Em Indy tudo é grande, até a velocidade média (foto Indicar.com)  Antagonismo une Indy a Mônaco 20150520 Indyabre yndycar

Em Indy tudo é grande, até a velocidade média (foto Indycar.com)

Dois dos maiores eventos do automobilismo mundial acontecem domingo. Média da pole position em Indy é 235% superior ao tempo da pole de Mônaco em 2014. Acidentes devem marcar a 500 Milhas de Indy e o GP de Mônaco.

 

Mónaco esbanja charme a beira do Mediterrâneo (Foto Red Bull Content Pool)  Antagonismo une Indy a Mônaco 20150520 Monaco Harbour F1 RedBull

Mónaco esbanja charme a beira do Mediterrâneo (Foto Red Bull Content Pool)

As datas não são coincidentes por acaso: raramente as duas principais corridas de monopostos em todo o mundo acontecem em fins de semana diferentes, o que já incluiu o uso do saudoso Concorde para permitir que Mario Andretti participasse das duas provas. Ícones do esporte, Indy e Mônaco adotam caraterísticas técnicas e filosóficas opostas em termos de técnica e espetáculo.

 

Indy pode receber 400 mil pessoas no grande dia (foto Indycar)  Antagonismo une Indy a Mônaco 20150520 rpm indy500 02

Indy pode receber 400 mil pessoas no grande dia (foto Indycar)

A primeira ocorre num dos autódromos mais sofisticados do mundo, com capacidade para receber 250 mil espectadores confortavelmente instalados em arquibancadas e camarotes e outros 150 mil no interior do famoso brickyard, nome herdado da pavimentação origina de tijolosl. A segunda tem também sua tradição, da largura inconcebível para um novo circuito à exiguidade de espaço para arquibancadas, boxes e qualquer outra dependência; é difícil enxergar mais de 80 mil pessoas nos quatro dias do evento monegasco. Já o PIB dessa corrida de rua é certamente bem maior que a congênere americana…

 

A partir da esquerda, a primeira fila da Indy 500 2015: Will Power, Simon Pagenaud e o pole position Scott Dixon (foto Indicar)  Antagonismo une Indy a Mônaco 20150520 Indy500 Front row JHH3829

A partir da esquerda, a primeira fila da Indy 500 2015: Will Power, Simon Pagenaud e o pole position Scott Dixon (foto Indycar)

Com mudanças amenas e foco no jeito americano de fazer festa, Indy é famosa pela velocidade media absurda que monopostos peculiares conseguem nas duas milhas e meia de percurso de cada volta pelo quadrilátero de Indiana. Ilusão de ótica, as quatro curvas de noventa graus dessa pista demandam traçado e técnica diferentes em cada uma delas e obediente a um ritual vibrante que dança ao sabor dos ventos que lá sopram. Isso gera uma pesquisa aerodinâmica que atinge até a pintura dos carros e, este ano, a espalhafatosos kits, kits que demonstraram ser capazes de exercícios jamais pensados pelos melhores ginastas do mundo.

Tudo porque andando a velocidade média superior a 372 km/h a pressão que faz o carro ficar no solo quando se movimenta à frente produz efeito oposto quando o monoposto passa a andar de marcha-à-ré. Para entender o que quero dizer de uma maneira mais clara veja neste link o acidente de Helio Castro Neves; neste aqui o de Ed Carpenter e neste aqui o que envolveu Josef Newgarden.

 

Acidentes são comuns em Indy e em Mônaco, como este em 1980 (foto Continental Circus)  Antagonismo une Indy a Mônaco 20150520 AcidenteMOnaco COntinentalcircus

Acidentes são comuns em Indy e em Mônaco, como este em 1980 (foto Continental Circus)

Preocupados, e com muita razão, com a segurança dos pilotos os organizadores resolveram diminuir a pressão do turbo de 1,4 bar para 1,3 bar o que diminui em cerca de 40 cv a potência dos motores 2,2-litros da Chevrolet e a Honda. Mais do que isso, o acerto aerodinâmico usado ontem, no Pole Day (como a tomada de tempos é conhecida em Indy), deverá ser mantido para a corrida. Uma forma discreta de evitar soluções críticas de equilíbrio e balanceamento do carro. Nesta página você encontra todas as informações sobre a temporada da Indy e a Indy 500 principal evento da categoria e o maior premio do esporte: o vencedor leva mais de US$ 2 milhões.

 

Ayrton Senna venceu seis vezes em Mônaco, deu show em 1984 e acabou no guard-rail em 1988 (foto BBC)  Antagonismo une Indy a Mônaco 20150520 Ayrton Monaco1988 BBC

Ayrton Senna venceu seis vezes em Mônaco, deu show em 1984 e acabou no guard-rail em 1988 (foto BBC)

Se a alta velocidade é a marca de Indy, Mônaco é, de longe, a corrida mais lenta do calendário da F-1, e igualmente é marcada por acidentes espetaculares, particularmente logo após a largada, na curva St. Dévote. Se a primeira competição tem apelo popular, a segunda toca mais a novos ricos de plantão e milionários consolidados, todos ávidos em ver e ser vistos. Hotéis eneplicam suas tarifas e restaurantes exigem reservas com grande antecipação, passagens aéreas para o aeroporto mais próximo, em Nice, passam a custar tarifa cheia, ou melhor, transbordando: afinal, na mesma época acontece o Festival de Cannes. Enfim, uma imensa festa.

