Esse passeio era algo que nós queríamos fazer já faz algum tempo. Finalmente conseguimos encontrar um formato adequado e colocar em prática nossa ideia, que nada mais é fazer na prática o que já fazemos no site; compartilhamento, confraternização e aproximação.

As vagas se esgotaram rapidamente e houve até fila de espera. Tivemos 25 carros de leitores mais 8 carros de editores e apoio. Vieram leitores de outros estados, como Santa Catarina, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Alguns trouxeram seus pares, familiares e amigos. Formamos um belo comboio e tudo saiu bem próximo do planejado.


Saímos se São Paulo, na verdade de um posto Shell novo depois  do acesso para o rodoanel, na Rodovia dos Bandeirantes, e seguimos em direção a Indaiatuba para uma parada no Parque Ecológico. De lá seguimos para Itu, no Parque do Varvito, um sítio geológico com um formações que evidenciam a Era Glacial e logo depois paramos para o almoço. Neste,  alguns leitores aproveitaram para colher autógrafos do Josias e do Arnaldo no seus livros, além de muito papo.

Dali seguimos pela Estrada Parque, que termina em Cabreúva e é onde começa a Estrada do Romeiros. Continuamos em direção a Pirapora do Bom Jesus e de lá para a gran finale no avião de Araçariguama. O dia estava maravilhoso e nos brindou com um pôr do sol cinematográfico.

Os melhores momentos estão registrados no vídeo para a lembrança de quem participou e a também para aguçar a expectativa de que vai participar do próximo.

 

E para completar esse relato reunimos alguns parágrafos com as impressões dos editores e colunistas participantes.

André Dantas

Tem dias que até o que dá errado acaba dando certo. Meu carro deu problema bem no dia do passeio e não deu para arrumar a tempo. Não deu para ir com meu companheiro de aventuras, mas deu para pegar uma carona com o BS e compartilhamos esse passeio com uma conversa bem agradável. Quanto ao encontro com os leitores, é algo que não tem preço. Para eles, é a oportunidade de conhecerem a pessoa de carne e osso que escreve, e para nós, e a oportunidade de sentirmos, olho no olho, o quanto eles apreciam nosso trabalho. Essa troca de energia também não tem preço. O dia foi perfeito, com um o sol nos abençoando desde de cedo e brindando o final do encontro com um maravilhoso pôr do sol. Que outros encontros venham, e que possam ser em outros formatos. O que vale é a conversa e o calor humano.

Arnaldo Keller

Me encontrar pessoalmente com os leitores me provocou diversos sentimentos; sendo que o principal era de que estava em meio a amigos sinceros. Isso, naturalmente, desencadeou outros, como os sentimentos de gratidão, responsabilidade e forte desejo de criar eventos que proporcionem aos nossos amigos bons momentos ligados à paixão que nos uniu, os carros. Haveremos de nos empenhar ainda mais e fazer por merecer a amizade que nos devotam.

 

Bob Sharp

Memorável. É o melhor adjetivo que encontro para o grande momento Ae que foi o I Passeio AUTOentusiastas. Foi um congraçamento dos leitores com o membros da equipe ímpar, natural, desinsinterssado, coisa de amigos há muito tempo, todos sintonizados na mesma faixa de onda, a do autoentusiasmo. Que venham outros!

Josias Silveira

Com o Passeio, o Ae mostrou mais uma vez que nossos leitores não são cliques anônimos. Têm rosto, opinião e são amigos do outro lado da telinha do computador.

Juvenal Jorge

Na minha primeira interação com nossos leitores, fiquei bastante feliz. Pessoas tranqüilas e de bom papo, bom senso e que gostam de nosso assunto preferido, as máquinas e veículos. Uma turma bacana, editores, colunistas e leitores, com o detalhe que sem estes últimos nós não teríamos razão nenhuma para escrever.

Marco Antonio Oliveira

Há muito tempo atrás, numa galáxia muito distante, Paulo Keller criou um grupo para discussão de assuntos do mundo automobilístico, reunindo seus colegas engenheiros, marqueteiros, jornalistas, preparadores, colecionadores, e entusiastas em geral. O Paulo é assim mesmo; ele é uma pessoa que cria coisas incríveis onde antes existia nada.

Eu entrei neste ilustre grupo em 2003, convidado pelo Fabrício Samahá, do Best Cars, para quem esporadicamente escrevia então. Depois soube que quem deu a ideia de me chamar foi um colega de faculdade de quem me lembrava muito pouco então, mas hoje é um amigo de fé, irmão, camarada: Juvenal Jorge. Acho que nunca agradeci a ambos, então aqui vai: muito obrigado.

Para mim foi grande surpresa: aos 34 anos me achava então um sujeito muito estranho, sem nunca ter encontrado ninguém remotamente parecido comigo. Devia ser doença, imaginava eu, esta minha fixação com automóveis. Uma febre insana que me impedia de ser normal e falar sobre política e futebol. Lia vorazmente muito desde pequeno, e depois de décadas sofrendo com ignorância generalizada no assunto em questão, entrei no grupo meio que causando geral, imaginando que ninguém ali podia me ensinar nada, que sabia de tudo e tal e coisa. Um perfeito idiota, como vocês podem notar. Ledo engano. Em pouco tempo, percebi que tinha encontrado minha casa. Gente como eu. Meus irmãos de espírito. My very own Band of Brothers.

O nome deste grupo? “Os Entusiastas”.

