Viagem mudou o antigomobilismo brasileiro

Há trinta anos, a primeira grande viagem com automóveis antigos serviu de base para que colecionadores solicitassem a mudança do então Código Nacional de Trânsito, criando o conceito e a classificação de Veículo de Coleção. Foi a 1ª. Viagem Ford Modelo A São Paulo–Brasília, e tinha peculiaridades do pioneirismo: foi passeio desafiador; prova institucional que os automóveis antigos tinham capacidade e resistência para longas marchas; mostrou, as iniciativas do ramo não estavam restritas aos clubes antigos, pois idealizada e capitaneada pelo jovem Veteran Car Club de Brasília; promoveu interação clubística nacional e internacional; envolveu o governo federal com autorização, acompanhamento e recepção; e foi o primeiro grande evento com patrocínio de multinacional da especialidade, a Ford, envolvida com capital e apoio logístico — João Mariano de Oliveira, mecânico-chefe da equipe de competições, acompanhou os viajantes para eventuais socorros.

Cinqüenta Fords alinharam no paulistano Parque do Ibirapuera e, três dias e 1.100 quilômetros após, com agregações no caminho, 55 chegaram a Brasília, recebidos no centro comercial Park Shopping. Haviam colecionadores de Brasília, Minas, interior paulista e capital, paranaenses e um solitário canadense.

Em Brasília, a parte referencial: o então Ministro dos Transportes, Affonso Camargo, recebeu os colecionadores, deu uma volta dirigindo o Ford Modelo A, o tipo 40A, um roadster — a baratinha com banco da sogra, como conhecido o banco traseiro exposto — e, mais importante, acolheu o pedido de mudança no Código de Trânsito para criar a categoria de Veículo de Coleção. Não era de sua competência, como sabia Roberto Nasser, presidente do VCC em Brasília, organizador da viagem, proprietário do Fordeco da experiência ministerial, e autor do requerimento, mas a correspondência enviada ao ministro adequado, o da Justiça, foi a base para iniciar o processo.

De outras boas consequências ao pedido e às intervenções para sua defesa, tão importante quanto a nova classe, foi a criação do Turismo Antigomobilístico — permitindo viagem de carros antigos para participar de eventos —, antes proibidas pela exigência da incorporação de equipamentos modernos de segurança nos automóveis antigos.

O Antigomobilismo brasileiro — a expressão é dicionarizada, exclusividade mundial —, tem duas fases: APP e DPP — antes e depois da Placa Preta, indicadora dos Veículos de Coleção. E a ocasião de tal conquista está no passeio ora trintão.

 

3 - Foto Legenda 01 coluna 3015 - Fords

Matéria de O Globo faz registro nacional

up! TSI, 1,0 turbo, anda como 1,8, gasta como 0,9

Versões turbo são usualmente para produção restrita e identificação esportiva, pela adição de um turbocompressor — artefato tocado pelos gases do escapamento, fazendo rodar uma turbina para captar o ar externo e socá-lo no motor — com maior volume e pressão o motor produz mais energia e responde melhor.

Mas do usual o up! TSI — é este o nome —, nada adota. A Volkswagen mudou o enfoque. Aplicou o turbo, e mudou muitas peças do motor, incluindo o virabrequim, e transformou a injeção em sistema direto, pós-válvulas, direto na cabeça dos pistões. Elevada pressão, 250 bar — a pressão atmosférica é de 1 bar.

O projeto comercial da Volkswagen escapou do criar versão pontual, pequeno acréscimo à linha up! Ao contrário, foi fazê-lo disponível em quase todas as versões de equipamentos, exceto a de entrada. Na prática nada de ser um brinquedo de nicho, mas uma opção capaz de distinguir e incitar liderar a procura pelo pequeno automóvel.

A aplicação do turbo, representado apenas pela letra T no letreiro, e a injeção direta em pioneirismo no Brasil, simbolizada pelo I em vermelho, fez crescer a potência a 105 cv se com álcool, ou 102 com gasálcool. Torque elevado a 16,8 m.kfg aos 1.500 rpm. Com o combustível vegetal vai da imobilidade aos 100 km/h em 9,1s e crava 184 km/h de velocidade final. Com o mesclado, 9,3s e 181 km/h em pico. Tempos de automóvel com motor 1,8 litro.

