Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas ALCKMIN LANÇA O MOVIMENTO PAULISTA DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO – Autoentusiastas

Programa conta com envolvimento da sociedade civil e é um desdobramento do decreto que determinou a elaboração de medidas para diminuir o número de vitimas do trânsito.

O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, lançou nesta quinta-feira, 20, no Palácio dos Bandeirantes, o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito. O comitê constituído por nove secretarias é responsável por construir um conjunto de políticas públicas para reduzir o número de vitimas de acidentes de trânsito no Estado. Com envolvimento da sociedade civil e com a integração dos trabalhos das instituições que compartilham as responsabilidades do tema, serão realizadas ações com objetivo de reduzir pela metade as vitimas fatais até 2020. O programa é um desdobramento do decreto nº 61138/2015, que determinou a elaboração de medidas para diminuir o número de vitimas do trânsito.

“Estamos instalando hoje um grande trabalho, um conjunto de medidas para diminuição de acidentes de trânsito. Já temos hoje um número menor de mortes em acidentes de trânsito, mas podemos reduzir enormemente. Se salvamos uma vida já valeu a pena, mas tenho certeza que este trabalho vai salvar milhares de vidas no Estado de São Paulo”, disse Alckmin.

O comitê gestor é coordenado pela Secretaria de Governo e composto pelas secretarias da Casa Civil, Segurança Pública, Logística e Transportes, Saúde, Direitos da Pessoa com Deficiência, Educação, Transportes Metropolitanos e Planejamento e Gestão, por meio do Departamento Estadual de Trânsito – Detran.SP.

 

O Governador de  São Paulo, Governador lançou   Programa Movimento Paulista de Segurança no Trânsito. 20/08/2015, São Paulo - Eduardo Saraiva/A2IMG

O Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, lançou Programa Movimento Paulista de Segurança no Trânsito (foto Eduardo Saraiva/A2IMG)

“No mundo inteiro, a primeira causa de morte é devido a problemas no coração, a segunda causa é o câncer e a terceira não é doença, são causas externas. No Estado de São Paulo, reduzimos os homicídios, que há dez anos eram a primeira causa externa de mortes. E a maior causa hoje é acidente rodoviário, por isso é fundamental esse trabalho, unindo todos”, comentou Alckmin.

A sociedade civil tem demonstrado interesse em participar das ações do programa. O movimento já conta com a colaboração de mais de 20 parceiros, entre eles a Ambev, a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas (Abraciclo) e a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Para iniciar os trabalhos, o grupo tomou como base os pilares estratégicos da ONU – Organização das Nações Unidas, para melhorar a segurança viária global. Estão contemplados a gestão da segurança viária, vias e veículos mais seguros, usuários mais conscientes e atendimento pós-acidente. Com essas diretrizes postas, o Movimento mapeou as ações já realizadas pelos setores, e agora vai coordenar e promover as alterações que permitam eficiência na busca por atingir a meta estadual.

Está sendo elaborado um banco de dados que reunirá informações de acidentes de trânsito de diversas fontes. Diante dos indicadores precisos, será possível estabelecer políticas públicas de segurança com maior precisão e eficácia, com consequente benefício a toda a sociedade. Ao mesmo tempo estão sendo priorizadas as seguintes ações:

– Campanhas educativas de conscientização da sociedade, e qual a sua responsabilidade na redução do problema.

– Parcerias com os municípios, dando apoio para que se envolvam na divisão administrativa do Sistema Nacional de Trânsito, como estabelece o Código de Trânsito Brasileiro. Reafirmar a importância das cidades nesse processo de redução de índices de óbitos, e estimula-los com incentivos e reconhecimento público.

– Mapeamento da infraestrutura viária para eliminar os pontos críticos, como implantação de passarelas, iluminação de áreas, redutores de velocidade, dispositivos de segurança e trevos em nível.

– Implantação do primeiro Centro de Trauma do Estado, localizado na capital, que contará com a expertise do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Já foram destinados R$ 37 milhões na desapropriação do antigo Hospital Panamericano e a fase atual é de desenvolvimento de projetos arquitetônicos para a reforma e adequação do espaço físico. O valor estimado das obras é de R$ 80 milhões.

– Ampliação estrutural e técnica do GRAU (Grupo de Resgates e Atenção às Urgências e Emergência), a “tropa de elite” do resgate médico de São Paulo. Com investimento de aproximadamente R$ 7 milhões, serão implantadas oito novas bases em pontos estratégicos do território paulista. Ainda neste semestre, três delas já estarão em operação nas cidades de Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Presidente Prudente. Cerca de 60 profissionais, entre médicos e enfermeiros, já estão em treinamento.

-. Os hospitais estratégicos definidos com base num mapeamento dos locais com maior índice de acidentes passarão por melhorias quanto à capacidade técnica e clínica, tendo em vista a garantia de atendimento pleno ao paciente politraumatizado.

– Articular conteúdo no currículo oficial escolar e desenvolver curso virtual sobre educação para o trânsito, destinado aos alunos e aos professores da rede estadual, via Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores do Estado de São Paulo “Paulo Renato Costa Souza” – EFAP.

– Desenvolver ações de conscientização e prevenção de acidentes nas escolas estaduais durante os finais de semana, por meio do Programa Escola da Família, atendendo toda a comunidade.

– Ampliar o número de Operações Direção Segura em todo o Estado e desenvolver uma estratégia de integração com os meios de comunicação, criando uma mídia de trânsito consciente, aumentando a presença e a probabilidade percebida no cidadão.

Segurança viária no mundo

A Organização Mundial de Saúde – OMS estimou que em 2013 a população mundial era de 6,79 bilhões de habitantes e a frota de veículos automotores de 1,53 bilhões (Global status report on road safety, 2013, World Health Organization – WHO). Os acidentes de transporte terrestre provocam 1,24 milhão de mortes por ano (18 mortes/100 mil habitantes) e 20 a 50 milhões de feridos, resultando em 16 a 40 feridos para cada morto); A situação é grave e a OMS aponta tendência de piora, em especial nos países de baixa e média renda, que têm 84% da população, 53% da frota e 92% dos óbitos.

