Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas Autoentusiastas QUATRO RODAS ESTAVA CERTA, SÃO PAULO VAI PARAR – Autoentusiastas
Speed 1

(Foto blogpontodeonibus.wordpress.com)

Mais uma vez me desculpo com o leitor que não é ou que não vem a São Paulo por se tratar de assunto local, embora o que esteja acontecendo aqui, à semelhança de um câncer, já esteja se espalhando ou vai se espalhar ainda mais pelo país.

“São Paulo vai parar” é o título de matéria na revista Quatro Rodas que li por volta de 1968 e que, morando no Rio, achei interessante. Falava daquilo que estamos fartos de saber, veículos x espaço. São Paulo não parou, mas vai: assim quer o prefeito de São Paulo, o petista Fernando Haddad, que pelas suas atitudes está se achando salvador da cidade.

O “salvador” está mexendo e avacalhando de verdade é na questão da velocidade das vias. Ele e seu cupincha nisso, o também petista Jilmar Tatto,  secretário municipal de Transportes, é que vão concretizar o vaticínio da revista Quatro Rodas que usei no título desta matéria.

 

FH

O “salvador” e… (Foto noticias.gospelmais.com.br)

Jilmar 3 c

…seu cupincha Jilmar Tatto (Foto pt.wikipedia.org)

Sob a hipócrita e equivocada justificativa de colisões e atropelamentos em menor velocidade serem de menor gravidade, as velocidades máximas permitidas nas vias vêm caindo nos últimos anos, processo iniciado ainda na administração Gilberto Kassab porém timidamente. Agora é diferente, é abusivo.

A questão dos atropelamentos é simplesmente ridícula e deturpada, pois é mais que sabido que na maioria das vezes é culpa do pedestre, que desrespeitou alguma regra, como não utilizar a faixa de segurança ou atravessar uma rodovia no ponto onde existe uma passarela. As autoridades de trânsito ignoram ou fingem ignorar que pedestre também faz parte do sistema de trânsito, assim está no Código de Trânsito Brasileiro e, como tal, tem direitos e obrigações, estas passíveis de punição se desrespeitadas da mesma forma que um motorista ao volante de um veículo automotor ou de um propelido a força física, como as bicicletas.

 

SONY DSC

Atravessar fora da faixa, um mal a ser coibido (Foto 94fim.com.br)

Não é preciso ir longe para demonstrar isso. Na cidade do Rio de Janeiro começou há alguns meses a ser aplicada a lei que proíbe atirar lixo e outros dejetos, como pontas de cigarro, nas ruas. Como está sendo aplicada? Multando quem transgredi-la. Os agentes autuadores são fiscais municipais, nem policiais são. Analogamente, pedestre que atravessa fora da faixa ou desrespeita a sinalização semafórica também está sujeito a multa. No Rio, de repente as ruas ficaram mais limpas, constata-se a olhos vistos. Em São Paulo, pedestres obedeceriam às regras de trânsito. Simples, não? O bolso sempre educa.

 

Speed 3

Rio: fiscal multa quem jogou lixo na rua (Foto blogtabapoana14.blogspot.com)

A mais recente notícia — ontem — a respeito do “salvamento da cidade” é o plano da Secretaria Municipal de Transportes, pelo seu órgão executivo, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), de baixar o limite de velocidade na pista central das marginais da cidade, a do Tietê e a do Pinheiros, de 90 para 70 km/h.  O limite atual já era abaixo do ideal, que seria de 100 km/h dadas as características dessas vias, sem cruzamentos, semáforos e travessia de pedestres, e agora essa de 70 km/h. A capacidade de vazão dessas vias cairá significativamente. Quem trafega nas marginais sabe que a velocidade atual nas duas pistas laterais, 70 km/h, é inferior à velocidade natural dessas vias. Imagine-se o horror de se andar nesse ritmo na pista central. Esses dois petistas devem estar rindo da nossa cara, da mesma forma que outros na questão das propinas.

 

PLACA 5 SAO PAULO/SP - 10/05/2010 - NOVA / VELOCIDADE / MARGINAL / TIETE - GERAL/JT - Placa de sinalizacao de velocida na pista expressa da Marginal Tiete. FOTO: Marcio Fernandes/AE

Dentro de um mês, apenas a placa da direita nas marginais de São Paulo e sem nada escrito embaixo: insaninade ou esperteza da dupla Haddad-Tatto?  (foto flatout.com.br)

 

Essa decisão, se efetivada no mês que vem, com foi noticiado, configura-se com autêntico e inequívoco abuso de poder e por isso mesmo precisa receber a atenção do Ministério Público Estadual. Não pode uma autoridade de trânsito sobre a via proceder alterações dessa ordem sem estudos pertinentes à questão, sua viabilidade e impacto sobre a circulação de veículos. Não é favor, é obrigação.

Falando em MPE, este precisa também enquadrar a CET diante de absurdos que o órgão vem cometendo com as chamadas armadilhas. Já contado aqui, é o caso do acesso à Ponte das Bandeiras, na marginal do Tietê, que deve ser a arapuca campeã da CET, em que se lê proibição de utilizá-lo de 9h00 às 15h00 só depois de nele entrar e não se ter como sair. Claro, há uma caixa registradora — ops, uma câmera ? para a Prefeitura faturar seu dinheirinho, num autêntico assalto à mão armada com o dispositivo eletrônico. Um acesso natural, conhecido há décadas, construído dentro de toda a lógica e técnica de engenharia de tráfego que induz seu uso, deixado exclusivo para ônibus e táxis só por causa de faixa exclusiva de ônibus na pista interna dessa via marginal.

 

Pegadinha editada

A pegadinha: note a placa de proibição abaixo da grande, verde, num ponto onde não pode mais desistir de acessar (foto google.streetview)

 

O “assalto” reforça-se pelo fato de no referido acesso haver um portão que era fechado pela CET no horário de pico da manhã e que não é mais operado depois da criação da faixa de ônibus, ficando aberto permanentemente agora. Os milhões de motoristas paulistanos ou as centenas de milhares que aqui vêm conheciam há décadas o tal portão e, ao vê-lo aberto, subentendem que podem usar o acesso normalmente. Há aviso antes, aquelas placas amarelas, que nem sempre se vê ou a elas se fica atento, pois motoristas devem primariamente observar as placas de regulamentação como a que só é visível quando não dá mais tempo de obedecê-la.

Os paulistanos e os que escolheram essa fantástica cidade para viver não merecem tanto desmando. Pau neles, Ministério Público!

BS

 

 

Sobre o Autor

Bob Sharp
Editor-Chefe

Um dos ícones do jornalismo especializado em veículos. Seu conhecimento sobre o mundo do automóvel é ímpar. História, técnica, fabricação, mercado, esporte; seja qual for o aspecto, sempre é proveitoso ler o que o Bob tem a dizer. Faz avaliações precisas e esclarecedoras de lançamentos, conta interessantes histórias vividas por ele, muitas delas nas pistas, já que foi um bem sucedido piloto profissional por 25 anos, e aborda questões quotidianas sobre o cidadão motorizado. É o editor-chefe e revisor das postagens de todos os editores.

  • Visitante Paulista

    Percebo uma quantidade enorme de ruas em que trafego que os limites caíram 10 km/h de um dia para o outro, sem qualquer explicação ou maior aviso além das placas novas.

    Por exemplo a Consolação. Sempre foi 60 km/h e um dia decidiram que o limite era 50 km/h. Passei por ali a 60 km/h e tenho quase certeza de que fui multado.

    Está cada vez mais difícil viver nessa selva chamada Brasil. A gente cresce com a esperança de ver isso melhor mas o tempo vai passando e vamos nos dando conta, cada vez mais, que isso nunca vai deixar de ser apenas uma jaula de zoo em que os macacos ficam tacando banana uns nos outros.

    • Mineirim

      Passei ontem por lá, subindo a Consolação. É como se arrastar na via…

      • Andre Sousa

        Espere até você dirigir nas marginais dentro de 1 mês.

        • Domingos

          Na faixa central os 70 atuais já são perigosos, especialmente no período noturno – onde essa faixa não raro é bem livre e muito usada pelos caminhões.

          Não só parece que você está parado, como os próprios caminhões te empurram andando entre 80 e 90 Km/h (com total segurança, aliás).

          Se o CAMINHÃO te empurra, é porque a velocidade está definitivamente muito baixa.

    • Luiz_AG

      Pior é isso, ter uma velocidade não natural. Demorei para conseguir me adequar aos 50 km/h das vias.

    • Domingos

      Nos bairros ao meu entorno quase tudo caiu 10 km/h e as mudanças são sempre picadinhas.

      Por exemplo, apenas uma altura da Dumont Villares passou a ser 50 km/h. Sem aviso nem nada, sendo que em tempos passados essas reduções costumavam ser avisadas com faixas.

      Passa-se 2 meses e o resto continua a 60. Um belo dia, colocam 50 no restante. Felizmente a gente cria reflexo para os radares, olhando naturalmente para a placa e; depois; para o velocímetro.

      Quem simplesmente for pela memória toma multa e isso pode acontecer com MILHARES de pessoas absolutamente inocentes até que vejam finalmente a nova placa a tempo.

      Isso foi repetido em TODA via com redução de velocidade. Primeiro um trecho de acesso que ninguém repara, mas já com radares. Depois o trecho restante, do dia para a noite.

      Já na Zona Leste, reduto do prefeito (e cheio de piches escrito FORA DILMA, ironicamente), houve redução para 50 km/h dos principais eixos – mas com um porém: há pouquíssimos radares e enormes trechos sem qualquer um deles. Todo mundo ainda anda a 60 ou 70…

      Lá também ele gosta de dar isenção de IPTU até para morador de condomínio nobre…

  • Cesar Augusto

    Bob,
    Aqui em Brasília, o atual governador, discípulo do Agnelo já começou com a farra também.
    Vi uma noticia nestes dias dizendo que a velocidade no eixo rodoviário (eixão para quem é de Brasilia) será reduzida de 80 km/h para 70 km/h.

    • Mineirim

      Melhor andar a pé. hehe
      Há 30 anos, eu desembarcava no aeroporto e os táxis davam mais de 120 km/h no Eixão.

      • Cesar Augusto

        Até hoje eu não entendo como o eixo monumental com suas 6 faixas tem limite de velocidade de 60 km/h. Tudo bem posso entender do espaço que vai do monumento JK até a Esplandada devido ao fluxo de pedestres, mas do JK até a rodoferroviária, não há justificativas.

      • Christian Govastki

        Vão continuar andando a 120km/h e freando nos radares.

    • Christian Govastki

      A idiotice prospera a olhos vistos. O Eixão podia ser ao menos 90km/h em quase toda a sua extensão, bem como o Monumental após o Memorial.

      A L4 (conhecida como Avenida das Nações), também terá a velocidade reduzida de 80 para 70 km/h.

  • Mineirim

    Concordo 1.000% com o que foi dito. O que se vê em São Paulo é vias congestionadas a maior parte do dia. Quando, por sorte, alguma avenida está livre, a gente tem que se arrastar na velocidade tartaruguista, sob pena de ser garfado.
    Aquela foto dos fiscais do Rio autuando uma cidadã me fez lembrar, também, da necessidade de se proibir o uso de celular quando o pedestre está atravessando a rua. Quase aconteceu comigo e com outros motoristas de atropelar alguém falando ou digitando no celular. Fico sempre ligado quando percebo essa atitude do pedestre e dou uma buzinadinha para alertar.

  • Thiago Teixeira

    Bob, no fjnal do ano ele, o governador, vai dizer que reduziram is indices de acidentes e principalmente com morte. Torturando os números e estatísticas como diz a Nora, ele vai lançar essa estatística. Nas eleições, em campanha, o governo dele será o que salvou mais vidas em São Paulo, a exemplo do governo do Rio de Janeiro que o fez com a Operação Lei Seca. Que não salvou nada, só os cofres públicos e nem tanto (que, diga-se de passagem, o Rio esta no cheque especial).

    • Domingos

      Pior que nem vai dar. Os acidentes, assim como o trânsito, pioraram desde a gestão dele.

      Dessa vez eles conseguiram ser tão dentro do estereótipo do bla bla bla de esquerda que absolutamente tudo saiu errado.

  • Marcelo R.

    Bob,
    Como já disseram aqui, inúmeras vezes, essa redução de velocidade é igual aquela história de matar a vaca para se acabar com os carrapatos… Por outro lado, fico imaginando o que aconteceria se um novo prefeito, em um arroubo de sanidade mental, resolvesse fazer um estudo sério e colocasse os limites de velocidade, na cidade toda, exatamente iguais a velocidade natural de cada via e, além disso, acabasse com todas as ciclofaixas implementadas sem critério algum. Quanto tempo levaria para os “especialistas”, “cicloativistas”, etc, etc, começarem a descer a lenha neste hipotético prefeito, exigindo que os “retrocessos” sejam banidos??

  • Arruda

    Está tão errada essa política de culpar a velocidade, e apenas a velocidade por tudo que apesar da baixa geral nos limites, o número de mortes no trânsito de São Paulo cresceu em 2014 entre todos os tipos de participantes. Motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres.

    http://exame.abril.com.br/geral/noticias/morte-de-ciclistas-em-sp-cresce-34-em-2014

    Principalmente ciclistas, já que as cicloFAIXAS (e não ciclovias) pipocam de forma completamente desorganizada pela cidade.

    • Domingos

      É claro que cresceu. Só de ter votado no Haddad isso já representa uma queda de habilidade, inteligência e caráter que se reflete numa população mais violenta, menos habilidosa e mais agressiva.

      O motorista médio de São Paulo era um dos melhores do país, inclusive sendo elogiado por quem vinha de fora. Hoje parece que você está andando naquelas cidades do interior que o pessoal ocupa duas faixas, fura preferencial, fura semáforo etc.

      Tudo é conseqüencia. Se simplesmente liberassem os limites de velocidade era capaz de ter menos acidentes do que hoje.

  • Mr. Car

    Agora, olhem para a cara deste Tatto. Alguém, em sã consciência, vai dizer que este sujeito não está sob possessão de alguma entidade do mal?

    • $2354837

      Não não está. Está muito mais consciente do que a gente imagina. O objetivo é continuar no poder, já que essa atitude é aprovada pela maioria da população. Penso eu o seguinte… Não seria então a sociedade paulistana que estaria insana? O objetivo deles é só ficar no poder, essa atitude é populista. Pense bem…

      • Domingos

        Sim, todo mundo que adere à dialética fica contaminado por ela. O nível social e intelectual do paulistano nesses últimos três anos caiu de “esclarecido da América Latina” para funkeiro universal.

        Provável que muita gente aprove mesmo. No entanto, é tática comum da esquerda abusar do processo democrático. Se colocasse no plano de governo todas essas medidas, não teriam sido eleitos nunca.

        Agora vai passando porque já está todo mundo retardado. Mas se fosse referendar não passava também.

        Eles mesmos sabem que em 2016 só contando com um retardo completo da população ao estilo holandês ou com alguma bolsa milagrosa que cubra grande parte dos eleitores para acabarem sendo re-eleitos.

    • visitor

      Só faltaram os olhos totalmente pretos…

    • guest
    • Andre Sousa

      É só aqui nesse país mesmo. Esse cara tem inúmeros problemas com a justiça, basta uma simples pesquisa no Google para se inteirar dos seus escândalos, relativamente recentes.
      Tivéssemos uma justiça digna do nome neste país, seria impedido de assumir o cargo de secretário municipal de Transportes.

    • Domingos

      A dialética é o mal. Olha a descrição do diabo na bíblia, é o perfeito expoente do PT ou de qualquer organização criminosa ou de esquerda.

      Na verdade, a política polida que nós temos como democracia seria o perfeito inferno. Tudo gente de muito garbo e elegância para te colocar um pepino naquele lugar falando que é um grande favor.

      • Holandês Louco

        Como a Bíblia é muito extensa, quais versículos fala?

  • BlueGopher

    A redução da velocidade no fluxo de veículos gera congestionamentos, e aí é que deve residir uma segunda intenção no plano:

    Para reduzir os congestionamentos a solução, claro, é criar pedágios.
    A prefeitura agradece mais um imposto aparentemente benéfico a todos…

    (Isto faz lembrar a propaganda atual do PT, que diz que “nunca antes neste país tantos corruptos foram presos”, mas se esquece de dizer que foram eles mesmos que colocaram os tais corruptos no poder…)

    • Mr. Car

      A cara de pau desta corja imunda é infinita. Esta é outra publicidade do (des)governo seguindo a linha do escárnio, da gozação, da cusparada na cara dos cidadãos, bem como aquela da Petrobras (Superação), em que diziam estar “aprimorando a governança e a conformidade na gestão da empresa”, como se não estivéssemos vendo tudo (na verdade não tudo, pois o que se sabe até agora é só uma pontinha do iceberg) que fizeram de errado por lá.

      • Andre Sousa

        Sabe-se quais são os problemas, como resolver, mas o que se vê é cortina de fumaça, muito barulho, volteio e atitudes que nada resolvem, verdadeiras piadas. O que mais me impressiona é que conseguimos assistir a tudo resignados.

  • Luiz_AG

    Pessoal, vamos fazer um aplicativo colaborativo do AutoEntusiastas para celular com a velocidade para não levarmos multas? Quem topa? Inclusive com aviso dessas pegadinhas…

  • Roberto

    Complicado isto. Poderia se fazer ao contrário para evitar os atropelamentos, como o Bob sugeriu (exigir que o pedestre só use a faixa de segurança). Entretanto, o problema é que é possível contar nos dedos a quantidade de motoristas que param para o pedestre atravessar na faixa de segurança.

    Todo caso, concordo que o problema é falta de fiscalização de todos que fazem parte do trânsito. Entretanto, além da falta de vontade de nossos órgãos de trânsito, muitas vezes esta falta de fiscalização ocorre pela burocracia imposta pelo nosso sistema judiciário. Por exemplo, permite-se que uma multa de excesso de velocidade seja aplicada com base em uma foto de um aparelho autônomo (radar), mas outras infrações não podem ser aplicadas com base na gravação de um vídeo, mesmo que tenha sido feita por uma câmera de controle de tráfego.

    Por fim, concordo com o Bob de que o ministério público deveria acompanhar de perto esta redução de velocidade, já que pode ser abusiva e sem embasamento técnico. Aqui no RS, recentemente o MP da cidade de Lajeado pediu explicações para o DAER e a polícia rodoviária sobre o limite de velocidade da BR-386 (máximo de 80 km/h em uma rodovia duplicada), já que na BR-290, no trecho de pista simples, a velocidade máxima é de até 110 km/h.

