TRÂNSITO, DE MAL A PIOR

Sulinfoco

Nas duas últimas semanas ocorreram fatos relacionados a trânsito que são de arrepiar. A impressão que passa é a de as autoridades terem perdido o resquício da noção do ridículo que ainda tinham.

A primeira notícia vem do Sul e foi publicada no portal SulinFoco, como pode ser visto no fac-símile acima. Ou seja, a fábrica de motoristas idiotas continua a pleno acelerador. Diminui cada vez mais a noção de responsabilidade dos motoristas brasileiros, que “aprenderam” a reduzir velocidade quando necessário ou obedecer à sinalização para tal, somente diante desses verdadeiros dejetos viários chamados lombadas. Elas inexistindo passou a significar “ limpo, pode mandar ver.”

 

Lombada sul

Uma lombada do meio de lugar nenhum: idiotice total

Como quase sempre, a colocação de lombadas gera frases do tipo “Estes redutores, além de atenderem reivindicações dos moradores que clamavam por mais segurança nestes locais, a partir de agora será mais uma forma de prevenir os acidentes que acontecem por excesso de velocidade.”

Isso que está acontecendo no Brasil ainda terá conseqüências mais trágicas. Com motoristas cada vez mais idiotizados o resultado não poderá ser outro.

E agora, São Paulo, vítima da sanha tresloucada do prefeito Fernando Haddad — aquele mesmo do “nós pega o peixe” — e do secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, que como sabem são do partido que nem ideário tem.

A novidade agora é fechar a av. Paulista aos domingos, conforme divulgado e noticiado no portal Destak no dia 16, terça-feira passada. Av. Paulista e a via elevada apelidada de “Minhocão”. Estudos, por enquanto.

Essa dupla acha que na av. Paulista não mora ninguém, não há vários hospitais, cinemas, teatros, lojas e que não é uma importante via de tráfego, só pode ser. Será que se pode ir lá de bicicleta? Certamente. Se estiver frio e/ou chovendo, é mero detalhe. Ou num verãozão de 35 °C.

 

Destak

Fac-símile do portal Destak

E tem essa de fechar o “Minhocão” — sei lá, talvez o nome do elevado, Presidente Costa e Silva, um general, dê arrepios nesses dois petistas — como se São Paulo tivesse vias sobrando e a ligação Leste–Oeste fosse bobagem. Já fecha aos domingos, absurdo, mas pelo menos não é dia útil, ao contrário de sábado.

Outra da dupla foi anunciada esta semana, criar uma faixa exclusiva para veículos de serviços. Sabe que a veículos essa dupla de petistas se refere? Pasme: ambulâncias, carros oficiais e transporte de carga. A notícia foi dada no portal G1.

 

Portal G1

Leia bem o que secretário afirmou, está no último parágrafo visível no fac-símile do G1: “priorizar o coletivo em detrimento (nosso grifo) do individual”.

Se coletivo é  ambulâncias, carros oficiais e transporte de carga, então eu não conheço mais o meu idioma. Mas está aí uma armadilha — mais uma, pior que a da Ponte das Bandeiras! — fácil de adivinhar: burguês botou uma roda do carro na faixa “coletiva” alguma câmera o flagrará. Como disse o Boris Feldman na coluna dele sábado, é o tilintar da moeda. Acrescento: o doce tilintar da moeda.

Mas a mesma matéria do G1 fiz que além da destinação da faixa citada acima há também o uso por motofretistas e veículos de comunicação. Com essa a duplinha petista já angariou a simpatia da imprensa que já lhe é simpática, já que jamais contesta essas atrocidades contra os cidadãos que os sustentam. Ou comprou.

Não esqueçamos da outra sanha dessa dupla, a de baixar a velocidade em tudo que é via da capital, como 70 km/h nas marginais do Tietê e do Pinheiros. Nestas, inclusive, o secretário justificou necessário para “reduzir os atropelamentos”. Endoideceu ou fingiu que, pois não há atropelamentos em vias onde não é possível atravessar a pé. Seria o mesmo que limitar a velocidade dos F-1 a 70 km/h porque um espectador pode cismar de atravessar a pista.

Quando a velocidade baixar de 90 para 70 km/h, parece que será em 1º de julho, chegará o momento de pôr em prática o plano de percorrer essas marginais a 35 km/h.  Não é isso o que Haddad e Tatto querem, parar São Paulo?

Além do estrago de terem acabado com dezenas de milhares de vagas de estacionamento para dar a lugar a faixas para meia-dúzia de bicicletas, prejudicando a vida e atividade centenas de milhares de  munícipes, esses dois parecem mesmo dispostos a acabar com majestosa cidade.

Fernando Haddad tem que ser impedido de continuar no cargo. Ele saindo Tatto vai junto. Atenção, portanto, Ministério Público e OAB.

BS

 

 

 



Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

Publicações Relacionadas

  • Lorenzo Frigerio

    Jilmar Tatto é preposto da máfia das viações. Então, não é de se estranhar.
    Quanto a Malddad, é tão pontual em suas intervenções quanto Maluf. Com a diferença que não há mais dinheiro para obras viárias, então ele se vira com o balde de tinta. Mas não é meia-dúzia de ciclistas que salvarão sua carreira política.

    • CorsarioViajante

      E assim como o Maluf arranjou um eleitorado fiel junto com algumas categorias (se não me engano taxistas, por exemplo) o Haddad está tentando arranjar um eleitorado fiel junto com ciclistas e os doidinhos assalariados da Vila Madá para ser vereador para o resto da vida.

      • Domingos

        E conta com um exército de haitianos e bolivianos recebendo título de eleitor com bolsa família como primeira medida a chegarem aqui.

        É mais que óbvio que ele estreou aqui no Brasil o processo de imigração odiável, doente e fraudulenta com objetivo eleitoreiro.

        A Rússia era mestre nisso, na Ucrânia. Se você não tem os votos, faça uma nova população com única e exclusivamente esse fim.

        Quando a bucha apertar, crie uma via só sua. Esse aí é o Haddad, a esquerda. Já deu seu jeito de encontrar seu espaço no caos que fez de São Paulo criando uma “faixa do amor” exclusiva para ele e os seus.

  • $2354837

    Bob, tende a piorar. O que talvez seja difícil de aceitar para nós somos minoria.

    Essas ações da prefeitura não passam de atutides populistas, que atendem ao desejo da maioria da população paulistana.

    É difícil achar sinônimos mais cordiais para o que vou dizer: Estamos cercados de idiotas por todos os lados. A prefeitura é só um reflexo da população.
    E o mais importante: cercado de idiotas dos dois lados, aqueles que não largam o osso de andar no seu carrinho confortável em prol do seu conforto em detrimento ao coletivo. Assim como aquele que acha que só rico que anda de carro porque quer, não porque precisa.

    Assistam o filme idocracy e entendam o que digo.

    Estou assustado com noticias de acontecimentos individuais em todo mundo. Parece que o mundo virou do avesso. Vai ter que acontecer uma coisa muito drástica, uma guerra ou um meteoro para mudar alguma coisa nessa terra.

    • CorsarioViajante

      Ótimo comentário, e o Idiocracy é muito legal, embora perca o fôlego mais para o fim. Mas tem passagens realmente sensacionais…

    • Domingos

      80% da população repudia o governo Haddad. Isso tudo não é requisição da população e sim conversa de petista que faz dialética achando que qualquer medida que ele faça é do povo e “socialista”, inclusive quando privatizam através das mãos deles.

      A questão é que a maioria da população votou por identificação moral com o partido doente que fez a festa no governo federal a troco de muito financiamento e bolsa.

      E agora tomou onde merece. Mas as medidas não têm apoio não, a não ser de quem é do partido ou ganha dinheiro dele.

      Aposto que nem os haitianos que ganham título de eleitor e bolsa apoiam mesmo ele, porém esses talvez votem nele.

      • $2354837
        • Domingos

          O governo é reprovado em 80%. Até em áreas pobres (aliás, principalmente nessas) se metem o pau.

          E bairro reduto do PT vai na Câmara municipal questionar a construção de ciclovias, atrapalhando os moradores (nesses bairros a ciclovia basicamente é um treco pintado na porta da casa das pessoas) enquanto linhas de ônibus essenciais são canceladas, por exemplo.

          Enfim, nem abri o link, vi apenas a descrição. E nem vou abrir. A pesquisa, sendo de esquerda, deve ser daquelas com alguma desconstrução dialética em que se a pessoa fala que não odeia as ciclovias, automaticamente se contabiliza como aprovação delas E DO GOVERNO.

          Que nem aquelas pesquisas que são “científicas” em que se fala que 80% dos homens cometeria estupro, aí você vai ver a metodologia e estupro é considerado por exemplo beijar uma mulher sem perguntar com todas as palavras se ela quer fazer isso…

          Claro, devem ter questionado muitos haitianos também nessa pesquisa.

