VW UP! TSI, NO USO

uso up 2  VW UP! TSI, NO USO uso up 2

Muito já falei do up! TSI, mas nada como usar um carro no dia-a-dia – no uso,  como cunhamos aqui no Ae. Especialmente quando esse carro traz algo de muito novo não em termos absolutos, mas em termos relativos. Estamos habituados aqui no Ae a dirigir todo tipo de carro como motor superalimentado por turbocompressor, mas não um pequeno com motor de 999 cm³. É aí que entra o relativo.

Quando adolescente lia muito a revista francesa L’Automobile e gostava dos testes do jornalista Claude Vogel. Ele era bom de técnica e de caneta, sua redação tornava a leitura a coisa mais agradável desse mundo. Um termo que ele gostava de usar e que se aplica à perfeição nesse up! é souplesse, elasticidade. Usamos bastante essa palavra em português para descrever o comportamento dos motores dotados de faixa de funcionamento útil ampla, mas souplesse vai um pouco além, indica elasticidade com graça, graciosa, como a de uma hábil bailarina e seu elástico corpo. Pois é exatamente o que encanta nesse up! TSI, não só a notável elasticidade do pequeno motor, mas como ele a executa.

 

uso up 1  VW UP! TSI, NO USO uso up 1

Notável também a diferença entre o MPI de aspiração atmosférica e esse turbo, parecem carros completamente diferentes, em marcas até. É uma transformação profunda, uma completa surpresa ante a expectativa desde quando se ouviu dizer que a VW iria lançar o up! turbo. Sabia-se, claro, que seria grande e bem-vinda novidade, mas quanto, difícil de imaginar.

O carro tem um ímpeto para acelerar que confunde nossos sentidos. A resposta do pedal da direita é sempre imediata, não importa em que marcha esteja. O carro apenas obedece ao pensamento, como se estivesse permanentemente de prontidão. É uma sensação de poder em teoria incompatível com a cilindrada do motor.

É daqueles carros que dá pena estacionar na garagem, deixá-lo. A vontade que dá é dirigi-lo sem rumo e sem parar, de tão agradável e cativante.

 

red up! TSI (3)  VW UP! TSI, NO USO red up TSI 3

Foi abastecido na fábrica com gasolina, a potência é 4 cv menor do que com álcool, embora o torque não se altere. Quando foi preciso reabastecer coloquei álcool para experimentar, percebe-se nitidamente o ganho, tudo fica amplificado. Andando normalmente na cidade o computador de bordo sempre ficou entre 9,5 e 10 km/l, dentro do informado conforme padrão Inmetro. Com gasolina passava sempre de 14 km/l.

O Paulo Keller usou-o para um bate-e-volta ao Guarujá, sem se preocupar em gastar o menos de combustível (gasolina) possível e obteve 23 km/l na ida (descida de serra) e 18 km/l na volta. Média? 20,5 km/l.

Tomando emprestado da Jeep o correspondente homófono da marca, G.P., general purpose, uso geral, o up! TSI é um G.P. na sua essência. Perfeito para a cidade, pequeno (3.645 mm de comprimento) e manobrável (diâmetro mínimo de curva 9,8 metros), muito ágil no “limpar o tráfego à frente”, e perfeito para a estrada, com seu desempenho exuberante, um silêncio a bordo admirável mesmo a 160 km/h em quinta, motor a 3.900 rpm, podendo-se conversar sem precisar mudar o nível de voz, nenhum ruído aerodinâmico. E uma suspensão que atende prontamente a todos os comandos de direção sem reclamar ou mostrar qualquer estranheza.

No trânsito urbano pode-se esquecer a quinta marcha, brincando dentro do “H” básico. Aliás, quem dirigir o up! TSI deve fazer de conta que o carro tem duas quartas, uma para cidade, outra para estrada. Não tem cinco marchas. Procedendo dessa maneira, nada de reduzir de 5ª para 4ª numa ultrapassagem típica de autoestrada, mas para 3ª. Analogamente, numa estrada de pista dupla, de tráfego mais lento, use-se a segunda, que vai até 100 km/h indicado no velocímetro quando o motor é levado ao corte a 6.500 rpm. E quando vier uma boa estrada de pista dupla, de limite 120 km/h,  motor sussurrará a 2.900 rpm. Céu.

Tudo isso por R$ 3.100 sobre o preço de versão equivalente com motor aspirado (menos no take up!), considero um presente da VW.

BS

Video: Paulo Keller; foto do interior, divulgação

Veja o vídeo:

 

 

FICHA TÉCNICA VOLKSWAGEN UP! TSI
MOTOR
InstalaçãoDianteiro, transversal
Material do bloco/cabeçoteAlumínio
Configuração / N° de cilindros / n° de mancaisEm linha / 3 / 4
Diâmetro x curso74,5 x 76,4 mm
Cilindrada999 cm³
AspiraçãoForçada por turbocompressor BorgWarner
Pressão de superalimentação1,2 bar
Taxa de compressão10,5:1
Potência máxima101 cv/105 cv (G/A\ a 5.000 rpm
Torque máximo16,8 m·kgf a 1.500 rpm (G/A)
N° de válvulas por cilindro4
N° de comandos de válvulas /localização / acionamento2 / cabeçote / correia dentada, variador de fase na admissão (50º) e escapamento (40º)
Formação de misturaInjeção direta a 250 bar
Gerenciamento do motorBosch MED 17.5.21
Rotação de corte6.500 rpm
ALIMENTAÇÃO
CombustívelGasolina e/ou álcool
TRANSMISSÃO
Câmbio / rodas motrizesTranseixo manual / dianteiras
N° de marchas5 à frente e uma à ré
Relações de transmissão1ª. 3,769; 2ª. 2,095:1; 3ª. 1,281:1; 4ª.0,927:1; 5ª 0,740:1; ré 3,182:1
Relação do diferencial3,625:1
FREIOS
De serviçoHidráulico, duplo circuito em diagonal, servoassistido, ABS
DianteirosDisco ventilado, Ø 256 mm
TraseirosTambor Ø 200 mm
SUSPENSÃO
DianteiraIndependente, McPherson com subchassi, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
TraseiraEixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
TipoPinhão e cremalheira: eletroassistida
Diâmetro mínimo de curva9,8 metros
Relação de direção15,5:1
N° de voltas entre batentes2,9
RODAS E PNEUS
RodasAlumínio, 5Jx14 ou 5,5Jx15
Pneus175/70R14 ou 185/60R15
PESOS
Em ordem de marcha1.000 kg
Carga máxima410 kg
DIMENSÕES
Comprimento3.645 mm
Largura sem / com espelhos1.645/1.910 mm
Altura1.504 mm
Distância entre eixos2.421 mm
Bitola dianteira/traseira1.423/1.424 mm
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx)0,367
Área frontal2,08 m²
Cx x A0,763
CAPACIDADES
Porta-malas285 litros
Tanque de combustível50 litros
DESEMPENHO
Velocidade máxima182 km/h (G), 184 km/h (A)
Aceleração 0-100 km/h9,1 s (G), 9,3 s (A)
Aceleração 0-1.000 m31 s (G), 30,7 s (A)
Retomada 80-120 km/h, 5ª13,8 s (G/A)
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL (INMETRO)
Cidade13,8 km/l (G), 9,6 km/l (A)
Estrada16,1 km/l (G), 11,1 km/l (A)
CÁLCULOS DE CÂMBIO
Velocidade por 1.000 rpm em 4ª/5ª32,9/41,2 km/h
Rotação a 120 km/h em 4ª5ª3.650/2.900 rpm
Rotação à velocidade máxima. 4ª5.600 rpm
GARANTIA
Termo3 anos integral, 5 anos para perfuração de chapa
MANUTENÇÃO
Revisões (km)10.000 km
Troca de óleo do motor (km/tempo)10.000 km/6 meses

 

Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas

  • CorsarioViajante

    Muito legal, se o up! aspirado já despertava minha simpatia, este “turbinou” a simpatia… rs
    Torço para que em breve outros modelos recebam este excelente e versátil motor.
    E ando com uma idéia meio maluca, de arranjar uma carcaça de Puma, bem castigada, e dotá-la deste conjunto motor-câmbio. Acredito que daria um resultado bem divertido…

  • 015b

    Tenho muita vontade de ter esse carrinho, espero que faça o devido sucesso com o público… potencial tem de sobra!

  • Daniel S. de Araujo

    Belo texto Bob! Vou tentar fazer um test trive em um porque confesso que fiquei “aguado” em experimentar um 1000 com respostas instantâneas e consumo de motocicleta! Pena que para meu uso, o up! seja pequeno senão…

    • Ricardo Kobus

      Imagine como seria o Voyage com essa mecânica?

  • Christian Bernert

    Estou impressionado. Sem palavras. 20,5 km/l de média? Muito bom mesmo!

  • Totiy Coutinho

    veiculo interessantissimo dinamicamente , mas R$48 mil num carro subcompacto é muito dinheiro .

    • CorsarioViajante

      Tem versões por menos, a move TSI, por exemplo, tem preço de tabela de 43.500 se não me engano.

    • Totiy Coutinho

      Sem duvida o C.P. (coeficiente de paixão) desse carro vale o preço!

  • Lucas Lopes de Oliveira

    Show!

  • Davi Reis

    Perfeito esse motor, ainda mais no Up. Agora parece até que todo o resto da linha VW fica sem lugar, consigo imaginar sem problemas todos os carros com essa mesma motorização, com alguns ajustes aqui e ali dependendo da aplicação. Realmente notável.

  • Paulo Eduardo Bandeira de Mell

    Incrível. Incrível é a vontade de guiar este automóvel e mais incrível ainda é depois de ler o texto. Sem palavras… Obrigado por me ensinar o que é autoentusiasmo! Grande abraço aos editores.

  • Lemming®

    Fiz o test drive ontem e realmente é impressionante!!
    Negociando o meu…rs

    • Mr. Car

      Depois de negociar, se não se incomodar, nos diga quanto conseguiu de desconto sobre os preços anunciados na tabela para o modelo que escolheu, he, he!

      • Lemming®

        Pelo jeito não vai ter nenhum desconto. Diz o vendedor que está vendendo mais que pão quente. Se não tiver no estoque pode demorar até 30 dias. O que têm no estoque é o modelo sem opcional. Acho que a VW subestimou o pacote e todo mundo está optando por ele…
        Estou tentando valorizar meu usado ou vou ter de vender por fora antes de pegar o meu. move vermelho com o pacote opcional.

  • Lorenzo Frigerio

    O que é chocante, para os mais velhos, é que esse carro acelera mais que um Dodjão e seus concorrentes da época, e é um “Kinder Ovo”. Certamente o paradigma para essa faixa de mercado foi levantado. Gostaria muito de ter a oportunidade de acelerá-lo.
    Só falta a versão DUAS portas. É um absurdo um carro tão pequeno ter essa opção só nas versões pé-de-boi.
    Outra coisa curiosa é o convívio, num mesmo carro, de duas tecnologias tão díspares como o turbo com injeção direta e variação de fase, e o jurássico freio a tambor atrás. Mesmo que um carro tão leve não necessite de algo melhor, mas imagem também é importante, e os freios a disco são menos problemáticos.

    • Diplo86

      Lorenzo, também acho isso impressionante. O Diplomata foi um dos carros mais gostosos que dirigi e agora fico impressionado como fico deslumbrado pelo up!, que é um carro tão diferente, mas que proporciona um prazer tão grande.
      Mas desculpe a pergunta, por que a preferência pelo duas-portas? Quando leio os comentários aqui reclamando da falta desta opção, confesso que não consigo entender, pois só vejo vantagem nos 4-portas.

  • Edu Silva

    Boas lembranças do meu Gol 1.0 16v turbo…..Parece que a VW se superou.

  • Félix

    Que belo brinquedinho esse! E o melhor: dá pra usar todo dia!

  • Bob, me tira uma dúvida: como é o porta-malas desse carro?
    No caso, tenho um Peugeot 206, o bagageiro do up! é muito menor, ou dá para viver numa boa?

  • Paulo Júnior

    Bob e/ou Paulo, o câmbio continua com bons engates, como qualquer mq200? A estabilidade, com esse ganho de potência e toque, não foi prejudicada? Sou fã deste carro e estou muito curioso para um test drive, mas ao mesmo tempo com medo, pois se fizer um test drive, é provável que vá para minha garagem.
    Abraços

  • a. shiga

    50 litros de tanque com esse consumo vai até envelhecer gasolina no tanque hehehe. Bom pra viagens a lugares em que a gasosa sai a $4 pra não precisar abastecer no caminho!

    • Ilbirs

      De repente pode valer a pena completar com Podium, ainda mais que as visitas ao posto serão bem espaçadas.

  • Félix

    A única reclamação que tenho: fiquei doido para trocar o MPI de casa pelo TSI!

    • João Martini

      Trocaremos o nosso MPI no TSI em janeiro. Fico triste de não poder fazer isso agora! Rs

    • Rafael Ziller

      Somos dois amigo, nosso Up! completa 1 ano em casa em outubro, queremos o TSI agora! Na verdade tem um GRAVE defeito, não ter opção de TSI+2 portas, uma pena.
      Pensando seriamente em trocar o Fiat Bravo (12/12) da casa por outro Up! O que acham?

  • Lemming®

    Sumiu o comentário ou não postei…esquisito…
    Realmente é impressionante. Fiz o test drive e recomendo que o faça mesmo quem não tem intenção de comprar para conhecer e saber como é “na vida real”.
    Gostei demais do vídeo. Nota 1000 para a equipe. Não tinha assistido os outros apesar de estar por aqui todos os dias. Vou recapitular…
    Negociando o meu. Vamos ver o que acontece.

  • Roberto Neves

    Gostei do entusiasmo do Bob! O texto ficou poético (além de didático)! Abraço!

  • jr

    Agradeço o “no uso”.
    Dimensões ideais para uso na cidade. Motor que dá e sobra. Avaliação de segurança muito boa. Bom de dirigir. Ágil. Silêncio interno. Econômico.
    Gostei!

  • Fórmula Finesse

    Preciso dirigir esse bichinho! Ainda nem sinal na revenda VW local…

    • TSI

      Em Belo Horizonte chegou nesta 2ª para test drive! Confira aí!

    • Thiagusss

      Já vi “cegonhas” pela Rodovia Fernão Dias (Região de Atibaia) carregadas com esse up!. Logo mais estarão disponíveis…

  • Ricoy

    Pretendo comprar o FOX 1.6, mas me preocupo com a economia de combustível. Na opinião de vocês este motor 1.0 TSI no FOX seria uma boa opção?

    • TSI

      É bem provável (expectativa também da imprensa especializada) que tendo a aprovação do mercado ele irá para toda ou quase toda a linha da VW (quem sabe eliminando o 1,6 até por ter desconto no IPI pela sua cilindrada), haja vista que na Europa este motor equipa inclusive o Golf (porém com regulagem diferente do turbo que dão a ele uns cavalinhos a mais). Os novos motores turboalimentados, além de gerar um excelente prazer ao dirigir, possuem melhor desempenho que os aspirados (uma vez que geram torque alto em baixa rotação) e melhor consumo. Tenho um Golf 1,4 TSI DSG que em Belo Horizonte, com todos seus morros (pirambeiras) e trânsito caótico, mostra no seu computador de bordo um consumo médio de 10,4 km/l. Abraço

    • Ricoy
      Sem dúvida que seria. Tem a mesma potência do EA111 1,6-L e mais 1,2 m·kgf de torque em rotação 1.000 rpm menor. Na Europa existe Focus 1-L 3-cilindros turbo.

    • Davi Reis

      Se a intenção for comprar um 1,6 com o EA-211, posso dizer que o carro é bastante econômico, chega a surpreender.

  • Renan V.

    …”e perfeito para a estrada, com seu desempenho exuberante, um silêncio a bordo admirável mesmo a 160 km/h em quinta, motor a 3.900 rpm”… Puxa vida, agora deu vontade de ter um.

    • Douglas Pacheco

      Caramba, meu Ka 2012 a 120 km/h a 4.000 rpm!