Na política da empresa em tê-lo para público comum, alongou a transmissão em 26% para operá-lo com rotações mais baixas e obter melhores consumos: a nova versão gasta menos ante o 1.0 sem turbo — é o mais econômico dos Volkswagen. Adequou o restante da mecânica para suportar novas exigências e caracterizou-o pelo pintar as tampas traseiras — parte mais visível aos outros motoristas – em preto. Democratizou o preço. Quinta feira 23, 18hs ao fechamento da Coluna informações diziam da diferença do pacote TSI em R$ 3.100.

É um novo caminho, da socialização da tecnologia, de oferecer um veículo urbano, sagrado como seguro, com rendimento entusiasmante, e sinalizará como deverão ser os automóveis nacionais daqui para a frente.

Como registro, a aplicação do turbo e o desenvolvimento do motor, ocorreram em primazia no Brasil. Na Alemanha, berço da marca, será mostrado no Salão de Frankfurt, em setembro.

 

4 - Foto Legenda 02 coluna 3015 - Up TSI

up! TSI

Fevereiro, aqui, o novo Toyota SW4

Marca japonesa apresentou na Tailândia nova e oitava geração do utilitário esportivo SW4. Caracteriza-se pela mudança de linhas, com traços de mais testosterona, grade frontal cromada e faróis prolongados pelos pára-lamas.

Maior 9 cm em comprimento, sem alterar a distância entre eixos, e formulação na versão luxuosa para três fileiras de bancos e sete lugares. Haverá versão inferior para cinco pessoas.

Na Tailândia, centro oriental para produção de picapes, leque de novos motores, mas no Brasil serão restritos: diesel 2,4 e 2,8 turbo, e gasálcool 2,7 —  o SW4 será produzido na fábrica da Toyota em Zárate, Argentina, e tem o Brasil como maior cliente. Antes dele, o picape chegará em novembro.

Motor 2,4 usa turbocompressor com geometria variável, 150 cv de potência e aproximados 34 m·kgf de torque. 2,8 em configuração semelhante, gerando 177 cv e 42 m·kgf de torque, usando câmbio manual com seis marchar. Novidade foi a troca da alavanca para acionar a tração total pela solução boiolo-feminista de botão com séquito eletrônico.

Mais nova das exigências dos compradores, a tela multifunção de 17 cm vem embutida no painel de instrumentos.

 

5 - Foto Legenda 03 coluna 3015 -toyota

Novo Toyota SW4. Fevereiro

RODA-A-RODA

Tablet – Passo importante foi dado pela Apple em seu caminho de viabilizar-se como fabricante de veículos elétricos: contratou Doug Betts, que na Fiat/Chrysler foi responsável por sensível ganho de qualidade nos produtos. Dirigir automóvel feito por empresa de infoeletrônica deve ter tanta emoção quanto operar um tablet.

Mídia – BMW aproveitará o Pebble Beach Concours d’Elégance, em Carmel/Monterey, EUA, 13 de agosto, entojado concurso de veículos antigos, para apresentar protótipo esportivo ao poderoso mercado norte-americano. Só depois mostra-lo-á no Salão de Frankfurt, em setembro. Curioso constatar, evento de antigo se antecipa para apresentar carro novo. No Brasil ainda não.

Goiás – Suzuki iniciou vender nova versão do Grand Vitara, maior de seus produtos. É o 4Sport, diferenciado por maior altura livre do solo, pneus para uso fora de estrada, faixa inferior e rodas pintadas em grafite. 4×4 manuak R$ 96 mil e automático a R$ 105 mil.

Em casa – Versão não existe na marca Suzuki, foi criada e tem as alterações produzidas pela representação da Suzuki no Brasil, no caso realizadas na fábrica da Mitsubishi, em Catalão, GO. Controlador de ambas as marcas é o mesmo.

 

6 - Foto Legenda 04 coluna 3015 - 4Sport

Suzuki Gran Vitara 4Sport

Expansão – Chery, marca chinesa instalada em Jacareí, SP, anunciou expandir fábrica para produzir seu 3º. modelo, o utilitário esportivo Tiggo 5. Aplicará R$ 400M para lançá-lo em final de 2016. Enquanto isto importará o modelo com as vantagens do projeto Inovar-Auto.

