PRIMEIRO POSTO DE REABASTECIMENTO DE HIDROGÊNIO DA ALEMANHA

Posto total

O Dr. Andreas Opfermann, do Linde Group, Guillaume Larroque (Total), Mathias Klietz (BMW Group) e o Dr.Veit Steinle (Ministério de Tráfego e Infraestrutura Digital da Alemanha) comemoram a inauguração  do primeiro posto de abastecimento de hidrogênio da Alemanha (foto BMW)

Com a inauguração de um posto de abastecimento de hidrogênio na rua Detmold, em Munique, é possível a um carro de pilha a combustível, no caso hidrogênio, ir do sul da Alemanha ao Lago Garda, na Itália, distante 377 quilômetros. O posto completa o South Cluster do projeto European HyFIVE, que compreende Stuttgart, Munique, Innsbruck e Bolsano. O posto multi-energia da Total é um marco importante, pois é o primeiro do mundo em que duas bombas fornecem hidrogênio em dois tipos de tecnologia:

– padrão da indústria comprimido a 700 bar (CGH2), já em operação

– crio-comprimido (CCH2), desenvolvido pelo Grupo BMW, que consiste em abastecer o veículo com hidrogênio em estado gasoso, em baixa temperatura, à pressão de até 350 bar. Ainda está em desenvolvimento e vai demorar um pouco. Os tanques de CCH2 oferecem até 50% mais de capacidade de armazenagem de hidrogênio que os de 700 bar e são suficientes para rodar mais de 500 quilômetros.

É importante para o Grupo BMW ter os dois sistemas prontos para testes no mundo real e não apenas em laboratório, daí o desenvolvimento dos tipos de tanque e sua integração com o veículo. Cenários bem mais realistas de testes podem ser obtidos quando esses são complementados por outros em postos de abastecimento públicos.

Como já se sabe, os carros elétricos de pilha a combustível oferecem reabastecimento rápido e cômodo em menos de cinco minutos, cerca do mesmo tempo que leva para reabastecer carros convencionais a gasolina ou a diesel; autonomia superior a 500 quilômetros devido á alta densidade do hidrogênio; uso em modo elétrico, com emissões locais zero.

Como carros elétricos a pilha a combustível são particularmente adequados para viagens de longa distância, eles são o complemento ideal para os modelos i da BMW e para futuros modelos de produção híbridos plugáveis da marca BMW, que serão baseados na já provada tecnologia eDrive. A pilha a combustível converte o hidrogênio gasoso do tanque do veículo em eletricidade e água. Uma vez que a bateria de alta tensão serve apenas como reserva de energia, uma bateria muito menor e mais leve do que a de um veículo elétrico alimentado por bateria pode ser usada.

A longo prazo, a tração por pilha a combustível hidrogênio será parte integral do programa Dinâmica Eficiente da BMW, em adição à diversidade do portfólio de motores do Grupo BMW. Este portfólio pode mudado com grande flexibilidade para diferentes conceitos de veículos, para necessidades dos clientes e para requisitos legais nos mercados automobilísticos internacionais.

Todavia, um requisito básico para a introdução exitosa de veículos a pilha a combustível hidrogênio é o desenvolvimento de uma estrutura de reabastecimento de hidrogênio nos mercados automobilísticos relevantes. Em mercados para hidrogênio iniciais como Japão, Califórnia/EUA e Europa (particularmente Alemanha, Reino Unido e Escandinávia), é realista imaginar que as atuais iniciativas de infraestrutura levarão ao estabelecimento de uma por volta de 2020. Ao contrário do Japão, uma ilha que tem pouca ou nenhuma necessidade de permissão para tráfego de fronteira, a Europa tem requisitos desafiantes em termos de assegurar um infraestrutura transnacional.

O Grupo BMW está, assim, contribuindo ativamente com sua capacidade com parceiro de importantes iniciativas para o desenvolvimento e planejamento de uma infraestrutura de hidrogênio como a H2 Mobility e as iniciativas CEP (sigla de Parceira de Energia Limpa) na Alemanha, e também membros ativos do Empreendimento Conjunto Pilha a Combustível Hidrogênio da União Européia. No lado da tecnologia, a cooperação com parceiros fortes também faz todo sentido de maneira a acelerar o desenvolvimento. O Grupo BMW, assim, está colaborando intensamente com a Total Alemanha e o Grupo Linde em processos de reabastecimento e tecnologia.

No longo prazo, há movimentos em marcha para usar eletrólise energia elétrica-para-gás para armazenar eletricidade renovável em forma de hidrogênio. Produzi-lo a partir de energia excedente ofereceria um prospecto de longo prazo de garantir suprimento hidrogênio barato de hidrogênio “verde” para uso nos veículos elétricos a pilha a combustível.

Ae/BS

(146 visualizações, 1 hoje)


  • Vejo com bons olhos o uso de hidrogênio como combustível para automóvel. Espero que consigam desenvolver bem a tecnologia a ponto de torna-la segura e viável
    Agora, essas fotos comemorativas são de lascar. (rs)

  • $2354837

    Acho que é o futuro. Muito próximo. O hidrogênio nos dá liberdade de adaptar qualquer motor, seja ele elétrico ou a combustão. Combustão limpa e barata.

  • Rubem Luiz

    Agora vejam a diferença disso com relação aos geradores de HHO que poluem o comércio. 350 e 700 bar (Quando que um gerador de 120 W vai produzir tamanha pressão sem que uns 40% vire agua de novo?), “um tanque cheio” permitindo 500 km, e… nada de motor a combustão, mas sim célula de combustível (“Pilha” de combustível vejo pouco em PT_BR, geralmente se usa “célula”).

    Aí uns pilantras aparecem na TV com gerador de HHO obscuro e escondido, e dizem que apenas com 1l de agua (Que deve produzir uns 10cm³ de HHO, 0,01m³) rodam 500 km. Não é de se admirar que haja tanta falta de mão-de-obra qualificada no Brasil, ou que tanto mecânico engane os leigos, olha o nível de desinformação e o nível das mentiras de uns pilantras, nossos mentirosos prometem mais que a engenharia da BMW e tem gente que acredita.

  • Rubem Luiz,
    Esperar o quê de um povo que chama fábrica de automóvel de ‘montadora’? Só poderia mesmo chamar cell de célula…E não é pilha de combustível, mas pilha a combustível, ela funciona com um, no caso o hidrogênio.

  • Coêlho

    Como um entusiasta que cresceu com as características dos automóveis a combustão (giro, ronco, coletores…) vejo uma luz com o hidrogênio de ao menos não ter os carros, com as características que aprecio, se inutilizarem no futuro.

  • RoadV8Runner

    Eu me preocupo muito com o futuro desses carros que irão usar hidrogênio como combustível. Como é o gás cuja molécula tem o menor tamanho entre todos na natureza, o Hidrogênio gasoso vaza com muita facilidade, mesmo em aplicações estacionárias. E eu não me sentiria nem um pouco confortável em andar em um carro cujo combustível está comprimido a 700 bar, muito menos sabendo que trata-se de Hidrogênio gasoso dentro do tanque…
    Alguém sabe se existe algum sistema de resfriamento do tanque em caso de incêndio do veículo, após um acidente, por exemplo? Tudo bem que não compro carro para bater, mas essa encrenca é pesada e posso sofrer as consequências caso esteja próximo a um veículo desses que se acidente gravemente…