A “Década de Ações para Segurança Viária” de 2011-2020 implantada pela ONU (Resolução ONU n.º 64/255, aprovada em março de 2010) tem objetivo de estabilizar e reduzir as mortes por acidente de transporte terrestre em todo o mundo, em especial nos países de média e baixa renda.

A ONU aprovou uma resolução em 2014 (“melhorar a segurança viária global”) e incentiva a inclusão da segurança viária na agenda de desenvolvimento pós-2015, somando-se aos Oito Objetivos Globais do Milênio, da ONU: acabar com a fome e a miséria; educação básica de qualidade para todos; igualdade entre os sexos e valorização da mulher; reduzir mortalidade infantil; melhorar saúde das gestantes; combater a AIDS, a malária e outras doenças; qualidade de vida e respeito ao meio ambiente e; todos trabalhando pelo desenvolvimento. Os custos mundiais decorrentes de acidentes de trânsito são estimados pela OMS em aproximadamente US$ 518 bilhões por ano.

Segurança viária no Brasil

Para 2013, a população do Brasil foi estimada em 201,03 milhões (IBGE; 3,0% da mundial), a frota em 81,60 milhões (Denatran; 5,3% da mundial) e a quantidade de condutores habilitados entre 53 e 56 milhões (Denatran, 2007, projeção para 2013).

No país, em 2013, os acidentes de transporte terrestre mataram 42.266 pessoas (Datasus, em 13/05/2015) e feriram outras 169.901, valores crescentes, em relação aos anos anteriores. Isso representa um índice de 21 óbitos por 100 mil habitantes. Em termos de vítimas fatais, esse cenário se configura como a segunda maior causa externa de mortes, atrás apenas dos homicídios, com 56.804 casos.

Segurança viária no Estado de São Paulo

Para 2013, a população do Estado de São Paulo foi estimada em 43,66 milhões (IBGE; 22% do Brasil), a frota em 25,58 milhões (Detran; 31% do Brasil) e a quantidade de condutores habilitados em 21,33 milhões (Detran; estimada em 38% do Brasil).

No Estado de São Paulo, em 2013, os acidentes de transporte terrestre provocaram 6.564 mortes e 38.140 internações de residentes do Estado, ambos menores do que no ano anterior.

Esses 6.564 óbitos correspondem a uma taxa de 15 mortes por 100 mil habitantes, sendo 27% pedestres, 24% motociclistas e 20% ocupantes de automóveis, que perfazem 71% dos óbitos. Os 29% restantes distribuem-se entre os transportados por bicicletas, triciclos, camionetes, ônibus, caminhões, animais, bondes, veículos agrícolas e demais veículos motorizados não identificados.

Em 2013, homens foram 82% das vítimas fatais, enquanto representam 49% da população total do Estado. Nesse mesmo ano, 44% dos óbitos ocorreram na faixa entre 20 e 39 anos, apesar dessa faixa etária representar apenas 33% da população (Projeção do IBGE para 2013 e dados de óbitos do SIH/Datasus).

Comentário do editor: Uma bela iniciativa, clara, sensata, sobretudo necessária, apartidária, técnica, nada de conotação ou viés socialista à PT (esse cancro nacional), nada de terrorismo contra o automóvel, nada de bajular ciclistas, além de uma informação soberbamente redigida que não precisou se editada pelo Ae.

Ae/BS

Fonte: Assessoria de Imprensa do Governo do Estado de São Paulo

 

Sobre o Autor

AUTOentusiastas

Guiado por valores como paixão, qualidade, credibilidade, seriedade, diversidade e respeito aos leitores, o AUTOentusiastas desde 2008 tem a missão de evoluir e se consolidar como um dos melhores sites sobre carros do Brasil. Seja bem-vindo!

  • Mingo

    Me desculpe Bob, mas tanto o Haddad quanto esse governador me dão ânsia de vômito quando eu vejo suas caras…
    Aliás, a classe política brasileira se tornou um verdadeiro chiqueiro. Nada se salva.

    • Mingo
      Numa boa, acho que você precisando consultar um oftalmologista…

      • Mingo

        Tudo bem, mas continuo achando que esse sujeito está fazendo um péssimo trabalho como governador. Realmente não está fácil viver numa cidade governada por um maluco como o Haddad e um governador letárgico como o Alckmin, que tem um discurso totalmente demagógico, mas na prática reluta em tomar medidas concretas e efetivas em relação ao abastecimento de água em São Paulo, nas greves intermináveis das escolas estaduais (desde o Montoro essa turma vem sucateando o ensino do nosso estado) e uma insegurança como nunca se viu, passando pelos crimes como latrocínio, estupro e roubo, até organizações criminosas (PCC) que estão deitando e rolando por aqui…

        • Fabio Toledo

          Concordo com relação ao PCC, por mim o governo poderia travar uma guerra! Mas isso mancha demais a imagem política… Já vimos isso acontecer! O clima deixa o cidadão em pânico!

        • André K

          OK! Direito seu criticar.
          Mas, apenas imagine como estaríamos se desde 1982 o Governo do Estado tivesse sido sempre PT. Para mim, é o típico caso do menos pior. Não é o que eu queria, mas é infinitamente menos pior do que o PT ou outros ainda piores (existem… PSOL, PSTU…).

        • Domingos

          Mingo, o PSDB funciona assim: alguém precisa tirar qualquer pessoa que realmente pegue o PT pelo colarinho e combata o marxismo cultural.

          Esse alguém é um partido água com açúcar, com dinheiro e tradição que consegue conquistar votos.

          Tal partido, o PSDB, meramente então se limita a fazer um governo de deixa como está. Nem melhora e nem piora, as questões ficam as mesmas de sempre.

