Jeep, marca de volta à operação industrial no Brasil, entra no mercado com o pé direito: grande fábrica em Pernambuco, área de produção de autopeças, processos de manufatura otimizados. Começa com o Renegade, primeiro de sua escala de produtos, e por si só uma vitória: é um Fiat com decoração e parte do DNA Jeep, mas é assim visto até mesmo pelos executivos norte-americanos à frente da parte Jeep na FCA. Produto mundial, mesma estrutura dará origem a novos produtos, um deles substituindo os atuais modelos Patriot e Comando.

Como toda novidade está distante dos concorrentes atuais, com equipamentos como tela maior de navegação, faróis em xenônio, suspensão independente nas quatro rodas, assistente de estacionamento, o manobrador automático, freio para arrancada em subida, freio de mão com acionamento elétrico. Em segurança o modelo feito em fábrica ex-Fiat, em Melfi, Itália, passou pelo teste EuroNCap.

Terá quatro versões de decoração e conteúdo: Simplesmente Renegade; Sport; Latitude e Trailhawk — esta com maior distância livre do solo. Mecânica com motor 1,8 flex, base BMW aprimorado e flexibilizado pela Fiat, e agora novo cabeçote para maior torque em rotações inferiores. Outro motor, turbodiesel, 2-L e 170 cv. Três transmissões: manual de 5 marchas; automática com 6; e automática com 9, estas para as versões com tração nas quatro rodas. Desta renca de marchas, a saída faz-se em segunda marcha, e a primeira é utilizada em casos extremos, quando, por exemplo, o condutor pede a marcha reduzida. Não é engrazada numa caixa de redução, mas apenas engrena e retém a primeira marcha, extremamente reduzida, a 20:1 combinada com o diferencial. Ampla gradação de preços, de R$ 66.900 a R$ 116.900.

Tem a diferença de contar com a opção do motor diesel e câmbio com 9 velocidades, único destes conjuntos no setor — a Ford poderia ter feito isto com o EcoSport, mas bobeou. O conjunto, a par da extrema economia operacional — a 120 km/h, em nona, estará a pouco menos de 2.000 giros — confere reações quase esportivas, como acelerar da imobilidade aos 100 km/h em 9,9 s e cravar 190 km/h como velocidade final.

 

Renegade_Trailhawk-foto_Marcos_Camargo (9)

Renegade. A Jeep volta ao Brasil em grande opção

Nova etapa

Não é apenas um produto adicional no mercado, um simples lançamento, mas a volta de uma das marcas pioneiras na indústria automobilística no Brasil — aqui os Jeeps começaram a ser montados em 1948. Como marca não é recente, necessitando de crença, mas uma das mais emblemáticas, com produto que abriu seu próprio caminho. O grande pacote inclui o atrevimento da mixagem de tecnologias italiana da Fiat, e da Jeep, para fazer um produto mundial para ser o de menor preço.

Tem grandes pretensões, de levar imagem a habilidades a segmento onde não estava presente por tamanho e preço, sendo uma das âncoras de amarração ao sucesso da operação de sobrevivência da Fiat e salvação da Chrysler e sua marca Jeep.

Diz a fábrica, é a reinvenção do segmento. Para o Brasil é mais, é o emprego uma região de ralo emprego de mão de obra, sua qualificação, o recolhimento de impostos.

Jeep é Jeep, não é jipinho

O segmento dos utilitários esportivos, ampla gradação misturando morfologia com capacidades — ou falta delas —, batizando-os genericamente SUVs ou pior ainda de jipinhos, é o de maior crescimento. Tanto, permite imaginar, um ano de contração geral de vendas, terá expansão. As 134 mil unidades vendidas em 2014 deve crescer a 180 mil, calcula Sérgio Ferreira, diretor geral da operação Chrysler/Dodge/RAM/Jeep.

Ano passado os líderes foram Ford EcoSport e Renault Duster, vendendo respectivos 43 mil e 47 mil unidades. Neste exercício mexida geral no setor: Duster reformulado no grupo óptico; EcoSport com novo motor e câmbio enfrentarão Honda HR-V, o Jeep Renegade, e pela beiradas haverá o Peugeot 2008.

Após o lançamento dos três novos competidores, o mercado não será mais o mesmo, e a liderança do EcoSport e os picos do Duster no setor serão apenas registro em história. Por ser novidades e por característica e conteúdo, as fatias deste bolo serão redesenhadas. No caso do Renegade, por ampla configuração, conteúdo e versões, conquistará vendas em todos os segmentos. As versões diesel, com caixa automática, absorverão a clientela órfã do Mitsubishi TR4, e tomará algumas unidades ao Troller — outras serão pinçadas pelo Suzuki Jimny, capaz das mesmas artes, porém custando metade do preço. Prejudicará diretamente o Duster 2-L, exigindo reposicionamento e preço menor.

