Salão de Frankfurt, 17 a 23 próximos, é grande referência e oportunidade para a apresentação de automóveis novos, evoluções no ciclo, sondagem de conceitos para se tornar, ou não, realidade futura. Coisa grande. Para o mercado brasileiro em descenso — neste ano exibirá números iguais aos de uma década passada — novidades serão menores, porquanto indiretamente proporcionais pela redução das exportações, e restritas aos produtos programados para construção no Brasil.

Quais?

Dois lançamentos têm maior relevo pelo fato de entrar em produção no Brasil. São BMW: o SAV, Sports Activity Vehicle, X1, com redefinição de massas e volumes, nova construção para melhor precisão nos comandos, tração total, e o sedã Série 3 iniciando nova série com mudanças internas e externas, opção de tração total, e a nova versão 330, híbrida. O X1 e o Série 3 durante o próximo ano substituirão os modelos atualmente em superficial montagem em Araquari, SC.

Topo da marca, o sedã Série 7, com a responsabilidade de concorrer com os Mercedes S e seu amplo pacote tecnológico, começa listar novidades com a carroceria em compósito de fibra de carbono, motorização híbrida plug-in, e itens à altura do cliente, como bancos massageadores, teto Sky iluminado. Novidade pontual, o M6 preparado para a GT3. M é a série de modelos desenvolvidos pela BMW com rendimento esportivo, 6 a série mais performática da marca, com motor V-8 e dois turbos. GT3 é categoria nas corridas européias. A não competidores, versão amansada, o M6 Competition Edition, com decoração e confortos, motor V-8 4,4 litros, 600 cv e 71,4 m·kgf de torque.

Outra novidade para o mercado nacional é o tapa estético dado pela Ford no EcoSport, agora projeto mundial. Mostrado no Salão de Genebra como idéia, materializou-se como opção: marca-se pela remoção do estepe externo, pendurado na tampa traseira, enviado ao piso do compartimento de bagagens. Da marca e do tipo, novidade institucional é o novo Edge com tecnológico novo sistema de tração nas quatro rodas com percepção eletrônica do piso — molhado, com gelo, lama, e outros inconvenientes a separar os pneus e o solo. A Ford Europa terá cinco produtos da categoria nos próximos três anos, aproveitando o mercado. Suas vendas cresceram quase 40% entre 2013 e o ano passado, de 17 para 23%. O Edge será importado para o Brasil e pela característica insólita e pouco justificável de ser preferido por Dilma Rousseff em lugar de sedãs, pretende manter o rótulo mundialmente curioso de Carro da Presidente.

Outro importado a fazer presença nas ruas nacionais é o novo Tiguan (foto do início), agora reclassificado. Deixou de ser SUV, Sport Utility Vehicle — os com alguma habilidade a enfrentar estradas difíceis — e SAV, Sport Activity Vehicle, sugerindo tais habilidades, mas aos quais falta a importante tração nas 4 rodas. O Tiguan agora é rotulado CAV — Crossover Utility Vehicle. A parte Crossover indica uma aproximação aos automóveis.

Na prática industrial se utiliza da plataforma mundial MQB, já em produção na fábrica da Volkswagen em São José dos Pinhais, PR, para o Golf e o Audi A3, e base de quase toda a família média VW. Cresceu mais de 20 cm, em especial no compartimento de carga sem aumento substancial de peso por adotar novos métodos de construção, aplicando aços com espessura e resistência variadas.  Crê-se as novas dimensões permitam opção para 7 lugares. A opção pelo conceito Crossover indica menor altura, linhas mais esportivas. Compare-o ao Porsche Macan, rentável sucesso mundial.

Opções de motores, desde diesel ao 4 cilindros 2-L turbo a injeção direta, 300 cv, caixas com seis e sete marchas, automática ou robotizada de duas embreagens, muita conectividade.

Será um dos argumentos para a Volkswagen voltar a sorrir no mercado americano, uma de suas fraquezas no projeto de tornar-se a maior fabricante mundial. A VW quer fazê-lo nos EUA.

Na Mercedes, novidade a ser importada para clientes bem individualizados, o C 63, Coupé, com preparação AMG.

Sinal dos tempos, haverá o pavilhão do Carro Conectado, onde estarão as últimas conquistas e próximas promessas de tecnologia embarcada.

Vito chega em outubro

Mercedes apresentará próximo mês o Vito, base de um utilitário de transporte de passageiros e cargas. A grosso modo as versões para passageiros situam-se entre a suprimida Kombi e o Sprinter, direcionado ao transporte individual, familiar ou de hotéis.

