CITROËN DS3, NO USO

O belo Citroën DS3 é estiloso e competente

O pequeno DS3 é um dos representantes mundiais do pequeno e divertido grupo dos chamados de hot hatches, que são os carros pequenos de bom desempenho. Já passaram por esta classificação ícones como o Golf GTi, Fiat Abarth, Peugeot 205 GTi e Ford Fiesta ST, todos nome respeitados, então este Citroën não pode fazer feio.

Os requisitos para entrar neste time são simples. Ser pequeno, divertido, relativamente barato e rápido. Também são carros mais notáveis, coloridos, chamativos. Infelizmente aqui no Brasil a parte do “relatativamente barato” falha um pouco, mas o “pequeno” e “divertido” continuam valendo.

A Citroën recriou o nome DS como uma linha de automóveis mais refinados, de maior prestígio dentre sua gama de produtos. O Bob falou do antigo DS 19 nesta matéria e contou de onde vem o prestígio do nome DS. O atual DS3 é o menor modelo na nova linhagem, esta que ainda conta com o DS4 e o DS5, e justamente por ser o menor, é o hot hatch da casa.

Desempenho não falta para este francês, o motor 1,6-litro com turbocompressor entrega bons 165 cv e uma elasticidade impressionante, graças à distribuição da curva de torque (24,5 m·kgf já a 1.400 rpm e 26,5 m·kgf com o overboost, a pressão de superalimentação adicional) e da calibração do motor que não deixa buracos em nenhuma faixa de rotação. É curioso, pois o motor em baixas rotações comporta-se como um motor aspirado comum e só quando mais solicitado ele mostra todo o seu potencial. E isto não quer dizer que exista turbo lag, nem o péssimo comportamento de motor “bipolar”, ou seja, antes do turbo e depois do turbo. No começo estranhei, mas com o passar dos quilômetros esta característica cai bem para andar na cidade, pois o carro comporta-se de forma mais mansa, sem acelerações repentinas e bruscas.

A frete do carro não deixa dúvidas quanto às origens

O câmbio é manual, coisa cada vez mais rara hoje em dia nos carros modernos e mais elaborados. As marchas são mais longas, bem escalonadas, seis no total, de fácil engate. Nada de embreagem pesada de carro esporte. O que temos que ter em mente é que o DS3 não é um carro esporte e sim um bom hatch de duas portas.

Dente DS3

Diagrama dente de serra do DS3

Muitas semelhanças com o irmão C3 podem ser vistas logo de cara. Literalmente. O visual do DS3 lembra bastante o C3, as linhas características da marca são muito fortes e não deixam dúvida que o DS é um legítimo Citroën. Um detalhe de estilo muito legal é a coluna central  invertida e que parece que não vai até o teto. Bem legal. Os logotipos do duplo chevron da marca foram substituídos pelo logo da família DS, para ser evidente que estamos falando de um automóvel distinto. A dianteira do carro lembra bastante o C3, mas logo vemos que o DS3 é de um patamar superior, mais refinado.

A coluna central parece que acaba antes de chegar no teto

Frisos e detalhes cromados chamam a atenção, mas sem exageros. As rodas de 17” destacam-se nas caixas de roda justas, sem muito espaço vazio entre os pneus e o metal. Isto ajuda a dar um ar diferente ao carro. Acho horrível quando “falta” pneu na caixa de roda. Um fator que chama bastante a atenção é a carroceria de duas cores, com o teto branco e o resto do carro vermelho.

O DS3 chama a atenção na rua, provavelmente as duas cores da carroceria, os cromados e as luzes de LED diurnas próximas aos faróis auxiliares ajudam a atrair olhares. É um carro que agrada só de olhar para ele, os designers fizeram um ótimo trabalho. O DS3 tem proporções bem equilibradas, linhas retas casam bem com grandes superfícies curvas sem ficar estranho. O conjunto ótico dos faróis dianteiros bi-xenônio são muito bonitos, com as setas de LED que “correm” pelo farol produzindo um efeito visual diferenciado. Não basta piscar uma luz âmbar, tem que ser uma produção artística, na medida certa, sem ser vulgar.

