Autódromo de Zandvoort, Holanda, 4 de junho de 1967, terceira etapa do Mundial de F-1. Nessa corrida, duas estréias auspiciosas: o Lotus 49 e o motor Ford Cosworth DFV (double overhead camshaft, four valves). Corrida longa para os padrões atuais, 383 quilômetros cumpridos em 90 voltas na pista de 4.252 metros. O motor, custeado pela Ford, foi projetado por Mike Costin e Keith Duckworth para ser estrutural — parte da estrutura do carro — e assim foi no Lotus 49.

Os pilotos da equipe Lotus eram o inglês Graham Hill e o escocês Jim Clark. Hill obteve a pole position e liderava quando uma das engrenagens de acionamento dos comandos de válvulas quebrou. Jim Clark venceu, além de fazer a melhor volta. Largou em oitavo, pois havia pilotado o Lotus 49.

Por isso, duas estréias — carro e motor — e três vitórias.

Nesse vídeo de 10 minutos e 24 segundos respira-se o ambiente das corridas de F-1 quarenta e oito anos atrás que, mesmo distante de tecnologia atual, produzia corridas incomparavelmente mais espetaculares e — note — sem nenhum recurso para produzir força vertical descendente (downforce), e quando volantes de direção eram volantes de direção e existia um singela peça chamada alavanca de câmbio.

É muito bom rever Hill, Clark, Colin Chapman, Mike Costin e Keith Duckworth, além de outros pilotos como Jack Brabham, Jackie Stewart e Chris Amon.

Bom divertimento!

BS

 

(49 visualizações, 1 hoje)


Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas