A chamada geometria de direção consiste na combinação de ângulos obtidos nas rodas e que influem diretamente na dirigibilidade do veículo, trajetória, estabilidade em retas e curvas e na superfície de contacto dos pneus com o solo, distribuindo as cargas dinâmicas adequadamente.

Lembra-se o leitor da lei  citada nos livros escolares de física, “a força de atrito independe da área da superfície em contacto”?. Esta lei, obviamente, vale somente para materiais indeformáveis como aço sobre aço, aço sobre granito polido etc. A família dos elastômeros, na qual a borracha está incluída, não segue esta regra.  Assim, a força de atrito do pneu depende de sua área de contacto com o solo, a chamada “mancha”.

A forças dinâmicas resultantes da interação dos pneus com o solo determina a estabilidade direcional do veículo, tanto longitudinalmente em linha reta e em frenagens, quanto em curvas e em manobras transientes de desvio de obstáculo, por exemplo. Neste aspecto, a correta geometria dos sistemas de direção e suspensões do veículo é fundamental para atingir este compromisso de segurança, além de garantir o menor desgaste dos pneus, buchas e articuladores.

São quatro as combinações angulares referentes ao alinhamento do sistema de direção:  convergência/divergência, cáster, câmber, inclinação do pino-mestre e ângulo de rolagem, além da implícita geometria Ackerman. Todos os valores são otimizados em simulação virtual e também verificados (“tunados”) experimentalmente no próprio veículo.

Convergência (ou divergência)

A convergência garante o paralelismo dinâmico entre as rodas. As rodas tratoras tendem a se fechar em acelerações e as arrastadas tendem a se abrir. Isto devido as deformações dos pneus, das buchas e também da soma das folgas dos articuladores dos sistemas de direção/suspensão. Assim, na maioria dos veículos com tração dianteira, as rodas traseiras são convergentes e as dianteiras divergentes (convergência negativa)

 

convergencia  O NECESSÁRIO ALINHAMENTO convergencia

Convergência positiva, em que a parte dianteira das rodas encontram-se mais próximas em relação a traseira

 

Câmber

O câmber ou cambagem corresponde à inclinação lateral das rodas em relação a linha vertical ao solo. A sua principal finalidade é compensar a flexibilidade da suspensão e otimizar as  forças dinâmicas na “mancha” dos pneus, mantendo as rodas na melhor posição de rolamento.

A cambagem será positiva quando a parte superior da roda estiver inclinada para fora do veículo; negativa, quando inclinada para dentro.

 

cambagem 1  O NECESSÁRIO ALINHAMENTO cambagem 1

 Esquerda: câmber positivo com a roda inclinada para fora;  direita: câmber negativo, roda inclinada para dentro

Cáster

O cáster corresponde à inclinação longitudinal da linha de centro da manga de eixo (“pino mestre”). Seu efeito se faz sentir na estabilidade direcional do veículo em linha reta, evitando o “passarinhamento lateral” e também ao descrever uma curva, facilitando o retorno do volante de direção, realizando o efeito de auto-centralização.

Em uma bicicleta ou em rodízio de carrinho de supermercado, o leitor poderá visualizar e perceber facilmente o ângulo de cáster e seu efeito.

 

caster 4  O NECESSÁRIO ALINHAMENTO caster 41

Vista lateral do veículo, frente para a esquerda, mostrando o ângulo de cáster

 

Inclinação do pino-mestre

A inclinação do pino mestre, atualmente inclinação do eixo de direção por não existir mais o pino-mestre físico, mas apenas virtual — o pino-mestre é o eixo em torno do qual a roda esterça — é parte integral da geometria de direção, sendo imprescindível para a obtenção dos efeitos desejados. Inclusive, é o principal agente para o retorno da direção após uma curva, valendo-se da força da gravidade terrestre: esse ângulo provoca ligeira elevação do veículo ao esterçarem-se as rodas.

 

steering_axis  O NECESSÁRIO ALINHAMENTO steering axis

Inclinação do eixo de direção, antiga inclinação do pino-mestre

 

Raio de rolagem

Raio de rolagem é determinado pela inclinação da manga de eixo (“pino mestre”) e também pelo offset das rodas. É positivo quando a projeção da linha de centro do “pino mestre” até o solo encontra-se do centro do pneu para fora do veículo.

 

 

slide_15  O NECESSÁRIO ALINHAMENTO slide 15

 

O raio de rolagem negativo garante a segurança principalmente em frenagens com as rodas em diferentes condições de coeficiente de atrito pneu / solo, mantendo a trajetória do veículo. É importante também no caso de falha de um dos circuitos diagonais do freio, mantendo a direcionalidade. Aliás. foi graças ao raio de rolagem negativo que foi possível dispor o duplo-circuito hidráulico dos freios em diagonal, desta forma garantindo freio dianteiro — o mais importante — em uma das rodas em caso de falha hidráulica.

Veja o leitor como é importante manter as rodas originais do veículo e, quando substituí-las, manter o mesmo offset para evitar modificar o valor do raio de rolagem.