          Mas é normal. A Dilma, por exemplo, continua com a mesma fala de quem tem aprovação da maioria das pessoas. É comum da esquerda mentir, achar que representa o povo e se fingir de vítima..

          Espere pelos documentários daqui alguns anos tratando o Haddad como “vítima de um golpe midiático fascista” em que um governo “com grande aprovação” (não passou de 30% desde o começo, ao menos seguindo pesquisas minimamente sérias…) foi deposto pelo “ódio” e a “vontade do povo”. Um “atraso”.

          Se 80% aprovassem as ciclovias, não estariam completamente vazias quase o tempo todo.

          A Folha, aliás, é parte da folha de pagamento. Ninguém acredita nisso.

      • $2354837

        E daí? É esse povo que aprova Haddad que o reelege. Pode gritar o quanto quiser, falar que está errado. As duas formas de tirá-lo de lá é por improbidade administrativa ou voto. A segunda esquece…

  • Lucio Karasawa

    Infelizmente, a falta de bom senso, vem prevalecendo ultimamente.

    • Lucas

      Não é só falta de bom senso. Em boa medida é safadeza mesmo! Má intenção!

  • Mineirim

    É, Bob. São Paulo não tem mais jeito…
    E as lombadas em estrada são um verdadeiro crime!

  • Roberto Neves

    Discussões sobre velocidade máxima legal à parte, penso que, se se pretende limitar a velocidade de uma via ou de um trecho, essa velocidade deveria vigorar em toda a via ou trecho, e não apenas onde existe radar. Chego a achar defensável o uso do radar móvel, para que, não sabendo onde há fiscalização, o motorista obedeça a sinalização em todo o trecho fiscalizado.

    O que vemos na prática é o contrário: os motoristas dirigem a qualquer velocidade e freiam onde sabem existir radar, passando nesse trecho a uma velocidade muito menor do que a legal. Isso para mim é deseducação, é incentivar os cidadãos a respeitar a lei apenas porque podem ser punidos, e não porque nela crêem.

    Como ando desligado quanto à localização de radares, tomei três multas por excesso de velocidade recentemente, duas delas num intervalo menor que cinco minutos. Doravante obedecerei à vontade de nossas autoridades e rodarei abaixo da velocidade mínima, tornando-me mais um obstáculo ao livre trânsito.

    • Lucas dos Santos

      Existe uma – muito conveniente – distorção que a administração pública faz ao aplicar detectores de velocidade. Radares JAMAIS deveriam ser utilizados com a função de reduzir a velocidade da via. Para isso existem as lombadas eletrônicas. Radares são instrumentos meramente fiscalizatórios.

      Ou seja, se existe a necessidade de reduzir a velocidade máxima permitida em apenas um trecho da via, o instrumento a ser utilizado seria a lombadas eletrônica, instalada em local visível e bem sinalizada. Já, se a velocidade máxima permitida for a mesma em toda a extensão da via, aí sim poderiam ser utilizados radares.

      Mas, se isso for feito, a arrecadação cai. Então, pensar em algo assim, chega a ser utópico. É lamentável que não há nada e nem ninguém que possa nos defender dessas medidas tomadas pelo poder público, que só servem para lesar o cidadão.

  • É um lixo… Completo! Não dá pra aproveitar nada do que faz, o cidadão aí, que nem um Enem (não é trocadilho!) conseguia aplicar direito… Impressionante!
    Isso, pra não falar do secretário dele, aquele envolvido com as máfias das empresas de ônibus… É uma pena que as pessoas não acordem e continuem dando votos pra esses cretinos.
    Pelo raciocínio lógico, o radar (pegadinha) embaixo da ponte Eusébio Mattoso deve passar a multar acima dos 15 Km/h…
    Que eles sejam malditos, até sua última geração, enganadores e achacadores de dinheiro…

  • Lemming®

    E o cenário de filme de terror na Banânia cada vez mais pavoroso…
    Estão criando o verdadeiro salve-se quem puder…

  • Daniel S. de Araujo

    O Brasil é assim: Uma nação cheia de pessoas que na visão do estado vivem em situação análoga a de um bebê e que precisa de permanente supervisão de um Estado forte, paternalista.

    Por outro lado, o cidadão acostumou a ser tutorado pelo estado. Aqui nunca se pensa no que o cidadão pode fazer pelo coletivo e sim naquilo que O ESTADO tem que fazer pelo cidadão. Chega a ser uma relação doentia. O Brasileiro reclama de estado demais na vida dele mas do outro lado quer o estado paparicando sua vida, tutorando suas atividades. É uma relação paradoxal, mas existente.

    Em tempo: Moro em frente a uma simpatica e agradável Praça recentemente revitalizada com parquinho, academia da terceira idade, e até wi-fi, contudo devido ao wi-fi e aos bancos, acabou virando ponto de encontro de jovens e de consumo de intorpecentes. Agora, ao invés da população exigir o cumprimento de ações coercitivas por parte da polícia, estão culpando a prefeitura pela colocação do wi-fi e querendo pedir o seu desligamento…

    • Lucas

      Desligar o Wi-Fi… é a velha história de acabar com os carrapatos matando a vaca….

      • Domingos

        Bom, se for para o cara fazer porcaria na praça, ele que pague o 3G ao menos.

        Ainda tem que sustentar a porcariada com mimos.

        Claro que algum cidadão de bem terá sua vida menos beneficiada, porém parece bem justa a medida. Não é que internet é um item essencial assim para ter que ter de graça em todo lugar.

        • Lucas

          Mas aí é a mesma lógica da lombada: meia dúzia faz merrrcaduria e todo mundo acaba tendo que pagar o pato. Pelos erros de um ou outro todos acabam tendo que sofrer….

          • Domingos

            Bom, concordo. Mas é internet, não uma coisa que todo mundo usa como a via pública.

            O cara que pague a dele.

    • CorsarioViajante

      É isso, vivemos a síndrome da piada do sofá.

  • Avatar

    Bob,
    Gostei que você não esqueceu da minha idéia… Pode utilizar o AE para organizar qual será o final de semana a se fazer isso que acredito que muitos comparecerão. Precisamos apenas marcar um ponto de encontro para nos organizarmos antes de nos dirigirmos até lá.
    Realmente é lamentável que a imprensa não critique decisões como essas. Deixaram de lado o bom senso. Mal sinal…

  • Uber

    Eu entendi direito o que vi? Meia lombada?!
    Sério que é tão difícil fazer a lombada de uma vez ou a intenção é essa mesmo?

    • Lucas dos Santos

      É intencional mesmo. No sentido contrário, antes da curva que aparece ao horizonte, há outra meia-lombada!

    • Lucas

      É isso aí mesmo. E está cheio disso por aí. Na BR-163, entre Santa Lúcia e Lindoeste, no Paraná, em frente a onde se instalou a pedreira de uma empreiteira que está fazendo reformas na rodovia, colocaram duas lombadas, ambas antes da entrada. Deu para entender como ficou, não é?

  • J Paulo

    Com tanta faixas exclusivas, faixas azuis, faixas amarelas em diagonal nos cruzamentos, ciclofaixas…São Paulo é uma cidade nada amistosa com turistas, muitos de nós desconhecedores desses artifícios.

  • m.n.a.

    …o que vai acontecer, é o motorista invadir a contra-mão para NÃO passar pela lombada…após uma manobra abrupta e arriscada, obviamente….

    alguns locais aqui de Curitiba onde existem essas lombadas de meia-pista, os “espertos” (90% dos motoristas) fazem isso…

    • Marcos Alvarenga

      Será que o cidadão que idealizou esse meio quebra-molas não
      pensou que estava construindo uma chicane?
      É burrice demais para uma pessoa só!
      E quem vai executar essa manobra são exatamente as pessoas que não dão a mínima para as leis de trânsito e se acham confiantes. Receita perfeita para fatalidades.

    • Fat Jack

      Certamente, e te digo mais, é justamente esta a intenção…, advinha quem vai estar lá no topo com o bloquinho de anotações e a caneta BIC a todo vapor (supondo que não vá haver desvio de recurso dos motoristas infratores em benefício deles próprios – o que eu duvido!)???

  • Henrique Lopes

    Essa metade de lombada vai incentivar os motoristas a desviar pela faixa contrária, trazendo outros riscos não calculados por quem idealizou isso, grande parte dos motoristas brasileiros gostam de levar algum tipo de vantagem.
    Sobre fechar a Paulista, ouvi hoje cedo no rádio o secretário dizendo que vai liberar para ambulâncias, por exemplo, assim como ocorre em Nova Iorque. Muito bem exemplificado, São Paulo é praticamente igual, tão desenvolvida quanto…lamentável criar essas medidas baseadas em cidades muito a frente da nossa. E, fico imaginando como ficarão a rua Cincinato Braga e a Alameda Santos, paralelas a avenida Paulista, totalmente congestionadas.

  • Mr. Car

    De mal a pior já foi. Agora está indo de pior para ainda pior.

