Montreal recebe a F-1 na ilha de Notre Dame (foto Ferrari.com)

Após uma etapa em  que a vitória foi decidida em torno de um acidente e uma parada no boxe discutível, o circo do tio Bernie chega a Montreal, cidade famosa por suas festas animadas e muros nada amistosos. Longe de casa, a comunidade deve encarar etapa como fim de semana descontraído e conversar sobre as propostas para 2016.

Chicane dos boxes é o ponto mais explorado para as ultrapassagens (foto Ferrari.com)

Após a chicana, 1.064 metros pela frente…(foto ferrari.com)

As curvas fechadas do circuito Gilles Villeneuve mexem com o ego dos pilotos de uma forma diferente das estreitas vias de Mônaco. Neste o que vale é a festança; naquele, curtir o carro sambando sobre zebras e descendo a longa reta ao lado de um raia olímpica com o pé embaixo e o desfrutar o trecho sinuoso ao longo do rio Saint Laurent, um belo mix para demonstrações de arrojo impossíveis no principado. Neste cenário nenhum ambiente é mais propício a frustrações e consagrações que a chicana da entrada dos boxes, trecho que ninguém descreveu melhor que o australiano Daniel Ricciardo, que conseguiu em Montreal, no ano passado, sua primeira vitória na F-1:

“Quanto mais perto do muro, melhor o seu tempo. Beije o muro de leve e tudo bem, mas beije com força e está tudo acabado.”

 

Ricciardo aconselha tomar cuidado com o muro dos campões (foto Red Bull/Mathias Kniepeiss/Getty Images)

Ricciardo, vencedor em 2014, aconselha tomar cuidado com o “Muro dos Campeões” (foto Red Bull/Mathias Kniepeiss/Getty Images)

Esse paredãozinho de metro e meio de altura (se tanto) e que alguns chamam de “Muro dos Campeões”, não perdoa, por estar próximo da linha de chegada acaba sendo mais lembrado por frustrações que por paixões, algumas delas exacerbadas pelo fato do piso local permitir o uso de pneus de compostos macios e extra-macios. Como é na aproximação para essa seqüência direita-esquerda tomada que a maioria das ultrapassagens acontece, as chances de grandes emoções são maiores. Contribui para isso o fato do trecho ao lado do rio praticamente não permitir ultrapassagens, o que aumenta a adrenalina de quem vai atrás e acredita piamente que deveria estar na frente.

Resultado do GP de Mônaco ainda não foi completamente digerido pelos dois principais candidatos ao título de 2015 (foto Mercedes-Benz)

Como na etiqueta do tênis, o cumprimento no final (foto Mercedes Benz)

Se isto abriu a pasta “GP de Mônaco 2015/decisão/frustração” da sua memória, sinta-se em meio a uma multidão: os 1.064 metros da reta clamam por potência pura e colocam os dois carros da Mercedes novamente num planeta à parte, acirrando a disputa entre Lewis Hamilton e Nico Rosberg. Se o inglês não confirmar o que todos os chefes de equipe acreditam — recentemente eles o escolheram como o melhor piloto da atualidade — e o alemão se aproximar mais na tabela de pontos, estará lançada a pedra fundamental do caos na briga pelo título da temporada. Na linha de frente do show, Vettel segue como o oportunista de plantão.

Normalmente, nem toda a caravana de técnicos e imprensa prestigia essa corrida, condição que afeta o desenrolar de acordos e negociações para a temporada de 2016. Ideias como escapamento duplo para aumentar o ruído dos motores e o recente anúncio da concorrência para preencher a décima-segunda vaga de equipe para o ano que vem, deverão liderar a bolsa de mexericos por motivos opostos.

A primeira proposta tem toda a cara daquelas soluções milagrosas para reverter a queda de popularidade da categoria…coisa do tipo “não-vai-dar-em-nada”; a segunda tem toda a cara de script de novela, muito pelo fato de envolver um triunvirato formado por Ron Dennis, Jean Todt e seu filho Nicolas Todt. Ron sabe que é importante ter uma segunda equipe para desenvolver seus futuros pilotos e apressar o desenvolvimento da Honda; Jean precisa dar mostras de que faz algo de concreto pela e para a F-1 e Nicolas é o bam-bam-bam da equipe ART, DeeNeAmente ligada à McLaren e biologicamente ao presidente da FIA, seu pai.  Egocêntrico de carteirinha, promover a equipe de Todt Jr. à categoria principal é a solução mais pratica para Dennis aliviar suas dificuldades atuais.

 Carros da Art Grand Prix na GP2 seguem a programação visual da McLaren na F-1 (foto Art Grand Prix)

Outra mudança que continua sendo discutida é a mudança das especificações dos pneus. Entre as possibilidades consideradas está a adoção de pneus de perfil mais baixo e aro maior e o aumento da largura dos pneus traseiros para 420 mm, 60 mm a mais que atualmente A primeira hipótese tem poucas chances de ser implementada a curto prazo, ao contrário da segunda enquanto o possível retorno da Michelin, que mantém boas relações com a família Todt e Ron Dennis, aumenta a chance de alterações nessa área.

 

De Villota vive

A família da espanhola Maria De Villota admitiu esta semana que pretende estudar o resultado da investigação sobre o acidente que vitimou a piloto de testes da equipe Marussia (atual Manor), para decidir se abrirá um processo contra a escuderia e seus sucessores. A análise do acidente feita por entidades oficiais do governo inglês concluiu não haver motivo para tomar alguma atitude contra a equipe, para a qual De VIllota fazia um teste no aeroporto de Duxford, sede do Museu Imperial de Guerra e situado no entorno de Cambridge. Segundo testemunhas, no dia 3 de junho de 2012 a piloto se dirigia lentamente para a área onde estava o pessoal de apoio quando o carro repentinamente ganhou velocidade e chocou-se contra a plataforma do elevador de um caminhão. Após uma série de cirurgias e ter perdido a vista direita, De Villota tentou levar uma vida normal mas faleceu no dia 11 de outubro de 2013 em um quarto de hotel. A família alega que poderá demandar compensação civil para garantir que acidentes desse tipo não voltem a ocorrer “tal qual era o desejo expresso pela própria Maria”.

Júlio Campos é o novo líder na Stock Car

Largada da Stock Car em Curitiba teve acidente espetacular (foto Miguel Costa Jr)

Largada da Stock Car em Curitiba teve acidente espetacular (foto Miguel Costa Jr)

O paranaense Júlio Campos viveu um fim de semana memorável durante a disputa da quinta etapa da temporada de Stock Car: a vitória na Corrida 2 da rodada realizada domingo em Curitiba marcou a primeira vitória de um piloto local no autódromo de Pinhais (PR), região da Grande Curitiba, e a liderança na tabela de pontos. A vitória na Corrida 1, marcada por um espetacular acidente na largada, foi para Daniel Serra, que se obteve seu quarto triunfo nesse circuito e o segundo nesta temporada, fato inédito.

Toyota e Renault venceram nas etapas de Marcas (foto Fernanda Freixosa)

Toyota e Renault venceram nas etapas de Marcas (foto Fernanda Freixosa)

O programa incluiu provas do Campeonato Brasileiro de Marcas, com vitórias de Gabriel Casagrande (Renault) e Thiago Marques (Toyota), Turismo, que viu dois triunfos de Márcio Campos, e Mercedes-Benz Challenge, onde triunfaram  Fernando Júnior (CLA AMG) e Betinho Sartório (C 250).

WG

A coluna “Conversa de pista” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.
(57 visualizações, 1 hoje)