  • Hellmann

    Não pude deixar de notar que recomenda-se a troca de óleo a cada 10.000 km ou 6 meses, sendo que outros fabricantes recomendam 1 ano. A primeira dúvida é: esses 6 meses possuem base técnica ou está mais atrelado à tentativa de vender mais óleo? A segunda questão que quero levantar, ainda no mesmo assunto, é que motocicleta nenhuma, atual, precisa trocar óleo a cada 1.000 km. Mesmo assim, a maioria esmagadora dos mecânicos recomendam e, pasmem, já participei de uma entrega de moto 0 km em que a própria concessionária disse o mesmo! A moto em questão constava um intervalo de troca de 4.000 km no manual. Questionei a funcionária que estava dando as “preciosas” dicas técnicas, e ela não permitiu que eu abrisse o próprio manual da moto para prová-la errada. Enquanto isso, as concessionárias de moto vendem de 3 a 5 vezes mais óleo do que o necessário para a correta manutenção das motocicletas, dependendo do modelo.

    • Hellmann
      Diz a VW é a troca de óleo a cada 6 meses é por razões técnicas (contaminação do óleo pelo álcool), em que de modo algum acredito. Para mim é estratégia de criar tráfego de concessionária e dar uma mãozinha para os concessionários, nada mais.

      • Fabio Toledo

        Contaminação pelo álcool? Não colou heim, Bob! Ainda mais num carro que faz mais de 20km/L.

        • RoadV8Runner

          Pois é, sempre ouviu-se o contrário, que o álcool contamina menos o óleo lubrificante…

      • Gustavo73

        Estratégia que afasta muitos compradores.

      • CorsarioViajante

        E é assim que matam as galinhas dos ovos de ouro. Muita gente que roda pouco vai preferir a concorrência que não te obriga a ficar trocando óleo à toa.

        • Mr. Car

          Não foi o único, mas foi um dos principais motivos que me levaram a preferir o Logan ao Fiesta Rocam. Mas no caso do up! não terei a opção de outro 1,0 turbo para escolher. Ou terei, uma vez que não vou comprar imediatamente, he, he!

      • lightness RS

        Se são 6 meses na troca normal, saberia me dizer quanto recomendam para uso intenso, Bob? Pois nos carros normais costuma ser 1 ano no normal e 6 meses no uso intenso

        • Angelito

          Lightness, um colega mais acima (ou embaixo, não sei como vês o disqus) falou algo que faz bastante sentido, mas que deveria ser melhor confirmado: 6 meses já é pra um uso severo, pois o up! não é carro de rodovia, mas essencialmente urbano, e o constante anda e pára, sem arrefecimento adequado, acabaria se tornando um uso severo

        • Davi Reis

          São 6 meses ou 5.000 km (no lugar de 10.000 km), consta no livreto de manutenção.

    • Domingos

      Não acredito que os óleos de hoje, feitos às vezes para agüentarem prazos de troca de mais de 2 anos lá fora (com carro exposto ao clima o tempo todo, além do inverno) não agüente nem 6 meses aqui.

      Ou é preciosismo ou é mais uma daquelas maquininhas do tipo “shock tester” em que qualquer carro que não fosse zero-km era reprovado porque programavam a máquina para enganar mesmo.

      No caso do up! turbo, talvez até seja bom. Em todo outro carro aspirado, revisão de 6 meses é meio caminho andado para que eu nem considere a compra e ainda pegue asco do carro por virar coisa de “coloca óleo 20W50 cada 3 meses que é melhor”.

  • R Rodrigues

    Estive ontem no interior dele. Ainda não fiz o test drive. Estranhei o tamanho do volante e o quanto ele atrapalha a visão do velocímetro. Para enxergá-lo, pelo menos no meu caso, é necessário que o volante esteja na regulagem mais alta. E o acesso traseiro é muito difícil.

    • R Rodrigues
      De fato, é preciso usar o volante mais alto para não atrapalhar a leitura da parte superior do velocímetro, que não precisava ser tão grande. Entrar atrás, bem, é um carro de 3.645 mm, não tem jeito. Achou grande o volante? É de 370 mm, achei-o bom..

      • André Andrews

        Eu experimentei um (I-Motion) e ocorreu o que o Arnaldo disse: a leitura superior do velocímetro ficou comprometida. Aí usei o digital, cujo vendedor nem sabia que existia.

        Assim como o senhor, me rendi ao velocímetro digital.

        O desempenho do aspirado já é bom, imagino esse TSI. Vou ter que voltar na concessionária…

        • Diplo86

          Tenho 1,84m e com o banco todo abaixado e com o volante todo para cima enxergo o painel perfeitamente. Acho estranho comentarem que o volante atrapalha a visão. Será que esqueceram da regulagem do banco? Sei que posição de dirigir é algo pessoal, mas não vejo sentido uma pessoa alta usar o banco lá em cima.

          • Domingos

            Fica medonho para quem é alto o banco lá em cima!

            Costumo abaixar quase tudo também.

          • André Andrews

            Na posição correta de guiar, eu e o Arnaldo ocorreu isso. Se para você não, ótimo.

    • Luiz AG

      Não achei apertado. Me lembra o espaço do Uno (antigo).

  • francisco greche junior

    Finalmente um carro “simples e popular” tem um relato realmente empolgante. Essas sensações eu sinto com meu carro, a pena de um consumo de gasolina na cidade entre 7 a 8 km/l, na estrada algo como 12 a 14 km/l. Pois é…

  • Daniel Antonio Fonseca Lucinda

    Excelente matéria mais uma vez, Bob, ao dizer que se equivale a um 1,8 L como se tivesse “virtualmente” cilindrada maior respondeu minha dúvida.
    Pergunta: a velocidade final indicada pela fábrica fica em torno de 184 km/h no etanol, com esse motor todo esse carro não esbarra nos 200 km/h de máxima não? Ou ao menos ultrapassa os 190? Não que isso seja relevante, mas apenas para efeito de comparação, já estive a 175 km/h em um up! aspirado (MPI), então acredito que a diferença deveria ser maior.

  • Mr. Car

    Nunca antes na história da minha vida eu desejei tanto um carro 1,0. Para falar a verdade, desejar mesmo, é a primeira vez. O que tive (Palio), na época comprei por falta de dinheiro para o 1,6. E olha que nem dirigi o TSI ainda, he, he! Estou de olho no Move up! TSI + pacote opcional (rodas liga/faróis neblina/sensor de estacionamento).

  • Alemão M

    Taí um dos poucos carros novos, nesta faixa de preço, que me animam a troca quando não puder mais manter meu 2,2 litros e seis cilindros do série 3 que possuo. É, literalmente, metade do meu carro, mantendo o prazer de dirigir (rsrsrs).

  • Eduardo Pinetti

    Muito bom. E a pequena turbina, mostra seu agradável som? Li em algum lugar que não, é totalmente silenciosa. O único defeito desse carrinho, além do preço.

  • Roberto Neves
    Impossível alguém não se entusiasmar ao dirigi-lo.

  • Paulo Júnior
    Câmbio “Wolfsburg”, irretocável. Estabilidade, sobra.

  • TSI

    Bob e Paulo, em relação a segurança, deveria ser exigido, antes mesmo de entrar em produção e venda no mercado brasileiro, o teste da Latin NCAP ou outra conceituada, com nota mínima aceita pela legislação, e que esta informação esteja aparente assim como o consumo do Inmetro com seu selo!

    • CorsarioViajante

      Meio difícil fazer o teste ANTES do carro entrar em produção não? rs Afinal para ele ser testado tem que ser produzido.
      De qualquer forma, vale lembrar que o up! já foi testado e obteve cinco estrelas, o que aliás é bem usado (felizmente) em sua propaganda.

      • TSI

        Não… O que quis dizer foi antes de chegar às concessionárias…o up!, sou fã e sei disto… Mas contínuo achando que deve haver critérios mínimos de segurança para qur ele seja comercializado. Que não seja a Latin NCAP mas que seja algum órgão respeitado, para que não tenhamos mais uma máquina de moer carne nas ruas… E que estas avaliações estejam destacados assim como o selo de consumo… A cada dia as pessoas, como disse no vídeo, prezam mais a segurança…

        • CorsarioViajante

          Latin NCap não é um órgão respeitado? Tem amplo respaldo, metodologia séria. Neste ponto só falta mesmo testar mais veículos.
          Quanto à proibição de máquina de moer carne, acho que isso vai de cada um, as informações estão aí, basta a pessoa pesquisar e fazer sua escolha.

      • TSI

        Ele carro… Não up!

  • REAL POWER

    A VW tem que disponibilizar este motor para Gol e Voyage e tirar o 1,6 L oito válvulas. Melhor ainda se o 1,0 L turbo vier em com o câmbio de seis marchas. Isso a colocaria muito a frente da concorrência.

  • TSI

    Bob e Paulo, ótimo passeio e papo no vídeo! Muito instrutivo e didático. Só uma observação. tentem utilizar a câmera posicionada como no Uno, para sentirmos mais a sensação da direção! Abraço

    • Lucas dos Santos

      Concordo com a sua observação. Em conteúdo o vídeo está perfeito – o PK sabe o quanto eu sou fã dos vídeos do Ae – mas eu também prefiro quando a câmera está voltada para frente, mostrando também o caminho que está sendo percorrido e passando uma melhor sensação de velocidade. Não que isto seja uma crítica, mas sim uma humilde sugestão. ☺

  • Fernando Costa

    Submetido hoje ao teste de dinamômetro de uma revista especializada, o bichano, rodando no álcool, rendeu 20,8 mkgf e 134 cv. Oh, céus!

    • REAL POWER

      Não vi o teste e não li a respeito. Mas essa revista deve rever sua forma de trabalho. Para começar essa história de acrescentar 20% a todo valor de potência encontrado nas rodas écoisa da década de 70. Usar correção de 20% para perdas em sistema de transmissão moderno, como geralmente fazem e o que é pior, como regra para todo tipo de carro, seja tração dianteira ou traseira, sem levar em conta tipo de transmissão etc, é no mínimo amadorismo. Será que durante as ultimas décadas não foi realizado nenhum avanço em novas ligas metálicas, processos de usinagem, aperfeiçoamento de projetos e como se os lubrificantes fossem os mesmos? Creio que as fabricas não podem se dar ao luxo de desenvolver modernos motores e deixar seus sistemas de transmissão parado no tempo. A melhor eficiência como um todos dos carros modernos, vem justamente da diminuição de atrito, seja lá onde for. Achar que um Opala, um Fusca e um Gol tem que ter o mesmo valor de correção já e um erro, usar este mesmo valor em carros modernos, já é brincadeira. Outra coisa, é que em alguns casos aplicam correção barométrica em motor turbo, o que é inclusive contrário ao que os próprios fabricantes dos dinamômetros informam nos seus manuais técnicos. Se o motor TSI ter todo esse torque e potência pela revista informado, o up! teria velocidade real beirando os 200 km/h, e seria mais rápido em aceleração. Atingir os valores informados, não é impossível nesse motor, e em algum momento a VW o fará. Por hora, façamos que acreditamos na revista assim como fazemos que acreditamos que todos os envolvidos na Lava-Jato são inocentes.

      • Domingos

        Exatamente. O pessoal trabalha com pelo menos 15% de perda, sendo que a maioria dos sistemas de caixa manual hoje e há um bom tempo atingem no máximo 10% como regra.

        No caso do Golf GTi chegaram a valores mágicos como 250 cv…

      • agent008

        Boa! Não tinha lido seu comentário ainda, se tivesse lido, nem teria postado minha resposta acima. É isso mesmo. Pessoal usando cálculo errado e alardeando porque dá ibope.

  • TDA

    Parabéns a matéria, gostei da empolgação. Estou com uma baita vontade de trocar meu usado num up! TSI, mas tenho medo das concessionárias. Medo de me oferecerem um valor ridículo no meu carro. Aí não vai ter negócio e vai ficar aquele gostinho de quero mais do up!

  • Matheus Camili

    Parabéns pelo “No Uso”, Bob e PK.
    Em questão de espaço interno, como ele se sai, PK? Eu nos meus altos 1,95 m, teria um bom acomodamento? Mesmo que sobre pouco espaço para o passageiro traseiro, essa não é minha intenção pois levaria no máximo mais duas pessoas.
    Parabéns pelo vídeo e muito obrigado!

  • Fabio Toledo

    “limpar o tráfego à frente”… Curti demais essa! Estou louco pra comprar esse carro, difícil está convencer a patroa, que curti carro a m³.

  • Félix

    Fiquei tão curioso que saí correndo para fazer o test-drive. Caro Bob, você tem razão: que carro! Por 43 mil não é nada barato, mas nada nesse preço me parece tão entusiasmante!

    • Ilbirs

      Em que concessionária você conseguiu fazer o test drive? Foi aqui em São Paulo (SP)? Pergunto isso porque passei na Sorana e não havia qualquer infraestrutura para tal por lá e só havia um cross up! TSI no estoque.

    • Eng Turbo

      R$ 41.000 – Procure no Webmotors 😉

  • Rafael Ribeiro

    Estive na concessionária local no sábado passado, e já tinham 3 unidades para pronta-entrega pelo preço de tabela (R$43.900 pelo Move up!). Imediatamente já anunciei meu carro atual, espero por logo um up! TSI na garagem. Ou melhor, nas ruas…

  • Navegador

    O entusiasta em mim chorou com o lançamento desse up! no dia seguinte a ter fechado a compra de um Ka 1,5 (sempre fã de carros pequenos). Como prêmios de consolação ficaram dois equipamentos de segurança fundamentais, o ESC e… os comandos do áudio no volante, super importantes (na minha opinião) por evitarem distrações com smartphones e seus aplicativos e coleções de música.

    Se o up! tivesse ESC, eu teria desfeito o negócio. Esse motor no Golf VII – é a versão que eles alugam nas Europcars – já era ótimo, num carrinho de 950 kg deve ser ainda melhor.
    Outra coisa: viajar em silêncio não tem preço. 2900 rpm a 120 km/h… [lágrimas nos olhos]

    • Fabriciano Madeira

      Amigo, o meu entusiasta interior também fez o mesmo. Recebi o up! 1,0 MPI sete dias antes do lançamento do novo motor. Fiquei sem ação quando soube da novidade.

      • Lucas Pereira

        Caramba Fabriciano, o lançamento do novo motor já já vinha sendo anunciado há um bom tempo! Mas, de todo modo, o MPI também é ótimo.

      • Rubergil Jr

        Comprei um March 1,6 SV em março deste ano. Gosto muito do carro, estou satisfeito, mas ver apenas alguns meses depois ser lançado este up! TSI… ai ai ai. Eu imagino a sua frustração…

        Minha esposa não gosta muito do estilo do up!, ela prefere o March, e isso é um fator importante na compra, pois ela seria a principal condutora.

        Mas só de imaginar o up! sussurrar a 2.900 rpm a 120 km/h (similar ao meu Fluence CVT)… Esse é um ponto fraco do March, na minha opinião, câmbio meio curto e falta de isolamento acústico, a 120 km/h o bichinho é barulhento.

        O March leva vantagens claras no espaço interno e equipamentos (nas versões de preço similar). Mas o up! teria desempenho “um pelinho” melhor e seria mais econômico.

  • Thiagusss

    Bela experiência! Pelo jeito estamos vivenciando o início de uma “revolução” dos motores 1-litro no Brasil. Que venham os concorrentes!

  • Gustavo73

    Leva o de 43. E os concorrentes com desempenho “parecido” ainda vão beber mais.

    • Totiy Coutinho

      IPVA + emplacamento+ seguro+ seguro obrigatorio = 48 mil !

      • Daniel S. de Araujo

        O IPVA, seguro, emplacamento e licenciamento já fazem parte do grupo “estelionato do estado contra o cidadão”.

      • CorsarioViajante

        Estes “adicionais” valem para todos os carros, não?

      • Derek

        Dá menos que isto. 1500 o seguro (30 anos e solteiro) + 700 de IPVA + demais taxas de primeiro emplacamento (~300,00) = ~46 mil reais. E você consegue por menos de 43.000 mil reais o carro.

        • Totiy Coutinho

          Sim calculei o imposto “cheio” esqueci a proporcionalidade, hoje seriam cobrados 4/12 avos ,ainda assim é caro para um subcompacto !

  • Luiz AG

    Eu tenho um 207 e aluguei um up! uma época. Somando com o compartimento escondido, o up! é maior (convenhamos, o porta-malas do 206 hatch é ridículo). O espaço interno é maior. Opinião minha: a posição de dirigir do Peugeot é melhor, mas nada que não se acostume.

    • Luis, obrigado!

      Tenho um 206 2004, que é meu fiel escudeiro na Castello Branco, Fernão Dias e na 101 sul, rsrsrs…

      Estava pensando em um 208, mas com o teto panorâmico, o preço está um absurdo.