 

Graham Hill venceu cinco vezes, incluindo em 1964, com esta BRM P261 (foto Monaco GP)  Antagonismo une Indy a Mônaco 20150420 graham hill  monaco 1964  by f1 history d6f7ygx

Graham Hill venceu cinco vezes, incluindo em 1964, com este BRM P261 (foto Monaco GP)

Nos sinuosos caminhos de Monte Carlo — hoje o bairro mais famoso do pequeno principado da família Grimaldi —, os F-1 fazem uma esfoliação de rodas e pneus nos guard-rails montados pelos 3.340 metros menos retos e/ou planos do calendário. Esse percurso é um tal de vira-prá-cá-sobe-freia-vira-prá-lá-desce-acelera-freia-e-começa-tudo-de-novo que chega a dar cãimbra nos dedos dos pilotos, não importa quantas horas de vídeo-game eles joguem por dia.

 

Jack Brabham liderou a maior parte da corrida de 1970. Perdeu na última curva para Jochen Rindt  (foto Grand Prix Legends)  Antagonismo une Indy a Mônaco 20150520 JBrabham Monaco1970 GrandPrixLegends

Jack Brabham liderou quase todo GP de  1970, perdeu na última curva para Jochen Rindt (foto Grand Prix Legends)

Embora alguns nomes tenham se consagrado pelas inúmeras vitórias conseguidas ali — Ayrton Senna (6 vezes) e Graham Hill (5) foram os maiores vencedores —, foi lá também que aconteceram algumas das grandes zebras, como Jack Brabham errando na última volta de 1970 e entregando a vitória para Jochen Rindt ou Senna, em 1988, batendo a 12 voltas do fim quando tinha quase um minuto de vantagem sobre Alain Prost. Comparando com Indy, nenhuma delas é zebra maior que a do colombiano Roberto Guerrero: em 1992 alinhou na pole-position mas saiu da pista na volta de apresentação…

 

Em 1992 Roberto Guerrero alinhou na pole mas abandonou na volta de apresentação em Indy (foto Indycar)    Antagonismo une Indy a Mônaco 20150520 RobertoGuerrero 1992 Indy

Em 1992 Roberto Guerrero alinhou na pole mas abandonou na volta de apresentação em Indy (foto Indycar)

Como estamos falando de Mônaco, mudemos de preto para o vermelho: o papo nos iates e na noitada de quinta — na sexta a F-1 não treina e todo mundo consome o álcool do ano inteiro no happy hour do dia —, serão as possíveis mudanças para o regulamento de 2016 e 2017. Bernie Ecclestone quer por que quer mudar os motores atuais por outros mais potentes e barulhentos. Só que as grandes fábricas não gostaram da idéia e essa proposta só vai passar se muito dinheiro rolar por baixo e por cima dos panos. Propostas não faltam: como motores menos sofisticados e a da Cosworth (responsável por 90% do grid por algumas décadas) —, permitir que equipes menores comprem carros prontos de construtores como McLaren, Williams e que tais (algo que a Force India e a Sauber se arrepiam só em pensar), reabastecimento e livre escolha dos pneus.

De tudo isso o que parece mais crível diz respeito à escolha dos pneus — hoje é o fabricante que determina as duas opções disponíveis —, o que facilitaria indiretamente o retorno de marcas como a Michelin. A marca sino-italiana já desenvolve um novo pneu de aro 18 para possível adoção em 2017, algo que também pouco provável. Talvez o melhor resumo do que foi discutido semana passada entre os poderes reconhecidos da F-1 (Ecclestone, FIA e as cinco equipes topo), foi o que saiu da boca de Gerhard Berger

“Basicamente nada foi decidido, e isto não é nenhuma surpresa. Vai ficar tudo do mesmo jeito.”

Indiferente a isso tudo, a Philip Morris renovou seu contrato (aparentemente US$ 160 milhões por três temporadas) com a Ferrari — ainda que seja uma mensagem tipicamente subliminar —, e a Lotus mandou recado à Renault através de Matthew Carter. O dirigente da equipe declarou em um evento de marketing esportivo em Londres que “meus acionistas disseram que a equipe não está à venda”. O que talvez ele não declarou é que isso acontece apenas se a oferta não for convincente…

 

Matthew Carter , CEo da Lotus na F-1, diz que equipe não está à venda (foto Lotus F1 Team)  Antagonismo une Indy a Mônaco 20150520 MatthewCarter LotusF1

Matthew Carter , chefão da Lotus na F-1, diz que equipe não está à venda (foto Lotus F1 Team)

Já a Toro Rosso, baseada em Faenza, Itália, não esconde que tem muito a oferecer à marca francesa. Ocorre que o mundo da F-1 gravita em torno de fornecedores especializados cuja grande maioria está baseada na Inglaterra — onde fica a Lotus, que funciona na antiga sede da antiga equipe Renault…—, enquanto a Itália tem uma legislação tributária e trabalhista um pouco mais complicada que a do Reino Unido e muito mais parecida com a do Brasil.