O conjunto ótico dos faróis são muito bem desenhados e eficientes

Rodar com o DS3 na cidade é um pouco diferente do que eu esperava. Por ser um carro com um acerto de suspensão mais esportivo e com pneus de certa forma baixos (205/45R17), o conforto poderia ser prejudicado, mas não foi. O carro roda bem mesmo nas ruas esburacadas da cidade, com um ou outro contato de batente de fim de curso de suspensão, mas nada fora do normal. Um pouco de cuidado resolve.

A direção eletroassistida é leve e rápida, o volante com a parte inferior achatada facilita a passagem das pernas sob ele ao entrar e sair. É um bom compromisso entre o esforço para manobrar e o peso ideal para uma direção mais esportiva. Mudanças de direção são fáceis e precisas, ótimo para o trânsito caótico de São Paulo e para estradas com boas seqüências de curvas.

Um recurso interessante é o Active City Brake que utiliza um um sensor laser de curto alcance localizado no pára-brisa para identificar possíveis obstáculos e até 30 km/h, os freios são acionados automaticamente para evitar um impacto. Também há bancos com aquecimento elétrico para os passageiros da frente, que eu achava uma futilidade no Brasil, mas pela primeira vez achei útil, pois em uma noite fria de São Paulo o recurso veio em boa hora.

Para um carro de uso diário, o DS3 só peca no espaço. O porta-malas de 280 litros não é dos maiores (o C3 tem 300 litros de capacidade), mas os bancos traseiros podem ser rebatidos para aumentar a capacidade. O espaço disponível no banco traseiro para os passageiros é apertado e o acesso só é possível rebatendo os bancos dianteiros, lembrando que o DS3 é duas portas. Na verdade isto só é um ponto negativo dependendo de quem vai usar o carro. Para uma pessoa apenas ou um casal, o DS3 atende muito bem, mas se for uma família maior, já complica.

Quem vai na frente tem muito espaço disponível, o painel é recuado para criar uma sensação melhor de amplitude interna. O entreeixos de 2.464 mm não dá muita margem para espaços grandiosos para os ocupantes do banco de trás. As portas são grandes, se o carro estiver em uma vaga mais apertada, entrar e sair fica um pouco mais difícil, especialmente para pessoas mais altas.

Os bancos são excelentes, com generosos apoios laterais que vestem bem o corpo do motorista e do passageiro. Andando mais forte, os apoios cumprem bem seu papel. A posição de dirigir é boa, mas o curso telescópico do volante poderia ser maior. O pedal do freio também poderia ser um pouco mais próximo ao do acelerador.

O painel de instrumentos com fundo e iluminação brancas é refinado

Acompanhar os concorrentes do segmento de hot hatches não é problema para o DS3. O conjunto motor e transmissão estão em sintonia com a boa suspensão, que permite que o carro seja firme e ao mesmo tempo dê liberdade para o motorista se divertir. Apenas um pouco de cuidado em saídas de curva um pouco mais arrojadas, pois a frente escorrega sob forte aceleração, mas sem abusar demais o carro vai no trilho. Com 1.240 kg de peso em ordem de marcha, o pequeno Citroën chega em uma relação potência-peso de 133 cv/t, ou peso-potência de 7,5 kg/cv, boa para a categoria.

Podemos dizer que o DS é um carro bem equilibrado entre o compromisso de ser rápido e ser funcional. As expectativas também tem que ser realistas, pois se você espera que este carro ande junto com um Subaru WRX de 300 cv, vai se decepcionar. A velocidade máxima é de 219 km/h e o carro acelera de zero a 100 km/h em 7,3 segundos. Novamente, o DS3 não é um carro esporte, é um sim bom hatch pequeno para se usar no dia a dia.