          Isso, claro, é muito mais sano que as medidas que o PT faz. No entanto, sim, será sempre um governo de atitudes mornas.

          Se o PSDB tivesse pulso, não seria privilegiado em ser o falso-inimigo do PT.

          Isso se chama HEGEMONIA e só vai ser quebrada quando elegermos alguém de fora do jogo.

          • CorsarioViajante

            Perfeita leitura. Se o PT se esforça para “fazer o mal”, o PSDB naõ se esforça em absoluto. SP é um estado que está largado, sem água, sem educação, sem segurança, sem infra-estrutura. E quando tem, da forma errada, veja o rodoanel, todo errado, desde o limite de velocidade, até as entradas e saídas, até a cobrança de pedágio etc.

    • Domingos

      Com certeza ele não provoca nem de longe a mesma ânsia que o Haddad, mas também dá. Especialmente pela falta de pulso nesse momento histórico que ele e seu partido estão tendo.

      Aliás, já se sabe hoje que são falsos-inimigos.

      O alinhamento do de discursos com essa coisa da segurança no trânsito me parece bem suspeito. Vamos ver se não baixam velocidades também.

      O Brasil precisa votar conservador.

    • Fabio Toledo

      Colocar o Alckmin no mesmo saco do Haddad é a completa falta de noção do que temos na política brasileira.
      Este movimento já retrata a diferença que há comparando com as medidas arbitrárias que só estão complicando a vida do paulistano!

      Eu votaria tranqüilamente nele para presidente, não votaria no playboy (leia-se Aécio), mas no Alckmin tranqüilamente!

      • Mingo

        Fabio, até aquela gravatinha azul bebê que ele invariavelmente amarra no pescoço é cuidadosamente calculada.
        Eu não votaria nesse governador para presidente de jeito nenhum. O restante dos brasileiros não merecem passar o que nós temos passado nas últimas décadas de PSDB.
        Escolas sucateadas, saúde pública falida, segurança pública suspeita…
        Só para você ter uma idéia, mês passado eu tive hóspedes em casa, que no final do mês representaram um aumento de 4 metros cúbicos de água acima da minha média nos últimos 12 meses. Tive que pagar uma multa por isso. Como podemos aceitar que um cara desses autorize nos multar apenas porque em 1 mês nossa média de consumo aumentou um pouco. E ele e seus antecessores que não fizeram NADA para evitar o colapso dos mananciais???

        • Domingos

          Mingo, sempre lembrando que não há comparação hoje entre partidos abertamente de esquerda e qualquer outro – como o PSDB.

          A questão da água e, na minha opinião, dos pedágios foi realmente ruim nesse governo. Nada, no entanto, comparado às medidas e efeitos de um petista.

          Pagar extra pelo aumento de consumo é uma coisa. Pagar 2 vezes na mesma conta de luz, mesmo com redução do consumo, que é absurdo mesmo.

        • Fabio Toledo

          “Escolas sucateadas, saúde pública falida, segurança pública suspeita…”
          Você tem toda a razão, só há um porém, ainda assim é o que há de melhor no país, estou enganado? Quanto à questão da água, concordo.

        • Andre Sousa

          Primeiramente, muito boa essa matéria publicada aqui no Ae, assim como os comentários do editor, ao final, tecendo uma comparação com esse cancro vermelho que assola o país. É bem por aí.
          Com certeza, se fosse algum petista que tivesse no poder, estaria muito pior, não há nem o que se comparar. Iriam seguramente estar fazendo luta de classe com a questão da água do tipo “está faltando água porque os ricos cada vez mais desperdiçam lavando seus carros, roupas e não pensam no próximo, etc, etc…”. Já teriam pensado em algum tipo de racionamento mais pesado, principalmente em regiões ricas para exercitar suas ideologias. Com a questão de segurança no trânsito, a matéria seguramente estaria muito diferente desta, estaria enforcando o automóvel em praça pública e exaltando a bicicleta, restrições e outras coisas típicas dessa turma. Basta ver o que acontece agora em São Paulo e se tem uma idéia. A comparação esta aí, não precisa nem pensar muito.
          Os pedágios são caros em São Paulo? Sim. Poderiam ser mais baratos: com certeza. Mas pelo menos, as estradas são boas e investe-se pesadamente, existe projeto. Vejam o Rio Grande do Sul, governado por essa turma petista, onde se paga um valor comparável aos pedágios de São Paulo para rodar em estradas de pista simples, com a morte passando ao lado. Ainda acho que poderia ser feito um trabalho de redução de tarifas de pedágio (e/ou do IPVA), mas esse não é o pior dos cenários.
          Quanto à questão da segurança, lembro que isso é um problema agravado pelas nossas leis e, principalmente, pela turma dos “direitos humanos”. Se o governador pegasse mais pesados, seria questão de tempo até ser massacrado pelas críticas e pouco poderia fazer para segurar a bandidagem “em cana”. Ou não caem em cima da polícia com os dois pés no peito toda vez que “uma vítima da sociedade” morre em um tiroteio? Sem falar nas leis nacionais brandas que logo devolvem às ruas bandidos e menores de idade…
          Voltando à matéria, vamos esperar se não vem estupidez dentro desse plano (por exemplo, reduções descabidas de velocidade), mas o que está escrito aí não indica isso.

          • Domingos

            “está faltando água porque os ricos cada vez mais desperdiçam lavando seus carros, roupas e não pensam no próximo, etc, etc…”. Já teriam pensado em algum tipo de racionamento mais pesado”

            Exatamente. Tem que se ter a noção que cair no outro lado será pior, com provas históricas desde o nascimento da esquerda como a conhecemos durante a revolução francesa.

      • Roberto

        Eu concordo plenamente com você. Achei bem realista as propostas que ele fez na última vez que concorreu a presidente, enquanto o Aécio eu não votaria nem para síndico…

        Achei bem interessante este conjunto de propostas para melhorar o trânsito. Gostaria que me corrigissem se eu estiver enganado, mas acho que é a primeira vez que um comitê com participação do governo fala sobre incluir educação para o trânsito no currículo escolar das escolas estaduais. Só espero que estas idéias não fiquem só no papel.

