13 de maio, Dia do Automóvel

 

É coincidência histórica comemorar no 13 de maio a abolição da escravatura e saber, a mesma data é oficialmente dedicada ao Dia do Automóvel. Na prática duas efemérides dedicadas à liberdade. Humana e social, tentando apagar marca em nossa história, e de reconhecimento ao maior ícone do século passado, ferramenta concedendo ao homem poder então desconhecido, o da mobilidade. Desnecessário falar, foi também a maior enzima tecnológica do período.

A decisão é de 1926, pelo Decreto 24.224, e serviu para chancelar a inauguração da primeira estrada pavimentada do Brasil, ligando o denominado Pé da Serra, em Xerém, no município de Duque de Caxias, à turística cidade de Petrópolis, ambos no Estado do Rio de Janeiro. O espírito era reconhecer a importância da via rodoviária, implementada pelos sócios e promoções do Automóvel Club do Brasil. A entidade privada reunia os adeptos do automobilismo em época na qual a posse e o usufruto do automóvel e seu significado de poder e status, elevavam socialmente seus proprietários.

Á época o Rio de Janeiro era capital da República, usina de modas, comportamentos e seus regulamentos legais. A frota dos mágicos veículos, capazes de unir as vantagens diferenciativas do poder, e as facilidades da locomoção, fomentaram a idéia. Petrópolis era, e ainda tratada como Cidade  Imperial, pois Dom Pedro II lá tinha residência de verão, ou para lá se dirigia quando queria descanso do exercício do poder. Entretanto, dificilmente os cariocas se arriscavam a um fim de semana serrano. Era um desafio superar os caminhos da baixada fluminense, e mais ainda se aventurar pela estrada carroçável, seus atoleiros, as escorregadias lajes de pedra, instando os cariocas de bolso saudável a uma curiosidade modal: iam em automóvel até a estação ferroviária Pedro II, colocavam-no sobre uma plataforma, compravam passagens para o vagão Pullman, o mais confortável, e subiam a serra em trem da Estrada de Ferro Leopoldina.

Os sócios do Automóvel Club, com interesse em mostrar sua diferença social e utilizar seus veículos, tomaram a iniciativa. A estrada exigiu pontes e obras de arte, de modo a permitir a viagem. Seu revestimento é em placas de concreto, então de execução relativamente ao macadame. Um e outro eram importados.

Em 1934, durante as comemorações de entidade de rodoviarismo, Getúlio Vargas, em tempo de ditador, aproveitou a ocasião e agregou à data outra comemoração, o festejar da estrada de rodagem. Esta parte perdeu-se no tempo, com construções de baixa qualidade e elevado preço. E a do automóvel, agora transformado em commodity, e a caminho de se tornar insosso equipamento eletrônico com quatro rodas, segue o caminho da falta de orgulho e do esquecimento.

 

13 de maio, Dia do Automóvel petropolis

Rio-Petrópolis, construção pelos sócios do Automóvel Club

Villa D’Este, refinado encontro de automóveis antigos

Não é espetaculoso como os conhecidos eventos americanos para automóveis antigos — Pebble Beach, Amelia Island, Hershey ou Carlisle —, nem segue o caminho do parisiense Rétromobile, da extensa Essen, na Alemanha, da insuspeitadamente atrativa Feira de Pádua, na Itália. Mas é aula de elegância em cenário, refinamento em presença e unidades expostas. É o Concorso d ‘Eleganza Villa d’Este, realizado no famoso hotel homônimo, Lago de Como, Itália. Em 86ª. edição, de sexta, 22 a domingo 24.

Tema, veículos da década de ’70, decênio assinalador de grandes mudanças sociais e seus reflexos na engenharia automobilística, gerando os conceitos ainda seguidos. Pós Guerra os automóveis se democratizaram, perderam o charme construtivo e, mais recentemente, sofreram processo de pasteurização, com engenharia e projeto comandados por contadores e economistas, um pessoal pró-lucro e anti-carro. Por isto, há categorias para outros veículos.

Busca-se, como sempre, atração de raridades, daí premiação luxo pré-Guerra, esportivos anti-depressivos, os carros feitos à mão, como os grandes coupés pelos carrozzieri, GTs especiais. Segundo tema, Rolls-Royce Phantom, conceito perdurando há nove décadas. Destes, exemplar atrativo é unidade de 1954, versão Landaulet, portando pioneiro uso da caixa de câmbio automática, encomendado pela Rainha Elizabeth II e presenteado à sua irmã Margaret.

Dentre esportivos, exemplar do Pegaso Z102, espanhol tecnicamente refinado, existente em menos de centena de unidades; Maserati 60/61 conhecida mundialmente como Bird Cage, gaiola, pela profusão de tubos formando sua estrutura; Panther Six, esportivo inglês com seis rodas, inspirado nos Tyrrell P34 de Fórmula 1, tracionado por enorme motor Cadillac de 8,2 litros, com dois compressores e 600 cv. Atração à parte, quatro BMW decorados nos anos ’70 pelos artistas Alexander Calder, Frank Stella, Roy Lichtenstein e Andy Warhol.

Curiosidade

Organização de eventos automobilísticos, exceto leilões, são atividades de clubes ou sociedades com fim específico. O Villa D’Este é exceção. Quem o organiza é o BMW Group Classic, área de antigos da marca bávara. Começou como patrocinadora em 1999 e, em 2005, resolveu botar ordem alemã na organização, assumindo-a. Atrações paralelas, ligada à marca, exposição dos Mini dos anos ’70, e leilão pela Casa Sotheby’s de 40 veículos. Ingressos baratos: 7 euros (uns R$ 26) no sábado e E 10, uns R$ 35 no domingo

 

Sinal de vida, Alfa patrocina Mille Miglia Storica

Com anúncio de novos planos e produtos em junho, a Alfa Romeo assumiu maior cota de patrocínio da italiana Mille Miglia. Como dizia Enzo Ferrari, mais famoso chefe de sua equipe de competições, a mais bonita corrida do mundo. Partida e chegada em Brescia, após percorrer o neste ano esticado circuito para uma paradinha no circuito de Monza, onde o grupo FCA — também controlador da Alfa — patrocina a Expo 105. Ao final, 1.726 km, mais de 200 cidades e sete estados percorridos.

Inscritos há 464 automóveis, com crescente adesão dos museus dos fabricantes. Neste ano a Jaguar confirmou participar e a Mercedes-Benz lidera com seu time com mais de 20 veículos, entre próprios e de clientes vip sob a frondosa árvore de seu patrocínio. Lidera-a o vencedor e veteraníssimo Sir Stirling Moss, 86!

Alfa Romeo retirou dois exemplares de seu Museu: 1900 Sport Spider, de 1954 e 750 Competizione, de 1955, conversíveis de alta performance. O 1900 tem a base do motor depois utilizado no FNM JK aqui produzido, e também para o Alfa 2300. Fazia 138 cv e atingia 220 km/h; 750 não é cilindrada, mas indicativo do modelo Giulietta. Usava motor 1.500 e 148 cv de potência. A Giulietta mudou a cara da Alfa.

Se tiver competência festeira marca poderá capitalizar feitos importantes: venceu 11 vezes a Mille Miglia  — nenhuma outra a superou —; e esta edição registra 80 anos da vitória de Carlo Pintacuda e Della Stufa em um Tipo B “P3” preparado especialmente para a prova, seguido de cinco outros Alfa.

À época era uma corrida alucinada, e hoje o complemento Storico  mantém o espírito da elevada disputa, mas a velocidade se transformou num exercício aritmético para perder a menor quantidade de pontos nos 84 pontos de aferição de passagens com velocidade assinalada em casas centesimais.

É um charmoso rallye, e seus participantes são reconhecidos mundialmente por usar um cronógrafo Choppard, construído, datado e marcado com o numeral do participante a cada edição.

 

Foto Legenda 02 Coluna 2015 - Mille Miglia  13 de maio, Dia do Automóvel Foto Legenda 02 Coluna 2015 Mille Miglia

Mille Miglia, verdadeiro museu itinerante

 

RODA A RODA

 

Mercado – Audi mantém crescimento de vendas e marcou em abril 75% de aumento em emplacamentos comparados com abril de 2014. Modelos mais vendidos, Q3 e A3 Sedan 1.4.

Base – Crescimento da Audi baseia-se em expansão da rede concessionária, investimentos em marketing e pós-vendas, e a reimplantação de fábrica da marca no país.

Não – Volkswagen do Brasil descartou a possibilidade de importar da Índia o novo VW Polo, geração posterior à recentemente encerrada aqui. Operação neste sentido será efetivada pela VW na Argentina.

Tempo – Chery conseguiu se compor com o sindicato dos metalúrgicos do Vale do Paraíba e botar sua fábrica a funcionar. Logo após a inauguração em fevereiro, houve greve, e aos 6 de maio a produção de automóveis Celer foi  reiniciada. 30 veículos/dia, a marcha industrial mais lenta, para compatibilizar com o mercado. As instalações da empresa são para 150 mil u/a.

Ocasião – Seguindo a regra de atrevimento econômico, segundo a qual Crise é Oportunidade, Citroën promove ousada ação, acreditando no desejo do consumidor em levar para casa carro 0-km, charmoso e bem equipado. Oferece financiamento competitivo, bônus e entradas facilitadas para C3, Aircross, C4 Lounge.

Irmã – Peugeot faz ação assemelhada e com o Desafio Test Drive Peugeot 208, e discurso curto: testou conteúdo, a invejável posição de dirigir, mas comprou concorrente, Ford Fiesta 1,5/1,6, Hyundai HB20 1,6, Honda Fit 1,5, VW Fox 1,6, GM Onix 1,4 ou Fiat Punto 1,.4, levará R$ 300,00 da Peugeot.  Vale até maio.31. Informações: www.peugeot.com.br/ofertas/regulamento.

Festa – BMW comemora o 40°. aniversário do lançamento de sua Série 3. Lançamento vitorioso, substituindo a Série 2000, responsável por sedimentá-la como marca estável no grande funil dos reflexos da 2ª. Guerra Mundial.

Caminho – Série 3 foi a base de desenvolvimento das famílias maiores, síntese de qualidades, tornando-se o mais vendido do mundo em sua categoria. Hoje, está na sexta geração e registra 14M de unidades produzidas em 10 países.

Corte – No processo de reduzir custos para garantir o futuro, Peugeot Citroën mudará de endereço.

Futuro – Tens jeito para desenhar automóveis? Estudas design, arquitetura, programação visual? Volkswagen abriu concurso para novos designers. Tema é Meio de Transporte ideal para as diversas regiões do Brasil.

Prêmio? – Um ano de estágio remunerado na área de design, possibilidade de contratação. De lá saíram Raul Pires, autor do desenho do Bentley Continental, e Marco Antônio Pavone, do up! Mais ?  http://www.vwbr.com.br/design/

Negócio – Embrapa Agroenergia desenvolveu e expõe em feiras especializadas pesquisas para uso de microalgas na produção de biocombustíveis. Contatos são para identificar outros materiais em aplicações agroenergéticas, e facilitar fabricação por produtores rurais. Microalgas podem ser cultivadas em água salgada, salobra, residual.

Solução – Associações como a Anfavea, reunião dos fabricantes de veículos, e Fenabrave, dos concessionários, criaram movimento para agrupar marcas, a Feira do Consórcio. Objetivo não é vender cotas, mas convencer, por vantagens adicionais, consorciados já sorteados a retirar seus veículos.

Parte – Acredite se quiser, há 240 mil consorciados aptos a retirar seus veículos, mas hesitam em função do momento atual, ou postergam decisão e escolha. Número se aproxima de um mês cheio em vendas de todas as marcas.

Guariba – Termo, no jargão automobilês, indica melhorada geral no estado do carro, com lavagem e polimento, custando entre 400 e 1.000 reais. Inglês Paul Dalton criou sua Miracle Detail, e cobra 7.000 euros – uns R$ 25 mil. É a guariba mais cara do mundo. Melhores ingredientes do mundo: pano antimicrobiano da Austrália, brasileira cera de carnaúba, outros não declarados e cuidado, e paciência.

Processo – 61 passos, duas semanas. Começa com espuma removedora de sujeira da carroceria; a seguir, quatro lavagens com esponjas adequadas; secagem com panos de micro fibra. Após, máscara de argila descontaminando a tinta, e aplicação manual de cera. Diz, efeito dura três anos. Maior clientela jogadores de futebol — com carros novos, sem necessidade do serviço

Finame – Caminhões Actros da Mercedes-Benz atingiram índice de nacionalização capaz de habilitá-los ao financiamento do Finame PSI, do BNDES. Produtos estão no topo da marca, rico em equipamentos e acessórios.

2 Rodas – Dafra, montadora manauara, inicia disponibilizar sua motoneta Citycom 300. Freios a disco, rodas 16”, novos faróis, acabamento acarpetado, painel com iluminação por LEDs. Motor monocilíndrico, 4 tempos, comando de válvulas no cabeçote, 263,7 cm³, 23 cv. caixa automática, pesa 182 kg.

Retífica RN – Coluna passada informou Miguel Figari, diretor geral da Peugeot Brasil como mexicano. Morou no novo líder latino americano na produção de veículos, mas é chileno.

