elétricas.

Preços de R$ 39 mil a R$ 63.335 para versão Comfort Premium, motor 1,6, caixa automática, revestimento em couro e central multimídia.

Quanto – Talvez o centímetro de automóvel mais caro no país. Sedã e hatch enfeitado, o X, sem mudanças.

Promoção – Fiat equipou o Siena EL nas versões 1,0 e 1,4 ampliando conteúdos de conforto pessoal, com volante regulável em altura, ar-condicionado, travas elétricas, sensor traseiro de estacionamento, rádio com Bluetooth. Preços, 1,0 a R$ 35.770; 1,4, R4 38.500.

Sem chances – Perguntei a Fabrice Cambolive, novo presidente da Renault brasileira, e o executor do controle da marca sobre a russa Autovaz, fabricante dos Lada, sobre a possibilidade de fazer aqui um jipe Niva com as atualizações recebidas recentemente — como se produz na Rússia. Sorriu. Sem chances.

Mercado – O país sem asfalto continua sem um jipe simples e adequado à sua realidade no campo.

Situação – Para baixar custos Audi A3 e Golf, ambos com plataforma MQB e motor TSI 1,4, em produção na mesma fábrica Volkswagen em São José dos Pinhais, PR, simplificarão o eixo traseiro. Sai o evoluído multibraço, entra eixo de torção, solução do tempo do Passat. Versões 2,0, mais caras, poderão ter a suspensão original.

Cenário – Em meio ao lançamento do picape Renault Duster Oroch, jornalistas receberam em seus smartphones mensagem da Fiat. Confirmava Toro como nome de seu picape concorrente, informava lançamento para 2016.

Coerência – Talvez inspirada no criador de palavras, o também mineiro Guimarães Rosa, enquadrou-o em nova classificação veicular. Diz, é um SUP (?)  Sport Utility Pick-Up … Estará como o Oroch, picape nem pequeno, nem médio.

 

Foto Legenda 03  coluna 4015 -Picape Fiat Toro 2016  RENAULT DUSTER OROCH, PICAPE, OUTRO NÍVEL Foto Legenda 03 coluna 4015 Picape Fiat Toro 2016

Picape Fiat Toro 2016: SUP?

Nome – Tentando corrigir os defeitos de sua transmissão robotizada dita PowerShift, Ford diz ter sanado defeitos em retentor de óleo e barulhos internos, e aumentado garantia da série anterior para 5 anos.

Mudança – No novo EcoSport, com motor Sigma, voltou a garantia para 3 anos, e não o chama mais de PowerShift, mas Transmissão Seqüencial de Seis Velocidades.

Razão – Fugiu do nome. Faziam trocadilho pavoroso, chamando-a PowerShit – excremento assistido, em inglês.

Democratização – Matéria controversa, o DPVAT, o seguro obrigatório, Projeto de Lei 558/2015 do Senador José Medeiros, PPS-MT, quer deixar ao contratante a escolha da seguradora, escapando à Líder, seguradora comum.

Oposição – Razão principal, concorrência baixará preço e melhorará serviço. PL aguarda análise da Comissão de Constituição e Justiça para saber da juridicidade. Prevê-se oposição poderosa. DPVAT é uma caixa preta. A base do projeto é a cobertura do texto constitucional contra o monopólio.

Novidade – Mopar, área de acessórios da FCA, iniciou vender o triciclo elétrico Trikke. É curiosidade mecânica prática, segura e divertida, desenvolvido para andar em espaços fechados, como parques e condomínios. Motor elétrico de 36 volts e 250 watts montado na roda dianteira. Dólar leva-o a R$ 5.400,00.

 

Foto Legenda 04 coluna 4015 - Trikke  RENAULT DUSTER OROCH, PICAPE, OUTRO NÍVEL Foto Legenda 04 coluna 4015 Trikke

Trikke, esquisito, divertido

Pneus – Fornecedor exclusivo e fundamental para os resultados, os pneus da Fórmula 1 têm rigor administrativo próprio para sua logística. Produzidos, cada um recebe código de barras fornecido pela FIA, a Federação Internacional do Automóvel.