    • Mingo
      Quanto ao chiqueiro, assino embaixo.

  • Teu verdadeiro pai

    Propaganda estatal?

    • Meu pai me ensinou a diferenciar propaganda de notícia, imbecil! Aprenda antes de falar asneira.

      • Nilton Lopes

        Eh teu verdadeiro pai, não prestou atenção não . O texto é todo jornalístico (e prometer fumaça qualquer um promete, tipo “qual a ação para se descobrir os autores da chacina governador? Vou oferecer uma recompensa a quem entregar os bandidos…), só o comentário do editor é bandeiraço. Quer bandeirar Teu Verdadeiro Pai, faça o seu blog!

    • Matheus Sabadin Bueno

      Propaganda estatal? Sim…

    • Viajante das orbitais

      Levando em consideração o modelo estatal, se o bom cidadão dever criticar o que não presta para coibi-lo, deve também elogiar o que presta para incentivá-lo.

      Seu comentário não dá muita brecha para definir se és um idealista anarquista, um petista ou um mero imbecil.

  • Daniel S. de Araujo

    Pela primeira vez vi um governo se preocupar com a infraestrutura viária como forma de reduzir acidentes de transito. Tomara que as iniciativas nesse sentido saiam do papel.

    PS: Não sou fã nem admirador do Alckmin, mas temos que congratular as boas iniciativas e incentivá-las.

  • Fabio Toledo

    Lembrei da época do Dib em SBC, havia um projeto de educação no trânsito para tentar melhorar a imagem do motorista bernardense, que aliás é das piores! Lógico que o projeto sumiu assim que o PT entrou!

  • Marcelo R.

    “Comentário do editor: Uma bela iniciativa, clara, sensata, sobretudo necessária, apartidária, técnica, nada de conotação ou viés socialista à PT (esse cancro nacional), nada de terrorismo contra o automóvel, nada de bajular ciclistas, além de uma informação soberbamente redigida que não precisou se editada pelo Ae.”

    Bob,

    Espero que a execução seja tão bem feita quanto a redação do texto.

    Um abraço!

  • anonymous

    Resumo implícito do texto: Logo vêm mais radares…

    • CorsarioViajante

      E Rodovia dos Bandeirantes a 90 km/h… rs

  • thelucs

    Acho penoso o viés político que toma conta do Ae a cada vez que surge uma reportagem em que visões políticas possam ser exploradas.
    Tudo bem que é um site e pode emitir opinião, mas a minha visão, como leitor, é de que vocês deveriam exibir os fatos sem se posicionar tão exageradamente.
    De qualquer forma, lembrem-se: essa é só minha opinião!

    • Fat Jack

      Não sei se você reside na capital paulista, se não residir entendo seu estranhamento e vale o esclarecimento: a prefeitura da capital tem implantado obras e atitudes na base da correria e sem estudos – quando tem em nada refletem os fatos reais, como o absurdo de dizerem que um veículo precisa de 170 metros de frenagem vindo de 90 km/h até a imobilidade – e que têm impactado de forma clara, forte e negativa sobre a vida dos (não só motoristas) paulistanos. Justificando pois o grande índice de rejeição do atual prefeito.

  • Ricardo Talarico

    Torço para que não fique apenas no papel e nas promessas.

    Em qualquer discussão sobre trânsito, eu insisto que um dos grandes problemas da lentidão e dos acidentes são responsabilidade dos péssimos motoristas que temos.
    Também deve ser feita, desde os bancos escolares, a conscientização do papel de todos – pedestres, ciclistas e motoristas – no compartilhamento das vias.

  • Felipe

    A proposta é louvável… Espero que saia do papel, e que não seja revertida em mais “Indústria da multa”.

  • Rubergil Jr

    Algumas iniciativas são louváveis, mas este governo de SP não me engana.

    Com certeza usarão estes argumentos de conscientização para justificar os limites de velocidade ridículos, ou abaixá-los ainda mais, à la Haddad. Até porque os maiores absurdos que eu vejo sobre limites de velocidade estão nas rodovias estaduais de SP, tanto ou mais até que a redução nas marginais Exemplos:

    – Descida da Imigrantes a 80 km/h.
    – Rodovia Zeferino Vaz (SP-332) entre Campinas e Paulínia a 80 km/h (e com radar móvel todo dia, verdadeiro caça-níquel).
    – Rodovia Luiz de Queiroz (SP-304) a 90 km/h no trecho de Americana / Santa Barbara D’Oeste.
    – Rodovia Washington Luiz (SP-310) a 80 km/h no trecho de Rio Claro.
    – Rodovia dos Tamoios (SP-99) duplicada com limite de 80 km/h, alguns trechos de 60 km/h e descida da serra com trechos de 30 km/h (!) e, claro radar na descida e, pasme, na subida também.

    E poderíamos listar outros mais…

    Ninguém é a favor de descer o pé nestes trechos, mas podiam ser bem mais realistas. Mas aí a grana fácil da multa acaba…

    Além disso, mesmo as rodovias estaduais privatizadas ainda apresentam problemas, como sinalização precária, asfalto irregular, pontes com verdadeiros degraus (leia-se Rodovia Dom Pedro SP-65). Pelo preço do pedágio, espera-se um serviço melhor; tome-se como exemplo a AutoBan (Rodovia dos Bandeirantes e Anhangüera, praticamente perfeitas).

    O Alckmin e o DER-SP são quase tão nojentos como Haddad e a CET em matéria de trânsito.

    • Viajante das orbitais

      Querer tomar AutoBan como modelo de rodovia para países do terceiro mundo é meio irrealista.

      Alckmin pode não ser o ideal, mas perto da corja do PT ele é muito melhor.
      Você acha que o Brasil estaria assim se o lulaladrão tivesse perdido para ele ?

