Depois da notícia da intenção da Dupla do Mal, Haddad e Tatto, em ir reduzindo cada vez mais a velocidade das vias de São Paulo (e desta forma estarem espalhando o Mal), e de ter publicado a matéria nesta última sexta-feira,  confesso que fiquei muito preocupado e me senti dominado por forte apreensão neste final de semana.

Inclusive, ao irmos os três, o PK, o AK e eu, à Estrada dos Tropeiros ontem para filmar e fotografar uma VW SpaceFox Highline I-Motion, andamos na marginal do Pinheiros à velocidade proposta de 70 km/h só para sentir o que isso significa: é apavorante.

É apavorante a população motorista do município se ver na mão dessa gente que  está praticando o populismo com a intenção escancarada de permanecer no poder, tática mais que conhecida desse partido que de “dos trabalhadores” não tem nada, só no título dos estatutos da agremiação; dentro, nada.

O que apavora é se comparar as atitudes recentes da prefeitura com o que se observa no chamado Primeiro Mundo, onde qualquer um com um pouco de interesse nas questões de trânsito percebe que o assunto trânsito é tratado com toda seriedade, de tal maneira que o ato de dirigir seja algo natural, sem apreensões de qualquer tipo.

Tenho dito aqui no Ae e em outras publicações em que escrevo que quando se está dirigindo no Exterior não é preciso ficar atento à sinalização de limite de velocidade, uma vez imprimimos velocidade que é natural para a via. Tanto que quando se vê uma dessas placas e consultamos o velocímetro, estamos na velocidade-limite.

No caso das marginais, se pegarmos um grupo de motoristas e os colocarmos para dirigir com o velocímetro vendado, constataremos que a maioria trafega ali a 100 km/h porque esta é a velocidade natural ali. Repare-se que para ficar na velocidade atual, 90 km/h, é preciso ficar atento ao velocímetro.

Isso traz à discussão a sinalização de velocidade. Vê-se na Alemanha e na Suíça, por exemplo, que as placas de limite de velocidade têm o formato conhecido, porém constituem painéis eletrônicos, desse modo sendo possível variar a velocidade exibida sob comando de um centro de controle de tráfego. Isso simplesmente quer dizer que em função de fatores vários a velocidade pode variar. Por exemplo, um veículo parado numa faixa, que sempre representa perigo, é motivo para o controle baixar o limite, desse modo contribuindo para a segurança geral do tráfego naquele ponto.

Esse é apenas um exemplo, entre tantos, de como o assunto trânsito é tratado nos citados países.

E há bons exemplo aqui mesmo. No Rio de Janeiro, a velocidade no túnel Zuzu Angel, que liga a Gávea a São Conrado, duas faixas e sem acostamento, a velocidade permitida é de 90 km/h. Nunca houve o menor problema lá desde que foi inaugurado em 1974. Na avenida das Américas, na Barra da Tijuca, recentemente a velocidade máxima na pista lateral passou de 60 para 70 km/h. Nos túneis da rodovia Carvalho Pinto, em curva, a velocidade é a mesma dela como um todo, 120 km/h.

É por isso que a notícia de reduzir a velocidade para 70 km/h nas marginais assusta, ela evidenciou, mais uma vez, o amadorismo da CET/SMT numa questão que nos envolve, e olhe que não somos poucos.

E não satisfeita, a Dupla do Mal diz que nas pista lateral a velocidade será de 60 km/h, hoje 70 km/h, e na local, 50 km/h. Ou seja, ela (a dupla) quer mesmo parar São Paulo.

Há outra questão que passa despercebida mas é igualmente grave. Diz a Dupla e seus seguidores que com menor velocidade as lesões sofridas por um atropelado serão menores.  É o tipo do argumento óbvio, isso existe até nos esbarrões entre pessoas. A gravidade do argumento, eu diria até irresponsabilidade,  é admitir que pessoas continuarão a ser atropeladas, com se fosse inevitável e nada se pudesse fazer a respeito.

Aliás, foi exatamente esse o raciocínio do idiota do prefeito da cidade de Nova York, Bill de Blasio, ao determinar limite de 40 km/h lá, em ato recente.

Não, a Dupla do Mal sequer considerou medidas educativas e de fiscalização de todos os envolvidos no trânsito no sentido de evitar atropelamentos, que é a primeira medida a tomar por quem se preocupa realmente com os munícipes.

E falando em atropelamentos, no quê as marginais apresentam esse perigo? Alguém saberia dizer?  Uma via expressa, com acesso controlado, não prevê  tráfego (e nem tem) de pedestres.

E quanto aos acidentes nas marginais? Será que as análises dos ditos graves não mostram que eles se dão em velocidades totalmente fora do razoável para ali se trafegar, bem acima do limite de 90 km/h?  É claro que mostram. Mas isso não interessa à Dupla do Mal.

Limites de velocidade absurdamente baixos têm se verificado por toda a cidade ao bel-prazer da Dupla do Mal sem observar o que determina a Resolução 180 do Contran, de 21 de fevereiro de 2007, a que órgãos de trânsito estão obviamente sujeitos, o que constitui total descalabro e até mesmo crime de prevaricação e/ou de abuso de autoridade.

Outro problema sério em São Paulo é a largura das faixas de rolamento, e que não é só da atual adminisração — embora seja injustificável a continuidade da desobediência da CET ao que determina o Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito, Vol. 4, Sinalização Horizontal.  Está claramente indicado no Capítulo 5.2 – Linhas de Divisão de Fluxos de Mesmo Sentido, que “As larguras das faixas de trânsito são definidas em função da composição do tráfego e dos níveis de desempenho do fluxo veicular, devendo-se evitar variações na largura e no número de faixas, mantendo-se a continuidade (nosso grifo). Ou seja, essa questão em São Paulo beira o caos, em que é comum se ver uma via de três faixas passar a quatro e depois de um cruzamento voltar a três, na mais absoluta zorra, como no cruzamento das avenidas Brasil e Nove de Julho, só para dar um exemplo.

Isso sem contar a largura das faixas que, segundo o citado Manual, deve ser de, no mínimo, 2,70 m, desejável 3,50 m, e nas vias de trânsito rápido, 3,00 e 3,50 m, mínimo e recomendável. São inúmeros os casos de picapes médias não caberem na faixa, de tão estreita, dificultando o deslocamento de todos os carros. Mesmo os pequenos têm essa dificuldade.

Antes que o leitor se prepare para fazer um comentário tipo “Mas, Bob, o que tem faixas com velocidade, que é o assunto desse seu editorial?”, explico. A Dupla do Mal fala insistentemente em “salvar vidas”, não fala? Pois bem, se as faixas obedecessem às normas do Denatran e do Contran criar-se-ia facilmente um corredor para a passagem de ambulâncias e carros de salvamento do corpo de bombeiros bastando pequeno deslocamento lateral dos carros de faixas adjacentes.  Quem de nós nunca presenciou uma ambulância presa num engarrafamento de via expressa, seu motorista desesperado, sirene soando, sem nada poder fazer?

Para terminar, tenho de repetir o que eu disse sexta-feira, a questão das ciclofaixas sub-utilizadas que eliminaram milhares de vagas de estacionamento, complicando a vida dos munícipes em favor de meia-dúzia de gatos pingados que fazem de conta que São Paulo é Amsterdã, obra de um dos membros da Dupla do Mal, o prefeito Fernando Haddad. Para piorar, emporcalhou a cidade que não é dele com a cor vermelha das ciclofaixas, novamente em desrespeito às normas do Denatran quanto a sinalização horizontal.

Apavorante também foi assistir ontem a reportagem televisiva mostrando a importante av. Sete de Setembro, em Curitiba,  transformada em “Via Calma” de velocidade de 30 km/h, enquanto outra meia-dúzia de gatos pingados sulistas usavam a ciclofaixa.

Alguma coisa terá de ser feita, ou a nação mudará a sua face para alguma coisa muito próxima do inferno.

Bob Sharp
Editor-chefe
AUTOentusiastas

“Via Calma” em Curitiba (foto www.infraestruturaurbanapini.com.br)

 



Error, group does not exist! Check your syntax! (ID: 7)

Sobre o Autor

Autoentusiastas

Guiado por valores como seriedade, diversidade, emoção e respeito aos leitores, desde 2008 o Autoentusiastas tem a missão de evoluir e se consolidar como um dos melhores sites sobre carros do Brasil. Seja bem-vindo! Pratique autoentusiasmo.

  • $2354837

    Não sei mais o que falar… Acho que São Paulo está a beira do êxodo. Falta de transporte coletivo, atitude populista, violência nas alturas… Não há mais motivos para investir em São Paulo.

    Não devemos esquecer do nosso governador Geraldo Alice no país das maravilhas, Alckmin. Para ele tudo está bem, segurança está ótima, não vai faltar água nunca, pedágios são baratos…

    O problema é apartidário… Estamos vivendo uma transformação da cidade.

    Não queriam morar no States?

    Bem-vindos à Detroit Brasileira.

    • CorsarioViajante

      Verdade, deu até arrepio. Tem razão! Tomara que uma cidade como São Paulo tenha um destino mais feliz, mas pelo andar da carruagem…

      • Carlos

        Bob,

        parabéns por mostrar a nível nacional as sandices que ocorrem aqui em Curitiba.(com foto) `São Paulo beira o caos, em que é comum se ver uma via de três faixas passar a quatro e depois de um cruzamento voltar a três, na mais absoluta zorra` infelizmente ´também temos isso por aqui.
        abs
        Carlos

    • Domingos

      A comparação com Detroit é ótima. E lá também os prefeitos eleitos eram todos “trabalhadores”.

      Acredito que o êxodo já começou. A cidade anda tão caída que acredito que muita gente se não foi embora, não gasta mais aqui.

      Tem negócio matando cachorro a grito. Me chamaram para participar de um prêmio que “ganhei” num evento há 2 anos atrás para tentar vender junto um plano de estudos.

  • Leandro Jose Teodoro

    Caro Bob,
    Eu sinceramente me sinto desesperado com esta situação também, pois parece que todas as minorias viraram maiorias. Me lembro, por exemplo, na Rede Globo, nesta implantação das Faixas para Bicicleta (ciclofaixas), as críticas eram profundas e corretas, mas bastou o ministério público atuar dada as reclamações, que a emissora mudou o foco e passou a apoiar essas minorias.

    Outra coisa que sempre crítico é o fato de na Paulista esta faixa ser na esquerda, ali deveria ser um corredor de ônibus, pois é a preferência ao transporte de massa. Está porcaria de ciclofaixas nada mais é que a permanência de uma política de beneficiamento do transporte individual, numa cidade cheia de subidas e descidas. Tanto é fato isso, que essas faixas sempre estão vazias, sendo usada por pedestres na maioria dos casos.

    Eu não sei onde isso vai parar, mas me vejo quando voltar de Guimarânia, cansado de guiar a madrugada inteira (753 km) e, no final da viagem ter que bruscamente reduzir a velocidade. Acho que a chance de acidentes graves é muito maior, visto que agora além de se preocupar com péssima sinalização, buracos, radares, motoristas que acham que seta é proteção divina, dentre tantos, deverei me preocupar com sono, tédio e perigo iminente de bater (dada a distração em andar tão lento em uma via tão larga).

    Excelente artigo, tomara que muitos leiam e se coloquem a nossa disposição nas próximas eleições. Apesar de ser dinheiro jogado no lixo, o primeiro que disser que vai acabar com esta papagaiada toda, assinando publicamente sua promessa, será o que terá meu voto. A verdade é que os trabalhadores é que estão virando minoria. O lazer (em cidade com tantos altos e baixos, difícil ter um veículo não motorizado como transporte oficial) se prevalece sobre o trabalho, a produção e a saúde mesmo.

    Imagine as milhares de pessoas que se deslocam todos os dias para Guarulhos, Alphaville, Jundiaí e tantos outros locais e dependem diretamente das marginais.

  • Leister Carneiro

    Bob Excelente texto, mas o pior que vejo é a população aceitar isto sem reclamar . Andar a 50 km/h na marginal vai ser multa na certa só de colocar uma quinta no carro se passa disto sem sentir

    Até

    • Leister Carneiro
      Exato, é o que acontece ao se rodar abaixo da velocidade natural da via.

      • Marcos Alvarenga

        Depois tome operação comboio nas rodovias porque os retardados mentais não sabem dirigir.

        • Domingos

          Comboio é como se fosse o safety-car da auto-escola…

          É bonitinho pelo menos. Parece passeata de domingo.

    • Domingos

      Considere que muita gente hoje, faço questão de ressaltar que quase certamente eleitor do PT, roda abaixo da velocidade já baixa das vias seja por mexer no celular seja porque dirige pior que novato andando de bicicleta.

      É a causa-efeito do processo de ser retardado. Nos países avançados o homem já largou de ser homem e a mulher de ser mulher. Por medo, por “segurança”. Esse processo acaba com tudo.

      • Mingo

        Tem muitos retardados que votaram em outros partidos também…
        PT, PSDB, PV, PTB. Tudo um monte de siglas sem nenhum significado. Todos inúteis. Tudo farinha do mesmo saco…

        • Domingos

          Sim, mas o voto no Haddad é marcante. É patente do que vivemos hoje.

          O PSDB é um tampa-buraco até aprenderem que é um partido fraquinho e que meramente faz o jogo de “segundo lado em opção ao PT” – plano da esquerda, aliás.

          Depois de superar essa besteira liberal temos que ter um partido conservador.

  • Andre Sousa

    Bob,

    O sentimento de apreensão é grande mesmo e o pior, a medida será concretizada logo. Eu fiz um teste de dirigir nestas velocidades é apavorante mesmo. E agora começaram com radares móveis e radares escondidos nas marginais, encheram deles. Sem falar que estão recapeando as duas vias. Imagine o que não vai rolar de multa. Hoje já tem muita reclamação e muita autuação.
    Pode ser que esse assunto em particular acabe como a “taxa do lixo”, ou seja, algum candidato bata forte nisto na próxima eleição. O jornalista José Paulo de Andrade, rádio Bandeirantes, bateu forte nesta questão em seus programas matinais, desde dezembro, quando primeiro anunciaram esta medida de baixar a velocidade das marginais de SP. Acho que vale a pena escrever para ele também. Será que o Ministério Público ou alguma outra entidade irá fazer alguma coisa? O abuso é demais dessa vez.

    • CorsarioViajante

      Muito boa a sugestão, temos que mostrar apoio à estas vozes que se colocam contra a maré dos idiotas, pois com certeza elas, muitas vezes, devem achar que estão falando sozinhas – e não estão!

  • Lemming®

    Onde PeTralha bota a mão…é inferno na certa…

  • pkorn

    Nos EUA toda rota que leva a quartel de bombeiros ou grande hospital já tem as vias planejadas com a Fire Lane, por onde os veículos de emergência podem passar e onde os caminhões de bombeiro vão parar para atender incêndios na área. Nos EUA…

    • $2354837

      Na Paulista tinha uma faixa de emergência. O problema que ninguém sabia o que era aquilo nem muito menos era interesse da prefeitura em educar o motorista.
      Leva de bike, na guerra faziam isso…

  • Mr. Car

    Se alguma coisa não for feita, a nação mudará sua face para alguma coisa igual ou pior que o inferno. A temperatura já está subindo. E não estou falando só de trânsito.

    • $2354837

      E você acha que vai ser? Olha aí o país. Quebraram fornecendo crédito inconsequente para ganhar a eleição.
      Vai acontecer nada, o povo é muito letárgico e a mídia manipula todo mundo.
      Só soltar um Minha casa Tô na Roça de novo que todo mundo sai feliz e contente…

  • Fat Jack

    “…A Marginal Tietê também foi a via da cidade de São Paulo com mais acidentes de trânsito fatais em 2014. Foram 39 ocorrências no ano, das quais, 15 atropelamentos…”
    “…A segunda colocada é a Marginal Pinheiros, com 31 acidentes, dos quais, 9 atropelamentos…”
    Interessante é que pelo fato de serem vias de trânsito rápido (pelo menos em tese, agora serão no máximo de trânsito “semi-lento”) em nenhuma delas poderia haver travessia de pedestres conforme o (ignorado pelos responsáveis pelo trânsito paulistano) CTB…
    Quanto a situação geral, o “endemoniamento” dos carros pelos “especialistas em segurança no trânsito” nas grandes cidades pra mim já é irreversível, podemos (quando muito, se tudo der 100% certo) retardar o processo. Exatamente por esse motivo gostaria de me mudar para o interior do estado futuramente, pois a “coleira” costuma ser um pouco mais folgada lá…
    Já do Sr. prefeito, seu currículo como ministro da educação basta pra que se tenha ideia do ele é capaz!.