      Aí veio o up! TSI, e me deixou muito em dúvida!

      Valeu, abraço!

    • Domingos

      Para o tamanho do carro, não é ridículo não. Tinham carros maiores em porta-malas, porém na época um hatch compacto girava por aí em capacidade do porta-malas.

  • Gustavo73

    São 285 L O 207 tem 250 L se não me engano.

  • Leonardo Mendes

    Ainda tenho minhas cismas com a tampa traseira na cor preta, o “pescoço” do Maps&More e o painel em chapa metálica… de resto, o carro é irrepreensível, VW caprichou na receita.

    Aliás, Bob, você notou alguma imprecisão no uso do Maps&More? Já li alguns relatos sobre isso e um amigo que comprou um reclamou que além de imprecisa ela “trava” com extrema facilidade.

    • Lucas dos Santos

      Já eu acho que a tampa traseira preta deveria estar disponível em todas as versões, desde o lançamento no Brasil, para se assemelhar – ao menos visualmente – ao up! europeu, que possui a tampa de vidro. Eu só não gostei do teto preto, que, para mim, é totalmente dispensável.

    • Roberto Mazza

      A tampa traseira é facílima de mandar pintar, esse maps é opcional e eu prefiro minha dupla garmin/waze, e o painel em chapa também não gosto mas parece ser fácil encomendar o acabamento em tom cinza escuro oy cinza claro como é nas versões take e move se não me engano.

      Vi o carro pessoalmente e reparei abrindo a tampa da mala que só a parte externa da tampa é preta, por dentro se vê as partes da tampa na cor do carro.

      Simpatizo com o acabamento da versão cross (sabendo que é um up igual aos demais) mas se encomendasse um cross sem ser prata levaria pra pintar os parachoques na cor do carro, junto com a tampa traseira, e quiçá andaria sem a sigla Tsi na mala.

      PS. Lucas, teto preto somente na versão speed up, em todas as outras o teto é da cor do carro, também prefiro.

    • agent008

      Leonardo, temos um com Maps&More. Vivia travando e dando problemas, mas ano passado uns 2 meses depois de ter adquirido o carro havia uma atualização de software disponível para o aparelho. Levamos na concessionária, a atualização foi feita, e o M&M não incomodou mais. Funciona muito bem.

      Desculpe o preciosismo, mas o painel não é em chapa. É em plástico com pintura igual à da carroceria, e só nas versões red/black/white

      • Leonardo Mendes

        Olha só, e eu achando que o painel era em chapa metálica… agradeço o esclarecimento, ia passar a vida difundindo coisa errada sem saber.

        • agent008

          É que o Ae tem sempre avaliado e fotografado as versões de topo, que têm o painel pintado. Na minha opinião é um detalhe legal de acabamento, mas gosto é pessoal…

      • Otavio Marcondes

        Lembrando que o Maps sincroniza com 2 celulares simultaneamente via Bluetooth.

  • Fabio Toledo

    Bob, o Gol/Parati Turbo era “lenha” em qualquer 2.0 do mercado da época, li em outro site que o desempenho ficou parecido com o do Punto T-Jet, que é forte! O que achou?

  • Luiz

    Bob!
    Eu sei que não tem nada ver com o assunto.
    Com sua experiência de testes, qual veículo original de fábrica se sairia melhor numa travada com muitas de alta, um Sandero ou Gol G1

    • Car Science

      1,6. ou 1,0?

  • Douglas Pacheco

    Ótimo análise! Não pude ver até o fim, então não sei se foi mencionado, mas vai a dúvida: como é o comportamento dele com o ar condicionado ligado? Acredito que não deve ser como um 1,0 comum, que é bastante amarrado.

    • Diney

      Tenho o MPI, só ando com ar ligado, e dá conta tranqüilo e o desempenho excelente.

      • agent008

        Também temos um MPI, quando estamos usando em viagem, eventualmente desligo para retomadas em aclive ou subidas de serra… a diferença é mínima, é mais um preciosismo meu mesmo

  • Lucas Pereira

    Tudo o que admiro em um carro. Simples, porém bem construído, seguro e com desempenho mais que suficiente.

  • Lucas Pereira

    No dinamômetro apareceram 134 cv e 20,8 kgfm de torque. A mesma diferença se repete nos demais TSI.

    • Car Science

      Nos outros TSI sim tem uma diferença do publicado pelo fabricante, porém com essa diferença só o up!

  • Daniel Antonio
    A velocidade máxima do up! MPI, com álcool, é 165 km/h, a do turbo, 184 km/h. 105 cv é potência insuficiente para chegar a 200 km/h. Se o turbo chegasse a isso a fábrica diria. Mas pode ser que encoste nos 190 km/h.

    • Fabriciano Madeira

      Bob, acredito que os 175 km/h a que ele se refere seja a velocidade “de ponteiro”, com a variação em torno dos 7%, que você, inclusive já tratou em uma matéria no ano passado. Por essa ótica o up! TSIi chegaria muito próximo aos 200 km/h no velocímetro.

    • Daniel Antonio Fonseca Lucinda

      Obrigado pela resposta Bob,
      considerando o que disse Fabriciano Madeira abaixo, de fato acredito que a diferença se dê por conta da imprecisão do velocímetro mesmo.
      Obrigado.

  • João Martini,
    É duro esperar, mas janeiro chega logo!

  • Eduardo Pinetti
    Ruído absolutamente nenhum, o que para mim é mérito. Sério que você aprecia esse tipo de ruído?

    • Eduardo Pinetti

      Somente aquele leve sibilo da turbina, só para saber que ela está funcionando. Somente esse.

  • Lucas Rodrigues de Souza

    Só me restou uma dúvida. O turbo trabalha a 0,9 ou 1,2 Bar eu ja li em outros sites e blogs que era 0,9. Estou com essa dúvida.

    • Domingos

      Duvido que os turbos modernos tenham sobrepressão fixa. Devem a variar a todo instante, até para atingir essas curvas de torque miraculosamente planas.

      Talvez seja o caso do sistema trabalhar variando entre 0,9 e 1,2 bar.

  • Uber

    DKW não era 3=6?
    up! TSI, 1.000=2.000!

  • B_Bunny
    Se você está se referindo ao up! (tanto MPI quanto TSI), ele obteve 5 estrelas no Latin NCAP e 4 estrelas (nota máxima) em proteção infantil. A Volkswagen aderiu voluntariamente (não é obrigatório) ao Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular e todo carro seu recebe etiqueta informativa do consumo, além de este poder ser conferido no site http://pbeveicular.petrobras.com.br/TabelaConsumo.aspx. Agora, tudo isso por iniciativa da fábrica, pois o Ae é contra esse marketing desvairado das “estrelinhas” e a exigência que você clama, como também é contra esse programa de etiquetagem de consumo. Carro não é eletrodoméstico. O que deveria haver, isso sim, é a obrigatoriedade de todo fabricante de veículo informar o consumo do carro que produz e vende segundo uma norma conhecida. Esse tipo de informação jamais poderia ser facultativo. Falta pulso do governo (todos) nessa questão.

    • Angelito

      Bob, só uma correção, o teste para crianças vai até 5 estrelas, quem teve nota máxima foi Golf e Renegade, este último o único brasileiro com nota máxima em TUDO

    • Uba

      Como assim, marketing de estrelinhas? (censurado, comentário em desacordo com os princípios do Ae)

    • agent008

      Bob, concordo que há um exagero e um aproveitamento pelos marqueteiros, das tais “estrelinhas”. Mas comento que recentemente vi um acidente com um up!. Colisão traseira com o VW atrás. Impressionante o resultado. Célula de sobrevivência intacta, traseira e dianteira destruídas, traseira do outro carro (uma Pampa com a caçamba carregada) arrebentada, e as colunas A do pequeno VW sequer sofreram um vinco. Como temos alguns carros de frota que viajam bastante, por exemplo, Fiat Mille, penso que na hora da troca o up! será uma boa opção pois além de econômico, confortável, etc. como já comentado à exaustão, me dará um pouco mais de tranquilidade ao saber que se algum colaborador se acidentar, tem mais chances de sair ileso ou com danos menores…

  • Fernando Costa
    É, parece que a nossa inflação não é apenas monetária…

    • Gustavo73

      Esse dinamômetro não pode ver um turbinado que perde as medidas… (rs)

  • Félix

    Parece maluquice, mas minha vontade também é ter 2 up! TSI em casa! Mas não vou me desfazer do outro carro (um sedã)…rs. Mas que dá vontade, isso dá.

    • Diplo86

      Também estou nesse dilema. Trocar o meu sedã pelo TSI e ficar com 2 up!, um MPI e um TSI. Coisa de maluco!

      • cepereira2006

        Fiz o test drive dos dois e também quero os dois, rsrs

  • Lemming®

    Algum motivo para 6 marchas?
    Anda muito e a 5ª para economia como explicado pelo Bob.

    • REAL POWER

      Gol e Voyage completo pesa mais. Coloque cinco pessoas e malas e a coisa complica. Nesse caso, com terceira, quarta e quinta mais curta e sexta para economia vai dar desempenho muito melhor e continuar gastando pouco. Engraçado que aqui muitos pedem câmbios manuais, mas pelo que parece não gostam de trocar marcha. Com o conjunto motor turbo mais seis marchas da até para abolir o 1,6 16v, que realmente não entendo para que veio, pois esse TSI pode entregar mais potência e chegar bem próximo dos 120 cv gastando menos com melhor performance. Quem quer mão livre, vai de automático. Esses são os motivos, mas sei que devo ser um “dinossauro” querendo viver na era digital.

      • Lemming®

        Realmente. Para mais peso pode ser adequado ter mais marchas.
        Posso dizer que não gosto particularmente de ficar trocando marchas no trânsito mas também não pegaria o iMotion. Se fosse automático de verdade e com as marchas virtuais…

  • Matheus Camili
    O up! é projeto alemão, lembre-se, e os alemães são bem altos há gerações. Mas não custa você dar um pulo a uma concessionária e se sentar num up! qualquer, nem precisa ser o TSI.

    • Matheus Camili

      Obrigado Bob.. Sim, estou no ímpeto de ir fazer uma “visitinha” para verificar o mesmo. Desde o lançamento do MPI estou ensaiando para fazer o teste rsrs.. Já tinha minha admiração, agora tem meu fanatismo com esse motorzinho venenoso. rsrs

  • Lemming®

    E se dirigir…hehe
    Estou vendo a mesma configuração. Fiz o test no Cross. Gostei do volante revestido mas não vou encarar…rs

  • Totiy Countinho
    Esses adicionais só incidem no up! TSI???

    • Totiy Coutinho

      Nao , nao pelo amor do meu orçamento , nem penso no teto preto ! rs

  • Uber
    Boa!

    • AlexandreZamariolli

      Coincidência histórica, ambos são tricilíndricos de um litro.

  • Lucas Rodrigues de Souza

    Pois anote: é 1,2 bar mesmo.

    • Fat Jack

      Permita-me um questionamento Bob, com essa pressão não era de se esperar maiores valores de potência e torque? Ou teria a VW optado por valores menores em benefício de menor consumo, e uma esperteza maior em baixas rotações?

      • Joaquim Santos

        VW optou por reduzir os valores em benefício do consumo. O up! é um carro voltado para a economia.

      • Car Science

        Ao meu ver o ganho está mais que bom comparando ao aspirado

        • Fat Jack

          Se você levar em consideração a pressão gerada pelo turbo verá que era possível bem mais sem risco de comprometimento do motor (justamente por isso meu questionamento ao Bob, pois o que não é comum é um turbo ter o torque máximo numa rotação tão baixa), ou que era possível atingir esta mesma potência com uma pressão bem menor.
          Vale lembrar que pelo menos na teoria, quanto maior a pressão admitida pelo motor, maior o esforço que ele terá de suportar, ou seja é sempre preferencial escolher entre dois carros turbinados que atingem a mesma potência o que precisar de menos pressão pra isso.

  • MENDES BH

    Bob parabéns pelo vídeo! Fiz o test drive, gostei bastante do carro e da sua proposta, acho hoje o melhor carro urbano ou até mesmo para viagens, desde que os ocupantes não sejam muitos altos. Mas notei abaixo de 2000 rpm, quando por exemplo ao passar por um quebra-molas devagar em segunda marcha, ele não responde muito bem, mesmo pressionando o acelerador a fundo, só depois de 2000, 2200 ele dispara. Você notou isso?

    • MENDES BH
      Não é questão de rotação, mas de a turbina girar e acionar o compressor. Lembre-se, o torque máximo é a 1.500 rpm. A 1.000 rpm já produz um torque considerável. Em todos os que dirigi a resposta era imediata. Agora, isso depende muito da expectativa de cada um, do que é responder bem. Em minha opinião o salto para frente é imediato.

      • MENDES BH

        Obrigado pela resposta.

  • lightness RS
    Nunca me ocorreu, mas trocar a cada três meses seria irreal. Seis já deve ser por conta de condições severas. Mas vou perguntar à VW.

  • Douglas Pacheco
    O motor não está nem aí para o compressor do ar-condicionado.

  • João Carlos

    Se for “na roda”, precisa fazer o desconto.

    • Angelito

      É no motor. Senão, não poderiam comparar com os dados de fábrica

  • marcus lahoz

    Realmente a VW acertou a mão, tanto no motor quanto no carro. Que venham os da concorrência!!!

  • Luiz
    Supondo o Gol G1 em perfeito estado, conforme saiu de fábrica, na íntegra, creio que este, mas por margem bem pequena. É só um chute.

  • Marcus Dias

    Parabéns pelo texto! Como autoentusiasta – que também sou – fiquei pensando em uma frase que o Bob escreveu que é um carro que “da pena estacionar na garagem…” fiquei lembrando do meu ex-Golf e que me dava a mesma sensação, carro realmente para quem é autoentusiasta.
    Vou procurar um para test drive.

  • Fabio Toledo
    Parecido, mas o Fiat leva.

  • Cafe Racer

    Bob,
    Seu entusiasmo no vídeo, só reforça a impressão que tenho sobre esse carro: O up! TSI é de longe o carro mais divertido e gostoso de se dirigir produzido no Brasil. Garanto que mais divertido que muito esportivo por ai…
    Com esse motor a VW tem na mão um super trunfo, capaz de melhorar significantemente outros produtos de sua linha.
    Gol/Voyage/Fox vão fazer a festa quando forem equipados com essa pequena maravilha…

  • Leonardo Mendes
    Não notei nada errado.

  • Fat Jack

    Gostaria muito ler uma análise comparativa do Bob das principais reações do up! TSI com o finado Gol Turbo.
    Quanto a diferença de valores, acho que a VW acertou em trazer esta ótima opção numa faixa de preço acessível, ressaltando o que o carro oferece.

  • Fabriciano Madeira
    Posso imaginar seu dissabor. Muito chato isso.

  • Danilo Grespan

    O up!, de longe, não é meu tipo de carro preferido… mas cada dia que passa tenho tido vontade de fazer um test drive, ainda mais depois desse bem comentado turbo! Ter torque em baixa é algo sensacional

  • Lorenzo Frigerio

    “Ele tem menos esforço para vencer a resistência de subida do pistão”. Depois que as válvulas fecharam, o esforço é o mesmo, se não houver carga. Sob carga, quando as válvulas se abrem para admitir mistura, a entrada da mistura comprimida ajudará a pressionar o pistão para baixo. O turbo é um dispositivo sob demanda. Se estiver sob carga, aspirará mais mistura, portanto a compressão dinâmica será maior, e o esforço, idem.
    O carro é mais econômico que um aspirado de maior cilindrada porque este tem maior atrito, portanto perdas residuais, e também mais perdas por bombeamento. A consequência óbvia, um motorzinho desses tem menos freio-motor.

  • Lucas Sant’Ana

    Será que nesse caso o lubricheck é confiável?
    http://www.lubricheck.com/

  • Daniel Pessoa

    Nunca tive carro 1,0, Mr. Car. E parece que esse up! será o primeiro, pois mexe tanto na emoção quanto na razão. E também é o primeiro 1,0 que desejo de verdade.

  • Davi Reis

    Desanima mesmo, há algum tempo estava na concessionária para fazer um reparo no meu carro e chegou um Fox BlueMotion pra primeira revisão dele, se não me engano. E o proprietário só tinha rodado 2.000 km! Para quem roda pouco, é prejuízo, pra quem roda muito, é economia, já que aí sim o custo de manutenção acaba sendo inferior aos concorrentes.

    • L.

      Economia para quem roda muito? Estás brincando! Com essas trocas de óleo a cada 5.000 km quem roda muito vai ter de encostar o carro a cada 2 meses ou até menos…

      • Davi Reis

        Rodar muito é diferente de uso severo.

        • L.

          Claro, mas intervalo de revisões menor nunca vai ser mais economico, não importa o quanto rodar. E, obviamente, quem roda mais paga mais, sempre…

          • Davi Reis

            Para mim, é. 4 revisões do meu Fox saem por 1.500 reais, enquanto os concorrentes ficam na faixa entre 1.600 e 2.000 reais. E 10.000 km eu rodo na casa dos 5 meses, então…

  • jose victor resende

    Ótimo vídeo Bob e PK.O carro parece ser bem equilibrado( e divertido). Vejo com bons olhos o conceito 4+E , ajuda na estrada e na cidade.

    Bob, segundo o teste do INMETRO, a versão Cross TSI tem um consumo superior quando comparado às demais versões TSI. O índice de consumo energético ficou em 1,50 ( contra 1,44 das demais versões TSI) e o consumo( na gasolina) ficou ligeiramente maior na cidade 13,7 ( contra 13,8 das demais) e na estrada o Cross obteve um consumo consideravelmente maior 14,7 ( 16.1 das demais versões).

    Achei o Cross um bom custo- benefício, por adicionar um pouco mais de estabilidade devido a roda de 15 polegadas, além dos demais detalhes e adicionais. Só que esta diferença de consumo me desanimou um pouco. Não acredito que somente o rack de teto esteja criando toda essa diferença. O que você acha?

    Abraços.

    • agent008

      José, não tenho certeza, mas se o Cross tiver altura de rodagem mais elevada está explicado, pois causa maior arrasto aerodinâmico e isto influencia o consumo. Abraço

      • jose victor resende

        Aparentemente, não há diferença nem nos pneus nem na altura de rodagem (quando comparados com o speed ou com o high), o que descartaria estas possibilidades. O que eu acho estranho é que a diferença do Cross TSI para os demais TSIs é muito maior que o Cross MPI para os demais MPI. Olha só:
        ( ce= consumo energético, Con E= consumo estrada e Con C= consumo na cidade)

        Cross TSI: CE: 1,50 Con E: 14,7 Con C: 13,7
        High TSI: CE: 1,44 Con e: 16,1 Con C: 13,8

        Ou seja, 0,6 maior de consumo energético e 1,4 maior de consumo na estrada e 0,1 na cidade.

        Agora olha o Cross MPI:

        Cross MPI: CE: 1,56 Con E: 14,3 Con C: 13,4
        High MPI: CE 1,54 Con E: 14,6 Con C 13, 5

        Ou seja, 02 maior de consumo energético, 0,3 maior de consumo na estrada e 0,1 na cidade.
        Muito mais razoável, pelo arrasto dele ser maior que a do HIGH.

        É como se a VW tivesse piorado o Cross. A diferença no pára-choque não explica, pois todas versões TSI tiveram tal modificação. A roda maior e os pneus, também não justificariam, pois (aparentemente) é o mesmo do high. Também a altura aparentemente não foi modificada.

        Acho muito estranho a VW ter modificado o Cross, e ainda por cima piorado ele em eficiência energética.

        Curioso também é que aparentemente o Cross polui menos que os demais. Enfim, tudo muito estranho.

        Sinceramente, perguntei ao Bob, pois ele talvez consiga estas informações com a VW, pois não consigo entender estes resultados.

      • Ilbirs

        O cross up! tem os mesmos 16 cm de altura do up! convencional. Esse é um dos pontos que estranho até hoje no carrinho, uma vez que seus balanços dianteiro e traseiro são curtos, o que por si só já gera maior ângulo de ataque e de saída para uma determinada altura livre do solo.
        O up! muito bem poderia ter 14 cm de altura livre e ainda assim continuaria tendo imunidade praticamente parlamentar a valetas e lombadas justamente devido a essa característica de ter pouca lata nas extremidades. Aí os 16 cm ficariam adequados para o cross up!, significando aí real ganho de habilidade.

        Sempre faço a comparação com o Lancer nacional, que começou a vida distando 15,5 cm do solo, mas devido àquele balanço dianteiro enorme, passou a ficar erguido 17 cm justamente para evitar a batida da base do para-choque no asfalto. O up!, como podemos ver, só é 0,5 cm mais elevado do solo que um Lancer do jeito que começou a vida, mas com a tal vantagem dos balanços curtinhos. Poderia ser mais baixo que mesmo assim não bateria.

    • Lucas Peixoto

      Pneu de seção mais larga, e provavelmente de uso misto

  • Lucas Peixoto

    Bob, será que um conjunto de pneus 195/55R15 mataria o consumo? Penso ser a melhor medida para passar a potência ao chão e dar melhor estabilidade…

    • Lucas Peixoto
      Não lhe falta borracha nem estabilidade. É claro que seção mais larga traz ganhos, não vejo necessidade.

      • Lucas Peixoto

        Insisto. Explico: tenho o MPI move, pneus 175/70 verdes. Muito verdes por sinal, bem durinhos, cantam a qualquer esterço mais agudo. E para freadas moderadas, voltam a cantar. Lado bom, 40 mil rodados, pois uso 80% regime rodoviário, diria que rodam ainda mais 50 mil. Talvez os pneus 185/60 do speed up! sejam bem diferentes. Obrigado pela resposta. Abraços cordiais

        • Sempre tive um certo receio desses pneus verdes.

          Vou pesquisar mais sobre isso.

        • Fat Jack

          É incrível a (má) sensação que um pneu com essas características traz, não adianta durar uma eternidade de não ter aderência nenhuma, uma vez adquiri um varro com os pneus em ótimo estado, mas eram exatamente da forma que você descreveu, faziam o carro parecer um lixo, não tive dúvidas, fiz um “bem bolado” na loja de pneus e coloquei 4 novos e decentes pneus…

      • Christian Sant Ana Santos

        Bob, aproveitando o assunto pneus, na sexta-feira fui fazer o test drive de quarteirão, que acabou ficando para essa semana, mas como tenho mania, observando os pneus dos Up! no show room, achei bizarro o MoveUp! TSI, rodas de aço 14″, pneus temperatura B, tração B, velocidade 190. Um takeUp! básico, rodas 13″, pneus temperatura A, tração A, velocidade 210. Dúvidas: Qual a margem de segurança para essa velocidade, acredito eu, que considerada nas condições críticas de solicitação,carga, etc., visto que é bem fácil se empolgar e com a ajuda dos santos (declive) se ultrapassar o limite. Além disso, TSI em altitudes com ar rarefeito, velocidade final ainda maior, não é?
        Se eu pagar os 1.000,00 a mais pelo kit rodas de liga, sensor de ré e neblina, vem com pneus melhores?

        Outro ponto que me decepcionou, o fato de folders para os vendedores, comparando o TSI com carros de outros fabricantes, com dados errados ou mal intencionados, por exemplo, dados de desempenho do HB 20 AT, sem mencionar que é o AT, velocidade máx. do Uno 1.4 Evo 163 Km/h, como se o TSI precisasse disso.

        • Davi Reis

          Continuam com os (péssimos, ao meu ver), GPS Duraplus. A partir do High, já vêm com pneus Hankook, que julgo serem bem melhores. Se você tiver alguma objeção em relação a esse pneu ou for mais sensível em relação ao assunto, indico pensar na troca dos pneus, novos mesmo. Meu Fox Highline tem os Pirelli P7 e tenho vontade de escrever uma carta à VW lamentando o uso de um pneu tão ruim como esse. Já estou estudando a troca desse jogo, assim que as contas permitirem.

  • RoadV8Runner

    Média de 20,5 km/l, aqui nesta terrinha tupiniquim e sua gasolina alcoolizada, é para lá de impressionante! Mais de 14 km/l em trânsito urbano então… E realmente o nível de ruído do motor é baixo, pois no limite de giro, ouve-se pouco do motor pelo vídeo.
    Com essa política de preços aplicada ao up! TSI, a VW tem de tudo para nadar de braçada sobre a concorrência. A Dona Ford que me desculpe, mas entre os carros compactos, o novo up! TSI ocupa o lugar antes destinado ao Ka hatch. Que tal lançar o modelo 1-litro turbo também? Esse motor já está na prateleira européia, é só trazer para cá.

    • Lemming®

      Realmente se ouve muito pouco ou nada o motor em tocada normal e quando se acelera de verdade o bichinho entusiasma.

  • Luiz AG

    Não leva a sério esses dinamômetros de rolo não… Um teste em dinamômetro segue normas da ABNT, como temperatura, pressão e umidade controlada. E geralmente esses de rolo não são aferidos e é feito um cálculo para descontar a perda pelo transeixo e atrito no motor. Nunca um dado real na roda seria maior que no eixo do virabrequim.

    • Somos 2, Luiz.

    • Car Science

      Concordo Luiz, porém também acompanho vários testes realizados por esta revista. E sinceramente não me lembro de nenhum teste ter dado tanta diferença como no do up!. Acredito que isso tenha levantado a curiosidade do pessoal.

    • Fat Jack

      De fato, mas eu acredito que tenha sido acrescido um valor de conversão dos valores “na roda” para “no motor”, sendo os valores mencionados os no motor. E de fato eu não tenho dificuldade em crer que este motor atinja algo na casa dos 130 cv (mecanicamente falando, pois ainda não guiei um), pois com 1,2 kg de pressão não seria nada absurdo um acréscimo de 62,5% de potência se comparado ao aspirado (ainda mais levando-se em consideração todas as melhorias implementadas na versão turbo).

  • André Castan

    Se não fosse esse interior todo colorido e cansativo, seria quase perfeito. Infelizmente esse painel mata o carro na minha opinião. Ainda mais em cores fortes como o vermelho.

    Parabéns pela ótima avaliação e pelo vídeo.

    • Leonardo Mendes

      Esses dias apareceu um dono de cross up! branco num outro fórum que participo que adesivou o painel em padrão fibra de carbono… a mudança foi da água para o vinho.

      • Thiagusss

        É uma boa opção para quem não gosta da cor no painel. Mesmo não sendo “original”, se bem feito, acho válido.

    • Thiagusss

      se eu não estiver enganado só as versões mais caras tem os painéis coloridos…RED, BLACK, WHITE
      as versões mais baratas tem os painéis preto e cinza…

      • André Castan

        Pesquisei e você está correto Thiagusss. O painel não é da cor do carro. Bem mais sóbrio e muito melhor na minha opinião. Agora sim fica aceitável, mesmo as portas tendo péssimo acabamento e exibindo a lata.

    • CCN-1410

      Eu penso que no caso de cores fortes e vibrantes como o vermelho, por exemplo, o painel e outras partes da lataria deveriam ser pintadas com uma cor mais sóbria. Talvez o branco.
      Eu lembro de um Fusca vermelho que tive e o fato de olhar essa cor forte no painel e laterais todos os dias se tornou enjoativo.

      • André Castan

        Exatamente CCN. Em uma viagem um pouco mais longa ou diariamente vendo isso, se torna cansativo e enjoativo demais.

    • Roberto Mazza

      Acredito que é fácil encomendar as duas peças do painel ou na cor cinza escuro ou cinza claro disponíveis para as versões mais básicas. Eu prefiro o painel cinza escuro, plástico fosco, que acredito que é da versão aspirada mais básica. Trocaria facilmente.

  • Daniel S. de Araujo

    Nunca tive um carro de ciclo Otto turbo, apenas ciclo Diesel e falo: turbo deixa a gente mal acostumado. Logo logo esse motor aposentará o famigerado EA111 VHT, que sairá sem deixar saudades…

    • Domingos

      O EA111 original era mesmo um motor muito sem graça. O comparavam a um motor elétrico e parecia mesmo…

  • Carlos

    Fiz o teste drive hoje em um move up TSI, o carro realmente é um divisor de águas, ficou perfeito, o carro parece que tem um foguete nas costas, sem dúvidas será meu carro zero, já estou decidido, vai ser esse mesmo.

  • Carlos

    As marchas ficaram mais longas mesmo, quais seriam as passagens de marcha corretas? 1ª, 2ª, 3ª, 4ª e 5ª? Tem como colocar por aqui? Notei que só andei de 3ª dentro de minha cidade, velocidade máxima 60 km, devido a radares.

    • Carlos

      Bob Sharp, tem como você me falar quais as passagens corretas de marcha desse up TSI? Valeu

  • Lucas

    Sou fã desse carrinho, desde o lançamento em 2011 na Europa. Em 2013 conheci de perto o Citigo, versão Skoda e já me surpreendeu muito pela qualidade de construção, soleiras largas, portas fechando como as de um Passat por 1/6 do preço. Em tudo, parece que quem o projetou sabe muito bem o que faz, um belo pacote em um carro de preço de etiqueta pequeno. Comparado aos concorrentes da classe, o up! tem muito mais rigor técnico, em tudo. A qualidade do som original, por ex., é incompreensível para um carro de entrada, de tão boa. Vide teste do pessoal da Leandrini nos carros de Longa Duração da Quatro Rodas. Um item que sou fã: o velocímetro digital mostra uma velocidade diferente da velocidade no mostrador analógico – sempre a velocidade real! Além disso, traz aviso programável de velocidade excedida. E com a decisão “técnica” de 50 km/h de máxima em quase toda São Paulo, ver que o carrinho até deixa de avisar ao passar de 50km/h no velocímetro analógico, mas não no digital (real), é de agradar a quem gosta dessa preocupação do construtor em fazer um bom produto, além do “exigido para a classe”.
    Essa versão TSI só me trouxe um problema: comprei o aspirado há menos de 2 meses.. E como o Bob Sharp disse, a 3 mil reais, este motor está dado de presente.

    Como dica para a VW, usar e abusar da linha de marketing adotada em Portugal, por ex: Davi contra Golias! Um carro pequeno, fácil de dirigir, que conserva os bons valores da marca mas a um preço acessível. E não dormir em berço esplêndido: se a Ford já tem desde o lançamento do Ka ESP como opcional, por que não no up!? E airbags de cortina, laterais e de joelho? Para vencer a antipatia dos consumidores de carro por m², tem de jogar pesado, ser formadora – e não tomadora – de mercado. Um acabamento de painel com a parte inferior na cor “dublin” para a versão Cross também seria muito bem-vindo. Um “Q3 do povo.”

  • Eduardo Pinetti
    Você não estaria se referindo ao ruído dos compressores de deslocamento (blower), como o Eaton do Fiesta e do EcoSport 1,0 Supercharger? Turbocompressores não têm nenhum tipo de engrenamento.

    • Roger Pellegrini

      Bob, eu acho que ele se referiu ao ruído da turbina durante a subida de giro. No meu Passat TSI, consigo ouvi-lo muito sutilmente, e só com os vidros abaixados.

      E aproveitando, ótimo vídeo “no uso”, vou fazer um test drive e quem sabe, pegar um para usar diariamente.

      Abs,
      Roger

      • Eduardo Pinetti

        Exato Roger, é esse sibilo que falo.

    • Eduardo Pinetti

      Bob, como disse o Roger Pellegrini abaixo, é aquele sibilo ou sopro típico da turbina quando sobe o giro do motor, é quase um assovio agudo bem leve.

  • Angelo_Jr
    O up!, mesmo o aspirado, não tem nada de essencialmente urbano (tal qual seus concorrentes), pois é muito bom em viagem. Com o ventilador elétrico é indiferente ar dinâmico frontal ou o forçado por esse ventilador. Esse conceito de “uso severo” associado a trânsito pesado é coisa do passado, mero atavismo. Além do quê acabou a formação de mistura imprecisa do carburador, problemas de nível da cuba, gotejamento etc.

    • André Andrews

      Poxa Bob, muito legal essas suas colocações. Gostaria até de sugerir uma continuidade da série Mitos, aglomerando este e mais alguns.

      • Davi Reis

        Também acho que seria muito interessante uma continuação dos artigos sobre mitos. Bob, existe essa possibilidade?