O que conta a favor dele é a diferenciação frente a um C3 comum. O acabamento é superior, o desempenho é atraente na medida certa. Até o ronco do escapamento é mais encorpado, mas sem ser deselegante, assim como a quantidade de cromados e brilhos espalhados pela carroceria, que são refinados mas não exagerados. O painel com tela multifuncional conta com GPS e um bom sistema de som, de fácil operação.

A carroceira de duas cores é chamativa mas não vulgar

O que vai contra é o preço, como sempre. O valor sugerido pela Citroën para o DS3 completo é de R$ 92.870. Para um hatch duas portas é um valor alto, e a comparação com outros carros de preços similares, mesmo que de outras propostas de público alvo é inevitável, e nesta o DS3 pode perder público, além do preconceito — injustificado — que ainda existe com carros franceses, já coisa do passado.

Se o custo não for um impeditivo, o DS3 é uma ótima opção. É prático, dentro de suas limitações físicas de espaço, divertido e bem executado (não é nenhum Rolls-Royce, mas vai bem neste quesito). É o típico carro que você se sente bem ao dirigi-lo, que lhe agrada e torna suas viagens mais empolgantes. Acho que não apenas quem está dentro do DS3 que se alegra, quem o vê passar na rua também esboça sorrisos. Mais carros assim rodando pela cidade ajudariam a acabar com a chatice e monotonia dos carros preto/prata/branco sem personalidade.

Personalidade. Esta é uma característica que poucos automóveis modernos possuem, mas o DS3 foge à regra e isto ele tem de sobra.

MB

Fotos: divulgação

 

FICHA TÉCNICA CITROËN DS3 2015
MOTOR
Tipo 4 cil. em linha, duplo comando por corrente, 4 válvulas por cilindro, variador de fase na admissão e no escapamento, dianteiro, transversal, gasolina
Diâmetro x curso 77 x 85,8 mm
Cilindrada 1.598 cm³
Material do bloco e dos cabeçotes Alumínio
Taxa de compressão 11:1
Potência máxima 165 cv a 6.000 rpm
Torque máximo 24,5 m·kgf de 1.400 a 4.000 rpm
Formação de mistura Injeção direta
TRANSMISSÃO
Tipo Transeixo dianteiro manual de 6 marchas à frente e uma à ré
Relações das marchas 1ª 3,54:1; 2ª 1,92:1; 3ª 1,33:1; 4ª 1,03:1; 5ª 0,82:1; 6ª 0,68:1; ré 3,31:1
Relação do diferencial 3,56:1
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, McPherson, braço inferior transversal com duas articulações, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira Eixo de torção, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
DIREÇÃO
Caixa de direção Pinhão e cremalheira eletroassistida indexada à velocidade
Relação de direção n.d
N° de voltas entre batentes n.d
Diâmetro mínimo de curva 10,5 m
FREIOS
Dianteiros A disco ventilado de Ø 283 mm
Traseiros A disco de 247 Ø mm
Controle ABS, EBD e auxílio à frenagem
RODAS E PNEUS
Rodas Alumínio, 6,0J x 17
Pneus 205/45R17
CONSTRUÇÃO
Arquitetura Monobloco em aço, hatchback de duas portas, cinco lugares
Aerodinâmica 0,31
Área frontal 2,36 m² (estimada)
Área frontal corrigida 0,731 m²
DIMENSÕES
Comprimento 3.948 mm
Largura sem/com espelhos 1.715/1.994 mm
Altura 1.483 mm
Entreeixos 2.464 mm
Bitola dianteira/traseira 1.465/1.467 mm
CAPACIDADES E PESOS
Porta-malas 280 litros
Tanque de combustível 50 litros
Peso em ordem de marcha 1.240 kg
DESEMPENHO E CONSUMO INMETRO
Velocidade máxima 219 km/h
Aceleração 0-100 km/h 7,3 s
Consumo urbano 11,3 km/l
Consumo rodoviário 14,4 km/l
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 6ª 46,6 km/h
Rotação a 120 km/h em 6ª 2.575 rpm
Rotação à vel. máxima em 5ª 5.700 rpm
INFORMAÇÕES ADICIONAIS
Troca de óleo e revisão 10.000 km
Garantia 3 anos

