Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Podem me chamar de… – Autoentusiastas

Podem me chamar de…

 

Young woman driving car

Nome é algo fundamental. Não é apenas algo que nos identifica, mas o carregamos ao longo de toda a vida — bem, em alguns casos pode ser mudado ou ignorado e trocado por apelidos, mas o RG está lá para nos lembrar que ele existe e cada vez que vamos a um edifício e temos que apresentar um documento, pronto, é inevitável. E ser chamado em voz alta? Tem cada mico!

Lembro quando vim morar no Brasil que várias coisas me chamaram a atenção: que nos açougues se vendesse algo para comer conhecido como “lagarto”, que uma fruta gigante chamada jaca crescesse em árvores e que pais misturassem os próprios nomes e os dessem aos filhos. Chamo isso de nome de liquidificador: metade do pai, metade da mãe. Liga, mistura bem e sai cada coisa. E na segunda geração, então! Bem…

Eu mesma não posso falar muito. Gosto do meu nome. Nora. Acho sonoro, curto, prático, fácil de pronunciar e soletrar. E ele existe em quase todos os países. Não digo todos pois deve ter algum onde não, mas desconheço. Mas meus pais pensaram em muitas coisas menos que acabaríamos morando no Brasil. Imaginaram como soaria e nas traduções em sei lá quantos idiomas menos, claro, em português. Pensaram nas abreviações, nas siglas com meus sobrenome e nome do meio, tudo. Menos em português. Minha madrinha (argentina) inverteu o primeiro nome com o nome do meio de um dos filhos, pois o acrônimo com o sobrenome ficaria o equivalente em português a fdp. Faz sentido.

Mas meus pais demoraram muito para chegar em Nora. E até hoje não sei por quê. Quase 20 horas depois de nascida uma das freiras do hospital onde nasci deu uma “prensa” neles para que me dessem um nome. Ela alegou que não podia continuar me chamando “315” que era o número do quarto em que minha mãe estava. Nasci quando eles já estavam casados há anos, depois de nove meses completos de gestação então, por que não sabiam como me chamar? Minha mãe diz que queria ver minha carinha para escolher. E eu era igual a todo bebê. Ainda bem que ela escolheu Nora e não Joelho.

E já contei que a sobrinha de um amigo passou um certo tempo me chamando de Sogra. Bem, aqui falamos apenas de nomes próprios, que envolvem preferências pessoais. Imagino como deve ser escolher o nome de um carro, que pode representar vendas menores ou maiores também. Os fabricantes passam meses e grandes equipes discutem opções para batizar os modelos que serão lançados.

No entanto, muitas vezes dá tudo errado. Claro que não se pode atribuir ao nome o fracasso de um carro que não chega a tanto, mas tem algum peso, sim. Mas pequeno, sejamos sinceros.

 

Ibiza

Seat Ibiza: nome curto, de cidade, fácil de lembrar (foto quecochemecompro.com)

Nem vou falar dos já conhecidíssimos Ford Pinto (no Brasil) e Mitsubishi Pajero (na Argentina) e me poupem das explicações pois mesmo escrevendo fico vermelha. Vou falar apenas dos que acho confusos.

Claro que nome tem tudo a ver com preferências e aí entramos no campo dos intangíveis. Pessoalmente, prefiro nomes curtos e fáceis de pronunciar em qualquer idioma. Portanto, muitas vogais e poucas consoantes: Punto, Corolla, Etios, Corsa, Onix. Nomes de cidades também funcionam bem para mim: Siena, Torino, Ibiza. Alguns apenas acho que permitem uma pronúncia diferente nas várias regiões do país ou em outros países, o que dificulta a compreensão: Renegade, Partner, Jumper.

Quando tem apenas letras, começa minha confusão. Acho que é mais fácil misturar os fabricantes nessa sopinha de letras. Por exemplo: HR-V, RCZ, DS.

Quando misturam letras e números aumenta ainda mais minha confusão — além de me lembrar uma batalha naval (A4, água): SW4, HB20, C3.