    • Diplo86

      Concordo Bob. O up! é excelente na estrada! Aqui em casa tenho um Grand Siena 1,6 16V, mas desde que minha esposa comprou o take up! temos escolhido espremer a bagagem e viajar no up! por dois motivos: o up! é mais econômico e principalmente por que gosto MUITO de dirigi-lo. Não que o Grand Siena seja ruim, muito pelo contrário. O motor da Fiat é excelente, mas por incrível que pareça (sei que tem gente que não acredita), acho muito mais confortável rodar a 120km/h no up! que no Grand Siena.

  • Angelo_Jr
    Esta revista faz medições na roda.

    • Angelito

      BS, desculpa não ter colocado antes, mas este vídeo aqui explica o procedimento. Eles medem na roda mas o programa já faz a correção para a potência no motor.

      • Roberto

        Mas afinal, o procedimento de medição adotado no teste desta revista (levando em conta as normas e o cálculo de compensação) está correto ou não? Não é incomum divulgarem resultados de potência tão diferentes (para mais ou para menos) daqueles informados pelos fabricantes.

  • cepereira2006

    Você achou a embreagem pesada?

    • Mateus

      Não é, é bem macia. Em comparação ao aspirado, é pouca coisa mais pesada. Em comparação a outros carros, como Fiat e GM, é muito macia.

    • Lemming®

      Esperava que fosse mais leve na verdade.
      Comparando com o meu (Jimny) o peso é o mesmo.

  • Fabricio d

    Consumo excelente na gasolina, no álcool me decepcionei um pouco.

  • Ilbirs

    O teste acabou me confirmando aquela história de um tipo de pilotagem parecido ao que teríamos em um Galaxie ou um Opala de três marchas (deixe na última e esqueça o mundo, pois dá para controlar a coisa no acelerador), apenas aqui havendo duas marchas a mais. Também fiquei com a boa impressão de que vai ser bem silencioso, com o abafamento natural de ronco gerado por um turbo sendo bem decisivo na coisa toda.
    Por ora, reiterarei que é um carro de conjunto bom, mas que com alguns ajustes, como os que compilo aqui ficaria imbatível no custo-benefício e nos argumentos de venda. Paulo Keller, conforme você pode ver, já existe no mercado de acessórios kit de vidro elétrico traseiro para o up!, o que significa que o pessoal do mercado teve de juntar peças de prateleira e, nessa, acharam em alguma delas um motor de vidro elétrico que dá certinho na porta traseira do up!, contrariando aqui o que a VW falava a respeito e ficando a coisa ainda mais feia para a marca. A meu ver é bolada nas costas equivalente àquela que tomaram em 1981, quando um mecânico de concessionária viu que dava para montar o estepe do Gol na frente mesmo quando o motor refrigerado a ar tinha dois carburadores.
    Ainda dentro da observação da falta que faz um duplo DIN nesse espaço central do painel e como isso poderia ser obtido deslocando-se os controles de ventilação para baixo (ainda mais se considerarmos que eles são menos usados que o som), deixo a imagem desta moldura DIN simples que existe no mercado para que se use no carrinho um rádio comum:

    http://mlb-s2-p.mlstatic.com/frente-moldura-painel-volkswagen-up-aparelhos-1-din-16476-MLB20121576184_072014-F.jpg

    Como se pode ver, há altura certinha naquele módulo central do painel para um duplo DIN, bem como os dois triângulos retângulos das laterais poderiam sossegadamente ter duas saídas centrais móveis para complementar o fluxo de ventilação daquela central que joga ar para cima, permitindo aí que, por exemplo, facilite bastante secar uma mão direita que esteja suada ou mesmo direcionar melhor parte do fluxo de ar. Novamente pedirei para que lembrem do Grand Siena, que tem uma saída superior que jogar ar para cima como temos no up! e duas saídas móveis centrais direcionáveis:

    http://blog.tnh1.ne10.uol.com.br/pajucaraauto/files/2013/06/essence_dualogic_0231.jpg

    Com duas saídas móveis e duplo DIN complementando a tal saída fixa que joga ar para cima ficaria um visual interno parecido com o do Fusca e teríamos um espaço adequado para aquela central com Android Auto, CarPlay e MirrorLink estreada no Fox, uma vez que esta segue o formato padrão de aparelhos OEM da VW:

    http://3.bp.blogspot.com/-_tVYH5EdFrk/VIWcCvSl2vI/AAAAAAAB8pw/QU2I3bzYQpU/s1600/VW%2BFusca%2B2015%2B%281%29.jpg

    Além disso, considerando-se o mercado de acessórios e o quanto que isso ajuda no sucesso ou fracasso de um carro, um módulo central com duplo DIN acabaria gerando mais argumentos de venda a quem quisesse dotar o modelo de alguma central multimídia vendida como acessório (como aquelas que têm Waze, com certeza muito mais usado que o Maps & More, até por ter mais recursos).
    Sobre valores, agora que sabemos que o Sandero RS partirá de R$ 58.990 e seu único opcional serão as rodas de aro 17, deu para ver que foi adequada a postura da VW de cobrar apenas R$ 3.100 a mais pelo motor 1.0 TSI e tê-lo tornado opcional livre. A caixinha de fósforo não foi empurrada ao suicídio, mas sim a uma possibilidade de vida bem viva, e pode ser que nessa o 1.0 MPI acabe tendo uma ligeira queda de preço para reforçar o aspecto de entrada do modelo, que acabaria ficando bem matador e acabaria abrindo um espaço bom em relação ao turbinado, uma vez que este por ora praticamente acabou com os argumentos de venda da versão aspirada. Talvez o turbo acabe sendo recurso decisivo para o brasileiro aprender a gostar de subcompactos, principalmente se estes tiverem um conjunto de atributos bom, mas ainda mais lapidável, como mostra aquilo que sugeri e seguirei sugerindo. Se alguém da VW estiver lendo esta postagem, já têm uma série de dicas para o que fazer no resto do ciclo de vida do produto, que creio ser longo e que por ora está em situação parecida à do primeiro Gol: produto que virou sucesso depois de ter sido lapidado adequadamente.

    • Fabriciano Madeira

      Amigo, na primeira matéria do Ae sobre o carro eu vi sua lista de possíveis alterações no carro e, como proprietário de um, posso dizer que você acertou em cheio em todos os pontos. O carro é muito bom (tenho o aspirado), mas há detalhes, que com o uso contínuo, fazem bastante falta. Todos os dias minha esposa reclama da falta de regulagem do cinto do passageiro; ainda me perco à noite procurando os botões dos vidros laterais, que não tem iluminação; faz falta também o tilt down do retrovisor direito ao engatar a ré, disponível há tempo no finado Polo, entre outros.

      • Ilbirs

        Pelo que já vi, a regulagem de altura do cinto do up! é na base do parafuso que você tira e põe o passador do cinto no lugar, tal qual um BX da vida, ainda que naqueles você não precisasse tirar um arremate plástico cujo desenho dá a sugestão de que haveria a regulagem com que todo mundo se acostumou desde a reestilização da linha Uno original (pressionar o passador e ele deslizar sobre um trilho). Logo, acrescentaram complicação onde jamais precisaria (vai saber se o engenheiro de segurança da VW alemão chama-se Joachin Manuel e tem esses dois nomes muito antes de Joachin Löw e Manuel Neuer terem conduzido a Alemanha ao título da última Copa) e onde é ridiculamente simples fazer a coisa direito e cheguei a especular que de repente algum Professor Pardal qualquer acha um trilho que se encaixe direitinho nos dois pontos fixos disponíveis para a regulagem tabajara de hoje em dia. Acabaria ficando uma regulagem digna de carro chique, em que o passador fica embutido atrás de um forro e basta pressionar o forro para que se ajuste a altura.
        Não cheguei a atentar sobre a questão dos vidros elétricos, até porque estou acostumado a mexer neles às cegas, mas creio que uma iluminação dessas, que pelo que me lembro é um daqueles LEDs pequenos bem simples, não acrescentaria tanto assim ao preço. Quem sabe possam fazer isso em conjunto com vidros elétricos traseiros de série.

        Sobre o tilt down, pelo que também sei, seria algo ridiculamente simples de dotar o carro, a ponto de existir no mercado paralelo algo que faz isso:

        http://www.flexitron.com.br/upload/produto/FEP03.jpg

        Sendo o up! da VW e sabendo que existe tilt down em outros modelos (linha Gol, Fox e Polo IV), pode ser que alguma peça desses carros sirva no catatau e acabe por dotá-lo de tal funcionalidade. Também arriscaria ver se essa funcionalidade está oculta e seria acionável com um simples procedimento como o do Voyage (e linha Gol em geral):

        Por que digo isso? Pelo fato de os carros de hoje terem funcionalidades que estão ocultas e que aparecem com simples detalhes, como o caso dos vidros do Ka Mk2, que sobem sozinhos se você mantiver o controle remoto pressionado por mais tempo, significando aí que você deixou de dar grana para a Pósitron e manteve a originalidade da viatura, apenas fazendo algo parecido com aquelas sequências que se faz em joystick ou em teclado para se fazer alguma manha em jogo eletrônico.

  • Junior

    Fiz um teste no up! TSI com álcool e apesar do motor estar frio não percebi nenhuma vibração que é característica do aspirado.
    O motor responde 100% quando passa por um quebra-mola de 2ª e apesar de ser bem longa a quinta, aqui em Brasília da para usar bastante para a economia.
    Quando tive um G5 1.0 troquei o diferencial pelo do 1.6 e consegui baixar a rotação em 800 rpm e mesmo não tendo toda a potência e torque do TSI, ficou muito bom de dirigibilidade pois o motor passa a sensação de estar sendo forçado.
    Uma coisa que não gostei no up! TSI foi na frenagem pois a traseira fica muito solta com tendência de escapar em uma situação de emergência.
    Bob, você teve a mesma impressão?

  • Ilbirs

    Antes da Podium, as premium Shell V-Power Racing e Ipiranga Original Premium de 98 octanas RON, de preço inferior à Podium de 102 RON. Nenhum carro no mundo hoje requer mais que 98 RON.

    • agent008

      Bob, agora você tocou num ponto positivo de São Paulo (e outras capitais e mesmo grandes cidades): a disponibilidade de combustível Premium Shell e Ipiranga. Aqui onde vivo só tem Podium, e apenas em um posto. Isso sim é monopólio…

  • Luiz AG

    Desculpa, é descida não subida, quando a válvula está aberta, confundi. Esse é um dos fatores Lorenzo. Os outros você citou acima.
    Só lembrando que dois motores iguais, um turbinado e outro aspirado, o turbo é mais econômico e mais potente.
    Se estiver com a borboleta totalmente aberta, em baixa rotação, não aspirará mais mistura, pois a velocidade do ar diminui, dificultando o enchimento, segundo o principio de venturi. Por isso carros tem comando de admissão variável, sendo o mais restritivo para baixas rotações.

  • Fabio Toledo

    Acontece em carro turbo, na época que uns aventureiros compravam o kit e acertavam o carro na garagem, com a mistura rica o óleo em pouco tempo parecia café com leite de tanto álcool. Agora num carro com este nível de precisão, engenharia, desenvolvimento etc? Jamais! A injeção direta trabalha com 250 bar! Mamãe!

  • Matheus S. Bueno

    Acredito muito que este carro irá dar uma mexida boa com o mercado, marcas e seus carros de entrada. É um presente mesmo da VW, sabias palavras.
    Estou instigado em trocar meu 307 – algumas pessoas poderiam dizer “pasmem!” – pensando em economia, em urbanidade e em prazer de dirigir, sobretudo. Tenho a nítida sensação que é um perfeito carro urbano, que combina com as metrópoles e, de brinde, é sensacional veículo de estrada para famílias pequenas, como a minha, esposa e 1 filho.
    Admirando esse carro, namorando-o, por assim dizer.
    A 49mil dilmas, apesar de caro, creio que valha olhando friamente o mercado brasileiro.

    • Elias Bastos

      Não estou pasmo. Estou pensando em trocar o Duster por um up! TSI pelos mesmos motivos! Aqui somos apenas minha esposa e eu. Só não gosto muito do preço, mas qualquer carro novo está muito caro. Acredito que o up! seja uma das melhores compras mesmo a 50 mil.

    • Rodolfo Andrade

      Seja feliz. Eu troquei o meu Focus 10/11 e pego o move up! TSI amanhã.
      Não dá para ser feliz andando 40km por dia de carro “grande” no trânsito infernal de SP.

  • MrBacon

    Bob, comprei recentemente um Golf Variant, estou realmente impressionado com o mundo dos motores turbinados com injeção direta, acho difícil voltar para um aspirado.
    Uma dúvida sobre o único aspecto que não tem sido agradável: ao ligar meu carro pela manhã e encarar a subida da saída da garagem (que fica no subsolo), percebo um comportamento meio binário, falta força ou sobra se eu apertar um pouquinho mais o acelerador. Você já notou isso no up! ou no Golf/A3 com 1,4 TSI? Pode ser ainda falta de hábito da minha parte, vim de um 2,0 aspirado com CVT.

    • Domingos

      Muitos automáticos apresentam esse comportamento durante o aquecimento. Não sei o que é, alguns insistem em passar a segunda marcha – nesse caso fica explicado.

      Tente segurar em primeira e veja se muda.

      • MrBacon

        Olá Domingos, este comportamento eu via num Bravo Dualogic que tive por um tempo. No Golf não, ele não troca a marcha antes do tempo, na verdade aparentemente mantém a marcha um pouco além do que eu manteria durante o aquecimento — a conferir, estou há pouco mais de 1 mês com o carro.

        • Domingos

          Bom, nesse caso deve ser efeito da fase de aquecimento esse comportamento meio ruim.

          É comum de muitos carros. Às vezes se você esperar mais uns 10 segundos antes de subir a ladeira já resolve.

    • Cadu

      Imagino que seu Variant seja DSG (acho que nem tem manual como opção)
      Se for, uma dica: eu costumo usar o meu no modo manual quando vou manobrar em rampas de garagem e selecionar a primeira marcha
      Isso evita que o câmbio alterne para a 2ª e queime embreagem ou fique em dúvida na marcha correta

    • Drone gibim

      Tenho um automático também e este problema fica amenizado com um pequeno aquecimento do motor na primeira partida.

  • Francisco Passarini Junior

    Nossa, que vontade de vender meu white up! e abraçar um TSI, só uma coisa está me incomodando, o valor do seguro, até o momento as seguradoras não tem tabelas do preço do seguro do up! TSI, e como sabemos da sem-vergonhice Brasil, creio que o seguro será impraticável, vamos aguardar

    • Derek

      Seguro está bom, talvez por ser carro novo (é comum ser mais barato, para a seguradora “sentir”). Na Porto Seguro (careira) fiz para perfil de 30 anos e solteiro, ficou 1550,00. Na Mapfre vi alguém com perfil parecido cotando por 1.400,00

      No meu Uno Vivace na seguradora Azul, pra ter uma ideia, fica 1850,00.

  • Roberto Mazza

    PK! Vi no vídeo a queixa sobre falta de vidro elétrico traseiro, e eu sou um que implicava com isso pois também não gosto de passageiros que abrem o vidro atrás. Mas acho que com esse modelo eu não ligaria nesse ponto, e em último caso pensaria até em retirar a manivela das portas de trás (hehehe).

    Sentiria falta de um volante com botões para ajuste de volume e troca de músicas (uso muito isso) mas já vi no Facebook que algumas pessoas trocaram com certa facilidade o volante do up! pelo do Golf/Fox e ficou bem bonito por sinal.

    Esse é o primeiro carro que me faz pensar em um carro manual depois de ter experimentado e gostado do conforto dos automáticos.

  • CorsarioViajante

    Uma observação à equipe Ae: ao abrir um post um anúncio do Galaxy carrega automaticamente um vídeo com volume bem alto, por favor, se possível, revejam isso, pois incomoda muito. Nem precisa publicar.

  • Diplo86

    Estava ansioso por este post! Fico até com medo de estar criando uma expectativa exagerada. Não gosto de adesivos no carro, mas confesso que no up! da minha esposa fico com muita vontade de colocar um com a seguinte frase: “Não sou dentista mas amo esse motorzinho!”. Se eu comprar um TSI acho que não resisto! E se ainda possuísse o Opalão (o lindo Diplomata 86 do Avatar) colocaria o já manjado: “Quem gosta de motorzinho é dentista!”. Ia ser no mínimo engraçado!

  • Corsario
    Não vemos isso aqui. Por favor, tente localizar o post e nos mande o link.

    • CorsarioViajante

      Acho que já resolveu sozinho, parou! Obrigado, Bob!