 

CITROËN DS3, PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS
CONFORTO
Apoio de braço entre os bancos dianteiros escamoteável, com porta-objetos
Apoios de cabeça dianteiros e traseiros reguláveis em altura
Ar-condicionado digital e automático com filtro de partículas e filtro de carvão ativo
Bancos dianteiros com regulagem longitudinal, inclinação do encosto e altura
Bancos traseiros rebatíveis 1/3-2/3
Chave Plip com comando de abertura das portas
Computador de bordo
Iluminação interna dianteira para o pés e no console
Indicador de temperatura externa
Lâmpada de teto com luz individual de leitura
Luz de acompanhamento externa após travamento das portas
Pára-brisa laminado acústico
Perfumador de painel
Porta-luvas refrigerado e com iluminação
Rádio CD Player MP3 com comandos satélite na coluna de direção, 6 alto-falantes, entrada USB e Jack
Revestimento dos bancos em couro Claudia perfurado com sistema de aquecimento (OPC)
Revestimento dos bancos em tecido 3D Akinen
Sistema viva-voz – Bluetooth com transmissão dos MP3 para o rádio
Tapetes dianteiros e traseiros
Tomada 12 V dianteira
Volante revestido de couro com detalhes cromados, regulagem de altura e distância
SEGURANÇA
Acionamento das luzes de emergência em caso de frenagem brusca
Acionamento elétrico do condutor um toque com proteção anti-esmagamento
Alerta de não utilização dos cintos de segurança dianteiros
Cintos de segurança dianteiros com pré-tensionador e limitador de esforço
Cintos de segurança traseiros de três pontos com limitador de esforço
Controlador automático de velocidade com controle por satélite na coluna de direção
Detectores de obstáculos traseiros com informação sonora e gráfica
Faróis com acendimento automático
Faróis de neblina
Fixação Isofix para cadeiras de crianças nos bancos traseiros
LEDs para iluminação diurna
Limpador do pára-brisa automático com detector de chuva e indexado a velocidade
Palhetas de pára-brisa de tipo palheta plana
Repetidores do pisca sob os retrovisores externos
Retrovisor interno eletrocrômico
Retrovisores externos com regulagem elétrica e rebatíveis eletricamente
Seis bolsas infláveis (frontal condutor e passageiro, de tórax e cortina)
Travamento automático das portas e do porta-malas com o veículo em movimento
ESTILO
Alavanca de freio de estacionamento revestido de couro
Dupla ponteira de escapamento cromada
Friso lateral cromado
Maçaneta das portas cromada
Manopla do câmbio revestida de couro com detalhes cromados
Mascara de painel tipo Carbotech
Pára-choque dianteiro e traseiro na cor do veículo
Plip personalizado com pastilha colorida (em função da cor da carroceria ou do teto)
Retrovisores exteriores cromados
Rodas de alumínio Bellone diamantadas pretas aro 17 polegadas
Sapatas de pedais e apoio de pé esquerdo de alumínio
Soleiras cromadas
Teto preto (independente da cor da carroceria)
Volante com acabamento em couro e detalhes cromados de 363 mm de diâmetro

 



Error, group does not exist! Check your syntax! (ID: 7)
  • Lemming®

    Só não entendo porque a Citroën abandonou a suspensão hidroativa… Acho que seria um ótimo carro para ter uma destas e poder “regular” de acordo com o piso ou “esportividade” desejada.
    Problemas de durabilidade?
    Pelo que me lembro o último modelo com foi o C5…

  • REAL POWER

    Milton Belli.
    O problema para esse e tantos outros carros é sempre o mesmo.
    O Brasil.

    Gostei pela não classificação de esportivo ao DS3, que ao meu ver está mais para um Hacht descolado, com espirito jovem. É para aqueles que enxergam a vida de forma mais divertida. Um carro que para um solteiro ou casal, não importando a idade, cai como uma luva.