 

Mercedes

Mercedes-AMG GT: belo carro, mas sigla difícil de explicar (foto divulgação Mercedes-Benz)

Colocar nomes com letras, mesmo quando significam algo, é ainda mais complicado. Vamos a um exemplo: Mercedes AMG. A sigla vem do sobrenome de dois engenheiros ex-funcionários da Mercedes-Benz, Hans Werner Aufrecht (A) e Erhard Melcher (M), mais a cidade onde nasceu Melcher, Grosspach (G). Entenderam? Fácil, não?

Mas, como disse antes, estamos no campo das preferências. E também pode ser que eu seja meio burrinha, não?

Mudando de assunto: OK, o cabelo do Lewis Hamilton ficou ridículo, mas dar mais espaço a isso do que a belíssima corrida do Kimi Räikkonen me parece injusto. O destaque da Fórmula 1 em Monza domingo foi ele. Ou por acaso alguém achava que o inglês não ganharia mais uma? Quanto ao Nico Rosberg, por mais que torça por ele pois acho ele bom, técnico e dedicado, com carro inferior e um azar impressionante, não acredito que consiga ganhar um campeonato. Falta-lhe estrela. Infelizmente. E gostei de ver o Felipe Massa no pódio.

NG

Foto de abertura: huffingtonpost.com
A coluna “Visão feminina” é de total responsabilidade de sua autora e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

Sobre o Autor

Nora Gonzalez
Coluna: Visão Feminina

Nora Gonzalez é jornalista, foi repórter (inclusive de indústria automobilística) e editora da Gazeta Mercantil e de O Estado de S. Paulo durante muitos anos. É fã de carros desde pequena, especialmente de Fórmula 1.

  • Mingo

    Meu nome predileto de carro sempre foi Corcel, e olha que nunca tive um! Acho simples e bonito e pelo menos para mim passa uma idéia de companheiro para o que der e vier, assim como o animal.

    • Lemming®

      Mustang…hehe

    • Cristiano Reis

      Escorte, gosto muito desse.

  • “(…) Minha mãe diz que queria ver minha carinha para escolher. E eu era igual a todo bebê. Ainda bem que ela escolheu Nora e não Joelho. (…)”

    Nora, só você, mesmo!!! Estou rindo, até agora!

  • Eduardo Silva

    Tem os nomes que são indevidamente “inglesados”, como o ESCAPADE, que alguns pronunciam Escapeide. Provavelmente são os mesmos que em um mundo livre diriam “Tabela Faipe” para a Tabela Fipe. Tenho dúvida sobre a pronúncia do Azera/Azira. Não me ocorrem outros agora. Achava imponente o nome Diplomata, ou até mesmo o Comodoro. E gosto muito do nome Vectra. Acho forte.

    • J Paulo

      Verdade. Comodoro e Diplomata são nomes muito bonitos.

    • Eu sempre falei “Azéra”, até descobrir que é “Azira”.

  • Rafael Malheiros Ribeiro

    Que tal os nomes dos filhos do casal de músicos Baby Consuelo e Pepeu Gomes?
    Riroca ( que depois mudou seu próprio nome para Sara Sheeva)
    Zabelê
    Nãnashara
    Pedro Baby (que sorte desse menino…)
    Kryshna Baby
    Kryptus Baby

    • Lucas

      PelamordeDeus. Com uns nomes desses, prefiro as “sugestões” da tabela periódica: Berílio, Estrôncio, Térbio, Bismuto, Polônio, Nobélio (que poderia virar Nobélia), Lutécio…..

      • Mr. Car

        O nome de um cachorro Fila que meu pai deu ao meu avô, foi escolhido assim. Como o bichinho (depois, bichão) ia passar um tempo em casa antes que meu avô pudesse vir de São Paulo buscar, precisava ter um nome. Eu era estudante de segundo grau, e não tive dúvida: abri a tabela periódica na minha frente, fechei os olhos e assim, coloquei o dedo sobre ela, he, he! O cachorrinho estava batizado: “Bismuto”! Depois, meu avô trocou para “Carranca”. Me diverti muito com este cachorro. Era manso como um carneirinho, mas curiosíssimo. Quem chegava à fazenda pela primeira vez, sem saber da mansidão, descia do carro para abrir a porteira, e o bicho surgia do nada como uma bala, em direção ao desavisado. Presenciei cenas hilárias de gente correndo de volta para dentro do carro, he, he!