  • Marcelo R.

    Bob,

    Há uns dias atrás, eu ouvi na CBN que a dupla dinâmica está planejando colocar lombadas nas alças de acesso das Marginais. Uma pena eu não conseguir achar a matéria. Só consegui essa aqui, que é velha…

    http://www.nossasaopaulo.org.br/noticias/em-sp-12-pontes-das-marginais-pinheiros-e-tiete-terao-ciclovias

    Imagina a lambança que será, se isso se concretizar…

  • Ivan Rocha

    Na minha cidade é a mesma coisa. Aqui tem uma avenida que tem lombada tamanho de um boi e distante 50 metros uma da outra. São 3 lombadas em 200 metros. E nessa mesma avenida meu pai perdeu a vida em 2012 quando estava entrando no seu fusquinha. Jogado uns 3 metros de altura por um motorista que trafega a mais de 60 km p/h. Com placa indicando 30 km p/h. Adivinha o que aconteceu com o motorista? NADA. A culpa pelo acidente foi imputada ao meu pai. Na sentença o juiz disse que o meu pai não prestou atenção ao atravessar a rua. Eu perdi a esperança com o Brasil. Só não vou embora porque não tenho dinheiro pra isso.

  • Bruno Rezende

    O “nós pega o peixe” não se reelege de jeito nenhum. O paulistano tem pavor dele. O próximo prefeito deveria criar a “Secretaria do Desfazimento”, com o fito exclusivo de desfazer todas as bobagens dessa dupla.
    Sobram relatos de faixas de bicicleta virgens, algumas delas com mato crescendo, por falta de uso.

    • CorsarioViajante

      Bicicleta é a nova ostentação.

      • Newton ( ArkAngel )

        Os ciclistas que aguardem, já existem rumores de que há planos de emplacarem as bicicletas, as ciclovias são apenas a preparação do terreno para aumentarem a arrecadação com multas. E tem imbecil cicloativista (desculpem a redundância ) que aplaude de pé esse sujeito que se diz prefeito.

    • Fat Jack

      Estaremos correndo um duplo risco nesta eleição, de um lado “nós pega o peixe”, do outro “relaxa e goza”… Temos é que torcer para que eles façam o favor de se matarem politicamente falando na época da campanha.
      Há “ciclofaixas” por toda cidade virando acúmulo de sujeira, terra e mato… (por sinal, valeriam alguns “clicks”…

  • Leister Carneiro

    Acho que os políticos da cidade de São Paulo estão com alta ociosidade, senão estivessem, parariam de cuidar de baixar a velocidade das vias e fazer ciclovias aleatórias.

  • Lucas

    A mim me parece claro que São Paulo não tem uma gestão do trânsito, mas sim uma gestão de arrecadação através do trânsito. Não é possível que certas atitudes do poder público que são veiculadas por aí tenham realmente boas intenções.

    Já esse papo de favorecer o coletivo em detrimento do individual é muito bonito no papel, no discurso, mas na prática está difícil ver funcionar. Um pouco por uma cultura individualista nossa, mas não só. Geralmente o que tenho visto é que autoridades querem fazer as coisas funcionarem na marra, ao invés de se criar maneiras para que a solução coletiva seja naturalmente a mais interessante, sem que para isso se acabe criando situações de estresse (coletivo, diga-se).

    Por fim, enquanto se acreditar que gerir o trânsito se resuma a canetaços de gabinete e obrinhas baratas (mas que possivelmente não saiam tão baratas assim) como lombadas ou latas de tinta, isso vai sempre existir. Trânsito precisa de educação, inteligência, infraestrutura e “law enforcement”.

  • Aureo Teixeira

    Boa essa Bob, em limitar a velocidade dos F-1. Bem que poderiam colocar umas lombadas!!!

    • Lucas dos Santos

      Na Fórmula 1, os redutores de velocidade são outros: as chicanes!

      Tem também essa “arte” que fizeram na área de escape da Eau-Rouge/Radillion em Spa:

      http://i.imgur.com/JNYCRfJ.png

  • Jorge Diehl

    OAB? Estás brincando…

  • Luiz Otávio Rujner Guimarães

    Boa tarde Bob,

    Infelizmente não é só o trânsito que vai de mal a pior nesta terrinha. Surpreendente! Que brilhante idéia colocar uma lombada em meia pista! Tenho certeza que nenhum motorista invadirá a contramão para fugir dela.
    Não posso falar de São Paulo, mas aqui em Belo Horizonte o prefeito implantou quilômetros de faixas para bicicletas numa cidade cujo relevo não é, digamos, compatível com este tipo de veículo. Resultado, estreitamento das pistas, perda de vagas e as tal faixas dedicadas aos ciclistas, desertas, vez ou outra são utilizadas como atalhos pelos motoqueiros para poupar tempo.
    Lamentavelmente sabemos que sempre é possível piorar o que já está ruim. O que falta inventar?

    • Lucas Mendanha

      Essas faixas que você se refere aqui em Belo Horizonte é aquela que fica entre a faixa exclusiva de ônibus e a de rolamento normal, certo?

      Eu vejo isso e me pergunto: quem seria o ciclista doido de andar nessa faixa? Só um suicida…

      Até hoje, o melhor projeto de ciclovias que já vi e utilizei (quando morei na cidade) foi em Vitória, que em grande parte é separado das vias de rolamento, e quando divide o mesmo espaço, utiliza-se de um mínimo de bom-senso na sua construção.

      Lá, eu morava em Jardim Camburi e trabalhava em Bento Ferreira. 10 km de distância. Gastava 30 minutos exatos de bicicleta e 50 minutos no mínimo de carro, tanto as 8 da manhã quanto ás 6 da tarde. Para mim era ótimo..ganhava tempo, fazia exercício e economizava bastante na gasolina e no desgaste do carro..

      • Luiz Otávio Rujner Guimarães

        Boa noite Lucas,

        Tenho um primo que mora em Vitória e já tive oportunidade de visitar a cidade algumas vezes. Sinceramente, nunca observei as ciclofaixas, mas pelo que disse, são bem mais adequadas que as instaladas aqui em Belo Horizonte. Quanto ao relevo na faixa litorânea não vou nem comentar. Acho que só sendo doido mesmo para utilizá-las.

  • Sérgio Afonso

    Bob, vamos começar uma canpanha na internet, pelo impedimento
    destes senhores do mal. Vamos fazer uma lista de assinaturas e
    entregar ao ministério público, para que providencias urgentes sejam
    tomadas.Abraços.

  • CorsarioViajante

    Lamentável. Eu freqüentemente passo em avenidas onde, por causa da faixa de pedestres, colocaram uma lombada. Daí, como não resolvia, instalaram um semáforo. Resultado: uma lombada e logo em seguida um semáforo. E como o semáforo é só para pedestres e não tem “radar” continua sem ninguém respeitar.
    Isso para mim mostra que muita gente, não contente em agir como idiota, exige que o governo o trate como idiota. Todos os exemplos acima são prova disso.

  • Leonardo Mendes

    Está difícil rodar em São Paulo, hein? Meu Deus, é muito sufoco (ia escrever sofrência, como na música, mas é tripudiar demais em cima).

    O Minhocão (ou Elevado Costa e Silva, como queiram) é, de longe, uma das obras mais polêmicas que já vi na vida… desde que me conheço por gente que não passa uma matéria falando bem dele.

  • Christian Bernert

    E eu que pensava que Democracia era quando os anseios da maioria eram respeitados. Sequer podemos nos fazer ser ouvidos.

  • Renan Becker

    O nome do partido a qual o ilustre prefeito de São Paulo faz parte já mostra o por que de decisões tão brilhantes.

  • Fat Jack

    Eu juro que tento fugir desta coluna, mas a preocupação com qual seria a “última invenção” não me permite…
    Se não me falha a matemática básica, vamos as contas:
    1 faixa exclusiva para os ciclistas;
    1 faixa exclusiva para os ônibus;
    1 faixa exclusiva para os veículos de serviço;
    1 faixa compartilhada para os pobres mortais…
    Na minha conta isso daria um total de 4 faixas… E na gigantesca quantidade de vias da capital com menos de 4 faixas de tráfego, como fica??

  • Antônio do Sul

    Há mais ou menos quinze dias, quando estava em uma agência bancária, enquanto esperava para ser atendido, fiquei enojado ao ler uma matéria do jornal Valor Econômico, que endossava as idiotices anti-carro e tudo o que esse “prefeito” de São Paulo anda fazendo. Sempre pensei que fosse um jornal para pessoas mais esclarecidas, mas acho que me enganei redondamente.

    • Uber

      Sim, você se enganou. Esse é o jornal de economia mais esquerdista que existe aqui e costuma defender quem é da turma.

      • Domingos

        Na verdade, o Valor Econômico deve ser liberal.

        Liberal gosta de dinheiro e falta de qualquer lei moral que possa impedi-lo de fazer mais dinheiro. É o que esquerdista é na verdade e até uma melhor definição dessa praga de pensamento distorcido que a definição esquerda/direita.

        É o pessoal que não apóia mais o PT porque “os negócios estão indo mal”, que apóia liberar drogas porque “gera novos empregos e impostos” e que provavelmente gostaria de legalizar a venda de mães e pais.

        Na verdade continuam sendo petistas, só que mais abertamente de mercado.

        Essa coisa toda do anti-carro simplesmente dá dinheiro. Tem dono de empreiteira doido para fazer áreas “livres de carro”, por que será, não é…

        Aí o chiqueiro de 30 m² dele na cracolândia que ele não gastou nem 20 mil pra construir pode ser vendido a 500 mil.

  • Danchio

    Ou espera as eleições ano que vem… O problema é quem vai entrar no lugar deles, outros tão ruins ou piores…

    Parabéns pelo texto Bob, está cada vez mais difícil encontrar na imprensa sites/jornais/etc. com coragem de publicar a verdade…

    • Robertom

      Não tem pior…
      Os outros são bem ruinzinhos, mas a duplinha Fernando Haddad/Jilmar Tatto é insuperável…

      • Domingos

        Foi vingança, certeza. Eles são realmente o supra-sumo de tudo que há de ruim.

  • Rafael Malheiros Ribeiro

    Acabo de chegar de uma viagem à Itália, onde dirigi por cerca de 1.400 km em uma semana. A cada vez que vou ao exterior, mais revoltado fico com a incompetência de nossos governos, seja de que partido for, de que esfera for. E olha que a Itália nem é lá o país mais organizado e educado em termos de trânsito na Comunidade Europeia, mas está ANOS LUZ à nossa frente. Sempre que chego de volta, é duro encarar a realidade…

    • César

      Digo o mesmo. Há 3 dias voltei de viagem similar à França, onde dirigi 1.200 km em quatro dias (e gastando apenas 60 euros em diesel…). Mesmo não sendo o trânsito mais educado do mundo, é bem diferente do nosso…

    • Domingos

      Uma coisa é que lá, ao menos nesse assunto, ainda se mantém o óbvio e a sanidade de achar que trânsito É PARA FLUIR.

      Tirando a Inglaterra, que vendeu a alma por dinheiro de russos e indianos, a noção fundamental e óbvia até a um animal (perdoem-nos, às vezes a razão humana nos torna pior que eles) que o trânsito deve ser desimpedido ao máximo.

      Isso não significa que não tenham restrições onde necessário, além de transporte etc.

      Porém simplesmente não vão de graça ferrar tempo de semáforo e diminuir pela metade a velocidade de uma via porque a o maconheiro de universidade esgoto acha bonito.

  • Ilbirs

    Em relação ao Minhocão, não é problema sua demolição, desde que feita de maneira adequada e prevendo sua substituição. Há uma avenida projetada que usaria o trajeto das linhas da CPTM, que passariam a ser subterrâneas:

    Outra opção para o elevado seria sua substituição por um túnel que usasse o mesmo trajeto e inclusive pudesse acrescentar mais acessos (uma entrada e uma saída na Mário de Andrade seriam bem adequadas). O fluxo local poderia ser direcionado esticando-se a Amaral Gurgel até unir com a São João. Quem olhar para o mapa e imaginar o que estou dizendo inclusive pode cogitar a criação de uma linha de ônibus que percorresse um corredor na pista central da Ligação Leste-Oeste, com pontos de desembarque que não cruzassem a via (baixos de alguns viadutos, escadas para outros viadutos). Acabaria agregando um uso a mais para a via e sendo corredor teria a vantagem de se chegar mais rápido que os automóveis de passeio em caso de congestionamento (vide o que ocorre na Consolação e na Rebouças, bem como na 9 de Julho e na Santo Amaro). Isso poderia ser complementado por um corredor que ocupasse as duas pistas centrais da Radial Leste, algo que seria mais eficiente do que aquela faixa de ônibus, uma vez que desobrigaria os motoristas dos coletivos a ter de negociar com o resto do tráfego.

    Como alertei antes, a questão aqui é termos uma ideia que é boa, mas que pode ter uma execução das mais sofríveis, a se julgar pela forma como quem está no poder tem feito uma série de dispositivos urbanos (vide faixa de ônibus na direita das vias com canteiro central no lugar de corredor usando as pistas mais internas).

    Sobre a redução da velocidade nas Marginais, há a opção de se percorrê-las a 35 km/h sem ser punido, uma vez que metade da máxima, mas também há aquilo de que falei em outras ocasiões, que é a de rodar com o GPS do celular ligado e instalar no aparelho um aplicativo que dê um alerta sonoro de que se está na velocidade limite da via, de maneira a “naturalizar” um limite arbitrariamente imposto. Inclusive dá para se jogar com a tolerância do radar debaixo do braço, uma vez que esta é de 7 km/h a mais. No meu caso, programei uma tolerância inferior àquela do radar, o que significa na prática sempre estar rigorosamente na lei e sem dar qualquer grana para autoridades que amam uma função arrecadatória nas multas.
    Sobre a proposta de fechar a Paulista nos domingos, não é preciso dizer o quão burra é a coisa. A sorte por ora é a de esse governo só ir mesmo até o fim de 2016 e o clima agora realmente não estar favorável ao partido em questão. Porém, é sempre preciso lembrar de alguns detalhes:

    1) Não cair no conto das passeatas “espontâneas” e “apartidárias” que pedem “mais amor” sempre que um candidato do Foro de São Paulo mais bem colocado está atrás na corrida eleitoral. Ainda que as pessoas estejam mais vacinadas contra isso após o Existe Amor em SP ter sido alçado ao Conselho da Cidade após o serviço prestado no pleito de 2012, sempre há risco de ingenuidade aproveitável por esse pessoal;

    2) Marta Suplicy saiu do PT, mas não saiu do Foro de São Paulo, uma vez que o PSB é também parte da entidade. Também são integrantes do Foro PDT, PC do B, PPS, PPL e PCB. Logo, não devem receber votos nenhum dos candidatos dessas siglas;

    3) Resistir às tentativas de ostracização que pessoas próximas que acreditam no Foro possam fazer. Eles é que devem sentir vergonha de apoiar essa organização e seus tentáculos, não nós de opô-la.

    PS: havia um bicicletário do Itaú perto de casa. Foi desativado justamente porque quase ninguém pegava as magrelas. Pode ser que a utopia do “selvagem da bicicleta” esteja fazendo água antes do que imaginamos.

    • Lorenzo Frigerio

      O problema é que querem demolir o Minhocão sem fazer essa avenida.

      • Ilbirs

        Por isso que falei do quanto que uma execução sofrível pode acabar com uma boa idéia. Se somente demolirem o elevado, vai ser aquele lance de criar dificuldade para vender facilidade.

  • Lucas dos Santos

    Pois é… Simplesmente não existe seriedade em um assunto tão sério quanto trânsito e mobilidade urbana.

    O poder público administra o trânsito como se isso fosse brincadeira de criança! Lamentável, simplesmente lamentável. Aliás, como eu sempre digo, lamentar é a única coisa que nos resta, pois não há nada que possamos fazer e ninguém a quem possamos recorrer para cessar esses absurdos!

    Pior de tudo é dizerem que redução de velocidade nas vias reduz atropelamentos. Com a redução da velocidade, os atropelamentos continuarão acontecendo, porém com menores chances de alguém perder a vida neles! Apenas isso! “Ah, mas ao menos estão preservando a vida e isso é o que importa“, alguém poderá argumentar. Não! Não basta preservar a vida, tem que preservar também a integridade física das pessoas. Os atropelamentos só diminuirão quando motorista e pedestre passarem a se respeitar! E não é reduzindo a velocidade máxima permitida nas vias públicas que isso vai acontecer.

  • francisco greche junior

    Estamos orfãos de pai e mãe!

  • CorsarioViajante

    Esse seu discurso até colaria uns vinte anos atrás, quando carro era inacessível. Hoje não cola, a faxineira que de vez em quando vem aqui em casa vem de carro por exemplo. O zelador do condomínio também comprou um, um dos porteiros também. Todos estão dando graças à Deus por não precisarem mais se espremer em ônibus sucateado nem perder horas de seu dia num ponto tomando chuva ou derretendo no calor.
    Ao invés de ficar falando de “cultura perversa do automóvel” pare para pensar em porque alguém aceita pegar trânsito, pagar uma fortuna em combustível, pagar IPVA e desembolsar milhares de reais para ter um carro. O discurso urbanístico é muito bonito mas na boca da prefeitura é só isso, um discurso vazio.

    • Lucas Mendanha

      Não tiro a razão deles em nenhum momento. É infinitamente melhor pegar o seu carro, com seu conforto e disponível a hora que você quiser para ir onde quiser.

      Mas justamente esse benefício gera o ponto contra: uma imensidão de carros trafegando com 1 ou 2 pessoas, gerando o caos urbano.