  • Lorenzo Frigerio

    Disse o prefeito Figueiredo Ferraz em 1974: São Paulo precisa parar (de crescer)! Foi sumariamente demitido pelo governador pau-mandado Laudo Natel, pois a afirmação trombava com a idéia de “progresso” dos militares. Obviamente, era referência à especulação imobiliária. Mais apartamentos = mais pessoas = mais carros = mais trânsito. Naquele momento já estávamos na crise do petróleo e no fim do “milagre”, portanto ele sabia do que estava falando.

    • Domingos

      Sabia sim. Porém, se antes foi proibido pelos militares, agora seria pelo politicamente correto (xenofobia, elitismo e outras invenções lingüísticas de auto-censura).

      Na minha região já liberaram a construção de cerca de 4 novos prédios, sendo um deles pequeno que eu nem conto (daria 5). Com a desculpa de ser próximo ao metrô, um bairro inteiro teve novas construções permitidas.

      Muitas são em ruas residenciais já afastadas na prática e em prédios de padrão onde raramente será usado o metrô.

      Outros 2 são enormes conjuntos que não eram permitidos mais nessa localidade, no estilo “predião do centro”, com centenas de unidades. Fica numa rua já lotada e acabada por uma faixa de ônibus louca em que se revesa horário de estacionamento (inevitável, pois é rua residencial/comercial) com horário de faixa exclusiva.

      Tá bom mesmo o combate ao “grande capital”…

      • Lorenzo Frigerio

        Aqui, metrô é pretexto para adensamento imobiliário. Morei em Londres e algumas vezes ia de metrô a algum lugar onde nunca havia estado antes, porque lá havia uma determinada loja… eu descia da estação e só havia CASAS e ruas arborizadas. Simplesmente lá não existe essa desgraça chamada “prédios de apartamentos”, e a cidade termina no “cinturão verde”, onde não é permitido urbanizar, desde sempre, e sem “jeitinho” ou favelas. Por isso, quem quer morar em Londres tem que ter condições de alugar um lugar existente, que é apertado e caro. Lá não tem essa de “nóis tem o derêitchio de morar aqui”.

  • RoadV8Runner

    O pior é que essa praga de “velocidade baixa mata menos” está se enraizando na cabeça das pessoas, pois já ouvi muitos comentários de amigos que dizem ser esse o caminho correto.
    Outro dia cheguei ao absurdo de ouvir, em meio a uma conversa do caos que é o trânsito brasileiro, onde havia um holandês e outro americano participando, um rapaz que trabalha comigo dizer que, na Holanda, o trânsito também é complicado, pois os motoristas andam muito rápido. Quase surtei, pois realmente eles andam rápido, mas de forma totalmente consciente. Já comentei por aqui sobre isso, basta haver aglomeração de pessoas ou se aproximarem de local de risco para a velocidade ser reduzida. E, para quem duvida que o trânsito de lá é seguro, basta uma olhada no número de acidentes de lá e comparar com os números daqui… A praga da Holanda foi terem inventado essa dos pardais para flagrar quem anda acima do limite de velocidade da via (apesar de que os limites de lá são coerentes…)

  • Roberto Mazza

    Aqui no Rio de Janeiro também temos sintomas de câncer e demência. Poucos conhecem a Av 31 de Março pelo nome, mas se eu disser que é o VIADUTO que liga o túnel Santa Bárbara ao centro e vice-versa, passando ao lado do Sambódromo, facilmente até quem pouco foi ao Rio saberá onde é. Certo Bob?

    Pois bem, ali há um radar muito do safado colocado em uma acentuada descida, no sentido centro, com velocidade 70km/h, baixa para o local, visto que ali é uma via expressa sem pedestres, e visto que no túnel próximo a sinalização é de 80 km/h e no outro túnel, o Rebouças, chega a 90 km/h.

    Pois bem, nossas excelências fizeram a proeza de reduzir a marca justamente na descida para 60 km/h! Muito abaixo dos 80 km/h do fluxo que deveria ser normal no túnel! Incrível como em um mundo superconectado como o nosso não temos ninguém que possa exigir uma retratação urgente.

    • Roberto Mazza,
      Conheço o viaduto, mas não sabia era uma avenida. Mas, sossegue, aqui perto de onde moro tem uma rua paralela a uma grande avenida que é chamada de viaduto…Esses caras são mesmo completamente alienados. Você sabe se o túnel Zuzu Angel (ex-Dois Irmãos) continua com limite de 90 km/h?

      • Claudio Fischgold

        Bob,

        até a última vez que por lá passei, esta semana, ainda era de 90 km/h.

  • Ivan Rocha

    Eu acho que esse prefeito deveria proibir o trânsito de automóveis e caminhões entre as 00:01 e 23:59 todos os dias. Dessa forma os atropelamentos cairiam em torno de 99%, sendo que 1% seriam causados por atropelamentos causados por bicicletas e burros, incluído a pessoa do prefeito.

  • Lucas dos Santos

    Bob,

    A diminuição de atropelamentos depende não somente da educação dos pedestres como também da educação dos motoristas. Boa parte dos motoristas brasileiros tem o costume de simplesmente ignorar as faixas de pedestre, como se não existissem ou como se fossem meros elementos estéticos, sem função alguma. São poucos os lugares no Brasil em que o pedestre é respeitado. O vídeo a seguir ilustra bem esa situação:

    Dessa forma é até compreensível que os pedestres não tenham o hábito de utilizar as faixas, pois sabem que correm o risco de ser atropelados mesmo que as utilize. Não justifica, mas, no mínimo, explica.

    Há, no entanto, atitudes que são realmente injustificáveis e inexplicáveis de alguns pedestres que só fazem potencializar o risco de acidentes. Além do clássico e já citado (mau) exemplo de pedestres que não utilizam a passarela em rodovias, há ainda aqueles que caminham pelo leito de uma via movimentada, ao lado de uma calçada larga e em perfeito estado. Fora outros absurdos que não me recordo no momento. Esses, além de colocarem sua vida em risco, acabam atrapalhando (ainda mais) a fluidez do trânsito.

  • Lucas dos Santos

    Pior é ver as autoridades “metendo os pés pelas mãos” na hora de resolver o problema dos atropelamentos, sempre atuando no efeito e nunca na causa.

    Na minha cidade, as tais lombadas combinadas com faixa de pedestres, que atendem pelo nome de “travessias elevadas” estão se espalhando feito praga. Agora os motoristas acham que só devem dar preferência ao pedestre se a faixa for elevada. Se for uma simples faixa pintada no chão, então “não precisa”!

    Há uma avenida na minha cidade, uma das mais movimentadas, em que há poucos anos construíram um supermercado. Com um ponto de ônibus bem em frente ao supermercado, a circulação de pedestres no local aumentou, uma vez que as pessoas desembarcam do ônibus e precisam efetuar a travessia para acessar o estabelecimento comercial.

    A autoridade de trânsito, acertadamente, pintara uma faixa de pedestres no local e reduzira a velocidade da via naquele trecho, de 60 km/h para 40 km/h, para que o pedestre pudesse atravessar com mais tranquilidade. Para assegurar que os motoristas realmente reduziriam, instalaram um radar ali, bem visível e sinalizado – o certo seria uma lombada eletrônica, mas, tudo bem. Ocorria que, mesmo a 40 km/h, os motoristas ignoravam a presença do pedestre na faixa e avançavam para cima deles. Pedestre precisava esperar vários minutos no local até que surgisse uma brecha no fluxo de veículos para fazer a travessia com relativa segurança – ainda que, na maioria das vezes, fosse necessário atravessar correndo.

    Este mês, o órgão de trânsito daqui finalmente “solucionou” o problema. O que eles fizeram? Isto:

    http://i.imgur.com/dRSAgpw.jpg
    Instalaram uma travessia elevada e, não satisfeitos, ainda colocaram um semáforo com botoeira em cima, que o pedestre aciona antes de atravessar! Não é uma beleza? (Não, não é!) Resolveu o problema dos pedestres, mas da pior forma possível! Desse modo, os motoristas continuam não dando a preferência ao pedestre, mas só param porque o sinal ficou vermelho – respeitam o semáforo, mas não o pedestre. Legítima “fábrica de idiotas”, como diz o Bob.
    O pior é que disseram que esta é “apenas a primeira” travessia elevada com semáforo instalada na cidade. Logo haverá mais. Questionado sobre por que não colocar um agente de trânsito para fiscalizar e multar os motoristas, que flagrantemente cometiam a infração (gravíssima) prevista pelo Artigo 214 do CTB, o presidente do órgão de trânsito afirmou que não há efetivo para atender a essa demanda, pois são poucos agentes por turno.
    E a população ainda aplaude de pé uma aberração dessas!

    • Andre Sousa

      Tem um viaduto em SP que fica ao lado de uma passarela. Em 2012, colocaram placas proibindo pedestres (uma atitude no mínimo sensata, apesar que sempre tem pedestres por lá). O que estas bestas humanas que estão responsáveis pela Secretaria Municipal de Transportes em SP fizeram agora recentemente? Colocaram uns blocos de concreto e pintaram uma área azul para pedestres no lado direito do viaduto. Um perigo, certamente, um dia um carro desgovernado irá avançar por cima dos blocos e matar algúem (isso se já não aconteceu pois observei uns blocos arrancados e não faz nem 4 meses que fizeram a “obra”). Pois ainda assim, mesmo com essa área de pedestres à direita, ainda vejo pessoas andando pelo viaduto na faixa de rolamento e eu mesmo quase atropelei uma pessoa pois não imaginava que ainda assim fosse ter gente andando na faixa de rolamento. você acha mesmo que dá para esperar alguma coisa fora aberrações com uma cultura dessas?