        • CorsarioViajante

          Bismuto é um excelente nome, já sei como meu próximo cachorro vai se chamar!

          • Bacana, e o filho do Bis-muto poderia ser o Tris-muto, não é mesmo?

      • RoadV8Runner

        Rachei de rir com seu comentário!

      • Nora Gonzalez

        Lucas, vixi! quase todos na minha família são químicos, incluindo meus progenitores. Ainda bem que eles não tiveram essa idéia. Já pensou Berília Gonzalez? Ou Sulfato de Sódio Gonzalez? Apesar de algumas confusões, Nora é muitíssimo melhor.

        • Já pensou, Propanoato de Etila Gonzalez? É, melhor não. kkkkkkkk

    • Dorgas..

  • Mr. Car

    Nora, adoro o humor dos seus posts! E juro, só agora que você falou, associei seu nome ao grau de “parentesco” que existe entre um dos cônjuges e a mãe do outro. E é mesmo um nome prático e fácil, he, he! Mas mudando de pato para ganso, digo, de gente para carro: também gosto de carro com nome, não com números ou letras. E há, claro, que se pensar no significado que o nome possa ter da língua do país onde ele será vendido. Lembrei do nosso Monza, que aqui não poderia se chamar Ascona, por lembrar asco, nojo. O Pinto é óbvio o motivo, e Pajero também já sabia. Um que passou aqui meio que despercebido foi o Corsa, que para nós soa exatamente como corça, que é um cervídeo, ou seja, um veado. Se o pessoal tivesse se dado conta disto, não vendia nada, he, he! Deve ser mesmo difícil dar nome a um carro. Não gostei por exemplo de Oroch (Renault), e de Toro (Fiat). Para o utilitário da Fiat, cheguei a pensar em outros nomes que eu acharia melhores. Como é uma camionete, pensei em algo que remetesse geograficamente ao interior, como Fiat Campo, ou ainda à sua aptidão para o trabalho, como Fiat Lida, ou Fiat Lavoro. Será que sou bom em dar nome para carro, he, he? Abraço.
    Para pensar: “Um dia há de estar tudo bem: eis a nossa esperança; e hoje tudo está bem: eis a nossa ilusão”. (François Marie Arouet Voltaire)
    Para ouvir(Youtube): “The Brass Ring _ The Dis-Advantages Of You”
    PS: Bob, na qualidade (muitos dirão que é defeito, he, he!) de fumante, você se lembra qual marca de cigarros teve esta canção como tema em seu comercial de TV, há muuuuuitos anos atrás?

    • Nora Gonzalez

      Mr. Car, nas festas com muita gente meu sogro adorava brincar com meu nome e nas rodinhas me apresentava rapidamente: “Minha nora, Nora”. Em algum momento, sempre alguém dizia: “Desculpe, eu não sei o seu nome”. Era questão de tempo.

  • David

    Honda City(Cidade), Honda Civic(Cívico) Honda FIT(FITness? bad tum dss) Nomes fáceis de decorar. Agora Ford Fusion(Fiusion?)é complicado..

  • CCN-1410

    Eu também acho péssimo denominar um carro por letras ou letras e números. Além da falta de imaginação, é difícil de guardar.
    Fiat Siena: Sei de quem gostou do carro mas não levou por considerar o nome horrível.
    Pior foi certa vez em que liguei para uma concessionária SEAT e vendedor não cansava de dizer “Siat”. Pior que, quando eu falava corretamente, eu podia notar uma certa gozação em sua fala, onde ele repetia bem lentamente, “Siat”. Talvez por isso a marca não deu certo no país. Imagine o vendedor não saber a pronúncia correta daquilo que vende.
    Alguns nomes que acho bonitos: Corcel, Chevette, Belcar, Vemaguet, Falcon, Fiesta, Aero-Willys e Belina.
    Interessante que não gosto de nenhum nome dos atuais Volkswagen, mas gosto de Kombi, Karmann-Ghia e Fusca, este nominado pelo povo.

