Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas TESTE DE 30 DIAS: VOLKSWAGEN JETTA HIGHLINE 2,0 TSI (PARTE 3) – Autoentusiastas

TESTE DE 30 DIAS: VOLKSWAGEN JETTA HIGHLINE 2,0 TSI (PARTE 3)

Roberto Agresti

 

TESTE DE 30 DIAS
VOLKSWAGEN  JETTA HIGHLINE 2,0 TSI
16 DIAS

 

P1130144

Na semana passada terminamos nosso relato da avaliação de 30 dias com o Jetta Highline 2.0 TSI com a seguinte frase: “…pois se conseguirmos realizar nosso plano, o próximo relato será muuuuito interessante.” Sabem o quê? Nosso plano deu certo, e consistiu em colocar o sedã da Volkswagen na estrada, rodar bons quilômetros rodoviários e, ao final desse trajeto, coroá-lo com alguma voltas em uma pista de verdade, no caso, o belíssimo circuito Velo Città, em Mogi Guaçu, no interior de São Paulo.

 

P1130163

Um sedã na pista? Para quê? Várias razões. Primeiro, porque para um verdadeiro autoentusiasta a oportunidade de explorar os limites de qualquer carro que seja — da Kombi ao Porsche — é um dever sagrado. Em segundo lugar, vem um aspecto bem realista: verificar a tão exaltada veia esportiva desse Jetta dotado do espertíssimo motor de 211 cv. Todavia, se nossa chance de rodar ali se realizou, o tempo dessa experiência foi limitado a apenas duas voltas. O que dizer? “Que pena” e “ainda bem”, pois mais voltas nos dariam, certamente, mais diversão, maior chance de explorar o Jetta em condição extrema, porém isso destruiria os pneus, comprometendo o restante de nossa avaliação. Enfim, dar só duas voltinhas deixou um grande gosto de ‘quero mais’ na boca, mas foi o suficiente para sentir do que é capaz esse automóvel em tal ambiente.

Como eu ainda estou me familiarizando com a GoPro, o vídeo não ficou lá essas coisas, principalmente o som. E ainda, o PK, amigão, resolveu explorar minha inexperiência na edição que ele fez do vídeo. Mas eu vou pegando a mão e melhorando com a prática. De qualquer forma, eu e o PK achamos que valeria a pena mostrar o Jetta em ação mesmo assim.

 

Sem querer decepcionar os que consideram o Jetta um lobo em pele de cordeiro, devemos dizer que dificilmente carros que não sejam esportivos puro-sangue se comportam adequadamente em pista, e com o Jetta não foi diferente. Sabem aquela suspensão que muitos acham dura, rígida demais? Na pista ela é mole. Sabem aquele motorzão-leão? Na pista é um gatinho. Apesar do traçado do Velo Città ser travado, ao Jetta sobraram quilogramase faltaram cavalos-vapor para efetivamente divertir quem aprecia condução esportiva. Contudo, rodar na pista foi tremendamente válido para fazer o que nas ruas e em estradas normais seria criminoso.

Nas curvinhas mais fechadas do Velo Città o Jetta faz o que se espera de um “tudo à frente” em termos de motor e tração, se mostrando fortemente subesterçante, esparramando com vontade a frente mas sem dar ao motorista-piloto impressão de descontrole e conseqüente insegurança. Evidentemente, nesse comportamento saudável há protagonistas importantes, primeiro deles a eletrônica avançada do modelo, que impede perda de aderência em aceleração e desequilíbrio através do gerenciamento de tração e da estabilidade. Pena que não haja um botão para desativar tais auxílios para efetivamente verificar o que muda mas… pensando bem, para que tal botão se ele é um sedã familiar? O segundo bom protagonista foram pneus, os Michelin Primacy HP que gritaram, reclamaram, mas ofereceram boa aderência e, mais importante, previsibilidade, “avisando” quando o limite está perto, e escorregando de maneira progressiva e não repentina quando ocorre o abuso.