  • Danilo Grespan

    É pessoal, sinceramente meio que perdi as “esperanças de um futuro melhor”. Se o Brasil é o país do futuro, acho que sempre será do futuro, que não chegará. Acredito que em uns 15 anos estarei fora do país, para algum lugar que respeite o cidadão, os motoristas, e não nos envergonhe, como tem acontecido conosco há muito tempo, e principalmente agora. E enquanto o PT estiver por aí, a tendência é sempre piorar.

    • Andre Sousa

      Danilo, faça isso se você puder. Somos roubados de toda maneira neste lugar: pelo trombadinha, pelo assaltante, por espertalhões de todos os tipos e por essa QUADRILHA NOJENTA E IMUNDA de POLÍTICOS. Dizer que é inversão de valores é pouco e a coisa só está piorando mesmo.
      Eles estão preocupados em salvar vidas mesmo? Porque então não cuidam dos milhares de bandidos que estão por aí nas ruas, nos semáforos assaltando, ferindo e matando pessoas inocentes? Outro dia eu mesmo vi um carro na minha frente sendo assaltado e os bandidos descendo a lenha no casal que estava com uma criança!! Isso em um lugar onde os assaltos são frequentes. Os bandidos continuam lá, mas colocaram um radar no semáforo, na região de uma FAVELA! O negócio é infernizar a vida de todo mundo mesmo com reduções de velocidade, ciclofaixas vazias, SACOLINHAS “VERDES” e trechos de 100 metros de faixas de ônibus!
      Para se dar bem aqui, só bandido e malandro.

  • Lucas dos Santos

    Bob,

    Quanto aos DESMANDOS na atribuição da velocidade máxima da via – e em outras sinalizações -, creio que só acabarão quando conseguirmos que as autoridades de trânsito cumpram com o que determina a Resolução 180 do Contran:

    O sinal R- 19 (Velocidade Máxima permitida) deve ser utilizado:

    – […]

    – Quando estudos de engenharia indicarem a necessidade e/ou a possibilidade de regulamentar velocidade menor ou maior do que as estabelecidas no artigo 61, § 10 do CTB.

    Para determinação da velocidade máxima a ser regulamentada para via ou trechos de via, o estudo de engenharia deve:

    • Identificar a via urbana ou rural e a classificação viária definida no artigo 60 do CTB;

    • Avaliar a existência e as condições de deslocamento lateral, do tipo transposição de faixas, movimentos, conversão e retorno;

    • Avaliar a existência e as condições de estacionamento, parada e acesso;

    • Verificar a velocidade abaixo da qual trafegam 85% dos veículos (85 percêntil);

    • Avaliar as características e condições do pavimento;

    • Avaliar a existência e condições dos acostamentos;

    • Avaliar as condições de alinhamento vertical e horizontal;

    • Avaliar as condições de segurança em curvas;

    • Identificar os locais com situação potencial de perigo, tais como: inadequação geométrica, obras na pista, atrito lateral, passagem de nível, travessia de pedestres, área escolar;

    • Levantar e analisar as estatísticas de ocorrência de acidentes;

    • Avaliar as condições do trânsito de pedestres e ciclistas ao longo da via;

    • Avaliar a composição do tráfego considerando a incidência de veículos de grande porte.

    O problema, porém, é que eu não faço a mínima de idéia de como cobrar isso do poder público de forma que tenha efeito!

  • francisco greche junior

    Olha não tenho palavras pra comentar isso, de verdade não sei o que será de nós.

  • André Andrews

    Bob, ontem entre às 16 e 17 horas, foi de dar nojo ouvir os locutores da 92,1 (Rádio SulAmérica Trânsito) defendendo essa medida. Inacreditável, aplaudiram de pé toda a questão de redução de velocidade; que isso salvará vidas; que ninguém consegue mesmo usar as Marginais a mais de 70 km/h (só existe hora de pico na cabecinha deles…); que é só respeitar a regra que não se leva multa (nunca ouviram falar em velocidade natural da via; de percêntil 85) e por aí vai.

    Não sei por qual dos dois motivos eles aplaudiram: não terem discernimento para entenderem a questão; ou algum rabo preso.

    • André Andrews
      Que idiotas! Vou enviar um e-mail para a emissora criticando severamente o posicionamento dela. Obrigado por avisar.

    • Andre Sousa

      Ah esperar o que deles? Uma companhia de seguro? O negócio deles é parar o seu carro, seja lá como for. Está havendo uma inversão de valores muito grande, é claro que eles irão entrar no balaio. Tava demorando.

    • André Andrews,
      Escrevi à emissora, nesses termos:

      Senhores,

      Foi com total perplexidade que li o que um leitor meu me escreveu, que ontem (30/4), entre 16 e 17 horas,
      aproximadamente, ouviu comentários de jornalistas desta emissora apoiando a medida da prefeitura em reduzir a velocidade máxima permitida nas marginais de 90 para 70 km/h. Esses jornalistas são completamente alienados das questões de trânsito ao dizerem que a redução salvará vidas. Eles simplesmente desconhecem aspectos de dinâmica dos veículos, uma vez que os acidentes graves, com vítimas, são aqueles associados a velocidades bem mais altas que 90 km/h.

      Terem dito, entre outras coisas, que ninguém consegue
      mesmo andar a mais de 70 km/h, é de uma total ingenuidade, como se os picos de tráfego nessas duas vias fossem de 24 horas.

      Eles não têm a menor ideia do que é dirigir a 70 km/h numa via com as características geométricas das marginais

      É lamentável sob todos os aspectos uma emissora de
      rádio dedicada a trânsito mostrar-se favorável a medidas da atual administração municipal que, ao lado desta especificamente, tem tornado a vida dos cidadãos que dirigem automóveis um inferno, demonizando o automóvel como nunca se viu.

      Se tiverem interesse, vejam matéria a respeito da
      redução de velocidade proposta no site AUTOentusiastas, que dirijo há quase sete anos, em
      http://autoentusiastas.com.br/2015/05/quatro-rodas-estava-certa-sao-paulo-vai-parar/

      Saudações,

      Bob Sharp
      Editor-chefe
      AUTOentusiastas
      bobsharp@autoentusiastas.com.br

      • André Andrews

        Fez muito bem Bob, parabéns.

        Esses políticos se aproveitam deles ao falarem a palavra mágica:
        segurança. Pronto, com este pano de fundo, tudo é válido e aceito.

        Na cabeça deles, o último responsável para melhorar as mazelas do trânsito é o motorista ou motociclista bem preparado, quando deveria ser o primeiro. Deu pra perceber isso nas entrelinhas ao ouví-los.

        Para eles, todo mundo de carro com 5 estrelas e, o principal, a volta da Lei da Bandeia Vermelha do fim do século XIX, seria a fórmula mágica do risco zero. Só que isso jamais seria proposto, pois com todo carro precedido de um homem a pé com uma bandeira vermelha, não renderia nenhuma multa por “excesso” de velocidade. Mas não é improvável que um dia se estabeleça como velocidade máxima de segurança (olha a palavrinha mágica aí), a velocidade de um homem caminhando…

        • Lucas dos Santos

          Mas não é improvável que um dia se estabeleça como velocidade máxima de segurança (olha a palavrinha mágica aí), a velocidade de um homem caminhando…

          Estamos quase lá! Já tem capitais determinando que a velocidade máxima dos veículos em certas vias não seja superior a de uma bicicleta (as tais “vias compartilhadas”)!

          E já li também sobre uma idéia de criar uma “rua”, cujo espaço seria compartilhado por automóveis, bicicletas e pedestres, ao mesmo tempo! Felizmente, nunca mais tocaram nesse assunto estapafúrdio!

      • Domingos

        Boa tentativa e argumentação, Bob, mas já é tudo ou aparelhado ou o cara que está ali passou desde o colegial até a formatura simpatizando com o pensamento de esquerda (leia-se: com a mentira) e dali ele vai para a redação onde encontra um monte de gente igual.

        É um verdadeiro milagre que tenhamos notícias de corrupção de um governo de esquerda, pois a censura é vonluntária nesse caso. Mas muita coisa ainda não sai na mídia, como o Foro de São Paulo.

        Fora que TODOS os expoentes de direita ou conservadores são tratados como loucos até mesmo pela mídia “melhorzinha”.

    • Domingos

      Os repórteres da rádio Estadão também já haviam aprovado essa medida, logo quando surgiu no ano passado.

      Os mesmos também aprovaram a proibição das sacolinhas plásticas, com uma entrevista onde apoiavam tudo o que o PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DOS VAREJISTAS falava – parecia um militante do Greenpeace falando em nome da natureza e não um cara ali para defender a venda das sacolinhas no lugar de sua distribuição usualmente gratuita.

      Jornalista é tudo comprado, é tudo de esquerda. Perdão aí para os 4% que se salvam, geralmente pessoas cuja sabedoria vai além do “contar estórias” (leia-se: o cara tem a hombridade ou o caráter de saber o que fala sendo também especialista ou formado na área que comenta).

      Quem fala que a mídia brasileira é conservadora ou qualquer coisa mais sana é doente e mentiroso.

      Em geral, se você não quiser ser um enganado, deve-se desconsiderar tudo que sai de profissional de comunicação: publicitário, jornalista, artista, comunicador de TV, repórter. Informação e comunicação nunca se deu de forma profissional e nem forçosa. A profissionalização e organização da mesma é mera manipulação.