  • Eduardo Pinetti
    Nunca escutei sibilo ou assovio em turbo nenhum, e olhe que tenho audição “de garoto”…

  • MrBacon
    Também tenho uma das garagens no subsolo e a rampa é bem forte. Nunca notei esse efeito que você descreve, inclusive era o teste que estava mais curioso no up! TSI, devido à primeira final bem longa (e arrancou na parte mais íngreme da rampa sem dificuldade). Pode ser mesmo hábito com seu carro anterior..

    • Fat Jack

      “…inclusive era o teste que estava mais curioso no up! TSI, devido à primeira final bem longa…”
      Confesso que tinha esta curiosidade também, mas desconfiava que ele poderia se sair bem devido ao bom torque disponível a baixas rotações, fico feliz em saber que ele se saiu bem.

    • MrBacon

      Obrigado, Bob. De fato, em 40 dias com o carro mal andei 600 km, ainda estou me adaptando à máquina.

  • Henrique Amaral

    Bob e especialistas… Tenho acompanhado as discussões sobre o up! e a única crítica que ouço de forma mais acentuada é em relação à suspensão. As reclamações são quanto ao fim de curso (toc toc) passando em desníveis ou tartarugas em baixa velocidade. Isto procede? É uma característica ou fragilidade neste veículo?

  • Carlos
    As velocidades por 1.000 rpm em cada marcha são: 1ª 8,1 km/h; 2ª 14,5; 3ª 23,8; e 4ª 32,9 km/h. As velocidades, por exemplo, para trocar a 2.000 rpm são: 1ª-2ª 16 km/h; 2ª-3ª 30; 3ª-4ª 48; e 4ª-5ª 66 km/h. Para achar outras velocidades em cada marcha em função da rotação do motor, multiplique as velocidades por 1.000 rpm acima pela rotação tirando 3 zeros.

    • Carlos

      Muito obrigado pela resposta Bob. Acho que vou ter que reaprender a passar marcha na vida mesmo! Rsrsrs… Esse carro é diferente dos 1,0 que já tive na vida.

  • La Verdad Dhoy

    Caramba! Pelo relato é a quintessência sobre rodas! Imagino o dia que o Bob for avaliar um carro de verdade.

  • Ilbirs

    Passei hoje na Sorana e vi o cross up! TSI. Por ora não há test drive e, pelo que disseram, ainda vai haver a parte do lançamento para o grande público, sendo esse o motivo de ainda não haver. Logo, o máximo que posso dizer é ser um up! com a tampa do porta-malas preta e, a partir do que já disseram Bob Sharp e Paulo Keller, ter a tal nítida impressão de um padrão de pilotagem à Galaxie ou Opala de três marchas, algo reforçado ao ver o quão plana é a tal curva de torque com valor máximo que se estende por um espaço de 3 mil rpm.

    PS: a Braz Leme já está com placas de velocidade máxima sendo 50 km/h e o limite vigora depois de amanhã. Já digo que essa velocidade feita para agradar quem tem vergonha de produzir testosterona já começou a deixar uma avenida normalmente calma bem ruim. Logo, reiterarei que o pessoal faça aquela combinação de aplicativos que sempre recomendo (Waze + Speed Alarm, com esse último programado com limites de tolerância abaixo dos 7 km/h do radar).

    • Domingos

      Ia passar justamente nessa concessionária, bom saber que ainda não está disponível o carro. Tentou a Marte logo antes dela?

      Bom, essa avenida já chegou a ser de 70 km/h e ocorrem pouquíssimos acidentes.

      Moro na região fazem mais de 18 anos e até hoje vi apenas 2 acidentes, sendo 1 só grave mas sem vítimas. Passo diariamente nessa avenida.

      Ouvi falar de um grande há alguns anos em que um carro entrou numa das concessionárias durante a madrugada – obviamente nenhum desses acidentes graves foi respeitando a velocidade máxima…

      Mas ali é moleza. Tem só 2 radares em cada sentido. Dá para andar na velocidade natural facilmente.

      • Ilbirs

        Tinha dado uma passada na Marte pouco tempo antes e ainda não estava por lá o modelo, o que me faz crer que ele esteja sendo entregue aos poucos para a rede e, se alguém está fazendo test drive, é por pura iniciativa individual do revendedor (como vi acontecer com o Peugeot 2008).
        Estranhei os tais 50 km/h até porque a Braz Leme está para a Zona Norte mais ou menos como a Sumaré está para a Oeste: aquela avenida bem planejada e pela qual não há um fluxo de trânsito tão grande (talvez no máximo à noite e se considerarmos os restaurantes e baladas das cercanias). E, como já disse, tenho andado na base do Waze ligado para avisar dos radares e Speed Alarm programado para um limite com tolerância 3 km/h abaixo daquela do radar, que me faz andar mais rápido que os muitos integrantes do Rivotril Driving Team.

        Em tempos, e essa para o @disqus_9PC1duAarc:disqus dar uma olhada atenta, há denúncia dos marronzinhos sobre metas de multa e guinchamentos, o que na prática pode estar se articulando com as tais velocidades irreais que estão assaltando a cidade. Já tem gente suspeitando que se fizerem uma operação Lava Turbo-hélice (só para dar uma noção de escala quando comparada a uma Lava Jato), pode ser que descubramos o real motivo de tudo isso que está acontecendo na cidade.

        • Domingos

          Sim, 60 km/h lá era completamente tranquilo e seguro. E a avenida possui uma das únicas ciclovias bem feitas da cidade já há mais de 1 década, além de ter semáforos para travessia de pedestres em TODOS os pontos necessários.

          Para mim é claro que está tendo corrupção nisso também. Primeiro porque vão trocar placas que acabaram de ser trocadas, depois porque APOSTO que ano que vem ele vai colocar tudo a 40 km/h.

          Não podemos esquecer que a operação Lava Jato já encontrou mais de 2 milhões da campanha de São Paulo, porém ainda nada desse cara cair.

          Quando ele colocar 40, a idéia vai ser ganhar pelo cansaço. Ninguém vai circular a essa velocidade e as multas irão aumentar e muito.

          Espero que as regiões mais tradicionalmente afiliadas ao PT ganhem proporcionalmente muito mais radares e pague esse pato.

          Espero também que estejam pagando bem caro na conta de luz.

  • La Verdad Dhoy
    Todo carro é de verdade…imbecil.

    • DIney

      “imbecil” foi boa, rsrs

    • La Verdad Dhoy

      (Censurado, aqui você não se manifesta mais, imbecil. Desista)

  • Henrique Amaral
    De modo algum procede. Nesse e em todos os carros que testei nos últimos dez anos pelo menos.

    • Eng Turbo

      Bob, esse caso procede no caso do Hyundai HB20 com 4 pessoas. A suspensão traseira apresenta fim de curso, e até mesmo as ondulações da pista são sentidas diretamente na COLUNA dos ocupantes. Senti isso literalmente na “espinha”, em uma viagem de 1.200 km

  • Fat Jack
    Eram bem parecidos. Tenho só os dados da Parati, mas podem ser considerados iguais. Era 7 km/h mais veloz, 191 km/h, mas acelerava menos, 0-100 km/h em 9,8 s. A perua pesava mais, 1.061 kg. Cilindrada igual, 999 cm³, diâmetro e curso 67,1 x 70,6 mm (quatro cilindros, lembre-se). Potência, 112 cv a 5.500 rpm, torque 15,8 m·kgf de 2.000 a 4.500 rpm, injeção no duto, taxa de compressão 8,5:1, pressão do turbo 1,4 bar, turbo Garrett com intercooler. Motor EA111 de duplo-comando por correia dentada, 16 válvulas, variador de fase na admissão. Câmbio bem mais curto, v/1000 da 5ª 30,2 km/h, 120 km/h a 3.975 rpm, rotação à velocidade máxima 6.300 rpm (um absurdo). Pneus de mesma seção transversal e perfil, porém rodas de 14″. Freios iguais, discos ventilados Ø 256 mm e tambores Ø 200 mm. Consumo 11,3 km/l cidade e 16,5 km/l, mas pela norma NBR 7024. Hoje, com as correções, seria 8,8 km/l e 11,7 km/l, respectivamente. Naquele ano a gasolina tinha 22% de álcool.(passaria a 25% em 2003).

    • Ilbirs

      Como havia comentado em outras ocasiões, iria esperar alguns abastecimentos para saber como meu carro, monocombustível a gasolina, iria se comportar com E27 no tanque em vez do E25, ainda mais que o tanto que rodo faz com que em média seja uma ida ao posto a cada dois meses, de tão pouca quilometragem que ponho.
      Surpresa para mim: ele está em média mais econômico que com E25, algo até agora para mim tão enigmático quanto descobrir como os incas fizeram para as pedras de Macchu Picchu ficarem perfeitamente em forma de paralelepípedo sem o uso de cinzel e assentadas sem argamassa deixando vãos tão pequenos pelos quais não passa uma folha de papel.

      No primeiro abastecimento com E27, ainda havia 14 l de E25 no reservatório de 50 l e havia rodado 307 km, totalizando 8,4 km/l de E25. Esse primeiro abastecimento foi em abril, o que significa que no tanque eu passei a ter E26, considerando-se a mistura que ficou.
      No segundo abastecimento, em maio, foram 40,7 l de E27 no reservatório, o que significa que na prática passei a rodar nesse segundo abastecimento já com a mistura nova. Dessa vez foram 7,3 km/l, ainda que suspeitando que tenha sido muito por àquela época ter pego muito congestionamento.

      Só fui voltar a abastecer em junho, após ter rodado 337 km com o tanque. Foram desta vez 35,1 l e a média foi de 9,6 km/l, ainda que suspeitando que dessa vez tenha se devido a umas vezes em que peguei pista livre e velocidade constante por períodos mais prolongados.
      Pois bem, eis que fui abastecer só neste dia 13 de agosto, após rodar 332 km. Desta vez foram 36,9 l e uma média de 9 km/l, ainda que desta vez pegando trânsito pesado e tendo de encarar muitos motoristas do Rivotril Driving Team que assolam nossa cidade com sua letargia. Peguei congestionamentos, vias com velocidades haddadianamente irreais e mais uma série de dores de cabeça das boas, mas acabei registrando uma média que me surpreende pelo fato de ter sido feita com E27. Até agora, o pior consumo após abastecimento com E27 (aquele primeiro que deu 7,3 km/l) está melhor que o pior consumo com E25 que registrei desde o ano passado (6,6 km/l, em setembro), uma vez que hoje em dia uso um aplicativo que permite calcular o consumo instantaneamente e manter uma série histórica. Dispenso dizer que estou achando a coisa estranha, mas é o que estou constatando aqui após consultar os abastecimentos anteriores.

      Tendo a ser motorista econômico e em todas essas ocasiões uso cut-off sempre que posso, antecipo reações dos rivotrilizados a meu redor e evito ao máximo frear bruscamente ou de maneira obsessiva-compulsiva, tento evitar ficar parado em semáforo e outras tantas estratégias que conhecemos bem e que no meu caso estão internalizadas em minha mente há mais de década. Logo, isso significa que tenho um padrão que vem se mantendo há muito tempo.
      Por ora, como havia dito em ocasiões anteriores, tenho a impressão de que estou precisando reduzir marcha mais vezes que o normal com qualquer coisa de E20 a E25 e também notei que essa mistura tem feito o marcador de gasolina ficar meio louco quando chega à marcação de 1/4 de tanque, fazendo por vezes acender a luz de reserva antes da marcação normal (que indicaria os sete últimos litros). Como pôde observar, em média tenho abastecido quando ainda estão 14 ou 15 l de combustível no tanque, tapeado pela tal luzinha de reserva que em condições normais acenderia com metade disso. Talvez o E27, por alguma questão de densidade e evaporação, possa estar enganando a boia e o nível em comparação às condições normais (com E25 estava acendendo a luz de reserva quando faltava os tais sete litros).

      Logo, por ora, está uma coisa muito estranha isso que ocorre comigo e vai saber o que tem ocorrido com outros aqui que tenham seus carros monocombustíveis a gasolina digerindo E27.

      • guest

        Obrigado pelos comentários, Ilbirs.
        Em face de alguns problemas mecânicos de meu Palio 1,0 mpi gasolina (inclusive passando por limpeza de TBI), ainda não posso afirmar, mas em trajetos exclusivamente urbanos, tenho a sensação de que o consumo aumentou uns 5%, sem perda de desempenho e com evidente aspereza maior do motor.

    • Fat Jack

      Obrigado Bob!!

  • Luke

    Excelente novidade para o mercado brasileiro! Melhor que isso só se a VW entregasse em todas as versões aquilo que sugerem seus nomes: suspensão mais baixa e firme na Speed up! e mais alta e robusta na Cross up!, por exemplo. Do jeito que estão, salvo engano meu, são só meros adereços estéticos de uma para outra.

  • CCN-1410

    O up! TSI tem tudo para ser meu próximo carro daqui uns dois anos, mas é claro que na parada tem o Ka 1,5-litro, o novo “mini” Fiat e o Etios, mas só se mudar o painel.
    Vidros traseiros com comando elétrico contarão pontos.

  • João Guilherme Tuhu

    Vai vender como pão quente. A VW finalmente acertou no preço, e no C x B.

  • agent008

    Eu não acredito na fiabilidade destes números de potência no virabrequim que as revistas / oficinas de preparação calculam. Certamente cada automóvel, cada caixa e diferencial ou transpiso, cada junta homocinética, cada conjunto de semi árvores, cada rolamento de cubo, cada conjunto pneu+roda, trará uma perda de potência diferente. Simplesmente não tem como fazerem um calculo simplista que seja válido é fiel para cada modelo testado. Entendo que isso iria requerer informações precisas dos fabricantes para poder ser calculado. Deveriam é divulgar números na roda, aí sim daria para crer. Não posso fazer qualquer acusação, mas tenho a impressão que este valor calculado acaba variando tanto para cima quanto para baixo de acordo com a necessidade de fazer alarde…

  • Fat Jack

    Penso seriamente em fazer algo semelhante com o meu Fiesta Street, pois sua relação de marchas é extremamente curta…

    • Junior

      Fat Jack, tive dificuldade em conseguir uma oficina que tivesse interesse em fazer a troca somente do diferencial pois queriam trocar todas as engrenagens do 1.6 e acredito que ficaria alongado demais para um motor tão fraco.
      Outros ofereciam trocar somente a 5ª mas ficaria um buraco muito grande entre a 4ª e ela.

  • Roberto Mazza

    Pronto, fiz o test-drive! Andei no Up TSi na VW do bairro Laranjeiras, Rio de Janeiro. Voltinha boa passando pela Soares Cabral, Viaduto, subida da Rua Alice até perto do túnel e retorno. Bastante asfalto irregular no trecho, inclusive parte com asfalto raspado para troca na Rua Alice. Fiquei surpreso positivamente como o up! absorve bem as irregularidades lunares. Era um move com aro 14 e opcional roda de liga leve. Não era aro 15. A direção é leve e gostosa. Esticadas mesmo em primeira ou segunda são agradáveis.

    Impressões? O carro é gostosinho mesmo, mas não é nenhum canhão, reduza um pouco sua expectativa por favor, para não se decepcionar. Acredito que pode impressionar mais quem nunca andou em um turbo. Quem já fez ao menos test-drive em algum Golf ou similar já sabe como é um carro com mais torque em baixa rotação.

    Obviamente que a equação desempenho x preço x porte compacto é agradável. Mas para quem, por exemplo, costuma ter somente um carro na residência, e para quem pode gastar acima de 50 mil, cogitando entre novos e usados, certamente outros carros turbinados são interessantes, vide DS3, Golf MT ou AT, ou o novo 2008, ou o 308THP que é AT. Boas dúvidas.

    Um teste interessante que fiz foi sentar-me no banco dianteiro e puxar o banco um pouco para frente, numa posição que não usaria normalmente, mas seria viável pra um trajeto não muito longo, sem estar totalmente colado no volante, apenas mais próximo do que costumo usar. Dessa forma me posicionei no banco atrás e vi que é sim possível que quatro pessoas adultas circulem ali dentro. Tenho 1,81 m de altura e 80 kg. Em um segundo momento voltei a experimentar o banco traseiro e percebi que o encosto dele é mais vertical que a maioria dos outros carros. Para pessoas de estatura menor isso deve incomodar menos, pois a pessoa com pernas mais curtas pode se sentar um pouquinho mais para frente e assim ficar em posição menos ereta e mais relaxada. O bônus do carro ser bastante compacto compensa, pelo menos para o meu gosto. Apertado é o Audi TT novo (risos). Obviamente que as percepções são sempre relativas, e as expectativas também variam e influenciam para mais ou para menos.