    • guest

      Infelizmente – sem pretender comparar o governador com o prefeito – o que vemos acontecer diuturnamente é que inúmeros pretextos são utilizados para, ao final, justificar o patrulhamento aos motoristas (leia-se radares/pardais).
      O saudoso Ardevan Machado era quem “botava o dedo na ferida”, apontando os locais críticos de acidentes e suas causas. Mas é muito mais cômodo rebaixar os limites de velocidade, como se velocidade matasse, e neste particular o que acontece nas rodovias paulistas em pouco difere do que ocorre nas ruas paulistanas (além dos exemplos citados pelo colega, tente ir a Amparo saindo de Bragança Paulista… uma profusão de radares!).

    • CorsarioViajante

      Perfeito! moro na região de Campinas e a Zeferino Vaz é uma vergonha mesmo.
      A Imigrantes/Rangoni, não contente com o trecho tartaruga no túnel, ainda “presenteia” com limites de 60 km/h no novo viaduto e 80 km/h no trecho de serra, com o famoso radar pegadinha de 50 km/h num retão antes de uma curva na serra.
      Pior é um trecho da D. Pedro I onde tem uma passarela e, embaixo da passarela, uma “passagem de pedestres” com redução para 80 km/h (contra os 110 km/h do resto do trecho) e, lógico, um radarzão.
      Pior é ver os repetidos erros grotescos de concessionárias como a Rota das Bandeiras e ficar tudo por isso mesmo. Alguns dos erros: tachões na pista (ilegal), pintar faixas com tinta preta que de manhã ou à noite ficam brancas (ilegal também), onde está a fiscalização?
      O Alckmin já mostrou que é ótimo de discurso, mas a realidade, esta teimosa, joga contra… Exemplos não faltam, e acredito que esta iniciativa também vai ser mais um deles.

  • Rubergil Jr.
    Não tenho nenhum motivo para desmerecer a iniciativa, que é bem mais abrangente do que a questão da velocidade. Votei no Alckmin na primeira e na segunda eleição e não me arrependo.

    • Magrathiano

      “Votei no Alckmin na primeira e na segunda eleição e não me arrependo.” Carrocrata não se arrepende mesmo. Não anda de metrô, nem CPTM pela cidade e quer que o resto se exploda, até os ônibus metropolitanos que rodam pela grande São Paulo são uns lixos. Votar no Alckmin e dizer que não se arrepende é o maior absurdo que alguém pode dizer.

  • Lucas Mendanha

    Se não for igual aquela obra da Sabesp que foi buscar água em rio seco, já tá de bom tamanho…

    hehehe

  • Lucas Mendanha

    De fato. Quando morei em Vila Velha e Vitoria, usava mais a bicicleta durante a semana, por ser mais rápido, econômico e, de quebra, saudável…

    Em diversas ocasiões tive que parar a bicicleta para não atropelar pedestres que cismavam em andar na ciclovia, devidamente marcada, com pintura vermelha, faixas de rolamento, e desnível em relação ao passeio, este destinado aos pedestres…

    Certa vez, tive um acidente com um skatista, onde bati de frente com ele: por conta de um ponto de ônibus, a ciclovia fazia uma “chicane”, e logo após, no passeio, ambulantes montavam uma feirinha de lanches. Nesta segunda curva, após a chicane, eu dei de frente com o garoto, vindo no meio da ciclovia e mexendo no celular…por conta das barracas logo em cima do limite da ciclovia, não tive como tirar fora e bati de frente com ele. Voou cada um para um lado.. Ainda bem que não tivemos ferimentos graves… E não vi o garoto com antecedência justamente por conta das barracas, que tampavam a visão.

    Enfim, para o bom uso dos recursos, é necessário o bom senso de todos. E infelizmente isso peca na nossa população atual..

    Bom senso este que vai até na aceitação das ciclovias..ou será que inaugurou hoje, amanha ela vai estar lotada de ciclistas? Hábito e cultura não muda da noite para o dia…

    • Lucas Medanha
      Ciclovias (decentes) sim, ciclofaixas, não.

      • Fat Jack

        Perfeitamente Bob…, penso exatamente desta forma. E como é difícil das pessoas vislumbrarem a gigantesca diferença entre elas…

  • André Castan

    E o básico que é ter um pavimento de boa qualidade nem se comenta. O plano já começou torto.

  • Mingo
    É, passamos anos excelentes com o PT…

  • Matheus Sabadin Bueno
    Então você repetiu a asneira de desse cara aí em cima? Inacreditável, você não saber a diferença entre notícia e propaganda. É como dizíamos no Rio, o mal da Central (estrada de ferro) é o mesmo do Brasil: é passageiro…

  • Lucas

    Eu fico estarrecido como tem gente por aí dirigindo distraidamente. É o tempo todo q se vê gente fazendo lambanças de todo tipo no trânsito. Não dão luz baixa, não sinalizam quando deveriam, não olham retrovisor, invadem preferencial, invadem a contramão, não sabem fazer rotatória, param de qualquer jeito. Me admira como não dá mais acidente. E os pedestre também, com essa proliferação de smartphones, andam por aí sem o menor cuidado.

    Espero que essas ações de conscientização e educação no trânsito saiam do papel e surtam efeito. Acho que isso é o que mais falta. Precisamos ter melhores motoristas, ciclistas e pedestres no trânsito. Tendo isso, o resto vem a reboque.

    • CorsarioViajante

      FIco bobo de ver tanto pedestre andando olhando o celular, inclusive para atravessar rua! Pior ainda se for com fone de ouvido.

    • CCN-1410

      “Articular conteúdo no currículo oficial escolar e desenvolver curso virtual sobre educação para o trânsito, destinado aos alunos e aos professores”.

      Eu acho isso vital, desde que se prepare os professores, porque muitos deles cometem infrações mesmo sem saber.