Caminho – Prontos pneu e etiqueta, indicando data, tipo, composição, vulcanização, lista enviada, o centro de logística os agrupa em jogos de quatro unidades para ser escolhidos pela FIA para os treinos. A Pirelli garante a produção e todo o controle é pela entidade do automobilismo. Mais? www.pirelliftp.com/share/f1/2015/00_3dvideo/PIRELLI_BarCode_ENG.mp4

Moda – Para apresentar sua moto Scrambler a público de elevada renda, Ducati inaugura espaço de entretenimento no cruzamento das ruas Oscar Freire e Consolação, nos Jardins, São Paulo. Coisa fugaz, vai até 4 de outubro, mescla o design pós-vintage da moto com música e gastronomia.

GenteSandra Mariani, nova Diretora Financeira Corporativa, chefe financeira na Navistar Mercosul, controladora do International Caminhões e MWM Motores DieselOOOO Acumulará com RH e TI, fala direto com o presidente. OOOO Do ramo, foi ocupou mesmo cargo na GM Brasil e assessorou presidência na GM Corporation. OOOO Direção feminina na Peugeot do Brasil. OOOO Ana Thereza Borsari assumiu em 1/10 a Direção Geral da Peugeot no Brasil. Havia deixado o cargo de diretora de Marketing em 2010 para seguir carreira internacional como preparação para dirigir a filial brasileira. Substitui o chileno Miguel Figari, que retorna ao seu país.

 

Fazer automóveis no Brasil. Fiat começou primeiro

Usualmente quando se listam as marcas pioneiras no país a Ford é citada como a pioneira, tendo aqui chegado em 1919. Informação carece de fundamento. Por representante montou seus primeiros Modelo T na Bahia, em 1917. No citado 1919 decidiu vir para o Brasil, instalando-se em 1920.

A Fiat havia chegado antes, representada pela Grassi, finalizando produtos, distribuindo a marca, e em 20 de agosto de 1907 anúncio no carioca Jornal do Commercio, estampava:

 

À praça

Fabbrica Italiana Automobili Torino (FIAT), avisa ao público em geral que os srs. Tomaselli, Raul Senra & C foram nomeados nossos únicos e exclusivos representantes para as vendas de nossos produtos em todo o Brasil, mediante contrato assinado e legalmente registrado.

Protestamos, portanto, desde já contra aquelas pessoas que possam abusivamente se intitular possuidores de igual permissão.

Fiat America Latina 

Lange & C

Rio de Janeiro, 12 de agosto de 1907

 

A Grassi havia montado 275 unidades de diferenciados modelos Fiat antes de passá-la a Tomaselli e Senra, ponte a uma das 300 empresas do Conde Francesco Matarazzo, então o homem mais rico da América do Sul. Matarazzo intuía, automóvel seria bom negócio e arranjou representações européias de várias marcas sobressaindo a italiana Fiat e a francesa Bugatti. Como importador, aplicava mão de obra para montar, armar, e se diferenciava pela pintura, com três demãos, ao contrário dos outros importadores e montadores, com apenas uma demão.

Negócio se expandiu. Na década de 1950 a pioneira montadora em São Bernardo do Campo, SP, a Varam Motores, assumiu a representação, montando seus veículos na então mais moderna das fábricas nacionais. A Fiat propôs associação, mas o comendador Varam Keutenedjian, líder do negócio, declinou de ligação com sócio mais poderoso. Logo em seguida, a Fiat tentou vir ao Brasil em sociedade com empresa da qual era acionista, a francesa Simca. Também não deu certo. Quase fechou negócio para assumir a operação da fábrica Vemag, nacional representante da marca Auto Union DKW, desistindo na mesa de assinatura do contrato, e insistiu mais uma vez, buscando juntar-se, barrada pela Governo Federal, com a nacional Indústria Brasileira de Automóveis Presidente.

Viabilizou o projeto tantas vezes adiado, associando-se ao governo do Estado de Minas Gerais. Operação pequena, menor das fabricantes; expandiu-se; industrializou Minas levando seus fornecedores para lá; assumiu há 13 anos a liderança de vendas; e expandiu-se para nova fábrica em Pernambuco. Se tivesse como dístico A primeira continua sendo a primeira, não estaria errada.