  • Talvez o tempo de reação para um carro com uma proposta mais esportiva não seja adequado. Neste caso, amortecedores com controle eletrônico podem ser mais adequados.

    Uma suspensão do tipo da que você se refere poderia ter sido usada no DS5, menos esportivo e mais refinado, mas talvez hoje em dia o custo de um sistema deste seja inviável.

    • Piero Lourenço

      A Citroën abandonou por causa do custo sim… no DS5 faltou uma multibraço na traseira… mas na prática o carro vai bem… faz curva super-bem…

    • Sergio Pereira Barreira

      Engana-se quem pensa que a suspensão hidroativa seja “custosa”. Tenho um Xantia 2001 2.0 16V com 6 esferas que dá trabalho em muito carro bom muito mais novo. Trabalho, pois não conseguem acompanhar as mudanças de trajetória que o Xantia é capaz de fazer, com um mínimo de inclinação., sem deixar de lado o conforto. As esferas são fáceis de encontrar com um custo bem acessível. O sistema não é lá um bicho-papão. Com um pouco de conhecimento mecânico se consegue entender o funcionamento e fazer as trocas das esferas, manutenção do sistema hidráulico, entre outras coisas. O problema são os profissionais que, de frente com um sistema diferente, recusam o serviço, além de acusá-lo de problemático. No Youtube tem um vídeo de um Xantia Activia em Nurburgring dando uma volta rápida. Um espetáculo o controle que o carro proporciona.
      Vejam: https://www.youtube.com/watch?v=TUO7YC2itsQ

      • Veloni

        O video é do Gran Turismo.

      • Lorenzo Frigerio

        Será que sai assim de traseira numa pista real?

      • CorsarioViajante

        Você sabe que o vídeo é de um jogo né?

  • Lorenzo Frigerio

    Gostei do painel, mas iluminação branca é uma coisa distrativa. Poderia haver opções de cores.

    • Lorenzo,
      Não chega a distrair enquanto se dirige, pelo menos não senti isso. A foto do painel é um pouco “artística”, no carro é um pouco mais “normal”.

  • Leonardo Policarpo

    Tenho há dois anos um DS3 e estou muito satisfeito. Acredito que não haja outro carro que ofereça tanto prazer em guiar e personalidade, na sua faixa de preço. Design, estabilidade e aceleração são a receita deste hot hatch que foi o eleito Carro do Ano em 2010 pela revista Top Gear. Seria correto classificá-lo como esportivo, na mesma linha que são Mini John Cooper Works, Fiesta ST e Golf GTI. Ao contrário de outros `esportivados`, o DS3 tem motor, ajustes de suspensão, isolamento acústico, câmbio e reforço estrutural de carroceria que o distancia do convencional e lhe permite pleitear o titulo de Hot Hatch esportivo. Se cerca de 7 segundos de 0 a 100 km/h não impressionam, saiba que demora bem menos do que isso para você abrir um enorme sorriso atrás do volante de um DS3.
    Parabéns pelo site.
    Abraço!

    • Leonardo,
      Acho que você é o público alvo exato do carro, falou da mesma forma que eu imaginei um comprador de DS3.
      abs,

    • RoadV8Runner

      Para mim, 0-100 km/h na casa dos 7 segundos tá muito bom! Principalmente ao verificarmos que o motor tem 165 cv, nada absurdo nesses dias atuais de escalada de potência em modelos esportivos.

      • Domingos

        Concordo. E é mais ou menos o que um Xsara VTS, com peso parecido e cavalaria parecida, fazia. Talvez tirasse alguns décimos, mas isso é questão de programação do atual motor e de emissões.

        Preferia o conjunto do VTS, por ser aspirado (inclusive não passando sensação de ter menos torque que esse 1,6), mas são coisas do nosso tempo.

        Consta que o DS3 com essa programação de turbo quase desligado em baixas e médias solicitações o faz um carro econômico mesmo, desses que conseguem mais de 10 KM/l com a gasolina atual em São Paulo.