    • Marco Molazzano

      Mesmo não sendo uma via em que travessias de pedestres são frequentes, qualquer via de 15 quilometros de extensão terá mais ocorrências do que vias locais, mais curtas. Estatística é a arte de mentir com numeros.
      Sem contar os residentes ilegais embaixo de viadutos nas marginais. Retiraram alguns, mas muitos viadutos são favelas. E essas pessoas atravessam as pistas. Procurem saber os locais dos atropelamentos e certamente encontrarao dois ou três pontos criticos.

    • Claudio Abreu

      É quando a estatística é nada mais que a tortura sobre os números… Será que andam tratando acidentes com motociclistas como ‘atropelamento’? É surreal, gente, não tem como ter atropelamento estrito-senso numa via expressa, com um rio de um lado e outras faixas expressas do outro…

      • Fat Jack

        Como ter atropelamento infelizmente tem, eu há não muito tempo atrás passei por uma situação de risco de atropelamento na Marginal Tietê: um andarilho nas proximidades da Ponte do Piqueri simplesmente “cismou” de ir ver o que tinha do outro lado da via expressa, aí foi aquele freia, desvia, olha no retrovisor, liga pisca-alertaetc… um baita susto!
        Só que aí é que vem o enfoque da coisa:
        Quer dizer que eu por estar trafegando a 90 km/h é que era o “perigo ambulante”?
        Ao invés de criarem-se barreiras físicas para impossibilitar o acesso de pessoas às vias baixa-se sua velocidade (claro, o que trará o efeito contrário: os pedestres terão menos medo de atravessar devido a velocidade mais baixa dos veículos!!!)??
        Estamos numa cidade onde a prefeitura tenta convencer a todos que o certo é o rabo abanando o cachorro e a banana comendo o macaco e não os inversos…

    • Domingos

      Eu também argumentaria sob motivos de segurança que todo partido com fins revolucionários deveria ser banido e ilegalizado.

      Por segurança, também deveria haver prisão a quem propõe mudanças na língua portuguesa.

      Engraçado como a coisa da segurança virou outra lingüística, as famosas adoçadas da esquerda para a censura.

  • Aldo Jr.

    Bob, perfeito o enfoque. Porém, muito mais apavorante que todos esses desmandos, é o fato de que pouquíssimas vozes se levantam contra tudo isso. Já falei aqui outras vezes e torno a repetir: onde estão a ABI, OAB, Ministério Público, Vereadores e tantos outros que faziam verdadeiros estardalhaços em outras épocas, por qualquer coisa? A oposição hoje, em todos os níveis, é feita por uma pequena parcela da imprensa e ninguêm mais. Apavorante, na realidade, é o que estamos fazendo com a nossa Democracia. Abraços;

    • Roberto C.

      Aplaudindo de pé seu comentário. Oposição, só existe por conveniência. Esta praga do populismo está em todos os níveis – o que confere projeção hoje é, supostamente, defender e estimular as ‘minorias’, contra o bem comum. Estamos encurralados nesta democracia de fachada.

      • francisco greche junior

        E eu aplaudo o de vocês dois. Inclusive a imprensa só noticia e faz oposição quando é assim definido por alguém superior. Imprensa castrada, novos jornalistas são na maioria “alienados” e formados por pensamentos corrompidos.

        • Domingos

          Dizem as más lingüas que desde a ditadura a maioria das redações é de pessoas assim.

  • Diogo

    Existem basicamente dois aspectos que o governo do maluco (para dizer o mínimo) do Haddad leva em consideração ao tomar essas medidas estúpidas: 1) Ele e seu secretário declararam com todas as letras que a intenção é tornar um inferno a vida de quem usa carro em São Paulo. 2) A redução de velocidade para limites muito abaixo do natural obviamente aumenta a arrecadação, o sonho de todo governante no Brasil é esfolar o bolso do cidadão comum. Para piorar a situação, nunca faltam “especialistas” na imprensa a elogiar essas medidas. Embora nas próximas eleições tenhamos a chance de remover essa figura do poder, são poucas as esperanças de que um próximo prefeito vá aumentar os limites, já que isso significaria arrecadar menos multas. Já as ciclovias, com sorte em 1 ou 2 anos as chuvas devem levar a tinta embora.

    • Fat Jack

      Nas próximas eleições vamos correr mais risco que nunca, o PT vai ter candidato próprio e a Marta Suplicy sairá candidata por outro partido… Oremos…

      • Domingos

        Bom, mas só se conseguiram transformar a gente em zumbis completos. Marta dá até repulsa e o candidato do PT deve ter tanta chance quanto os candidatos deles para governador.

        • Fat Jack

          Tomara que você esteja certo, mas só o fato de terem conseguido eleger o Sr. Haddad a prefeito já é estarrecedor, e eu já deixei de duvidar da estupidez humana, meu amigo…

          • Domingos

            Sim, verdade. Mas quando ele foi eleito o povão pensava apenas que ele ia ser um “Lula de São Paulo”. Sempre é assim.

      • Ilbirs

        Fica a suspeita de essa manobra da Marta ser algo deliberado e combinado internamente, em que ela sai do partido aparentemente brigando com a direção, mas vai para outro partido que igualmente pertence à mesma organização internacional (Foro de São Paulo) e cuja reputação não está tão danificada quanto a do PT.
        Fala-se de fusão entre PSB e PPS (esse último também partido do Foro), o que significaria na prática algo como uma transferência de ativos de uma empresa falida para uma nova pessoa jurídica que não tenha os problemas da anterior. Provavelmente Marta não irá de fato enfrentar de frente o PT de que outrora foi parte, muito menos enfrentar o Foro.

        Logo, que a primeira condição para qualquer um aqui votar seja a de o partido do candidato não seja do Foro. É importante nas eleições municipais do ano que vem tirar o máximo possível de cidades das mãos dos partidos do Foro, de maneira a evitar que significativas partes do orçamento nacional geral sejam direcionadas a uma organização internacionalista com objetivo de fazer a chamada “Pátria Grande”, conforme os próprios governantes de outros países assolados pelo Foro deixaram bem claro.

        • Fat Jack

          “…Fica a suspeita de essa manobra da Marta ser algo deliberado e combinado internamente, em que ela sai do partido aparentemente brigando com a direção…”
          Porque é que eu não me surpreenderia nenhum pouco se fosse exatamente isso que estiver acontecendo?!?!
          Infelizmente acredito que você possa estar correto Ilbirs, só espero que a “grande massa” suspeite desta atitude da candidata.

    • Lorenzo Frigerio

      Existe a máfia dos olhos de gato em todos os níveis de governo, e esses não saem com a chuva.

  • Avatar

    Bob,
    Que tal pelo menos uma vez fazer como as ditas “minorias” fazem para vermos qual será a repercussão: reunir muitos autoentusiastas e andar a 35 km/h (nem preciso explicar o motivo) como forma de protestar contra a medida? Veja que não estaríamos bloqueando a via, impedindo os cidadãos de fazer jus ao direito de ir e vir como estamos acostumados a ver ou vivenciar…
    Infelizmente, faltam políticos que honram as calças que vestem para desfazer todos esses desmandos, pois tem medo de serem impopulares perante as “minorias”…

    • Avatar
      Sabe que é uma grande idéia essa “Operação Tartaruga”?

    • P500

      …não honram o ar que respiram.

    • André K

      Muito bom! Posso propor 13 km/h ?

    • Bruno L. Albrecht

      Marca que eu participo!

    • Domingos

      Eu proporia isso, o dia sem carro de verdade (todo mundo exclusivamente de transporte público, que seria um caos enorme) e um dia de estacionamento coletivo.

      Já dava para parar com essas idiotices.

    • francisco greche junior

      Operação Tartaruga!! Marcar um dia, horário importante e via importante e fazer isso deliberadamente.

    • Fat Jack

      Gostei muito da ideia!

    • Marcos Alvarenga

      Tínhamos de andar a 13 km/h. Mostrando que o PT vai parar o Brasil.

    • Rafael Sumiya Tavares

      Sou totalmente a favor, podemos já pensar um dia, com uns 10 carros já é o suficiente pra fazer o protesto nas marginais.

    • Andre Sousa

      Apoiada. Estou dentro.

    • Danilo Grespan

      Perfeita idéia!

  • CorsarioViajante

    Dirigir em São Paulo já é uma tortura em dias de semana, agora ficará insuportável nos fins de semana também. Fico pensando no sujeito que, como eu, ocasionalmente saía do meio da Marginal Pinheiros e ia até o Aeroporto de Guarulhos a risíveis 70 km/h! Terá que sair um dia antes do vôo, e é capaz de demorar mais para chegar ao aeroporto do que no vôo em si.
    Não sei o que é possível fazer, mas sem dúvida nenhuma esta “febre” dos limites 50% abaixo da velocidade natural da via está proliferando com pouquíssimas vozes contra e, pior, se espalhando. Aqui em Campinas fizeram uma enorme obra para “desafogar” o trânsito de quem ia acessar a Barão Geraldo, e colocam placa com limite de 40 km/h, sendo que qualquer um passa numa boa a 80 km/h.

    • $2354837

      Já é ridículo um aeroporto não ter uma linha de trem para evacuação do terminal, a 70 km/h é impraticável

  • Roberto Alvarenga

    Assino embaixo.

  • Carlos A.

    Raramente vou de carro a São Paulo, mas que é ruim dirigir assim, é. Na prática você não sabe se fica atento ao trânsito ou ao velocímetro, muito complicado.

    • Domingos

      Olha, acho que uns 10 a 20% do tempo você passa olhando instrumento aqui em São Paulo.

      Só isso já é justificativa para a abolição de todo limite de velocidade anti-natural, já que é como dirigir distraído por vários instantes.

      Se um pedestre passa com você “mirando no radar e olhando no velocímetro”, a chance de atropelamento é grande.

  • Leandro José Teodoro
    É péssimo sob qualquer ponto de vista. E, correto, o corredor de ônibus na av. Paulista deveria ficar na esquerda.

    • Claudio Abreu

      É um acinte tanta desmedida. Nosso prefeito consegue ir até contra vários dos aguerridos ciclistas de São Paulo – que desde sempre questionaram os trajetos e especificações de faixas propostos. Mas o mais grave, no meu ver, é esse individualismo travestido: a bicicleta nada mais é que um meio de transporte individual. Isso vai na contramão da escala das problemáticas que a metrópole nos impõe: é preciso abrir espaço para o transporte coletivo. Mas não: muito mais legal é comprar um bike (caríssima) e pedalar a cidadania… que tristeza essa cidade.

    • Ilbirs

      Bob, inclusive, se formos olhar para o mapa da cidade, daria para sossegadamente ser feito um corredor que saísse do trecho da Heitor Penteado com canteiro central (aquele até o Terminal Vila Madalena), cruzasse a Paulista inteira, a Bernardino de Campos, Vergueiro, Domingos de Morais, Jabaquara e Engenheiro Armando de Arruda Pereira, unindo-se aí ao Terminal Jabaquara ou mesmo podendo ser estendido até se unir a um corredor da EMTU e dando uma via rápida bem interessante até o ABC.

  • Marcelo R.

    Bob,

    Assim como você, também me sinto indignado com essa situação. O pior é, muitas vezes, me pegar olhando para o carro (na garagem de casa), e me perguntar porquê insistir em ter carro, com toda essa patifaria que estão fazendo. Outras vezes eu me pergunto, já imaginando a resposta, se as coisas voltarão a “normalidade” que eram, antes da dupla dinâmica entrar em ação…

    Um abraço!

    • Fabio Toledo

      Simplesmente porque não tenho opção, trabalhar em SP (Chácara Santo Antônio) morando no ABC usando o “transporte coletivo disponível” para mim não é opção.

  • Viajante das orbitais

    Vamos juntar a galera dos protestos contra Dilma. Principalmente os caminhoneiros e fazer um pequeno caos para mostrar nosso descontentamento. Jornal Nacional e tudo mais.

  • Concordo com a questão da velocidade. A metodologia do percêntil 85 tem que ser adotada aqui. Agora, sobre as ciclofaixas, discordo muito. A bicicleta é sim um meio de transporte eficiente e que deve ser incentivado. “If you build it, they will come”. Com moderação e sensatez, dá para conciliar perfeitamente o fato de se ser um autoentusiasta com o uso racional do automóvel, somente quando necessário. E dá para ser ciclista sem ser da jihad das duas rodas.

    • Lucas dos Santos

      Concordo com a questão da velocidade. A metodologia do percêntil 85 tem que ser adotada aqui“.

      O pior é que a já citada Resolução 180 do Contran determina que essa metodologia DEVE ser utilizada para determinar a velocidade máxima de uma via. O problema é que ninguém obedece a essa resolução e fica tudo por isso mesmo!

      • Domingos

        Falta um Joaquim Barbosa em mais esferas da justiça. Um cara com saco roxo!

        • Fabio Toledo

          Infelizmente até o Joaquim foi ameaçado e pediu para sair. Muita pressão cara!

    • Domingos

      Com o resto, concordo, mas assim “If you build it, they will come” – então tem alguma falha nas leis do universo em São Paulo porque a maioria você não vê passar uma única bicicleta em horas.

      Fora que ciclista não gosta de usar ciclofaixa. Por isso que nos países avançados nem se preocupam muito em ter “toda a cidade coberta por ciclofaixas” – ninguém usa e quem usa acaba fazendo o trajeto que bem entende mesmo com uma disponível do seu lado.

      É natural da bicicleta não ficar travada em um traçado. E parece natural do ciclista querer não respeitar nenhuma lei também, já que geralmente os que eu vejo andam no meio da faixa da direita quando tem uma ciclovia perfeita no canteiro central…

  • Edu Silva

    Falou tudo Bob…somos reféns do AMADORISMO dessa CET/SMT e digo mais: bando de incomPeTentes !!!
    Por essas e outroas que a CET faz jus a alcunha de “Companhia de ENGARRAFAMENTO de Tráfego”.

  • Mineirim

    Engarrafamento constante e radar vigilante. Não tem mais saída…

  • guest

    Por acaso o governo estadual cedeu as marginais à prefeitura paulistana para que esta defina limites de velocidade?

    As marginais Tietê e Pinheiros fazem parte do Anel Viário Metropolitano, que tem como “principais pontos de passagem” a ponte do Morumbi, Cebolão e SP-070 (Rodovia Ayrton Senna), como informa o DER-SP em http://www.der.sp.gov.br/website/Institucional/denominacoes.aspx

    Diga-se que o Anel Viário Metropolitano, SP-015, foi denominado “Prof. Simão Faiguenboim” pela lei paulista 7.568/1991, como se vê em http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/1991/lei-7568-19.11.1991.html

    • Domingos

      Interessante. O governo estadual poderia mesmo entrar nessa briga. Mas o pessoal é molengão… O Brasil precisa de um novo partido conservador.

    • JPaulo10

      Ia perguntar o mesmo. Que eu me lembre, a administração das marginais cabe ao Estado.

  • André K
  • Vagnerclp

    Talvez a redução nas marginais seja para que os pedestres atravessem em direção ao rio Pinheiros e Tietê, sei lá, talvez para sentir o aroma e até mesmo dar um mergulho (irônico). Ou então, para facilitar o deslocamento dos meliantes que não tão raro estão por ali querendo fazer suas vítimas.

  • Newton ( ArkAngel )

    Seria interessante se todos deixassem de pagar IPVA e licenciamento por um ano. Se faltar dinheiro, que cobrem dos cicloativistas talibânicos, já que estes só sabem espernear e exigir privilégios, pois vivem satanizando os carros, mas esquecem-se que as obras são pagas em sua maioria pelos proprietários de veículos.

    • Mendes

      Não se iluda! Quem deixasse de pagar IPVA e licenciamento ficaria INADIMPLENTE e sofreria todas as ações cabíveis. A corda sempre arrebenta para o lado mais fraco!

      • Domingos

        Hoje em dia com a informatização, se você deve 30 reais de alguma taxa que nem sabia existir para a Prefeitura, já fica inadimplente e ainda é cobrado de alguma forma – mesmo que leve anos.

      • Newton ( ArkAngel )

        Nao seria o caso de ficar inadimplente.
        Geralmente, paga-se o IPVA e o licenciamento em janeiro, embora, dependendo da placa, o licenciamento possa ser feito alguns meses mais tarde. Seria o caso de deixar de pagar as taxas em janeiro, como a maioria faz, imagino que a prefeitura já fique esfregando as mãos quando chega o começo do ano.

    • SergioCJr.

      IPVA, ainda que repartido meio-a-meio aos municípios, é um imposto estadual.