  • Thales Sobral

    Em nenhum momento vi o termo “manutenção da pavimentação”. Ou o asfalto de São Paulo é sempre muito bom (o que conheço realmente é – Bandeirantes, Anhanguera, D. Pedro I, Washington Luís – mas será que nas não pedagiadas o nível é o mesmo?), ou como sempre o pessoal esquece do item mais básico? Parece o pessoal que compra carro com tantos airbags, ABS, ESP, e tantas sopas de letrinhas, para depois rodar com pneu careca, palheta do limpador gasta etc…

  • Félix

    Precisa tornar o aprendizado da direção em algo sério. Meu filho acabou de tirar a carteira: quase 4 meses de curso e aulas e tudo isso para fazer uma prova de baliza entre 2 varetas e dar uma volta em 1ª e 2ª marchas? Algo está muito errado nesse processo!

  • Félix

    Gosto muito do Ae, menos quando se esquece do que nos une (o autoentusiasmo) e fica nesse viés político. Dá para discutir segurança sem falar nessa briga de cegos (entre petistas e tucanos).

  • Viajante das orbitais

    Exemplo de obra bem feita e bem pensada:

    http://globotv.globo.com/rpc/parana-tv-2a-edicao-curitiba/v/area-de-escape-ajuda-evitar-acidentes-em-rodovias/3683775/

    Obra privada. Muitas pessoas criticam privatizações mas não se dão conta que o Estado mais cobra do que devolve. Ineficiência não tem vez no livre mercado. O nosso governo coíbe indústrias, coíbe pequenos e grandes empresários com altas taxas de impostas e a desculpa de agir em prol do bem de todos, do fortalecimento nacional, mas importa “médicos” e haitianos para tomar a vaga da mão de obra brasileira.

    Se há uma coisa que funciona bem, e é a arrecadação de impostos.

    Se trabalhamos quase metade do ano para pagar impostos, sem os impostos, receberíamos quase o dobro do que recebemos de salário.

    Agora vem a reflexão:

    a polícia te atende bem e cumpre suas necessidades ou você muitas vezes tem que recorrer à segurança privada ?

    a educação pública é boa ou você tem que pagar por uma escola onde seus filhos recebam boa educação ?

    a saúde é boa ? você confia no SUS ou paga particulares, tem plano de saúde e junta dinheiro para emergências ?

    a justiça é eficiente ou você precisa gastar com bom advogados brigando dentro de um sistema letárgico ?

    Por que então pagamos metade de todo nosso dinheiro por serviços que não usamos de tão ruins que são ?

    Por que os que estão no poder tem tantas regalias a seu favor quando nós é que deveríamos ser os beneficiados ?

    Por que tantas secretarias e tantos cargos, empregos e burocracia para coisas que ninguém dá a mínima ? Você é a favor de gastar dinheiro para imbecis criarem kit gay ? Você é a favor de bancar esses “estudiosos” de araque que só servem para aumentar o gasto da união e criar políticas ineficientes sem nenhum efeito benéfico para você mas altamente eficientes em tirar seu dinheiro ?

    Você é a favor de algumas dezenas de imbecis decidirem o que pode e o que não pode no país na maior mordomia e estabilidade ?

    Você é a favor de uma classe altamente privilegiada como os servidores públicos que ganham muito bem mas não tem compromisso nenhum com a eficiência ?
    Afinal, os servidores públicos existem para nos servir…como podem então eles terem tantos poderes sobre nós e não o contrário ?

    Você é a favor da burocracia imensa que aqui impera, onde o sistema jurídico é tão grande e complicado que não há consenso nem entre os profissionais imagine então para o cidadão comum. Sistema em que não há muita certeza, onde o juiz (um grande estudioso da bíblia do estado que goza de altíssimo poder e estabilidade) dá a lei segundo sua interpretação. Certeza só há a que o poder do estado é maior que qualquer liberdade sua.

    Eu acho que não vale muito a pena não. Até por que, atualmente, esse dinheiro está indo para políticos incompetentes e desonestos.

    Quem ganha eleição não é economista, não é médico, não é engenheiro. Quem ganha são aquelas figuras que conquistam influência prometendo o impossível com única intenção de chegar no poder e se fartar do dinheiro público. Quem faz nossas políticas públicas não sabem faze-las senão com o fim de enriquecerem as si mesmos.

    O imenso mar de dinheiro seca na incompetência e desonestidade dos nossos governantes não chegando até nós, que ficamos cada vez mais sedentos.

    Eu não estou criticando o Alckmin, estou criticando a política em geral no Brasil. Alckmin já se candidatou para a presidência e certamente seria um bom presidente,se comparado com lula então ele seria um presidente maravilhoso, mas sua derrota e as seguintes da oposição ao PT me desiludiram bastante. Compare e veja se o povo preferiu os mais preparados ou os incompetentes.

    O que acontece se não houver mudança é que a força do estado vai aumentar e a economia vai cada vez mais quebrar até nos transformarmos em mais um bloco comuno socialista da américa latina.

  • francisco greche junior

    Sinceramente não tive vontade de ler, não por culpa do Ae, que sempre fico muito satisfeito com o alto nível das matérias postadas e sim pelo assunto. Não dá para ter esperança de nada que preste. Infelizmente.

    • Domingos

      Tem que discutir sim, ao mesmo tempo que o país precisa disso, a “polarização” é entre mais de 90% da população e aqueles 7% que foram PAGOS – ou são ideologicamente podres – para apoiar o governo não importa se amanhã virássemos Cuba.

      É a mesma coisa que a questão da redução da maioridade, onde tinha quase 80% de aprovação da população e a esquerda dizia “a população está dividida”.

      O que tem que se firmar, no entanto, é em discutir pelo lado certo. E apoiá-lo moralmente e fisicamente.

      • Domingos

        Claro que não quero discutir. O assunto não tem discussão. É certos contra errados.

        Você fica tentando dar recados passando xingamentos disfarçados pela censura de palavrão do Ae porque sabe muito bem que você está do lado errado.

