Fazer grupo de interessados em marcas antigas, já produzidas no país, exige paciência e dedicação. Organizá-los para veículos recentes, Fiat, Chevrolet, VW, Puma, é fácil ante a enorme frota remanescente, para as outras, uma mão de obra – inexistem, por exemplo, grupos ou clubes para Aero-Willys ou FNM 2000/2150, os JKs.

Simca está na relação de dificuldades. Aficionados reunidos em torno do sítio www.simca.com.br há tempos buscam fazer encontro nacional para festejar o espírito gregário — e conhecer pessoalmente uns aos outros. Finalmente deu certo. O VIII Poços Classic Car, maior dos encontros realizados na agradável cidade mineira de Poços de Caldas, MG, transformou a idéia do I Encontro Nacional Simca em atração em seu evento.

Deu-se no último final de semana e reuniu 25 exemplares – última tentativa foi no Brazil Fiat Classics, em Araxá, MG, 2008, com 12 unidades.

Colecionadores em amplo espectro, do Rio Grande do Sul a Brasília estiveram presentes, e a organização teve o cuidado didático de convidar automóveis das versões produzidas pela Simca e sucessora Chrysler, expondo-as em ordem cronológica, permitindo aos visitantes noção evolutiva da marca no Brasil.

O espírito não era de competição e o único prêmio atribuído foi por Leo Steinbruch, levando versão Présidence 1965, ao Jangada restaurado por Antônio Guedes em Santo André, SP. Leo prestou homenagem ao irmão Fábio há pouco passado, seu sócio na maior coleção de veículos nacionais.

Além do excepcional Jangada de Guedes, Marcelo Viana, mantenedor do sítio, levou modelo curiosamente igual, e de Jangada ainda havia raro exemplar de 1967, um dos 33 produzidos. Dentre outros, Ruy Pereira em modelo 1959, o mais antigo do país; Ronaldo Pal com modelo 1961 sem restauração; Guilherme Gomes deu a conhecer produto de seus esforços para reviver Chambord 1962; Walmir Buzatto em Chambord 1963; do mesmo ano Alexandre Goerl trouxe seu recém-restaurado desde o interior do Rio Grande do Sul;excepcional Tufão 1965 com José Antônio Finco. Carlos Goicochea, de Vitória, ES, em excepcional modelo Tufão 1966. Mais recente, Esplanada 1968 por Wanderley Scavacini, ex-revendedor. Generoso, Aldo D’Abronzo pintou e reproduziu versão Rallye 1964, automóvel de vitórias com o piloto Walter Hahn Jr. Este, o engenheiro Renato Zirk, Samuel Marcantonio e eu fizemos pequenas palestras sobre o universo e a história da Simca no Brasil.

Samuel, 86, foi homenageado por ser o mais longevo dos colaboradores da Simca, tendo chegado à empresa antes mesmo de iniciar a produção no Brasil. Foi e voltou em Esplanada 1967, de uso desde 1971.

O êxito promove decantação de propostas para o II Encontro, em 2016.

 

Jaguar XE: um inglês contra os alemães

 

Foto Legenda 02  coluna 3415 -Jaguar XE  .jpg  Partiu: o I Encontro Nacional Simca Foto Legenda 02 coluna 3415 Jaguar XE

Jaguar XE, enfim a marca se apresenta a mercado

Segmento mais lucrativo do mercado nacional, o dito Premium, onde Audi, BMW e Mercedes marcam maiores vendas em modelos A3 e A4, Série 3 e Classe C, tem novo participante, o Jaguar XE.

Automóvel é marco industrial, e sua tecnologia servirá a outros produtos, em especial pelo intensivo uso de alumínio na plataforma: 75% da estrutura aplica o leve metal em lugar das chapas de aço. A tecnologia reduz peso, consumo, emissões, com ganhos em desempenho. O fabricante indo-britânico — a marca é controlada pelo indiano grupo Tata — aplicou coragem ao novo produto, incluindo aerodinâmica, em coeficiente de arrasto 0,26 e continência em peso: é o mais leve dos Jaguar já produzidos.