 

P1130158

Curioso foi notar que o controle de tração não é do tipo que castra qualquer escorregadinha. Pelo contrário, ele permite certo patinagem que, quando ultrapassa um limite preciso, é contido. Na pista isso se nota nas reacelerações em saída de curvas mais travadas. No uso normal quando se afunda o pé no acelerador em piso de baixa aderência, o que faz a luz amarela do controle de tração piscar no painel e a rotação do motor subir alegremente, acompanhada do grito dos pneus. Conforta quem guia saber que se o pé ficar afundado não há nenhum risco de perda de controle direcional por um excessivo destracionamento de uma roda em detrimento da outra.

 

P1130150

Equilíbrio em frenagem forte foi outra boa característica exaltada na pista: frear para valer em descida com o Jetta já apontado para a curva, ou seja, em condição de desequilíbrio, com maior massa gravando de um lado do que de outro, confirmou o benefício da eletrônica. Nenhuma habilidade é exigida de quem o guia nesta situação pois ele se arruma, apruma, e entra na curva. Se sentir isso no Velo Città com suas grandes áreas de escape é confortante, numa descida de serra com piso molhado e um precipício ao lado é muito melhor.

 

P1130155

Nossas voltas na pista acabaram rapidinho. Um registro cronométrico aproximado revelou um tempo de volta de cerca 2min15s, o que resulta em uma média de pouco mais de 90 km/h para o traçado de 3,4 km enquanto o computador de bordo, devidamente zerado antes da farra de sete quilômetros, a marca consumo de 3,8 km/l. Outras revelações deste passeio em ritmo alegre no Velo Città? Verificar que o câmbio DSG (usado na posição “S”) não aceita barbaridades, pois não adianta insistir nas borboletas do volante pedindo reduções “no gogó” pois as marchas simplesmente não entram, ou melhor, entram quando os parâmetros são normais, e não excessivos, protegendo o motor dos danos de um passeio do ponteiro do conta-giros nas regiões abissais.

 

P1130136

O contraste aos excessos destes momentos em pista foi nossa viagem rodoviária de São Paulo ao circuito e respectiva volta. Nos 170 km da ida, um ritmo levemente ansioso mas plenamente dentro da lei, revelou uma marca de consumo de 11,9 km/l. Na volta, sem pressa nenhuma, melhores 13,6 km/l. Vida a bordo excelente na tarde de outono, com o teto solar funcionando como exaustor do ar da cabine — apenas a parte posterior erguida – e deixando o ar-condicionado descansar. Rumorosidade quase nula e que em sua maior porção vem do atrito dos pneus com o pavimento. O trecho final da viagem realizado já de noite mostrou a competência dos faróis bixenônio e a plena eficácia do facho baixo, suficiente durante todo o trajeto.

 

P1130108

A intensa semana não se restringiu, claro, ao divertido uso em pista ótima e à estrada boa. Trajetos urbanos somaram nada menos do que 276 km dos 610 km totais do período e o consumo em um dia de trânsito paulistano muito truncado alcançou 6,4 km/l com uma pavorosa média horária de 16 km/h. Já em outra ocasião, rodando em trechos de via expressa e horários mais tranqüilos fez ver bons 8,3 km/l e média de 23 km/h. Neste vai e vem urbano chamou a atenção nos trechos noturnos o conveniente sistema que faz com que o farol de neblina interno à curva se acenda. Trata-se de uma opção que pode ou não ser selecionada no menu de configuração do Jetta Highline e plenamente recomendável, especialmente para compensar a iluminação deficiente de ruinhas de bairro, servindo de válido auxílio para individulizar — e desviar — das crateras e demais obstáculos de uma cidade degradada.

Com a avaliação do Jetta em sua exata metade, o que falta fazer com este Volkswagen? A nossa viagem-teste favorita, rumo ao litoral norte paulista, carro cheio, porta-malas idem. Estradas de diversos tipos, inclusive de terra colocarão à prova a versatilidade do Jetta. O veredicto deste cardápio variado sexta-feira que vem. Não perca!