        Quando se acelera a fundo, leva-se algum tempo até que tudo realmente fique disponível. E é notável como da 3ª marcha em diante o carro ganha fôlego, o que indica uma programação de economia/segurança/durabilidade e dirigibilidade para as 2 primeiras marchas.

        Sem isso, o carro faria o 0-100 na casa dos 6 segundos baixo, o que é muito bom.

    • Lucas Zen

      Leonardo, Estou pensando em pegar um seminovo, queria saber sobre o preço de manutenção. Pode me dar uma dica? Abraço.

      • Leonardo Policarpo

        Lucas, O custo de manutenção é o mesmo de um Citroën convencional, gastei cerca de 700 reais em média por revisão, o que considero razoável. Vendi o meu há cerca de um mês e não tive problema com liquidez nem desvalorização excessiva. Foi um ótimo carro.
        Abraço!

  • CorsarioViajante

    Lembrando que o carro parte de R$ 82.500.
    Parece bem equilibrado, um carro com boa performance mas perfeitamente usável no dia a dia, inclusive por casais. Poderia ser o único carro da casa, por exemplo. Muito bom oferecer câmbio manual.
    Em tempo, já que estamos falando da PSA, que tal um “no uso” do 2008? Tenho muita curiosidade sobre ele, principalmente com o 1,6 16V normal.

  • Corsário,

    O 2008 já foi solicitado, virá em poucos dias, mas primeiro será o de motor 165 THP.

    • CorsarioViajante

      Então vão testar primeiro a versão com a qual eu sonho, e depois a versão que, talvez, um dia eu posso comprar! rs Muito obrigado Bob!

  • Fernando

    É um carro que acho muito interessante, do porte que me interessa e com muitos dotes, mais do que números possam sugerir(isso que os valores não são nada ruins).

    Até o desenho dele acho bem agradável, o formato da coluna central é algo que me chama atenção, e todos carros com a linha parecida. Mas o DS3 eu acho que estará com linhas “atuais” por um bom tempo ainda.

  • Piero Lourenço

    Lembrando que um simples chip o motor chega a 200 cv fácil… sem grande modificação….

  • Fórmula Finesse

    É um belo carro, aquele interior meio exótico que é marca registrada da marca, um refinamento bacana em vários detalhes e o melhor, é um modelo para quem curte dirigir mesmo sem pressa – a caixa e os pedais têm um “pesinho” certo, a direção é hiperdoce em baixa velocidade e o motor empurra sem histeria, mas com autoridade…enfim, difícil achar um defeito nesse carrinho tão bem executado. Ficou melhor nessa nova geração (leve remodelagem na verdade), parece mais maduro e menos extravagante que os de outrora…(adesivos, teto quadriculado…etc)
    Parabéns pela matéria MB; radiografou o carro com exatidão!
    FF

  • Renato Mendes Afonso

    Há uma divergência entre o peso em ordem de marcha citado na matéria e o da tabela.

    Dúvida: Há alguma previsão de quando será fornecido com o THP flex?

    Única cisa que eu não gostava nesse carro era o design, mas o facelift ficou realmente ótimo.

  • Christian Sant Ana Santos

    Tem uma pequena divergência entre o texto e ficha técnica: 1240 e 1165 Kg. De qualquer modo, qualquer um me satisfaz…

    • Houve uma divergência de informações da Citroën na ficha técnica e o release, já estamos corrigindo o texto. Obrigado.

  • Lorenzo Frigerio

    Para um motor turbinado ele tem um curso bem longo. Qual será a relação r/l? Deve estar bem no limite, pois não tem nenhuma versão de maior cilindrada. Acho que continuarão só aumentando a pressão e utilizando materiais mais caros na construção; talvez um câmbio com mais marchas apareça por aí para ajudar a elevar o desempenho no futuro.