 

Foto Legenda 05 coluna 4015 - Fiat  RENAULT DUSTER OROCH, PICAPE, OUTRO NÍVEL Foto Legenda 05 coluna 4015 Fiat

Fiat 1907, montado no Brasil

RN

rnasser@autoentusiastas.com.br
A coluna “De carro por aí” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

 

 

Sobre o Autor

Roberto Nasser
Coluna: De carro por aí

Um dos mais antigos jornalistas de veículos brasileiros, dono de uma perspicácia incomum para enveredar pelos bastidores da indústria automobilística, além de ser advogado. Uma de suas realizações mais importantes é o Museu Nacional do Automóvel, em Brasília, verdadeiro centro de cultura automobilística.

Publicações Relacionadas

  • Diogo

    Muito boa a coluna. A respeito do Niva, o Brasil até tem um produto com essas características: o Suzuki Jimny. Entretanto não atende ao público rural que precisa de um veículo simples por seu preço incrivelmente alto. Com relação à meta da Renault de aumento da fatia de mercado, o Oroch é sem dúvida um grande produto. Mas já passou da hora de lançar Logan MCV e substituir o velho Kangoo pelo Dacia Dokker.

    • Roberto Nasser

      Pessoal,
      Num resumo da coluna, tento mantê-la diferenciada com o maior número de informações por centímetro quadrado, e comentários tentativamente pertinentes aos ocorridos e aos a ocorrer. aplico tempo e recursos para a coragem da antecipação concreta de informações. Está dando certo, pelo que agradeço as manifestações.
      Dos comentários gerais, a Renault abriu novo segmento nos picapes, um nem tão pouco, nem tanto. É posição inteligente porquanto captarão leque maior de clientela hoje aplicado pelos fabricantes de picapes derivados de hatches pequenos e os montados sobre chassi de longarinas; ao oferecer praticidade de uso com a impressão de poder oferecida pela altura de condução, um atributo saudado pelo público feminino. Além do mais, por ser menor será mais fácil de conduzir na disputa de espaços urbanos.
      Sobre o comentário de empregar a distância entre eixos do Duster, não o faz: é 15,5 cm maior.
      O Toro fiat será um bom concorrente, iniciando pelo leque de motorização 1,8 melhorado e diesel. Final do ano, opção do 2,4.
      Sobre novos Renault, de acordo com o seu plano produto vem por aí, como a coluna antecipou, o picape grande, comum com Nissan e Mercedes, e o novo mini-SAV, substituindo o Clio e com a pretensão de ser o mais vendido da marca.

  • Ilbirs

    OROCH

    Não consigo considerá-la como concorrente da Toro, mas sim como concorrente de Saveiro e Strada em suas versões de cabine dupla, aí havendo a vantagem de quatro portas. Parto aqui do princípio de que se o Duster é um SUV pequeno, pela lógica a Oroch tem de assim ser considerada, uma vez que à exceção de entre-eixos e comprimento, as outras dimensões são iguais às do modelo do qual deriva, modelo esse que, como sabemos, usa as mesmas portas dianteiras e para-brisa do Sandero de primeira geração. Até mesmo a capacidade de carga regula com a das duas picapinhas de cabine dupla e menos recursos.
    Aliás, creio que com a chegada da Toro a Renault irá deixar explícito com quem de fato concorre a Oroch. E não recrimino isso, uma vez que ela mata a tiro de canhão os pernilongos ao redor.