  • Bob! Se a populacao “escolhe” um cavalo para por este ser governada, o mais próximo do racional que se espera é que ele venha a pastar…depois sobra o relinchar e por ultimo o defecar…aliás, este último ato parece ser o preferido desta escória política que usa os quatro membros voluntariamente para a locomoção…como se sabe, os equinos têm uma certa aversão e medo do automóvel…

    • pedro

      Esquecestes de mencionar os coices…

  • Lucas,
    Sem dúvida, o que você disse está mais do que certo. Tem de haver campanha pela televisões e autuação. Essas duas medidas educarão os motoristas rapidamente.

    • Lucas

      Alias, eu defenderia que houvessem campanhas publicitárias educativas com o tema trânsito em todo o país. Campanhas que enfatizassem a gentileza no trânsito, a prudência nas ultrapassagens, o respeito aos pedestres, a questão de se diminuir a velocidade próximo a escolas e locais com aglomerações, cuidar da manutenção do carro, sinalizar corretamente as manobras. É impressionante quanta besteira que fazem por aí. E as porcarias desses governos gastam tanto dinheiro com propaganda institucional. Por que não gastam com publicidade útil??

  • Andre Sousa

    A velocidade na pista LOCAL das marginais será reduzida para 50 km/h (PASMEM!!). E, na marginal Tietê, nas pistas auxiliares, aquelas construídas recentemente, que ficam entre a LOCAL e a EXPRESSA, será de 60 km/h.

    Mas foi sim feito um “estudo”. Um documento formato PDF, de em torno 20 páginas (tendecioso e feito de maneira porca, mais parece um trabalho de estudante de 4a série) que se encontra disponível no site da CET para embasar a medida.Isso é um DESAFORO, mais uma BOFETADA na CARA do CONTRIBUINTE.

    http://www.cetsp.com.br/media/388004/relatorioreducaovelocidadesfev2015.pdf

    Esse não é um país sério.

  • Andre Sousa

    Não sei se maioria aprova, esse cara está com menos de 20% de aprovação. Realmente, isso nós vamos ver, mas tomara que não aprovem. A intenção vai ficar clara quando as multas chegarem. As marginais hoje já são uma das vias que mais multam, imagina depois. Diferente desse prefeito desocupado, que está preocupado com ciclofaixas e sacolinhas, as pessoas em São Paulo têm pressa, ficam muito focadas em seus milhares de compromissos, vai ser difícil quem estiver com pressa ou desatento não levar multas, até porque estão enchendo de radares atrás dos viadutos e outras posições maliciosamente estratégicas. Eu tive a curiosidade de observar os comentários inseridos pelos leitores na notícia publicada pelo G1 a respeito desse assunto: no momento que li, umas 4 horas após a publicação, tinham quase 200 comentários. Seguramente, 90% deles estavam bem revoltados e “cuspindo fogo” e os outros 10% eram brincadeiras e ironias. Eu não vi nenhum a favor.

  • Lucas

    A melhor de todas é a atual, que diz que o governo está cortando gastos, mas pactua com triplicar e dar quase 1 BILHÃO de reais ao Fundo Partidário.

  • Daniel S. de Araujo

    Bob e Entusiastas
    O problema é mais embaixo: A questão “transito” é apenas uma das vertentes de um problema de ordenamento nacional, por sinal muito defendido pelos setores “progressistas” (=esquerda) do Brasil. E esse problema é taxar o cidadão como um ser incapaz. Os “progressistas” de plantão nada mais pregam do que isso.

    Nesta abordagem, o cidadão é tratado como um ser absolutamente incapaz de responder pelos seus atos. A liberdade individual tem que ser tutorada pelo estado uma vez que, o cidadão por si só não é capaz de tomar a melhor decisão no conjunto da vida em sociedade. Por isso precisamos de leis para tudo! Por isso precisamos de tantas leis, normas e regulamentos. O bom senso substituido pela regulação estatal, o cidadão dependente do estado para tudo e este, comandado por mentes iluminadas, cuidado e zelando de uma população que no final das contas acaba tolhida do discernimento e daquilo que eu julgo o pior: Da responsabilidade pelos atos.

    Essa questão da velocidade nada mais é do que o estado falando “o cidadão não tem capacidade de dirigir de maneira segura e a velocidade estipulada é alta dado a habilidade do motorista. Logo, nós, mentes iluminadas da Engenharia de Tráfego, na condição de responsáveis unicos pela segurança no transito temos que coibir os excessos”. E assim, burocratas que nada conhecem acabam criando leis e normas estupidas, sem qualquer vinculo com a realidade

    • Lucas dos Santos

      É bem assim mesmo a linha de raciocínio(?) desse pessoal.

      Problema: “o cidadão não tem capacidade de dirigir de maneira segura”;

      Causa: insuficiência de habilidade do cidadão para dirigir;

      Provável solução: manter os limites de velocidade, mas investir em ações para aprimorar a habilidade dos motoristas e intensificar a fiscalização a fim de retirar de circulação os motoristas inábeis e imprudentes.

      Solução adotada: manter os motoristas inábeis e imprudentes, mas investir em ações para reduzir os limites de velocidade, a fim de diminuir os efeitos das atitudes deles.

      • $2354837

        Não,

        solução adotada: manter os motoristas inábeis e imprudentes, mas investir em ações para reduzir os limites de velocidade, a fim de aumentar a arrecadação para os cofres da prefeitura e lucrar com contratos de prestação de serviços em fiscalizadores eletrônicos.

    • Domingos

      A coletivização da responsabilidade é tática única do PT e das esquerdas. A corrupção nunca é do partido, e sim culpa de todos nós.

      A violência não é culpa dos maus elementos e sim, sempre, da sociedade.

      O motorista eleitor do PT bate o carro escolhendo funk na central multimídia, a culpa é da carrocracia.

      E por aí vai.

    • Newton (ArkAngel)

      Para mim, o que existe mesmo são pessoas oportunistas e caras de pau, que aproveitam para sempre colocar a culpa de seus erros nos outros. A maioria se faz de idiota para não ter de assumir responsabilidades, assim como faz nosso governo. Quando é conveniente, sempre se fazem de desentendidas. Aliás, hoje em dia ninguém assume nada:

      Tomou uma fechada? “Ah, mas eu dei seta, a culpa é sua de não ter visto;”

      Tomou pau na escola? “A culpa é do professor.”

      Engravidou a namorada? “Ah, mas ela não se preveniu, a culpa é dela.”

      Foi assaltado? “A culpa é sua, quem mandou andar neste lugar à noite.”

  • Lucas dos Santos

    Sem dúvidas. Uma das melhores formas de educar/ensinar é através do EXEMPLO.

    Eu mesmo revi as minhas atitudes no trânsito após assistir o vídeo citado no meu comentário anterior.

    Tenho certeza que uma campanha BEM-FEITA (nada de tratar os motoristas como se fossem crianças) traria bons resultados.

  • Lucas dos Santos

    Bom, pelo menos tiveram a decência de publicar o estudo para entendermos como esse pessoal (não) pensa!

    Apresentaram vários dados e gráficos, mas não deixaram claro como chegaram à conclusão de que a velocidade seria a principal causa dos acidentes.

    Uma tabela – extremamente tendenciosa – faz uma correlação entre a diminuição da velocidade e de acidentes. Na meia-dúzia de países relacionados na comparação, apresentaram apenas um que aumentou os limites de velocidade, atribuindo a esse aumento, o aumento de acidentes. Por que não pesquisaram mais à fundo a fim de entender o que os motoristas fizeram de errado para causarem o aumento de acidentes?

    Há alguns pontos que eu gostaria de destacar:

    Comprovando a percepção da população sobre os riscos da prática de velocidades excessivas e inadequadas, a CET recebeu, contando apenas os últimos 3 anos, mais de 25.000 solicitações de Munícipes referentes às velocidades excessivas, cobrando da municipalidade medidas de controle e solução para situações de insegurança viária geradas por tais práticas“.

    Essa afirmação vem acompanhada de uma tabela, que demonstra um número expressivo de reclamações de moradores quanto à velocidade de uma via e milhares de pedidos de lombadas. Aí reside o principal problema. População geralmente acha que a velocidade dos carros sempre está muito alta. Pior é o pessoal achar que tem o poder de “medir” a velocidade dos carros só de olhar, gerando “pérolas” dignas de “vergonha alheia”, como esta: http://globotv.globo.com/rpc/parana-tv-2a-edicao-ponta-grossa/v/carros-fazem-juntos-uma-conversao-e-acabam-invadindo-um-muro/4028059/ E, pensando nas próximas eleições, todos querem “atender aos anseios da população”.

    […] acidentalidade registrada em tais vias [Marginal Pinheiros e Tietê] justifica a necessidade de redução dos limites de velocidade hoje praticados, incompatíveis com os recomendados para vias similares que cortam extensa área urbana“.

    Mais uma vez, a pergunta: de onde vem tanta certeza de que é a velocidade a principal causadora de acidentes?

    Após a implantação dos novos limites de velocidade os dados de acidentes serão monitorados minuciosamente, para verificação dos efeitos da ação e dos aspectos possíveis de aprimoramento“.

    Por “aprimoramentos” podemos entender que, se os acidentes não diminuírem, os limites de velocidade ficarão ainda mais restritos?

    Considerando assim os resultados positivos a serem obtidos com as medidas de redução da velocidade máxima permitida, esperamos ainda promover estudos para a redução da velocidade e consequentemente da acidentalidade em outras vias importantes da Cidade de São Paulo“.

