certo que o trabalho para o Ae não tem hora nem dia da semana para ser feito. É algo meio que contínuo. E é assim simplesmente porque é algo que fazemos com vontade e prazer. Mas tem dias em que a gente realmente precisa de um descanso, físico e mental.

Então eu confesso: fui ao Mopar Nationals 2015, em Águas de Lindóia, no interior de São Paulo, com o único propósito de fazer um passeio e descansar. E esse passeio não incluía esta matéria. Eu queria dar um abraço no meu amigo Marco Caccuri, do Chrysler Clube do Brasil, fazer algumas fotos descompromissadas com meu celular, e escutar uma boa música nos quase 500 km de ida e volta. Convidei apenas dois amigos que já sabem como eu sou e não atrapalhariam meus planos. Sair às 3:30 da manhã de sábado para chegar em águas de Lindóia às 6:00, com o dia amanhecendo e o sol proporcionando a luz perfeita. Assim como dirigir, criar imagens também é algo que me envolve e me abstrai do cotidiano.

Nenhum dos dois quis ou pôde ir. O único problema de ir sozinho é que quando o despertador toca dá uma vontade enorme de desistir do plano. Mas eu tinha um plano igual a esse para Encontro de Antigos de Lindóia de junho deste ano e acabei desistindo. Duas desistências na seqüência não é o meu estilo.

Uma das razões para eu não querer ir a trabalho é que para fazer uma matéria realmente bem feita eu teria que levar meu caderninho, fazer anotações e caprichar muito nas informações. Além disso captar imagens mais tradicionais, com pouca liberdade criativa. Dessas imagens que todo mundo quer ver, com carros inteiros e em vistas 3/4 de frente. Legal, eu sei fazer isso. Mas não queria. Além dos V-8 o que me atrai nos Mopar é a diversidade visual, de formas, grafismos e cores. Algo inigualável e que pode gerar imagens muito bacanas.

Cheguei lá dentro do programado, curti muito minha terapia, e lá pelas 11:00 da manhã, depois de postar algumas fotos no Instagram, um leitor/seguidor disse que ficaria feliz em poder ver o evento em vídeo. E como eu disse, eu não estava preparado para trabalhar…  Mas o dever me chamou e eu resolvi captar algumas imagens, com o smartphone mesmo, sem muita frescura. E por alguma razão que ainda não descobri, todo o material em vídeo ficou sem som. Uma pena, pois os V-8 sem som não têm tanta graça. E já que captei o material em vídeo acabei me animando para pegar a minha Nikon e fazer uma fotos mais tradicionais. O dever foi cumprido!

 

Para não dizer que não apresentei nenhum dado sobre o evento, vou dar o destaque para os dois carros que mais me impressionaram. E não achem que são Chargers ou Challengers. Esses dois estão sempre presentes nesses eventos. São maravilhosos! Mas por serem algo muito diferente, e não necessariamente bonitos, eu adorei mesmo o exclusivíssimo Chrysler Imperial FS (Frank Sinatra Edition) e seu desenho totalmente único, e o enorme Chrysler 300 esverdeado, com capota e interior brancos.  Por favor, não me perguntem muito mais sobre esses carros, pois dessa vez me contentei em guardar apenas as sensações que eles me passaram. E para fechar, entre os usáveis, eu adorei um Dart branco quatro-portas bem original e discreto.

Bem, as vezes fazemos o que é possível, e assim este foi um post bem sincero e simples, dedicado ao amigo Caccuri! E como dizem os moparmaníacos: Mopar, or no car!

Vejam o vídeo e mais abaixo duas galerias, a mais tradicional e a estilo PK.

PK

 

 

 

(74 visualizações, 1 hoje)