  • Edu Silva

    Falou tudo Bob…somos reféns do AMADORISMO dessa CET/SMT e digo mais: bando de incomPeTentes !!! Por isso que a CET faz jus ao nome Companhia de ENGARRAFAMENTO de Tráfego

  • Gustavo da Silva Serra

    Nunca estive em São Paulo, Bob, mas acho que Porto Alegre é páreo. Não sei se tu já andou ou anda por aqui, mas além da EPTC destruindo o trânsito, experimentando de forma irresponsável, a cultura dos motoristas aqui é de chorar.

    • gpalms

      Sou portoalegrense e confirmo o que afirma e o colega acima. Duvido que tenha algum engenheiro de trânsito trabalhando na Empresa Pública de Transporte e Circulação. Não têm capacidade de sincronizar as sinaleiras nem das principais vias da cidade.
      Sem contar que somos belicosos e mal educados no trânsito.
      O governo nos proporciona um ambiente propício a apresentar o que há de pior no ser humano.

      • Mauro

        Em Porto Alegre tem também o “câncer” de parar em local proibido e ligar a luz de emergência (o popular pisca-alerta). Motoboys não param mais em esquina nenhuma, com ou sem sinal. E os pedestres se atiram na rua fora da faixa e com sinal fechado para eles. Sem falar na massa crítica, imbecis ciclistas que acham que são donos da rua. Nos passeios deles já vi ameaçarem pedestres e motoristas, forçando passagem. Já dirigi em mais de 7 capitais brasileiras e o motorista gaúcho consegue ser o mais belicoso. Como disseram aí em cima, não cedem a vez e quando querem entrar forçam passagem. Ser ultrapassado ou ceder lugar é um desafio a masculinidade (e mulheres também fazem isso) obs.: também ando de moto e bicicleta.

    • Pablo

      Ė verdade. A ultima moda em Porto Alegre é furar o vermelho, quase empatado com mudança de faixa sem sinalização e não dar lugar para quem ingressa na via. Prazer em dirigir aqui só tínhamos de madrugada, mas agora tem o “radar noturno” que limita toda diversão a 60km/h.

  • Lorenzo Frigerio

    Além da sede de arrecadação, diminuir a velocidade das vias é a pura “lei do menor esforço”. A CET é um cabide de empregos; eles são incapazes de fazer um planejamento global do trânsito de São Paulo, ainda por cima com as interferências políticas dos mandatários.

  • Mineirim

    São Paulo vai parar!

  • André K

    Bob,

    Infelizmente as sandices do Malddad não se limitam ao trânsito, ele tem feito coisas bem piores. Parece que já há base suficiente para uma ação de Impeachment:

    http : // veja . abril . com . br / blog / reinaldo / geral / fernando-haddad-negocia-com-traficantes-e-os-vereadores-estao-moralmente-obrigados-a-cassar-o-seu-mandato-ou-se-tornam-cumplices-de-um-acordo-com-bandidos-existe-lei-para-impichar-prefeitos /

    http : // veja . abril . com . br / blog / reinaldo / geral / para-vereador-petista-combater-o-trafico-e-papel-da-policia-o-de-haddad-e-conversar-com-narcotraficantes-impeachment-ja-ou-entao-que-o-petista-entregue-a-gestao-a-marcola-do-pcc /

    Editado para não ficar “preso” no Disqus – retirar os espaços

    • Domingos

      Não seria a primeira vez e, na verdade, é comum da esquerda. Essencial dela.

      Não esqueçamos o que o Brizola fez no Rio de Janeiro. Deu no que deu hoje.

  • Bruno Rafael Castillero

    Sem contar o fato de que os limites de velocidade variam numa mesma via, numa via que o limite é 70 km/h, por exemplo, normalmente depois de curvas, ou escondidos atrás de pontes etc., sempre tem um radar, com velocidade abaixo do limite padrão, 40 km/h por exemplo. O motorista aqui em São Paulo tem que ficar atento o tempo todo com os radares, cuja intenção é puramente o dinheiro, e atento aos motoristas que tranqüilamente dirigem enquanto operam seus smartphnes, e ninguém fiscaliza isso.

  • Rafael Malheiros Ribeiro

    Off topic – Reportagem da Uol/Carplace sobre o aumento do percentual de álcool na gasolina. Será que dá para confiar?

    http://carplace.uol.com.br/carros-nao-flex-podem-usar-gasolina-com-27-de-etanol-sem-riscos-diz-anfavea/

  • Mendes

    Bob,
    Na Avenida Sete de Setembro, em Curitiba, a quantidade de ciclistas é considerável e a construção de ciclovias ali é até justificável. Elas só estão vazias porque os ciclistas NÃO QUEREM utilizá-las! Eles se sentem mais seguros pedalando na canaleta de ônibus!
    As Vias Calmas foram uma tentativa de convencer os ciclistas a deixarem as canaletas e utilizarem as ciclofaixas. Algo do tipo “olha, vamos diminuir a velocidade dos carros ali e não vai ter perigo”. Mas foi em vão. Eles continuam insistindo que a canaleta de ônibus é mais segura!
    O resultado disso é o que vimos na reportagem: trânsito lento, ciclovias vazias e motoristas perdendo o direito de dirigir por trafegar a 45 km/h. Do jeito que esse pessoal é, não duvido que, num futuro próximo, alguém tenha a idéia de colocar a ciclofaixa dentro da canaleta dos ônibus biarticulados!

    • Antônio do Sul

      O que eu não consigo entender é por que a prefeitura, ao invés de estragar a 7 de Setembro com essa loucura de via calma, não usou o canteiro central da Avenida Silva Jardim, paralela àquela outra, para fazer uma ciclovia. Assim, não incomodaria ninguém e ainda utilizaria uma área que é sub-aproveitada.

  • Marcos Alvarenga

    Se querem fazer dinheiro por que não metem a caneta em quem não respeita faixa de pedestre?

    Aqui em Belo Horizonte chegamos ao absurdo de o errado virar certo: se pararmos para alguém passar é só buzinadas, como se estivéssemos cometendo alguma irregularidade.

  • a. shiga

    Existe alguma iniciativa contra essas medidas que nós possamos contribuir?

  • Lucas dos Santos

    Como bem fundamentado no texto, a CET desobedece sistematicamente as normas do Contran – o qual, não custa lembrar, é o órgão máximo do Sistema Nacional de Trânsito. No lugar disso, adotam o chamado “Padrão CET”, como se tivessem poder para estabelecer um padrão que se sobrepõe ao definido pelo Contran.

    Será que não há nenhum órgão público com poder suficiente para determinar à CET que obedeça as normas e deixe de lado essa palhaçada de “Padrão CET”? A quem poderíamos apelar nesse caso e fazer uma reclamação formal?

  • Eu gostaria é de acabar com as marginais: onde não há pedestres, não há vida urbana.

    Não entendo essa religião: autoentusiástica. Ela acaba com o bom senso e com a humanidade, em nome da celebração do deus automóvel.

    • Danilo Grespan

      Amém senhor Lamborghini!

    • João Carlos

      Não consegue perceber a importância da criação do veículo automotor? E do helicóptero, dos aviões? Das bicicletas aposto que sim, está na moda.

    • marco lima

      É, Gabriel, se você não é um Ae, por que está lendo os posts? Se sua praia é outra, afogue-se nela, ora!!!

    • Domingos

      OnDe NãO hÁ pEdEsTreS nÃo Há vIdA UrBaNa – Bob Marley

      Bom senso interessante esse seu. Devemos então fechar também as estradas, o metrô e trens e também todos os aeroportos em perímetro urbano.

      Legal mesmo. Parece de muy bom senso.

      Amém Enzo!

  • ederff

    Passo pela 7 de Setembro em Curitiba todos os dias. Por onde antes passavam dois carros, hoje só passa um. Com dois carros já era bem travado o tráfego, agora virou um inferno. Até em horários de não-pico o trânsito na 7 de Setembro fica literalmente travado.

