Como se comportam os dois sexos ao volante? A sociedade tradicionalmente machista defende o homem, mas as estatísticas dizem o contrário.

 

 

– Mulher dirige melhor que homem?

O seguro do carro da mulher custa menos, pois as seguradoras se baseiam em estatísticas. Entretanto, o número de acidentes de automóveis com homens e mulheres ao volante é o mesmo. Então, por que elas pagam menos? Por ser menor o custo para o reparo dos acidentes em que elas se envolvem. O custo do conserto de um automóvel que bateu com um homem ao volante é 28% em média mais elevado. Ou seja, as mulheres dirigem mais devagar e o impacto de suas batidas é menor. Por isso, as apólices de seguro para automóveis dirigidos por homens tem custo cerca de 15% superior.

– Fábrica tem que caprichar mais no automóvel de mulher?

Elas discordam e dizem demandar o mesmo que os homens. Mas as fábricas dedicam milhares de horas de pesquisas para agradar as mulheres. Não foi à toa que finalmente instalaram espelho retrovisor no pára-sol do motorista. Iluminado, se possível, para o batom e a maquiagem à noite.O revestimento do banco não pode ser áspero pois rasga meias de seda. A maçaneta externa tem que estar longe da porta para não danificar unhas compridas. Volante não deve exigir esforço físico e, por isso, nem pensar em direção sem assistência. Estepe não pode jamais estar sob a carroceria nem exigir ginástica para ser retirado do porta-malas. A troca em si não é problema pois — dizem elas — este um dos raros momentos em que ainda aparecem “gentlemen” que se prontificam a substituir o sobressalente quando o avistam encostado fora do carro…

– Mulher domina as novidades tecnológicas?

Quase nunca. É quase exceção a que se dedica a ler o manual. No que, aliás, não diferem muito dos homens. E costumam ignorar solenemente os controles das modernidades que — segundo elas — só atendem às exigências dos homens. Estes, por sua vez, não chegam a utilizar sequer 50% da parafernália colocada à sua disposição…

– Mulher é mais atenta ao volante?

Sim. Uma pesquisa recente na Inglaterra observou o comportamento de motoristas em trechos movimentados e anotou as faltas e desatenções cometidas. As mulheres se saíram muito melhor na avaliação, contempladas com menos pontos negativos que os homens.

– Mulher cuida melhor do automóvel?

Dizem os mecânicos que, de uma maneira geral, elas interferem menos quando levam o carro para revisão. Homens dão palpites e negam a sugestão de alguns serviços essenciais (pois acham que entendem de mecânica), enquanto as mulheres assumem não entender do assunto. Entretanto, elas são mais propensas a se esquecer de levar o carro para revisão no prazo recomendado.

– E na compra do carro novo?

Mulher se deixa levar mais pela emoção que pela razão, até por se interessarem menos pelo lado técnico. Mas observa detalhes que passam despercebidos pelos homens. Elas é que, em geral, decidem a compra. Mas podem pesar alguns dos argumentos do homem (marido, amigo, pai, irmão, filho..) em relação aos aspectos práticos e técnicos.

– Mulher e carro de corrida não combinam?

A mulher tem tanta aptidão quanto o homem para controlar máquinas. E algumas até marcam (discreta) presença nas pistas. Mas, fora a notória superioridade física masculina, o que as mantiveram distantes de carros e motos de corrida, das cabines de caminhões, trens e aviões foi o vício cultural, o lugar que sempre lhes foi negado na história pela sociedade patriarcal e machista.

BF

Foto: www.trinimotors.com
Boris Feldman, jornalista especializado em veículos e colecionador de automóveis antigos, autoriza o Ae a publicar sua coluna veiculada aos sábados no jornal Hoje em Dia, de Belo Horizonte (MG).
A coluna “Opinião de Boris Feldman” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

 

(91 visualizações, 1 hoje)


Sobre o Autor

Boris Feldman
Coluna: Opinião de Boris Feldman

Boris Feldman é engenheiro elétrico formado pela UFMG, também formado em Comunicação, jornalista especializado em veículos e colecionador de automóveis antigos. Além da coluna Opinião de Boris Feldman no AUTOentusiastas, é colunista do jornal Hoje em Dia, de Belo Horizonte, e do jornal O Povo, de Fortaleza e tem o programa de rádio Auto Papo, na emissora Alpha FM, de São Paulo, e em mais 38 emissoras pelo país, com três edições diárias.