    O recado está dado e de forma bastante clara: outras vias IMPORTANTES de São Paulo poderão sofrer diminuição da velocidade máxima permitida. “Depois não diga que não avisamos”!

    • Domingos

      Nem se alongue. Reclamação de velocidade excessiva com pedido de lombada é em via local, não na Marginal. Aí está a falácia.

      Estudo hoje em dia o esquema é ignorar TODOS. Você vai errar 10% das vezes e acertar o resto.

      • Lucas dos Santos

        Reclamação de velocidade excessiva com pedido de lombada é em via local, não na Marginal. Aí está a falácia.

        Na verdade, a falácia está no “estudo” TODO! Só o li até o fim para que não ficasse a impressão de que eu teria tirado conclusões precipitadas, mas deu até desânimo de ver aquilo.

  • Os carros estão cada vez mais seguros em velocidades mais altas e os limites de velocidade diminuindo? Tem coisa errada aí. Hoje é possível cruzar uma rodovia a 130 km/h com qualquer carro novo, com total segurança, coisa impensável na época dos Fuscas, Chevettes… Bem feito para os paulistanos retardados que votaram nessa imundice, e um lamento para nós paulistanos que não elegemos essa escória.

    • Lorenzo Frigerio

      O pior é que em 2016 não teremos muita opção… será Marta x Maluf, 16 anos depois, mais uma vez, ambos reclamando o título de “melhor prefeito que SP já teve”. Pelo menos, no caso do Maluf, poderemos lembrar: “Se o Pitta não fizer um bom governo, nunca mais votem em mim”.
      Brasil é sempre Brasil.

    • Kar Yo

      Os carros evoluíram, mas o motorista não muito. A sinalização viária é uma piada forçando todo mundo a competir pelo espaço (motoristas, motociclista, ciclistas e pedestres.

  • Há muito tempo defendo que educação no trânsito deveria ser matéria escolar desde o primário, porque a partir do momento que a pessoa coloca os pés na calçada, ela já está fazendo parte do trânsito, e deve saber como se comportar, mesmo uma criança, afinal ela pode não ser responsabilizada por seus atos, mas vai sofrer diretamente as conseqüências deles.

    • Danilo Grespan

      Talvez quase tenha entrado. Da mesma maneira que foram eliminadas as disciplinas Educação Moral e Cívica, que tentava, de maneira prática, socializar as crianças e dar noção de civismo e ética, além da OSPB, que explicava a estrutura governamental e política, coisa que poucos sabem hoje em dia, qualquer outra disciplina, que fuja do mais básico possível, para criança no mínimo saber ler e escrever, deve sair do currículo escolar. Talvez economia porca do estado, talvez por desinteresse em criar adultos corretos e que compreendam o local onde residem. Ensinar trânsito seria mais uma “inutilidade”, já que trânsito é algo que se aprende naturalmente, como andar de bicicleta. Por isso está essa porcaria. Ando em São Paulo algumas vezes por ano (felizmente são poucas, moro no Interior) e cada vez compreendo menos os chamados “engenheiros de trafego”, que devem estar completamente perdidos, ou são fantoches, sem a mínima competência para o que deveriam fazer.

    • Lucas dos Santos

      A partir do momento que a pessoa coloca os pés na calçada, ela já está fazendo parte do trânsito“.

      Adorei essa frase. Perfeita!

      ====

      Quando eu estava na quarta série, em 1997, foi ensinado noções de trânsito no colégio em que eu estudava. Conteúdo muito parecido com o que é ensinado nas aulas teóricas dos CFCs, inclusive na parte de infrações de trânsito e cobrado em prova.

      Não foi necessariamente uma “matéria”, mas apenas um assunto abordado em determinado período do ano.

      Isso também incluiu uma visita à Escola de Trânsito então recém-construída no DER aqui da minha cidade, onde aprendemos na prática as regras de trânsito, como nos comportarmos como pedestres e as novidades do então Novo Código de Trânsito.

      Saí de lá já sabendo diferenciar os diferentes tipos de sinalização – regulamentação, advertência, indicação, serviços auxiliares, vertical, horizontal etc. Coisa que muita gente só tem contato pela primeira vez quando vai obter a primeira habilitação – isso se a pessoa QUISER obter uma habilitação!

      Deveria ser sempre assim em todas as escolas. Isso, inclusive já daria uma boa base para que multas para pedestres pudessem ser aplicadas, uma vez que a maioria deles já estaria bem instruído quanto ao trânsito e ciente de seus direitos e deveres!

      • Eu fui no Detran, nessa aulinha de trânsito. Tinha 10 anos de idade, não me esqueço desse dia nunca.
        Depois disso, aporrinhei tanto o meu pai que todo mundo começou a usar cinto de segurança no carro, rs

    • Raul Bertolo

      Parabéns, o primeiro comentário consciente que li aqui hoje. Parabéns mesmo cara.

  • Domingos

    Eu simplesmente não vou respeitar. E 2018 voto Bolsonaro. Em 2016 nem precisa votar porque esse cara vai sair mais queimado do que a Marta – e não uma vez. A pena é que qualquer candidato do PSDB, por mais lixo que seja, entra fácil.

    Mas melhor que ele, é. Terá meu voto quem desfizer as mudanças feitas por esse cara que nem falo mais o nome, pois para mim maconheiro de faculdade deve ser chamado como tal única e exclusivamente.

    Colocaram um bebezão alternativo para governar São Paulo.

    • Andre Sousa

      O problema de não respeitar é que estão enchendo de radares, inclusive escondidos atrás de viadutos (que eu saiba, o equipamento tem que estar visível). Teve um trecho que passei na Marginal Tietê que tinha dois radares em questão de 400 m. E agora estão voltando com radares móveis também. Complicado.
      Um candidato do PSDB acho que seria o menos pior. O cenário ainda é nebuloso: a próxima eleição vai ficar entre esse cara de hoje, Marta Suplicy e algum outro do PSDB.

  • Domingos

    Se eu te contar que o resto do mundo foi abocanhado pela mesma dialética, te decepciono?

    O Brasil tem uma grande chance de, em 2018, eleger algum conservador e se juntar a países como Ucrânia, Polônia e República Checa onde FINALMENTE entenderam que o pós-modernismo, a dialética torta e a esquerda só estão aí para tornar o que era bom ruim e o que era ruim insuportável.

    EUA já está todo dominado com isso e parece que deve seguir a linha do Obama, estando seus cidadãos mais interessados na possibilidade de fumar maconha sem serem presos do que fazer uma grande nação.

    Europa já é lambe-não posso falar dessa estratégia há 20 ou 30 anos, pois lá se usou da tática permitida pelo socialismo rico: alguém trabalha para pagar seu não-trabalho. Só que agora vêm os frutos…

    Espere até 2018 para tomar uma decisão. Te afirmo que tem mais potencial hoje no Brasil que em quase qualquer lugar do mundo, pois juntamos uma condição única:

    – Já vivemos o “sonho prometido” da esquerda e vimos, antes de nos contaminarmos, que ele é mentira completa. A Europa viveu uns 30 anos de “sucesso” com essa tática e acabou todo mundo imbecilizado.

    – Não entramos ainda numa situação de desespero como Bolívia, Cuba, Venezuela onde as esmolas de base da esquerda são o que resta à população ou são o que a mantém confortávelmente sob o julgo esquerdista.

    Logo sabemos a fria que todo mundo está entrando, mas temos condições de sair.

    Agora, se ganha o PSOL em 2018, vai ser melhor limpar um chão em algum lugar ainda não amaldiçoado que viver aqui.

    • Antônio do Sul

      Pois é, a Polônia, hoje, é um país muito respeitado pelos pares europeus. Enquanto os latinos França, Espanha, Itália e Portugal patinam, a Polônia, ex-satélite da URSS, vai tomando o mesmo rumo da Alemanha, país que dá certo porque prefere matemática à retórica…

    • Andre Sousa

      Tomara que você esteja certo, de fato percebo um sentimento de revolta muito grande ao conversar com as pessoas, mas por outro lado, às vezes sinto que é crescente no Brasil o pensamento esquerdista, querendo controlar e restringir cada vez mais.

      Nos Estados Unidos o movimento conservador é muito forte e, mesmo entre o que seria a parte esquerdista, mais suscetível a esses devaneios, observa-se racionalidade e bom senso.

      Se você tiver uma chance, veja o conteúdo http://www.democratsagainstunagenda21.com/.

  • Domingos

    Não fala, o prefeito vai querer transformar o viaduto em algum monumento para ciclistas ou coisa assim. Um gênio.

    • Andre Sousa

      Não duvide disso.

  • Marcelo

    Eu desisto.

  • Newton (ArkAngel)

    Que idiotice esse estudo do CET…na página 7 afirmam “que nosso país está na contramão”.

    Mas não foram eles mesmos que, através de suas regulamentações ridícula, colocaram o país nessa situação?

    Errar é humano, e colocar a culpa no outro é mais humano ainda.

  • Danilo Grespan

    Sabe como temos certeza que a situação do país está crítica em inúmeros sentidos? É quando, em uma mídia que trata de entusiamo em dirigir/pilotar/admirar fabulosas máquinas que são nossos carros e motos, um tópico que trata de problemas de transito, que claramente afeta a todos os autoentusiastas, causa dezenas de comentários, talvez mais do que alguns trabalhos feitos em cima de carros incriveis. Nota-se assim, o desespero de todos para botar pra fora a indignação e mostrar a repulsa por tudo isso.