    Outro aspecto interessante é que gosto muito de ter os comandos de áudio no volante, uso isso há muitos anos e me acostumei, especialmente pra variar o volume. Considerei interessante notar que no up! o som e os comandos do ar ficam em uma posição bem alta, e como o ajuste de volume e botões de avanço e retorno de música ficam do lado esquerdo do som, e é possível para quem tem mãos grandes passar a ponta do dedo nesses comandos sem retirar totalmente a palma da mão do volante. Um pouco de boa vontade e acredito que rapidamente acostuma-se com esse movimento. Cheguei a ver na internet foto do up! com o volante novo do Fox/Golf instalado, com os botões de áudio em funcionamento só que ligados por algum módulo à algum som “1 din” instalado no carro. Ah, sinceramente, eu prefiro usar o som embutido no painel, que reduz a possibilidade de furto e funciona bem. Inclusive possui as funções “repeat folder” e “random folder” que aprecio para minhas pastas de MP3.

    Um último comentário é que após dois anos de uso de carro automático epicíclico não me via mais com interesse em algum modelo manual. Não costumo me confundir ao dirigir entre um AT e um MT, mas por duas vezes achei curioso que quase deixei o carro morrer ao reduzir para um semáforo, por puro hábito adquirido de não precisar mais pisar em embreagem. Felizmente o carro “avisa” que pela forma como vibra na redução sem desengatar.

    Se eu compraria? Sinceramente, não sei. Agrada o fato de ser um 0-km esperto abaixo de 50 mil, com respectivos IPVA, seguro e custo de manutenção e consumo contidos. No entanto cada um tem que considerar o seu próprio perfil. No meu caso não utilizo automóvel para deslocamentos diários de trabalho, somente para lazer, e por conta disso não faço parte da média dos que rodam muito, nem faço parte dos que precisam anotar custos por km na ponta da faca.

    Carro compacto de certa forma me agrada, já andei inclusive de Smart, alugado fora do Brasil. Mas minha esposa não dirige e nunca cogitamos ter dois carros.

    A verdade é que me considero um entusiasta moderado, no sentido de mesclar desempenho com conforto. Entendo quem adora trocar marchas, usar embreagem, cambiar, punta-tacco, etc. Mas, sinceramente, no meu caso aprecio muito o conforto e a molezinha de não precisar retirar as mãos do volante e diversas vezes aprecio o fato do carro ir em frente trocando marchas sem que eu tenha que decidir ou fazer algum movimento. E isso que meu carro atual é um mero AT de 4 marchas, que por vezes utilizo o botão overdrive que cancela a 4ª marcha e assim posso ver a terceira esticar agradavelmente (e também posso esticar a 2ª ou 1ª quando quiser).

    Carro com motor turboalimentado de fato muito me agrada, e acredito que agrada bastante até para quem não é do tipo que estica marchas inúmeras vezes. Mas, de repente, para o meu perfil vou seguir juntando moedas e observando as outras opções do mercado. Não tenho nenhum preconceito com as marcas que oferecem motor turbo atualmente.

    • Pedro Bachir

      Também fiz o test drive e tive mais ou menos a mesma impressão que você, bom desempenho, mas nada impressionante não… o interessante é a eficiência, o quanto anda e o quanto bebe…

  • carlosvr6

    Podia ter esse motor como opção no take up! também.

    Pegaria um fácil com acionamento de vidros, travas e retrovisores elétricos, ar-condicionado, som e alarme. E só. Carro frugal com algum conforto para o dia a dia com um motor que rende bem e é muito econômico.

  • Carlos

    Realizei outro teste drive no up! TSI versão move na estrada (antes rodei somente dentro da cidade, trecho urbano, que foi na velocidade máxima de 60 km/h). Agora na estrada rodei com ele aproximadamente 30 km em velocidades altas, mas fiquei na casa de 120 km/h. O carro realmente tem uma potência de um 1,8-L a 2-L, ultrapassei vários carros e carretas, o danado é um foguete mesmo, não tive dificuldade nenhuma nas ultrapassagens, diferente de 1,0 normal. Na minha opinião mesmo carro no Brasil sendo absurdo de caro, esse carinho tem o preço mais justo que os outros 1,0. Em custo x beneficio o move up! TSI é o mais indicado. No final do mês vou voltar novamente à concessionaria para tentar arrumar um desconto e levar o carrinho.

  • Fabrizzio Cedraz

    Ótimo vídeo Bob e PK! Por curiosidade, na eventualidade de uma pane na turbina ou bico injetor, quanto isto vai custar para o usuário? Pode parecer irrelevante para um veículo que tem garantia de três anos, mas isso pode transformar o carro num mico de mercado a médio prazo, assim como foi com o Gol Turbo, além disso, a velha desculpa do combustível adulterado livra os fabricantes de algumas responsabilidades. Avalio que um dos motivos para o fracasso comercial do Up! seja o custo das peças desde o lançamento… em algumas concessionárias um farol custa mais de R$ 1.300,00, a lista de peças com preços absurdos é grande e em pesquisa que fiz quando o carro foi lançado, o reparo de um choque frontal custaria mais caro do que um Honda Fit. Outro ponto de destaque negativo é a falta do difusor central do sistema de ar, que pode não ser notado em São Paulo, mas faz muita falta, principalmente no Norte e Nordeste. Considero que este motor seja o anti-ecoboost, e tem sérias chances de desbancar o tetracampeão mundial motor da Ford, considerado o melhor do mundo por quatro vezes consecutivas e que equipa até mesmo a versão européia do Fusion. Que saudável disputa!

    • Carlos

      Amigo achei estranho você falar que as peças do up! são bem mais caras dos que os outros carros, visto que o up! tem o melhor custo de reparo no Brasil. Fonte: Diversas web`s do Brasil. Ou realmente estou enganado?

      • Fabrizzio Cedraz

        Realmente você está enganado… e a VW tem uma política de preços de peças nas concessionárias que é, no mínimo, estranha. Observei na minha pesquisa uma variação de preço de quase 100%, com os preços mais caros concentrados nas regiões Norte e Nordeste, em SP os custos são menores.

        Como um carro que não tem peças de reposição, ele “ganhou” este título antes de chegar ao mercado, ou preços tabelados pode ter o custo de reparabilidade mais baixo do país? Não se considera o tempo que o veículo fica parado na concessionária esperando uma simples moldura do para-lama?

        Consultei a CESVI sobre a metodologia, que outrora beneficiou o JAC J3 com o mesmo título, e não fui respondido… Certamente este é um dos principais motivos para o baixo número de vendas do modelo.

        O fato é que se você tem um Gol Turbo e precisa comprar uma turbina na concessionária, o valor da peça pode chegar com facilidade a 50% do valor de mercado real do carro.

        Em anexo um orçamento do ano passado, quando um farol do Up! custava quase o dobro do farol do Honda FIt. Grande parte dos sites sobre automóveis no Brasil são meros reprodutores de informações oriundas dos próprios fabricantes, é prudente não confiar em tudo que falam…

        Conheço donos de pequenas locadoras que foram iludidos com o canto da sereia e tiveram sérios prejuízos por conta da longa espera por peças que ainda não estavam disponíveis quando o carro foi lançado, além do custo elevado quando eram encontradas.

        O carro é bom, mas é caro para adquirir e para manter. Aos que tiverem paciência, façam como uma professora minha que pediu ajuda na compra do carro, esperem encalhar e comprem com descontos de mais de R$ 5.000,00. O TSI está com um preço relativamente justo pelo que oferece, por sua motorização, é um produto diferenciado.

    • V.mario

      Com relação ao difusor de ar central, não acho negativo, o ar é bastante potente. Aqui no Nordeste, mesmo em dias muito quentes o ar-condicionado refrigera muito bem e por completo a cabine, não tenho do que reclamar do sistema.

      • Eng Turbo

        O ar-condicionado o up! foi superdimensionado, as exigências da VW eram suficientes para atender uma SW (SpaceFox). Até hoje não entendi o por que disso, pois o custo foi mais elevado devido a isso (compressor, condensador e caixa de ar)

    • Ricardo

      Não vai (estou afirmando) se tornar mico, pois a nova safra de motores turbo, estará presente cada vez mais. Vem aí as novas gerações de Civic e Cruze com turbo, a VW vai ampliar com certeza a oferta de modelos com este motor, e a Ford já está analisando a possibilidade de trazer o Ecoboost pra cá. O que ocorre é que aqui as coisas demoram um pouco mais para chegar em relação a Europa, e vemos que lá a presença destes novos motores turbo é cada vez maior. Então afirmo, a tendência é esta.

      • Fabrizzio Cedraz

        Acho que você não me entendeu… A manutenção de um sistema tão complexo é caríssima. Ao final da garantia ninguém vai querer arriscar meu caro, ainda mais num subcompacto que não lhe trará status algum (infelizmente é assim que funciona). Eu concordo quando tenta dizer que a redução do tamanho dos motores, uso de injeção direta e turbo é uma tendência mundial incontestável, afirmo que é uma verdade. mas observe que o mercado ainda o rejeita, mesmo com a motorização mais moderna fabricada no país, atualmente o pequenino VW ostenta a 15ª posição nas vendas…

        • Anselmo

          Fabrizzio, se me permite…
          A grande questão a ser enfrentada é justamente a procura de “status” por intermédio do carro, que é o objeto visível, o sinal exterior de bonança para quem o detém.
          E a segurança?
          O up! é um projeto seguro, com 5 estrelas. É dono de uma plataforma e de uma mecânica no estado da arte. O preço também está na média do mercado. O que queremos então?
          E outra coisa, a proposta da VW com o up! TSI não é a esportividade. É a economia! É o aproveitamento energético ao máximo. O desempenho é conseqüência dessa tecnologia voltada à eficiência.
          Por isso que acho um grande absurdo algumas publicações fazendo comparativo do up! com modelos esportivos. Os esportivos da VW são o Golf GTI e o Fusca. Talvez o Jetta…

  • Felipe Barbosa Alves

    Ótimo vídeo Bob e PK! não vejo a hora de vocês testarem outro esportivo que esta saindo do forno o Sandero RS.

  • Felipe Barbosa Alves
    Certamente! Tão logo seja lançado haverá o texto inicial e em seguida o ‘no uso’.

  • agent008

    Então só podem ser os pneus! Ilbirs, estou ponderando trocar nossos Mille Way usados em um misto de asfalto e estradas de chão, por up!, o ideal seria o take up! básico 2p com altura de rodagem elevada, será que consigo isso com peças de prateleira da VW? Ou apenas pneus de perfil maior resolveriam? Objetivo é chegar na mesma praticidade e altura livre dos Mille Way…

  • Ismael Gusmão

    Será que sem esse limitador o up! TSI passaria muito de 200 km/h?

    • Ismael Gusmão
      Limitador? Como assim?

      • Ismael Gusmão

        Na ficha acima a velocidade máxima é alcançada em 4ª marcha com 5.600 rpm, O carro não tem força para aumentar a velocidade na 5ª marcha ?

  • Bob, não li as outras matérias sobre o up!, mas e o Bob atrás do Bob, como ficou nesse carro?

  • Ronaldo
    Nada tem de espaçoso, mas dá para sentar. Esta foto foi feita no lançamento em Gramado, RS, fevereiro de 2014;

    • Realmente, não é um espaço grande, mas dá para andar bem no banco de trás, desde que não haja ninguém sentado no meio.

    • José Manoel

      Bob, agradeço a reportagem!
      Fiz test drive em um move up! TSI e fiquei admirado com a elasticidade. E giro baixo (2.000 rpm a 60 km/h em 3ª. marcha).
      Fechei negócio e em 10 dias estarei com ele.

  • agent008

    Bob e Paulo, é difícil encontrar tempo para assistir os vídeos, apesar de serem ótimos, parabéns. Como ainda não havia visto este, não agradeci antes, mas hoje pude ver e fiquei feliz de haver sido mencionado, o up! da minha noiva foi o que marcou 18 km/l na viagem. Esperamos pelo próximo evento. Abraço catarinense! rs

  • CASSIO

    Oi Bob e Paulo, vi a matéria de vocês foi bem esclarecedora. Vi em outro canal falando da real potência deste carrinho e passando ele no dinamômetro apareceram 138 cv e 20 kgfm de torque, bem isso levando em conta a perda pela transmissão agora fico imaginando como seria a potência no volante do motor. Abraços .

  • Cassio
    Não acredito que fabricante algum declare menos potência e torque que os verdadeiros..

    • Eng Turbo

      Bob, não necessariamente….
      A VW tem como prática divulgar um valor inferior de potência/torque dos motores lançados. Isso se deve ao fator de segurança em caso de quebra/problemas, dessa forma em um recall (branco ou não) ela pode “capar” a potência do motor e mesmo assim ficar dentro das especificações anunciadas. Além disso, nunca vi algum cliente reclamando que “levou mais pelo que pagou”. Att

  • Ismael Gusmão
    Não tem.

    • Washington Souza

      Então na prática a 5ª fica como overdrive?

  • Rafael L M

    Bob, essa é total fora de tópico, mas tem a ver com Volkswagen: Tenho um Gol 1,6 com 12.200 km que está fazendo um barulho tipo de grilando, estalando: a tal batida de pino ou pré-ignição. Isso ao usar gasolina. Fiz uma viagem no fim de semana retrasada e acabei colocando álcool e adivinhe o que aconteceu com o barulho? Sumiu. Hoje eu levei o Golzinho pra revisão e quando eu fui falar os problemas pro consultor, sobre esta ele disse que batida de pino é uma coisa e pré-ignição é uma outra coisa, o que eu já achei estranho porque até onde eu sei é a mesma coisa. Aí ele se enrolou todo pra explicar e foi um nó só na minha cabeça. Ele disse também na maior naturalidade que esse motor é assim mesmo e que, se usar “gasolina pura” (demorei para entender que ele queria dizer sem abastecer com álcool (rs), pois ele volta e meia usava essa expressão), vai haver pré-ignição (e não batida de pino, segundo ele são coisas diferentes). Ele disse também para eu colocar 5 litros de álcool caso eu venha abastecer gasolina, ou então colocar um tanque a cada 2 ou 3 de gasolina. Pode uma coisa dessas? Se o carro é flex, eu deveria usar só um ou só outro combustível, e no tempo que eu achasse melhor. Depois disso, eu fui dar uma volta com o piloto de testes, que é também mecânico. Esse disse (só dando risada mesmo) que batida de pino e pré-ignição é a mesma coisa, contradizendo o consultor. Eu falei que eu só uso gasolina e ele falou que é ainda pior, pois tem muitos produtos químicos e que é por isso que provoca a batida de pino. E ele disse pra usar álcool que é melhor, que não carboniza o motor, que o óleo não fica escuro quando vai trocar e tal. Estou preocupado com esse problema pois não sei se é pré-ignição ou detonação e tenho certeza que a concessionária não irá resolver, pois ela age como sendo normal. Como eu sei que o senhor tem ampla experiência com carros da marca e já passou pelo mesmo problema com o seu Celta VHC 2003, o que eu poderia estar fazendo? Outro problema que me incomoda no carro é o engate da primeira marcha. As vezes ele simplesmente pára na metade do curso e não passa disso, ou não entre direito e quando tiro da embreagem para acelerar dá aquela arranhada. Eu tenho que por em ponto morto e tentar novamente. Porém, às vezes eu tenho que repetir 3 ou 4 vezes, ou então engatar outra marcha para depois engatar a primeira. O problema ocorre mais com o motor desligado, quando desligo o motor com a alavanca em neutro e volto a engatar a primeira, pressionando completamente a embreagem. Mas também ocorre quando estou aguardando o sinal abrir, o que eu sempre o faço em neutro, ou em manobras de estacionamento. Já é a 5ª vez que levo à concessionária pra reclamar, mas eles nunca acham o problema, pois não ocorre sempre. São duas aqui na minha cidade e umas delas disse que é normal, e que era para ir usando, já que o carro ainda está na garantia mesmo e que se for algum defeito, vai quebrar dentro da garantia. E se quebrar fora da garantia, quem vai pagar, o palhaço Tiririca é que não vai ser.
    Bem, o texto ficou longo, mas é que estou realmente sem saber o que fazer. São dois defeitos chatos (o do motor, se eu colocar gasolina eu até consigo mostrar, mas o do câmbio está difícil, viu (rs) e eu gostaria de uma orientação. Se puder, ficaria grato.
    .