  • RoadV8Runner

    Para mim, a única explicação para reduções frequentes de velocidade nas vias é aumentar a arrecadação com multas por excesso de velocidade. Todas as explicações de segurança para justificar a redução são pura balela, conversa para boi dormir. Ninguém, em poder de raciocínio lógico, baixaria o limite de 90 km/h para 70 km/h nas marginais de São Paulo. E essa praga de velocidade baixa está se espalhando também aqui em Sorocaba-SP, claro que devidamente implementada por pardais estrategicamente posicionados…
    O Brasil já se transformou em um inferninho, agora a temperatura só está subindo. E, por incrível que pareça, para a plebe ignara está tudo bem, tudo legal…

    • Domingos

      Vocês têm um bom asfalto, pelo menos…

      • RoadV8Runner

        Nem tanto. Com exceção de alguns poucos locais, o restante está se deteriorando a olhos vistos. Logo que me mudei para Sorocaba, 10 anos atrás, o que me chamou a atenção foi justamente a boa qualidade da pavimentação. De lá para cá, agora estão cada vez mais freqüentes os remendos mal feitos, onde no lugar do buraco surge um calombo. Alguns meses depois, cria-se um novo calombo sobre o calombo anterior, por total falta de capricho no trabalho e a constante proliferação de buracos.

        • Domingos

          Noto que existem imperfeições sim, o problema é que São Paulo está tão ruim nisso que aí parece que você está rodando nos Estados Unidos…

  • Carlos Komarcheuski

    Aqui em Curitiba essas ciclovias viraram uma praga. Outra moda aqui é fazer a área de estacionar das avenidas do lado esquerdo da via, para cruzar essas ruas não se tem visibilidade nenhuma. E esses políticos fazem o que querem e fica por isso mesmo. O pessoal protestando por causa de centavos na passagem de ônibus, e o IPVA aqui do Paraná passou de 2,5% pra 3,5%, uma arrecadação e tanto, e ninguém protestou. Lamentável.

  • J Paulo

    Alguns dias atrás houve um acidente grave aqui na SP-50 em São José dos Campos. Dois ônibus bateram e uma estudante de 18 anos morreu. Pois bem, as causas do acidente estão sendo investigadas, pode ter sido pneu careca, chovia no momento da batida, foi numa curva, a estrada é estreita e sinuosa. Mas já tem gente se empenhando numa campanha para todo mundo andar a 50 km/h, como se já fosse sabido a causa do acidente. Daí se vê que é algo cultural, está arraigado nos motoristas: tudo é velocidade, está impregnado na cabeça do povo, não importa se a estrada é uma porcaria cheia de falhas, desnivelada, com queda de barreiras e vegetação grossa às margens.

    • Domingos

      O pessoal mal sabe que 50 km/h num ônibus faz um estrago…

      São sem noção de realidade, devido a uma lavagem cerebral onde o governo coloca como único culpado a velocidade – claro que por motivos de arrecadação.

      Educação é isso. Somos deseducados, na verdade.

      • Marcelo R.

        Seu comentário me lembrou “1984”, de George Orwell.

        • Domingos

          Mas é isso mesmo. Na verdade, a história tem se repetido exatamente da mesma forma há uns 300 e poucos anos.

          E de maneira básicamente igual desde o começo da história.

  • Wagner Bonfim

    Isso porque não há problemas mais importantes, ou que pelo menos o prefeito deveria se dedicar BEM mais, ao invés de inventar tanta moda. Os inúmeros casos de dengue, por exemplo.

    • Andre Sousa

      Que nada. Ele tem coisas bem mais importantes com que se preocupar: ciclofaixas e sacolinhas. Um belo idiota.

      • Domingos

        Sacolinha que ele deu de presente aos comerciantes, pois essa lei tinha sido vangloriosamente rejeitada anos atrás.

        É o partido “do povo”…

  • Nora Gonzalez

    Bob, tenho duas sugestões: se a velocidade menor corresponde um menor número de acidentes, vamos baixar para zero. Ninguém, absolutamente ninguém, vai a lugar nenhum por nenhum meio de transporte, assim nenhum acidente acontecerá. Segunda: vamos copiar o Primeiro Mundo: quando Michael Bloomberg era prefeito de Nova York o salário dele era de US$ 1 – ao ano.

    • joao

      Podia ter uma lei obrigando as autoridades todas a andarem de ônibus/metro/bicicleta todos os ias para ir para o trabalho, já que mente desocupada é morada do diabo. Pelo menos iriam gastar o tempo em que planejam as maldadezinhas indo e voltando do trabalho, e não andando de helicóptero. Hospital público e educação pública para a família toda dessa corja também.

      • Domingos

        Perfeito. Em horas livres ainda por cima deveriam atender a reclamações da população pessoalmente.

  • CharlesAle

    Vai esperar o que de um prefeito que negocia indiretamente com traficantes? E de um secretário metido até o pescoço com facção criminosa? Só Deus pelo povo de São Paulo mesmo..Já que o diabo está com eles!!!

    • Domingos

      Muito bem lembrado. É nojento o que esse pessoal faz. O problema é que educação não resolve nada, já que a maioria dos educadores ou pensa que sabe alguma coisa ou é mal intencionado.

      O povo que tem que perceber isso sozinho. Isso requer cultura, sabedoria… Difícil de achar.

      • Janduir

        Na eleição presidencial, o PT já tomou fumo em São Paulo em lugares que antes sempre ganhava. Acredito que na próxima eleição eles serão varridos do Estado…

        • Fabio Toledo

          SE DEUS QUISER!!!

          • Domingos

            Amém!

        • Domingos

          Vejo também eles tomando grito em áreas da capital como a zona leste, antes muito apoiadora deles.

          Também acredito que darão seu último sopro aqui por um bom tempo.

  • gpalms

    Na maioria dos países em que a bicicleta é utilizada como meio de transporte do dia a dia não há ciclofaixas.
    Há sim educação e entendimento da população que o ciclista é mais um veículo no trânsito, e que assim devemos protegê-lo respeitá-lo, como qualquer outro.
    Estamos atrasados no quesito educação. COMPARTILHAR ruas com segurança seria o caminho, não separar e/ou segregar uns para cá e outros para lá.

    • Domingos

      Perfeito. A idéia das ciclovias e ciclofaixas é uma nova invenção lingüística que serva apenas para:

      – Torrar dinheiro.

      – Provocar caos urbano ao diminuir o espaço dos carros e ônibus, poluir visualmente a cidade e promover brigas de categorias.

      – Fazer lavagem cerebral ao custo de milhares de km² desperdiçados.

      Seria mais útil faixas exclusivas para motos, mas isso não é da causa…

  • gabriel
    Com esse seu raciocínio você vai morrer sem entender mesmo. O que você veio fazer aqui?

    • petrafan

      Raciocínio é ironia, nesse caso.

    • Domingos

      Com esse raciocínio esse ser não deve nem conseguir assistir TV sem ajuda.

    • Ilbirs

      Bob, provavelmente é MAV. Olhei o perfil desse tal de gabriel minúsculo e só há 92 comentários, todos eles privados. Logo, fica difícil ver a possibilidade de ele ser um perfil falso qualquer que usam para entrar em lugares no qual seriam tão hostilizados quanto alguém com uma camisa do Flamengo no meio da torcida do Botafogo. Os comentários privados inclusive dificultam a possibilidade de se identificar um padrão na resposta, essa coisa tão MAV de ser. É possível que Gabriel não seja um, mas muitos, bastando mudar o MAV que manuseia o perfil em questão.
      Logo, responder a esse tipo de gente é somente fazer o que eles querem que se faça e, nessa, dar a eles um espaço que não teriam. Também é fazer o que eles querem que se faça liberar a publicação de tal tipo de comentário. Considere esse tipo de abordagem desse pessoal mais ou menos como se um leão qualquer chegasse ao território de outro leão, urinasse na área em questão e porventura fosse espantado pelo dono do território. Ele pode até ter sido afugentado, mas deixou no território que invadiu a marca de que esteve lá e desafiou o leão titular. Ele simplesmente fez marcação territorial por aqui e se está reclamando do que ele fez em vez de notar que isso que foi feito é justamente para que fiquemos falando por aqui do que eles representam e mantê-los em evidência.

      Restringir o comentário desse tipo de gente é simplesmente mostrar que não queremos ouvir o que eles têm a dizer e muito menos se vai dar palco para que façam o que fazem. Eles poderão fazer as costumeiras reclamações de que aqui seria um espaço desrespeitador da democracia e da liberdade de expressão, convenientemente esquecendo que democracia é uma organização de estado e aqui é um espaço privado, bem como ninguém restringe a liberdade de expressão deles se quiserem citar o link desta postagem no espaço deles e por lá descerem a lenha.
      Olhei no perfil em questão e por lá consta o link de um blog que com certeza tem bem menos audiência do que este. Logo, o mesmo está usando este espaço para conseguir umas visualizações que não conseguiria caso expusesse por lá aquilo de que quer falar. Assim sendo, permitir que tal tipo de comentário seja publicado por aqui é indiretamente fazer publicidade do tal blog e ser agente gerador de audiência para tal cara. Logo, que não se dê palanque para eles por aqui, até porque eles não dariam nenhum palanque a quem fosse contrário àquilo que eles creem ser tão bom, mas tão bom, que precisaria ser despejado forçosamente naqueles que não concordam com isso e que, se continuarem não concordando, precisam ser silenciados e intimidados.