 

offset das rodas  O NECESSÁRIO ALINHAMENTO offset das rodas

Apoio das rodas em relação ao seu centro define o offset, tão importante para garantir o correto raio de rolagem

Divergência em curva e geometria Ackerman

Quando em curva, a roda interna percorre um círculo de raio menor que a externa. Por esse motivo a interna precisa esterçar mais que a externa. Isso é facilmente conseguido pela geometria Ackerman, que consiste na angulação dos braços de direção em relação às mangas de eixo (veja acima no desenho da convergência), relacionando o centro de giro das rodas diretrizes com o eixo traseiro do veículo. O prolongamento imaginário dos braços de direção leva ao eixo traseiro e é isso que determina sua angulação.

Quanto mais o centro de giro estiver próximo do eixo traseiro, menor o arrasto dos pneus em curvas. Na realidade, o Ackerman definido estaticamente diverge das condições dinâmicas, porém é um bom indicador da correta geometria de direção, principalmente em curvas de baixa velocidade.

Pelo desenho fica claro que a distância entre eixos tem influência direta na divergência em curva, quanto menor, mais divergência.

 

Ackerman  O NECESSÁRIO ALINHAMENTO Ackerman

Geometria Ackerman

 

Círculo de Kamm

Um método importante para entender a dinâmica simultânea dos pneus com o solo é o círculo de Kamm ou de aderência, que mostra as forças de tração, de frenagem e laterais em um mesmo gráfico. Quando a resultante das forças sair fora do círculo, ocorre a perda de aderência.

 

Friction_Circle  O NECESSÁRIO ALINHAMENTO Friction Circle

Circulo de aderência ou circulo de Kamm

Esses dois gráficos são muito importantes para o entendimento do papel do atrito do pneu com o solo. No da esquerda são vistos três casos. As forças representadas pelos vetores verdes mostram que sua resultante está dentro do círculo de aderência, portanto abaixo do limite. As amarelas mostram a resultante no limite de aderência, em que qualquer aumento de uma das forças — longitudinal (vetor vertical) ou lateral (vetor horizontal) — ou das duas combinadas, levará à perda de aderência. Com os vetores vermelhos foi ultrapassado o limite, a resultante excedeu o círculo.

Dentro do exposto, explica-se por que acelerar demais numa curva, tendo o motor potência para isso, ocorre a escapada do eixo motriz, pois o vetor vertical fez a resultante exceder o círculo. Importante saber que o vetor vertical existe também ao frear.

O gráfico da direita combina-se com o da esquerda ao mostrar como o círculo de Kamm diminui com piso molhado (“wet) e ainda mais com gelo (“icy).

 

Alinhamento

Alinhamento incorreto do sistema de direção/suspensões causa geralmente os seguintes  problemas:

– Pneus “cantando” facilmente em curvas (este problema pode também ocorrer devido a pressão incorreta dos pneus).
– Pneus com desgaste irregular, principalmente nas laterais da banda de rodagem (problema também pode ocorrer devido a pressão incorreta dos pneus e/ou balanceamento incorreto das rodas).
– Volante de direção desalinhado (“torto”)
– Veículo “puxando” lateralmente com sensação de instabilidade em estrada.
– Sensibilidade maior a ventos laterais e/ou em ultrapassagem de caminhões parecendo que vão sugar o veículo.
– Aumento de esforço de direção (problema que pode também ser causado por pressão incorreta dos pneus e/ou desgaste acentuado de sua banda de rodagem, aumentando a área de contacto com o solo).

As rodas podem se desalinhar devido a vários fatores, como folga excessiva nos articuladores, buchas gastas ou deformadas, rodas tortas e componentes da suspensão deformados devido a fortes impactos, em buracos por exemplo. O leitor deve atentar a todos os fatos mencionados e procurar sempre a inspeção de seu veículo em boas oficinas com bons profissionais.

Ao passar por um buraco profundo, por exemplo, se o volante ficar desalinhado, houve alguma deformação de suspensão, que precisa ser verificada.

Para alinhar a direção em equipamentos de má qualidade e/ou com  profissionais incompetentes é melhor não fazê-la. Pode sair “pior a emenda do que o soneto”. É melhor alinhar com barbante.

Alinhar com barbante

E o leitor certamente vai me perguntar, alinhar com barbante? O que é isso?

A resposta: é um quebra-galho quando não se tem um alinhador disponível. Com dois cavaletes e um pedaço de barbante tangenciando as rodas pode se medir e ajustar a convergência das rodas satisfatoriamente. O amigo Bob Sharp certamente usou deste expediente nas corridas em que participou.

 

barbante  O NECESSÁRIO ALINHAMENTO barbante

Alinhamento com barbante e cavaletes

No exemplo acima tomou-se como referência o eixo traseiro rígido, mas pode-se também “inserir o carro num retângulo” usando quatro cavaletes para amarrar o barbante (um de cada lado),  cuidando para que o barbante fique perfeitamente paralelo à carroceria. Desta forma pode-se também medir ou ajustar a convergência traseira.

E como encontrar bons profissionais e bons equipamentos é uma excelente pergunta. Normalmente as revendas de pneus com marca agregada mantêm bons equipamentos e bons profissionais, pois os próprios fabricantes de pneus fiscalizam as suas revendas em termos de equipamentos e treinamento de seu pessoal.

Lembro-me que no passado a Pirelli mantinha na cidade de Santo André, vizinha a São Paulo, um centro de excelência onde prestavam serviços de alinhamento e balanceamento de rodas de alta qualidade. Hoje não sei se ainda existe algo parecido.