Publicações Relacionadas

  • Rodolfo Feijó

    Nunca vi mulher nenhuma medir nível de óleo ou olhar o nível da água. Cheguei a uma vez a dirigir um carro de uma mulher que estava sem óleo… senti o motor fraco e encostei e escutava ruídos metálicos, mas a luz de óleo não acendeu. Puxei a vareta, nem media óleo.
    Coloquei óleo e devolvi o carro e então perguntei:
    Eu: – Você estava escutando uns ruídos do motor?
    Ela: – Sim.
    Eu: – Era porque estava sem óleo!
    Mas em fim não podemos generalizar, porque muito homem não olha nível dos fluidos… mas mulher é raríssimo ver isso. O que importa na realidade é o dono ser cuidadoso… sempre checar o nível dos fluidos e trocá-los de acordo com o que manda o Manual do Proprietário.

    • César

      Desculpe Rodolfo, mas muitas são, sim, interessadas. Muitas vezes falta quem ensine.

  • m.n.a.

    aqui em Curitiba, de cada 4 carros com as luzes apagadas no comecinho da noite, 3 são conduzidos por mulheres…

  • Rodolfo Feijó

    Conheci um médico que disse que achava totalmente desnecessário trocar óleo do motor, era só para completar. Ele disse que nenhum carro dele ele trocou óleo…
    Acho que ele deve trocar de carro 0-km todo ano!

    • Luciano Ferreira Lima

      Feijó, concordo com você, porém acredita que comprei meu Logus em 2006 e até hoje nunca abri o bujão do cárter? Sei que é desleixo meu com um motor que apesar de não fumacear consome 1 litro de óleo a cada 300 km. Fica a a título de curiosidade o consumo de óleo maluco de meu velhinho.

      • Rodolfo Feijó

        Está zoando com a minha cara, não é? Você disse acima que é dono de oficina…
        Veja este vídeo do carro que rodou 18.000 km sem trocar óleo:

        • Mineirim

          Rodolfo, acho que a pegadinha é que ele troca óleo por sucção. Aquela máquina que funciona com sonda no tubo da vareta.

        • Lorenzo Frigerio

          Isso é causado por combustível contaminado, não por rodar 18.000 km.
          Como não dá para confiar no combustível, troco a cada 5.000 km.

        • Luciano Ferreira Lima

          Verdade, nunca retirei o bujão do cárter desde 2006 quando o comprei. Troquei sim, duas vezes o filtro de óleo. Estou com um motor 2,0 guardado que comprei numa pechincha em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, para quando o 1,8 começar a fumacear eu trocar o miolo interno do 2,0 colocar no bloco do 1,8. Sei que é desleixo, mas não compensa abrir esse motor que só comigo esses 9 anos rodou cerca de 65 mil km Abraços, amigo.

          • Rodolfo Feijó

            O meu gol usando o óleo Shell Helix 20W-50 economiza mais óleo ainda… faz 150 ml a cada 1000 km, mas eu prefiro usar o Mobil Super 20W-50 mesmo. Já o seu está fazendo 3300 ml a cada 1000 km. Você deve gastar uma dinheirama em óleo se roda muito…
            O óleo do seu carro não deve ter tempo nem de envelhecer no motor, pois logo ele é queimado na câmara de combustão.

          • Luciano Ferreira Lima

            Sim e mesmo “alcoólatra” de óleo, assim deixa muito Corolla e Amarok para trás ainda (rs). Só na arrancada, pois não gosto de passar dos 90 km/h. Acostumei a andar nos 80 no Scania R440 em que trabalhei.

      • Rodolfo Feijó

        O meu é um Gol 1990 – AP1800 e está com 223.000 km. Ele consome 300 ml de óleo a cada 1000 km. Eu uso óleo mineral Mobil Super 20W-50 – API SM.
        Acho o consumo do seu Logus extremamente exagerado… acho que você devia abrir o motor e ver se é necessário trocar anéis etc… ou até uma retífica completa do motor.

      • Cadu

        Com esse consumo, não precisa trocar mesmo. A cada 2.000 mil km você já esgotou todo o óleo antigo!

