UM BRASILEIRO EM BUENOS AIRES

buenos aires avenida 9 de julho

Avenida 9 de Julho, em Buenos Aires

Recordo a minha primeira viagem à Argentina nos idos de 1995. Desembarquei no Aeroporto de Ezeiza, na Grande Buenos Aires — como  o de Guarulhos, que é fora do município de São Paulo — e logo me chamou a atenção  a quantidade de veículos antigos circulando. Até os táxis pretos com teto amarelo me remontava aos anos 1960, parecendo  ter entrado no túnel do tempo.

E foi um destes táxis que me transportou ao Hotel Pan Americano na Avenida 9 de Julho — a avenida mais larga do mundo — onde fiquei hospedado. Era um Peugeot 504 que só tinha aparência de antigo pois era um  modelo “retrô”  ainda  fabricado localmente.

 

buenos aires ezeiza

Aeroporto de Ezeiza, Buenos Aires, foto do autor

 

taxi peugeot

Táxi Renault 12, muito parecido com o Peugeot 504

Chegando ao hotel fiquei impressionado com a grandeza de Buenos Aires, a enorme avenida onde se destacavam o obelisco e o majestoso Teatro Colón, um marco cultural da cidade, parecia estar na Europa e não na América do Sul. Os edifícios antigos muito bem cuidados davam um ar “anos dourados” à cidade.

A noite, com a cidade toda iluminada, os restaurantes e os cinemas funcionando a todo vapor me indicavam claramente o poder cultural da cidade.

Fui jantar em Puerto Madero, um local belíssimo com prédios históricos restaurados e visual de primeiro mundo. Inesquecível o “lomo” ao ponto acompanhado de bom vinho tinto argentino.

Puerto Madero atual, na realidade um  antigo porto totalmente revitalizado com hotéis 5-estrelas, bares, restaurantes e também áreas comerciais, é um exemplo de como fazer um complexo importante e de bom gosto à cidade e aos seus visitantes.

Acordei bem cedo e ansioso fui para a fábrica da Ford em General Pacheco, distrito vizinho a Buenos Aires, tendo no meu colo vários trabalhos importantes a realizar, participar do desenvolvimento do novo Escort Zetec 1,8 e da nova Ranger e também correlacionar a pista de testes de Pacheco. Fazer alguns testes e avaliações localmente daria agilidade e economia,  diminuindo o envio de veículos de desenvolvimento para o Campo de Provas de Tatuí.

A pista de provas de Pacheco me trouxe a memória do “velho patrão” Henry Ford, que tinha a convicção que as caixas d’água eram os estandartes da marca e por esta razão deveriam estar sempre imaculadas.

 

Caixa d’água Ford Pacheco

 

eu em pacheco

Eu na pista de provas da planta Ford Pacheco  tendo ao fundo a maravilhosa “water tower” com o oval azul se destacando

 

vinicius pista pacheco

O eng. Vinicius ao lado do Fiesta B-13 novinho em folha, ainda importado da Espanha

E continuei com os meus trabalhos entrando na rotina do dia a dia. Continuava me chamar a atenção a quantidade de  veículos “antigos” na cidade e no pátio dos funcionários da Ford, particularmente o Ford Falcon que se destacava na multidão. Aliás, o Falcon foi o maior sucesso de vendas na Argentina, tornando-se um símbolo nacional.

 

falcon na rua

falcon no jardim

 

falcon propaganda americana 1961

Ford Falcon 1961, propaganda americana

Os argentinos tiveram seu primeiro contacto com os Ford Falcon em 1961, ainda importados dos Estados Unidos.

E foi em 15 de julho de 1963 que o primeiro Falcon foi produzido — começara apenas montado no ano anterior — na Argentina, na fábrica de  General Pacheco, com sucesso imediato, causando filas  nas concessionárias Ford à procura do modelo.