  • pkorn

    Espero que esse Up! turbo venda bem e que a Ford se anime a lançar 3 cilindros turbo no Ka e Fiesta no Brasil, seria um belo atrativo para a categoria de compactos.

  • Fat Jack

    Sem dúvida a solução que você encontrou (apesar da dificuldade) foi a melhor, por ser intermediária e não causar aquele incômodo de ter a 4.a curta demais e a 5.a sem força suficiente pra puxar…

  • Antonio Mattos

    Bob
    Li em outro site que ao se desligar carro turbo é aconselhável esperar 1 min em marcha-lenta para não prejudicar a lubrificação da turbina. É verdade isso? No up! TSI é bom esperar antes de desligar?

  • Antonio Mattos
    Nenhum turbocompressor moderno precisa mais de qualquer espera para se desligar o motor, o do up! TSI inclusive.

    • Antonio Mattos

      Obrigado, Bob.

    • Estevan Dario

      Eu tinha essa dúvida também, á respeito dos motores turbos atuais. Lembro que nos motores mais antigos e / ou adaptados, falava – se em 10 segundos quando não se exigia muito, e pelo menos 30 segundos quando se exigia potência máxima. Caso escrevi besteiras, podem me corrigir.

  • Washington Souza
    Certamente, está bem claro no texto.

  • Eduardo Pinetti

    Esse grande motorzinho seria supimpa em uma SpaceFox de entrada, no lugar do cansado EA111 1,6, não acha, Bob?

  • Eng Turbo
    Acho precipitada tal conclusão. A suspensão não vai ao fim de curso sempre, há o amortecimento dos pneus e da espuma do banco. Já me falaram desse dar batente fácil do HB20, nunca dirigi um por razões logísticas, ter de retirar o carro na fábrica em Piracicaba, o que me recuso a fazer),

    • Eng Turbo

      Bob, esse foi um erro de projeto, já reconhecido pela Hyundai (internamente) e será solucionado no facelift do HB20. O que chama a atenção é que “dá batente” com uma facilidade incrível, não somente em cabeceiras de ponte ou grandes ondulações, mas sim, em situações corriqueiras. Esse carro ficou como minha referência de suspensão traseira curta e desconfortável (com carga). Com o carro vazio, ela é muito eficiente e confortável.

  • Eng Turbo
    De modo algum isso acontece, desculpe. Não existe esse cenário na VW e em fabricante alguma.

    • Anselmo

      Olá Bob!
      Uma explicação plausível talvez seja essa: o fabricante, durante o processo de homologação do motor, precisa demonstrar que a potência máxima é atingida aos 12.000 pés de altitude, ou mais ou menos 4.000 m. Logo, ao nível do mar, a potência aferida sempre será maior.
      Essa questão está ligada diretamente à segurança. No caso do up! 104 cv a 12.000 pés, daria algo em torno de 116 cv a 7.000 pés, pois a partir de 7.000 pés, ocorre uma perda de 2 cv a cada 1.000 pés que subimos. Portanto, longe dos 134 cv apurados.

      Na verdade, isso é um assunto para um engenheiro aeronáutico!!!
      Para voar na Segunda Guerra Mundial acima de 30.000 pés, os motores a pistão tinham um turbocompressor quase do tamanho do próprio motor, além de injeção de água etc…

  • Eng Turbo
    Se é fato, todo o meu aplauso para a VW por isso, pois a pior coisa é ar-condicionado fraco.

  • Eng Turbo
    Não tenho motivo para duvidar dessa sua informação. Como lhe falei, nunca dirigi um HB20, só acho totalmente improvável o choque contra os batentes causar impacto na coluna vertebral dos ocupantes, pelos motivos apontados acima.

    • Elias Bastos

      Estou vendendo meu HB20 1,6 por causa desse problema na suspensão. Seria um BAITA automóvel não fosse a suspensão de velotrol. Estou passando ele para frente com muito pesar… Além dela dar batente facilmente (mesmo com apenas um atrás), é tão insuficiente que deixa o carro bobo em retas. Comprarei outro no futuro caso esse problema seja sanado 😉

  • Fat Jack
    Nunca ouviu dizer que os cavalos alemães são mais fortes que os outros? (rs)

    • Fat Jack

      Sensacional!!!
      Só conhecia o Puro Sangue Inglês (PSI), nada de “Pôneis Malditos” então!!!

  • Fat Jack

    Certamente, e eu acho que a VW somente não optou por um “hot pocket” pela “má lembrança” do Gol Turbo e pela diferença de comportamento desse “hot pocket” com o TSI atual como menor economia de combustível e torque e potência máxima em rotações mais altas e um apelo maior como “modelo de nicho”.

  • Lemming®

    Fechado o negócio no modelo Move Up! TSi Vermelho Flash com o pacote de opcionais (farol de neblina, rodas de liga leve e sensor de estacionamento).
    Valor de R$ 43.490,00 (na prática o pacote de opcionais saiu de graça).
    Vamos ver se vem com o jogo de tapetes que o vendedor prometeu.
    Vai fazer falta, pero no mucho, o levantamento automático dos vidros ao acionar o alarme (módulo opcional de R$ 320,00).
    Quando pegar o monstrinho vamos ver como é no dia a dia.

  • Por falar em TSI, vocês já conhecem a Rádio TSI?

  • EvertonLM

    Downsize! Bem-vindo ao futuro (rs). Se tivesse condições comprava um para o dia a dia para trabalhar e rodar durante a semana.

  • toni

    Não é só o HB20 , o i30 vai na mesma linha , Tucson idem.

  • Ricardo

    Que legal. Torço aqui para a VWB (sempre lenta nas novidades) ampliar a oferta dessa maravilha da engenharia (o motor) para outros modelos da gama.

  • Joaquim José

    Excelente reportagem, a VW está de parabéns. Será que este motor usa o ciclo Miller, na qual o motor trabalha com menos perdas por bombeamento quando o motor está com pouca carga através do fechamento tardio da válvulas de admissão e abertura maior da borboleta comparado aos motores convencionais?

    • Joaquim José

      Muito grato, Bob.

  • Joaquim José,
    Não é ciclo Miller.

    • Joaquim José

      Muito grato Bob.

  • Leandro

    Bob, depois deste “no uso” e de acordo com suas impressões, este motor 1,0 TSI tem elasticidade para substituir não apenas o 1,6 8v, mas também o 1,6 16v na linha VW em veículos mais pesados como Saveiro e SpaceFox, com igual (ou melhor) desempenho e consumo?

  • Leandro,
    Certamente. Lembro que na Europa existe o Ford Mondeo, carro de 1.380 kg e 4.870 mm de comprimento, com motor 1-L de 3 cilindros EcoBoost de 125 cv. Zero a 100 km/h em 12 segundos e velocidade máxima de 200 km/h.

  • Anselmo
    De onde você tirou essa informação? Isso não existe! Há uma pequena diferença (preciso checar, pois tenho dúvidas) em que a pressão atmosférica padrão ditada pela norma brasileira não é aquela do nível do mar como a norma alemã DIN, por exemplo, mas a média da pressão atmosférica média de dez capitais brasileiras. Quanto às potências malucas que vêm sendo divulgadas, recomendo esquecê-las.

  • Thiagusss

    Quanto ao acabamento das portas, também não gosto da “lata” aparecendo. Mas prefiro desse jeito, do que elas cheias de plástico barato e batendo feito escola de samba. Não que o up esteja livre disso, mas, talvez ajude.

  • Elias Bastos

    Após esta resenha, estou inclinado a trocar o meu 2.0 por um up!. Ele me parecia ser um carro muito bom já no modelo aspirado, quanto mais agora esse TSI. Vou ver se consigo fazer um test-drive.

    • Humberto Riveron

      Vale a pena dirigir.
      Fiz ‘a besteira’ de entrar num para test drive.
      comprei o carro na mesma semana e agora preciso vender o Corollinha. rsssss

  • Fabio

    Bob, admiro muito seu trabalho meus parabéns! E hoje foi um dia especial para mim. Com muito esforço, sem nenhum desconto e já com valores do último acréscimo pela Volks, fechei a compra de um move up! TSI, estou saindo de um Palio 2004 sem direção. Que maravilha de carro!

  • David

    Uma pena que vou “ficar chupando o dedo” para fazer um test drive. Tenho artrose no joelho esquerdo e isso me impede de dirigir qualquer carro manual(No meu carro anterior um Logan, eu só trocava as marchas no tempo e isso estava danificando a caixa de câmbio manual).

  • Ronnie Gallinucci

    Como que pode um carro custar quase R$ 50 mil reais e não possuir vidros elétricos traseiros nem como opcionais? Qual justificativa para isso, motor de ponta com acabamento retrô? Puro retrocesso.

  • Ronnie Gallinucci
    Acho sua indignação exagerada. Tive um Escort GLX durante 8 anos com a mesma configuração de acionamento de vidros do up! e nunca eventuais passageiros do banco traseiro tiveram qualquer problema e tampouco se incomodaram de girar a manivela. No up! alemão os vidros traseiros são basculantes, não baixam..

    • Ronnie Gallinucci

      Fala Bob !!! Obrigado pela resposta!! Se até os alemães não possuem vidros elétricos traseiros, a situação esta pior do que imaginava..rs… (brincadeira). Tudo é uma questão de concepção….de projeto a quem compra não tem jeito….
      Mas o que penso e espero que não ocorra é, fabricantes usarem argumentos para diminuir itens de conforto em compensação a outros. Imagine pagar 80 mil em um carro e receber ele com vidros manuais, e a fabricante dizer que isso é uma questão ambiental (economia de materiais sem agressão ao meio ambiente) ou uma questão contra o sedentarismo, estamos forçando o motorista a se movimentar dentro do carro…..
      Sei que é meio loucura…mas nesse mundo automobilístico, diminuir custo e aumentar lucro…vale tudo…..
      Abs!

      • Ronnie Gallinucci
        Não é que os alemães não têm vidros traseiros elétricos, eles não têm vidros traseiros que baixam. No caso específico do up! o custo aumentou ao serem colocados vidros traseiros de descer.

  • Carlos Lins

    A potência de carro com alimentação forçada, seja turbocompressor ou compressor, não é influenciada pela altitude.

  • Alexandre Henrique Oliveira

    Bob, possuo um corsa hatch 2012 1.4 que anda muito e é muito confortável. Se eu mudar para um move up Tsi vou perder muito em conforto ? Vale a pena ?

  • Alexandre
    São carros parecidos ao rodar. Não posso lhe dizer se vale a pena por uma questão de ética, não podemos indicar produto..

    • Alexandre Henrique Oliveira

      Entendo Bob… Obrigado pela resposta.

  • Fabiano Souza

    Bob, estou na dúvida entre up TSI ou Fox Highline. Qual deles?

    • Fabiano
      São carros diferentes.Escolha o que se encaixa melhor no seu uso, nas suas necessidades. Experimente-os, releia os testes e decida.

  • Welyton, se fosse eu que tivesse medido esses motores num dinamômetro de bancada (motor fora do carro), eu saberia lhe responder. Mas como não houve nem um, nem outro, não tenho resposta.

  • Cristiano Queiroz de Albuquerq

    Olá Bob e colegas,
    Após muitas dúvidas entre comprar o Sandero R.S. e o up! TSI, comprei um Cross up! TSI, por questões de economia e gostaria de deixar um breve relato aqui. Embora muito satisfeito com o carro, tive o desprazer de descobrir da pior forma possível que ele não pode passar por areia fofa devido ao controle de tração que (absurdamente) não desliga.
    Fiz uma viagem para uma praia e precisei pegar um trecho de areia. Quando a areia afofou e precisei acelerar, o motor apenas perdeu força até parar e atolar. Atolou sucessivas vezes e tive pedir ajuda, voltar e deixar meu carro em outra cidade para então seguir de carona. Importante ressaltar que sempre fiz passeios deste tipo e nunca passei por algo semelhante. Ironicamente, peguei carona em um Uno Vivace, com pneus menores e mais finos que meu up!. Outros carros (inclusive up!s sem controle de tração) passaram normalmente. Minha vontade no momento era de vender o carro.
    Lamentável e infantil essa decisão de não permitir a desativação do TC. Espero que a Volkswagen prepare algum upgrade de software que permita desligar essa babá eletrônica. Lembro que, dependendo da situação, poder desligar TC também é uma questão de segurança.
    Se vocês puderem fazer isso chegar a alguém da Volkswagen, agradeço muito.
    Abraços

    • Cristiano, tenha certeza de que esse fato será comunicado à VW dentro de minutos. Você tem total razão.

      • Cristiano Queiroz de Albuquerq

        Ótimo Bob, muito obrigado!

  • Lira, não e certamente não virá. Não é hábito e tampouco é obrigação das fabricantes responder questões sobre especificação de produto. Mas o recado foi dado e poderá ser eventualmente considerado.

  • Cristiano Queiroz de Albuquerq

    Acho que já li algo sobre esse fusível, mas disseram que desligava também o ABS… Incrível que a VW não se manifeste sobre o assunto.

    • Cristiano, o problema de desativar o ABS pelo fusível é perder o controle de travamento das rodas traseiras.

  • Carlos Andrade, nessa situação descrita, experimente acelerar mais para fazer a turbina girar (ela precisa de fluxo forte de gases de escapamento). O câmbio do TSI é bem longo, essa é a diferença que você está sentindo para o MPI.

  • Carlos, o torque máximo desse motor ocorre a 1.500 rpm, portanto a turbina a essa rotação, que é pouco acima da de marcha-lenta, já está a pleno. Se não está ocorrendo forte aceleração do carro a essa rotação, há problema no turbocompressor ou seu controle. Você precisa ir à concessionária para verem o que está acontecendo.

    • Carlos Andrade

      Caro Bob,

      Tudo bem com você?

      Pois é, fui à Concessionária. Fizeram o teste na turbina, e me disseram que estava tudo normal!!! Bem, continuo com o mesmo problema…. É possível fazer esse teste em outro local, apesar do veículo estar na garantia?

      Agora, nesse dia 31/12/2016, saindo para o trânsito, notei mais um barulho que não existia (ou eu não percebia…): Quando piso no freio, ouço um chiado parecido com ar escapando ( Chi..Chi…Chi…), como aqueles pulverizadores antigos (Flits). que usávamos para dedetizar a casa. Achei estranho, pois nunca tinha ouvido esse chiado, quando pisava no freio. É coisa do hidrovácuo, sem dúvida. Mas, será que não é um vazamento de ar no sistema? Alguma mangueira mal apertada ou trincada que deixa vazar ar quando piso no freio? Não sei…Mas estou preocupado com esse chiado de ar escapando. Pode ser um problema sério?

      Mais uma vez, agradeço o que você puder me informar a respeito….

      FELIZ ANO NOVO PARA VOCÊ E TODOS OS SEUS!!!!!

      • Carlos Andrade,

        O recomendável nesse caso seria consultar outra concessionária, mas pode não surtir resultado. Por isso aconselho-o entrar em contato com a fábrica pelo canal de atendimento a clientes e expor seu problema para que deem uma solução. Nesses casos recomendam uma determinada concessionária que têm certeza de poder efetuar uma análise daquilo que você está reclamando. Ou marcarão um dia para que um técnico ou engenheiro da fábrica faça isso na sua presença, com a competência necessária para dizer se o seu carro tem problema ou não no turbocompressor.
        Quanto ao som de ar, um pouco é normal, mas saiba que qualquer problema de fuga de ar no servofreio leva a maior esforço necessário para frear, e você não falou nisso.

  • Carlos Andrade, sim , é uma espuma do respiro do câmara do servofreio mais evitar ruído de ar do que propriamente filtrar o ar. O funcionamento do servofreio não depende desse ar, mas da depressão no coletor de admissão. Tampouco há êmbolo (só uma membrana) ali e não há o que estragar se ar não filtrado adentrar e sair da câmara do servofreio ao tirar o pé do freio. Ademais, isso é bem simples de corrigir.

  • Carlos, não é preciso desmontar nada, é peça visível, ao alcance das mãos.

  • Carlos Andrade, ela fica na câmara do servofreio. Mas eu mesmo nunca mexi numa e não o aconselho a fazer.