        • Rodolfo Feijó

          Pior ainda… ele esgota o óleo do cárter a cada 1000 km praticamente…
          Pois o consumo dele é de 3,3 litros a cada 1000 km, sendo que o cárter do Logus 1.8-L é de 3,5 litros.

    • CorsarioViajante

      Ele troca de carro a cada seis meses ou 10.000 km, o que ocorrer primeiro! rs

  • Lemming®

    Dá para fazer uma lista das balelas de que mulher é isso ou aquilo melhor do que os homens ao volante…
    Atenção – passando baton, arrumando cabelos, etc..etc..
    Velocidade – aff…
    Manutenção – o que é isso?
    Novo – é bonito?
    Dirige melhor? – proporção homem X mulher no trânsito?

    Não se pode dizer que naturalmente é pior mas não me venha com balelas e estudos com meia dúzia de motoristas…

  • Grande matéria caro Boris, parabéns…
    Homens e mulheres na direção, uma questão interessante.
    Acho que há espaço para uma análise que ultrapassa aspectos físicos ou racionais. A meu ver homem e mulher entendem o ato de dirigir de maneiras totalmente diferentes. Acho que vários acidentes ocorrem exatamente devido à esta diferença. Talvez um trânsito só de mulheres ou só de homens daria resultados melhores no que se refere à convivência. Mas isto obviamente é algo utópico e dai a necessidade de estabelecer a convivência o mais pacífica possível.
    Provocar acidentes nem sempre é uma coisa imediata, ou seja de bater no outro; mas existem os acidentes consequentes, aqueles causados por manobras esdrúxulas de quem vai na frente, que saem ilesas, mas levam os que estão atrás ou na proximidade iminente a se envolverem em acidentes. Com isto as reais causadoras da situação nem aparecem nas estatísticas. Não sei se estou exacerbando na minha condição de chauvinista contumaz, mas muitas vezes o tal “excesso de cuidado” presente no modo de conduzir de muitas mulheres deixa um rastro de acidentes “não contabilizados” como sendo causados por “elas”.
    Mas entre homens e mulheres há os que dirigem muito bem e os que dirigem muito mal, na minha família a minha esposa dirige muito bem, por exemplo…
    Certamente é um assunto que continuará sendo polêmico…

    • CCN-1410

      Manobras esdrúxulas,
      Você está certíssimo!

    • Paulo César_PCB

      Concordo, Alexander em gênero, número e grau. Fui testemunha ocular de vários fatos automobilísticos causado por mulheres ao volante. Manobras imprudentes, mais por imperícia do que por irresponsabilidade, estacionamento irregular, em porta de escola então. Não sinalizar em manobras, conversões etc. o YouTube que comprove. Agora com câmera veicular fica mais fácil comprovar o dito. Nunca entendi o fato de as seguradoras diferenciarem o preço pelo sexo. O melhor verificador de “dirigir bem” é olhar o estado geral do carro seja do(a) motorista.

      • Domingos

        Porque os danos em média são de menor monta. E porque é socialmente aceitável diferenciar por sexo. Se fosse o contrário (mulher mais cobrada que homem) não iria acontecer.

        Seguradora não é competição para ver quem dirige melhor e sim um negócio. Quem dá menos prejuízo paga menos…

    • Daniel S. de Araujo

      Polêmico mesmo Alexander. Uso sempre minha mãe de exemplo: um ponto fora da curva. Quando moça dirigia Brasilia e gostava! Hoje tem um Vitara 1992, única dona, ficou muito tempo e curtia uma Saveiro Supersurf que fora minha e após ficar uma temporada com minha ex-Ford Ranger diesel, comprou uma Hilux (picape mesmo) a diesel (nada de gasolina; por escolha dela). E foi ela quem me ensinou a fazer baliza quando tirei carta e só anda a 140 km/h onde não tem radar. Minha mulher é a mesma coisa (embora tenhamos divergências ideológicas sérias – ela gosta de carro francês).

      Por outro lado, um grande amigo meu mal sabe a diferença do seu atual Uno para seu ex Gol. A única coisa que ele sabe é que seu Uno é “automático” e não entra a poeira como ocorria com o Gol (ele é fazendeiro).