    • Cristiano Reis

      Como se pronuncia SEAT?

      • CCN-1410

        A pronúncia correta é SEAT, como se escreve, que quer dizer: Sociedad Española de Automóviles de Turismo.

  • Comentarista

    Felipe Massa é piloto mediano, igual ao Barrichelo. Só chega ao podium se ocorrer algo de errado com os corredores da frente.

  • Nora Gonzalez

    Rafael Malheiros Ribeiro, apesar de ter diversas restrições, não tenho certeza se o maior problema deles é o nome…

  • Roberto Alvarenga

    A GM/Opel tinha uma lógica interessante para atribuir os nomes de seus carros: curtos, com no máximo 3 sílabas, começando com letras diferentes para não confundir e sempre terminando com a letra A. Corsa, Vectra, Omega, Astra, Zafira, Meriva. Acho nomes perfeitos, pronunciáveis em quase todas as línguas e de fácil memorização.

    • Dieki

      a Ford americana nomeia seus carros sedãs e hatches com F no início: Focus, Fiesta, Fusion, exceção notável é o Taurus. Os SUV com a letra E e temas relacionados a esporte: Escape, Excursion, Explorer. O Ecosport foi nomeado seguindo essa lógica americana.

      A Toyota gosta do tema coroa nos seus sedãs. Corolla, Crown, Corona, Camry, Celica. Outros nomes vem do latin.

  • Roberto Neves

    Levei meses para acertar o nome do carrinho da Hyundai. No início eu falava “H2O”, para diversão dos colegas do trabalho. Abraço!

  • Lucas dos Santos

    Belo texto, Sogra, digo, Nora!

    Concordo com você que os carros cujo nome é formado por apenas letras, números ou ambos são os mais difíceis de guardar.

    Interessante também é a tendência da Fiat “transformar” versões em modelos. Por exemplo, o Fiat Uno Mille passou a se chamar apenas Fiat Mille. E parece-me que o Fiat Palio Weekend agora é Fiat Weekend e o Fiat Palio Adventure passou a se chamar Fiat Adventure. Ainda sobre a Fiat, tem também o Fiat Viaggio, mesmo nome de uma carroceria de ônibus rodoviário.

    Sem falar dos ditos “carros mundiais”, que podem ter seus nomes originais substituídos por outros mais consagrados na região. Li em uma Quatro Rodas antiga que o Kadett, a princípio, continuaria utilizando o nome Chevette (se fosse nos dias atuais, certamente o chamariam de “New Chevette”!). E li também na mesma Quatro Rodas que o Verona foi um nome gerado aleatoriamente por computador.

    Quanto à Fórmula 1, achei a corrida um tanto monótona do meio para o fim. Jamais imaginei que eu fosse dizer isso de uma corrida em Monza, minha pista favorita. Interessante ver como a disputa está apertada entre os companheiros de equipe. A maioria muito próximo na tabela de classificação. Quanto aos pilotos da Mercedes, resta o Hamilton abandonar com o Rosberg ganhando para voltar ao equilíbrio.

    • Mr. Car

      Verona me parece mais provável que seja por conta da cidade italiana. Sempre achei que fosse, e sempre me lembro dela quando ouço ou leio o nome do Ford.

  • Mingo

    Mustang também é legal, mas é um cavalo selvagem. O Corcel é aquele cavalo treinado, que além de correr, serve para passear com a patroa, carregar as compras do mês e levar a molecada para a escola…

  • Eduardo Mrack

    Gosto dos nomes de carro tradicionais, especialmente se seguem um mesmo padrão específico, como os Opel com nomes baseados em patentes militares ou os VW nomeados com referência a esportes, dentre muitos outros, carros e marcas. Criatividade não é rebuscar e tornar complexo, mas sim simplificar e tornar agradável.

    • Dieki

      A Porsche usa nomes que sejam de fácil pronúncia em muitos idiomas, como Cayman, Cayenne, Macan e Panamera. O Boxster foi um deslize qualquer.