É nova geração construída na Argentina — onde as vendas começarão após as brasileiras. Informações dizem de motorização diesel, com opções de potência entre  114 e 156 cv. Câmbios de seis ou sete marchas, manual ou automático.

Simboliza um esforço da Mercedes para, junto com o Sprinter, liderar neste segmento. O Vito operará solitário nos modelos nesta faixa.

 

Foto Legenda 02 coluna 3715 - Vito

Vito, Mercedes quer fazer sucesso

 

RODA-A-RODA

Mudança – Jaguar resolveu atacar de frente a má imagem de seus produtos quanto ao padrão construtivo, à complicação da engenharia inglesa e, por consequência, a má assistência técnica. Geram enorme queda de valor e de liquidez à hora da revenda.

Coragem – Produção organizada pela Ford, e novos veículos pós-compra pelo grupo indiano Tata, grande desafio é fazer veículos com qualidade de projeto, engenharia, construção. Para evitar quebras e problemas, reduzindo ao máximo a freqüência aos mecânicos. É mudança fundamental na marca Jaguar.

Operacional – Embora os projetos tenham melhorado muito sob gestão Tata, com um índice de quebras reduzidos, colocando a Jaguar em terceira posição em confiabilidade em recente pesquisa da agência JD Powers — à frente das alemãs Audi, BMW e Mercedes —, não há percepção pelo público.

Na prática – Relacionamento direto com o consumidor se inicia com garantia estendida a 5 anos e 60 mil milhas — 96.000 km — e programa gracioso de manutenção, mantidos a proprietários seguintes. É o primeiro passo do EliteCare, visando crescer a 10 anos de garantia.

Aqui – Brasil é peculiar até para garantia de automóveis. Com o lançamento do XE, primeiro desta nova série coberta pelo corajoso programa, as regras são outras. Revisões nos três primeiros anos custarão R$ 900 incluindo os filtros.

Caminho – Dona de bonita história de criatividade e qualidade, última das poucas marcas onde o patrão cuidava de tudo, incluindo projetar motores e desenhar carrocerias, a alemã Borgward ensaia voltar ao mercado. Criou instituto de pesquisas para desenvolver motores convencionais e alternativos.

Nome – Apresentação do Projeto Raptur, o picape grande da Renault, trouxe novidades. Primeira, nome: é Alaskan. Outra, onde aplicá-lo. No material de divulgação Renault diz atender a três universos de uso: profissional, ócio e vida cotidiana. Tem chassi por longarinas, motor diesel 2,3, mecânica resistente.
Mais – Traços e decoração, retrovisores pintados, luzes em LEDs, cuidados internos, confortos em infodivertimento exibem aptidão a dois usos, o pessoal e o profissional. Veículo mais vendido no mercado dos EUA é um picape. E no mundo, um a cada três veículos é desta categoria. Daí a Renault — e sua sócia Mercedes — entrarem na categoria.

Assim – Leitor da Coluna sabe, Renault e Mercedes se uniram à Nissan para desenvolver projeto comum em mecânica, para ser vendido sob as três marcas. Para o Mercosul e América Latina, produção será dentro pela Nissan, enclave nas instalações da Renault em Córdoba, Argentina. No mercado Renault e Nissan em 2017 e Mercedes, ano seguinte.

 

Foto Legenda 03 coluna 3715 - ALASKAN

Laurens van de Acker, designer chefe da Renault, apresentou o Alaskan

Mais outro – Fabricante argentino de motocicletas, primeiro com produto próprio, depois montando chineses, a Zanella anunciou instalar linha de montagem junto à de motos no balneário de Mar Del Plata.

Xing Ling – Investiu US$ 18M para finalizar picapes chineses aos quais chamou Z-Truck: quatro rodas, motor 1-L e 53 cv, 8,5 m·kgf de torque e capacidade de carga para 800 kg. Custará no mercado argentino 150 mil pesos — uns R$ 64.000 — prometendo produção de 3.600 unidades/ano.

 

Foto Legenda 04 coluna 3715 - Zanella

Zanella, picape chinês montado na Argentina

Sem crise – Audi bateu dois recordes em agosto: emplacou 1.944 unidades — maior volume já assinalado por produto Premium —, e cravou no acumulado do ano a venda de 3.095 modelos A3 sedan 1,4.