  • CCN-1410

    Nem tudo é verdade…
    Se fosse esperar pela vontade de minha filha, ela só iria trocar o óleo do cárter depois do motor fundido.
    Espelho no pára-sol da (o) motorista é uma discrepância. Já vi inúmeras delas se pentear com o carro em movimento.
    Quanto as novas tecnologias é verdadeiro pelo menos com minha vizinha, que diz que jamais irá pedir música ou telefonar com comando de voz para o computador. Não sou máquina para conversar com máquina – diz ela.
    Quanto a compra do carro novo, como já disse aqui algumas vezes, eu sou o único a decidir aqui em casa. Não é machismo, a questão é que não sou o Bob da vida, mas entendo bem mais de carro do que ela. A esposa manda em outras coisas.
    Eu ainda acho que o homem dirige melhor que a mulher, mas concordo com as seguradoras. O homem é muito impetuoso, corre demais e como foi dito, o impacto normalmente é maior com maiores danos.

    • CCN-1410
      Sabe qual foi o primeiro carro a ter a “discrepância”? O Porsche 911. É como ter uma arma de fogo, não é por tê-la que se vai matando a esmo: o espelho de vaidade no pára-sol do/da motorista é útil.

    • mecânico

      Outra coisa que colabora muito com o prejuízo maior nos acidentes dos homens é que somos motoristas mais “estradeiros” e as mulheres mais “urbanas”. Além do uso puramente pessoal, há muito mais profissionais homens ligados à condução diária na estrada do que mulheres, mesmo excluindo caminhoneiros e taxistas.

  • Luciano Ferreira Lima

    Sendo dono de oficina e ter clientes mulheres é maravilhoso! Quando necessário se colocar uma peça nova e que foi provada que é defeituosa elas não titubeiam, mandam colocar zero. O ruim é que algumas não curtem muito colocar as peças velhas guardadas na mala embrulhadas com jornal. Na direção as mulheres estão tão masculinizadas quanto nós búfalos reprodutores, xingam, fazem gestos obscenos, tanto quanto o gênero das bolas gigantes balançadoras, acho que o cavalheirismo morreu a de certa forma as mulheres foram culpadas pelo resultado. Nada contra nós Machos dominantes que também temos muitas qualidades como a fidelização com a oficina que lhe ofereça mimos e lhe trate como rei.

  • WSR

    Bom e mau motorista independe do sexo. Acho muito complexo tentar comparar com base no sexo, pois a atitude ao volante tem a ver também com os hábitos familiares levados desde o “berço” mais a educação recebida durante a vida, seja na escola, seja na convivência social.

    Acho que os atos irresponsáveis ao volante estão mais ligados a (falta de) educação do povo brasileiro e isso engloba os 2 sexos. Conheço péssimos exemplos de motoristas em ambos os sexos, independente da idade. Cansei de ver homens e mulheres que simplesmente aumentam a velocidade em dias de chuva (talvez para chegar mais rápido em casa, rs), ignorando a Física e o atrito dos pneus com o solo. Isso é apenas um pequeno exemplo.

    No dia em que o trânsito for composto por 50% de cada sexo, incluindo faixas etárias, talvez uma comparação mais lógica/racional possa ser estabelecida.

  • Cristiano Mendonça

    As colunas deste jornalista são o eterno depositório do lugar comum. Uglh!

  • CorsarioViajante

    Alguns destes dados são interessantes e oportunos, mas grande parte é só opinião – bem limitada, por sinal.
    Me desculpem a grosseria, mas mais uma vez a (curta) coluna do Boris ficou na superficialidade e preconceito, muito distante da qualidade da maioria dos textos que lemos por aqui. Acho que é o primeiro colunista do Ae que vou acabar “pulando” post.

    • Speedster

      Corsário, respeito sua opinião, mas mesmo lendo o último parágrafo você achou o texto machista?

      • Domingos

        Pelo contrário, o texto é feminista. Acho que o Boris foi pego por uma fonte contaminada (o site usado como base tem cultura inglesa, que é sempre bastante enviesada com esses assuntos).

        Me lembra da vez que assisti um programa policial inglês e mostrava o treinamento da polícia rodoviária. Tinha porque tinha que aparecerem as policiais femininas.

        Até aí, tudo bem. O ridículo foi quando quiseram mostrá-las no treinamento, onde tinham que jogar uma corda de espinhos que furam pneus. A corda, de metal, era pesada. Até um homem normal teria dificuldades com aquilo. As policiais não conseguiam jogar a corda, que ficava enrolada no chão.