      Se esse cara não for MAV, é só mais um cara que se sente culpado por produzir testosterona e que faz de graça o mesmo serviço que os MAVs fazem recebendo, sem notar que ele é que está sendo o otário da história. Enquanto ele anda de bicicleta, os burocratas que ele idolatra não querem sair do banco de seus carrões e riem de ele estar pedalando, mas sabem que ele enquanto inocente útil é muito importante para a obtenção de um determinado objetivo, com a condição de que seja descartado no fim do processo, uma vez que poderá notar que só serviu de escada para terceiros e não terá nada do “mundo melhor” pelo qual lutou.

      • Lorenzo Frigerio

        Acho que o termo não é “MAV”, mas “troll”. Mas quais tenham sido as suas razões, não invalida o que ele disse – acho que colocou seu ponto de vista de forma clara e educada.
        Como dizia minha falecida mãe nesses casos, o que ele fez foi “pour épater les bourgeois”.

  • Danilo Grespan

    Pessoal, vários mostram, baseados em trechos de leis, que as prefeituras erram e ratificam seus erros planejando o trânsito. Não seria uma boa tentativa acionar, como cidadãos comuns, junto ao MP, ou algum outro tribunal ou órgão de defesa, revisão desses atos absurdos? Tudo bem que não vivemos num conto de fadas onde o Bem sempre vence, mas no meu ponto de vista, se a justiça é mesmo cega, a lei precisa ser cumprida, mais cedo ou mais tarde!

    • Domingos

      Geralmente está tudo azeitado da prefeitura para cima. A justiça brasileira é aquele intelectual que gosta de discutir sobre vinhos caros e quadros, mas quando chega no assunto que interessa ela não fala nada.

  • Pro inferno.

  • Sério? Você conhece São Paulo? Tenta sair do Centro Velho e vá até a Paulista de bicicleta. É uma subida interminável. E quando você chegar no trabalho, tem vestiário para trocar a roupa depois de encarar o subidão?
    A bicicleta é ótima em certas ocasiões e cidades, para São Paulo, não.

  • Lucas dos Santos

    De acordo com Boris Feldman os testes teriam sido feitos apenas em carros importados atuais. Segundo o colunista, nenhum carro nacional mais antigo, “pré-2003”, foi testado.

    Isso, por si só, já colocaria esse teste em cheque.

    • Meu leãozinho é 2004 e ainda não é flex. Também sofro com essa alcoolina…

  • Lucas dos Santos

    É por isso que os pedestres nem perdem mais tempo tentando atravessar na faixa. Pois sabem que isso não lhes traz nenhuma segurança adicional, permanecendo o risco de serem atropelados!

    Tem lugar que, se o motorista parar para alguém passar, corre o risco de levar uma batida na traseira e o pedestre ser atropelado na faixa adjacente!

    Infelizmente, acaba valendo a “lei” do “quem pode mais chora menos”. O pedestre acaba sendo o único que pode evitar um atropelamento, mas para isso ele tem que “dar preferência” aos veículos antes de atravessar a rua.

    • Aqui em Maringá-PR, há algum tempo começou uma campanha muito forte, “Faixa, eu paro”.
      Por ser uma cidade relativamente pequena, deu certo. No início, colocaram agentes em todas as faixas, depois de um tempo, foram enviando advertências sem multa para quem não parava, e só passaram a multar depois de alguns meses de campanha.
      Hoje a cultura de faixa de pedestre está enraizada na cabeça do maringaense.
      Mas de vez em quando ainda acontecem umas colisões na traseira. Comigo aconteceu, parei numa faixa e um senhorzinho de moto destruiu a moto dele no meu carro.
      E o número de atropelamentos reduziu-se muito.

  • Lucas

    A URL termina com “diz-anfavea”, então eu não confio.

    • A URL termina com “diz-anfavea”, então eu não confio.

      +1

  • joao

    É, a falta de educação científica séria trazendo resultado. Não adianta mais ter fé…

  • Domingos

    A agressividade inútil realmente é um problema. Noto que os motociclistas melhoraram nesse quesito, porém sinto que é pela mais cruel seleção natural.

  • Pablo N

    Tenho pena de você.
    Não sabe nada, sobre nada.
    Na próxima encarnação, talvez…

    Bob, o pior é que esse tipo de pensamento está virando “senso comum”, faz parte do processo de idiotização do mundo atual, em que tudo que é bom vira pecado.
    Talvez esse seja o motivo do olhar espantado de alguns quando passo com meu V-6 americano de 5 metros com filtro e escapamento esportivos, que só falta soltar fogo pelo escapamento….

    Afinal, bicicleta é que é legal.

    • Legal é transporte público coletivo de alta capacidade, de qualidade, complementado por sistemas locais (bicicletas, ônibus, táxis e em último caso, carro particular). Transporte público deve ser gratuito e universal.

      A ideologia do carro particular só atrapalha e colabora com a segregação espcial na metrópole.

      • Gabriel
        Se o Criador planejasse o sujeito mais imbecil para habitar o mundo, certamente Ele faria um cara exatamente como você. Suma-se daqui! Você acabou de ser calcinado no AUTOentusiastas. Qualquer eventual comentário seu será sumariamente excluído.

        • Jorge

          @disqus_9PC1duAarc:disqus, como amante de carros e também ciclista me entristece ver uma posição tão retrógrada como a deste editorial e uma resposta tão agressiva ao leitor @disqus_GXzrKF4QWF:disqus . Só me resta o consolo de que os dinossauros não são eternos. Você já passou da hora aqui…

      • Newton ( ArkAngel )

        Todos os meios de transporte têm suas vantagens e desvantagens. No caso do automóvel, é extremamente útil e conveniente para levar o filho ao pronto socorro de madrugada, levar a avó a qualquer lugar, ou então fazer compras maiorws do que 10 sacolas.
        Quanto à questão do transporte público gratuito, muitos confundem o termo “público ” com “gratuito “, obviamente são coisas diferentes. Público é toda coisa cujo acesso é franqueado a todos indiscriminadamente, o que não implica em gratuidade. Aliás, como dizem os americanos, “não existe almoço grátis “, se algo é de graça, fatalmente alguém pagou por isso, e se um dia o transporte público for gratuito, com certeza poderemos esperar aumento em alguma outra coisa, o sistema todo sempre tende ao equilíbrio.

      • Domingos

        SeGreGaÇãO EsPaCiAl, iDeOlOgIa dO CaRro – Tico Santa Cruz

        Deve ser legal qual é sua explicação para o espraiamento urbano extremo de São Paulo justamente nas áreas onde existem menos carros por habitante…

        Taxi é carro particular. Assim como a bicicleta é transporte individual e de baixa eficiência.

        Mas é “chique” tomar táxi depois de sair do metrô e defender bicicleta – essa sim que deveria ser a última prioridade.

        Legal mesmo é não ter um mundo de molengões pós-modernos. Prefiro pegar trânsito do que não fazer idéia do que é ser homem.

  • WSR

    Bob, a falta de bom senso (entenda-se como a estupidez) dos governantes independe do partido. Em Vitória-ES, o ilustre prefeito é do PPS e já andou mexendo na velocidade de algumas vias, passando de 60 para 40km/h em alguns locais, como a avenida Adalberto Simão Nader. Aliás, algumas pessoas já foram multadas por não respeitarem o novo limite. É muito mais perigoso ficar de olho no velocímetro para não passar dos 40, quando em trânsito a andar perto dos 60 sem precisar olhar para o painel do carro. No meu caso, não consigo uma marcha adequada para os 40 km/h. Em segunda marcha o carro fica rosnando igual a gato raivoso (e a cada tirada de pé do acelerador eu recebo um coice da minha mula) e em terceira eu mal encosto no acelerador e o carro já passa dos 40 km/h. A reta deve ter aproximadamente 1km e é insuportável tentar manter os 40. Só não consigo lembrar se a pista possui a faixa para ciclistas, mas posso pedir para alguém verificar isso. Sinceramente, não entendo como um ciclista tem coragem de andar ao lado dos carros no Brasil. Acho que a pessoa tem que ter um espírito suicida. Se um bêbado (ao volante) matar um ciclista, é só pagar uma fiança e está fora da cadeia. Pode até ser processado, mas as penas são tão brandas que até estimulam o cara a matar mais pessoas.