      Apesar de não vingar por aqui, por gostos, preconceitos e outros ‘argumentos’ que não cabe discutir agora, a solução para este problema seria o meio termo (que não seria muito entusiasta): carros urbanos tipo os key cars japoneses: pequenos, economicos, eficientes, e (utopicamente) baratos.

    • CharlesAle

      Corsário, a verdade é uma só: quem defende com unhas e dentes transporte coletivo, em especial ônibus, é porquê no dia-a -dia só anda de carro! Ai é fácil mandar os outros andarem nas latas de sardinha sobre rodas!!!

      • CorsarioViajante

        O duro é que a realidade é muito plural e os “urbanistas” adoram pregar coisas lindas mas sem senso prático. Daí ficam as aberrações. É o famoso caso da incômoda realidade atrapalhando as teorias.

        • Domingos

          Urbanista quer aparecer. Nem sei se deveria existir essa designação.

          É como ser um telefonador. Geralmente o cara formado nisso vem do lugar errado também. Era para ser de engenharia mas vem de alguma coisa abstrata como arquitetura.

          Isso é para fazer desenho, não cidade.

  • RoadV8Runner

    É aquela velha história, matemos o boi para acabar com os carrapatos… Impressionante esta terrinha torta!

  • Mendes

    Uma cidade mais humana se faz com mais transporte coletivo, mais bicicletas e mais pedestres — e mais gente morando perto do trabalho e vice-versa“.

    Estou de pleno acordo! Só tem um problema aí: ao invés de melhorarem o transporte coletivo, estão piorando o transporte individual. Dessa forma, tanto o transporte individual como o transporte coletivo ficam prejudicados. E morar perto do trabalho chega a ser utopia, dependendo do local.
    Eu ando de transporte público diariamente e a cada dia a minha vontade de comprar um automóvel – ou motocicleta – para me livrar do inferno que é o transporte coletivo aqui na minha cidade – não sou de São Paulo – só aumenta!
    Não é somente pelo desconforto inerente a esse tipo de transporte, mas sim pelo TEMPO perdido. E não há faixa exclusiva para ônibus que dê jeito nisso, pois o coletivo precisa fazer várias paradas para embarque/desembarque de passageiros, fora as paradas nos semáforos, já que os ônibus normalmente andam pelas principais ruas da cidade. De carro/moto, além de ir direto ao meu destino, eu poderia utilizar caminhos alternativos, que me proporcionariam uma economia de tempo significativa no meu deslocamento diário.
    Não basta simplesmente “forçar” as pessoas a utilizarem o transporte coletivo por falta de opção. Havendo opções atraentes, as pessoas darão preferência ao transporte público por livre e espontânea vontade sempre quando for conveniente. Afinal, ninguém muda para pior!

  • RoadV8Runner

    Cada vez mais me convenço que este país virou terra sem lei, cada um faz o que quer e o Ministério Público se finge de morto. É só presepada de tudo quanto é lado, os (des)governantes não dão uma dentro, tudo se faz na canetada, no achismo, no “se piorar, piorou”… Não é possível, vivemos numa sociedade de embotados, perdeu-se o senso crítico.

  • Lyn

    Transporte individual? mas o carro pode carregar de 5 ate 7 pessoas, as bicicletas por outro lado só 1, se tem um transporte individualista seria a bicicleta não?

  • VeeDub

    Ah…. Bob !!! Vamos todos ter aumento da pressão arterial deste jeito.
    que situação sem noção !

  • Leonardo

    Creio que o senhor desconheça a situação do transporte público em São Paulo.
    Metrô saturado e com malha ridiculamente pequena comparada as metrópoles de países desenvolvidos.
    Ônibus com altas tarifas, lotados, muitas vezes em mau estado de conservação e motoristas péssimos.
    Bicicleta é impraticável para a grande maioria, seja pela quase ausência de segurança pública, longas distâncias (principalmente pra quem vai da periferia ao centro) e vias perigosas (mesmo as ciclovias tem obstáculos e buracos).
    Ai você vem com papo de privilégio da elite? Cara, o que tem de pobre endividado pra pagar um carrinho popular não ta escrito, ninguém gosta de ser esmagado dentro de metrô ou ficar mofando em ponto de ônibus, tem gente que gasta 4 horas pra se locomover dentro da cidade ao local de estudo/trabalho devido a ineficiência do sistema.
    Dignidade humana e transporte público na capital não combinam e continuará assim enquanto o governo não investir em melhorias severas nestes sistemas, o que vejo atualmente são obras sem critério algum, com caráter populista que só causam desordem e ódio entre os habitantes.

  • Leonardo

    Aqui onde vivo nem foi necessário implantar acesso a internet, a praça antes calma e agradável agora vive repleta de jovens consumindo drogas em plena luz do dia, gritando e sujando o chão (mesmo com diversas lixeiras dísponíveis) e empinando suas(?) bicicletas na pista de caminhada (sendo que existe uma para bicicletas, ambas devidamente sinalizadas). Polícia? passa na frente e finge não ver. Lamentável; cada vez sinto menos vontade de caminhar pela vizinhança…

  • $2354837

    Bob, você anda com a boca santa… rs.

    Olha isso:

    • Lucas dos Santos

      Nada que uma faixa de pedestre não resolva:

  • Lucas

    Se eu tivesse que morar em uma cidade semelhante a São Paulo, a primeira coisa que eu buscaria fazer seria morar próximo ao trabalho. Agora, a última coisa que eu aceitaria fazer seria ter que enfrentar os transportes coletivos em seus horários de pico. Antes disso eu tentaria carona, táxi, moto, bicicleta, fugir dos horários de pico, caminhos alternativos etc. Os porcos que o meu sogro engorda vão mais bem acomodados quando vão para o abate do que os passageiros dos transportes coletivos nas grandes cidades brasileiras. Volto a dizer que falta inteligência na gestão do trânsito. Criam-se faixas exclusivas para isso e aquilo na base de suprimir uma faixa para o restante do trânsito e não se oferece alternativa viável aos usuários dessa faixa. O resultado é o pessoal se espremendo no que sobra e a faixa exclusiva (ou ciclofaixa, ciclovia) ociosa. Como isso pode dar certo? É muita burrice isso.

    • Lucas

      E o cara agora ainda me apaga o próprio comentário. Pákábá. Bela maneira de debater as questões…..

  • Prezado Bob… Ministério Público talvez…Se houver algum independente dentro da conjuntura atual em São Paulo… OAB, como já diria o Barão de Itararé de onde não sai nada mesmo…Os caras estão comprometidos até o pescoço com a petralhada operante…Esta dupla formada pelo alcaide “poste” e seu fiel servo responsável pelas vias sabe para que e quem esta “jogando”…Outra dica: tenham cuidado…Nosso ex-governador daqui do Rio Grande do Sul, sempre “chamado” para salvar ou impulsionar os “postes” ou idéias deste partido em estado de putrefação esta na área…Tendo sido ele também ministro da Educação e logo após ministro da Justiça antes de concorrer e ganhar as eleições aqui no sul, sabotando a campanha alheia plantando mentiras e calúnias ostensivamente nos meios de comunicação até que estas virassem verdades (ele é um ótimo aluno da doutrina marxista, turbinada pela veia leninista e nunca esquecendo Maquiavel! ) esta em São Paulo para salvar a reeleição da sigla… A batalha vai ser dura, mas não impossível…A única arma que temos antes do voto são as linhas que ainda nos são permitidas escrever, como as do Ae.

  • Richard

    Parece que no Rio de Janeiro virou crime ter carro, pois a prefeitura reboca em qualquer hora e lugar. O meu e mais alguns foram rebocados enquanto estacionados na rua, sem placa de proibido ou coisa similar. Simplesmente encostam o reboque e levam. O dono que se vire!

  • Richard

    Infelizmente essa epidemia de alienação mental não está restrita a Sampa. Moro há mais de trinta anos no mesmo endereço e nunca vi acidente numa rua próxima de casa, onde instalaram, numa reta, em sequencia: uma lombada, radar, semáforo, outra lombada.
    O anedótico é que houve um acidente, sim. Uma belina velha acertou em cheio o poste onde foi instalado o maldito radar.

  • robson santos

    Esperem aí, crianças, já tenho a solução para o seu problema: que tal todos evitarem a compra/emplacamento de veículos na cidade de São Paulo ou de outro grande centro ?