Hoje, os modernos alinhadores 3D são o estado-da-arte em termos de aparelhagem — inclusive inserindo o veículo num retângulo virtual —, porem, em minha opinião, nada substitui a mão de obra especializada de boa qualidade que faz toda a diferença.

 

alinhador 3D  O NECESSÁRIO ALINHAMENTO alinhador 3D

alinhador 3D

Minha homenagem vai para todas as empresas e profissionais de alinhamento de rodas que fazem a diferença em qualidade. Peço ao leitor que indique alguma de sua preferência, pois o boca a boca é o melhor veículo de comunicação neste caso.

CM

Créditos: arquivo pessoal do autor, imagens Google, forummiata.net

 

 

Sobre o Autor

Carlos Meccia

Engenheiro mecânico formado pela FEI (Faculdade de Engenharia Industrial) em 1970, trabalhou 40 anos na Ford brasileira até se aposentar. Trabalhou no campo de provas em Tatuí, SP e por último na fábrica em São Bernardo do Campo. Dono de amplo conhecimento de automóveis, se dispôs a se juntar ao time de editores do AUTOentusiastas após sugestão do editor Roberto Nasser.

Publicações Relacionadas

  • Luciano Gonzalez

    Não estou aqui para fazer propaganda para ninguém e nem sou amigo dos caras, apenas um cliente muito satisfeito. Aqui em São Bernardo do Campo, estou para conhecer alguém que execute esse tipo de serviço como o pessoal do Lunardi. Trabalho de primeira e o melhor, preço e honestidade.
    Além de tudo, possuem a máquina de balanceamento dinâmico, fica simplesmente perfeito.

  • Leister Carneiro

    Indico duas oficinas:

    Gabarito Alinhamento Técnico na parte mais pesada quando precisa ver câmber e as vezes alinhar chassis
    Já num serviço mais básico mas com muita profissionalismo a Comércio de Pneus Santana , atende muito bem custo-benefício excelente.

  • marcus lahoz

    Carlos ótimo texto, como sempre.

    Aqui em Curitiba gosto de 3 lugares: Dagostin, Bana e Ypacarai.

  • Luciano Ferreira Lima

    Quando puxava pó preto de Cubatão para a Pirelli de Santo André não tenho boas lembranças do tratamento que a Pirelli e seu colaboradores dispensavam a nós carreteiros, mas isso não importa mais. Obrigado mais uma vez, Sr. Méccia, pela aula. E por compartilhar seu vasto conhecimento conosco.

  • Rodolfo Feijó

    Qual é o período correto para se fazer o alinhamento e balanceamento? Pois a gente dirige e não sente o carro puxar pro lado e nem vibrar o volante, então não precisaria alinhar?

    • Rodolfo,
      O texto cita alguns problemas que de maneira geral indicam que o veículo necessita passar por inspeção dos componentes da suspensão/direção e/ou alinhamento. Se você não notar nenhum sintoma é melhor não mexer.

      • Domingos

        Meccia, existe muita qualidade no alinhamento da fábrica em relação ao conseguido numa loja comum?

        Nas fábricas alinham também pelas rodas ou alguma faz pelos cubos de roda?

        • Domingos,
          Os alinhadores nas fabricas levam em consideração até a diferença da distancia entre eixos entre lados. Tudo é feito automaticamente inclusive o posicionamento do veículo no aparelho. O técnico apenas confere e regula o comprimento das “bieletas” de direção, no caso da convergência.

      • Davi Reis

        Meccia, costumo fazer o alinhamento e balanceamento, junto do rodízio dos pneus, a cada 10.000km. Você acha que é um cuidado exagerado e posso deixar o serviço para quando notar necessidade?

    • Leandro Sabongi

      Correto! Porém convém avaliar o desgaste uniforme dos pneus também!

  • WSR

    Excelente texto, Meccia. No caso do off-set, se entendi corretamente, o diâmetro do conjunto roda-pneu pode ser modificado desde que seguindo o valor de raio de rolagem especificada para o veículo. Se aumentar o diâmetro, o off-set da roda tem acompanhar, casando com o raio de rolagem. Cabe lembrar que a legislação de trânsito proíbe modificar o diâmetro do conjunto.

    • WSR
      O que influi é a distância entre o centro geométrico da roda e o assentamento da mesma no cubo, conforme mostra o desenho no texto. Diminuir ou aumentar o diâmetro da roda influi na resultante maior ou menor da força de tração entre o pneu e o solo. Mexer nas características físicas e dimensionais das rodas é mexer em vespeiro.

  • Rodolfo Feijó

    Eu quando alinho faço na Roma Pneus na Av. Vergueiro, próximo ao Metrô Ana Rosa.

  • Thiago Teixeira

    Já fiz alinhamento no barbante num antigo Corcel. O ruim é a diferença de bitolas entre eixos.
    Meu Focus tem um pequeno desvio no volante. E puxa um pouco, bem pouco, para a direita.
    Não tem alinhador que tenha dado jeito. Tem alguma peça empenada mas não consigo identificar…

    • Marcos Alvarenga

      Meu Linea está assim, depois de dois alinhamentos em estabelecimentos diferentes com as especificações contidas no manual, e continua puxando um pouco para a direita. Até deixei a pressão do pneu da esquerda mais baixa e resolveu em partes. Estou usando pneus Pirelli Phantom, e por ser um pneu assimétrico (i.e.: não pode ser trocado para o lado oposto no rodizio), atribuíram a isso o defeito.Estou esperando que eles acabem para tentar pneus de outra marca.