    • Mingo

      Pela suas palavras, percebe-se na hora que você é uma pessoa sensata. Aliás, o maior problema do Brasil, é a falta de bom senso, seguida de ética, honestidade, educação, tolerância, etc, etc…
      Se mais pessoas pensassem assim como você, o convívio em sociedade seria viável. Com está hoje, é um barril de pólvora com o pavio aceso.

    • Roberto Neves

      Eu sempre digo isso: incentivar o uso da bicicleta sem oferecer condições de segurança é irresponsabilidade que deveria ser prevista no código penal. Usar a bicicleta em metrópole no Brasil, hoje, apesar das muitas ciclovias, faixas e quetais, é tentativa de suicídio.

  • WSR

    Louvados sejam os 911 e os 325! 🙂

    • Malaman

      Amém irmão!

  • Bob e demais membros do Ae;

    Não seria possível, vocês jornalistas, com embasamento técnico, conhecimento dos problemas etc, acionarem o Ministério Público?
    Vejo muitas postagens assim:
    “O Ministério Público tem que ser acionado!”
    Mas quem vai acionar o MP?

    • Deixando claro aqui: Não postei em clima de cobrança, mas como dúvida mesmo.
      Qualquer pessoa pode acionar o ministério público num caso desses? Como funciona?

      Abraço.

  • Marco Aurélio Strassen Murillo

    Bob,
    Um juiz mandou parar a implementação das ciclofaixas e, para mudar a decisão, requisitou lhe apresentassem o plano e projeto. A resposta da PMSP foi de que não haviam e que iriam fazer e apresentar os mesmos à justiça, dentro do prazo determinado por este.
    Todos sabemos o desfecho, entrou uma liminar, que derrubou a decisão do magistrado e tudo ficou como estava.
    Chamou a atenção de alguns, já haviam centrenas de quilômetros de ciclofaixas implementadas e sem plano nem projeto. Como pode tanto amadorismo? Explicou ao menos o por que de tantas aberrações.
    Perguntemos e solicitemos os planos e estudos que baseiam a decisão das mudanças de velocidade nas Marginais. Certamente, se houver, será outra coleção de amadorismos. Trágico.

    • Fat Jack

      Amadorismo não, pior, se você verificar o custo do m2 destas ciclofaixas, e o quanto a prefeitura estima arrecadar nas marginais e você verá que eles são é extremamente profissionais…

  • Caue

    Bob, é valido lembrar a redução da velocidade regulamentada em baixo da ponte da Eusébio Matoso, na qual os motoristas então a 90 km/h e são obrigados a frear a 60 km/h, pois ali está um radar pronto para pegar os desavisados

  • Jorge
    Tristinho? Então vá curtir sua tristeza em outro lugar, porque aqui acabou. Quem passou da hora foi você, não eu. Suma-se também!

    • Cláudio Steffenino

      Comentários de pessoas que não compartilham da sua opinião são excluídos do seu site, Bob? Você fez isso com meus comentários? Cara, sua atitude condiz com um cara de 10 anos na internet. Que absurdo. Que decepção.

    • agent008

      Bom, apóio 100%. Ferro nesses esquerdinhas caviar! Transporte público é importante, sim, desde que bem-feito, o que não acontece aqui. E a liberdade do indivíduo poder ir e vir com seu automóvel deve ser sim defendida sempre!

  • Mibson Fuly

    ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MOTORISTAS NELES!

  • disqus_tHjSUs6BnQ

    Aonde eu assino?

  • marcus lahoz

    Bob

    Esta Via calma é um transtorno. Em geral a 7 de Setembro (via calma) sempre foi uma rua com baixa velocidade, muito comércio, muitos pedestres, canaleta de ônibus no meio, tem mais de duas escolas… Dificilmente se trafegava a mais de 50 km/h.

    O que o prefeito fez? Acabou com o movimento de carros, ninguém mais anda na via; encontra-se facilmente multas emitidas a 33 km/h (10% a mais que permitido). Resultado: o comércio esta reclamando, a aprovação do prefeito esta caindo e ninguém anda na rua da bicicleta; pois apesar de ter um forte comércio, liga duas regiões muito valorizadas e todos andam de carro (ainda mais agora no inverno). O prefeito basicamente fez uma ciclovia para os amigos playboys dele.

    Um absurdo.

  • Lucas Pereira

    Raras vezes usava a Sete de Setembro antes de implantarem a via calma, porque felizmente as ruas do entorno fluem melhor que ela. Agora toda vez que sou obrigado a passar lá me da agonia: aquela velocidade de 30 por hora é realmente insuportável. Não que fosse lugar pra andar a muito mais que 50, mas né… Os ciclochatos gostaram, a SETRAN tira seus trocados e o motorista que se dane.

    • Dannister

      “via calma” é apenas uma forma de disfarçar a incapacidade em resolver a lentidão do tráfego na 7 de Setembro. Chamam de via calma pois não tem cabimento aquele ônibus parando a cada 30 metros, fazendo um ruído medonho e não estimulando ninguém a trocar o carro pelo transporte público. O metrô já devia passar ali há anos, acabando com essa canaleta de ônibus, modelo que serve aos extremos, mas prejudica toda a fluidez no trajeto por onde passa. E quantos acidentes com ônibus “expressos” já vimos ali?

      • Lucas Pereira

        A maioria dos acidentes é causada pela estupidez dos motoristas de carro que não tem paciência para dar uma volta na quadra e fazem conversões absurdas. Os ônibus de Curitiba tem um nível de qualidade muito maior que a média do país, ainda que hajam certos problemas, se não fosse a rede de BRT, o trânsito dessa cidade já tinha entrado em colapso faz muito tempo.

  • Fabio Toledo

    Compartilhado! #FIMDOPT

  • Fabio Toledo

    Em São Paulo até onde eu sei a fiscalização eletrônica de semáforo só funciona após um segundo de sinal vermelho e é sim motivo para o cara logo atrás ficar bravo com a vossa senhoria! Neste caos em que vivemos, onde um grande número de pessoas passa 3 horas no trânsito em média! Eu diria que estes cidadãos estão perfeitamente normais e esta atitude é comum ao se depararem com um “ruim de roda”, “marcha-lenta”, “pé-de-breque”, “rivotril”, “smartphonemaniac”… ou qualquer tipo desse que se enquadre!
    Aqui é São Paulo, megalópole alucinada, todos cansados indo ou voltando do trabalho, ninguém quer parar no amarelo, “meu chapa”!

  • Marcelo Takara

    Pior do que aproveitar a “rabeira” do amarelo, são as motos que vêm embaladas pelo “corredor”; mas que sequer chegam a frear, a fim de poderem atravessar o cruzamento no exato momento em que o sinal se abre. Condução perigosíssima, pois na outra direção do cruzamento sempre há quem queira aproveitar os segundos de tolerância da fiscalização eletrônica do sinal vermelho.

  • Ilbirs

    Bob, pode valer a pena falar deste vídeo que apareceu na página do Facebook do Jornal do Carro:

    http://www.facebook.com/JornaldoCarro/videos/896815817042115/

    Não sei se ele também está no YouTube (provavelmente sim), mas eu considero como prova das boas de que lombada no contexto que é usada aqui no Brasil gera mais perigo do que segurança. Não houvesse essa lombada, o cara do Gol ia embora e não causaria os problemas que quase causou, sendo nesse ponto a doideira de ele andar em velocidade claramente acima da natural da via menos perigosa do que o ocorrido após se deparar com o tal obstáculo.
    Observe-se também o fato de que essa lombada, apesar de estar em dimensões regulares, está sem pintura, o que permite antever que muita gente a pode estar vendo muito em cima da hora e por vezes batendo o fundo do carro, isso se não aconteceram coisas piores.

    • Domingos

      Coisas que esse vídeo prova: mesmo com ABS dá para desiquilibrar o carro se for joselito. Teria só pegado protetor de cárter se não tivesse feito o carro rodar bem na entrada da lombada.

  • Ilbirs,
    Parece que as rodas traseiras travaram e o veiculo rodou antes de pegar a lombada