    Puxa…ei, Bob, por que será que o prefeito não cria uma lei assim hein…

    Cara, Deus queira que no futuro sejam criadas “bike-escolas”, lhe seja cobrado por uma “permissão para pedalar” válida para o primeiro ano, depois cobrar pela definitiva, depois cobrar para renovação bianual ( a não ser que o ciclista seja super-homem e não tenha desgastes ), sua “bike” seja emplacada, lhe seja cobrado imposto para poder circular com a mesma, inclusive seguro obrigatório contra “acidentes de bikes”, sejam criadas inspeções anuais do estado da lanterna, da corrente, dos sulcos dos seus pneus e as sapatas dos freios, do seu capacetinho e de seu colete noturno etc.., e principalmente que você gaste com um painel de instrumentos e radares de 5 km/h seja posto para lhe monitorar e tungar seu bolso, seja multado no sinal vermelho, estacionamento zona azul com placa dúbia e rodízio de bicicletas lhe forçando a andar a pé se bobear já que você não se preocupa com a demanda que o transporte público nunca acompanha…

    Que sejam criados até impostos diferenciados para bicicletas com marchas e as “mountain bikes” rsrsrs

    Mas por fim, depois da prefeitura se entupir com tanta arrecadação em cima de você sem melhorar em absolutamente NADA as condições das vias as quais você é OBRIGADO a pagar impostos e nunca ver retorno para isto, aliás você pagou impostos para ter o DIREITO de usufruí-las, que a prefeitura lhe dê como presente por suas contribuições, faixas exclusivas para pedestres onde antes eram ciclofaixas, seja feito lobby para aquisição de protetores solares e garrafas diferenciadas para armazenamento de água, e que nas ciclovias sejam instalados muitas mini “tartarugas” ou tachões como queira… opa, ah não esqueci, por ironia você terá que pegar carona nas janelas dos carros que conseguirem circular e na traseira dos ônibus em suas faixas exclusivas, para não chegar atrasado no seu compromisso…

    É só pouca coisa que desejo a você, não se preocupe, afinal nada disso acontece comigo ou com ninguém, é uma realidade paralela que usamos para poder ajudar de bom grado o prefeito a “construir” ciclofaixas e ajudá-lo a mantê-las quando se desgastam com o “imenso” tráfego de bicicletas que dessas fazem uso diário, e principalmente nesta democracia que vivemos nós costumamos pagar sem ter o direito de questionar por que pagamos integralmente para ter o direito de usufruir parcialmente, isso quando temos o direito, coisa que dono algum de outro veículo de transporte precisará se preocupar … porque você sabe, caso resolva reclamar ou simplesmente debater será imediatamente classificado como “elitista” que quer ter o “privilégio” para si de usufruir das vias de “passeio” dos pedestres.

    • robson santos

      ah Bob, por que apagou o comentário dele, o mesmo não era troll não, pode ser uma criança escondida atrás de um teclado numa aula de um professor socialista, ou então só estava querendo saber quem são os cidadãos contra o prefeito “dele”, imagino que o mesmo tem voz para ir de bike ao gabinete do prefeito contar tudo… Coitado, foi convencido que é uma obra social, que o prefeito se preocupa com os gastos na licitação (???), que não tem nada a ver com estatísticas de km de ciclofaixas entregues, de que nada disso é uma lavagem cerebral, nadica de nada… e de que errado é quem paga licenciamento anual/IPVA e se mete a besta de andar nos grandes centros se “aproximando” das ciclofaixas recém-pintadas dele…

  • Lucas Mendanha

    Bacana é na MG-262 (estadual), perto de Ponte Nova que tem a sinalização regressiva de lombadas em pleno trecho de reta, e elas não existem…

    Você vem rápido, reduz para não se ferrar na lombada e… nada de lombada!

    EDIT: lembrei de outra idéia brilhante aqui em Minas: em Aimorés, em trecho urbano da 259, temos o eficiente radar de 60 km/h entre duas lombadas distantes 200 m uma da outra… juro que já tentei passar a mais de 40 km/h nele, mas nunca consegui.. hahaha

  • Richard,
    Isso parece história mal-contada. Tem certeza de que não havia placa de proibido estacionar ou proibido parar? Ou outra forma de estacionamento irregular, como a menos 5 metros das esquina?

    • Richard

      Bob, certeza absoluta. Estava estacionado em local sem placa de proibido, com as quatro rodas na rua, sem obstruir garagem e nem um pouco próximo da esquina. Não havia nada que impedisse estacionar o carro ali.
      Já vi outras cenas semelhantes, aqui em Jacarepaguá, de carros sendo rebocados em locais que não indicam nada que proiba. Há uns dois anos, se não me falha a memória, saiu uma matéria no jornal O Dia sobre os absurdos cometidos pela Guarda municipal. Na época, um ex-presidente da JARI deu entrevista narrando que ele próprio havia sido multado por estacionar num túnel em Copacabana! Local onde, obviamente, é impossivel estacionar. O mesmo recorreu e teve o recurso negado.

    • Márcio Santos

      Bom dia Bob, como vai?

      Vou tentar facilitar um parecer sobre o assunto com um vídeo que recebi e não tem muito o que ser questionado quanto ao procedimento adotado:

      Um forte abraço.
      Márcio Santos.

  • Iago

    Mas se tu não confias nas instituições, por que tu não crias (junto com o autor do texto e outros autores de comentários) uma associação para defender em nome próprio teus direitos? (de não ter lombadas, de ter limites de velocidade alargados etc)
    Podes até recorrer à Justiça, que certamente te ouvirá, mas o primeiro lugar a brigar é na Câmara de Vereadores, casa que fiscaliza a atuação do Prefeito.
    Mas para isso, é preciso sair do conforto destas linhas de comunicação e empunhar a bandeira.
    Não se intromete o juiz (ainda que provocado pelo Ministério Público) em política de governo executivo.
    Já que tu gostas de citar filósofos, Montesquieu criou a separação dos poderes.

  • Iago

    Senhores, permitam-me elaborar o seguinte esquema:

    Políticas públicas (trânsito: interesse local do Município/
    Estado) = Poder Executivo (Prefeito/Governador).

    Poder Executivo (Prefeito, Gov., Presidente) ≠ Poder Judiciário.

    A Constituição de 88 adotou a separação de poderes (artigo 2º da CF).

    O caminho a procurar é a Câmara de Vereadores de seus municípios ou a Assembleia de seus estados, em vez de aguardar por uma eventual e teórica atuação do Ministério Público e/ou da OAB, ou qualquer outra instituição que atue perante o Judiciário.

    O juiz até intervém em políticas públicas, mas só em casos de flagrante afronta a direitos humanos, como crianças a beira da morte e sem tratamento médico do SUS (e com muita briga com a Procuradoria Pública, por sinal).

    Se, ainda assim, desejam provocar o juiz, o façam mediante uma associação.

    • Alberto

      Se depender dessa atual Câmara de São Paulo, essa que aprovou a lei da sacolas e muitas outras aberrações, estamos perdidos.

      • Domingos

        É tudo comprado. Aliás, é um delírio democrático achar que qualquer coisa que sai desses órgãos não é meramente política.

        Tinha que voltar às comunidades de bairro e a Câmara municipal seria isso aí e basta. Terceirizou o governo, acabou. Fora as malandragens de poder trazer gente de onde se bem entende para governar um lugar que nada tem a ver com elas.

  • RoadV8Runner

    Comentário populista, bem ao estilo dos do partido sem ideário. Seu discurso utópico faria algum sentido em países da Europa, por exemplo. Mas no Brasil?! Sugiro que todos os moradores de São Paulo deixem seus carros em casa e, em um único dia apenas, usem somente transporte coletivo (ônibus, trem da CPTM e metrô). Quem quiser, vá de bicicleta ao trabalho. Incluídos aí os nobres representantes do povo, nada de carros oficiais. Já imaginou que bacaninha, cerca de 10 milhões de pessoas se deslocando única e exclusivamente só de transporte coletivo, de bicicleta ou a pé, na cidade de São Paulo?
    Nem mesmo em Tóquio, onde a malha de trens e metrô é de fazer inveja a qualquer um, deixar o carro em casa é possível para todos. A complexidade e imensidão da malha ferroviária de Tóquio é tão grande e complexa que o próprio morador de lá tem que consultar o mapa das linhas para pegar os trens e metrô corretos, se o local para onde pretende ir não é corriqueiro. E aqueles vídeos famosos de fiscais nas estações empurrarem as pessoas para dentro dos vagões é real, eu vi isso algumas vezes quando fui para lá em 2004. E na Holanda, onde existem mais de duas bicicletas por habitante e os trens são fartos, também não é possível se livrar dos carros.
    Como disse em meu comentário mais acima, perdeu-se o senso crítico nesta terrinha torta… Sem essa de carro ser transporte de elite, esse discurso desgastado já era (se é que algum dia o foi…)

    • robson santos

      Para você ver meu amigo, quando passamos a ter TV a cores o problema era possuir uma linha telefônica, ou seja, carro você já comprava!
      Hoje o cara se entope de maconha diariamente, compra smartphones e smartTVs a torto e à direito só para ficar atualizado, e eu que tenho e uso diariamente meu carro é que virei elitista na visão dele. Meu Deus do céu, aonde vamos parar, a expressão “segundo mundo” tem que voltar mesmo, para coincidir com as idéias de bolsa-prostituta e bolsa-maconha para esses, porque “em desenvolvimento” com certeza não estamos…

      • Domingos

        Segundo mundo, boa. Inclusive é bom para ressaltar que o “projetão” de sociedade “perfeita” dos socialistas era isso: um eterno segundo mundo mentiroso que se fazia de melhor que o primeiro.