 

VOLKSWAGEN JETTA HIGHLINE 2,0 TSI

DIAS: 16
QUILOMETRAGEM TOTAL: 963,2 km
DISTÂNCIA NA CIDADE: 613,2 km (63,6%)
DISTÂNCIA NA ESTRADA: 350,0 km (36,4%)
TEMPO AO VOLANTE: 35h57min
VELOCIDADE MÉDIA: 26,8 km/h
CONSUMO MÉDIO: 8,1 km/l
MELHOR MÉDIA: 13,6 km/l
PIOR MÉDIA: 3,8 km/l

RA

No Teste de 30 Dias é utilizada exclusivamente gasolina aditivada.


  • Thiago Teixeira

    Roberto, bacana o vídeo.
    Tendo apenas números, deixa a gente sem noção do quanto é bom ou não o Jetta na pista. Eu não conheço o Velo Città e não tenho a menor idéia de quanto tempo um carro similar ou legítimo RT faz lá. Você tem alguma estatística sobre isso? Pelo vídeo deu para ver muitos carros por lá.
    abçs

  • Mineirim

    Agresti,
    Destaco o trecho em que você diz: “Sabem aquela suspensão que muitos acham dura, rígida demais? Na pista ela é mole. Sabem aquele motorzão-leão? Na pista é um gatinho”.
    Uma visão bem realista dos automóveis modernos, que muita gente chama de “esportivos”. Acho que isso é importante inclusive para a educação no trânsito. Tem muita barbeiragem por aí porque as pessoas acham que têm “aquele carrão” e podem fazer o que quiserem nas ruas e avenidas.
    A velocidade e a condução têm que ser naturais!
    Mais uma excelente matéria.
    Abraço

    • francisco greche junior

      Ótimo comentário! Penso assim também.

    • Lorenzo Frigerio

      É por isso que quando você anda a 160 km/h na Imigrantes, sente as ondulações da pista, porque com o aumento da velocidade ocorre o aumento da frequência delas. Em minha opinião, é uma estrada ruim.

  • RoadV8Runner

    A tocada no Velo Città parecia tranqüila, até o momento da primeira cantada de pneus… Por aí deu para ver o quanto o carro tem de comportamento benigno (aliás, o vídeo ficou bem bacana!). E nota-se o exagero da VW do Brasil em dizer que o Jetta é “O esportivo disfarçado de Sedan”…
    Sobre pneus Michelin, eu os uso há mais de 10 anos, justamente pela sensível melhora em aderência, tanto no seco quanto no molhado, que pude perceber em relação aos outros tipos de pneu que havia usado anteriormente.

    • Christian Bernert

      Pneus Michelin. Eu tenho exatamente a mesma experiência com eles. Não abro mão. Não vejo hora dos Pirelli originais do meu Golf TSI acabarem para voltar a rodar com os Michelin.

    • CorsarioViajante

      Acho que é “esportivo” perto dos demais sedãs… Mas daí lembro de Focus e Civic, fico em dúvida.

    • Lorenzo Frigerio

      Eu já acho os Michelin ruins de aderência. É o preço de um pneu durável e resistente a impactos.

      • RoadV8Runner

        Caramba! Que modelo de Michelin você usou? Uso os Energy XM2 (uma espécie de evolução dos descontinuados XT-AS e XH-AS) e os considero os melhores em aderência de todos que já experimentei. Mas então você não pode usar os GoodYear Excellence, pois esses achei bem ruins de aderência no seco (no molhado são razoáveis).

        • Danniel

          Meu carro veio com os Eagle Excellence e sempre achei que eu freava errado, pois qualquer besteirinha e o ABS já entrava em ação. Descobri que o problema não estava entre o banco e o volante quando eles acabaram e mudei para outra marca. O carro virou outro.

      • Domingos

        Michelins são e sempre foram bons pneus pneus, pneus de turismo e uso geral. São muito bons de durabilidade, resistência e em dar ao carro uma característica de não socar/ressonar em buracos ou imperfeições.

        A aderência é boa, só não é das melhores. Sinceramente, acho justo para uso em rua. Já tive pneu grudento que era muito bom, mas ressonava bem em valetas e duraram 20 mil km apenas.

        Pelo mesmo motivo acho Toyo e similares pneus meio inadequados. Se você abusar mais, acabam em um ano de uso.

        Vale lembrar também que geralmente Michelin é mais caro e ganha em durabilidade e conforto, mas se faz uma comparação não tão certa quanto à aderência.