O Ford Falcon foi produzido na Argentina de 1962 a 1991 — 30 anos! — deixando saudade. Foram produzidas 500.000 unidades incluindo o modelo Ranchero que era uma picape derivada e também a Falcon Rural, a perua do modelo. Pode parecer um número pequeno,  mas se considerarmos que o mercado argentino é cerca de 1/5 do brasileiro, o volume de Falcons produzidos é considerável.

Como curiosidade, o  Falcon fez também muito sucesso nas pistas na categoria Turismo Carretera, ganhando muitos prêmios  importantes.

O Falcon serviu de base para o carro de maior sucesso da Ford de todos os tempos, o Mustang, lançado em abri de 1964 no Salão de Nova York.

 

planta Pacheco

Os Ford Falcon na fábrica de  Pacheco

 

falcon despedida 001

Folder de despedida do Ford Falcon em setembro de 1991

Minhas viagens à Argentina0tornaram-se rotineiras, participando de vários eventos e desenvolvimentos, culminando com o Ford Focus em 2000.

Acabei conhecendo praticamente todo o país, Patagônia de leste a oeste até o extremo sul, Rio Gallegos  e os glaciares de Perito Moreno.

Uma viagem inesquecível foi a que fiz com o time da picape Ford Ranger por ocasião do seu pré-lançamento em 1997.

 

ranger 1

Nascer do sol na Patagônia argentina

 

Eu e o time da Ranger na Patagônia argentina

 

Chegada em em San Carlos de Bariloche

Encerro esta breve matéria com uma homenagem à fábrica da Ford Pacheco, toda modernizada, fabricando veículos com muita qualidade em seu processo de manufatura.

 

pacheco

Fábrica Ford de General Pacheco

 

CM

Créiitos: www.todofalcon.com, wikimedia.org, www.taringa.net, www.iprofessional.com, acervo particular do autor

 

FICHA TÉCNICA FORD FALCON 1963
MOTOR
Denominação Ford Falcon Six 170
Tipo L-6, longitudinal, bloco e cabeçote de ferro fundido, comando de válvulas no bloco, válvulas no cabeçote, 2 válvulas por cilindro, gasolina
Diâmetro e curso 88,9 x 74,68 mm
Cilindrada 2.781 cm³
Taxa de compressão 6,8:1
Potência (cv/rpm) 102/4.400
Torque (m·kgf/rpm) 22/2.400
Formação de mistura Carburador
TRANSMISSÃO
Câmbio Manual de 3 marchas + ré, tração traseira
Relações das marchas 1ª 2,80:1; 2ª 1,55:1; 3ª 1,00:1 (direta); ré 3,80:1
Relação do diferencial 3,54:1
SUSPENSÃO
Dianteira Independente, braços triangulares superpostos, mola helicoidal, amortecedor hidráulico e barra estabilizadora
Traseira Eixo rígido, feixe de molas longitudinal, e amortecedor hidráulico
DIREÇÃO
Tipo Setor e sem-fim com esferas recirculantes
Diâmetro mínimo de curva 11,8 m
FREIOS
Dianteiros A tambor
Traseiros A tambor
RODAS E PNEUS
Rodas Aço, 5Jx13
Pneus 6.40-13
CONSTRUÇÃO
Tipo Separada, sedã 4-portas, 5 lugares
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto 0,55
Área frontal (calculada) 2,054 m²
Área frontal corrigida 1,129 m²
DIMENSÕES
Comprimento 4.602 mm
Largura (com/sem espelhos) 1.793 mm
Altura 1.432 mm
Distância entre eixos 2.781 mm
Bitola dianteira/traseira 1.397/1.384 mm
Distância mínima do solo 159 mm
CAPACIDADES
Porta-malas n.d
Tanque de combustível 53 litros
PESO
Em ordem de marcha 1.250 kg
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h 17,2 s
Velocidade máxima 130 kmh
CONSUMO
Cidade 6,8 km/l
Estrada 10,1 km/l
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 última marcha 34,5 km/h
Rotação a 120 km/h últ. marcha 3.500 rpm
Rotação à vel. máxima/marcha 3.800 rpm / 3ª

 

 

 

 

 

 

(507 visualizações, 1 hoje)