        E concordo em absoluto com o seu paralelo e constatação. O cara normal de hoje é consumista e novidadeiro ao extremo, fútil ao extremo e faz tudo de errado, mas o problema é quem compra um carro ou bebe cerveja no lugar de ficar drogado.

  • RoadV8Runner

    Olha que aqui no Brasil os (des)governantes mudam para pior com certa freqüência… Rssss!

  • RoadV8Runner

    Com pequeníssimas exceções, o Brasil ainda não chegou ao ponto de ter que haver carros urbanos em profusão. Basta ampliar e implementar decentemente linhas de trens e metrô que grande parte do problema se resolve. Eu mesmo, autoentusiasta de carteirinha, deixaria para usar o carro praticamente só para lazer se houvesse sistema de transporte coletivo de gente.
    E os key cars no Japão não são utopicamente baratos, têm preço mais acessível do que carros “normais”. Preço justo, já que o custo produtivo de lá é totalmente de acordo com a realidade do país, ao contrário de um certo país em sua maioria abaixo da linha do Equador…

    • CorsarioViajante

      E não só metrô. Uma época morava do lado do corredor de ônibus da Santo Amaro, só usava praticamente nos fins de semana o carro. Não adianta, o que faz a pessoa deixar o carro em casa não é ideologia, é alternativa que funcione melhor que o carro.

      • Lucas Mendanha

        Exatamente… Esse fim de semana sai de Belo Horizonte e fui a Ipatinga, 225 km de distância.

        Como ia sozinho, resolvi ir de trem. R$ 30,00 cada trecho. Se fosse pra ir dirigindo no meu carro e seus 10 km/l na estrada, gastaria tranquilamente R$ 140,00 pra ir e voltar, além do risco da BR381, famosa “rodovia da morte”.

        Tem horas que acho coerente apelar para alternativas coletivas, principalmente as bem planejadas, como este trem da Vale.

  • Roberto

    Pois é, como falaram em outro comentário, parece que está virando crime ter carro no Brasil. Ideia esta que está sendo perpetuada pelas nossas autoridades, população pouco informada e por parte da imprensa que só sabe se repetir.

    Enquanto isto as autoridades e o governo não fazem a sua parte, investindo em educação para o trânsito, manutenção de vias etc. Pelo jeito falar mal dos carros virou moda, principalmente pelo governo e seus órgãos. Agora, abrir mão do dinheiro do IPVA, não vejo nenhum governante tocar no assunto. A propósito, lembra bastante o que o ocorre com a venda de cigarros…

    • CorsarioViajante

      Não, ter carro não será crime! O que será crime é usar o carro. Agora, ter, todos devem comprar um e deixar na garagem. E trocar a cada dois anos.

  • Rafael Malheiros Ribeiro

    As “elites” são são estes que andam em carros oficiais, helicópteros, aviões da FAB; que são financiados por banqueiros e empreiteiros; que entram na vida pública sem um tostão no bolso e logo sobem de nível social, compram apartamentos no Guarujá financiados por cooperativas que depois lesam os demais compradores.
    Classe média é que compra 90% dos carros, em sua maior parte financiados e pagos com muito suor de seu trabalho honesto e árduo, porquê o transporte público é vergonhoso. Fosse decente, cobrisse todos os itinerários dentro de um padrão aceitável de conforto, pontualidade e segurança, andaria nele sem problema algum. Elite anda em chapa branca.

  • Ricardo Kobus

    Bom dia Bob.
    Aqui na minha cidade, planalto norte catarinense, a moda agora é essas travessias de pedestres elevadas, a prefeitura infestou dessas aberrações no centro da cidade alegando diminuir a velocidade, antes já era difícil atravessar o centro da cidade, pois só possui uma via, agora complicou de vez, acho que estamos todos no mesmo barco.
    Abraços!

    • Thomas Tourbanno

      Na minha cidade essa moda pegou também…

    • Lucas dos Santos

      Aqui no interior do Paraná também estão instalando essas porcarias.
      Pior que a resolução do Contran que regulamenta as travessias elevadas é clara em dizer que tais dispositivos NÃO DEVEM ser utilizados como redutores de velocidade. Mas, como quase tudo aqui “neste país”, regulamentação é “letra morta” e ninguém segue!

  • Felipe Parnes

    Da vontade de concorrer na próxima eleição só pra desmanchar tudo que esses idiotas estão fazendo.
    Como não tenho chances.
    #BobParaPrefeito
    #BobSecretarioMunicipalDeTransportes

  • CorsarioViajante

    Eu não tiro a razão deles, ao contrário, estava justamente dando como exemplo de que TODOS, quando podem, se endividam e se enrolam para não ser mais humilhados por um transporte coletivo desumano e indigno.
    Acho que não tem “uma” única solução. O ideal a meu ver é ter mais possibilidades. SP aos poucos caminha para isso, é comum ver gente que mora perto do metrô e usa pouco o carro, naõ porque milita contra o carro mas porque o metrô acaba sendo uma solução melhor.

  • Uber

    PQP! Ainda bem que NIN-GUÉM pensa em desviar delas…

    • Lucas dos Santos

      Questão de tempo até que coloquem alguma barreira ou obstáculo para impedir o desvio pela pista contrária…

  • Car Science

    Dirigir em algumas estradas está deixando de dar prazer para se tornar um exercício de paciência!

    • Thomas Tourbanno

      E também uma forma de ser espoliado…

      • Oscar Alhos

        Espoliado é pouco. Antes eram os pedágios, agora é tudo quanto tipo de invenção.

  • Lorenzo Frigerio

    (off-topic) Um caso de domingueiro “dono de faixa” punido na Inglaterra:
    http://www.telegraph.co.uk/news/uknews/law-and-order/11693004/Motorway-lane-hogger-plans-to-appeal-after-becoming-the-first-to-be-convicted-of-the-offence.html
    Levado à corte, apelou ao “coitadismo” (não é só aqui).

    • RoadV8Runner

      Esse cara não é brasileiro, não? Rssss…

  • WSR

    O pior de tudo, Bob, é que está impossível conversar com o povo que defende as ciclovias. Sempre dão a mesma resposta: acabar com a ditadura do automóvel. E isso da imposição das ciclovias é o quê? Democracia é que não é mesmo.

  • Newton ( ArkAngel )

    Carros pequenos e baratos? E a ostentação? Brasileiro não gosta de carro, gosta de se exibir.

  • Filipe

    Bob, rebatizar viadutos e outros não é exclusividade paulista, com a diferença de que aqui em BH, é feito com lei:

    http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2014/03/vereadores-aprovam-novo-nome-para-o-elevado-castelo-branco-em-bh.html

    Mudaram o nome do Elevado Castelo Branco, presidente da época da ditadura, pra Helena Greco, uma vereadora que “enfrentava as tropas da repressão com muita força e ousadia” e, obviamente, era do PT. Engraçado ninguém ter ouvido falar dela antes da troca do nome.

    E ainda vou te mandar uma foto de um disparate, o verdadeiro caça-níqueis em ação: A nossa amada BHTrans colocou um radar de detecção de invasão de faixa exclusiva para ônibus justamente no único quarteirão entre 9 outros disponíveis, em que se pode converter à direita. O radar fica imediatamente antes da rua em que se pode converter, que tem um ponto de ônibus logo após sua esquina. Já aconteceu várias vezes da pista do meio da avenida ser parada porque os ônibus, em fila no ponto, bloqueiam o acesso à rua, ficando o motorista do carro, que não pode mais entrar um pouco antes, parado esperando sua vez.

    • Danniel

      Aqui em Brasília houve um movimento para rebatizar a ponte Costa e Silva. Parece que arranjaram coisa mais importante para fazer.

  • Filipe,
    Ou o Brasil acaba com o PT, ou o PT acaba com o Brasil, tenho dito sempre. Esse partido é um câncer no país.

  • JT

    Caro Bob Sharp,

    Nem tudo vai de mal a pior no trânsito brasileiro. Em Campinas a Prefeitura fez um termo de compromisso com a iniciativa privada, que desejava aprovar um grande condomínio em área nobre do município. A contrapartida foi a construção de uma avenida arterial das mais modernas do Brasil, sem adoção de lombadas ou radares. Como sou arquiteto e me interesso pelo assunto, além de conhecer os profissionais do escritório que trabalharam neste projeto, escrevi um artigo a respeito desta boa iniciativa:

    http://www.jeantosetto.com/2015/06/entreverdes.html

    Abraços!

  • Roberto

    Em Porto Alegre também, mudaram a avenida Castello Branco para Av. da Liberdade e da Democracia. Para ter uma ideia dos políticos autores da proposta de mudança de nome (PSOL), foram os mesmo que propuseram recentemente um projeto de lei para dar passe livre aos presidiários do semi-aberto.