  • João Carlos

    Difícil arrumar um profissional bom. Fui num lugar cheio de noves horas, equipamento moderno eletrônico, calibram os pneus paara alinhar, etc. Resultado: dois retornos para corrigir o volante fora de centro. Fui num lugar mais simples, também não resolveu. Fui num mais simples ainda, de equipamento mais “manual”, e resolveu mais ou menos.

    Pior é que o carro era zero e nunca tinha sido alinhado até os 25 mil km do fatídico episódio, pois havia trocado os pneus dianteiros e eles estavam levemente mais gastos por dentro. O que até considero normal, dada a cambagem negativa. Vai mexer com o que está quieto…

  • RoadV8Runner

    Excelente texto, apresenta todos os requisitos que são considerados quando do projeto de um veículo, no que se refere a geometria de suspensão/direção.
    Sobre bom lugar para efetuar alinhamento, estou à procura de um aqui em Sorocaba, já há 10 anos. Nem mesmo a rede que representa a Michelin faz um serviço que me agrade. Da última vez que levei o carro lá (Focus 2002), a roda traseira esquerda estava claramente fora de alinhamento, pois o valor aparecia em vermelho na tela. O rapaz começou a tirar o equipamento das rodas e eu perguntei se ele deixaria a roda fora de alinhamento. Muito a contragosto, foi verificar e, para minha surpresa (e revolta…) o emissor a laser justamente da roda em vermelho estava mal encaixado. Resultado: a roda traseira esquerda estava OK e o cidadão desalinhou completamente a roda dianteira…
    Quando morava em Campinas, levava sempre o carro no Taciro. Naquele tempo, o serviço era muito bem feito, além de não haver empurroterapia. Creio que o local ainda exista, pois a crise havia chegado às portas e uma das lojas havia fechado, restando a original apenas. Como vantagem adicional, o dono da loja trabalhou por vários anos na preparação de suspensão dos Opala na stock car. Como eu tinha um Caravan naquele período, “fechou”!

  • André Stutz Soares

    Olha… estou precisando de um aqui no centro de São Paulo. Está difícil!

  • Thiago Teixeira,
    Por isso é que o Meccia falou em inserir o carro num retângulo de barbante, você não teria tido essa dificuldade. Quanto a puxar a direção, isso só ocorre quando os cáster estão diferentes em mais de 20′ ou câmber em mais de 30′. Ou os pneus estão com atrito de rolamento diferentes.

    • Domingos

      Bob, porque ponto da carroceria se deve deixar o carro paralelo ao barbante? Não é melhor alinhar pela tangência de cada um dos pneus, com ajuda de um esquadro ou transferidor?

      Embora isso complicaria mais, pois se precisaria de 4 pedaços de barbante separados – talvez mais – e esticados separadamente.

      É melhor tomar como referência as rodas ou os pneus?

      • Domingos,
        As rodas são posicionadas em relação ao chassi/carroceria e a convergência ou divergência resulta da diferença de distância entre o barbante e as partes anterior e posterior do aro da roda (pneus, não). É um barbante por lado, colocado paralelo ao painel da soleira..

        • Domingos

          Obrigado, Bob! Realmente o painel da soleira quase sempre é bem reto e fica numa altura bem prática para isso.

  • Renato

    Em São Bernardo do Campo tem um lugar bem simples mas cujo proprietário é mecânico mesmo, e voce pode conversar com ele e trocar idéia sobre teu problema: CAROLCRIS.

    Não tem empurroterapia e sempre fui bem atendido. Se não ficou bom da primeira vez, quando voltei eles resolveram.

    Fujam das grandes redes pois são verdadeiras armadilhas.

  • Alinhamentos em SP

    Em São Paulo existem dois excelentes lugares para fazer geometria de suspensão:
    KONIGAME na BarraFunda
    SUSPENTÉCNICA na Vila Olímpia.

    • Cristiano Reis

      A Suspentécnica, inclusive, colabora com o Roberto Agresti nos testes de 30 dias.

  • Lucas Sant’Ana

    Nunca vi um aparelho desse da úmtima foto, e acho que vou demorar a ver um.

    • Domingos

      Em São Paulo tem bastante oficina com ele. Sinceramente, continuo apostando mais na qualidade do local/alinhador.

      No entanto, a vez que fiz por ele, ficou bom sim.

  • Domingos

    É sério que essa loja é boa? É quase do lado da minha casa!

    Nunca nem me atrevi a ir porque desde sempre foi loja que fazia rolo com rodas e depois passou a vender pneu remold, então achava ser avacalhado.

    Quanto eles cobram?

    Devo dizer que nunca tive um alinhamento errado na região toda de Santana. Já fiz nas lojas da Bridgestone que existem perto do metrô e perto do shopping, além das lojas Continental e outras.

    Não pode ter sido o melhor serviço do mundo, mas nunca o carro ficou errado ou puxando, com exceção de um Fit que misteriosamente tinha o eixo traseiro fora dos parâmetros e aí só alguns acertavam.

    Pagava na média 40 Reais há um bom tempo atrás, hoje o preço da região dobrou mas ainda é relativamente barato.

    As concessionárias da região, quando fiz em revisão, também nunca erraram.

