Autódromo de Zandvoort, Holanda, 4 de junho de 1967, terceira etapa do Mundial de F-1. Nessa corrida, duas estréias auspiciosas: o Lotus 49 e o motor Ford Cosworth DFV (double overhead camshaft, four valves). Corrida longa para os padrões atuais, 383 quilômetros cumpridos em 90 voltas na pista de 4.252 metros. O motor, custeado pela Ford, foi projetado por Mike Costin e Keith Duckworth para ser estrutural — parte da estrutura do carro — e assim foi no Lotus 49.

Os pilotos da equipe Lotus eram o inglês Graham Hill e o escocês Jim Clark. Hill obteve a pole position e liderava quando uma das engrenagens de acionamento dos comandos de válvulas quebrou. Jim Clark venceu, além de fazer a melhor volta. Largou em oitavo, pois havia pilotado o Lotus 49.

Por isso, duas estréias — carro e motor — e três vitórias.

Nesse vídeo de 10 minutos e 24 segundos respira-se o ambiente das corridas de F-1 quarenta e oito anos atrás que, mesmo distante de tecnologia atual, produzia corridas incomparavelmente mais espetaculares e — note — sem nenhum recurso para produzir força vertical descendente (downforce), e quando volantes de direção eram volantes de direção e existia um singela peça chamada alavanca de câmbio.

É muito bom rever Hill, Clark, Colin Chapman, Mike Costin e Keith Duckworth, além de outros pilotos como Jack Brabham, Jackie Stewart e Chris Amon.

Bom divertimento!

BS

 



Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas

  • Claudio Abreu

    Lindo vídeo, Bob, parabéns pelo link. Tempos de uma certa inocência, de heróis de verdade (dá muito mais medo imaginar entrar num cockpit àquela época do que hoje, não?)

  • Totiy Coutinho

    Muito legal essa mecânica explicita da Fórmula 1 de antigamente, até motor de arranque os carros tinham. Que pena, na edição cortaram a tradicional boina para o alto do Colin Chapman!

  • WSR

    O famoso DFV. Fez a felicidade de muitos pilotos…

    Bacana o vídeo. A produção da época era bem interessante, acaba lembrando o seriado antigo do Batman, rs.

    O que mais gostei mesmo foi do ronco dos motores. Sorte de quem vivenciou aquilo tudo.

    Por fim: save the manuals!

    🙂

  • Cafe Racer

    Certamente uma época de muita coragem, onde a habilidade valia mais que um bom carro ou o motor mais potente.
    Legal ver os carros escorregando nas 4 rodas e a frente mergulhando nas frenagens !
    Guardadas as proporções, a F-1 dessa época lembra os carros das categorias-escolas como os Ford 1600 e outros .
    Na foto abaixo o Van Diemen 1600 de Senna chega a raspar o bico no chão numa frenagem mais forte! Oulton Park, Inglaterra – 1981

    http://veja.abril.com.br/blog/sobre-imagens/files/2011/09/ayrton-senna-03.jpg

  • Interessante se for reparar em vários detalhes técnicos curiosos.

    Um deles são as configurações dos motores em V.
    O DFV visivelmente seguia o padrão usual de bancada central de carburadores e conjuntos de escapamento laterais, mas ali vários motores tinham esses esquemas invertidos, vindos da parte superior do motor.

    Outro detalhe de época é o uso da barra estabilizadora em “U”, com bieleta regulável ao longo dos braços do “U”.
    Na década seguinte os carros passariam a usar um esquema diferente de barra de torção em “T”, que permite o ajuste da barra estabilizadora por uma alavanca no painel de instrumentos.

    Existem também esquemas equivalentes ao das barras estabilizadoras usando a parte hidráulica dos amortecedores.

  • João Guilherme Tuhu

    Isso era automobilismo de primeira…

  • RoadV8Runner

    Simplesmente fantástico e emocionante o vídeo! Do tempo que pilotos tinham que entender mesmo do cortado para poderem sentar atrás do volante de um Fórmula 1. Tempo que os motores tinham som de motores, nada de ajuda eletrônica, nada de 395857 zilhões de comunicações por rádio entre piloto e equipe ao longo da corrida… Época muito mais legal do que o que vemos hoje, impossível não se apaixonar por competições antigas.

  • Lorenzo Frigerio

    O esquema invertido dos motores é bom para instalar monoturbo no meio da bancada; alguns motores diesel atuais são assim.

  • CharlesAle

    Creio que é a Ford a empresa que mais tem títulos em tudo que é categoria(F1, rali, Nascar, Indy etc..)….

  • Lorenzo Frigerio

    É curioso que a Cosworth ofereceu de comprar a linha de motores V6 “Busso” da Alfa, quando esta resolveu descontinuá-los… porém, ela rejeitou a oferta. Uma pena.

  • Putz! Vídeo delicioso!!

  • marco lima

    Ah, que saudade de quando a F1 era movida a coragem e criatividade…

  • Automobilismo, na acepção da palavra…

  • Aldo Jr.

    Belo vídeo. Mas o que mais chamou minha atenção foi a atitude simpática de Graham Hill, no momento de seu abandono. Se fosse um piloto de hoje, sairia da área dos box jogando o capacete no chão e xingando todo mundo. É impressionante como os pilotos tornaram-se “estrelas”! Abraços.

  • marco de yparraguirre

    Never more.