        “Infelizmente” seu discurso de “crítica ao sistema” manjado e usado por quem está aí no poder fazendo besteira não cola por aqui.

        • Domingos

          Ora, e você acha que não teria sido mandado muito antes?

          Muito menos me sentiria ofendido.

          Ser xingado por quem está do lado errado é mais que normal: é o fenômeno de identificação que sempre falo aqui, daquele onde aqueles do lado errado são naturalmente levados a exercerem uma repulsa ativa por quem é normal ou certo.

          Essa repulsa é uma dinâmica espiritual que existe desde o começo dos tempos, descrita na Bíblia, e que além de automática é também uma forma do errado tentar obter a hegemonia – de forma a viver sem ser questionado por isso.

          O seu xingo censurado, na verdade, é essa repulsa em si: é a raiva que você tem de não poder normalizar comportamentos e dinâmicas doentes nesse ambiente, resolvendo então atribuir às pessoas daqui características como “enrustidos”.

          Ninguém aqui é enrustido, o pessoal é bem sincero mesmo.

      • Domingos

        Claro que você acha que é opinião. A relativização das coisas é necessária para falar mentiras.

        Já pensou do que ia ser do seu discurso “anti-sistema” que sempre leva ao esquerdismo de sempre sem relativizar?

        Seria ter que assumir que está errado e basicamente baseia toda sua opinião em vaidade de parecer “cabeça aberta”…

        • Domingos

          Não, você está relativizando novamente. Com coisas morais existe verdade e mentira.

          Existe, depois, uma escolha pessoal – que é inclusive nosso papel maior aqui nessa vida – entre escolher obedecer a essa verdade ou viver na mentira.

          Quando se escolhe não obedecer a verdade, se disfarça isso relativizando as coisas, como se esse caminho fosse em si “outro tipo de verdade”.

          “Verdades” diferentes são você achar bonito verde e eu vermelho. Eu falo de outra coisa por aqui e você sabe muito bem.

      • Domingos

        A propósito: encontre por aí algo “padronizado” do que falo, como uma citação por exemplo, e te dou meu carro para você poder parar de andar de moto.

        • Domingos

          Se você ler, por exemplo, a última dezena de artigos do Reinaldo de Azevedo, vai ver ele falando de coligações políticas e alianças.

          Se você desse Olavo de Carvalho como exemplo, estaria mais próximo de ganhar o prêmio.

          Obviamente você confunde normalidade/”direita” com liberal, como o Reinaldo.

          Percebe como aqui meu enfoque em “mercado” ou “coligações” é zero? Isso é questão superficial e, aliás, estratégia de esquerdista.

          Falo aqui do real problema do país e da situação que vivemos: moral.

          Antes que fale do Olavo: não tenho a menor vergonha de me basear nele como exemplo,. até porque é o maior pensador do Brasil nos últimos 50 anos pelo menos.

          Ainda assim, não conseguiria o prêmio pois não haveria um parágrafo meu que é mera cópia dele, ao contrário do “copy+paste” que você faz aqui de qualquer texto-base ou discurso-pronto de esquerda.

  • Paulo Roberto de Miguel

    Como esta discussão virou política?

  • RoadV8Runner

    Tomara que esse plano seja de fato executado e sirva de exemplo para o país inteiro. Mas gostaria de ver o mesmo tipo de plano para redução da violência, melhoria do sistema público de saúde, melhoria na educação e por aí vai.

  • Rubergil Jr

    Sobre a Autoban, acho que não há no Brasil nada melhor em termos de rodovias. Não foi sempre assim, mas eles recapearam praticamente as 2 rodovias inteiras e hoje são inegavelmente um tapete.

    E, desculpe-me, não estou falando de política em geral nem entrei no mérito sobre quem seria melhor presidente. Isso envolVe muitas questões, e é assunto de foro íntimo também. Estou falando apenas das políticas de TRÂNSITO, que é o tema desta matéria.

  • David

    Bom meu único medo é esse povo arrumar motivo para baixar de 120 km/h(o que em minha opinião é pouco em algumas rodovias) para 80 km/h a velocidade de uma rodovia segura.

    • Eles devem começar a querer multar por média de velocidade.

  • Roberto C.

    Quando o assunto é segurança no trânsito, a primeira medida a ser pensada (quando não a única, em vários casos) é a redução dos limites e a
    adoção do controle eletrônico de velocidade. Isto se dá porque é mais fácil (preguiça…), produz retorno financeiro e, não se iludam, conta com a simpatia e apoio de grande parcela da população. Produz-se, então, uma discussão estéril entre os que denunciam a indústria de multas e os defensores deste dispositivos e das lombadas como providências necessárias.

    Seria muito oportuno que algum órgão de imprensa (pouco provável) ou o MP (alguma possibilidade) investigasse o destino dos valores
    arrecadados por esta indústria de multas, notadamente os gerados pelos dispositivos de multa eletrônica. Sabemos que a implantação e operação destes caça-níqueis são feitos por empresas privadas. De quem são estas empresas? Como são remuneradas? Como é feita a divisão do ‘bolo’? Aposto que num levantamento preliminar, muita coisa iria surgir e ficaria caracterizada a real intenção que envolve a implantação destes equipamentos e o estabelecimento de limites incompatíveis
    com a velocidade natural da via.

  • CCN-1410

    Que essas medidas sejam tomadas em todo o país!

  • Marcio TD

    Parei de ler, quando ele disse que acidentes rodoviários, matam mais que homicídio, no país.

    • Kyozuki

      O problema não é o que mata mais, o problema é a enorme quantidade.

  • Newton ( ArkAngel )

    Nada demais em ser justo; se a coisa é ruim, desce a lenha, se é boa, elogie.
    Na questão do posicionamento, digo que em determinados momentos da vida, a pessoa tem de tomar uma posição definida, e não ficar em cima do muro.