    • Leister Carneiro

      Pior, cara, sempre fizeram o serviço bem, nunca deu errado comigo e alguns amigos, a última vez que fui paguei 40 reais

  • Domingos

    Sobre alinhamento com barbante, ficando de dica para quem tem tido tanta dificuldade em achar um lugar ao menos aceitável: aparentemente se vendem kits no ebay inglês de materiais mais adeqüados e também com outras coisas e partes necessárias – como transferidores, blocos para travar o fio na posição correta etc.

    Quem usou o kit diz que se feito com atenção sai MELHOR que o feito em máquina por bom profissional.

    Depois que li isso, entendi porque fazem com réguas metálicas esse tipo de coisa em algumas categorias de competição.

    Nada melhor que a medição por toque do que a remota via laser ou luz por exemplo.

    • Lorenzo Frigerio

      Já usei duas ripas presas por um sargento.

    • mecânico

      O alinhamento com barbantes dá resultado muito bom e proporciona precisão mais que suficiente. Tendo em vista que as suspensões dos carros de passeio possuem elementos elásticos e grandes tolerâncias, precisão “centesimal” é desnecessária, o importante é que esteja “na média” e os dois lados iguais. E ainda tem o benefício de poder aferir o alinhamento com mais frequência (já que é “de graça” e rápido), resultando em carro sempre bem alinhado. Para muitos “dá muito trabalho, melhor levar ao centro automotivo”, mas para quem gosta é uma terapia.

      • Domingos

        Pela própria forma como usam as rodas como referência e o equipamento de alinhamento é preso sem grandes preocupações com a precisão, realmente é algo que parece ser mais de cuidado/procedimento correto do que de máxima precisão.

        Um dia ainda compro esse kit.

  • Rodolfo Feijó

    Obrigado!

  • Diogo

    Já fui a diversas lojas de pneus em São Caetano e áreas vizinhas em São Paulo, mas sinceramente não encontrei nenhuma que fizesse o serviço tão bem a ponto de indicá-la. Pelo contrário, tive duas experiências recentes ruins e com carros diferentes, em duas lojas de diferentes redes que prefiro não citar. Os dois carros saíram pior do que entraram, com a direção torta e puxando. A impressão que tive é que apesar do equipamento de alinhamento ser bom, os técnicos simplesmente não sabem utilizá-lo e acabam fazendo no olhômetro. Tanto é que retornei às lojas e para acertar o alinhamento, fizeram na base da compensação: volante tá torto para a direita, vira as rodas um pouquinho. Agora ficou torto para a esquerda, desvira mais um pouquinho, até achar o centro. Por outro lado tive boas experiências numa loja em Ourinhos-SP, chamada Vaz Auto Center. O alinhamento ficou impecável, e olha que em uma das vezes cheguei com o carro completamente torto porque haviam trocado um componente da caixa de direção.

  • Aqui em Belo Horizonte indico a Recaminas (ou Pneus BH). Uso há 20 anos, e indico tanto quanto a preço quanto a qualidade de serviços. Eram de bandeira Pirelli antigamente, mas já a alguns anos são multimarcas.

  • Lorenzo Frigerio
    • André K

      Lamentável…

      Tragédia anunciada:
      – sacos de lixo;
      – sonolência;
      – sem habilitação;…

  • Daniel S. de Araujo

    Belo artigo CM, como sempre!!!! Detalhou-me muitas coisas

    Um carro onde é possível ver esses conceitos na prática é a Variant II devido ao seu elevado cáster. Foi vendo o alinhamento de uma Variant dessas que consegui visualizar o que até então tinha visto em desenhos.

  • Eduardo Sérgio

    No Fiat Mille Economy foram aplicados ângulos de convergência e de câmber praticamente nulos, a fim de facilitar o movimento em linha reta e reduzir o consumo de combustível.

  • Cláudio P

    Carlos Meccia, mais uma vez seu texto, por sinal excelente, trouxe-me boas lembranças. Cheguei a conhecer esse centro de alinhamento e balanceamento da Pirelli em Santo André. Ficava dentro da fábrica e carros com pneus Pirelli tinham direito a serviços gratuitos de alinhamento e balanceamento. E comprando pneus da marca em qualquer loja podia-se agendar a montagem também nesse centro de serviços. Devido a essa possibilidade meu pai dava preferência a pneus Pirelli. Por conta disso estivemos lá algumas vezes e tenho um lembrança especial da arquitetura do prédio de forma circular e os serviços eram realizados numa espécie de “meio” subsolo acessado por rampas em curva. Que eu saiba não existe mais, parece que foi demolido, uma pena. Falando em oficina, recomendo a que freqüento há quase vinte anos, a Lunardi na Rua João Basso 204, São Bernardo do Campo. Famosa na região pela excelência e os serviços de alinhamento e balanceamento têm que ser agendados previamente. Hoje em dia usam sistema 3D.

    • Claudio,
      Fiquei com saudades do centro da Pirelli. Muito legal, você o descreveu muito bem. Eu não sei o que acontece com as coisas boas……normalmente acabam mais rápido do que as ruins.