      • Christian Bernert

        Os Michelin não são todos iguais. Tive uma experiência muito boa com os Energy Saver, 185/60R15. Mas eram fabricados na Espanha. Tive outra situação com os XH-AS 175/70Rr14 que eram fabricados na Colômbia e não tinham uma performance tão boa. Pode ser influência do modelo, medidas e também da região de fabricação, isto eu não sei dizer. Mas que o Energy Saver foi muito melhor que P6000 e Eagle NCT, não há sombra de dúvida.

        • Cadu

          Exatamente. Há diversos modelos
          O Primacy é uma linha superior aos XH, XT, XM
          E ainda há os Pilot.

          • Renato

            Exatamente….

      • Renato

        Lourenzo, não fala isso não…. Campeões de aderência no seco e no molhado….

  • MrBacon

    Estou há quase um ano na dúvida entre um A3 1,4 Attractive e o Jetta 2-L TSI… sei que o Jetta tem um motor maior, mais equipamentos, mas o modelo até 2014 tinha um painel muito pobre, não gostei quando vi.

  • Félix

    Gostei da narrativa! Cada vez melhor este teste de 30 dias.

  • Mr. Car

    Por mim, saber que o Jetta não tem o comportamento de um puro-sangue esportivo, não o desmerece nem me decepciona em nada. Não ter este comportamento só me decepcionaria se ele fosse um puro-sangue esportivo, he, he!

    • RoadV8Runner

      Mr. Car,
      Mas você gosta de puro-sangue esportivo?
      (Não resisti, tinha que dar uma alfinetada! hehehehe…)

      • Mr. Car

        Digamos que eu salve a vida de uma filha de um sheik árabe, e ele me peça para escolher um carro 0-km para me presentear. Qualquer carro. Veyron, Lambo, Pagani, Koenigsegg, McLaren etc, não vão ter a menor chance de ser o escolhido. Respondi? He, he, he!

    • Cadu

      A maioria dos carros urbanos também decepciona nas pistas. Nenhum demérito!

  • Christian Bernert

    Permitam me aproveitar este momento para um comentário meio fora de contexto. Estive em viagem recente à China e fiquei muito irritado. Ocorre que lá é impossível acessar o site AUTOentusiastas.
    Todos já devem saber que o governo chinês exerce um controle pesado sobre a internet. Lá Google não funciona, nem Facebook nem Gmail. Mas realmente não esperava este bloqueio ao Ae.
    Deve ser uma ameaça e tanto…

    • Cláudio Martins

      Sem entrar no ramo da discussão políticas, creio que o site do Partido dos “Trabalhadores” deve funcionar direitinho por lá (rsrs).

    • marcus lahoz

      Caramba, estive duas vezes lá e não tive problemas com sites automobilísticos. Até os jornais nacionais acessei. Agora claro as redes sociais são bem limitadas. Será uma nova restrição?

    • Rafael Ramalho

      Tive um problema semelhante no Equador e nos EUA, principalmente com serviços de Streaming do UOL e rede Bandeirantes. Minha dica é sempre usar algum serviço de proxy falso. Não sendo um ambiente seguro, tais como Internet Banking, sites de compras e etc, pode navegar à vontade.

  • CorsarioViajante

    Esta questão de queda nas vendas, a VW está colhendo o que plantou, ou melhor, vem plantando.
    Santana era um carro adorado, saiu de linha sem substituto.
    Voyage também, ficou longos anos fora de linha para felicidade do Siena. Golf, que tinha uma legião de fãs cegos, ficou congelado no tempo, para sorte do i30. Polo, que nunca vendeu bem mas era um excelente produto, fora de linha sem substitutos. A Parati, que também era querida, ficou de fora da nova família Gol. Até a Kombi, tiveram mais de cinqüenta anos para melhorar e evoluir mas deixaram sair de linha, novamente, sem substituto.
    Aí quando precisam substituir o tosco Gol G4 fabricam aqui um excelente carro como o up!, mas dão um nome difícil de pronunciar para quem não fala inglês, preços altos com pacotes desinteressantes onde tudo é opcional, e ainda lançam com uma propaganda hypster bobona.