  • Notívago

    Essa da placa proibindo a entrada a direita quando já não é mais possível desistir (a placa fica depois da alça – armadilha) é uma bruta safadeza.

    Teve reportagem na Band onde uma mulher protestava (com razão) por ter levado quase 10 multas nessa armadilha, pois ela não via a placa; que tinha de ficar bem antes da alça.

    • Lucas dos Santos

      Tal protesto deve ter surtido efeito, pois agora encheram de placas e faixas sinalizando a conversão proibida (clique na imagem para ampliá-la):

      http://i.imgur.com/ZHKEddh.jpg

      Resta saber se com o tamanho e o padrão utilizado nas placas, o motorista teria tempo hábil para assimilar rapidamente a informação e tomar a decisão apropriada.

    • Ah não!
      10 multas é dose pra leão, rs.
      Depois da primeira ou segunda eu já ia ficar esperto, rs

  • Luis Nunez

    O duro é que seja quem for o eleito em 2016 não irá desfazer esta insanidade, pois em primeiro lugar dirá que a prefeitura não pode abrir mão da arrecadação, pois depende deste dinheiro para fechar as contas. Querem apostar?

  • Claudio,
    Por aí você vê como os cariocas estão muito à frente dos paulistanos nessa questão de velocidade, e com menos mortos por 100.000 habitantes. Um túnel de duas faixas que não são tão largas e sem acostamento onde se anda há mais de 40 anos sem nenhum tipo de problema. E obrigado pela informação!

    • Andre Sousa

      Bob, eu complemento a informação do Rio de Janeiro com um outro dado relativamente recente (meados de 2012). Avenida das Américas: a velocidade máxima permitida das pistas laterais, que era de 60 km/h, foi aumentada para 70 km/h.

  • Sérgio Afonso

    Vamos ver se, nas próximas eleições, a população alija esses incompetentes da prefeitura. Não é possível submetermo-nos mais às vontades de bandidos feitos esses petralhas. Aliás, já que estão pedindo o impeachment da chefe-mor, deveriam aproveitar e incluir no mesmo pedido, também para esse desprefeito mau caráter.

  • Domingos

    Todo o leste europeu é extremamente avesso ao comunismo, portanto sabendo muito bem o que é o socialismo e assim sendo estão indo muito para a frente.

    Eles sabem muito bem que nada tem a ver um Estado que fornece bons serviços e ampara a população com a necessidade de embarcar na teoria socialista.

    Os únicos lugares do leste que hoje não estão melhores e indo para frente são lugares como a Romênia, onde infelizmente existem culturas como os ciganos (felizmente aqui no Brasil ainda não chegou a censura sobre os ciganos) que são bem assemelhadas ao socialismo.

    Esses países exportam pessoas pedindo dinheiro do governo, pedindo dinheiro nas ruas e cometendo crimes. Não todas, antes que crucifiquem, mas numa proporção crítica que torna muito difícil o desenvolvimento de qualquer coisa boa.

    Não é à toa que os socialistas franceses e italianos adoram vitimizá-los e defendê-los. Lá como cá…

  • Domingos

    Por isso mesmo o prefeito está em casa. Malandro com malandro…

    • Andre Sousa

      Exatamente. E vou um pouco mais além: não sei se você já dirigiu em outros países da América Latina e/ou em países desenvolvidos. A diferença é notável. Aliás, depois que você dirige em um lugar mais civilizado, é revoltante voltar e dirigir aqui.
      Diante da nossa realidade comportamental no trânsito, não diferente de outros países da América Latina, onde, em geral não há respeito, um corta o outro, motoristas se jogam em velocidades baixas na faixa da esquerda (ora, quem vem que pare), desrespeito aos sinais de pare (se dá p/ entrar, quem está na preferencial que pise no freio) e várias outras coisas que demonstram falta de respeito e despreparo, a pergunta é: podemos esperar algum tratamento diferente, que não sejam coisas estúpidas como a noticiada neste post?

  • Domingos

    Vale espaçonave no mesmo ambiente também? Próximo passo…

  • Domingos

    Sim, às vezes tem que ter um estômago…

  • Domingos

    Interior que anda absurdamente melhor para quem gosta de andar de carro ou, simplesmente, quer ter um direito seu respeitado e uma cidade administrada de forma sana quanto às suas vias.

    Melhor asfalto, menos invenções etc. Infelizmente algumas cidades começam a copiar a “capitar”, metendo tinta vermelha como se fosse decoração…

    São Paulo deveria dar exemplo; estamos dando vexame…

  • Domingos

    Algumas são tão inúteis e mal feitas que é só deixar por conta da natureza. As ciclofaixas mais inúteis e que ninguém usa são tão porcas que a pintura não dura 3 meses.

    Não precisa pôr 1 centavo para desfazer boa parte das haddadas, é só não dar manutenção nessas porcarias.

    Como curiosidade, as únicas ciclofaixas úteis que vi serem construídas foram feitas agora, quase no final do mandato. E, para variar, são ruins. Muitas delas poderiam usar o canteiro central amplo e arborizado, pois ficam perto de parques e locais de lazer – onde REALMENTE é bom e se usa a bicicleta. Mas preferiram fazer a “onda vermelha”…

  • Domingos

    Sempre falei que nos protestos de 15 de março essa deveria ser a primeira reivindicação dos paulistanos. Infelizmente focaram em outras coisas, muito boas também, mas mais distantes…

    • Andre Sousa

      Eu estava lá nas passeatas. Pensei a mesma coisa. Enquanto se gritava “Fora Dilma”, eu pensei: bem que um “fora Haddad cairia bem!

  • Lucas dos Santos

    É… parece que não é só a cidade de São Paulo que sofre com limites de velocidade ridículos:

    http://g1.globo.com/pr/parana/paranatv-2edicao/videos/t/curitiba/v/limites-de-velocidade-de-ruas-compartilhadas-com-ciclistas-nao-sao-respeitados/4151566/

    Que tal ter o direito de dirigir suspenso por andar a “perigosíssimos” 45 km/h no centro de Curitiba?

  • Leandro Jose Teodoro

    Eu quero me mudar daqui, cansei!!!! Chega de safadeza, pois é o que sinto, que sou estuprado por essa administração.

    • Lorenzo Frigerio

      Já fiz isso e recomendo, e acho que não estou sozinho no Ae. Apenas certifique-se de encontrar trabalho fora da capital, mas não é impossível. As pessoas de fora atraem-se por São Paulo pela falsa ilusão de progresso econômico, mas acho que isso não compensa o estresse e os custos institucionais. É claro que existem pessoas urbanas que não conseguem ficar longe de teatros, cinemas e restaurantes, mas São Paulo é dose pra leão.

  • Domingos

    As soluções dos problemas cotidianos geralmente são triviais, manjadas. Os países avançados provam que geralmente não é preciso nenhum contorcionismo.

    O problema é que resolver as coisas facilmente e de forma objetiva não dá voto, dinheiro ou propaganda.

    Lembro bem das professoras que falavam que o único motivo de não termos saneamento de esgoto em grande parte do país era porque ninguém veria a obra. Começo a pensar que foi uma das coisas mais sensatas que aprendi na escola.

  • Domingos

    Não sou coroinha, Holandês. Mas hoje, com os recursos de internet, basta dar uma pesquisada nos termos discórdia, tortuoso e anjo de luz que vem a descrição completa!

    A questão da mentira sedutora, do esconder uma vontade com uma mentira “doce”, já tem lá no pecado original com a serpente. Poderiam apelidar de PT/PSOL/PSTU no lugar de serpente que seria idêntico.

  • Paulo Belfort

    Burrada atrás de burrada. Impressionante.
    O que acho curioso é que essa múmia vai contra toda e qualquer recomendação de engenheiros de trânsito.

    Uma pequena história:
    Há cerca de dois anos, enquanto ainda morava em São Paulo, tive uma das únicas ruas que dava acesso à minha residência bloqueada por um “corredor de ônibus”, instalado por essa porca administração.
    O caminho que sempre fiz foi pela Heitor Penteado, e então, virava na Pereira Leite. Seguia em frente, onde era feita uma pequena rotatória, que me levava da Pereira Leite à Nazaré Paulista, e dali, alguns quilômetros e ruas para frente, eu estaria na Cerro Corá.
    Ocorre que em 2013, salvo engano, o acesso à Pereira Leite, pela Heitor Penteado, foi bloqueado pela tal faixa de ônibus (insisto em chamar de faixa. Isso não é corredor!).
    Em seguida, na Cerro Corá, onde eu entrava na rua em que moro, rua esta que tem um quarteirão de comprimento, a mesma administração instalou outra faixa de ônibus, impedindo que eu acesse minha rua (que é de mão única).
    A entrada dela é pela Cerro Corá, e a saída, pela Heitor Penteado.

    Ou seja, minha rua ficou “ilhada”. E em conversa com um dos guardas da CET, que sempre estão ali multando quem faz a conversão para entrar nessa rua (geralmente, MORADORES!), ouvi que, apesar das recomendações dos engenheiros de não fazer o corredor na Heitor Penteado, naquele ponto, o prefeito sumariamente ignorou-os, mandando instalar assim mesmo.
    E os guardas da CET disseram não há como ir contra a ordem que vem de cima…

    • pedro

      Entendo quase nada de direito e afins, mas não seria o caso de entrar com alguma “ação” contra a administração pública? Nesse caso, o que foi feito pela administração pública é verdadeira aberração de quem realmente não sabe o que está fazendo (ou sabe muito bem, e por isso fez o que fez).