  • Mineirim

    Meccia, que aula!
    O alinhamento depende muito da competência dos profissionais. Já fiz alinhamento 3D e tive que retornar duas vezes para centralizar o volante.
    Semana passada aconteceu um fato curioso: meu Focus no último mês estava fazendo barulho na direção quando passava por qualquer ondulação ou buraco no asfalto. Fui a uma oficina que tinha trocado as bandejas e os amortecedores uns meses atrás.
    Disseram que o problema era folga na cremalheira, que tinha que trocar o reparo etc. Não autorizei fazer o serviço. Puseram o carro na rampa de alinhamento, com outro mecânico que não tinha participado da conversa. O rapaz conferiu, apertou algum parafuso com uma chave inglesa e… o barulho sumiu!

    • Fernando

      E como já vi tantas peças boas serem condenadas sendo que na verdade precisava era de uma boa inspeção para ver que era algo muito mais simples.

  • Rodrigo Mendes

    Preciso com urgência de um rolo de barbante…

  • AlexandreZamariolli

    Aqui na minha cidade, é mais fácil achar uma cabeça de bacalhau do que um filho de Deus que acerte o alinhamento da direção e do volante dos carros.
    Meu carro atual, comprado zero, veio com o volante desalinhado. Tentei corrigir o alinhamento das rodas no equipamento eletrônico da concessionária e reposicionar o volante no estriado da coluna de direção; melhorou um pouco, mas ainda não está bom – com o volante neutro, o carro desvia levemente para a direita.
    Estou pensando em tentar um procedimento que usei, muitos anos atrás, para alinhar o volante de um Chevette que tive:
    – fixar um pedaço de fita crepe sobre o cubo do volante e outro sobre a coluna de direção;
    – marcar a posição neutra do volante com uma linha reta passando pelos dois pedaços de fita;
    – com o volante “zerado”, realinhar as rodas.
    Que tal?

    • Alexandre Zamariolli
      O mais fácil e correto é colocar o carro no alinhador e mantendo a convergência (ou divergência) inalterada, com o volante torto, agir nas barras de direção – encompridando uma e encurtando outra – até que o volante fique centrado.

      • Gerson Biava Borjas

        Boa noite Bob , qual a cambagem você recomenda para o Fusca ?

      • Douglas

        Bob,
        O que vejo ser feito é o contrário, travam o volante e vão mexendo na barra de direção até as rodas chegarem na convergência correta.

        • Domingos

          Faz muito tempo que não vejo travarem o volante. Uma salada de frutas de procedimentos…

      • Paulo Roberto de Miguel

        Sempre achei isso também, mas lembro de ter levado um Gol em uma concessionária Volkswagen e eles juraram que o certo era alinhar, depois sacar o volante e centralizar. Tive que aceitar, mesmo contrariado.

      • Lucas Vieira

        Isso em veículos com pinhão e cremalheira, no sistema rosca sem fim a posição do volante pode ser alterada, estou correto?

        Abraço

    • mecânico

      Isso ocorre porque, antes de efetuar o alinhamento, o operador não fixa o volante perfeitamente reto, alinha-o “a olho”, estando ali meio de lado, cheio de erros de paralaxe. O correto é usar um dispositivo especial, com nível de bolha, que se encaixa no volante, permitindo fixá-lo em posição totalmente centrada.

    • Lorenzo Frigerio

      Cara, eu ODEIO quando o alinhador desmonta o volante para colocá-lo no “centro”. Isso ignora que o volante tem que estar centralizado com o centro do curso do sistema de direção. Se o sistema estiver descentralizado, poderá haver discrepâncias entre rodas ao se esterçar o carro. Na melhor das hipóteses, o carro esterçará mais para um lado que para o outro.

      • AlexandreZamariolli

        Obrigado a todos pelas dicas. Agora, toca achar um alinhador que tenha noção de tudo isso!

  • Paulo Roberto de Miguel

    Realmente, muito difícil achar bons locais e profissionais nessa área. Se o problema for simples, tipo correção de convergência/divergência, sem problema. Mas se você tiver um desvio de cáster, por exemplo, muita gente nem sabe o que é…

  • francisco greche junior

    Aqui em São Paulo zona sul eu gosto bastante da Record Alinhamento que fica no Jabaquara. Lá vemos que os profissionais que fazem o serviço são experientes e eles fazem a diferença.

  • João Guilherme Tuhu

    Mais uma materaça. Parabéns ao Meccia. Aqui no Rio, continuo a indicar a Big, na Av. Maracanã. http://www.bigalinhamento.com.br/

  • Eduardo Mrack

    Jamais confiei de olhos fechados nas lojas e oficinas que vendem os tais alinhamento computadorizado e balanceamento e geometria. Não desconfio do equipamento e nem mesmo dos métodos, mas sim dos profissionais e donos das lojas. O problema é que fazem de tudo para vender o seu produto ou serviço, só que também fazem de tudo para que você pergunte o mínimo possível, até mesmo por talvez não terem as respostas ou nem saber do que você está falando. Certamente existem profissionais excelentes na área, mas eu jamais conheci sequer um.

    No balanceamento a coisa até vai bem, até porque não tem muito como errar, as máquinas de hoje fazem todo o serviço, bastando o profissional aplicar os pesos nos locais indicados. A desconfiança surge mesmo nos valores de câmber e cáster, já que são valores sem muito recurso de regulagem na maioria dos carros. Até um tal de alinhador hidráulico é indiscriminadamente utilizado em muitos casos, entorta-se a torre da suspensão e parte do monobloco de maneira violenta, coisa que me assusta. Além de tudo já vi valores de alinhamento nas tabelas das lojas fora de concordância com o manual do veículo.