  • Marco

    Gosto muito desse carro, embora não seja para o meu bico. Só acho estranho esse painel preto, com a tampa do porta-luvas bege. Deveria ser tudo claro.

    O vídeo ficou bem legal. Aliás, é o Agresti ou o Peter Gabriel no vídeo? hehe

    • Cadu Viterbo

      A parte superior não pode ser clara por conta de reflexos no para-brisa. Atrapalharia a condução
      Experimente colocar uma camiseta branca sobre seu painel num dia ensolarado!

      • Marco

        Tivemos em casa um Fiesta CLX 1,4-L com interior cinza claro, inclusive o painel, durante quase 19 anos. Nunca a condução foi prejudicada por conta da cor clara do painel.

        No Jetta, se foi esse o motivo, que ao menos colocassem a tampa do porta-luvas na cor preta. Ficou muito estranho desse jeito.

  • Thiago Teixeira

    Roberto Agresti pegou leve…

  • Mr. Car

    Se bobear, daqui há pouco você não vai precisar ir tão longe para ficar muito irritado.

  • Rogério Ferreira

    Gosto demais do Jetta, é o meu ideal sobre rodas, juntamente com o Fusion EcoBoost, e o Audi A3 Sedan. apesar dos alemães serem voltados a esportividade e americano, ao conforto. E esse Jetta, nesse azul com interior bege, foi para arrebatar de vez, há muito tempo não via uma combinação tão bonita! Pena não termos a versão 1,4 TSI do VW, com um preço um pouco menor, e com o consumo do Golf com o mesmo motor, que passa facilmente dos 15 km/l, sem perder o entusiasmo.

  • Domingos

    VW tem apelo sempre mais popularesco. Infelizmente essas propagandas com jogador e algumas mais bobas, como as do up! (bem irritante, hypster mesmo), vão ser inevitáveis.

    O certo mesmo para mim era o Fox sair de linha e o Gol, que é em parte o Polo antigo e em parte o novo europeu, ter versões como no G3: algumas bem básicas e outras muito completas.

    Assim ficava bem menos bagunçada a coisa. E um Golf na faixa dos 50 mil também, ainda que com o 1,6 16v mesmo.

    • Lorenzo Frigerio

      Deveriam acabar com o Fox, o Gol e o Polo e substituí-los pelo novo Polo europeu. Se isto fosse um país desenvolvido.

      • Domingos

        Bom, mas não somos… E também não vejo essa necessidade.

        Acredito que seria interessante ter up!, Gol e Golf ou Gol, Polo e Golf. up!, Polo e Golf seria o ideal caso fossemos um mercado mais exigente e desenvolvido, mas não somos e não dá para uma marca com foco em grandes vendas ter apenas carros “premium” na linha.

        Até a Toyota tem o Etios…

  • Domingos

    Sim. Carro de rua e carro de pista às vezes vão para extremos opostos e, mesmo com toda a tecnologia atual, não se pode conciliar ambas as coisas.

    O que chega perto de carro de pista são os Ferraris e afins, mas olha o que se perde com usabilidade – e o preço…

  • Lorenzo Frigerio

    Tenho os Energy XM2 na frente e os mais antigos Pilot Primacy atrás. São 195/60VR15.

    • Domingos

      Não desequilibrou o carro? Os Pilot Primacy em teoria são muito mais grudentos que os XM.

      • Lorenzo Frigerio

        Não, os Pilot Primacy são mais ásperos e menos aderentes. Os XM2 são superiores.

        • Cadu

          Engano seu. O Primacy é superior aos “X”
          Acima dos Primacy, somente os Pilot.

          • Renato

            Certíssimo… Custo benefício Primacy. Bons demais…

        • Renato

          Errado meu caro….

          • Lorenzo Frigerio

            Falo de experiência. O carro é o mesmo. Exceto que os pneus de fábrica, originais, eram Firehawk 690 espanhóis (lixo).
            Quando digo que o Michelin não é muito bom de aderência, refiro-me exclusivamente à primeira linha. Pirelli, Goodyear, Firestone etc. não contam.
            Na última troca, pensei em sair atrás de uns Toyo ou Yokohama, mas não se encontram por aí avaliações comparativas em que eu possa confiar, além de serem caros, então coloquei Michelin novamente, mesmo.