Por características, Jeep deveria fazer uma campanha para interessados compararem sua rolagem com a do Eco e do Duster. A suspensão independente nas 4 rodas, direção com assistência elétrica, suspensão e direção acertadas primorosamente o tornam muito mais agradável de uso contra Duster e Eco, ambos com tração simples.

 

Foto Legenda 02 Coluna 1315 -Renegade subida

É Jeep, não é jipinho…

 

Quantos R$

 

Versão Motor Câmbio  
Simplesmente Renegade 1,8 Manual 5 marchas 66.900 (+)
Sport 1,8 flex Manual 5 marchas 69.900
Sport 1,8 flex Automático 6 marchas 75.900
Sport 2,0 diesel Automático 9 marchas 99.900
Longitude 1,8 flex Automático 6 marchas 80.900
Longitude 2,0 diesel Automático 9 marchas 109.900
Trailhawk 2,0 diesel Automático 9 marchas 116.900

(+) lançamento em 90 dias

 

Agenda positiva ex-governo

Neste princípio de re-governo que não deixará saudades a ninguém, quando o país desgovernado convive com más notícias econômicas e a falta de perspectivas, medidas, planos ou projetos, curiosamente a única boa notícia econômica não vem do governo, mas da iniciativa privada. Grande fábrica em região pobre, norte de Pernambuco e sul da Paraíba, empregadora por si só e pela instalação de vizinho parque de produção de autopeças, recolhedora de impostos, movimentadora da roda da economia. Estamos a quase 90 dias do governo Dilma 2, e a única novidade positiva não vem de quem recolhe impostos e os gasta muito e ma, mas de quem os recolhe. RN

 

Foto Legenda 03 Coluna 1315 -Benini

Cledorvino Belini, presidente da FCA Latam, festeja a bordo de um Jeep 1942, criador da noção de independência dentro do cenário de mobilidade.

 

RODA-A-RODA

Martelo – Surpresa no leilão dos ativos e restos da De Tomaso, fábrica italiana de esportivos. Ofertas em torno de 500 mil euros, dispararam na disputa entre holdings chinesa e outra com base em Luxemburgo, a L3. Ganhou com lance de 2 milhões e cinqüenta mil euros e a proposta de voltar a funcionar, recontratar 360 funcionários, e fazer esportivo com motor traseiro.

Cadastro – A empresa com operações na Itália e base fiscal em Luxemburgo, é do ramo: é dona da Lotus, competidora da Fórmula 1. Propõe fazer esportivo com motor traseiro. Curioso abandonar o sedã Deauville, projeto recente da Pininfarina, encomendado e pago pela administração anterior.

 

Foto Legenda 04 Coluna 1315 - Logo de Tomaso

Caminho – Governo argentino vai atrás e instiga Nissan fazer picape Frontier em seu país. Seria na fábrica da Renault, em Santa Isabel, Córdoba. Efetivado, sedimentaria na mesma usina a produção do picape Renault tratado como Raptur, aproveitando a base Nissan — como na Coluna da edição passada.

No freio – Má situação para os BRICS com crescimento apenas para China e Índia. Brasil sinaliza encolher impensáveis 25%, e Rússia caiu 20% em 2014. Lá, GM através da Opel, freou, parará produção, suprindo presença com importados.

Mais – No cenário governo russo disponibilizou auxílio de US$ 166M para indústrias locais fazer ponte até 2016. Ford mantém sua aposta; coreana SSang Yong suspendeu exportações, e Nissan, por queda de vendas, parou produção.

Liderança – Norbert Reithofer, presidente do Conselho da BMW, acredita na manter liderança no mercado Premium em 2015, incluindo recorde de faturamento, vendas e lucros antes dos impostos. Calca no leque de modelos e na soma das operações MINI, Rolls-Royce, e motos BMW.

Briga – Mercado dos veículos alemães Premium em briga embolada. BMW vendeu 1,82M em 2014, Audi 1,7M e Mercedes 1,6M, ambas em crescimento.

FériasAcima da disparada do Euro? Vais a Paris até 10 de maio? No bater pernas pela Avenida dos Champs Elisées, pare no número 42, o DS World Paris. Lá, exposição das jóias da designer Nathalie Colin, da Casa Svarorowski, conhecida pelos cristais, e em torno do Divine DS, carro-conceito da nova marca.

Tempero – Hyundai fará série especial de 3.500 unidades do HB20. Itens para sugerir esportividade, como saias laterais e difusor de ar na traseira, rodas em desenho exclusivo. Cuidou do conforto com comandos de rádio no volante, tela de 7”. Nas versões de 2 e 4 portas hatch, 1 L e 1,6 L. Simples, 1-L, câmbio manual R$ 44,450. Equipado, 1,6-L, automático, R$ 53.545.