Para o Brasil serão importadas três versões idênticas em estrutura mecânica, liderada pelo motor L-4, 2.000 cm³, turbo, 240 cv e 34,7 m·kgf de torque, ligado a caixa automática de 8 marchas e tração traseira. São Pure — R$ 170 mil; Pure Tech — R$ 177 mil; R-Sport — R$ 200 mil. Diferenciada, de topo, S, motor V-6, 3.000 cm³, com compressor de deslocamento e 340 cv, e preço desmesurado: R$ 99 mil a mais sobre o quatro cilindros superior — R$ 1 mil por cavalo-vapor de força. Direção com assistência elétrica, suspensões com pretensões esportivas, duplos triângulos superpostos na dianteira, e na traseira, multibraço. Muita eletrônica para serviço e divertimento, interior em couro verdadeiro e na versão superior S, o head-up display – projeção na face interna do pára-brisa, em frente ao campo visual do motorista, de informações sobre carro e deslocamento.

Do comprar

Respira-se entusiasmo na representação local, projetando mais que dobrar participação da marca. A Jaguar vende em média 1/automóvel/dia e do XE quer 600/vendas/ano. As alemãs vendem no segmento em torno de 10.000 anuais.

Do comprar

2.0 Si4 Pure – R$ 169.900 – Versão de entrada, com os básicos de veículo de luxo: bancos em couro; volante multifuncional; sistema Stop/Start; gestão dos pneus; faróis xenônio; luzes diurnas em LED; sistema de tração All-Surface Progress Control, Jaguar Drive, sistema de navegação, som Jaguar com 6 alto-falantes, e sensor de estacionamento traseiro – falta tela para manobra.

2.0 Si4 Pure Tech – R$ 177.000 – É o início da razoabilidade de conteúdo, com teto solar elétrico, câmera traseira para manobras de estacionamento, e sensor de chuva para limpadores de pára-brisa;

2.0 Si4 R-Sport – R$ 199.900 – Pacote indicando acertos mecânicos e adições estéticas para condução esportiva – embora em aceleração e frenagem sejam iguais aos modelos de menor preço. Decoração, bancos esportivos, R-Sport gravado em partes do carro, saias laterais, novos para choques, aerofólio traseiro. E mimos eletrônicos como memória para regulagem dos bancos frontais, volante de direção com ajuste elétrico, rodas aro 18”

XE S – R$ 299.000 – Esportivamente superior pelo motor V-6 3.0 com compressor gerando 340 cv e 45,9 m·kgf de torque. Faz de 0 a 100 km/h em 5,1 s, o mais rápido dentre os deste porte. Único com head-up display.

Motores ainda são Ford, ex-dona da Jaguar. A nova geração Ingenium ainda não chegou ao Brasil.

 

 Roda-a-Roda

 Negócio – Bom portal AutoData diz estar em via de assinatura o acordo comercial entre Brasil e Colômbia estabelecendo cotas para importação de bens isentos de impostos alfandegários. Em automóveis, em torno de 10 mil/ano. Solução parece encomenda para a GM, líder de vendas pela Colmotores, ex-montadora de jipes Austin Gipsy, Simcas 1000, Chryslers.

Na prática – GM Brasil por Marcos Munhoz, fonte acreditada, estuda o intercâmbio. Lá produz Aveo, Sail e Spark, pequenos e de origem coreana. Renault produzindo Sandero e Logan com partes enviadas do Brasil, e mantém produção da boa perua Mégane. Outras são de caminhões e ônibus.

Mais – BMW mudará processo produtivo em outubro com linha de estamparia de partes em chapa, e pintura na fábrica de Araquari, SC. Até agora mínima industrialização, com importação das carrocerias pintadas, e montagem local.

Kwid – Já em testes o Kwid, veículo de entrada da Renault no Brasil, e missão de substituir o Clio, menor 13 cm em seus 3,68 m — VW up!, menor nacional, tem 3,6m. Renault aposta em sucesso, pelo jeito de carro forçudo, lembrando um SUV, porém sem dimensionamento para aventuras. Argumento maior, preço. Hoje o Clio é o mais barato dos nacionais. Terá motor 1,0, três cilindros, 77 cv da associada Nissan, e partes de outros Renault para conter custos.

Mudança – Com ele Renault tem grandes pretensões. Como a Coluna já informou, mandará para Santa Isabel, na Argentina, tudo o de fazer o Sandero, o mais vendido da marca, e o Logan, abrindo espaço industrial para produção em massa. Terá no Brasil o Kwid, o Duster e o novo picape Oroch.