  • Daniel S. de Araujo

    O duro do nome é que pode acabar virando piada…

    Os primeiros Gol 1300 a ar eram os “bola da trave” e o Hyundai Veloster virou o “Moloster”.

    • nbj

      Também chamado “Lentoster”.

    • Balla

      Eu conhecia “Lerdoster”, “Moloster” para mim é nova… rs…

    • WSR

      Em Vitória-ES, nos anos 80, existia um Natrave. Era um Gol BX verde claro que rodava com esse nome estampado numa plaqueta de alumínio batido, rs.

  • Stark

    Como sempre, ótimo texto! Um carro que não gosto do nome e merecia uma mudança no Brasil é o Kia Picanto. Sempre fazem piadinhas de duplo sentido com ele. Os Citroën Picasso também sofrem do mesmo mal, mas neste caso o nome tem uma justificativa, faz parte da ‘originalidade’ do carro.

  • RoadV8Runner

    O texto ficou divertidíssimo! E agora vou ter que dar um jeito de descobrir o que Pajero significa para nossos amigos portenhos, esse nome para mim é novidade…

    • fabio

      Eu sei, mas não vou contar aqui. Viajei com uma Pajero Sport até Ushuaia, pelo Chile e Argentina. Toda hora tinha alguém apontando para o carro e rindo, teve até um grupo que pediu para fazer uma selfie ao lado do emblema do carro. rsrsrsrs

    • agent008

      Pelo que eu sabia, é uma gíria que descreve rapazes adolescentes que, no auge da puberdade, têm por gosto, digamos, estimular-se por conta própria. É o mais especifico que posso ser, mantendo o decoro usual do site!

      • Não seria mais simples dizer “masturbador” ou isto é politicamente incorreto???

        • agent008

          Verdade mas a idéia era ser bem humorado… Não sou mesmo famoso pelas minhas piadas hehe

  • cjvital

    Temos um caso interessante e também cômico no Brasil, um fabricante com um nome bem “sensual”. O pior é que não adianta mudar o nome de um modelo ou outro, o problema será eterno enquanto durar rsrs.

    • Por isso que eles mudaram o nome aqui para Chang’an.

  • Eduardo Sérgio

    Pior do que um nome estranho e diferente é ter aquela sensação de ser tratado como idiota pelos fabricantes, como aconteceu por exemplo com o Vectra “3a. geração” produzido aqui no Brasil, que nada mais era do que o Astra europeu. A mesma coisa podemos dizer do Peugeot 207 “Tabajara” brasileiro: apenas o modelo 206 retocado.

  • Leonardo Mendes

    Acho que pior que tudo isso é a Peugeot com seus carros denominados por números de 4 algarismos.

    Fica uma confusão tremenda quando eu falo que minha mãe foi dona de um “3008 2011/2012”, parece senha de ataque nuclear em filme de espionagem.

  • Não leiam isso

    Folclórico ex-prefeito de São Mateus (ES), Amocim Leite (também conhecido por “Loveyesmilk”) tomava um demorado chá-de-cadeira na antesala de Gérson Camata, então governador capixaba, quando interpelou a secretária, irritado, sobre o motivo de tanta demora.

    – É que ele está falando com um pessoal que veio de Brasília…

    – Não entendo – reagiu Amocim – Eu vim de Monza e eles são mais importantes do que eu?!

  • daniel kim ferreira

    Não acreditei quando um amigo que trabalhou em Honduras me contou o que significava Pajero lá, que o pessoal ria dele quando se dizia dono de um, e que o carro na A. Latina se chama Montero… Aliás, um nome que não cairía mal aqui no Brasil.

  • m.n.a.

    ESCAPADE é francês ! (da Peugeot)

    pronuncia-se “escapáde”…

  • Nora Gonzalez

    daniel kim ferreira, sim, na América Latina inteira, exceto no Brasil, o carro se chama Montero. Pessoalmente acho estranho pois é um sobrenome relativamente comum. Já pensou comprar um Fiat Silva? ou um Ford Santos? sei lá…

  • WSR

    E Hyundai?