Racionalidade – Para difundir a necessidade de racionalização do uso da água, Mercedes-Benz realiza campanha dentro de sua fábrica matriz, em São Bernardo do Campo, SP. Dá exemplo no economizar anualmente 84 milhões de litros — nos últimos 10 anos reduziu consumo em 20%.

Festa – Em mais de seis décadas, da simplória montagem à produção, VW brasileira fixou seu emblema em 22 milhões de veículos – destes, exportou mais de 3,3 milhões. Agora em processo de nivelamento internacional, tem um produto global em cada uma de suas fábricas.

O que – Modernos motores EA211 de três e quatro cilindros em São Carlos; novo Jetta em São Bernardo do Campo; up! em Taubaté, em São Paulo, e fará o novo Golf em São José dos Pinhais, PR. Em motores já produziu 23 milhões.

Espartano – No processo de revitalização de sua pioneira fábrica em São Bernardo do Campo, SP, Toyota resgatou diretoria para lá. Economia de custos.

Base – Para aumentar produção de peças para motores, como virabrequins e bielas, para uso local e exportações, terá três turnos de funcionamento.

Assinatura – Novos terminais e ponteiras de escapamento como decoração automobilística, lançamento da Tuper, maior fabricante de escapamentos da América Latina. Para durar, são em inox polido, para nacionais e importados.

Reparos – Sikkens, linha Premium de itens de pintura da PPG será utilizada pela rede Toyota para reparos em veículos da marca. Não é apenas uso de material a preço atraente, mas uso do conceito Reparo Rápido, processo de otimização dos carros nas oficinas, com vistas a maior lucratividade.

Razões Pelo processo, pequenos reparos de pintura realizados em apenas 2 horas, durante a revisão ou reparo do veículo. Tipo Jac – jac o carro está na oficina, conserta tudo… Diz, não há choque entre a pintura original e o retoque.

Nos dias atuais, seguros e serviços devem pagar as contas da concessionária — venda de veículos tende a ser lucro bruto.

Tecnologia – Pirelli, fornecedora oficial de pneus para a Fórmula 1, parece, acertou a química na temporada de 2014, evitando dechapamentos, e melhorou-a para 2015. Nos treinos da prova de abertura, GP da Austrália, tempos baixaram entre 3 s e 2 s, e na corrida Lewis Hamilton fez a volta mais rápida em 1 s e 5/10 menos.

Avião – Cada vez mais próxima a realidade do avião da Honda, o Honda Jet. A FAA, agência estadunidense para aviação, autorizou produção dos motores pela joint venture entre GE e Honda. Exigirá apenas comandante, será o mais econômico e o de maior autonomia. Fábrica é em Lynn, Massachusetts, EUA.

Retífica RN – Coluna informou produção dos BMW Serie 1 em Araquari, SC, e ilustrou com foto do modelo novo. Errou. Modelo inicialmente montado será o em descontinuação, de 2011. Cronograma e acordo com o programa Inovar-Auto, justificou a BMW.

Gente – Pérsio Lisboa, paulista, administrador, píncaro. OOOO Presidente de operações da Navistar, objetivo perseguido há 27 anos. OOOO Marca inclui operações da Internacional caminhões e motores MWM. OOOO

RN

[email protected]

A coluna “De carro por aí” é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.


  • TDA

    Gostei do visual do Jeep e também do Honda, acho que certamente vai dar trabalho para o Ford e no caso das francesas, vão ter dificuldades. O Peugeot que segue a boa receita do 208 não tem prestígio da Honda, não tem inovação técnica da Jeep e ainda peca no marketing e posicionamento da marca (lançar o carro sem câmbio automático é o fim). E para a Renault só vai sobrar competir por preço, pois o Dacia com frente “nova” ficou mais feio que o anterior.

  • Transitando

    Nasr Nasser, e a Pirelli na mão dos chineses?

    Aos interessados, leiam mais aqui:
    http://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN0MJ0XB20150323

    Daqui a pouco “A Bota” terá uma etiqueta Made in China ou Fabbricato in RPC, e no calcanhar…

  • marco lima

    A BMW está dando um tiro no próprio pé, ao produzir um modelo em fase de substituição. O consumidor brasileiro já teve esta experiência antes (Fiat Tipo, descontinuado na Turquia e lançado aqui (onde detinha um mercado muito bom), foi rejeitado como refugo…. A BMW vai no mesmo caminho, sem contar que, além de defasado, será muito caro, para um modelo descontinuado. Péssima idéia…

    • CorsarioViajante

      Também acho. O público que compra BMW não vai aceitar comprar um carro que já saiu de linha lá fora, ainda mais se Audi, Mercedes, Volvo, Land Rover e tantas outras oferecerem opções alinhadas.