    Achei que eu seria crucificado se mencionasse o tal método do barbante, mas pelo jeito não estou tão fora da realidade assim, a desconfiança nos profissionais do alinhamento é mais generalizada do que eu imaginava. Fico com o barbante mesmo.

  • braulio

    Quanto ao segundo parágrafo, posso garantir: A maioria das pessoas não lembra, nem durante o intervalo em que falamos isso e a prova mais próxima.
    Também acho a afirmação preocupante porque ela pode ser usada para validar o argumento de “mais largo é sempre melhor”, algo bastante preocupante. Sem contar que aproximar elastômeros para sólidos dá resultados muito melhores que para fluidos. Tanto que na demonstração experimental de que o atrito não depende da superfície de contato uso uma réqua rígida, um transferidor e uma borracha escolar, que é um elastômero.
    Quanto ao resto do texto: Surpreendente e instrutivo como sempre! Sempre tive a curiosidade de saber como se fazia o alinhamento antes da evolução das máquinas…

  • Domingos

    De fato em linha reta o alinhamento neutro é o mais eficiente, cambagem por exemplo afeta a aceleração, embora muito neutro possa deixar o carro meio bobo também – com qualquer coisa passa a querer desviar da linha reta.

  • Domingos

    Praticamente a tática das réguas metálicas. Se as ripas forem perfeitamente retas, deve ficar bom.

  • Domingos

    Estão com o preço de uns 7 anos atrás! A Continental da Brás Leme cobrava isso até 2009 +/- e era muito boa. Depois passaram a seus 60 a 80 também e não são tão atenciosos como antes.

    Alinham a traseira em carros onde isso é possível também?

    Isso é um diferenciador de local que só “põe na máquina” e lugares mais dispostos/habilitados.

  • Marco

    Excelente texto.

    Sempre tive problemas com alinhamento, seja pelo serviço não ficar bom, seja pela empurroterapia. Não sei se já comentaram abaixo, mas o Meccia mencionou Santo André. Por acaso o auto center da Pirelli ficava na Av. Santos Dumont? Aliás, acho que atualmente voltou a ser Pirelli, pois antes era revendedora Michelin (ABC Pneus). Faz uns bons anos, comprei quatro pneus lá e, na hora de alinhar, o vendedor veio com a história (manjada) de cambagem. Liguei para casa e pedi para que me ditassem os valores estabelecidos pelo manual. Estava tudo ok. Ainda assim, o vendedor insistiu. Mandei apenas balancear e fui embora.

    Aí descobri o melhor profissional que já alinhou os carros de casa. Roberto (CHT), fica em Rudge Ramos. Ele só trabalha com agendamento, tem equipamento antigo (segundo ele próprio), mas alinha perfeitamente o veículo. Recomendo.

    Meu carro atual, um Focus, está com pouco mais de 5.000 km e o volante torto. Não sinto puxar, mas incomoda demais o volante assim. Pior de tudo que por um desleixo na montagem, um braço da suspensão traseira precisou ser substituído, na garantia, obviamente. A concessionária me devolveu o carro com o volante torto (mais do que já estava…). Um tremendo relaxo.

    É duro retirar o carro da concessionária e precisar levar num profissional independente para deixar tudo ok. Mas é o que irei fazer.

  • Gerson
    1°30′ negativo.

    • Gerson Biava Borjas

      Boa tarde, Bob, usar óleo 5W30 em um motor tork com 2.000 km é besteira ou dá certo? E o 10W40 ?
      Obrigado.

  • Fat Jack

    Mais uma matéria irretocável, completa, simples e elucidativa!
    Eu gostaria muito de saber que tipo de inconvenientes ou benefícios pode me trazer o uso de um jogo de rodas com offset menor o original (ou um pouco mais largas que as originais) de forma que o limite externo das rodas ficassem mais para fora aproximadamente uma polegada (cabe destacar que há espaço superior a isso entre os pneus e a parte interna dos pára-lamas).
    É uma alteração que eu penso fazer, porém sem a devida orientação, nem me atrevo…

  • pkorn

    O pior é deixar o carro cirurgicamente alinhado e balanceado, volante centralizado, pneus calibrados, daí ter que enfrentar nossas crateras, lombadas mal feitas e malditos tachões ilegais. Dá raiva…

  • César

    Outro modelo em que os parâmetros de alinhamento podem ser vastamente examinados e entendidos é a linha Corcel/Del Rey, de qualquer ano ou modelo. Sua suspensão permite vários ajustes finos.

  • Lorenzo Frigerio

    Sim, pouquíssimas oficinas têm esse fixador de volante. Em geral alinham de qualquer jeito, e aí você tem que voltar para reclamar que o volante está torto, e mandam você segurar o volante reto, enquanto o gajo lá embaixo mexe nos terminais.

    • Lorenzo,
      O primeiro passo para um bom alinhamento é garantir que a caixa de direção esteja com o seu curso centralizado. Então, travar o volante na horizontal e acertar a convergência por roda conforme especificação.

  • Lorenzo Frigerio

    Isso é o correto… desde que nunca ninguém tenha sacado o volante. Do contrário, é necessário contar as voltas, achar o ponto central do curso e recolocar o volante no centro, se estiver fora. Aí, prende-se o volante no centro e mexe-se nas rodas, como você falou.