    • Roberto,
      Erraram no novo nome da avenida. Precisam corrigir para Av. da Liberdade, da Democracia e da Bagunça, ou então Av. Gorda Fecal.

    • Domingos

      A participação política de presos é vetada, por motivos que não precisam de explicação.

      A esquerda sempre dá um jeito de desrespeitar essa lei. Aí o negócio é se aproximar desse grupo e comprar votos mesmo, não é só questão de direitos.

    • Castle_Bravo

      E ainda homenageando a “Legalidade”, um movimento estúpido capitaneado pelo psicopata do Brizola para defender seu cunhado na presidência, que por pouco, não ceifou a vida de centenas, senão milhares de inocentes.

  • Cristiano

    Ouvi na TV que agora ele quer multar carros de polícia por excesso de velocidade

  • Gabriel Felipe Moretti

    Bob na BR-470 próximo ao município de Lontras-SC, num dos únicos trechos de 3ª faixa entre Blumenau e Rio do Sul, num trecho de 80 km que leva quase 3 horas para ser percorrido, por se tratar de uma rodovia de pista simples com trecho de serra e passagem por várias cidadezinhas, infestados de radares de 50 km/h.
    nesse único trecho para realizar ultrapassagens em caminhões, bem no trecho de reta há um radar que limita a velocidade a 80 km/h, fazendo que forma filas de carros a 80 km/h que tem que freiar no meio de uma ultrapassagem, atrapalhando totalmente a fuidez do transito.

    • Rafael Ramalho

      Gabriel, se o radar for do tipo pardal, pode jogar na contramão que não multa.

  • Fernando

    Vamos dar crédito a quem merece, e os prefeitos de São Paulo, Santo André e São Bernardo, todos do mesmo partido, estão atingindo o objetivo:

    As três cidades estão com trânsito cada vez mais caótico.

    As novidades de São Paulo o Ae já ilustra, e inclusive as de Santo André já apareceram por aqui também, além do que já citei das “lombofaixas” que na verdade poderiam passar por trincheiras.

    Mas em São Bernardo não está diferente e interditaram uma via importante estes dias para obras, sem deixar alternativa a quem vem de Santo André/São Caetano. Quem vinha pela Av. Pereira Barreto sentido Diadema/Anchieta precisaria obviamente ir pela principal via, a Av. Lucas Nogueira Garcez. Mas a CET todos os dias FECHA o acesso de uma avenida à outra com cavaletes, que somente libera após as 8h. O resultado? O caminho mais direto(e que sejamos francos é a melhor opção) é meramente fechado, e se você quer ir por ele, pode(na verdade DEVE) dar a volta no paço municipal(e causar mais trânsito). Para quem conhece o caminho, é lógico que encontra alternativas juntamente de seu GPS, mas não deixa de mostrar um deserviço, do tipo que complica coisas óbvias.

    • Domingos

      Bom, considero como paulistano que São Paulo merece seu destino no momento. E que também Santo André e São Bernardo.

      Todo mundo que tinha dúvida de como é o PT já se engana por conveniência desde 2005, ou seja, é malandro também.

      O cara que vê um Haddad num debate político, seja pobre ou seja rico, e vota nele ainda assim merece o estado atual das coisas.

      Inclusive, é um momento muito gostoso na história porque não tem como ter aquela desculpa do pobre coitado sofrendo com “governo para as elites”, porque eles mesmos que quiseram essa molecagem os governando.

      Claro que ainda tentam fingir que ainda seria o caso, mas aí ninguém mesmo acredita.

      • Fernando

        Mas ainda não vi a relação comigo e com quem não foi conivente com isso “merecer” esse destino.

  • Gabriel Felipe Moretti
    É mesmo incompetência para todo lado, chega a ser surreal.

  • Lucas dos Santos,
    O pior de tudo é que algum imbecil deve ter visto esse tipo de passagem em algum aeroporto no exterior e não entendeu que ela serve para facilitar aos passageiros empurrar carrinhos ou puxar malas da calçada de desembarque para as ilhas de separação de tráfego. Viu, acho boa idéia e de alguma forma passou-a ao Contran. “patropi abençoado por Deus”, sei…

  • Lucas

    Prefeitura e câmara de vereadores (não só) são como troféus que a sociedade dá. Veja, depois de uma “disputadíssima” campanha eleitoral, que não a toa é chamada por muitos de “corrida” eleitoral, aos “campeões” damos como prêmio a prefeitura e a câmara de vereadores. Assim, de presente, para usarem como quiserem durante pelo menos quatro anos. Trabalhar? Ora, quem precisa trabalhar depois disso….

    • Domingos

      É bem isso mesmo. E não raro a disputa em si é toda forjada, com tudo combinado para não faltar vaga para ninguém.

      Fora o que você disse, de ser “disputadíssima” mesmo, com candidatos que variam entre o tudo igual e aqueles sem chance de serem eleitos.

      Por isso que para mim estava todo mundo demitido. Seriam os conselhos de bairro (e nada desses bairros gigantescos que a prefeitura estabelece), um governador com pequeno gabinete técnico por estado e alguma coisa lembrando um presidente também um um PEQUENO corpo de auxiliares.

  • Domingos

    Há tanto pedágio que nossas caras passagens de avião estão começando a ficar convidativas…

  • Domingos

    Sim. Eu, você e milhões de outros pagamos o pato.

    Infelizmente uma cidade não é feita de minorias – a não ser que essas sejam problemáticas ou passíveis de compra e venda de votos.

    Se o clima geral, o pensamento geral, das pessoas é esse… O que fazer…

  • Lucas dos Santos

    Mais uma nova “moda” na minha cidade: estão colocando tachas – vulgo “olho-de-gato” – de fora a fora na via, antecedendo as linhas transversais brancas, chamadas de “linhas de estímulo à redução de velocidade”.

    https://youtu.be/iEsuyO0sSdA

    Só que tem vários “poréns” aí. A via conta com uma boa iluminação e a tinta utilizada como sinalização JÁ É refletiva. Essas tachas dispostas dessa maneira na via, além de causarem pequenos solavancos, atuam como verdadeiros sonorizadores. É horrível passar por cima dessas “coisas”.

    Já que acham tão importante essa redundância – tachas + tinta refletiva + iluminação pública –- na sinalização horizontal, que ao menos utilizassem tachas menos salientes, que cumprem a sua função sem causar solavancos ao veículos.

    E aí o sujeito que aparece no vídeo acima – que mal sabe escrever direito, dado os absurdos erros de grafia que comete em suas publicações no Facebook – ainda exalta o governo municipal e acha que está fazendo uma coisa maravilhosa! Pior que se eu for lá e falar para ele que essas tachas – que mais parecem tachões – não podem ser dispostas transversalmente à via, citando a resolução do Contran que proíbe isso, ele simplesmente vai lá e apaga o comentário, sem sequer argumentar!

  • MGregolin .

    Aqui em Uberlândia-MG gastaram milhões em uma obra faraônica para “isolar” as rodovias BR-050 e BR-365 dos cruzamentos das avenidas da cidade e duplicá-las. Feito isso, por causa de UM caminhão que passou em alta velocidade em um trevo causando acidente, colocaram um limite de incríveis 40 km/h em uma rodovia duplicada e isolada do trânsito urbano.

    E o melhor… Você vem andando tranqüilamente na rodovia quando, de repente, ao final de uma subida, é surpreendido pelo trânsito literalmente parado, porque lá na frente todo mundo freia com tudo para passar no radar a 40 km/h… Aliás, a fábrica de idiotas faz com que as pessoas passem a 10 km/h em um radar de 40 km/h… É impressionante como os medrosinhos (e egoístas) não estão nem aí para o trânsito e passam se arrastando nos radares.

    Mais à frente, onde não há nenhum acesso para sair ou entrar na rodovia, totalmente duplicada, as autoridades se tornam mais generosas e impõe o limite para incríveis 60 km/h… E, como se não bastasse, a legião de medrosinhos passa a 30 km/h no radar de 60 km/h e continua na faixa da esquerda tentando retomar a velocidade a partir dos 30 km/h em quinta marcha… E quando são solicitados a darem passagem, abrem o vidro e fazem aquele famoso gesto com a mão que significa “passa por cima”…

    Tenho uma idéia genial. Vou vender meu super-ultra-mega-assassino-esportivo Chevrolet Omega 1998 para comprar um Ford T 1930 ou algo parecido… Vou estar tão seguro nele quanto em qualquer “supercarro” moderno, dados os limites de velocidade atualmente impostos.

  • SEMPRE dá pra ficar pior… http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/07/velocidade-nas-pistas-locais-das-marginais-caira-para-50-kmh.html Não vai ser 60, na local das Marginais… Vai ser 50!!! Senão, não enche o bolso deles… Aff…