Referência – Os carros de testes são protótipos para o mercado indiano, pois o Kwid é para ser projeto barato a mercados pobres e em desenvolvimento. Entretanto, dentre as discrepâncias de comportamento do consumidor brasileiro, aqui terá mais equipamentos e cuidados construtivos. Como ocorre entre o Duster europeu, mais simples ante o nacional.

 

Foto Legenda 03 coluna 3415 - Kwid  Partiu: o I Encontro Nacional Simca Foto Legenda 03 coluna 3415 Kwid

Kwid, Renault para grandes vendas, 2016

Mais – Talvez, com tal concorrente, a VW exume o apresentado e arquivado projeto Taigun, com as mesmas características, e baseado no up!

Corte – Comissão de Viação e Transportes da Câmara aprovou o PL 740 da deputada Clarissa Garotinho (PR-RJ) dispensando das Inspeções de Segurança Veicular veículos leves durante os três primeiros anos a partir do licenciamento.

Justificativa óbvia, maioria está na garantia e faz revisões. Vai à Comissão de Justiça e depois Plenário.

Desafio – Carros submetidos a análise de jornalistas no usual são 0-km ou quase, tentativamente bem revisados, no ideal de cumprimento das especificações técnicas. JAC, chinesa, esperando definições econômicas para erigir fábrica, quer mudar isto.

Conceito – Para provar a resistência construtiva dos veículos, recolhe em seus revendedores carros com 90 mil a 100 mil km rodados, e revisões feitas em oficinas autorizadas. Quer submetê-los a avaliação dos profissionais do setor incluindo aferição de performance. Interessante, apesar da quilometragem, os veículos estão dentro da garantia.

Treino – Para afinar habilidades e conhecer o processo de produção e montagem dos Mercedes-Benz Classe C e do SUV GLA, ambos de produção prevista para 2016 em nova fábrica em Iracemápolis, SP, empresa selecionou colaboradores contratados na vizinhança e os enviou à Índia.

Ajuste fino – São multiplicadores, na prática os que absorvem as experiências e as transmitem aos outros funcionários da produção. Fábrica foi hábil, levando o grupo a um mercado com similaridade econômica ao Brasil. Embora os processos sejam traçados na matriz, sempre há adequações locais.

Festa – BMW fomenta relações com clientes e futuros com o Ultimate Experience, juntando-os com automóveis de sua marca e circuito bem estruturado para impedir problemas com excesso de entusiasmo. Recente edição, na Fazenda Capuava, SP, fez recordes 750 test drives.

Tempo – Sinotruk Brasil, fábrica de caminhões chineses a ser instalada em Lages, SC, mantém projeto, mas altera prazo alegando momento econômico. Pediu prorrogar prazo ao Ministério do Desenvolvimento, e diz prever operação de montagem ao primeiro trimestre de 2017. Parece difícil.

Brilho – Rodabrill, empresa de produtos para cuidados em automóveis vende Massa de Polir à base d’água e finalizador. Visa reduzir tempo no polir e encerar usando apenas um produto. Diz ser extra fina, não abrasiva. Finalizador garante brilho imediato, dispensando a cera. A R$ 18,90.

Ajuste – Bridgestone fornecerá pneus em medidas 235/65 17, 235/60/18, 235/65/19 e 255/45/20 ao novo SUV Mercedes, o GLC. Agora mais elevado perdeu o ar de camioneta pequena, ganhou aparência impositiva de SUV.

Intervalo – Há um espaço no automobilismo brasileiro de competição, entre o kart e os monopostos para as temporadas locais ou externas. Nova categoria para ocupá-lo, a Fórmula Inter criada pelo investidor Marcos Galassi, é um pacote: locação do automóvel e serviços por corrida – R$ 11.990.

$$ – Idéia é conter custos. Cumprir a temporada custará abaixo das de kart nas categorias superiores, e não é apenas alugar e correr, mas preparar-se para uma carreira. Inicia em 2016, no Campeonato Paulista de Automobilismo.

Aval – Na Academia F-Inter, aulas: mecânica, dados, pilotagem, media trainingmarketing, supervisão de Roberto Pupo Moreno, o Mirim, ex-piloto de Fórmulas 1 e Indy, simpaticamente dito Reitor. Patrono, o sempre louvado Chiquinho Lameirão, referência de pilotagem multimarcas na década de ‘60.