Gente – Pablo Sanchez, diretor de comunicação da Peugeot argentina, fora. OOOO Avisou ao mercado e saiu. OOOO José Carlos Macedo, administrador com MBA em marketing, mudança. OOOO Deixou diretoria regional GM para direção de vendas Nissan. OOOO José Luiz Vendramini, antes no cargo, é diretor de suporte estratégico. OOOO

 

Mercedes quer reduzir consumo de energia em 12%

Economia de insumos, ganhos de produtividade, otimização dos equipamentos e redução de custos são metas perseguidas empresarialmente, em especial na atividade industrial. Recentemente, por causas exógenas, incluindo a preocupação ecológica no poupar recursos naturais, como a água, empresas conscientes tem lançado programas reduzindo consumo de água, seja no uso direto, seja na contenção do dispêndio de energia elétrica.

A Mercedes-Benz do Brasil está em campanha para obter economia marcante: 12% em energia elétrica no triênio 2012/2015. Neste esforço, até ano passado havia economizado 13.100 megawatt·hora — na prática, por índices da Secretaria de Energia do estado de São Paulo, tal montante é o bastante para iluminar durante um ano, 5.000 residências na cidade de São Bernardo do Campo, onde está localizada sua usina principal.

Os cuidados adotados pela empresa se dividem entre os que podem ser adotados na hierarquia superior, como a reforma de imóveis com o uso de cores mais claras nas paredes, forro, piso, mobiliário, e a substituição das lâmpadas fluorescentes por outras de LED.

Fundamental a participação dos colaboradores, empresa fixa adesivos em todas as máquinas e equipamentos sugestão de verificação da necessidade de mantê-los funcionando durante espaços não produtivos, como horários de refeições, troca de turno, finais de semana. Para implantar a campanha a Mercedes-Benz realizou um Projeto Piloto durante um ano no prédio da produção de agregados e obteve economia de 30%.

Para implementar, monitores foram treinados,  instalados subcomitês e comitês para motivar os operadores das máquinas e criar o hábito da redução de consumo.Em paralelo há um sistema de monitoramento on-line do consumo, identificando as áreas com maior ou menor gasto, e onde o consumo pode ser contido. A meta, ambiciosa, pretende no atual exercício agregar 4% de redução.

RN

rnasser@autoentusiastas.com.br
A coluna “De carro por aí” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

 

 

 

Sobre o Autor

Roberto Nasser
Coluna: De carro por aí

Um dos mais antigos jornalistas de veículos brasileiros, dono de uma perspicácia incomum para enveredar pelos bastidores da indústria automobilística, além de ser advogado. Uma de suas realizações mais importantes é o Museu Nacional do Automóvel, em Brasília, verdadeiro centro de cultura automobilística.

Publicações Relacionadas

  • Mr. Car

    Se bobear, algum imbecil querendo fazer bonito para os eco-histéricos e ciclo-chatos, revoga o decreto que criou o Dia do Automóvel. Duvidam?

    • $2354837

      Ataque gratuito e desnecessário

  • Luiz_AG
    Pelo contrário, achei pertinente e necessário diante da demonização do automóvel pelos dois grupos citados pelo Mr. Car. O governo petista não revogou as comemorações do 31 de Março? Quem é contra sempre arranja maneira de derrubar o “inimigo”.

    • $2354837

      Tenho muito medo disso Bob. O plano de dividir o país em duas correntes esta dando certo. Está criando a definição de lado bem e o lado mal, definindo quem é o bem pela interpretação do observador que cada vez esta com menos capacidade de discernimento.
      Deveriam criar o dia da convivência mútua.
      Lembro sempre da historia do armistício de Natal da Primeira Guerra Mundial. Deveríamos ter mais disso.

  • Luiz_AG
    Eu também tenho medo dos rumos que nosso país está tomando, está destruindo a si próprio do nada, tudo resultando de uma incompetência de governo jamais vista desde que Luiz Inácio da Silva assumiu em 2003. Tenha certeza de que essa demonização do automóvel generalizada é uma das causas da parada das vendas. Esses efeitos demoram a se manifestar, mas quando vêm são devastadores. Fora que estamos numa guerra civil velada a nos ameaçar e nada parece estar sendo feito para combatê-la

    • Lorenzo Frigerio

      Demonização do automóvel pelo PT é só discurso “politicamente correto”, e uma forma de criar receita via “indústria da multa”. As “montadoras” nunca estiveram tão bem no Brasil como no governo deles, e aposto que doaram fartamente nas últimas eleições.
      Afinal, a pelegada do ABC depende dessa indústria.
      A parada nas vendas é culpa da recessão, pois tudo está parando de vender, e automóvel não é bem de primeira necessidade, tampouco precisa ser comprado 0km.