  • Domingos

    Nem mesmo esses novos equipamentos 3D são capazes de igualar a qualidade? Algum processo manual seria capaz disso?

    • Domingos,
      Realmente é difícil encontrar bons profissionais e bons equipamentos, infelizmente.

  • Domingos

    Já ouviu falar em inconsciente coletivo? É isso. A mentalidade e espírito do povo vai se degradando até que o ruim seja a regra e o que é bom vira até mesmo repulsivo.

    Quem dera isso fosse só com alinhamento.

  • Fat Jack
    Modificações nas dimensões das rodas podem implicar em aumento de esforços no sistema de direção/suspensão alem de alterar o raio negativo de rolagem etc.
    Mantenha a dimensão das rodas originais

    • Reginaldo

      Olá Carlos Meccia,

      Me Chamo Reginaldo e
      venho acompanhando suas publicações, todas interessantes, principalmente quanto
      em relação à Ford. Pois minha mãe também trabalhou por muitos anos na linha de
      produção, e lembro-me que quando criança, e depois adolescente, visitava a
      fabrica. Em uma dessas visitas, lembro de ter visto o Escort XR3 Conversível, já
      na década de 90, foi paixão à primeira vista, queria aquele carro.

      O tempo passou, minha mãe se aposentou e não tive mais contato com a fábrica. Alguns anos depois realizei a tão sonhada aquisição do conversível. Bem, isso mais de 12 anos
      atrás…rsrs.

      Porém, estou com dificuldades para a manutenção, muitos mecânicos torcem o nariz, pois é um carro
      antigo, quando mexe uma coisa quebra outra, enfim, estou eu mesmo tentando fazer
      as manutenções.

      Gostaria saber se você possui alguns manuais de manutenção técnica desse carro, vídeos ou
      informações da época para me ajudar na conservação.

      Será que você ainda tem fotos quando esse carro era produzido, infelizmente perdi as que
      tinha quando minha mãe trabalhava.

      Me conte algumas algumas histórias desse carro, como nasceu o projeto, os testes…

      Muito obrigado!!!

    • Fat Jack

      Obrigado, Meccia!

  • Danilo Grespan

    Excelente, Meccia! Nesses tempos de crise iminente, o que vai ter de gente fazendo alinhamento com barbante…

  • Eduardo Edu

    Outro dia bati com a roda traseira esquerda em uma viagem e o volante desalinhou na hora. Preocupado com a gravidade, ainda mais por ser uma roda traseira, parei numa borracharia de beira de estrada para conferir a geometria. O equipamento era daqueles primeiros “laser” em que o ponto vermelho de luz reflete num gabarito metálico. Disse o mecânico que estava “OK”, mesmo com o volante desalinhado. Realmente, checando no gabarito parecia tudo OK e o carro não puxava para lado nenhum. Então procurei uma grande rede que possui o equipamento de geometria 3D que contactou que esta mesma roda havia perdido a convergência em relação às outras três. Fiquei fã desse equipamento, apesar do custo salgado de 150 reais.

  • mecânico

    Faz-se medição de convergência traseira mesmo nos mais antigos equipamentos de alinhamento. O que acontece é que muitos operadores não tem conhecimento necessário para tal, já que normalmente só fazem a leitura e correção da dianteira, usando as rodas traseiras só como referência.

  • Gérson,
    O fundamental nessa questão é seguir estritamente a recomendação do fabricante do veículo. Você não tem o manual?

  • Carlos A.

    Carlos, seus textos são é sempre uma aula de fácil compreensão!
    Independente do ferramental utilizado, na minha opinião, fundamental mesmo é a experiência do profissional. Já serviço ruim com equipamento computadorizado e serviço excelente com equipamentos bem mais simples.

  • Rodolfo Feijó

    Fui levar o meu carro para alinhar (Gol GL 1.8-L – ano 1990 – 225.000 km), pois está comendo por dentro os pneus dianteiros e então o diagnóstico da loja de pneus:
    – caixa de direção com folga (ele media a folga com o carro no elevador sacudindo a roda, ao invés de medir a folga no volante no volante com o carro no chão. O carro não tem folga nenhuma no volante quando eu estou dirigindo. A caixa parece que é original, este carro foi comprado em 1997 com uns 40.000 km);
    – amortecedores traseiros ruins (ele disse que são muito velhos, pois são de 2009. Detalhe só rodei 25.000 com eles).
    Fui rapidinho embora de lá… pensam que a gente não sabe de nada.

  • Renan Becker

    Acabei de levar meu carro para fazer o alinhamento ontem e quando o tal “profissional” começou a contar histórias e falar medidas de ângulos totalmente diferentes dos que constam no manual do meu veiculo sai fora do lugar na hora!

    • Renan, fez bem em fugir da pilantragem.

  • Luciano

    Tenho um Corsa Wind e quando faço curvas para direita o volante retorna torto, além de parecer que o veiculo dá uma escapada para esquerda. Quando faço curvas para esquerda tudo ok e volante retorna centralizado. Poderia me ajudar?

    • Luciano, a caixa de direção provavelmente está solta. Mande verificar.

  • lucena, deformação da coluna de suspensão e do braço transversal (bandeja). No caso citado, a bandeja se deformou para trás mas sem alterar a convergência.