Produto – Automóvel foi projetado e construído em São Paulo, pelo conhecido José Minelli, certificado por universidades, 95% das peças de construção própria no esforço para conter custos. Ford, de quem é o motor utilizado, perde oportunidade de divulgação ao ignorar a iniciativa.

Sem ajuda – Sem apoio, motores são comprados em revendedor, 2,0, 4 cilindros, 16V, injeção direta, 191 cv e 21 m·kgf de torque. Transmissão de Kombi, engrenagens adequadas, 4 marchas. Velocidade final 245 km/h. Pneus Pirelli 8” à frente e 11” atrás, rodas liga leve 13”, de produção própria.

 

Foto Legenda 04 coluna 3415 - F-Inter  Partiu: o I Encontro Nacional Simca Foto Legenda 04 coluna 3415 F Inter

F-Inter, novos carro, categoria, processo

Gente – Jaime Ardila, colombiano, 60, Presidente da GM América do Sul, aposentadoria. OOOO 31 anos na companhia, o trunfo de reerguê-la ao 2º lugar no mercado nacional, de botar ordem no relacionamento com o Sindicato de Metalúrgicos do Vale do Paraíba, os novos desafios ante o cenário atual fizeram a ocasião. OOOO Barry Engle, norte-americano, 51, multivisão, sucessor. OOOO Ex-revendedor, presidiu Ford no Brasil e New Holland em Turim, Itália, larga visão e experiências de mercado. OOOO Não parece bom período para muitos executivos da GM. De fora da companhia; sem compromissos; inserido no meio ambiente por ler e falar correntemente português e espanhol; empresa em época de reduzir custos; parece ungido de poder para largos cortes. OOOO Christof Weber, 49, alemão, responsável pelo desenvolvimento de caminhões Mercedes-Benz, promoção: VP de desenvolvimento tecnológico. OOOO Antenor Frasson, engenheiro mecânico, ex-Volvo, mudança. OOOO Diretor de vendas da DAF, nova fábrica de caminhões no Brasil. OOOO

 

Audi, no Brasil há 80 anos

Apesar de conhecida dos consumidores brasileiros há pouco mais de 20 anos, a Audi tem oito décadas de intimidade com o país. Chegou aqui em 1935 com elevada dose de história. O barão Claus Detlov Von Oertzen, então diretor geral da Auto Union na Alemanha, deixa o posto, sai da Alemanha, e é nomeado como importador da marca para todos os mercados abaixo do equador, incluindo América do Sul, África do Sul, Ásia e Austrália.

Aqui montou, em sociedade com outros três compatriotas uma certa Auto Union Brasil Ltda. Tinha sede no Rio de Janeiro, escritório na Rua México, oficinas na Bento Lisboa e Riachuelo. Auto Union era o grande guarda-chuva sob o qual estavam as marcas Audi, DKW, Horch e Wanderer. Negócio correu bem, solidificando-se na medida em que as marcas se tornavam conhecidas, em especial a dos pequenos carros. Wanderer, médio e Horch, grande e luxuoso, faziam presença à altura dos concorrentes dos EUA dominando o mercado. Literatura de época diz ter vendido 800 unidades até o período da guerra, quando cessaram remessas e a empresa foi fechada pelo governo federal ante o fato de ter alemães em sua composição.

Reabriu enxutamente com novos controladores em 1947. Nos efeitos do conflito bélico Horch, Wanderer e Audi se tornaram apenas registros históricos e tecnológicos, depuradas pela operação de sobrevivência.

Marca reviveu em 1965, quando os carros Auto Union/DKW tiveram problemas no inverno suíço, e a Volkswagen, então sua controladora, decidiu encerrar o histórico caminho dos motores com ciclo de 2 tempos. Para colocar um novo motor de 4 tempos, produzido às pressas, mudou o nome do produto. Em lugar de Auto Union DKW F102, foi transformado em Audi 60. Daí em diante foi a marca sobrevivente, em grande escala. Seu emblema com as quatro argolas entrelaçadas relembra a base da Auto Union — a união de quatro fábricas.