Audi e BMW ficam de fora

 

Rupert Stadler: "a F-1 não está nos nossos planos" (foto Audi)  Antagonismo une Indy a Mônaco 20150520 RuopertStadler Audi

Rupert Stadler: “a F-1 não está nos nossos planos” (foto Audi)

De acordo com a edição de ontem do diário alemão Handelsblatt, o executivo-chefe da Audi, Rupert Stadler, afastou de vez a hipótese da marca das quatro argolas desenvolver um projeto para as corridas de Grande Prêmio. Cerca de 50 km ao sul de Ingolstadt, mais exatamente na sede da BMW, discute-se a possibilidade desta marca disputar Le Mans m 2016 e 2017 usando novas soluções de motorização. Isso seria possível graças à liberdade que a “Garage 56” permite: esse box é reservado a equipes e fábricas que queiram desenvolver soluções de vanguarda e que não se encaixem plenamente no regulamento atual. Exemplo recente dessa alternativa é o Delta Wing, conceito desenvolvido pela Nissan e pela Panoz.

WG

A coluna “Conversa de pista” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

Sobre o Autor

Wagner Gonzalez
Coluna: Conversa de Pista

Jornalista especializado em automobilismo de competição, acompanhou mais de 300 grandes prêmios de F-1 em quase duas décadas vivendo na Europa. Lá, trabalhou para a BBC World Service, O Estado de S. Paulo, Sport Nippon, Telefe TV, Zero Hora, além de ter atuado na Comissão de Imprensa da FIA. É a mais recente adição ao quadro de colunistas do AUTOentusiastas.

Publicações Relacionadas

  • Daniel San

    Essa Indy 500 de 1992 foi notável tanto pela bobagem do Guerrero quanto pelo final eletrizante,quando Scott Goodyear,que largou em último,perdeu pro Al Unser Jr por meio carro,se tanto. Na época,lamentei pelo Guerrero,pois havia se recuperado de um acidente para lá de feio.

    • Wagner

      O problema do Guerrero foi não saber esquentar os pneus. A corrida aconteceu em um dia muito mais frio que o normal e muitos pilotos tiveram problemas com os borrachudos.

  • REAL POWER

    Vou direto ao assunto. Não gosto de F-1 em Mônaco.

    • Wagner

      RP,

      Pessoalmente tenho minhas reservas com relação ao circuito de Mônaco. É de longe o pior lugar para um jornalista trabalhar, a menor distância entre dois pontos é um labirinto e os fiscais do circuito são de longe os mais arrogantes do calendário. Por outro lado, é preciso admitir que o lugar é charmoso, tem alguns bons restaurantes e está num pedaço muito bonito do Mediterrâneo…

  • Lucas Vieira

    Pior foi o Fittipaldi em 94, que já ia dar uma volta no Al Unser Jr., segundo colocado faltando umas 15 voltas e perdeu o controle do carro na curva 4. Acho a melhor corrida, disparado!

  • RoadV8Runner

    O cara tinha que ter muita vontade para disputar o GP de Mônaco, encarar um vôo de 6 horas (ah! o Concorde…) e assumir o volante de um Fórmula Indy para enfrentar a 500 Milhas de Indianápolis. Nada mais, nada menos, que as corridas mais desafiadoras de ambas as categorias. Tiro meu chapéu para o Mario Andretti.
    Sobre a batida do Senna em Mônaco, em 1988, lembro-me que ele saiu do carro muito bravo, pois sabia que havia cometido um erro infantil. Em parte, foi porque a equipe pediu para ele diminuir o ritmo, devido à enorme vantagem para o Prost. Uma pequena perda de concentração e houve a batida leve, mas suficiente para quebrar a suspensão.

  • Juvenal Jorge

    É o domingo de corridas mais legal do ano, faço de tudo para não perder. Esse já está programado.
    Abraço Wagner

    • Wagner

      Dia de tomar café da manhã e almoçar em casa, caro JJ!

  • André Castan

    Não querendo ser chato, mas vou de NASCAR e suas 600 milhas. Garanto que em uma única volta dessa prova, haverá mais ultrapassagens que a corrida toda na insuportável Mônaco.

  • Wagner Gonzalez

    Roady,

    Nessa eepoca eu trabalhava com o Ayrton. Muitas horas depois da batida ele apareceu no paddock e inventou uma história para justificar a batida” “Eu já tinha notado que em algumas curvas o carro estava raspando um pouco no chão. Acho que um pneu estava furado, perdendo pressão, por isso bati…”