  • c4vitesse

    Espero que dentro das ações esteja a implantação de passarelas de pedestres na nova rodovia dos Tamoios. É urgente, pois o pedestre tem que se arriscar atravessando uma estrada a pé e o motorista tem que ficar brecando para ridículos 60 km/h no meio de uma estrada que está em ótimas condições de tráfego. Convenhamos, perto do custo da obra isso deve ser relativamente barato.

    • Lemming®

      Ahhh…mas tem passarela na Tamoios…a que dá acesso a Fundação Casa! (aka FEBEM). Por que será que foi a única construída??
      Para os demais e trabalhadores que se lasque não governador?

  • ADV,
    Fora de tópico, o motivo. Aqui não é lugar para reclamações trabalhistas. Por favor, não insista.

  • P500

    …( )”igualdade entre os sexos e valorização da mulher”
    Sério isso ? Igualdade não significa justiça !

    • Domingos

      A dialética vai entrando… E eles são parte do Foro também.

  • Excelente medida do governador Geraldo Alckmin. Infelizmente, ainda temos muitas mortes no trânsito. Todas as ações que visam preservar a vida devem ser prioridade em qualquer governo.

  • thelucs
    É a sua opinião e respeito, mas você há de convir que muitas vezes não dá para desvincular a questão política da técnica, especialmente quando se trata de trânsito na capital paulista..

  • Daniel S. de Araújo
    Como eu, mas o Alckmin tem um atributo que reputo essencial em homens públicos: compostura.

    • Daniel S. de Araujo

      Concordo. Ele tem muita compostura. No comportamento e nos atos.

  • Caio Ferrari

    Das escolas? Está enganado.

    • Fabio Toledo

      Olha… Sobre este assunto existem muitas matérias tendenciosas, qual índice você levou em consideração? Salários dos professores?

      • Caio Ferrari

        Não. Sou professor. E já convivi com colegas que já lecionaram em SP e em outros Estados. Escolas públicas que valem a pena aqui, apenas as ETECS. Mas poderia usar o salário também, dado que quando a escola para um salário muito baixo (no caso, a hora aula do Estado do Grandioso Alckimin é menor do que a hora de uma faxineira), pode-se estabelecer uma relação direta entre qualidade e salário, segundo dados levantados pelo PISA.

        • Fabio Toledo

          Aliás as ETECs são uma bandeira do mesmo, não é? Eu mesmo estudei um ano em uma, na época (94) o ensino era muito forte.
          Mas você tem total razão em dizer que o salário é vergonhoso, a classe política não quer que o povo pense! A conclusão sempre é a mesma, sede pelo poder, pelo domínio, seja lá qual for o partido, a história se repete.

  • Lemming®

    Eu também… 🙁

  • Lemming®

    Muito melhor? Não chuta cachorro morto amigo! Vide a crise hidrica que é culpa deste paspalho e dos asseclas!
    Vão negando e botando a culpa em Deus até não sair mais água na torneira do paulista!
    Vide Carvalho Pinto e Airton Senna pedagiadas e com asfalto meia boca!

  • Davi Reis

    Boa medida. Pena que enquanto isso, Minas Gerais, dono da maior malha rodoviária do país, esteja praticamente largado às moscas nesse sentido. A duplicação da 381 Belo Horizonte—Vitória, por exemplo, já virou novela do Manoel Carlos: um drama interminável de péssimo gosto. Campanhas de conscientização? Quase não existem. Mapeamento de vias e pontos críticos? Podem até fazer, mas transformar isso em alguma idéia prática é outra história. Socorristas voluntários perigando ter que encerrar suas operações por falta de ajuda do governo e prefeituras.

    Sem querer entrar no mérito político, mas já entrando um pouco, pelo menos os governos anteriores deram uma boa geral nas estradas estaduais, o quadro melhorou bastante. Mas as rodovias federais, que sempre foram motivo de briga entre governo federal (PT) e estadual (PSDB), sempre ficaram estagnadas. Agora que Minas Gerais não é mais um estado de oposição e poderíamos ter alguma esperança sobre esse assunto, só temos o Pimentel chorando pelos cantos que não dá para fazer nada com o caixa do estado… Tá puxado.

  • Sérgio Afonso

    Só conversa…… Alguém, em sã consciência, acha que essa enormidade de novos motoristas que é despejada todos os dias em nossas vias tem realmente condição de dirigir? Hoje tem radar para todo lado, mas alguém se preocupa em oferecer pavimentação decente? Alguém tira os veículos sem condição de rodar das nossas ruas? Então, meus caros, já adianto que os resultados desse “belo plano” será ZERO!!! Caneta não supera a realidade!!!

  • Joao Ferraz

    Se preparem que vão reduzir as velocidades nas estradas com a desculpa de diminuir as mortes e assim arrecadar mais com multas, podem apostar

  • Bera Silva

    Desculpa pra se promover, e para soltar um pacote de maldades:
    Mais redução de velocidade;
    Mais caça-níqueis;
    Multa por velocidade média;
    Mais pedágios;
    etc…
    Quando se fala em discussão com grupos da sociedade, leia-se os grupos anti-carro e demais grupos engajados. Eles não vão escutar o Ae nem ninguém aqui.
    As coisas boas que poderiam advir disso (melhor saúde e atendimento, educação para crianças e formação de motoristas etc.), esqueçam.

  • DeathMagnetic
    Você só disse besteira, lamentável. Especialmente o final. O AUTOentusiastas não é o seu lugar, o que está fazendo aqui?

  • Kyozuki

    Será que alguém ainda considera aceitável a quantidade de mortes e mutilações decorrentes dos acidentes de trânsito, alguém ainda estar achando pouco ou tolerável os números dessa carnificina, será que nada precisa ser feito para mudar essa vergonhosa e brutal realidade do trânsito brasileiro, se o movimento paulista de segurança no trânsito vai mudar alguma coisa, só o futuro nos responderá, neste momento foi dado o primeiro passo.