    DIESELGATE

    Continuo crente de que esse episódio na prática irá antecipar mudanças maiores dentro do grupo, coisas de nível assemelhado ao que aconteceu quando a GM em 2008 deixou de ser a “velha GM” (General Motors Corporation) para ser a “nova GM” (General Motors Company, pessoa jurídica nova para a qual os ativos bons foram transferidos e que, com o tempo e sem dívidas, conseguiu resgatar o que ainda havia de bom na “velha GM”). Logo, entenda-se menos divisões e menos redundâncias propositivas. Como a cultura de uma companhia é diferente da cultura de outra, poderíamos aqui considerar também paralelos possíveis com a Ford, que antecipou uma mudança que poderia acontecer nas circunstâncias que aconteceram para GM e Chrysler. Como sabemos, a Ford em seu “fundo do poço controlado e antecipado” desfez-se de todas as marcas integrantes do Premium Automotive Group (Volvo, Jaguar, Land Rover e Aston Martin), extinguiu a Mercury e agora tem menos despesas com novas marcas, partindo agora para uma longa estratégia de internacionalização da Lincoln (já iniciada a partir da China).
    Ainda sobre o assunto, eis que o pessoal de The Fast Lane Car descobriu como funciona a malandragem eletrônica que gerou a crise:

    Sem querer os caras desse site deram uma dica boa para se identificar outras possíveis malandragens: testar em dinamômetro para tração nas quatro rodas todo e qualquer carro. Pode ser que isso se torne um padrão nas agora mais rigorosas avaliações de poluentes que vêm por aí, que também creio que irão envolver captação com o veículo em movimento e outras possibilidades, como testar aleatoriamente um carro que saia da linha de montagem.

    HB20 REESTILIZADO

    A Hyundai aqui prova algo que já estávamos vendo nitidamente com o HB20 pré-reestilização: a modinha de um mesmo fabricante fazer diversos carros para um mesmo tipo de segmento causa apenas divisão de vendas, concorrência interna desnecessária e aumento de gastos na linha de montagem para a confecção de peças muito específicas, aumento esse que reflete também na rede autorizada, que precisa ter mais inventário e, portanto, mais gastos com peças. O que está sendo feito com o HB20 em si nada tem de tanta novidade. No passado, tínhamos ampla gama de versões de acabamento para um mesmo modelo, de maneira a esse único modelo abranger diversos gostos e bolsos, além de boa parte das peças ser de um mesmo tipo e preço. O atual vice-líder de nosso ranking na prática está fazendo a operação brasileira da Hyundai ter mais lucro líquido que boa parte da concorrência (aqui entendendo-se aquelas que têm diversos modelos para um único segmento).
    A reestilização acabou indo para além de dar uma sobrevida a um produto bem-sucedido e marcar basicamente seu meio de ciclo de vida, agregando mais argumentos de venda a ele. Se alguém estivesse pensando em ir para um Onix por causa da transmissão automática de seis marchas, agora olha com mais carinho para o HB20, que tem não só isso mas motores mais modernos (e agora sem tanquinho de partida, o que tira parte dos argumentos para que alguém pensasse em 208 e C3 em versões 1.6 16V e Fox 1.0 12v reestilizado). No caso da transmissão manual, a sexta marcha para o 1.6 acaba também dissuadindo quem estivesse pensando em partir para um Fox 1.6 16v, sobrando para esse modelo apenas o argumento de maior espaço interno.

    Vamos aguardar as reestilizações de HB20S e HB20X, ainda mais se considerarmos que estes não têm o mesmo bom desempenho de vendas do hatch de altura normal do solo.

    JIPE SIMPLES PARA O BRASIL

    Volto aqui a bater na tecla de que seria ótimo olhar com mais atenção para o TAC Stark, cujos atributos aqui apontei e que poderiam inclusive servir de guia para um possível novo Wrangler, caso a compra da TAC pela Fiat tivesse se concretizado.

    TORO

    A estratégia da Fiat de mandar mensagem com o teaser para os jornalistas que estavam no lançamento da Oroch foi muito boa e vemos que na prática deu uma esvaziada no lançamento do concorrente. Quem acompanhou o noticiário automotivo nestes dias também se surpreendeu com o tanto de vezes que a Toro apareceu sendo noticiada. Também circulam fotos do modelo em especificação definitiva e na linha de montagem, em que inclusive dá para ver pela altura do chão da caçamba a afinidade em especificação de plataforma com o Doblò de segunda geração, do qual já sabíamos que a Toro iria usar a suspensão traseira Bi-Link:

    http://a.disquscdn.com/uploads/mediaembed/images/2606/3550/original.jpg

    http://a.disquscdn.com/uploads/mediaembed/images/2606/3552/original.jpg

    Ficou interessante essa solução de ponteiras de LED alinhadas com o logotipo e os faróis de fato serem os dois blocos na altura da grade real, ainda mais que vemos isso com mais nitidez. Cai dentro daquela história de diversos modelos de diferentes divisões terem estilos diferentes, mas marcas estilísticas que acabam demonstrando serem do mesmo grupo, a tal tônica que ficou popular quando dos tempos de Harley Earl na GM:

    http://autoentusiastas.com.br/wp-content/uploads/2015/10/Foto-Legenda-03-coluna-4015-Picape-Fiat-Toro-2016.jpg

    http://momentoauto.com.br/wp-content/uploads/2015/02/Jeep-Grand-Cherokee-2015-2.jpg

    Observe-se que o capô da Toro tem largura mais integral do que a da Cherokee, assim como o que há para baixo das ponteiras de LED de cada um desses veículos é bem individualizado, além de obviamente haver a individualização de a Toro ser SUSW/B-Wide e a Cherokee, CUSW.
    Já que a Fiat chama a Toro de sport utility pick-up e saibamos ser esse termo apenas um recurso marqueteiro, vamos perguntar se ela de fato vai ter uma parede de caçamba rebatível como aquela de uma Chevrolet Avalanche, uma vez que isso ao menos por ora aplacaria totalmente os pedidos por uma cabine estendida e parcialmente aqueles por uma cabine simples.

    POWERSHIFT CONSERTADO

    Não entendo que mania é essa de a Ford brasileira mudar o nome daquilo que porventura esteja enfrentando problemas. De Focus Sedan passou a Focus Fastback e agora temos essa de tirar a marca internacional PowerShift das transmissões de duas embreagens. Fica aquela sensação de se quererem que uma rosa não seja vista como uma rosa se o nome dado for outro.
    Se o pessoal a apelidava na base de simplesmente tirar o F de “Shift”, era justamente por causa desses problemas que vinham ocasionando muitas reclamações e para os quais a marca do oval azul não estava prestando a atenção que deveria ter prestado. Que esse novo retentor e os trabalhos para evitar os barulhos internos deem certo, pois já dirigi carro da marca com pouca quilometragem, e portanto transmissão em plena ordem e silêncio por não ter quase nada de desgaste, e digo que fiquei com impressão das mais positivas em relação ao funcionamento do sistema, e isso porque não sou fã de transmissões que trocam de marcha sozinhas.

  • Maycon Correia

    Golf VII brasileiro, agora com eixo traseiro de torção… Já vejo ele defasado num futuro próximo, exatamente igual ao que foi produzido entre 1998 e 2013!

  • Lauro Agrizzi

    Muito boa esta coluna de hoje. Histórias e informações valiosas.

  • FOC

    Nossa não deu para parar de ler, parabéns. Os esclarecimentos sobre a VW foram ótimos também.

  • Claudio Abreu

    Ótima coluna, como sempre.
    E me permitam questionar a Fiat (inclusive) e suas invencionices: Sport Utility Pickup? daí talvez só o último seja verdadeiro, visto que não é esportivo e, em função da caçamba mínima, tão pouco utilitário – da mesma maneira que o Oroch. Ambas entregam o filão a que vieram quando não disponibilizarão cabine simples (a essência de uma picape). São ‘boas máquinas mecânicas’? Sem dúvida. Mas também, fruto do encontro da velha esperteza dos fabricantes (ganho de escala em outros modelos da família, maior margem de lucro por posicionamento superior) frente às idiossincrasias brasileiras (certo desperdício e ostentação). E não é à toa que surgiram aqui nessas terras – isso diz muito bem quem é o brasileiro.

  • Davi Reis

    Coluna ótima! Mais completa do que nunca, dando mais gosto de ler do que o usual.

  • motoristadobrasil

    Pelo menos tem alguém para fugir da mesmice no mundo das caminhonetes e mudar um pouco o visual nas ruas.