 

Foto Legenda 05  coluna 3415 -Audi type 225  Partiu: o I Encontro Nacional Simca Foto Legenda 05 coluna 3415 Audi type 225

Audi type 225 de 1935, em cenário desejado por todos os carros de todas as marcas, o gramado do Pebble Beach Concours d’Elegance

RN

rnasser@autoentusiastas.com.br
A coluna “De carro por aí” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

 

Sobre o Autor

Roberto Nasser
Coluna: De carro por aí

Um dos mais antigos jornalistas de veículos brasileiros, dono de uma perspicácia incomum para enveredar pelos bastidores da indústria automobilística, além de ser advogado. Uma de suas realizações mais importantes é o Museu Nacional do Automóvel, em Brasília, verdadeiro centro de cultura automobilística.

Publicações Relacionadas

  • REAL POWER

    Qual a marca do motor a ser usado na F-Inter? Achei a velocidade final um pouco exagerada.

    • Roberto Nasser

      É o Ford Sigma 2.0

  • Mr. Car

    Simca…Um Chambord foi o grande “culpado” por fazer deste que vos escreve um apaixonado por essas máquinas de quatro rodas, paixão começando lá pelos meus cinco anos de idade, absolutamente fascinado que era por aquele lindo carro branco e vermelho do meu avô. Sou capaz de formar a imagem deste carro na minha frente como se fosse ontem, apesar de 45 anos passados. Em detalhes. Perdi a conta de quantas e quantas horas passei sentado ao seu volante, brincando de dirigir, fora os passeios, as viagens…De todos os nacionais antigos que fazem meu coração bater mais forte, o Simca é o que faz bater de forma mais forte, diferente, especial.
    PS: Nasser, passei também muito tempo diante daqueles Simca do Museu do Automóvel, em Brasília, he, he!
    PS2: quem quiser ver um Simca exatamente como era o do meu avô, basta digitar “Restauração Simca Chambord 1965” na barra de procura do “YouTube”.

  • Mr. W

    Excelente texto! Como sempre, português impecável! Mabruk!

    • Roberto Nasser

      Obrigado pela remuneradora observação. Meu árabe é curto e o dicionário não alcançou o mabruk. Diga-me. Grato

  • Aeroman66

    Nasser, participo de um grupo de amigos via WhatsApp e Facebook que tem Aero-Willys, Itamaraty ou apenas admiram a marca. Estamos tentando organizar um clube e um possível encontro no futuro para preservar sua historia.
    Por enquanto apenas dividimos informações e ajudamos uns aos outros na manutenção deles. Alguns já se conhecem pessoalmente
    Esperamos em breve trazer este projeto para a realidade 😀

    • Roberto Nasser

      Gostaria de estar nele. Da marca o Museu Nacional do Automóvel tem três: 62, 63/64, e a limo executiva, sóbria em seus 10 mil km rodados.

      • Aeroman66

        Nasser, será uma honra ter voce no grupo, e futuramente no clube. Mande me seu numero de celular no email, e eu adiciono voce no whatsapp:
        aerowillys2600@gmail.com.

        No facebook é facil encontrar o grupo, estamos como Willys Aero. Adiciono o link de casa, no trabalho tenho restrições para acessar esse site

  • CCN-1410

    O Renault Kwid também poderia vir com acabamento esmerado e motor mais potente como opcional, porque existem compradores que gostam de carros pequenos, bem acabados e relativamente potentes.

    E daí se interferir com o Sandero. O importante não é vender e lucrar?

    • Roberto Nasser

      Com certeza virá. A tendência do mercado é a sua demanda: diminuir, sem perder rendimento ou sacrificar o conforto.

  • WSR
    • Roberto Nasser

      Já foi. Hoje sobrevive, numa espécie de UTI industrial/comercial, apenas a versão simplificada, equivalente à Campus, último do trabalho do Cássio Pagliarini, hoje diretor da Hyundai.

  • Mingo

    O do seu avô era um Tufão Gelo com teto Vermelho Catchup metalizado? Até para dar nome às cores a Simca era genial.
    Dos antigos nacionais, os Chambord, Rallye e Jangada são os meus prediletos!

    • Mr. Car

      Os nomes das cores não sei, he, he! Mas era assim, e com interior vermelho.

  • RoadV8Runner

    Muito bacana o encontro de Simca, gosto muito do modelo.

  • Roberto Nasser

    Creio aplicará uma grande fenda na base do mercado, dependendo sobretudo da dobradinha conteúdo e preço. Afetar o Duster ? Não visualizo. Propostas e preços muito distantes. o Kwid será um urbano charmoso. O Duster, um SAV com jeito de macho man.