        Depois de umas 4 tentativas pararam de mostrar e passaram a outra parte…

  • João Carlos

    “Ou seja, as mulheres dirigem mais devagar e o impacto de suas batidas é menor”

    Se o Haddad e seu compadre Tatto lerem isso, pronto: limite de 50 km/h para homens, 35 km/h para mulheres.

  • Lorenzo Frigerio

    Acho que é fato notório que mulher não sabe fazer baliza. Não precisamos ser “politicamente corretos”, pois elas são melhores do que nós em outras coisas. Por exemplo, fazer um monte de coisas ao mesmo tempo. Acho até que elas são muito boas para gerenciar empresas, pois são muito boas na diplomacia e para tirar uma “mentirinha social” da manga da camisa nos momentos mais críticos.

  • César

    Longe de querer promover uma guerra dos sexos, mas quando o assunto é falta de educação no trânsito, elas notoriamente se destacam. Não dão preferência de passagem nem sob decreto, não esperam o outro motorista estacionar, trocam de pista sem fazer sinal e sem olhar no retrovisor… Tem algumas que vão mais longe. Seja pela coragem, seja pelas atitudes. Conheço uma que volta e meia anda com uma CB300, e consegue realizar a proeza de utilizar o smartphone enquanto pilota (mas mesmo assim eu gosto dela, minha querida patroa…).

    • Domingos

      E eu que na faculdade via grupos de menina ouvindo e copiando matéria, conversando com várias pessoas ao mesmo tempo e ainda fazendo alguma outra coisa eventualmente no meio de tudo isso?

      É uma habilidade feminina, com certeza. Porém, só uma das coisas sai realmente bem feita. No caso, a conversa. Na hora da prova era aquela choradeira…

      No volante infelizmente a prioridade fica sendo também do batom ou do celular. Isso não dá certo.

      Passagem é difícil com elas também. Isso é relacionado com a expectativa de que sempre demos prioridade a elas.

  • Fernando

    Acho curioso o que você disse, pois na estrada realmente noto que muitas mulheres não sabem bem o que fazer e geralmente se põe em condições muito mais perigosas do que se fizessem algo que foge à lógica do “mais lento” ou que resolve às vezes ficar atrás de um caminhão ao invés de sair de trás dele, ou ainda a distância para o carro da frente.

  • Fat Jack

    Acho a opinião da Nora sobre este assunto bem mais realista e abrangente…

  • lightness RS

    Não rolaria isso, seria uma medida machista para a esquerda hahahha

  • lightness RS

    Tá maluco cara, isso consome mais óleo que o Scania 113 com 1.5 milhão de km aqui da empresa!

  • Lorenzo Frigerio

    E não tem nada mais selvagem que duas mulheres brigando no trânsito, mesmo que com luvas de pelica.

    • Domingos

      Já presenciei isso. São violentíssimas mesmo, logo de cara (sem nem tentar negociar) e mesmo quando uma ou ambas estão claramente erradas fazem barraco de dar briga física para não assumirem.

      Mesmo batendo em carro parado, não assumem. Isso entre elas, claro. Se não chega alguém para separar fica perigoso.

      • Cadu

        Domingos, li 3 respostas e 3 réplicas suas. Todas falando mal.
        Você não gosta de mulher?

        • Domingos

          Gosto, e bastante, o problema é que ser homem compreende também ser sincero.

          Isso é algo que falta nessa geração que foi criada para ser capacho e relativizar tudo em nome de “vantagens”. Acaba dando em coisas como “relacionamento” aberto.

          Se eu fosse mulher talvez eu tivesse jogo de aparências. Por isso não sou.

          Respondido?

          • Cadu

            Hmm, sei

  • Lucas Vieira

    Tem alguns casos que chegam a ser cômicos, o pai de uma ex-aluna minha ofereceu um carro para ela, mandou escolher entre um DS3 e HB20, não precisa nem dizer qual foi a escolha da moça, e o motivo foi o câmbio automático. (rs). Acho que o pai fez isso para chateá-la para o resto da vida!

  • Lucas Vieira

    Tem homem com o mesmo comportamento… Meu pai é um desses, e por esse deleixo já fez o motor de sua S10 duas vezes, e continua na mesma. A última vez que olhei nem marcava na vareta, e não é falta de falar… Daqui a pouco vai pro terceiro motor.