  • Lorenzo Frigerio

    O PK e o Bob andaram elogiando os Dunlop originais do TSI, se você se lembra.

    • Domingos

      Dunlop é o pneu original dos Nissan GT-R. Alguma coisa eles sabem fazer muito bem feito…

      • Renato

        ÓTIMOS pneus…. Dizem que eles que inventaram os pneus ou pelo menos a vulcanização dos mesmos.

  • Yuri Coelho

    Sempre gostei do Jetta TSI, mas quando penso em trocar meu atual carro ,vem a duvida cruel, Jetta TSI x Fluence GT, o câmbio manual do Renault me faz balançar..

  • Lucas dos Santos

    Agresti,

    Quando você disse, na matéria passada, que tinha planos futuros para o Teste de 30 Dias, de imediato imaginei que você levaria o carro para pista e que o Velo Città seria uma das possibilidades – também pensei na Fazenda Capuava (que anda meio “esquecida”) e o novíssimo Haras Tuiuti.

    Apesar do posicionamento da câmera, o vídeo ficou bom. Com o tempo você pega o jeito – os vídeos que você fez para o G1 com a GoPro, por exemplo, ficaram ótimos. Uma dica válida é fazer como o PK, que utiliza o celular para “controlar” a câmera, podendo visualizar em tempo real de que forma a imagem está sendo capturada e, dessa forma, evitar “surpresas” na filmagem.

    Quanto ao carro, parece ter boas virtudes em diferentes ambientes. Muito bacana poder testá-lo por tempo prolongado.

    Até a próxima!

  • FCardoso

    Agresti, acompanho suas avaliações desde o BCWS e elas sempre me agradam muito. O Teste de 30 Dias, especificamente, ficou bem interessante.
    Como as duas avaliações feitas até agora foram com as versões de topo, fiquei pensando como é a vida a bordo dos modelos básicos, que costumam ser os mais vendidos. Se no caso do Fluence a diferença não é grande (basicamente, câmbio manual, menos equipamentos e interior escuro e simplificado), o Jetta o básico deve ser praticamente outro carro, a julgar pelas diferenças em motor, câmbio, direção, suspensão e interior.
    Se você conseguir pôr as mãos num Jetta Trendline no final do teste, nem que seja apenas para uma volta rápida, conte para nós!

  • MrBacon

    Concordo contigo quanto ao seguro e à manutenção, além de chamar menos a atenção. No entanto, acho que uma vez na vida quero passar pela experiência de ter um carro premium alemão, nem que seja um Audi A3 “Voyage” 1.4. Ele é muito bonito por fora e simples demais por dentro, mas a qualidade do acabamento (quando equipado com bancos em couro) é acima da média das generalistas. E também acho que o 1.4 TFSI e o peso contido do carro me fariam felizes!

  • Eric Darwich

    O tempo de volta, foi bem conservador. UM ASX, vira isso. Um Lancer CVT, menos.

    • R. Agresti

      Obrigado pelo “conservador”. A idéia de divulgar o tempo de volta foi dar a oportunidade para discussão. Havia rodado anteriormente no Velo Città, só que de motocicleta. Desta vez, no Jetta, foram duas voltas e para o cálculo do tempo usei o filme da GO PRO. Alerta: não me empenhei nada, freei muito antes do que poderia e a margem de velocidade em curva foi de gordos 30 ou até 40%. Mesmo sem levar ao limite o Jetta, rodar na pista deu a chance de sentir o carro e, usando a experiência em outras pistas e outros carros, poder comentar os dotes positivos ou nem tanto do modelo. Seria ótimo se todos os carros avaliados pelo Ae, seja no “30 dias” ou nos “No uso” pudesse ser utilizado em pista mas isso é bem difícil. De qualquer modo, obrigado pela indicação. De minha parte “chuto”que se tivesse um dia inteiro para andar no Velo Città de Jetta TSI a melhor volta antes dos pneus darem adeus seria na casa dos 2min00s-2min05s. Abraço!

      • Eric Darwich

        Agresti, 2 duro não vira não…mas uns 2:07 vem sim. Abraço!