Uma década e um troco depois, estava eu pegando o Alexandre Cruvinel em Viracopos bem cedinho em um domingo ensolarado, para irmos juntos ao primeiro encontro do Ae. Como vocês podem imaginar, o Entusiastas acabou virando o blog AUTOentusiastas, e depois o site Ae. O Cruvi já estava no antigo grupo de e-mails quando eu entrei, então, lógico, ainda se sente parte integrante dessa nossa jornada, e portanto resolveu que ia pegar um avião no domingo de madrugada e ver isso de perto, mesmo depois de dormir tarde pacas no sábado, aniversário da sua filha mais nova Bruna. Peguei ele no aeroporto e partimos para encontrar o resto da turma, e mais um bando de gente que nunca vimos ao vivo, mas que, certamente, seriam todos gente finíssima: nossos leitores. Temos leitores Cruvi! Mais que isso, temos fãs! Nós rimos muito dessa verdade inacreditável, aquele riso feliz e emocionado de quem, sem perceber, fez algo que é importante para seus semelhantes.

Quem podia imaginar uma coisa dessas? Aquele bando de amigos que conversavam virtualmente sobre carros hoje se tornou uma instituição maior que qualquer um desses amigos sozinhos. Se pararmos para pensar, tanta gente entrou e saiu deste grupo, tantas vezes, que ninguém lembra muito bem a formação original, e as que se seguiram. Brigamos muito também, saímos, voltamos… Chega a ser um milagre ele ter- se mantido interessante, se expandido, tornado público. O mesmo vale para o blog e o site. Na verdade, pensando bem, não é milagre; é o fruto do trabalho do Bob e do PK, que são o constante nesse tempo todo, os dois pilares desta confraria caótica, mas sensacional. Obrigado a vocês dois por isso. Eu sei que não é mole, mas acreditem: é importante.

E é isso que queria dizer sobre o passeio. Tentar explicar o que ele significou para a gente é explicar o significado do Ae: o ponto de encontro para as pessoas para quem o automóvel é mais que um simples bem, que um hobby, que um meio de transporte. Gente para quem o automóvel é o tema dos seus dias, a alegria de sua vida. O Ae é o lar de gente que acredita no automóvel como uma forma de elevar o espírito humano, sem os medos e as paranoias modernas que insistem em tentar acabar com ele. Quem não gosta de passar um dia com gente assim?

Pois é… Por isso faremos outros encontros, podem esperar. E neles, vamos andar juntos no mesmo carro, dirigindo e conversando e trocando idéias. Encontrar vocês ao vivo, caros leitores, consegue ser mais legal que escrever para vocês. Vocês são demais. Agora tenho certeza disso!

Vamos fazer outro passeio. E outro e mais outro. Porque sair de casa para dirigir é motivo suficiente. E porque dirigir é viver, todo o resto é somente espera.

 

Marco Aurélio Strassen

Leitor voraz de todo tipo de revistas de carros desde garoto, nutria o desejo de um dia conhecer quem me escrevia do outro lado. Evidente não todos, nem era possível e sim aqueles que nos faziam sonhar e sabiam nos cativar com seus textos, análises e experiências em carros que nunca sequer ousava imaginar por as mãos. Ao proporcionar esse encontro com os leitores do Ae e ainda por cima trazê-los a uma das estradinhas mais legais de São Paulo, acho estava voltando àqueles antigos sonhos. Valeu Ae!

Nora Gonzalez

Um dia perfeito. Desta vez, São Pedro atendeu os pedidos do PK e nos brindou com um sol e um céu lindos. O percurso foi ótimo — no meu caso um pouco mais longo pois estava com o Arnaldo Keller e nos desviamos um pouco da rota, levando junto o Wagner Gonzalez (que não é meu primo) e mais dois carros de autoentusiastas. Risadas à parte, foi ótimo conhecer tantos leitores e finalmente juntar um rosto a uns nomes já conhecidos. E adorei conversar com tantas esposas de autoentusiastas de tantas cidades. Até o próximo passeio!

O grande momento final do passeio, no local onde repousa o Vickers Viscount, a “sala” do Ae

 

Paulo Keller

Caso alguém ainda tenha dúvida, esse passeio constatou aquilo que sempre falamos no Ae: não é o carro que trás o autoentusiasmo e sim o motorista. A diversidade entre os 25 carros comprova isso facilmente. O carro é o meio. Claro que há carros melhores que outros. Mas melhor que isso é se divertir, viajar, ter prazer com o carro que gostamos e podemos. E abastecendo o tanque com nosso próprio entusiasmo.

Para mim, um dos pontos altos foi ter dirigido o Gol GT do leitor Ricardo Biasoli. Voltei 27 anos no tempo e me senti um garoto!

Terminamos o passeio em um lugar muito especial para o Ae, onde já passei vários finais de tarde concluindo testes de carros e vivenciando momentos singulares. São momentos onde sinto uma elação, algo que vem de um prazer sentido na alma. E quando acontece durante as atividades do Ae eu os chamo de Momento Ae.

Naquele final de tarde do dia 19 de julho, depois de um dia maravilhoso, em um lugar especial, com um pôr do sol mais que especial, a companhia meus amigos editores, colunistas e leitores, em um cenário que culminou com tudo em que acredito e que me move, aconteceu o que agora chamo o Grande Momento Ae!  Valeu muito!

O problema é que esse tipo de momento é viciante…

 

O Ae agradece ao Luis Fernando Carqueijo e sua equipe da Trailway, que organizou o passeio, e ao Renato Castanho, da Expedição Filmes, que nos ajudou com a captação de imagens. Ambos compartilham o espírito de equipe e entrosamento do Ae.

Ae/PK

Fotos: PK, JJ, AAD e Renato Castanho
(111 visualizações, 1 hoje)