    • Domingos

      Entre 1,5 e 1,6 litro é o volume ideal para um 4 cilindros 4 tempos. A questão de não ter nada acima ou abaixo deve ser intencional, assim como o dimensionamento para exatamente esse deslocamento.

      • Lorenzo Frigerio

        Nunca se sabe se não soltarão um 1.4 ou 1.6 aspirados baseados nesse aí para substituir os antigos.

    • A Citroën define o sistema como um ‘turbo de alta pressão’, mas não encontrei a pressão de trabalho para poder comentar. De fato hoje em dia é possível trabalhar muito bem apenas com a pressão da turbina e compensação na alimentação para manter os níveis de emissões adequados.

  • RoadV8Runner

    É um carro bacana, diferenciado dos demais modelos Citroën. Eu já não vejo grande semelhança com o C3, tem bastante carronalidade, como diz o JJ. Para meu gosto pessoal, eu retiraria todos os cromados, pois para mim não combinam muito com os desenhos de carroceria atuais. Essa faixa cromada na lateral me desagradou sobremaneira.
    Como sempre, o Custo-Brasil poda muitos carros legais, ao elevar o preço para um patamar acima do que o bom senso considera correto. No caso do DS3, pesa também o fato de vir importado da Europa, mais distante que modelos vindos do México, por exemplo, e sem o acordo de redução de impostos que há entre ambos países. Aí não tem jeito, o Dr. Leão morde sem dó…

  • O custo de fabricação hoje em dia é de um peso tremendo na decisão dos sistemas durante a fase de projeto. Mesmo no DS5, que é o mais sofisticado dos DS, a suspensão traseira independente foi cortada. Mas não é um demérito, pois hoje em dia há eixos de torção de ótima qualidade que não deixam nada a desejar.

  • Não gosto das rodas tipo “turbina” que parecem rodar no sentido contrario. Para evitar o isso, seria necessário adotar pares lado direito e pares lado esquerdo.

  • Peter

    É um post da série “No Uso” ou um release da Citroen? Achei mais para o segundo…

  • Os THP oriundos da Europa (3008, DS3/4/5) não terão conversão pra flex, só os que são feitos na Argentina e Brasil (2008, C4 Lounge, 408 e – futuramente – 208 GT).

  • Sergio Pereira Barreira

    Corsário Viajante,
    Você falou que o vídeo é de um jogo?
    Me explica por favor!
    Abraços!

    • CorsarioViajante

      Sim, é uma “filmagem” retirada do video-game Gran TUrismo para PLayStation, como os colegas Lorenzo e Veloni tbm disseram.

  • Sergio Pereira Barreira

    Piero Lourenço,
    Mesmo sendo um jogo o filme demonstrado, faço questão de afirmar que não é custoso, “faz curva super-bem”, como você mencionou, freios muito fortes sem afundamento da dianteira. Altura constante do solo, independente do peso. Precisa de um AUTOentusiasta para cuidar bem dele.

    • Piero Lourenço

      Sergio… o “custo” que me referi foi na fabricação e não na manutenção… 10 centavos em economia em cada carro numa linha de produção no final do mês faz diferença. A suspensão hidroativa eu não tenho dúvidas que deve ser uma maravilha.

  • Fernando Silva

    Charmoso, entusiasmante e razoavelmente prático, muito bom!

  • Claudio Antonio Cesario Dasilv

    Que alegria saber que ele possui câmbio manual!!!! Viva o prazer de dirigir!!!

  • Claudio, possui sim e é muito bom! Seis marchas de bons engates e bom escalonamento, aproveitando bem o torque do motor.

    • Claudio Antonio Cesario Dasilv

      Obrigado Milton!!Já tinha me encantado pelo estilo do carro, mas imaginava que ele tinha câmbio automático e isso pesava contra mas agora ele subiu muitos pontos na minha lista de favoritos

  • Luciano

    Já existem na Europa desde o lançamento deste. São os motores Prince, também da parceria BMW e PSA

  • zebedeu

    As rodas pretas do anterior eram muito mais bonitas!