Preparação – Até o final de agosto vendeu 11.007 veículos, liderando o segmento. Segurou os preços para fazer parque circulante da marca. No 1º de outubro inicia produzir o sedã A3 1,4 e, em 2016, o SAV Q3.

Alegoria – Mitsubishi diz ter feito viagem S Paulo–Brasília, em New Outlander 2,2 diesel turbo, sem reabastecer. Gastou 58,48 litros em 1.161 km, média de 19,85 km/litro.

E? – Não informou quantos usuários, calibragem de pneus, tempo de viagem, nem o objetivo. Nem colaborou com o mercado indicando se consumo em condições especiais pode definir compra em produto com etiqueta de R$ 174 mil.

Super ultra – Satisfeito com os novos sedãs Mercedes C? Insatisfeito com a performance? Brabus, preparadora alemã, concilia os dois conceitos: faz versão C 63S, com motor V-8 e 4.000 cm³, com 600 cv e camionais 81,6 m·kfg de torque. 0 a 100 km/h em 3,9 s e 300 km/h em velocidade final. Será mostrado no Salão de Frankfurt. Á venda no Brasil na representante Strasse, em São Paulo. Preço não divulgado.

Plug in – Sorrisos na Ford Europa. Pesquisa mostrando convergência da Geração Millennium — de 17 a 34 anos —, adepta dos SmartPhones e tecnologia de mão, a veículos com perfil de SUV e SAV — utilitários esportivos de verdade e os com alguma habilidade ante pequenos óbices. Lançará cinco modelos novos nos próximos três anos.

Giro – Assembléia Legislativa paulista aprovou boa idéia, apta a ser seguida por outros estados: entendimento entre órgãos executivos de trânsito e rodoviários para rápido trocar de informações e providências enviando a leilão público veículos apreendidos pelo Detran estadual.

Limpa – Quer resolver o assunto de falta de área de estacionamento, com estoque se acumulando por lentidão de procedimentos. Dá celeridade a nova definição por legislação federal: veículo apreendido e não reclamado em 60 dias, será enviado a leilão.

Gente – Matthias Gründler e Lars Stenqvist, alemão e sueco, novos diretores para a Volkswagen Truck & Bus. OOOO Chefe financeiro — o número 1 das finanças —, e diretor de pesquisa e desenvolvimento. OOOO Roberto Cortes, brasileiro, mantém-se como líder para a América Latina. OOOO

 

Audi volta a produzir no Brasil

Quase dez anos após encerrada a produção de um automóvel no país, Audi volta à atividade industrial. Data oficial, o 1º de outubro, e o produto será o modelo mais vendido de sua linha atualmente importada, o A3 sedan 1,.4. Em 2006, logo após haver assumido o controle da representante Senna Import, o fabricante alemão resolveu cessar a fabricação do A3 hatch. O produto havia envelhecido e o mercado não justificava investimentos para atualização.

Nos anos seguintes a expansão observada para as vendas no mercado interno em crescente ascensão motivaram a empresa a rever sua estratégia, considerando a importância do continente sul-americano; a possibilidade de exportação aos países com tratados comerciais; e,sobretudo, a decisão da Volkswagen em fabricar no Brasil o atualizado motor 1,4 TSI — 4 cilindros, 16 válvulas, duplo comando, válvulas com abertura variável, turbo e injeção direta. Tais condições permitiram fechar a conta para um renascer no Brasil. Em anúncio no setembro de 2013 informou investir R$ 500 milhões na fábrica do grupo VW em São José dos Pinhais, criando nova ala para a fabricação de novos produtos. Ao A3 sedan inicial seguir-se-á o utilitário charmoso Q3, hoje o segundo veículo mais vendido da marca. Apesar da expressiva queda de vendas de veículos no mercado doméstico em 2014 e 2015, a empresa manteve os planos.

No distante 2006 da decisão de encerrar, a produção do solitário A3 hatch foi inferior a 3 mil unidades, marcando o início de um mau período para a marca. O anúncio da volta industrial foi agregado ao da mudança de direção da empresa no Brasil. Sob gestão de Jörg Hofmann, e graças a um agressivo programa, a Audi retomou seu brilho. Hoje lidera o setor dos veículos Premium.

 

Foto Legenda 05 Coluna 3715 - Audi A3

Audi A3 sedan 1,4, nacional em outubro

RN

rnasser@autoentusiastas.com.br
A coluna “De carro por aí é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.
(79 visualizações, 1 hoje)