    • Rodolfo Feijó

      Meu pai não olha a água nem o óleo… já fez retífica de cabeçote umas 3 vezes. Ou seja, tudo é questão de ter bons hábitos… organização… custa checar o nível dos fluidos pelo menos uma vez por semana?

  • Speedster

    Podem ser mais atentas sim, mas no tempo e na atitude de reação na situação de emergência elas se desesperam e demoram para reagir. Agora, acho que as fabricantes têm que caprichar mais nos carros para elas sim!, afinal elas são especiais…

  • JuniorSP-SP

    Sem ser machista mas creio que em uma situação com esbarrão por ex. no trânsito, mesmo eu estando com a razão, se no outro carro ou moto estiver uma mulher acho que eu não conseguiria esbravejar e tal nessa situação a mulher sempre tem razão XD

  • Domingos

    “o lugar que sempre lhes foi negado na história pela sociedade patriarcal e machista”

    O texto é inglês, não é? Bom, tirando a Michele Mouton, mulheres criadas desde cedo para o automobilismo têm resultados pífios.

    Mas tudo bem. É mais importante que sejam mães (papel sagrado e de extrema importância) do que dedicarem a vida a uma inútil e imbecil competição com os homens.

    Se soou machista é bom que seja.

  • Domingos

    São nada. Ficam fazendo 8 mil coisas ao mesmo tempo durante o volante, dirigindo mais devagar para compensar.

    Existem raras exceções. Mulher não gosta da criação (a máquina, o carro, a pilotagem/direção) e sim das possibilidades exclusivamente (liberdade, aparecer etc.).

    Existe uma razão pela qual o homem cria e a mulher usa. Os ingleses que pirem…

    • Speedster

      Concordo em relação sobre mulher e máquina, mas também quem cria as máquinas?

  • André Castan

    Respeito a opinião de todos, mas realmente Corsário, dificilmente minha opinião bate com os textos do Boris e a maioria deles diferem da boa fundamentação e riqueza de detalhes dos demais editores do Ae. Sobre homens x mulheres ao volante, quer comparar, é simples. Basta colocar em carros iguais, mesmo trajeto, mesma condições de tráfego e o mesmo tempo para percorrê-lo. Quem bater menos é o mais hábil. Comparar mulher que demora 2 vezes mais que o homem para percorrer o mesmo trajeto não tem o menor sentido.

  • Cadu

    A frase final resume muito bem a razão das diferenças. Mulher é criada com bonecas, dentro de casa, com atividades “de menina”, delicadas.
    Homens, em geral, são criados com mais atividade física, brincadeiras mais ativas, brinquedos mais instrutivos e de estímulo cognitivo (de montar, construir…)

    É natural uma maior aptidão para máquinas, esportes e noção de espaço
    Já namorei várias mulheres que dirigiam melhor que muito homem
    Lógico que elas não abandonam a vaidade…

    • Domingos

      É, com certeza viu. Henry Ford também precisou de “estímulo” para inventar algo que não existia antes, assim como os melhores chefes de cozinha precisaram “brincar de boneca” para serem assim…

      A vida funciona assim: pega tudo o que é discurso e joga fora, aí você acerta 100% das vezes.

      • Cadu

        Não, imagina. Henry Ford não recebeu nenhum estímulo. Ele era um aborígene, cresceu sem educação nenhuma, no meio do mato, não sabia ler nem escrever, coitado. Nunca foi estimulado cognitivamente.

  • CorsarioViajante

    Speedster, ao contrário de outros, não achei “machista”, achei sim o que o Cristiano Mendonça disse abaixo: lugar comum.

  • Sou machista em termos de automóveis, pra eu vale a máxima:
    MULHER NO VOLANTE PERIGO CONSTANTE E ATENÇÃO QUADRUPLICADA!!!
    Talves o fato da gente ver alguma aberração no trânsito e ver que é uma mulher no volante a gente já fica bem longe dela e até desvia o rumo, aí elas cometem menos acidentes, acho que o único lugar que as mulheres são evitadas é no trânsito hehehehe
    E não, sei quando estamos num carrão olhamos pra tudo quanto é mulher na rua e desviamos nossa atencão, FATO, elas não, são tudo braço duro, tacam o banco pra frente quase com a cara no parabrisa e só conseguem ver o capô do carro kkkk