Polo – Atraiu Prefeitura a parceria no Polo Automotivo e Tecnológico da cidade para agregar fornecedores. Primeiro é a Brazul, transportadora de veículos 0km. Quer mais 23. Vantagens como isenção de imposto de transmissão e IPTU por 4 anos.

Custos – Peugeot 2008, novo crossover da marca, tem o menor custo de reparação entre veículos nacionais e importados. Pode gerar redução dos custos de seguro.

Caminho – O 2008, agradável em linhas, habitabilidade e desempenhp, tem raia própria dentre os recentes lançamentos da indústria nacional, fora da classificação de utilitário esportivo.

Negócios – Armando Monteiro, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, tenta alisar relacionamento com Peru e Colômbia, à base do livre comércio – sem pagamento de impostos alfandegários. Mercados pequenos, mas de 450 mil veículos anuais. Destes, Brasil participa com menos de 30 mil. O Ministro, ao contrário do antecessor, é do ramo. De produtos, nada a importar.

Simulador – Contran, órgão normativo do trânsito decidiu, novamente, tornar obrigatório a partir de 1º. de janeiro uso de simulador de direção nas auto-escolas, agora chamadas pomposamente Centro de Formação de Condutores.

Medida vem sendo delongada desde 2013.

Idem – Agencia Nacional do Petróleo adiou, de novo, agora para 1º. de julho de 2017, o fim da gasolina sem aditivo. Razão alegada, divergências entre local de aditivação – na distribuidora ou nos postos. Em matéria de trânsito e combustíveis o país é meio descompromissado com objetivos e prazos.

Em branco – Nenhuma das 4 marcas de origem francesa operando no Brasil –

Renault, Peugeot, Citroën e DS,  todas com o estado como acionista — fez movimento para comemorar o 14 de Julho, data nacional, fim da monarquia.

Promoção – Da Michelin promoção aos donos de caminhão: na compra de pneus, oferta de seguro de um ano e venda de bônus subsidiado para recapagem. Até 15 de dezembro.

Vantagem – Touch Pizza e Ford somaram expertises. Primeira cadastra 2.000 pizzarias em 80 cidades. A do automóvel oferece smartphones em seu sistema SYNC. Junção de interesses permite motorista pedir pizza pelo celular. Por perguntar, entrega no engarrafamento?

Bond – Trailer de Spectre, novo filme do agente 007, disponível para instigar interesse em  http://www.buzzfeed.com/scottybryan/here-is-the-full-trailer-for-the james-bond-film-spectre#.olg4G0gqw. Em carros, atrações: Jaguar CX75, protótipo de 2010, nunca viabilizado, e próximo lançamento, Aston Martin DB10.

No ar – Honda, agora fabricante de aviões executivos a jato, iniciará vendas na América do Sul no LABACE, evento de aviação executiva, em São Paulo, de 11 a 13 de agosto.

Tecnologia – Nomeou representante a Líder Aviação, com apoios em todo o país. O Honda Jet transporta seis passageiros, tem sanitário integral, motores a jato GE/Honda sobre as asas, vôo de cruzeiro a 420 nós/483 mph; altitude até 43 mil pés, e autonomia de 1.357 milhas. Diz-se nos EUA, preço inferior.

 

7 - Foto Legenda 05 coluna 3015 -Honda Jet

Honda Jet

Livro – Vivência, interesse, talento permitiram ao jornalista Fernando Campos produzir livro sobre os esportes a motor em Goiás. Alentado levantamento com informações e fotos raras de corridas e pilotos. Uma referência por e a quem do ramo. Não está em livrarias, comprável em rodasemotores30anos@gmail.com

Gente – Francesco Abruzzezzi, informa o bom portal AutoData, novo diretor de vendas da GM Brasil. OOOO Italiano, era o diretor geral da Citroën no país. OOOO Marca já forneceu dois ex DGs à concorrência. OOOO Número 2 de vendas na VW é Ivan Segal, antecessor de Abruzzezzi. OOOO

RN

rnasser@autoentusiastas.com.br
A coluna “De carro por aí” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.
(82 visualizações, 1 hoje)