      Assim como o caso das placas, colocadas ‘tarde demais’ em pontos onde não há mais volta, e o motorista toma multa mesmo.

  • Domingos

    Sim, essa noção falta por aqui e muito. O metrô tem se transformado em sinônimo de praga e não de solução justamente por começarem uma seqüência de adensamentos enorme.

    Raros são os bairros de São Paulo onde você desce da estação e dá de cara com algo residencial ou menos abarrotado. O que existe, começa a ser destruído pelo novo plano diretor.

    A noção que transporte público salva tudo é muito pobre.

    O que precisaríamos é realmente de uma idéia como o cinturão verde ou simplesmente fronteiras à cidade, mas isso já não dá mais em São Paulo sem muita briga.

    Infelizmente a cidade só parou de crescer porque encontrou Guarulhos e Santos no caminho. Caso contrário São Paulo seria um negócio que iria do litoral até quase o interior.

    Londres tem o problema dos subúrbios, mas com certeza é uma organização nesse ponto melhor que a favelização e o espraiamento eterno.

  • Lucas dos Santos

    Hoje em dia já não é mais obrigatório o equipamento estar visível. Porém é necessário haver placa de sinalização indicando a velocidade máxima permitida no local monitorado.

    • Andre Sousa

      Entendido. Então a dupla não perdeu tempo em São Paulo. Pode reparar que estão tirando todas as placas “Fiscalização Fotográfica de Velocidade”, as quais, por tabela, não são mais obrigatórias e estão mantendo apenas as placas de velocidade máxima permitida. Como o Bob diz no texto acima: é realmente abusivo.

  • F A

    Tivemos 3 gestões péssimas antes do Haddad. Erundina, Marta
    e Pitta, sendo 2 do PT. Por isso até hoje não sei como esse cara foi eleito. Basta
    ver que nas últimas eleições para governador o PT teve um fracasso gigante em SP.
    Mas o Haddad está no papel dele de ladrão, afinal é do PT. Tenho mais raiva em
    quem elegeu esse animal. Aliás, não sei quais atropelamentos que tem nas pistas
    expressas das marginais. Sem falar que lá não é lugar de atropelar ninguém. É
    como um ladrão andar no telhado da minha e eu ser culpado por ele quebrar e
    machucar o safado e ser obrigado a reforçar para proteger futuros ladrões que
    possam vir a subir no meu telhado novamente.

    Ontem peguei uma estrada no meio do nada chamada Estrada
    Municipal André Franco Montoro em Piracaia que sai na Estrada Municipal PCR
    340. E até lá tem radares. Impressionante. Deve ser para pegar charrete.

  • Domingos

    Sim, o movimento conservador praticamente tem seu berço nos EUA. Isso é muito positivo, porém lá a população ao mesmo tempo foi alvejada de propaganda e de estilo de vida liberal.

    Veja que no último censo, a maioria das pessoas declara não ter nenhuma intenção de se casar. Reflexo de umas três décadas de feminismo pleno, com direito a aborto, junto com a maior mentalidade de liberação sexual vista no mundo durante 60/70.

    Sinto que os EUA, apesar de continuarem tendo os expoentes da cultura ocidental, estão largados numa situação muito pior que a nossa no momento.

    O problema é que eles têm dinheiro para esconder os efeitos mais óbvios de todas essas estratégias. Quando se vê, estão enterradas nelas há 20, 30 anos.

    Isso desconsiderando a providência que existiu por lá. Se ela agir novamente, quem sabe… Só com milagre mesmo.

  • Domingos

    Dirigi muito na Itália e sinto do fundo do meu coração em dizer que ao menos nos últimos anos o nível de direção deles é do nosso para baixo – enfim, temos muitas similaridades com eles até pela herança na região sul e sudeste.

    Antes era melhor. Mas tem uma diferença crucial: motos e scooters passam pelos corredores como aqui, porém SEMPRE em velocidades relativas pequenas. Além da calma abençoada que isso trás ao trânsito, não se vê números estúpidos de mortes e acidentes como aqui.

    Em geral os acidentes ocorrem apenas de madrugada em modalidades mais sérias. Geralmente com o motorista ou motociclista sozinhos.

  • Domingos

    Que bênção! Aqui aumentar velocidade acho que daria infarto no governo – e o pior é que é qualquer um deles, devido à indústria das multas.

  • Bruno L. Albrecht

    Estão escutando esse barulhinho de moedas? ‘Tão caindo todas no bolso da dupla!

  • Fat Jack

    A cidade de São Paulo comandada pelo PT:
    – Sra. Erundina: as principais obras da cidade paradas (e em áreas em que predominava baixo poder aquisitivo também, viu!), os ambulantes liberados para ocuparem as calçadas de grande parte do centro da cidade e bairros com predominância comercial e o túnel do Anhangabaú (com seus infindáveis e recorrentes problemas de inundação) como marca;
    – Sra. Marta Suplicy: instituiu diversas taxas (sendo apelidada de “Martaxa” como iluminação pública e do lixo, implantou a “operação belezura” de revitalização do centro velho da cidade (na prática, limpeza semelhante as ruas que sediam feiras-livres, só que com produtos químicos ao invés de água) e o Túnel Fernando Vieira de Mello, sob a Rebouças alagou logo após a inauguração custando o dobro do previsto.
    -Sr. Fernando Haddad: implementação de ciclofaixas (a um custo…), faixas de pedestre nas diagonais em cruzamentos, redução de velocidade (áreas 40 e recentemente marginais), ampliação do “centro expandido” do rodízio e tentativa de restrição da circulação de veículos no centro da cidade, enquanto isso a cidade bate recordes de casos de dengue.
    Nenhuma destas prefeituras anteriores conseguiu eleger sucessor (por que seria???), no caso das próximas eleições os paulistanos correm um perigo maior ainda, pois o PT apresentará candidato(a) e a Sra. Marta sairá candidata por outra legenda.
    Para fechar?
    Que Deus nos ajude…, vamos precisar!

  • Diego Mayer

    Fiquei uma semana em São Paulo e nunca fiquei tão para baixo antes. A cidade é muito depressiva, totalmente pichada, o céu geralmente acinzentado, só se vê prédios, muito tumulto, agitação, pessoas de cara fechada. Não é difícil entender porque há muitos paulistas aqui em Florianópolis, que, de igual modo, se afunda cada vez mais. Logo não haverá mais um bom local para se viver nesse país, até as micro-cidades já sofrem com a violência e o caos.

  • GutoSalas

    O MP anda muito apagado…

    Esse ciclista-grafiteiro, e por ocasião da burrice de milhões, também prefeito, acabou com São Paulo.
    Vai ser trabalhoso reverter

  • Carbar

    Apesar de ser do início do mês, vi essa matéria apenas agora,
    cujo conteúdo, meio que coincide com o que vivenciei 3 dias atrás, na recém-reformada Rodovia Tamoios (SP-099), que liga São José dos Campos a Caraguatatuba (litoral norte de SP). Em que pese a estrada ter sido duplicada
    em diversos trechos e recapeada, nunca me senti tão inseguro viajando nela, e
    olha que já viajei muito por esta estrada desde a década de 70. A velocidade estabelecida
    poderia ser tranquilamente 100
    km/h, mas estabeleceram 80 km/h, até aí tudo bem, fazer o quê, não é? O fato grave é que a todo o momento você se depara com placas
    de 60 km/h misturadas às de 80 km/h
    e radares que funcionam como verdadeiras lombadas eletrônicas, podendo causar
    acidentes graves. Eu nunca fiquei tão perdido em uma viajem como esta que fiz
    nesta estrada, tive que ficar caçando placas o tempo todo e olhando mais o
    painel do carro, do que propriamente a estrada. A coisa ficou pior ainda no trecho de serra, pois estabeleceram apenas 40 km/h, com algumas
    armadilhas de 30 km/h.
    Na subida de volta, houve trechos que tive que engrenar a 1ª para ficar no
    limite de 30 km/h.
    Quase fui abalroado por duas vezes, por veículos que não obedeciam a um limite
    tão absurdamente baixo (inclusive ônibus e caminhões). Retornando já no chamado
    trecho de planalto, a incidência de placas de 60 e 80 misturadas é ainda mais
    gritante! Concluí que, para se obter uma arrecadação criminosa, vale tudo, inclusive colocar a vida do contribuinte em risco. Esta estrada nunca esteve tão perigosa! Bêbado,
    drogado e caminhoneiro com rebite, não respeita limite de velocidade, tampouco
    radar. Enfim, o resultado é o mesmo que desarmar a sociedade e deixar os
    bandidos armados. Argumentar que existem dezenas de trechos com redução
    para 60 km/h devido à travessia de pedestres não é justificativa para essa mistureba de
    placas. Quanto ao pedestre, basta o governo ter vergonha e fazer a obra
    completa, incluindo as passarelas necessárias, pois a SP-099 é uma rodovia e não
    uma avenida.

  • Martins

    Amigos, vcs precisam ver como está BH. Há também abusos nas principais vias da cidade, como limites de velocidade incompreensíveis (via expressa que não e expressa, por exemplo); radares por todos os lados, inclusive de avanço de sinal, especialmente instalados para multar sem nenhum bom senso e verdadeiro viés arrecadatorio. Ou seja, estamos vivendo também nos piores dos mundos, onde o Poder Público oprime o cidadão, motorizado ou não, sem nenhuma fiscalização do MP.